1. Spirit Fanfics >
  2. Pokémon: Unlimited World - ReStart - >
  3. Save 02 - Destino

História Pokémon: Unlimited World - ReStart - - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


— Rota 01 - às 06:30 da manhã

Max caminhava ao lado de Bulbasaur, seguindo por uma estrada de terra que o levaria até a cidade de Viridiana. Mantendo seus olhos atentos, o rapaz buscava por aquele que seria seu 1° Pokémon capturado durante sua trajetória.

— Eu pensava que eles fossem aparecer aos montes como nos jogos de videogame, mas pelo visto estava enganado... - quando viria demonstrar seu 1° sinal de frustração, acaba escutando o som de bater de asas bem na sua frente.

— Bulba! - exclamou, animado.

— Esse bater de asas... Bulbasaur, vamos nos aproximar pelas sombras, beleza? Me segue. - ordenou, num tom baixo de voz.

Ambos se movem sorrateiramente pela grama alta atrás do local no qual o som foi emitido. Passando-se alguns segundos, ele se colocam atrás de uma árvore enorme próxima de um campo aberto bem espaçoso, perfeito para batalhas entre treinadores.

— Demos sorte, não há nenhum treinador acordado numa hora dessas! Beleza... - tirou a Pokédex do bolso, apontando-a para o Pokémon que havia pousado ali sem revelar sua presença.

— Bulbasaur... - aguardava ansiosamente.

Max olha novamente para a tela de sua Pokédex após recolher seu braço estendido novamente, descobrindo que seu alvo era um Pidgey de nível 5.

— Um Pidgey... Nós damos conta disso, com certeza! Ataque-o com uma feroz investida para nocauteá-lo--

Um barulho de um soco estrondoso ecoa repentinamente no local, levantando uma nuvem de poeira pelos ares. Max se assusta, caindo de bunda no chão sem saber como reagir.

— M-mas que diabos foi isso?! - indagou, procurando em seguida por sua Pokédex derrubada.

Bulbasaur se esconde atrás de seu treinador, tão apavorado quanto o próprio. Ambos esperam a nuvem de poeira abaixar para confirmar o responsável por tudo isso. Quando a identidade do responsável é revelada, Max fica absurdamente confuso com a situação.

— Lucario?! - entrou em choque, ficando num estado de êxtase.

Bulbasaur fica encarando Lucario fixamante, paralisado de medo.

* * *

"O mundo dos Pokémon, um lugar maravilhoso repleto de criaturas espetaculares e de aventureiros dispostos a fazer o que for possível para a realização de seus sonhos. Entretanto, para alcançar o topo do mundo será necessário ser muito mais que um sonhador. Centenas de barreiras irão se opôr no caminho, desde rivais que desejam o mesmo, até inimigos que farão de tudo para encerrar sua jornada duma vez por todas. Você precisa fazer o impossível, caso um dia deseje ser realmente lendário!"

ABERTURA

O nascer do sol além do horizonte...

Marcará o começo da aventura!

Pokémon: Unlimited World

- RESTART -

Segure o boné em sua cabeça

Respire, não vacile, não terá outra chance!

É hora de fazer sua história virar lenda

Sem hesitar, tenha coragem, vá adiante!

Tenha atitude, dê o passo decisivo!

A jornada mais épica vos espera!

Lidaremos com situações inesperadas

Não deixe seus tropeços definirem o futuro

Seja ambicioso até zerar este jogo!

Seja o herói de seu destino...!

* * *

Capítulo 2 - Save 02 - Destino


Fanfic / Fanfiction Pokémon: Unlimited World - ReStart - - Capítulo 2 - Save 02 - Destino

Rota 01 - meia hora depois.

Max caminhava meio emburrecido com Bulbasaur ao seu lado, desejando chegar em Viridiana para mandar Lucario de volta o mais rápido que puder. O Pokémon Aura mantém uma certa distância do treinador, sem perdê-lo de vista.

— (Não entendo a razão de você tá chateado comigo...) - Lucario fala num tom confuso.

— Você sabe o que pode acontecer se ela ficar sozinha lá, foi por isso que disse pra cuidar dela. - Max reclama.

— (Eu não desejei contrariá-lo, foi sua mãe que me botou na sua mochila. Se fosse por mim, eu estaria cuidando dela.) - respondeu no mesmo instante.

— Essa mulher é teimosa demais... - bufou, olhando para sua direita.

Lucario: (Se quiser posso apenas ficar lhe observando. Não vou entrar em nenhum conflito sem sua permissão.)

— Hmm... Tá bom, você vai ficar comigo! Mas nem pense em fazer o mesmo que fez com o coitado do Pidgey lá atrás contra os novatos que nos desafiarem. Você só pode entrar em ação quando as coisas realmente apertarem! - exclamou sem olhar para trás.

— (Tá bom... Vamos lá!) - Lucario sai correndo disparado na frente, levemente empolgado.

— ...Espero que esse tipo de situação demore pra chegar ainda. - Max acelera seus passos, refletindo sua preocupação em silêncio dentro da sua cabeça.

Bulbasaur segue o ritmo, caminhando lado a lado com seu treinador.

* * *

Às 7 da manhã - Na cidade de Pallet.

— Pokédex, é...? - o rapaz de cabelo castanho espetado cita o objeto pelo o caminho que o levaria até o Laboratório Pokémon. Em sua cintura é possível ver uma Pokébola pendurada, num cinto especial para treinadores.

Antes de entrar, ele olha para o relógio em seu pulso, confirmando que havia acabado de dá 7 horas em ponto. O rapaz sorri, feliz por chegado no horário marcado. Logo, acaba adentrando o local sem medo.

— Olá, Professor Oak, cheguei às 7 horas, exatamente como marcado antes.

Oak deixa tudo que estava fazendo para falar com o garoto, indo imediatamente até ele.

— Ora ora, pensei que tivesse deixado meu pedido de lado após nossa última conversa. Fico feliz por ter voltado atrás no fim de tudo, Charles!

Oak entregou a Pokédex de bom grado para o treinador, bastante contente pela a atitude do sujeito.

— Eu tenho um enorme respeito pelo o senhor, por isso estou disposto a completá-la. - deu uma revisada rápida na agenda, guardando-a em sequência.

Charles acaba reparando que uma das 3 Pokébolas enfileiradas já não estava mais presente no local.

— Ué? Não que eu vá pegar... Mas, já veio alguém aqui? - indagou.

— Um rapaz mais ou menos da sua idade veio aqui antes do amanhecer, desejando embarcar em sua jornada pessoal o mais rápido que pudesse. Ele também levou uma Pokédex com ele e é tão talentoso quanto você em batalhas. A diferença é que você é bem mais tranquilo, haha! - Oak responde.

Ele repara que Charles não levava nenhum outro Pokémon consigo além de seu fiel parceiro de infância, acabando por levá-lo a fazer uma pergunta a ele:

— Jovem Charles, você não acha que irá precisar de um reforço extra no começo de sua aventura? O mundo anda perigoso demais ultimamente... Os vândalos da Equipe Rocket causam tempestades por onde passam, deve ser forte o bastante não ser mais uma vítima deles!

— Eu posso mesmo levar um deles? - questionou.

— Fique à vontade. É o dever de um professor Pokémon assegurar o bem dos treinadores escolhidos para carregar uma Pokédex. Escolha o parceiro que desejar! - proclamou, com total certeza.

— Certo professor, como tenho sua aprovação, eu levarei... O Charmander. - foi diretamente até a Pokébola no qual o mesmo estava descansando.

— Algum motivo especial para isso? - Oak questiona.

— A jornada promete ser mais desafiadora no começo se eu levá-lo comigo. Gosto de lutar abusando das estratégias que minha mente elabora no meio da batalha.

Charles arremessa a Pokébola para o alto, libertando o Charmander de dentro dela. Ele cai de braços abertos em seu colo, continuando agarrado a ele, revelando seu lado mais carinhoso.

— Oh, ele também é fofo... - Charles responde meio envergonhado.

— Outro que teve a sorte de pegar um Pokémon carinhoso logo de cara... - Oak resmunga no canto, quase chorando por seu azar.

— Bem, professor Oak, obrigado pela ajuda... Tentarei completar sua Pokédex o mais rápido que puder.

Charles se retira do laboratório civilizadamente, desejando visitar sua casa uma última vez antes de embarcar na aventura de cabeça. Oak apenas observa do portão de entrada, cruzando seus braços consecutivamente. Lembranças do passado o fazem se emocionar momentaneamente, lembrando-se dos velhos tempos.

— Tomem cuidado, garotos. Rapazes ambiciosos costumam ter mais desafios no caminho, e só os fortes conseguem resistir perante as incontáveis tempestades. Estejam prontos, isso não será nada fácil!

* * *

Floresta de Viridiana - às 14 da tarde.

— Eu nunca pensei que fosse tão cansativo sair correndo atrás de Pokémon por aí... E que houvessem tantos treinadores no caminho pra me desafiar! - Max joga sua mochila no chão e senta-se debaixo da sombra de uma árvore enorme, apoiando suas costas no tronco.

Lucario: (Eu disse que você deveria ter dormido bem antes de começar sua jornada. Agora sabe as consequências de passar a madrugada toda acordado, né?) - fica diante de seu treinador, com as patas na cintura.

— É... - boceja impulsivamente, coçando seus olhos. — Vou deixar a soneca pra depois, agora vamos ver algo para almoçar juntos.

Ao expressar seu plano, uma Oran Berry cai na cabeça de Max, rolando pela terra em sequência. O rapaz então olha para cima, vendo que havia muito mais dessas frutas para serem colhidas.

— (Deixa isso comigo...) - Lucario fecha seus olhos e se concentra totalmente, desferindo um único soco estrondoso na árvore. Em seguida, dezenas de frutas Oran caíram de lá ao mesmo tempo.

— Eu ia tentar subir na árvore pra colher as frutas com minhas mãos, derrubar todas é meio exagerado... - Max observa cena com um olhar bobo, não sabendo como lidar com a impulsividade de Lucario.

— (Pare de ser tão crítico com as coisas, ofereça essa recompensa aos seus companheiros pelo esforço que fizeram lá atrás!) - Lucario devora as frutas com o maior prazer do mundo, deliciando-se em cada mordida dada.

— ... Acho que você tá certo! - deixando seu lado cauteloso de lado, o rapaz solta todos os seus Pokémon para fora da Pokébola.

Assim, Bulbasaur, Pidgey, Rattata, Mankey, Weedle e Butterfree ficam extremamente contentes ao verem o banquete servido para eles. Eles sentam lado a lado e começam a saborear cada fruta colhida de pouco em pouco.

Max: Caramba, vocês tão morrendo de fome mesmo! Deixem eu me juntar nesse montinho também!

O treinador pega sua mochila e a abre ansiosamente, tirando um pote com bolinhos de arroz lá de dentro. Ao remover a tampa do pote, ele começa a devorá-los rapidamente.

— (Toma cuidado com isso, campeão. Não vai querer morrer engasgado, né?) - Lucario bagunça.

— E-eu não vou me engasg... - um raio atravessa por seu campo de visão numa velocidade absurda, fazendo-o quase se engasgar.

— (Mas o quê?!) - Lucario indaga, surpreso.

— Pika! - o relâmpago amarelo revela-se sendo um Pikachu, que havia passado por ali para roubar um dos bolinhos de arroz do Max.

— Um Pikachu! Demos sorte, o Pokémon mais raro dessa zona apareceu por vontade própria para nos confrontar... Então vamos com tudo! - Max recupera sua postura após quase morrer sufocado, virando seu boné para trás. — Bulbasaur, vamos nessa!

Bulbasaur devora sua Oran Berry numa só tacada, entrando em postura de combate, aguardando ansiosamente pelas ordens de Max. Pikachu reage, ficando igualmente em pose de combate.

— Bulbasaur, use Vine Whip! - no mesmo instante, o Pokémon desfere dezenas de chicotadas de cipó contra Pikachu, devastando todo o obstáculo em seu caminho.

— Pika... - o rato elétrico reage esquivando-se rapidamente, aproximando-se com cautela para acertar uma investida contra seu oponente.

— Bulbasaur, esquiva! - O Pokémon bulba tenta reagir, mas acaba recebendo uma cabeçada impactante de frente, sendo mandado para trás com tudo.

— Pika Pika! - suas bochechas faíscam sem parar, como se estivesse provocando Bulbasaur.

— Não vamos ficar calados perante essa provocação! Use Leech Seed! - consecutivamente Bulbasaur planta uma semente no alvo antes que pudesse reagir, sem ao menos perceber que ela estava ali.

— Pika... chu!! - o rato elétrico por sua vez usa Quick Attack, desferindo dezenas de golpes físicos rápidos contra seu alvo, machucando-o pra valer.

— Bulbasaur, use Vine Whip novamente contra o solo! - ao fazer isso, o Pokémon bulba levanta uma enorme neblina de poeira no campo de batalha.

— Pika? Pika...! - o rato eléctrico tenta atacar Bulbasaur enquanto ainda o tinha em seu campo de visão, mas acaba entrando num estado de paralização ao ter sua energia absorvida de forma instantânea.

Uma grande faísca elétrica ocorre em volta da localização na qual o Pokémon elétrico havia travado, tornando-se um alvo fácil para Bulbasaur atacá-lo.

— Beleza, use Vine Whip para amarrá-lo! - o Pokémon bulba realiza a ação com sucesso, amarrando-o sem escapatórias.

— Pika! - tentava se soltar a todo custo, realizando uma discarga elétrica devastadora ao seu redor para isso.

— Golpes elétricos são praticamente inúteis contra Pokémon do tipo grama, esquecer desse detalhe é o que custou sua vitória! Agora, Bulbasaur, rodopie até não poder mais!

O pequeno Pokémon de grama obedece sucessivamente, rodopeando até ficar tonto de verdade, fazendo Pikachu sentir como se estivesse amarrado numa gangorra extremamente rápida. Bulbasaur o solta contra um rochedo enorme, ocasionando na devastação completa do mesmo após o baque de Pikachu contra ele. O pequeno rato elétrico é nocauteado sem escapatória, caindo duro no chão.

— Ótimo, parceiro! - Max saca uma Pokébola do bolso, visando capturá-lo numa só tacada. — Com você no meu time, minha Pokédex estará há mais um passo de ser completa!

???: Espera aí, não faz isso!! - uma voz feminina doce e suave se manifesta atrás de Max, exclamando em voz alta.

— Hm? - Max olha pra aquela direção, avistando uma bela e jovem treinadora da sua idade, fazendo-o travar no momento.

— Você não pode capturar esse Pikachu, ele é meu Pokémon! - após dar a bronca, a moça bota Pikachu para descansar dentro de sua Pokébola.

— Eu não fazia ideia disso, foi mal. Ele roubou meu almoço, aí pensei que fosse um Pokémon selvagem passando pela área... - Max tenta se desculpar.

— Ahh... - a barriga dela começa a roncar extremamente alto, chamando a atenção de todos os Pokémon de Max, além dele próprio.

— Isso foi sua barriga roncando ou um Gyarados rugindo dentro da sua barriga? - Max indaga, assustado com o barulho que acabou de escutar.

— É isso que acontece quando você gasta todo seu dinheiro comprando Pokébolas... - olhou para o canto, desapontanda com sua escolha pessoal.

— Bom, eu também acabei cometendo esse erro. Por sorte, encontrei uns treinadores que me desafiaram no caminho. Como eu os venci, eles me deram uma pequena recompensa em dinheiro. Posso compensar o estado atual do seu Pikachu comprando seu almoço, se quiser... - Max coça sua cabeça, nervoso com a situação.

— Ah, eu aceitaria duas vezes sem recusar! - a garota puxa Max pelo pulso, caminhando em direção do Centro Pokémon.

— E-espera, a minha mochila ainda tá lá atrás!! - Max exclama desesperado enquanto é arrastado.

— Pede pro Lucario trazer ela, o lance agora é matar a fome! - responde no mesmo segundo, sorrindo impulsivamente por saber que seria recompensada.

* * *

Centro Pokémon - 15 minutos depois.

A dupla estava sentada de frente um pro outro numa mesa localizada bem no canto direito do salão principal do Centro Pokémon. Max e Lucario assistiam Sayuri almoçar pacientemente, usando esse tempo para descansar também.

— Muito obrigada por compartilhar seus bolinhos de arroz comigo. Estou realmente satisfeita com esse almoço! - a moça limpa seu rosto com um lenço de papel, dando um suspiro de alívio no final.

— (Se eu soubesse que ela não iria gostar de nada daquele restaurante, eu nem teria voltado mais cedo pra cá... Mas pelo menos a saúde do Pikachu foi restaurada sem ser preciso gastar meu único Revive, então acho que tá valendo) - Max pensou no momento.

***nota: "Revive" é o nome de um item capaz de despertar Pokémon desmaiados em combate com uma parcela de sua saúde restaurada.***

— Desculpa pelos problemas trazidos pelo o Pikachu, ele é impulsivo demais, raramente acaba atendendo ao meu chamado... - ela se explica, com vergonha.

— Ah, relaxa. Ele só tava com fome, muitos fariam o mesmo se estivessem no lugar dele. ^-^" - Max levanta suas mãos levemente, pedindo para a moça se acalmar.

— Mesmo assim, agradeço de verdade por isso... Qual seu nome mesmo? - ela indaga, bastante curiosa.

— Eu me chamo Max, Max Tokoymoto! - respondeu claramente, apontando pra si mesmo com o polegar.

— Oh, eu me chamo Sayuri Yoshida! Quer ser meu melhor amigo??? - se levanta, perguntando com uma empolgação quase incontrolável.

— Mas a gente acabou de se conhecer... - Max responde, bastante sem graça.

— Ah sim, me desculpa por isso! É que eu não sou muito boa com esse lance de amizades, tanto que só tive um amigo em toda minha vida... - suas expressões mudam drasticamente, ficando bem mais triste. — Eu tenho medo de passar tempo demais sozinha e acabar fazendo alguma besteira irracional, meus pensamentos me assustam...

— Mas você parece ser uma garota legal, fofa e divertida. Como uma pessoa que nem você não tem amigos? - Max questiona.

— As pessoas me julgavam com palavras terríveis por conta de meus "dons peculiares", foi por isso que não quis seguir minha jornada em Johto e vim pra Kanto. Me mudei para cá com minha família pois queria escapar dos monstros que me atormentavam. - Sayuri responde cabisbaixa.

Max: Que pessoal estranh--

Sayuri coloca seu dedo indicador nos lábios de Max antes que pudesse completar sua frase, deixando-o confuso.

— Não fala essa palavra na minha frente, por favor! - Sayuri implora, com seus lábios trêmulos.

Max fica perplexo com a expressão no olhar da moça, sentindo uma enorme tristeza emanando diretamente de lá. Pouco tempo depois, o rapaz resolve agir.

— Sayuri, eu não sei o que aconteceu no seu passado, nem a razão pela qual você detesta essa palavra... Mas eu realmente desejo ajudá-la e ser seu amigo! - levantou-se, afirmando seu desejo.

— É sério mesmo??? Quer ser meu amigo, mesmo sabendo no fundo que eu sou estranha??? - Sayuri questiona, com medo de confiar no rapaz.

— Eu não vou julgá-la por um "dom peculiar". Você não é um monstro, é uma garota cansada de conviver com a solidão. Isso até faz eu me lembrar de uma pessoa importante pra mim... Vamos ser companheiros de viagem, assim posso cuidar de você sem problemas! - Max expressa seus planos, esperando pela resposta de Sayuri.

— Eu adoraria ter sua companhia, de verdade mesmo! - Sayuri exclama, contente até demais.

— Então beleza, pode contar comigo! - deu um sorriso espontâneo, encarando-a por um breve momento.

— Eh... Bem... O que você tá planejando fazer agora, Max Tokoymoto? - Sayuri indaga.

— Bom, agora que você já tá bem alimentada e seu Pikachu já tá com a saúde restaurada, acho que podemos voltar para a Floresta de Viridiana. Tenho que ficar mais forte rapidamente, assim não vou passar vergonha na frente do líder de ginásio de Pewter. - Max estabelece seus planos.

— Mas vamos voltar pra descansar aqui mais tarde, né? - Sayuri questiona novamente.

— Claro. Eu preciso fazer uma vídeo-chamada com minha mãe antes de ir descansar de fato. Além de que tem o bônus dos Centro Pokémon oferecerem quartos confortáveis para treinadores desabrigados, é uma opção bastante segura! - Max responde claramente, já dando passos em direção da saída do local.

— Ah, tudo bem, então vamos nessa! - levantou-se, dando alguns passos rápidos para ficar próxima do rapaz. Lucario vai logo atrás, quieto como de costume.

— Beleza, mal posso esperar pra ficar mais forte! - Max segue em frente enquanto olhava para trás, acabando por se esbarrar num treinador distraído que acabara de entrar no Centro Pokémon.

O rapaz de boné vermelho acaba tombando no chão, derrubando a Pokédex de seu bolso consecutivamente no meio da queda. O outro fica surpreso ao ver o utensílio em sua frente, reconhecendo não só a Pokédex, como também o dono dela.

— Um garoto de boné vermelho que leva consigo uma Pokédex... Você é o tal Max que o professor Oak citou mais cedo. - Charles estende sua mão para ajudá-lo a se levantar.

— Você é um dos escolhidos do Oak? - ajuntou sua Pokédex rapidamente, levantando-se do chão com o auxílio do treinador que acabara de conhecer.

— O único em quem ele confiou o sonho pessoal de infância além de você. Eu me chamo Charles Takahashi. - sacou sua Pokédex do bolso, como prova de sua identidade e confiança. Entretanto, diferente da de Max, a coloração de seu utensílio de registro é verde-claro.

— Compreendo... Então isso nos torna de certa forma, rivais? - Max questiona, ativando seu lado mais afrontador.

Sayuri e Lucario ficam quietos, observando a discussão entre ambos.

— Você se considera uma pessoa do meu nível só pelo o fato de ter sido escolhido pelo velhote? - Charles indaga, num tom provocante.

— Eu ainda não sofri nenhuma derrota desde que saí de Pallet. Posso até não tá no seu nível, mas me derrubar não é uma tarefa fácil. - Max responde, expressando total confiança em si mesmo.

— Pois bem, filho do campeão... Vou ir ali restaurar a saúde de meus Pokémon, para trazer uma resposta definitiva sobre quem é o mais forte entre nós dois. Pode ser? - Charles faz sua proposta.

— Claro, vamos batalhar na floresta de Viridiana. Lá tem espaço o bastante para que possamos lutar com força total, sem nos segurarmos! - Max cruza seus braços, determinado.

— Não me importo com o lugar, eu confio no poder dos meus companheiros. Pois bem, pode ir na frente se quiser, vou para lá assim que meu assunto tiver sido encerrado aqui. - Charles passa do lado de Max, indo até o balcão de atendimento.

Enquanto isso, Sayuri se aproxima de Max, sussurrando em seu ouvido:

— Ei, você tem certeza de que é forte ao ponto de ficar provocando as pessoas desse jeito?

— As pessoas tendem a dar seu melhor após serem provocadas. Eu tava desejando um desafio equivalente ao que terei quando for enfrentar o líder de Pewter. Talvez o Charles seja capaz de me trazer uma sensação próxima do que virá pela frente nos confrontos pelas insígnias. Talvez ele tenha tido uma ideia próxima da minha também! - Tokoymoto responde sussurrando.

— Ahh... Acho que faz sentido até. - Sayuri compreende, afastando-se.

— Vamos nessa Sayuri, temos um encontro marcado! - Max dispara, saindo correndo do local.

— Calma aí apressado, eu acabei de almoçar! Tou no meio de uma digestão aqui, poxa!  - Sayuri sai dando passos apressados, buscando a compreensão de Max.

Lucario: (Impulsivo igual o pai...) - deu um sorriso de canto, antes de ir atrás de seu treinador.

Assim a jornada de Max Tokoymoto avança pouco a pouco, encontrando sua companheira de viagem e até mesmo um rival logo de cara. Vejamos o rumo que as atitudes de Max o levarão no próximo save, será ele capaz de surpreender seu rival e vencê-lo no primeiro confronto? Ou será que uma surra épica o aguarda? Continua no próximo save de Pokémon: Unlimited World!

* * *

Na floresta de Viridiana - naquele exato momento.

A formosa zona de captura dominada de Pokémon do tipo inseto estava totalmente vazia, sem rastros de presença, tanto de treinadores quanto de Pokémon em si. O clima muda drasticamente, fazendo com que aquele dia tão belo e ensolarado transforme-se num dia obscuro, com nuvens escuras predominando o céu. Uma forte tempestade se aproxima daquela zona, prometendo trazer muito mais que apenas chuva e vendavais para aquela rota específica.



Notas Finais


___________________________________

Floresta de Viridiana

Player: Max

Insígnias: 0

Pokédex: 09

Tempo: 00:35

Save salvo com sucesso.

___________________________________


***
Notas extras: Assim como Max Tokoymoto é uma contraparte de Red, Sayuri assume o papel de ser contraparte de Green/Leaf e Charles assume a contraparte de Gary/Blue. Assim então é completo o trio de protagonistas da obra.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...