História Poker - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bottom!tae, Fluffy, Kookv, Muito Lemon, Não-fala-só-de-sexo, Taekook, Top!jk, Vkook
Visualizações 1.700
Palavras 2.003
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeong!! *-*
Voltei na data combinada u.u ksks
E... o lemon tá completo, eu até pensei em cortar MAS aí iria quebrar o climinha especial que tentei criar... enfim, espero que gostem ^-^
Boa leitura! :3

Capítulo 19 - Um Privilégio Apenas Meu


Fanfic / Fanfiction Poker - Capítulo 19 - Um Privilégio Apenas Meu

 

O caminho para o interior da casa fora percorrido aos tropeços à partir do instante que Taehyung abrira a porta.

Jungkook tinha total domínio sobre Taehyung. Mordiscava os lábios fartos do Kim periodicamente e vez ou outra traçava uma trilha de selares pela lateral do pescoço de tez bronzeada.

Taehyung estava completamente entregue a ele.

Estavam entre o paradoxo de que, apesar de ser Jungkook quem comandava a situação, este mal fazia ideia de para onde Taehyung estava o puxando.

Sabia apenas que, em um determinado momento — no qual ocupava-se em delinear uma linha úmida com sua língua desde a clavícula até o lóbulo da orelha de Taehyung —, ambos caíram em uma superfície macia. Logo deduziu se tratar da cama de Taehyung.

— G-Guk... — proferiu Taehyung, sôfrego. 

O Jeon não cessara os toques em nenhum momento desde que entraram na casa. Não que Taehyung estivesse incomodado, de forma alguma.

O mais novo utilizava-se das palmas das mãos e dos joelhos para se apoiar no colchão, prendendo o rapaz de madeixas castanhas debaixo de si. 

Jungkook tinha movimentos rápidos e angustiados, como se estivesse com uma pressa descomunal para retirar aquelas peças de roupa incômodas do corpo alheio. Suas mãos agora percorriam o abdômen de Taehyung e erguiam a blusa dele com deslizares simples de seus dedos. 

Taehyung ofegava, sentindo as tão conhecidas fisgadas abaixo de seu ventre. Sua pele queimava sob as mãos atrevidas do Jeon. O quarto mal havia tido tempo de se tornar quente e ele já sentia as têmporas do rosto orvalhando-se.

Jungkook estava muito, muito quente.

Talvez aquilo se devesse ao vínculo recente criado entre os dois. Não eram muito próximos, mas aquilo era mais do que Taehyung esperava ter com alguém em sua vida. 

Jungkook portava-se como se seu corpo agisse por vontade própria, sem que tivesse tempo para raciocinar os próprios movimentos.

Suas mãos eram ágeis e, em menos de dois minutos, o mais velho estava trajado apenas da peça íntima — esta por sinal, muito demarcada por uma elevação.

Jungkook mordiscou o próprio lábio inferior, deixando-o escorregar por entre os dentes até se soltar. Seus olhos percorreram o corpo quase inteiramente despido à sua mercê, percebendo que estava gastando o tempo dos dois rápido demais.

Por fim, acalmou-se. Ou ao menos conteve toda aquela pressa. 

Faria jus à frase que rondava sua mente e a do parceiro, dizendo-lhes que tinham a noite toda pela frente.

Taehyung abriu os olhos — que haviam se fechado anteriormente para que ele desfrutasse melhor a sensação — e notou o quanto a respiração do Jeon estava acelerada. Jungkook mirava-o com um olhar predador, as pupílas descendo por seu corpo de modo impactante.

Estremeceu.

Luxúria era o que banhava os olhos escuros do Jeon, e Taehyung queria apenas imergir-se naquela penumbra de prazer.

Não que Taehyung fosse um expert em sexo ou algo do gênero, mas, à julgar por suas noites anteriores com aquele mesmo homem, ele sabia que, pela forma com que o moreno lhe olhava e por conta do suor que lhe orvalhava a testa, Jungkook estava mais excitado do que ele.

Taehyung sorriu sapeca, decidindo que iria se aproveitar da sensibilidade demonstrada pelo mais novo.

— Jungkook... — chamou mordendo o lábio e abaixou minimamente o rosto, tentando parecer mais necessitado do que de fato estava.

Estava brincando com fogo. No entanto, àquela altura, o fogaréu já havia se espalhado por todo seu corpo.

— Hum? — Replicou Jungkook, e não resistiu em sugar uma pequena área de pele um pouco abaixo do maxilar de Taehyung. 

Queria deixar sua marca mais visível e à mostra possível, e foi impossível a Taehyung não perceber.

— Me marque — pediu Taehyung, manhoso. 

O Kim direcionou o rosto para o lado e deslizou uma das mãos por seu pescoço, como se implorasse a Jungkook que lhe tocasse ali.

Jungkook arquejou. Sorriu, pouco antes de abaixar o rosto e ceder ao pedido do mais velho. O motivo de seu sorriso era evidente para ambos. 

Taehyung queria que todos soubessem que ele já tinha alguém para lhe saciar. Queria ter algo do Jeon em si, mesmo que tal adereço durasse menos de uma semana até começar a enfraquecer.

Gemeu baixinho ao sentir a mão do mais novo deslizar por sobre sua cueca, enquanto os lábios ainda se encarregavam de marcar a pele vulnerável.

— Guk... — sussurrou, sôfrego.

Assim que o mais novo ergueu o olhar em resposta a seu chamado, Taehyung levou a mão ao membro desperto dele, obtendo um gemido surpreso.

Surpreso e necessitado. Taehyung sorriu mordendo o lábio, travesso.

O mais velho passou a massagear a área, divertindo-se (e se excitando) com as expressões de Jungkook. Observava-o fechar os olhos com certa força, deixando os lábios entreabertos, de onde provinham gemidos e sussurros que Taehyung não iria conseguir apagar do pensamento tão cedo.

De repente, Taehyung cessou os toques. Queria que fossem além de meros deslizares de mãos.

Jungkook despiu-se sem pressa. Um sorriso provocativo adornava-lhe os lábios, e ele mantinha os olhos levemente semicerrados em consequência do prazer que sentira anteriormente. Tudo com o propósito de instigar ainda mais Taehyung.

Após terminar de retirar as próprias roupas, removeu a peça íntima que ainda restava no corpo do Kim. 

Nu, o mais velho respirou fundo e pôs-se de pé. Jungkook arquejou ao ver Taehyung ajoelhar-se no chão na beirada da cama.

Não foi preciso pedido algum para que Jungkook se sentasse na lateral do colchão, deixando Taehyung entre suas pernas com o rosto na altura de seu abdômen.

Taehyung sorriu e aproximou a face do membro teso do outro rapaz. Assoprou a glande e ouviu Jungkook murmurar algo desconexo. Algo como um "isso..." seguido de um suspiro.

O mais velho depositou um breve selar na coxa esquerda, próximo da virilha, antes de sugar e mordiscar a área, deixando-a marcada.

Ao final, um pequeno círculo avermelhado fazia morada próximo da virilha do Jeon. Taehyung não poderia ter escolhido um local mais sutil para marcá-lo.

— Gostei dessa marca. O lugar é um pouquinho peculiar, mas eu gostei — comentou Jungkook, com um sorriso arteiro que fez Taehyung rir.

— Eu também gostei. Vou poder vê-la outra vez? 

— Quantas vezes quiser.

O mais velho sorriu, incerto sobre se deveria ou não dizer o que estava prestes a perguntar. Ao final, decidiu soltar a frase no ar:

— Só eu vou poder ver? 

Jungkook entreabriu os lábios surpreso, mas logo seu rosto tornou-se abrigo de um amplo sorriso.

Levou dois de seus dedos para debaixo do queixo do mais velho e ergueu o rosto dele em sua direção.

— Só você.

Taehyung sorriu, desviando o olhar para qualquer ponto do quarto que não fosse o rosto de outrem. Sentia as bochechas queimarem de vergonha. Jungkook estava o achando uma graça daquela forma. 

Era a primeira vez que Taehyung corava com tamanha intensidade. O sorriso bobo que tentava a todo custo esconder fez com que Jungkook confirmasse o que tanto ansiava em saber.

Então era verdade o que Namjoon lhe contara; Taehyung gostava mesmo de si.

— Vem cá, Tae.

— Mas eu ainda não fiz nada — replicou ao se dar conta de que ainda estava de joelhos entre as pernas de Jungkook.

— Não aguento mais esperar, vem. 

O mais velho expôs um bico nos lábios em protesto, mas, ainda assim, levantou-se e se deitou na cama, deixando que Jungkook se encaixasse entre suas pernas e roçasse seus membros, arrancando-lhes um gemido uníssono.

Jungkook o fitou por um tempo, parecendo estar incerto sobre algo. Taehyung tinha uma breve noção do que afligia o Jeon, mas nunca estivera tão certo de algo como se sentia naquela noite.

Certo de que queria que Jungkook o fizesse seu.

A conversa — se é que um diálogo de tão poucas palavras pudesse ser chamado de tal forma — que haviam tido sobre serem apenas um do outro deixara explícito que não queriam outros corpos, tão pouco outras pessoas.

Se gostavam e haviam deixado isso de certa forma claro, afinal, não eram bobos ao ponto de não conseguirem ler as entrelinhas.

 Com uma das mãos espalmada no colchão dando-lhe apoio, Jungkook guiou a destra à boca de Taehyung. O Kim umedeceu três de seus dedos, vez ou outra mordendo-os levemente para provocá-lo.

Jungkook levou os dedos ungidos à entrada do mais velho, forçando apenas um contra esta, seguido por outro conforme o corpo de Taehyung se adaptava à invasão. 

Quando o mais velho passou a suspirar em deleite e suplicar por mais, Jungkook cessou a preparação. 

Taehyung levou a mão livre até o membro de Jungkook, espalhando o pré-gozo por toda a extensão para que lhes servisse de lubrificante.

Já não eram mais estranhos e tampouco meros amigos.

Jungkook entrelaçou a mão de Taehyung à sua. Segurou a cintura dele com firmesa e se introduziu devagar. O mais velho fechou os olhos e gemeu arrastado.

Apesar da dor incômoda de sempre, já estava acostumado àquilo, e o prazer que Jungkook lhe proporcionava superava facilmente qualquer incômodo que pudesse sentir.

O mais novo parou ao estar inserido por completo. Suspirou, sentindo o aperto excitante em torno de seu membro e o calor de Taehyung lhe envolvendo.

Desceu selares pelo rosto do mais velho até chegar a clavícula, onde mordiscou fracamente. A mão de Taehyung apertava a de Jungkook, buscando apegar-se ainda mais (se possível) a ele.

— Jungkook, mova-se...

Ao ouvir a voz grave de Taehyung pedindo-lhe que começasse, Jungkook deu unício às estocadas. O nome de Taehyung escapava de seus lábios conforme sentia o choque entre seus corpos se tornar mais forte e a velocidade de suas investidas aumentar gradativamente. 

Taehyung se contorcia sobre os lençóis, a cabeça parecia querer fundir-se ao travesseiro quando ele a jogava para trás. Uma de suas mãos arranhava fracamente as costas de Jungkook, enquanto a outra apertava a mão alheia, tratando de as manter juntas.

O mais velho não fazia ideia de como ainda não havia ficado sem voz. Fazia questão de mostrar a Jungkook o quanto estava gostando de tê-lo arremetendo contra si. O quão profundos e prazerosos eram seus gemidos. O quanto ele gostava do que faziam.

A cada estocada em que Jungkook aplicava um pouco mais de força, a próstata de Taehyung era atingida e seu corpo recebia uma nova onde de prazer.

Naquele momento, era uma dádiva o fato de sua mãe não estar em casa, porque, céus, aquilo estava muito bom. 

— Hyung... — sibilou Jungkook, ao lembrar-se de que Taehyung gostava de ser chamado daquela forma durante o sexo. O Kim apertou com mais força o lençol em uma de suas mãos.

A mão de Jungkook envolveu o falo de Taehyung. Seus dedos subiam e desciam sem pudor em torno do membro ereto do Kim.

— I-Isso — gemeu Taehyung, sentindo-se no ápice. — Não pare...

Ao ver Taehyung esbanjar tamanho prazer diante de seus toques, Jungkook não pôde mais segurar a própria luxúria. Gozou, gemendo rouco em alto e bom som.

Taehyung veio logo em seguida, com o mais novo ainda o estocando em um ritmo mais lento.

Jungkook cessou as investidas e retirou-se do interior de Taehyng. Caiu exausto sobre a cama, a respiração acelerada e ofegante.

Taehyung ergueu-se para ir de encontro a Jungkook e requisitar o aconchego que sabia que iria encontrar nos braços dele. Arquejou ao sentir o líquido de Jungkook escorrendo por suas pernas.

Sempre fora adepto ao uso de preservativos, mas aquela noite foi...

Aquela noite foi uma excessão. Foi especial.

 Taehyung logo tratou de se deitar sobre o antebraço do mais novo e deixar-se ser abraçado.

Os dois rapazes trocaram sorrisos e selares, alguns beijos mais ousados do que outros, toques — brincalhões e quentes assim como suas personalidades —, e poucas palavras. 

Após apagarem as luzes, deitaram-se juntos e emaranharam-se debaixo das cobertas.

Cada um puxava de um lado do cobertor, ocasionando risos. Todavia, não faria diferença quem conseguisse ficar com uma maior parte do cobertor.

Afinal, dormiriam abraçados, com Taehyung aninhando-se no calor do corpo alheio.

Taehyung tinha em mente as consequências de se envolver tanto com alguém, mas uma coisa era certa:

Não havia uma gota de arrependimento em seu mar de pensamentos.

 


Notas Finais


Obrigada por ler! ^-^
Fico meio ~bem~ fluffy, mas se eu quiser seguir o enredo original que planejei para esta história, tenho que colocar isso ao menos nesse cap...
'to meio ~bem~ insegura, mas espero que tenham gostado *-*...
Agora definitivamente não é mais só pegação :3 ksksks


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...