História Police Operation: Imagine Park Jimin - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Operações Especiais, Park Ji-min (Jamie Park)
Personagens Canhoto, Jimin, Jungkook, Park Ji-min (Jamie Park), Paulo Froes, Personagens Originais, Toscano, V
Tags Chimchim, Jeon Jungkook, Jimin, Jiminie, Jungkook, Kim Taehyung, Kook, Park Jimin, Tae, Taehyung
Visualizações 537
Palavras 1.799
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Policial, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Erro.


Fanfic / Fanfiction Police Operation: Imagine Park Jimin - Capítulo 8 - Erro.

— Infelizmente não da pra afirmar que o caso está totalmente encerrado. As investigações já definiram que as balas que causaram a morte das crianças foram disparadas num confronto entre os suspeitos recentemente presos e indivíduos não identificados da criminalidade local. Bom, queremos agradecer o governo do estado e à colisão pelos reforços enviados e posso garantir que em muito pouco tempo estaremos devolvendo à Comunidade de São Judas do Livramento a paz da qual todos nós estamos acostumados e somos merecedores — Dr. Fróes disse na entrevista. Park estava ao lado direito de Fróes e Taehyung do esquerdo enquanto o delegado dava a entrevista que eu estava vendo pela tv do meu quarto do hotel depois de ter tomado um banho quente.

Peguei meu celular e vi uma mensagem da minha mãe

"Filha, estou preocupada com você. Estou rezando muito por você e pela sua segurança."

Assim que eu li a mensagem, deixei que as lágrimas quentes rolassem pelo meu rosto

"Reza por mim mãe" — Digitei chorando em seguida deixei o celular de lado e resolvi dormir e pensei se realmente vale a pena continuar com isso.

🕛

(Dia seguinte)

Dr. Fróes mandou eu e Park entregar uma intimação para um indivíduo.

Eu fui até a viatura junto com ele sem trocar uma palavra com o mesmo, ele também não fazia tanta questão. O caminho inteiro ele dirigiu em silêncio e eu também não fazia questão de falar nada.

Fizemos o nosso trabalho direitinho, entregamos a intimação, e no momento que estávamos na viatura voltando pra delegacia senti uma dor de cabeça terrível

 Vamos parar numa farmácia, eu estou com uma dor de cabeça terrível. — Pedi

 Eu não me importo. — Murmurou e eu o encarei incrédula — Brincadeirinha — Riu e estacionou perto da farmácia mais perto.

🕛

 Boa tarde — Falei pro homem que estava no caixa da farmácia.

 Boa tarde. — Respondeu.

Fui até a moça que estava atrás de uma bancada na farmácia e sorriu pra mim, foi um sorriso tão contagiante que eu sorri de volta.

 Ela quer remédio de dor de cabeça — Jimin falou um pouco rude se pondo ao meu lado.

 Por favor — Pedi sendo educada

 Tenho sim. — Sorriu pegando o medicamento debaixo da bancada — Vocês são os policiais do Rio né? — Sorriu

 Pois é... — Sorri pra ser gentil

 Vocês prenderam os assassinos das crianças lá na Ressurreição, né? — Ela sorriu como se tivesse vendo duas celebridades, aquilo era engraçado. 

 Sim... — Jimin sorriu.

 E você estava lá? — A moça perguntou pra mim

 Eu? Eu estava... — Afirmei em tom de murmuro

 Você é do tipo da mulher que da orgulho pra classe! — Ela disse orgulhosa e Jimin caminhou até o caixa — Eu moro naquele conjunto, sabia? Era boca de fumo dia e noite, moça. Não tinha nem como as crianças ir pra escola. Precisava ver. Vocês não sabem o bem que vocês estão fazendo em! — Assenti sorrindo e aquilo me fez refletir e me dar forças pra não desistir como eu estava pensando em fazer, peguei o remédio, quando ia pagar no caixa, vi Jimin comprando remédio pra dormir, tarja preta e sem receita. Paguei meu remédio e Jimin pagou o seu, e voltamos pra viatura.

Fiquei pensando no caminho se eu perguntava ou não perguntava sobre a tarja preta. No fim minha curiosidade foi maior e acabei perguntando.

 Você toma remédio pra dormir? — Perguntei.

 Não. — Respondeu sem tirar a atenção da estrada.

 Não? — Perguntei irônica

 Na hora da ação fica fácil, (S/n). Mas depois que a adrenalina abaixa todo mundo é igual. — Ele disse sem tirar a atenção da estrada — Você nunca vai deixar de tremer. — Ele afirmou agora me olhando mas logo voltou a prestar atenção no caminho.

 Eu já ouvi isso... — Soltei um riso baixo — Ok eu entendo tudo o que você disse, mas ele te deu tarja preta sem receita.

 Mas eu não sigo as regras sem pensar! — Elevou a voz — Eu não acredito nisso. — Nesse momento o silêncio brotou novamente no carro e ouvi ele respirar fundo. — Eu fui suspenso por ter liberado um garoto que tinha sido espancado por dois policiais. Se morresse seria assassinato padrão, nenhuma polícia iria investigar. Eu soltei o garoto. E dois dias depois ele voltou e matou um dos policiais que tinha espancado ele. — Ele falou. — Foi gol Contra, eu sei... — Murmurou — Mas fazer o quê?! Nem todos voltam. Sinceramente eu não me arrependo... — Não sabia o que dizer então resolvi ficar em silêncio.

🕛

Chegamos na delegacia, Jimin estacionou a viatura na garagem. E saímos de lá e Tae correu até nós.

 O Fróes estava esperando vocês, tem missão nova pra gente. — Tae disse

🕛

 Os dois idiotas que mataram as crianças deram todo o esquema. Existe todo um coletivo de vagabundo lotado no morro da Ressurreição. Se tudo correr conforme o planejado, a casa vai cair pra toda essa delinquência que a capital deslocou pra essa pacífica vizinhança. O Park vai liderar o pessoal que vem por baixo, e o Agente Carlos vai fazer o mesmo com o pessoal que for por cima. E desnecessário lembrar os senhores da atenção e o cuidado redobrado nessa operação, porque bandido graduado dorme com um olho fechado e dois abertos. Vamos ter em mente que esses caras tem mais poder de fogo que o exército de Luxemburgo. Ok? Bom trabalho à todos. Boa sorte. — Dr. Fróes explicou e nós nos preparamos pra "Guerra". Novamente sinto o frio na barriga, meu coração palpitando pra cacete, minha respiração acelerada, parece que eu vou ter um ataque do coração daqui a pouco.

 (S/n), eu vou dirigir, carrega pra mim? — Jungkook perguntou me estendendo uma AK. Assenti, peguei a arma e entrei na viatura, junto com Jimin, Carrasco e Taehyung.

🕘

(Morro da Ressurreição)

Novamente todos nós estávamos em fila, eu estava no grupo que era liderado pelo Jimin que entrava por baixo e o pessoal que estava sendo liderado pelo Carlos entrava na favela por cima.

Estávamos em fila

Jimin estava em primeiro guiando o pessoal

Jungkook estava em segundo

Carrasco em terceiro

Eu em quarto 

Taehyung por último. 

Todos com armamento grande e eu apenas com um revólver.

Cada passo dado naquela favela eu tremia mais, minha respiração ficava mais irregular ainda, começamos a subir as escadas do morro e o tempo todo olhando pra cima pra não ser pego por bala de surpresa.

E quando subimos todas as escadas. Jimin parou na penúltima, porque apartir dalí seria o QG dos traficantes, assim que nos preparamos. Quer dizer, eles se prepararam.

Assim que eles se preparam eles já entraram metendo bala nos caras.

 Perdeu, Perdeu!!! — Um dos policiais falaram e eu entrei no local por último e os bandidos estavam com a mão pra cima como rendimento. Eles tinham sido pegos no flagra na hora da venda da droga

 Eu não sei de nada não, senhor — O drogado disse enquanto tinha a arma de Jimin apontada em sua cabeça. Eu só fiquei observando ao lado de Carrasco. — Eu não sei de nada, só estava aqui sem nada pra fazer...

 Então vai fazer na cadeia, rapaz. — Jimin retrucou enquanto apontava a arma pra ele. — Jungkook, Lá encima!!! Tem gente lá encima!! — Gritou

 Me cobre!! Me cobre Jimin! — Jungkook gritou subindo as escada que leva em direção a laje dos traficantes. E Jimin foi atrás 

 Vamos garota! — Carrasco me empurrou pra subir a escada — Vai! Vai! — Nesse momento fui subindo a escada que nos levava pra laje.

Quando eu cheguei lá, estava tendo uma guerra ali. Os traficantes que estavam alojados em outros barracos que eram mais altos eles estavam atirando de fuzil na laje onde nós estávamos. Tive que me proteger ficando agachada atrás de um conjunto de tijolos. Nunca vi tantos tiros, nunca vi tantos traficantes... Eu realmente achei que eu iria morrer. Porém eu estava protegida mas tinha um traficante que não estava protegido, ele estava no meio do tiroteio e gritando de dor porque levou um tiro na perna e não podia sair dalí, ele estava desesperado, sangrando muito e gritando porque a qualquer momento ele podia levar um outro tiro em um lugar fatal de seu corpo, já que ele estava no meio do tiroteio e sem nenhuma proteção.

 PELO AMOR DE DEUS, DONA! PELO AMOR DE DEUS, ME AJUDA!! — O homem implorou chorando enquanto gritava de dor. Eu fiquei olhando pra ele e enfrentando uma batalha dentro de mim entre ajudo ou não ajudo? Ele era traficante, estava no lado oposto do meu. — ME TIRA DAQUI PELO AMOR DE DEUS!!! — Se desesperou — ME TIRA DAQUI, POR FAVOR!!! ME TIRA DAQUI!! — O olhei com dó e acabei caminhando ainda agachada, passando pelo meio do tiroteio, indo até o traficante ferido pra ajudá-lo

 (S/N) NÃO!!!! — Jungkook gritou e eu o ignorei, pegando o braço do cara ferido e o arrastando até a parte que tinha proteção na laje, os tijolos, eu sei que o que eu fiz foi errado mas... Não sei... Eu tinha que fazer isso. Ele estava sangrando muito e estava no meio de um tiroteio.

 VOCÊ TÁ MALUCA PORRA??!!! — Jimin berrou assim que viu o que eu fiz e eu só o ignorei e ele voltou a trocar tiro com os caras, guiei meu olhar até Jungkook que me olhava com repreensão enquanto recarregava sua AK. Peguei meu celular e liguei pronto socorro

 TO PRECISANDO DE UMA AMBULÂNCIA! TEM UM HOMEM BALEADO AQUI! ELE TÁ SANGRANDO MUITO! — Falava alto por causa do som dos tiros

🕘

🕛

🕡

🕔

Depois de ter levado uma puta bronca dos agentes, muita bronca do Jimin e inclusive do Jungkook e Taehyung, nesse momento a gente chegou na delegacia.

Assim que chegamos na delegacia Jimin foi direto pra sala do Dr. Fróes e ficou uns cinquenta minutos, e quando saiu, saiu acompanhado do Dr. Fróes

 (S/n), na minha sala. — Dr. Fróes disse sério e eu me levantei de minha cadeira e caminhei até sua sala, passando por Jimin que me seguiu com seu olhar mortal até eu entrar na sala do delegado.

❌❤❌

— Você sabe porque você está aqui, não é? O que você fez foi muito grave. Policial algum pode colocar sua vida em risco a não ser em casos extremos. E salvar bandido abatido não se enquadra em casos extremos. Isso é um ato que pode desestabilizar toda uma missão. Que seja a primeira e a última vez. Fui claro? — Falou sério me olhando nos olhos.

— Sim, senhor. — Abaixei a cabeça.

Continua


Notas Finais


Estou ansiosa para saber o que acharam do capítulo ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...