História Por Acaso - Edinson Cavani - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Edinson Cavani
Personagens Edinson Cavani, Personagens Originais
Tags Acompanhante, Amor, Bee Souza Fanfics, Cavani, Edinson Cavani, Giovana Cordeiro, Mel Walter, Paris, Psg, Romance, Vida Amorosa
Visualizações 211
Palavras 1.898
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - 07. Sem me importar, sem arrependimentos.


Fanfic / Fanfiction Por Acaso - Edinson Cavani - Capítulo 7 - 07. Sem me importar, sem arrependimentos.

Sem me importar, sem arrependimentos.

Beyoncé - Jealous

A porta do quarto se abriu, pude sentir aquele cheiro agradável que tinha ali, as mesmas coisas estavam em seus devidos lugares. Eu sinto Cavani me segurar pela cintura, ele beijou meu pescoço. Me virei para beija-lo. Meu corpo inteiro pedia por aquilo. Minha vida estava completamente virando de cabeça para baixo. Eu puxei a camisa dele com rapidez, ele voltou a colar nossos lábios. Ele empurrou meu blazer, revelando meu sutiã vermelho. Ele não parou, voltou a me beijar, caímos na cama.

(...)

Eu me movi na cama, me espreguiçando, abri meus olhos e lá estava Edinson dormindo, eu abri um sorriso de orelha a orelha, como se fosse uma garota sonhadora. Seu rosto era sereno, e seu sono, leve. 

Me sentei na cama calmamente, estava vestida por um blusão branco. Me alonguei, fazendo movimentos com o braço, e logo depois com o pescoço. Meu sorriso não saia do rosto. Me levantei da cama, indo em direção ao banheiro, comecei a me despir, ele tinha deixado marcas para todo lado do meu corpo; pescoço, seios, coxa. A área mais marcada, pescoço, eu não estava ligando tanto para aquilo. 

Fui até o box, abri ele e liguei o chuveiro. A água era quente, era disso que precisava, entrei totalmente no banho, sentindo aquela água escorrer em meu corpo. Eu peguei o shampoo e passei em meu cabelo, fechei meus olhos para enxaguar. Sinto duas mãos pousar em minha cintura. Me virei e era Cavani, a água agora caía sobre seu corpo, me fazendo observa-lo. Ele beijou meus lábios, eu retribuí o beijo. Mas uma vez repetimos o que tinha que repetir dentro daquele box.

(...)

Eu cheguei na mansão, Edinson tinha chamado um táxi, ele tinha que treinar hoje. Eu apenas concordei, mesmo ficando triste por não ter ele por perto, já estava sentindo falta do seu cheiro.

Calmamente entrei na mansão e para o meu azar, a própria Edith estava me aguardando, ela me olhou séria, enquanto Isabela estava com lágrimas no rosto. 

ー Ela chegou. Minha querida chegou. ー sinto ironia em sua voz. Isabela estava com o rosto vermelho, e com umas marcas em seus braços. Encarei Edith sem medo algum. ー vá Isabela, não preciso puni-la mais, agora a punição fica por conta da minha querida galinha dos ovos de ouro. ー ela me encara, eu continuo me mantendo firme. ー não está com medo? dormiu fora? sem minha autorização? com outro homem?

ー Eu durmo com quem eu quiser, na hora que eu quiser. ー falo a todo vapor. Ela me olha rindo. 

ー Foi Edinson? ー ela pergunta, eu encaro ela debochadamente.

ー Sim. ー falo com todo prazer do mundo. Só pelo seu olhar ela se corrói por dentro. ー não se preocupa, o dinheiro está aqui, das duas noites que faltaram, a de ontem que foi maravilhosa, a daquele dia, e da manhã maravilhosa que tivera com ele. ー eu digo com um prazer enorme. Um sorriso de orelha a orelha, ela pega o envelope com certa raiva. 

Ela começa a contar cada nota de dólar que tem ali, e por fim me olha surpresa. Eu passo por ela, e subo as escadas, ela continua lá ainda sem acreditar.

ー Ah, por conta disso tudo, essa noite que eu marquei com ele, a de hoje, fica por conta da casa. Estou exausta, preciso descansar. ー digo autoritária, mas me viro bem no último beiral. ー ainda vai querer me punir? ou vai deixar para amanhã? melhor.. trate de parar de punir Isabela. Ela não fez a escolha, quem escolheu fui eu. ー declaro aquilo vendo a cobra deixar o veneno pingar. Dou as costas e contínuo o caminho, antes disso, passo no quarto de Isabela.

ー Isa? ー entro e ela chorava. Ela me encara com os olhos vermelhos e repletos de lágrimas. Eu suspiro. ー não precisa mais ter medo, eu estou aqui. Ela não vai fazer mal, me desculpa.

ー Não precisa, a punição foi porque o Adrien não me pagou. Eu fiz tudo de graça para ele. ー ela diz com culpa. Eu suspiro.

ー Vai ficar tudo bem. ー dito aquilo a abraço.

(...)

A noite caiu e eu estava no quarto pensativa. O dia passava muito rápido, eu vivia trancafiada naquele quarto, eu já estava ficando totalmente entediada. Mas não ficava tanto porque lembrava do sorriso de Cavani, ele sorria, piscava, ele era um tremendo de um homem. Eu estava deitada lembrando das noites que tivemos, enquanto sentia seu cheiro na camisa. Os toques leves na porta me fez acordar do sonho, mesmo que eu esteja já acordada, mas pelo menos estava acordada e me iludindo um pouco. Me levanto e tranco a gaveta novamente, após por a camisa lá. Vou até a porta e abro, Frank um dos mordomos de Edith me encarou.

ー Edith mandou vestir, tens um encontro essa noite. ー disse ele, entregando a pequena caixa. Eu apenas peguei toda entretida, Cavani tinha telefonado, eu creio que seja ele. 

Com rapidez fui me banhar, passei um perfume e tomei a pílula que tinha naquela cartela. Eu estava seguindo a cartela perfeitamente, não que eu não queira engravidar, ou que queira continuar nessa vida. Eu tomo não para me prejudicar, e sim para não prejudicar Cavani. Eu engravidar dele seria uma confusão total ali mesmo. Virei a mão com o remédio em minha boca.

Me vesti animada com um vestido preto soltinho, com um colar dourado, coloquei o bracelete dourado, peguei a bolsa de mão dourada, e um salto dourado também. Estava pronta, tinha feito um coque bem cheio, e estava pronta. 

Sai do quarto exalando meu perfume por todo corredor, com um sorriso de orelha a orelha. Eu estava tão animada que eu sentia meu coração palpitar. Quando virei para descer as longas escadas a decepção me pegou, meu coração murchou, meus olhos se acanharam, eu fiquei branca, e ao mesmo tempo sem reação alguma. Era Hector no fim da escada. Ele estava me encarando com um sorriso de orelha a orelha. Hector estava mesmo ali, Edith abriu um sorriso desafiador. Isso me fez estremecer. Aliás, ela estava me punindo por hoje de manhã? 

Ela então subiu as escadas e pegou minha mão, eu desci igual uma robô indo em direção a Hector, que sorria. Ele pegou minha mão, e beijou. Eu puxei minha mão o mais rápido sorrindo nervosa.

ー Hector ofereceu-me um dinheiro para que acompanhasse ele em um evento. ー disse ela, eu olhei para Hector, sorrindo amarelado.

ー Mas o.. ー volto minha atenção a ela, que me olha.

ー Ele não pagou. ー eu sinto um frio na espinha. Ela sorriu. ー boa sorte, na noite, e no evento. ー sua voz foi mais falsa que a nota de um real. Hector segurou minha cintura e se retirou comigo da mansão.

Eu estava me sentindo tão extasiada com o momento. Ele dizia as coisas e eu só pensava em tudo que passaria nessa noite. O destino chegou, ele me ajudou a sair do carro, não toquei sua mão, ou ao menos olhei para ele. Sai do carro ignorando-o, e fui andando na frente. Ele veio atrás de mim, me segurando pela cintura, depositou um beijo em minha nuca. Eu não sinto nenhuma reação, sigo em frente.

Meus pés tocam, enfim naquele lugar, e eu sinto uma corrente de sensações, eu só sentia aquilo com Cavani. Eu sinto meu coração acelerar. Ele bate de forma afobada. Hector seguiu comigo até uma mesa bem movimentada. Ele me guiava até lá. Tinha diversos homens ali, meu corpo ficou totalmente estável, minha respiração estava entrecortada, meu corpo inteiro ficou imóvel ao ver ele sorrindo, comentando algo com um homem lá, por isso meu coração bateu feito um louco, por isso aquela corrente de sensações, por isso.. eu estava me sentindo estável.

Hector chamou a atenção de todos ali, cumprimentando.

ー Boa noite rapazes. ー o cumprimento dele foi tão além, que quando Cavani virou o rosto, ficou surpreso por me ver ali. Eu estava sentindo meu corpo inteiro ficar extasiado. 

ー Boa noite. ー os homens disseram em uníssono. Eu tento não encarar Cavani direto, sei que deve estar chateado comigo. Ele olhava Hector com um olhar sério. Eu me sento de frente pro mesmo. Hector ao meu lado.

ー Hector, nosso novo sócio do clube. Esse é o Cavani, um dos jogadores, ele estava por aqui, e se juntou a nós. ー aquilo concretizou toda a minha teoria, ele estava me aguardando. Ele me olha com um olhar sério também.

Hector conversava com os outros homens animadamente, sinto a perna de Cavani esfregar sobre a minha, em forma de cutucão. Eu encaro ele com um olhar temeroso. Movo meus lábios sem fazer som. Ele deu a entender, eu suspiro.

ー A moça é linda. 

ー Obrigado, é a minha melhor companhia até o momento. Diferente, meiga, tímida, ótima em qualquer situação. ー ele diz, Cavani ficou sério e confuso. Eu senti que aquilo foi para provoca-lo. Eu passo o pé em sua perna, tentando acalmar os animais que ficaram expostos ali.

ー Qual seu nome? ー um dos homens me perguntou. Eu ia responder quando o próprio Hector respondeu.

ー Mel Walter. ー ele revelou assim. Cavani agora mudou seu olhar, e me encarou. A pergunta estava clara em seu rosto como; "como ele sabe seu nome?". Sem ao menos me dar chances de tomar qualquer atitude, Hector me abraça e tenta me beijar, eu discretamente pego a taça e bebo um gole, evitando aquilo. Ele me olha reprovador, mas muda seu humor.

ー É um prazer conhecê-la. ー o homem disse apertando a minha mão. Tive aquela resposta por inúmeras vezes até que tomei a decisão de ir ao banheiro. Durante o caminho ouço passos para trás de mim, paro e me encosto na parede, Cavani ficou de frente para mim.

ー O que está fazendo com ele?

ー Edith me obrigou.

ー Obrigou você novamente?

ー Eu tinha marcado com você. Ela disse que não tinha pago, e deu a vez para ele.ー suspiro, ele suspira também. Sinto seu corpo colar ao meu, seus lábios encontrou os meus. 

ー Eu preciso de você.

ー Também preciso de você.

ー Vamos sair daqui? ー perguntou entre meus lábios.

ー Vamos. ー respondo aquela pergunta sabendo que a punição me esperava no dia seguinte. Ele pegou minha mão, saímos pelo corredor da cozinha. Lá tinha a porta que saía aos fundos. Passamos por ela e eu sinto o peso em minhas costas, mesmo assim saí com Cavani. Ele se abaixou e eu pulei em suas costas. Ele me carregou até o estacionamento entre risos. 

ー Diz que estou enganada, que acabei de fazer a maior loucura desse mundo. ー eu falo entre seus lábios, ele me beija, um beijo calmo, carinhoso.

ー Não vai se arrepender.

ー Nunca me arrependo. ー falei sorrindo. Edinson abriu a porta do carro e eu entrei, ele entrou logo depois. Seguimos juntos até o hotel onde sempre nos encontrávamos. 

(...)

O elevador abriu e ele me beijava como se não houvesse o amanhã, com um desejo enorme, seus cabelos estavam bagunçados. A única coisa que fez ele desgrudar de mim foi quando abriu a porta. Após abri-la voltou a me beijar. Meu corpo estava quente, e o suor já escorria por ele inteiro. O fôlego ia faltando quando nós dois nos separamos. Ele me olhou nos olhos, beijando meus lábios levemente. Aquele homem, estava totalmente louco, por está se envolvendo com uma mulher como eu. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...