História Por acaso (cont) - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Luan Santana
Personagens Luan Santana
Visualizações 29
Palavras 646
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Adolescente, Literatura Feminina, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bora "Nois"!!
Espero que gostem!!

Capítulo 4 - Boate


Fanfic / Fanfiction Por acaso (cont) - Capítulo 4 - Boate

***Isabela narração ***

Sabia que era errado, arriscado, que isso ia contra tudo que planejo desde a infância, e que certamente acabaria me levando a fazer coisas piores,  e é disso que mais tenho medo. 

Isa- fala. Disse confiante. 

Luan- Patrick!!  Exclamou. Um cliente antigo,  fiel, que alivia pra gente quando dá ruim. Falou com naturalidade. 

Isa-  alivia??  Perguntei intrigada. Em que sentido?? Cruzei os braços. 

Luan- faz vista grossa. Deu de ombros. Achei que fosse óbvio.  Arregalou os olhos me fitando. Ele é pm, facilita pra gente e leva um por fora. Passou a mão pelos  cabelos. 

Isa- óbvio?!  Ri. Pra você pode ser!!  Pra mim não!! Caralho, um policial luan Rafael, tem um policial metido nisso. Afirmei desapontada. 

Luan- um não, vários. Levantou um pouco a camisa observando o curativo.  E mais comum do que imagina.  Completou. 

Isa- ta.  Falei vacilante. Ta bom, diz o que tenho que fazer. Me sentei na cama. 

Luan-  você vai se arrumar, bem menininha igual de custume, quero que se pareça o mais inocente possível, e provavelmente não vão querer revisitar você . Respirou fundo e abriu a gaveta da cômoda ao lado da cama. Toma!!  Me entregou um revolver. Tá carregado, e quero que prometa que vai usar se for preciso. Eu assenti. É um pouco mais de dois quilos, da pra por na bolsa tranquilo.  Gesticulou. Não deixa ninguém pegar essa bolsa. Disse rígido. E se pegar... Reaja antes que não de tempo. Disse olhando nos meus olhos.  Vou mandar o Lucas com você, mais ele não vai estar armado, não passaria, mais se der errado ele vai saber o que fazer.  Olhou fixamente pra Lucas como se quisesse uma confirmação para o que acabou de dizer. 

Lucas - relaxa Santana. Sorriu de lado. Ninguém encosta na burguesinha.  Brincou

Luan Rafael fez mais algumas recomendações e me entregou a "encomenda", e fui para casa me arrumar, coloquei uma roupa, fiz a make e depois de quarenta minutos ouvindo minha mãe surtar dizendo que sumi, não atendi o celular, que estava preocupada,  "não confia no luan"...  Sai de casa em direção a boate,  sentia minhas mãos suarem e minhas pernas vacilaram, mas me controlava emocionante para parecer o mais natural possível .   O que você está fazendo da sua vida Isabela Vitoria? Me perguntava mentalmente enquanto estacionava o carro e caminhava em direção a entrada,  já que ficou decido que entraria sozinha para não relacionarem minha imagem a de Lucas. 

Me aproximei da porta e dei de frente com dois seguranças, um deles me olhou de cima a baixo enquanto vasculhava as coisas de alguém em minha frente, cada vez que entrava alguém minha cabeça me torturava lembrando que logo serei eu,  tentava me manter calma e parecer o mais simpática possível. 

Segurança1- loirinha. Me olhou. Chega aqui. Acenou com a cabeça e eu sorri abertamente. 

Isa- boa noite. Disse demostrando confiança. 

Segurança2- boa noite. 

Segurança1- identidade por favor. Disse serio me fazendo o encarar. Abri um dos bolsos da bolsa e intreguei o documento. 

Segurança2- a bolsa por favor.  Disse antes que o primeiro terminasse de puxar a identidade de minha mão. Senti meu coração acelerar ao extremo, não sei se vai funcionar, mas vou enrrolar o máximo pra fazer o que pediu.  

segurança1- Isabela Vitoria Rezende. Disse pensativo,  em tom de pergunta e me fitando. 

Isa- isso.  Afirmei

Segurança2- você é filha dá...  Pensou. Da Eliane Rezende.  Fez cara de surpreso. 

Isa- exatamente. Sorri calma . 

Segurança1- claro. Balançou a cabeça. Você e herdeira da maior rede de lojas do Brasil.  Sorriu. Tinha certeza que lembrava de você. 

Isa- sorri simpática e troquei mais algumas palavras com eles,  que mostraram interesse na "filha de Eliane Rezende". 

Isa- desculpa más... Eu tenho que entrar. Falei cautelosa. Eu posso??  Perguntei. 

Segurança1- claro... Claro.  Deu espaço que eu passasse. 

Segurança2-  Qualquer coisa avisa a gente. Deu "tapinhas" em minhas costas.  Aproveite. 


Notas Finais


Me falem o que estão achando, please.
Desculpa qualquer erro.
Volto quando tiver comentários.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...