História Por Contrato - Capítulo 18


Escrita por: e jikooKause

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Bts, Gay, Jikook, Kookmin, Yaoi
Visualizações 4.832
Palavras 3.565
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI CHEGUEI COM OS REFRI RAPAZIADA!!!!

Oi pessoal, primeiramente, desculpa a demora de novo KKKKKK não nos matem pela amor de Deus.

Enfim, leiam esse capítulo com bastante carinho e amor porque ele é muito importante pro desenvolvimento da fanfic.

Também temos uma novidade!

A fanfic agora tem um grupo no Whatsapp, eu vou deixar o convite nas notas finais, e vocês poderão entrar por eles.

PS: Se tiver algum bug na formatação, é porque eu estou postando pelo celular.

Até as notas finais <3

Capítulo 18 - Alasca.


Jimin Pov's

Passaram-se algumas semanas desde o lançamento do MV do Jungkook, e foi um sucesso. As streams aumentaram em 80% e claro, boa parte foi por minha causa – palavras das fãs –. Além disso, ele bateu o recorde de MV coreano mais visualizado em menos de vinte e quatro horas, e mesmo não querendo admitir, eu estava orgulhoso.

Porém a parte ruim, foi que em comemoração, os empresários acharam que seria uma boa se a gente viajasse para algum lugar, mostrando o quanto estamos felizes com a repercussão da música de Jungkook e também mostrando o quanto somos um casal compatível e romântico. Mas eu não esperava que esse lugar fosse ser o Alasca. Porra mano, logo o  Alasca!? Tipo, é longe, e frio, e tem muitas montanhas e gelo, tudo que eu mais odeio. Sem contar que o Jeongguk vai estar lá, como se já não bastasse a minha desgraçada.

Ok, eu entendo. Para mídia nós namoramos, então é normal esse tipo de coisa, viagens juntos e tudo mais. Mas cara, se o Jungkook já é um babaca normalmente, imagina no Alasca! Vai ser um terror.

— Jimin?! – ouvi o moreno me chamar e olhei em sua direção. Soltei um resmungo arrastado, fazendo-o prosseguir. – Desce do carro, nós já chegamos. – disse com seu tom normalmente grosso.

Sai do carro, vendo-o fazer o mesmo, cheguei perto de si e entrelacei nossas mãos. Havia muitos fãs e fotógrafos espalhados pelo aeroporto, então me obriguei internamente a fazer aquilo, e por incrível que pareça, ele não se distanciou. De uns tempos para cá, ele meio que abaixou mais a guarda, ele já aceita mais os meus toques e eu estou dando graças a Deus porque eu não suportava mais lidar com uma criança birrenta no corpo de um adulto.

Andamos em direção a entrada do aeroporto, vários seguranças nos cercavam e também havia muitos flashs em minha direção. Eu não estava acostumado com aquilo, afinal, eu era ator, e não costuma ter esse monte de câmeras em cima de mim. Eu já estava me sentindo incomodado, vez ou outra eu apertava a mão do Jeon, e ele havia percebido a minha inquietação. Tive a impressão de vê-lo revirar os olhos e discretamente dei um beliscão em sua mão.

Paramos de andar e ficamos esperando o chamado do nosso voo, e aproveitando a situação, resolvi que era hora de fazer um “fanservicezinho” para agradar as fãs.

Enlacei meus braços em volta de sua cintura, e enterrei meu rosto em seu pescoço. Ele se assustou, na verdade, ele sempre se assusta com os meus toques repentinos, e como estávamos em público, ele não podia recuar.

— Eu te odeio, Park Jimin. – resmungou e retribui o abraço meio a força me fazendo rir nasalmente.

— Não sei para que esse ódio todo por minha pessoa. – falo cinicamente, dando um beijinho em seu pescoço fazendo ele dar um pulinho, e estapear o meu braço. Ignorei o grito das fãs, e olhei em direção ao moreno.

— Não se faça de sonso, Park. – ele responde arduamente, e apenas dou de ombros.

Pensando em coisas maléficas e aproveitado que ainda estávamos abraçados, levo minha mão em direção a sua bunda, vendo-o distraído olhando para as fãs do outro lado. Dou um aperto forte na carne durinha e empinada de sua bunda, e consequentemente fazendo-o soltar um gritinho assustado.

— Park Jimin! – grita meu nome e consigo escutar risadinhas de algumas meninas. Ele me encara mortalmente e solto um beijinho no ar, debochando do mesmo.

— O que você tem de gostoso tem de babaca. – me solto do aperto que eu mesmo criei e escuto a moça chamar nosso voo. – Vamos, amor.

[...]

Estávamos no avião fazia algumas horas. Jungkook dormia serenamente em seu assento, que por acaso, era do meu lado. Como eu não tinha nada para fazer, passei a observá-lo melhor. Seu cenho franzido dando sinais de que estava sonhando, a pintinha que tinha no final da boca, os lábios finos e naturalmente vermelhinhos. Sendo sincero, Jungkook era uma obra de arte. Seu cabelo macio e sua pele cheirosa, seus olhos afiados e as pálpebras pequenas porém charmosas. Ele era lindo, porém sua beleza em minha visão, era apagada pela sua personalidade ruim. Não sabia o que tinha acontecido para torná-lo assim, e sinto que nunca vou saber.

Se ele não fosse tão ele, certamente eu já teria me apaixonado.

[...]

Finalmente Alasca! – Jungkook gritou descendo do avião.

Eu parecia uma bola com pernas de tantas roupas que usava para evitar o frio. Resmunguei andando com dificuldade, e me comparando ao um patinho. Falei coisas que nem eu mesmo entendi, me apertando ainda mais contra o tecido grosso, tremendo meus dentes.

— Não sei como você pode estar tão animado. – falei tentando acompanhar seus passos. – Isso aqui é horrível Jeon!

— Ai, cala a boca, resto de placenta. Lugares frios são maravilhosos, ainda mais se for o Alasca! – exclama e ele me parece estranhamente feliz.

— Uau, Jeon Jungkook animado com algo? Meu Deus, é o fim do mundo! – debocho rindo de sua feição.

— Park Jimin, para sua infelicidade, você não vai estragar a minha alegria. Agora força nas cambita que nós vamos esquiar!

Reviro os olhos e começo a lhe seguir, meu último desejo no momento e subir sobre duas pranchas e descer em meio a toda essa neve, estamos num frio de congelar as lágrimas e ele quer se enfiar em mais gelo ainda? Só de pensar nisso meu queixo começa a tremer de frio, a minha única vontade é de correr para perto do aquecedor mais próximo e só sair quando for nossa hora de ir embora.

[...]

Após sair do aeroporto internacional, dirigimos por mais de 64 km até chegar em Girdwood, um simples povoado com cerca de dois mil habitantes, o local onde iríamos nos hospedar era um hotel tão pequeno quanto a cidade e para o meu azar maior, ficava dentro de uma estação de esqui e snowboard.

Eu nem tive tempo de aproveitar o calorzinho que existia no quarto em que nos estalamos ou de reclamar sobre a maldita cama de casal, pois logo fui praticamente arrastado pelo cavalo que chamo de namorado até o lado de fora, Jungkook estava com o ânus coçando para poder ir esquiar.

E lá estava eu, um ponto vermelho e preto em meio ao branco da montanha, com Jungkook quase eufórico ao meu lado, e vamos dizer que a minha opinião não foi muito ouvida pelo mais novo e agora eu estava aqui, com uma prancha em cada pé e um bastão em cada mão, um óculos de proteção que me faz parecer um inseto e na cabeça um capacete verde chamativo.

— Você sabe fazer isso, né? – Jeon pergunta me fazendo revirar os olhos mais uma vez naquele dia.

— Deveria ter me perguntado isso antes de quase me obrigar a colocar essas coisas e me empurrar para dentro do teleférico. – respondo sarcasticamente.

— Espero que seja um “sim”, porque não vou parar para ajudar a donzela indefesa não. – aquele cara de cu com câimbra disse e eu sinto meu maxilar trincado ao ouvir tais palavras.

— Coma neve, Jungkook! – exclamo dando impulso nas pranchas com ajuda dos bastões fincados na neve, começando a descer a montanha em alta velocidade.

Ouço ele falar algum palavrão mas não dei atenção, apenas me concentrei em guiar os esquis e me equilibrar, vi as árvores passarem rapidamente pela minha visão periférica, conseguia ver também os pequenos chalés presentes na montanha e as pessoas que também esquiavam por ela se transformarem em vultos enquanto eu passava, estava um frio de congelar as nádegas, mas até que era divertido fazer aquilo.

Sorrio por baixo da máscara que havia em meu rosto, daqui de cima a vista da montanha é linda, eu podia ver com claridade as enormes árvores que resistiram ao frio congelante e também a pista de carros de existia do outro lado da montanha, e assim os meus pensamentos se distraíram e nem notei que Jungkook me seguia e se esforçava para me alcançar.

Jungkook estava vindo rápido e eu não sabia se aquilo era uma competição ou não, mas eu queria chegar ao pé da montanha antes dele, meu rosto virou para trás para ver se ele estava próximo, e arregalei os olhos ao notar que ele vinha em minha direção, esse garoto está tentando matar a nós dois?

Tentei pegar impulso para aumentar a velocidade porém isso acabou me fazendo perder o equilíbrio e uma das hastes que eu segurava voou de minha mão, tentei apoiar meu peso no outro bastão, porém não foi o bastante, já que o mesmo quase foi engolido pela neve fofa, me inclinei para frente tentando achar um ponto de equilíbrio porém isso não ajudou muito já que acabei saindo da pista e fazendo os esquis passarem por cima de algumas pedras, a ponta de um deles prendeu contra o pedregulho e eu não consegui mais ter equilíbrio ou força para me manter em pé sobre as pranchas.

Meu corpo foi jogado para frente e eu apenas fechei os olhos e estiquei os braços, tentando fazer o impacto contra meu corpo e rosto ser menor, estava quase sentindo a dor da queda e da possível rolada que eu daria até lá embaixo na montanha quando senti um choque contra minhas costas e um braço passar por meu peito e outro em minha barriga, me segurando em pé antes d’eu acabar com a cara na neve.

— Caralho Jimin, eu sei que não queria estar aqui, mas também não precisava tentar suicídio. – ouço a voz abafada de Jungkook contra meu ouvido, o mesmo falava exasperando e com a respiração ofegante.

— Como chegou tão rápido? – pergunto enquanto o moreno me soltava.

— Porra, eu não sei. – ele expressa apoiando as mãos nos joelhos e tentando regular a respiração, Jeon está parecendo um tanto surpreso pelo que tinha feito. – Agi por impulso, você ia levar um tombo feio.

— Obrigado. – agradeço meio sem graça, notei que ele não estava mais segurando suas hastes, possivelmente tinha as largado para tentar me segurar, aquilo foi tão rápido e incrível ao mesmo tempo.

— Sei que suas pernas de saracura são curtas, mas também não achava que nem ao menos conseguia se equilibrar nelas. – Jungkook provocou enquanto ia soltando seus esquis e voltando alguns passos acima para buscar os bastões que ficaram jogados na neve.

Sabia que não poderia contar com a sensatez dele por muito tempo.

— Vamos descer aquela parte de lá? – indago apontando para um caminho que havia atrás de algumas árvores que cercavam a pista em que estamos, preferindo ignorar sua infantilidade do que responder.

— Acho que a de lá está fechada. – o moreno fala, já com os esquis em seus pés novamente e entregando o meu bastão.

— Vamos até lá, eu aposto uma corrida. – sugiro sorrindo ladino e o Jeon franze o cenho. – E lá está vazio, o que é melhor ainda.

— Mas se eu ganhar, o que vou ter em troca? – questiona me olhando duvidoso.

— Primeiro que você não vai ganhar, não fique se achando. – falo mas antes que o filhote de uma cabra manca me responda, eu concluo. – Quem ganhar pode pedir o que quiser do outro, desde que não seja muito humilhante.

— Tudo bem, fingir namorar você já é humilhante o suficiente. – ele expressa sorrindo debochado.

— Estar com você é tão desagradável quanto deitar no chão do banheiro de uma balada, mas você não me vê reclamando a todo instante. – falo bufando de raiva e dando as costas antes de ouvir sua resposta.

Essa viagem está sendo exatamente como eu imaginei que seria, uma perca de tempo para mim e uma saturação dos meus nervos.

[...]

— Vamos no três. – Jungkook grita e eu aceno confirmando, enquanto já ia colocando os óculos de proteção.

Conseguimos driblar os seguranças que estavam barrando as pessoas que pediam para entrar na pista fechada para reparos, nós conseguimos passar na base da malandragem mesmo, ligamos e usamos o teleférico que havia lá e agora estamos no topo da montanha, prontos para descer e para eu ter minha vitória.

— Agora! – ele expressa em alto tom e nós dois demos impulso ao mesmo tempo.

A descida era mais íngreme do que a pista que estávamos antes, nos fazendo pegar mais velocidade, essa era bem diferente da outra, haviam muitos obstáculos como pedras e árvores, estava difícil manter o controle dos esquis e Jungkook parecia tão desequilibrado quanto eu.

Tento firmar as forças em minhas coxas e isso serviu para que eu voltasse a ter equilíbrio, Jeon também estava voltando a se firmar e isso me fez tentar tomar mais impulso ainda, eu preciso ganhar isso, pois a minha proposta foi idiota e se ele ganhar com certeza vai me pedir para fazer algo bem ridículo.

Paro de prestar atenção em Jungkook e me foco em ganhar isso, olho para trás poucas vezes para ver se ele estava conseguindo me acompanhar, e admito que o Jeon é ótimo nisso, mesmo um pouco atrás, ele estava mantendo o ritmo e poderia me passar.

Eu não podia ver através os óculos dele, mas possivelmente um olhar felino me encarava, minha visão intercalava entre encarar ele e olhar para frente, o Jeon estava com fome de vitória e eu estava com medo de perder, por isso comecei a prestar mais atenção no meu percurso e na corrida, parei de olhar para trás e me mantive concentrado.

O resto da descida foi normal, consegui manter o equilíbrio e a velocidade, chegando assim antes de Jungkook, o que foi um alívio imenso, saber que vou poder tirar sarro da cara dele por um tempo também me soa divertido.

— Pra quem estava tão empolgado por isso, pensei que você seria melhor. – falo retirando os ósculos e a máscara, rindo sozinho, porém nem uma resposta veio. – Jungkook? – chamei e olhei para trás, vendo apenas a montanha branca e as árvores a cobrindo.

Me abaixei e tirei os esquis, podendo assim caminhar normalmente, girei no mesmo eixo olhando em volta, mas nem um sinal do avatar de perna manca que deveria ter chegado atrás de mim.

— Jungkook! – gritei o seu nome mas continuei sem respostas.

Minha cabeça pesou e a preocupação bateu, decidi então subir a montanha novamente, desta vez a pé, usando as hastes dos esquis para me dar apoio na neve fofa, tentei encontrar os rastros dos esquis de Jeon, mas eles não tinham vindo atrás de mim ali no finalzinho da montanha como eu imaginei.

Gritei o nome do mais novo diversas vezes até ouvir uma voz baixa me responder, dizendo o meu nome de volta, arregalei os olhos ao ver finalmente as linhas marcadas pelos esquis no Jungkook na neve, porém ele tinha desviado da pista, possivelmente perdido o controle e entrado dentro da aglomeração de árvores que tinha ali.

Fui seguindo os rastros dos esquis, vendo que ele havia mesmo entrando por entre os troncos de árvore, o que me deixou um pouco desesperado, afinal ele poderia ter se machucado muito.

— Jungkook, pode me ouvir? – indago em alto tom na esperança de uma resposta.

— Jimin, aqui! – a resposta veio baixa, mas eu pude localizar de onde ela se seguia.

Continuei a caminhar sentindo meus pés doerem pelo contato com a neve mesmo estando protegidos pela bota, ventava um pouco e eu sentia meu rosto doer por causa disso também, mas me mantive andando no mesmo ritmo.

Ao chegar no ponto da onde eu achei que a voz de Jungkook vinha, não o encontrei, o que me fez bufar e achar que ele estava me pregando uma peça e fazendo suas brincadeiras idiotas de sempre, isso me deixou com raiva, afinal eu estava todo preocupado e o mesmo apenas brincou comigo.

— Jimin, eu ouvi passos, é você? – me assusto ao escutar a fala de Jeon, meus olhos cercaram todo o lugar e não o avistei, o que me deixou ainda mais temeroso.

— Sou eu, mas cadê você? – respondo e espero mais instruções suas.

— Aqui em baixo. – Jeon disse e eu arregalei os olhos, finalmente notando que em meio a neve e alguns gravetos secos, havia um buraco grande de forma redonda, no tamanho de uma armadilha para ursos.

— Ai meu Deus! – exclamo me aproximando, vendo que ele estava realmente dentro daquele buraco na terra. – Você está machucado?

— Minhas pernas e costas doem pela queda, mas eu estou bem, me puxa pra cima. – ele pede estendendo os braços mas eu nego.

— Seu sangue está quente, você pode não estar sentindo a dor de um osso fraturado, é melhor eu chamar ajuda. – eu falo preocupado, era possível ver que os esquis se quebraram pela sua queda, ele poderia estar machucado também.

— Para de besteira, Jimin! Eu já disse que estou bem. – Jungkook insiste, bufando.

— Não seja irresponsável, você caiu num buraco de quase quatro metros, pode estar todo quebrado.

— Park, eu já quebrei um braço quando era criança, sei bem a dor disso, e agora eu estou afirmando que está tudo bem comigo. – grita de forma irritada, socando a terra das paredes do local que está. – Agora me tira da porra desse buraco.

— Ok senhor estressadinho, depois não diga que eu não avisei. – falo me deitando sobre a neve, jogando meus braços para baixo para que ele os segure.

Jungkook firma o aperto em minhas mãos e antebraços e dá um impulso para cima, porém foi nesse instante que notamos três coisas bem importantes:

Primeiro que eu não tenho força o suficiente para levantar o peso do corpo do Jeon.

Segundo que a neve é lisa, assim como o pano da jaqueta vermelha que eu estou usando.

E em terceiro que eu não tinha apoio algum para conseguir me segurar e o puxar ao mesmo tempo.

A junção desses três itens fizeram o óbvio, eu não puxei Jungkook para cima, ele que me puxou para baixo, me fazendo ir ser sua companhia dentro daquele buraco no meio de uma montanha nevada e deserta.

— Agora nós estamos fodidos, Jimin. – Jungkook disse com a mão na testa enquanto eu me levantava do chão ainda inerte pelo tombo.

[...]

Algumas horas se passaram, porém ainda estava de dia, pois pelo que ouvi falar nessa época do ano, o Alasca tem doze horas de sol, mas não é isso que importa agora, e sim o fato de que estamos num local deserto sem ter como gritar por ajuda.

Pelo menos Jungkook e eu não nos machucamos na queda, talvez alguns arranhões mas nada grave, sendo assim nós começamos a tentar sair de dentro daquele buraco de qualquer maneira, mas nada funcionava, se um tentava dar impulso para o outro, as mãos escorregaram, também não dava para escalar, a terra não aguentava nosso peso e cedia, pensamos em ligar para alguém, porém eu deixei o meu celular no hotel e o do Jungkook estava sem bateria.

Eu realmente estava começando a considerar que deveríamos começar a rezar por nossas almas.

O pior de tudo era o frio, as roupas que deveriam me esquentar não pareciam mais fazer efeito, eu sentia o vento frio entrar pela parte de cima do buraco e isso só piorava a minha situação, meu queixo estava trêmulo e possivelmente os lábios já estavam ficando roxos, minha cabeça doía como o inferno e mesmo que houvesse uma touca nela, não surtia efeito, eu estava a beira de um ataque de nervoso e de ter hipotermia.

— Jimin? – a voz do Jeon soou baixa, ou talvez eu estivesse a ponto de desmaiar. – Está tudo bem?

— F-frio. – respondo apertando minhas pálpebras, afinal meus olhos também doíam.

— Não colocou a roupa térmica que nos ofereceram?

— E-u nem... sa...bia que ti-nham nos d-dado algo assim. – digo com dificuldades por causa do meu queixo que não para de tremer e me fazer bater os dentes.

— A gente pode ficar aqui por muito tempo, você já está todo roxo. – ele fala o óbvio e eu tenho vontade de enfiar a cara dele na terra.

— E o que você quer que eu faça? – consigo proferir sem gaguejar finalmente. – Eu não posso subir lá e ir pegar a bendita roupa térmica.

Ele bufa e não diz mais nada, eu olho para o chão, tentando pensar positivo, mas estava começando a ficar muito tonto para isso, nunca imaginei que morreria numa férias e ainda mais ao lado de Jeon Jungkook.

— Ei! – ele chama novamente e eu levanto a cabeça já preparado para o xingar. – Vem cá. – Mas meus olhos se arregalaram ao ver que ele estava com a jaqueta aberta, segurando cada lado com uma mão, aquilo era um convite para entrar ali com ele?

Não pensei duas vezes e deixei qualquer orgulho de lado, apenas andei rapidamente até ele e abracei o seu tronco, deitando a cabeça em seu peito, Jungkook fechou a jaqueta novamente, me deixando aquecido naquele casulo, seus braços passaram pelas minhas costas, me firmando no lugar e ficamos em silêncio por alguns minutos, sinceramente aquilo estava constrangedor para ambos os lados, mas sabíamos que necessitávamos de calor humano ou iriamos sucumbir.

— Eu não quero morrer, Jungkook. – sussurro fechando os olhos, os sentindo queimar pelas lágrimas que se acumulavam.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...