História Por quê eu não te amo mais, Jaebum ? - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, Got7
Personagens Do Kyung-soo (D.O), JB, Youngjae
Tags 2jae, Kaisoo, Markson
Visualizações 61
Palavras 3.009
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 9 - Capitulo 9 - Você acabou comigo, Jb, por que ?


Olho para o meu celular, o alarme tocando alto me dizendo que estou atrasado, tenho poucos minutos para me levantar, mas isso parece ser muito sacrifício.

Ontem recebi uma ligação da minha mãe depois que Mark e D.O foram embora de tarde, por mais que eu tente isso não sai da minha cabeça, eu não sei, talvez seu tom trêmulo ?

Era por volta das duas horas, ele já tinha me ligado outras vezes, mas eu nunca estava por perto, ela me disse que ficaria mais alguns dias fora, estava no apartamento de uma amiga longe de Seuol, e depois aumentou para um mês.

Depois que ela desligou, explicando que tinha um jantar para ir, eu...eu me sinto abandonado.

Sozinho nessa casa cheia de memórias tristes, eram felizes até meu pai me apresentar sua primeira namorada, no momento que apertei sua mão minhas chances de que algum dia, algum ano, meus pais se reconciliariam se destruiu.

Depois daquele dia minha vó veio nos visitar, depois de dois anos sem nem ligar, xingou minha mãe de vagabunda na minha frente e disse que não esperava menos, passou pela porta da sala e nunca mais deu sinal de vida.

Daquele dia em diante eu perdi minha mãe, agora eu não a reconheço mais, nunca me dei muito bem com o meu pai depois que revelei para ambos que sou gay e que estava sendo ameaçado por fotos íntimas minhas pelos amigos da pessoa que me envolvi, caso um dia eles vissem embaixo da minha cama ou amassado no lixo do banheiro.

O quanto ele era frio antes se tornou como um vento gelado, porque depois, depois...ele nem me olhava mais nos meus olhos, se afastava e nem mais trocava palavras, um dia cheguei em casa cedo, tinha cabulado aula para ficar de bobeira na rua, fui para o banheiro lavar as mãos por ter escorregado na lama e precisar colocar as mãos antes de me sujar, então escutei suas palavras.

"Ele é viado, Hosook, viado ! Eu não o expulsarei de casa por causa de você, se não, além de dar uma bela surra para voltar a ser homem, o deixaria até sem roupas na rua, assim ele poderia fazer o que quisesse, não é ? Ele não estava dando a bunda ? Para ter foto é porque tava gostando ? Era só vender para sobreviver, porque filho meu era para ser homem, Hosook ! Isso é sua culpa ! Você deveria ter parado quando ele preferia bonecas quando visitavamos sua mãe e quando ele disse que achava aquele ator bonito ? Se você tivesse me deixado, ele não seria a coisa que é hoje !"

"Não fale assim dele, Dakho ! Ele é nosso filho ! Eu sempre soube que ele gostava de meninos, você também ! Só não queria enxergar !"

"Ele é seu filho ! Desda primeira palavra que ele me disse aquele dia ele é um desconhecido para mim ! Você sabe o que eu penso ! Youngjae não é meu filho ! Youngjae é uma pessoa doente que precisa de marcas nas costas para parar com essa besteira !"

- Para, para, chega de pensar nessas coisas, Youngjae... - dou três tapinhas na minha bochecha ao sentir meus olhos se encherem de lágrimas, decidindo finalmente me levantar, já sendo mais de 6:20 da manhã, correndo para o banheiro.

Tomo um banho rápido, escovo meus dentes, faço minhas necessidades, visto meu uniforme, arrumo meu cabelo, limpo o banheiro e volto para o quarto, passando meu perfume e meu creme, não esquecendo do desodorante, calçando meus tênis, pegando minha mochila junto com o meu celular, correndo para a cozinha, abrindo a geladeira, pegando uma caixinha de leite, saindo de casa ao trancar tudo, sabendo que chegarei atrasado, não me desesperando, andando em passos calmos, tomando meu leite, chegando na escola com o portão fechado, apertando a campanhia, mesmo sabendo que o porteiro está me vendo.

- Outra vez, Choi ? O que faz você chegar tão atrasado assim quase todos os dias ? - pergunta, destrancando o portão, puxando uma brecha para que eu pudesse entrar.

- Problemas em casa.- sussurro, passando, parando em sua frente, um alto homem nas casas dos 50, balança a cabeça, voltando a fechar e trancar o portão, dou meia volta para entrar na escola, mas sua mão toca meu pulso, me puxando de volta.

- Onde pensa que vai ? Problemas em casa há 1 ano ? Precisamos conversar com o diretor então, se seus pais são responsáveis por seu desempenho estar caindo, eles precisam ser chamados aqui. - enfia o bolo de chaves no bolso, tento puxar meu braço de volta, assim ele aperta mais.

- É sério isso ? Eu tenho certeza que não sou o único a chegar atrasado, e minha mãe já foi chamada faz pouco tempo, ela já explicou tudo para o diretor. - ele nega com a cabeça, sinto meu pulso começar a doer pelo seu aperto.

- Pouco tempo ? Já faz mais de 4 meses, Youngjae, quase no começo do ano, você acaba de voltar das férias e parece estar aprontando tanto, ou sonolento demais para chegar na hora, vamos antes que eu precise usar a força. - ameaça, apertando mais os dedos no meu pulso.

- Eu vou, mas não por medo, você não pode fazer mesmo que queira, Monsieur. - puxo meu pulso com mais força, conseguindo sair do seu aperto, o olhando com raiva.

- Me acompanhe. - sussurra, me olhando de cima á baixo, andando na frente, faço como o "pedido", massageando meu pulso dolorido, percebendo que não tem nenhum aluno circulando pelos corredores.

Atravessamos o primeiro andar, logo depois o segundo, e então chegamos ao terceiro, subindo as escadas, passando por mais um corredor, ao virar paramos na segunda porta, espero ele bater antes de entrar.

- Diretor, outra vez preciso trazer Choi Youngjae. - fala alto, antes dando sua reverência.

- Sim, deixe ele aqui, preciso resolver primeiro um assunto com o Kim. - Kim ? Qual dos Kim ?

Olho confuso para o nojento do porteiro que sorri pequeno para mim, esperando eu entrar para dentro, fechando a porta ainda com o sorriso.

Reviro os olhos, agora olhando para frente, arregalando os olhos ao ver Yugyeom sentado na cadeira enfrente o diretor com outro garoto, não consigo reconhece-lo agora, mas olhando de sua calça colada sem ser do uniforme a tatuagem de algum símbolo no seu pescoço deduzo ser um dos delinquentes do outro 3° ano.

- O que faço com vocês dois, huh ? Estamos na primeira aula, Yugyeom, na primeira aula e você já arruma confusão ?! - bate na mesa, chegando mais perto com sua cadeira de rodinhas.

Yugyeom passa seu olhar por mim de cima à baixo, sorrindo, virando para o rosto do diretor, dando de ombros.

- Não foi culpa minha, dessa vez não fui eu quem arrumei confusão, eu já perdi as contas de quantas vezes Hongbin implicava comigo do 7° ao 9°, sempre tentava evitar, jogando minha bandeja no chão, pegando meu celular, até quebrando-o uma vez, cansa, diretor, quantas vezes já parei aqui por causa desse lixo ? Apenas dê um jeito nele, posso chamar meu pai para ajudar se precisar. - ameaça, cruzando as pernas, Hongbin arregala os olhos, perdendo sempre sua postura de badboy quando Yugyeom toca no nome do seu pai.

Tanto ele como o diretor se entreolham, parecendo suor frio pela nuca.

- N-não será preciso, o que se resolve na escola, fica na escola. - tosse rouco, olhando para os papéis em sua mesa - Vou ti dar uma advertência, Hongbin, e três dias de suspensão, saiba que seus dias estão contados dentro dessa escola. - avisa, puxando uma gaveta, pegando uma pasta de dentro.

- Você voltou diferente, Yugyeom, o sangue americano já corre nas suas veias para você voltar com essa postura ? Antes não precisava apelar para o papai. - Hongbin provoca, parecendo irritado, seus dias estão mesmo contados dentro dessa escola e se seu pai souber que sua mulher encobre tanto do filho, poderá até mata-lo.

- Será que corre ? Os Estados Unidos é realmente uma terra boa, muito sexo, sabe ? Passarei na sua casa mais tarde, estou com saudade do sangue coreano, preciso voltar a arrombar a buceta da sua mãe. - olho surpreso para Hongbin que se corrói de raiva, até ficando vermelho.

- O q-

- Não comecem de novo, Hangbin, chega ! - outra vez a mesa leva seus tapas, fazendo os dois voltarem a olharem para o seu rosto.

- Desgraçado. - ainda sussurra, cerrando seus punhos, Yugyeom sorri de canto, começando a balançar seu pé.

- Suponho que você esteja aqui por chegar atrasado de novo, certo ? - percebo que agora a atenção se volta para mim, encaro seu rosto, assentindo com a cabeça - O que farei com você, Youngjae ? Sua mãe apenas pede para que eu ti dê suspensões, seu pai nunca mais veio para as reuniões, e se eu ti der advertência passará em branco e você continuará chegando praticamente na segunda aula, então...me diz, o que eu faço com você ? - coça a cabeça, me olhando cansado.

- Você dará uma advertência por ele chegar atrasado ? - Yugyeom pergunta, olhando para mim e depois para ele - Não é um pouco...exagerado ?

- Seria, se Yongjae não estivesse chegando atrasado há quase dois anos. - responde com irritação.

- Não faz tanto tempo assim, e também, diretor, eu chego atrasado, mas tenho tudo em dia, minhas notas são boas, não tem por que eu levar alguma coisa. - resolvo me pronunciar antes dele acrescentar mais coisas.

- Excluindo outras coisas, né, Choi ? Suas escondidas depois das aulas, quando saiu da escola mais de quatro vezes pelo portão de trás, e suas duas aulas no banheiro. - joga na minha cara como toda vez, reviro os olhos, bufando de ódio por de novo ter que passar por isso - Já que nada resolverá, ti entregarei quatro trabalhos para fazer, na minha mão, Senhor Choi, assim seus atrasos serão até compensados. - o encaro, fazendo um bico - E nem adianta me olhar assim, agora você está realmente ferrado, venha na quarta aula pegar os temas, e eu ti darei menos de dois dias para estar na minha mão.

- Dois dias ?! Como posso fazer em dois dias ?! Eu já estou cheio de seminários e pesquisas ! - exclamo em indignação.

- Seus seminários são só para semana que vem, e eu não quero saber, será em dois dias e pronto ! - bate na mesa, esperando eu retrucar de volta, cruzo meus braços, engolindo minha raiva por causa daquele filho da puta do porteiro - Agora vá, vão vocês três ! Estou cansado de vocês ! - manda, apontando para a porta, reviro outra vez meus olhos, abrindo a porta, passando por ela.

- Filho da puta ! - chuto o pequeno balde de lixo perto da parede, não me preocupando pelo mesmo estar vazio.

- Nossa, menino Youngjae, o que fizeram com você enquanto estava fora ? - ouço a voz irritante de Yugyeom, revirando os olhos, perdendo toda a paciência que talvez eu tinha - Está cheio de pincerg, antes você tinha só nas orelhas, agora xinga o diretor, chega tarde, e até foge da escola ? Há há, você realmente mudou...para melhor. - viro meu olhar para ele, cruzando os braços ao se aproximar de mim.

Ele ainda usa o mesmo perfume quando "estava" comigo.

- Não fala comigo na escola, finja que nem me conhece. - peço, mas meu tom parece ousado demais para um pedido, como o esperado, ele arqueia uma sombracelha, não desfazendo o seu sorriso debochado.

- E por quê eu faria isso, huh ? Todos sabem sobre nós, Youngjae, qual o problema ? - analisa meu rosto, procurando alguma resposta, desvio o olhar para o corredor.

- Eu não quero, não temos mais nada de qualquer jeito. - sussurro, olhando para a silhueta de Hangbin virando o corredor.

- Não temos ? Eu nunca terminei com você. - me arrepio quando seus dedos tocam minha nuca, olhando assustado para ele, deslizando mais os seus dedos na minha pele, sorrindo, avançando ao subir seu olhar para o meu rosto, agarrando meus ombros, me jogando na parede com um pouco de força, arfo pelo susto, ainda sem reação.

O que está havendo, Youngjae ? Aja !

Tento mexer minhas mãos, mover minhas pernas, fazer qualquer palavra sair da minha boca, mas nada sai, eu continuo a encarar seu rosto que já cobre todo o meu, suas mãos deslizam mais para baixo, suas unhas fazendo eu me arrepiar por arranhar o tecido, parando na minha cintura, apertando.

- P-pare, Yugyeom. - consigo finalmente falar, tocando suas mãos.

- Ah, por que não me chama mais de "Meu Yeom" ? - faz um bico, chegando ainda mais perto, encostando seu peito no meu.

- Porque você não é meu. - falo como se fosse óbvio, tentando o empurra-lo para trás, mas ele não se move, pelo contrário, apenas chega mais perto, e eu preciso abaixar minha cabeça para não olhar nos seus olhos ou não tocar seus lábios provocantes demais agora.

- Mas eu posso ser. - sussurra rouco no meu ouvido, pisco os olhos para não bambear as pernas.

Isso era tudo que eu precisava ouvir naquela época, naqueles anos que fiz papel de idiota.

- Não, Yugyeom, você não será meu, porque eu não te amo mais. - levanto minha cabeça para falar sério, seus olhos parecem confusos, mas mesmo assim não desvia o contato.

O faço então, puxando com mais força suas mãos, conseguindo sair do seu aperto pelo seu momento pensativo, o lançando um olhar raivoso, dando-o as costas.

Eu fico pensando... O que se passa na cabeça desse garoto ? Depois de tudo o que ele fez pra mim, agora, depois de longos 3 anos sem nem me dizer que estava vivo, volta como se nada tivesse acontecido, e como ele está certo comigo.

Viro o corredor, abrindo uma porta, percebendo que ela não bateu quando eu passei, olhando para trás, Yugyeom atrás de mim, sua expressão séria sempre me trazendo arrepios nunca bons.

Viro outro corredor, enfim chegando no corredor da minha sala, mas quando passo pela porta da sua sala, e também de Jaebum, ele agarra meu pulso, apertando com força para eu parar, tendo puxar antes de ter que o olhar, mas ele não dá trégua, reviro os olhos, bufando me virando para ele.

- Está virando moda agarrar meu pulso desse jeito. - falo com raiva, não estando muito diferente dele.

Ele larga meu pulso, dando três passos, murcho minha expressão raivosa, o olhando agora com medo, Yugyeom nunca é alguém tão calmo.

- Você ainda me ama, Youngjae, apenas não quer admitir para sí mesmo, por mais que eu tenha feito tantas coisas realmente fudidas, eu admito, você gostava, porque se não gostasse, não teria ficado comigo e nem estaria falando comigo ou deixado eu ti tocar como fiz. - cerrou os olhos - Você não tem ódio, você tem mágoa, Youngjae, e o único motivo para você não me querer por perto é de você estar com alguém e esse alguém não saber muito bem de nós.

- Não é isso, Yugyeom, eu só não quero mais nada com você e eu ficarei de saco cheio se você não parar com isso. - falo antes dele continuar, uma coisa que ele odeia.

Ele trinca o maxilar, dando mais um passo, agora, outra vez, tão perto, me olhando tão fundo que parece estar vendo minha alma.

- Eu vou descobrir quem, vou ferrar com a vida desse cara, e quer apostar como, Youngjae ? Em dois dias você estará batendo na minha porta ? - meu coração bate mais forte quando um sorriso diabólico nasce no seu rosto.

- Você não descobrirá e eu não cairei de novo nesse seu jogo psicológico. - tento afirmar, mas minha voz como sempre falha nessa hora.

- Então existe alguém, agora quem será ? Está no meu grupo ? Me dê outra pista, Youngjae, não se esforce, você não consegue mentir para mim, eu ti conheço bem demais. - nego com a cabeça, desacreditado com tudo isso que ele está fazendo, olhando para o nosso lado, arregalando os olhos ao perceber que estamos ao lado da sala do Jaebum, e todos estão virados para nós.

A grande janela de vidro cobre quase toda a parede, por isso de tantas cortinas escuras ou amarelas, Namjoon sussurra alguma coisa para Jongin, esse vira seu olhar para mim, Jaebum parece escutar, me encarando com um semblante com raiva, Jackson toca seu ombro, e no momento exato que viro na direção de Shownu e Jinyoung um flash cega minha visão e seu sorriso de lado ao retribuir meu olhar mexe comigo, me alertando de comprar o jornal da escola amanhã com as meninas do 8° ano.

- Quem...poderia ser ? Shownu ? Jongin ? - volta a falar, cruzando seus braços, chegando mais perto de mim - Jackson não seria louco de ti pegar, aquele tal de Jaebum namora, Namjoon é louco naquele Jin, eu não acho que Jinyoung gosta de ser o ativo e Chanyeol está quase enforcado no tanto de rolo que ele se meteu... - analisa meu rosto, tentando achar alguma coisa, qualquer coisa.

- Não é nenhum deles, você não descobrirá quem é, pare de agir como um maníaco e me deixe em paz. - sussurro, olhando mais uma vez para a janela, para os olhos de Jaebum que não se desvia de mim nem por um segundo.

- Ah, Youngjae... - antes que ele pudesse tocar meus ombros, eu me esquivo, rapidamente entrando para dentro da minha sala com meu coração a mil por hora.

Como se não bastasse tudo que está acontecendo, agora ainda tenho que lidar com isso.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...