1. Spirit Fanfics >
  2. Por que não te amar ?. >
  3. Primeiras impressões.

História Por que não te amar ?. - Capítulo 9


Escrita por: Carly_Quin

Notas do Autor


Fala meus nobres !

Tudo suave com vcs ? Espero de coração que sim.

Eu admito que demorei a postar. Mais eu estava na casa da minha avó, passando alguns dias com ela. E lá o sinal de internet é péssimo. Por isso vão me desculpando o atraso.

Enfim, espero que gostem do capítulo de hj. E como eu havia dito nos comentários do último capítulo. O de hoje será voltado ao Sisifo e o El Cid.
Desde já agradeço aos comentários relacionados ao capítulo anterior vcs são nota 10.(◍•ᴗ•◍)❤ Obrigadinha. Boa leitura a todos 🌹.

Capítulo 9 - Primeiras impressões.


Fanfic / Fanfiction Por que não te amar ?. - Capítulo 9 - Primeiras impressões.


El cid se perguntava, internamente, se deveria ou não levantar da sua confortável cama naquela perfeita manhã de sábado. Uma leve chuva caia do lado de fora de seu apartamento, e o céu  estava plùmbeo, sem haver qualquer sinal de melhora. Era um dia perfeito para aconhegar-se sob os cobertores e dormir. Mas não parecia ser o que estava por vir. Pois, o de cabelos negros precisava se encontrar com o amigo grego de Dhoko ainda naquela mesma manhã. El Cid bufou, o mesmo pegou o seu edredom e se cobriu com ele dos pés a cabeça. Ficando numa espécie de "casulo protetor" lá ele pode ficar sozinho com seus pensamentos. Que 99% das vezes, era voltado para o homem de cabelos castanhos claros. Não ! Aquilo era uma péssima idéia. O espanhol apanhou o seu celular, que repolsava em cima do criado mudo, próximo a sua cama.

- Acho que vou inventar uma desculpa qualquer.- Disse ao procurar o nome do grego em sua lista telefônica. El Cid pensou e pensou. Talvez, devesse ligar e dizer que estava doente. Não, essa era uma desculpa muito batida. Trânsito ! É essa parecia uma boa. Não, era sábado, e a maioria das pessoas estavam em suas casas, fazendo a mesma coisa que ele.... Nada. 

 El Cid revirou os olhos, frustado por seu cérebro não pensar em nada de útil para inventar como desculpa para poder não se encontrar com aquela beldade grega. Só de imaginar que passaria uma parcela de tempo considerável com o grego e estando completamente SOZINHO. Já era motivo suficiente para que uma deliciosa corrente de arrepios percorre-se toda a extensão da sua espinha. Arrepiando, ainda mais seus cabelos que já eram rebeldes por natureza própria. Fazia tempo que não esperimentava uma sensação como aquela. Desde os tempos de escola, para ser mais exato. Definitivamente, Sisifo havia conseguido despertar seu interesse.

- Controle-se El Cid. Lembre-se é apenas um encontro a negócios, pare de ter essas ilusões tolas. Você já passou dessa fase a anos. É apenas um encontro profissional .- Encontro. Quando foi a última vez que tinha pronunciado tal palavra ? Ah ! sim !! ele se lembrava agora. Desde que seu último "encontro" acabou se tornando um verdadeiro desastre.

El cid não era mais um adolescente ingênuo. Ele, de imediato, identificou o interesse repentino que Sisifo cultivou em seu lindo olhar assim que foram apresentados. E sua vasta experiência nunca o desapontou. Era óbvio, pelos poucos segundos que passaram juntos, El Cid pode identificar que Sisifo era mais um daqueles típicos homens que ansiavam por um novo relacionamento baseado apenas em alguns momentos de prazer sem qualquer tipo de compromisso futuro. Até mesmo um cego saberia enchergar qual era o verdadeiro propósito daquele encontro. Mas El Cid não se deixaria ser levado por aquele falso brilho de inocência presente naquelas orbes azuis. Por isso ele decidiu ir de uma vez. E deixar bem claro que não estava disponível no momento.

Mesmo assim, por algum motivo, aqueles olhos azuis, não deixaram seus pensamentos fluírem normalmente durante a noite. Na verdade... Ele sabia sim o motivo. Fascinação. Sisifo era um homem muito atraente, sexy, prestativo e muito.. Muito.. MUITO bonito. Beleza essa que deixaria qualquer um a mercer de suas artimanhas libidinosas. O espanhol também sabia que estava brincando com fogo. Era ciente disso. Mesmo assim, ele não iria fazer a desfeita de desmarcar o que havia combinado com Sisifo. Além disso, ele precisava mesmo de ajuda. 

- Não tem jeito mesmo... O que pode dar errado ?.- Indagou. E dessa forma, El Cid jogou o edredom de lado e se levantou. Fazendo no processo um pequeno Dhawloing da alma. Pois, trabalhar no sábado precisaria de uma boa dose de coragem.

Depois disso, o espanhol caminhou até o banheiro, onde fez sua higiêni matinal. Foi até a cozinha, abriu a porta da geladeira, e pegou um pacote de pão, depois, retirou dois ovos, bacon e leite. O café da manhã estava servido. O mesmo  quebrou os ovos na frigideira com uma eficiência digna de um verdadeiro chef. Em seguida, colocou o bacon no micro-ondas,  e o pão na torradeira. Tomar café da manhã completo era muito solitário, ainda mais agora sem ter seu irmazinho para fazer companhia.

 Depois de ingerir os alimentos ele aproveitou para ligar para seu amigo Aiolos. Pois este concordou em ser a "babá temporária" do seu irmão mais novo Shura. Enquanto estava fora. Demorou alguns minutos para o grego atender. El Cid estava quase desistindo. Mais tentou uma última vez. Até que finalmente conseguiu.

- Alô ? Cid ?.- Indagou o amigo. Surpreso pelo outro ter ligado tão cedo.- O que ouve ? Aconteceu alguma coisa ?.- Aiolos parecia sonolento ao telefone. E bem mais confuso do que o normal.

- Na verdade não. Só liguei para saber como você tem passado e claro perguntar se o Shura está se comportando bem.- Disse ouvindo Aiolos bocejar.

- Entendi.

- Mais e você ? Parece tão cansado os garotos estão te dando muito trabalho ai ?.- riu. Enquanto enchugava a louça do café. 

- Na verdade não. Bom, quer dizer.... O Shura é um doce de garoto um verdadeiro anjinho. Já o meu irmão... Bem... Você já conhece a peça.- Sorriu.

- Oh se conheço ! Eu sinto muitas saudades do seu irmão e claro suas e do Shu também. Estou morrendo de saudades.

- Owww agente também sente sua falta Cid. Principalmente, o Shura. Ele pergunta por você a todo momento. Eu, as vezes, digo que você não vai demorar muito. Só assim para ele parar de perguntar.- Aiolos coçou a cabeça.

El cid era grato por seu amigo Aiolos ter aceitado a difícil tarefa de cuidar de mais uma criança enquanto estava planejando abrir seu negócio. Já que seu irmão mais novo, Aiolia valia por quatro. O garoto era uma verdadeira bateria humana. E isso, drenava a maior parte das forças do irmão mais velho. Aiolos era um jovem de um coração gigante. 

- Em breve, terei o meu restaurante e poderei te recompensar por toda a ajuda que está me fornecendo nesse momento Olos. Sei que não é fácil cuidar de duas crianças pequenas, ainda mais estando sozinho.- Falou terminando de secar a louça.

- Que isso, é um prazer ajudar. Com o tempo você acaba se acostumando com a gritaria. As vezes, acho até estranho quando eles vão para a escola. E eu tenho de ficar sozinho em casa. Eu fico solitário.- Brincou.- Mais, como anda o seu projeto ?.- Quis saber.

- No momento, estou avaliando os melhores pontos da cidade. Não vou mentir Pequim é muito bonita. E o fluxo de turistas é constante. Se meus extintos não me emganam minha estádia aqui renderá bons frutos.- Falou confiante.

O mesmo ouviu a gargalhada contagiante do amigo do outro lado da linha.

- Estou torcendo por você.

- Obrigado. Eu combinei de me encontrar com o Sisifo. Ficamos de procurar alguns lugares juntos. E trocar algumas ideias e algumas sugestões.- Disse relaxando a postura.

- Sisifo ?.- Indagou Aiolos. Procurando, inutilmente, em sua mente alguém que correspondesse aquele nome.

- Sim um amigo do Dhoko. Ele se disponibilizou em me ajudar. Ele conhece a cidade como ninguém. Afinal, eu preciso começar por algum lugar se eu quiser que meu restaurante tenha algum futuro. E ele será de grande ajuda para mim, por isso marcamos esse encontro.

- Ok entendi. Sabe, faz muito tempo que eu não ouço você dizer essa palavra. Encontro. Soa até engraçado vindo de você.- riu.- Será que devo me animar com isso ? O sujeito  é  bonito ?.

El Cid ficou espantado. Era incrível como Aiolos ainda conseguia surpreende-lo. Ele podia visualizar um sorriso travesso ganhando forma em seus lábios. El Cid tentou disfarçar mantendo um tom de total desinteresse na voz.

- Nem percebi.- Deu de ombros.

- Já entendi....

- Está bem, ele é atraente, sim.- admitiu ele, sabendo que a descrição não era perfeita, seria como chamar a Torre Eiffel de um monumento bonitinho.

- Eu sabia !!! E deve ser sexy também.

- Pare com isso... No momento tenho coisas mais importantes para me preocupar do que um relacionamento fictício... Além disso, eu não acho que ele seja o tipo de homem para se ter qualquer tipo de relacionamento promissor. Algumas horas de sexo e ele já te trocaria pelo primeiro que aparece-se no radar.

- Por que acha isso ?.- Quis saber.

- Um olhar foi o suficiente.- Deu de ombros.- E na maioria das vezes eu nunca me engano.

- Certo... Então você faz suposições baseadas no que você vê no exterior das pessoas é isso? Já ouviu a frase " Nunca julgue um livro pela capa "? Talvez, você esteja sendo um pouco injusto. Vai ver o cara nem é assim. 

Santa inocência.

Por um momento El Cid se pós a pensar nas palavras do amigo. Talvez,  estivesse se precipitando ?. Quem sabe, sua análise estivesse superficial demais. Nem conhecia Sisifo direto e já começava a sua alto avaliação sobre sua conduta. Mesmo assim, ele continuaria a tomar cuidado. Já que percebeu que era o alvo da vez na lista do grego.

-  Tudo bem... Talvez, eu esteja sendo um pouco precipitado. Mais isso não significa que estou interessado.

- Mais.. niguem aqui falou que você estava.- riu.

As maçãs do rosto de El Cid ficaram vermelhas.

- hummmm... Isso vai ser muito interessante.

- Para você. Enfim, tenho que ir. Diga ao Shura que eu o amo. E que logo logo irei conversar com ele.

- Tudo bem eu darei o recado.

- Obrigado Aiolos.- Agradeceu.

- Não se esqueça de me contar tudo o que rolou nesse seu "encontro".- Aiolos fez questão de enfatizar a última palavra. Soltando um riso baixo.

- Morra de curiosidade.- Brincou.

- Eu sei que você vai me contar. Estarei esperando.- O mesmo desligou.

El Cid olhou para o relógio. Ainda estava cedo, se chegasse antes de Sisifo daria a impressão de que ele estaria animado para desfrutar da sua companhia. O que não era o caso. Suspirou... Seria um longo dia.

°°°

Sisifo estava mais feliz  do que a cinderela no primeiro dia do seu primeiro baile.

O grego passou um bom tempo trancafiado no  próprio quarto escolhendo seu "Luke" do dia. O conjunto que escolheu era perfeito para aquela ocasião. 

 O castanho estava animado com a expectativa de passar metade do dia na companhia de El Cid. O espanhol havia despertado seu bom humor logo de cara, que nunca antes havia sentido mais ativo. Aquele homem, era a pura personificação da sensualidade. Aquele sotaque, aquela voz rouca, aquele corpo. Que os deuses o ajudassem. Uma onda de desejo percorreu o seu corpo por inteiro. Chegava a ser doloroso.

- Hoje o dia promete.- Disse após adentrar o box do banheiro.

A possibilidade de embarcar em uma nova aventura amorosa deixou o sorriso em seus lábios maior e mais radiante que o sol. O mesmo cantarolava uma canção animada enquanto tomava uma boa ducha de água quente. Sisifo fechou os olhos por alguns momentos apreciando o vapor quente. A sensação da água em sua pele era deliciosa. Sisifo se pós a imaginar se o corpo de El Cid também era tão quente como a água que caia sobre sua cabeça e deslisava suavimente sobre seu corpo. O grego sabia que os espanhóis possuiam sangue quente assim como seu temperamento. Como seria ter um homem assim em sua cama ? El Cid não parecia ter o paviu curto. Mais as aparências podiam enganar facilmente uma pessoa. 

- El Cid...- Sisifo proferiu o nome daquele deus quase como em um susurro.

O mesmo não parava de imaginar aqueles olhos de tonalidade tão exótica. Dilatados, enquanto se via refletido neles. O corpo esguio se remexendo bem devagar debaixo do seu completamente livre de qualquer tipo de roupa. Enquanto seus lábios desfrutavam do sabor delicioso que aquela boca possuía. Como seria ouvir El Cid gemendo, proferindo seu nome baixinho naquele sotaque tão sedutor ?. Só de imaginar. Sisifo soutou um gemido de prazer. Suas costas se chocaram contra o azulejo branco do banheiro. Sua intimidade logo deu sinal de vida. Ao abrir os olhos ele percebeu que El Cid não era um homem qualquer. Era diferente dos demais com que já tinha saído. O semblante sério, o jeito conservador. Dhoko já o havai alertado sobre o tipo de homem que El Cid era. Os homens difíceis eram os seus favoritos, isso deixava o jogo de sedução aínda mais interessante. Sisifo não iria desistir tão fácil. O grego já até possuia uma carta na manga. Mais apenas a utilizaria na hora certa. Se quisesse conquistar aquele espanhol durão teria que mudar suas táticas naquele jogo. Não dava para se ganhar todas usando o mesmo truque repetidas e repetidas vezes.

Com um sorriso confiante ele saiu do banheiro. Determinado a ter o seu espanhol exatamente onde queria. Na sua cama.

Menos de uma hora mais tarde Sisifo chegou ao café. O shopping estava bem movimentado. O grego escolheu uma mesa. De onde estava ele  tinha uma visão privilegiada de quem entrava e saia do lugar. Sisifo recostou-se na cadeira, olhou a hora no celular. Ainda estava cedo mais por algum motivo ele estava agitado, seus dedos tamborilavam sobre a mesa.

- Será que ele me deu um bolo ?.- Indagou. Sisifo percorreu o olhar mais uma vez por todo o café.

- Olá senhor, o que gostaria de pedir ?.- Uma doce garçonete apareceu. A mesma entregou o cardápio.

"Um espanhol com bastante creme e alguns biscoitos por favor" pensou sorrindo.

- Dois cafés simples por favor. Estou esperando um amigo.- Sorriu.

- Certo trarei seu pedido em um minuto.- A garçonete deu um sorriso afavel e logo saiu.

Depois de alguns torturantes segundos depois. El Cid finalmente apareceu. Sisifo levantou o queixo, e quase caiu da cadeira quando avistou o seu espanhol adentrando o café. O mesmo estava tão sexy vestido com uma jaqueta de couro preta, camisa branca e um jeans colado as pernas torneadas de alguém que práticava bastante exercício físico pela manhã. Santo deus !! Ele precisou de muito alto controle para não cometer a loucura de beijar aquele homem ali mesmo.

" Controle-se homem... Controle-se...".

El Cid demorou alguns segundos até encontrar o sagitariano. Mais quando seus olhos se cruzaram. Foi como se uma flecha, fosse disparada contra o seu peito, por algum cúpido idiota que estava passando por ali. A visão que teve capturou todo o ar de seus pulmões. Forçando o seu coração a bombear o sangue com mais força. Sisifo estava um verdadeiro gato. A manga da camisa de algodão branco, envolvia seus braços fortes e musculosos, contornados perfeitamente pelo fino tecido. A gola da camisa estava desabotoada deixando uma parte do seu peito nu a mostra. O homem era um verdadeiro pecado. Seria difícil alguém resistir aquela visão. Mais El Cid se manteve firme. 

O mesmo caminhou em sua direção. 

- Desculpe a demora.- Disse surpreso por ter mantido a voz controlada, enquanto por dentro estava uma verdadeira pilha de nervos.-  Mais eu tive um pequeno contra tempo.- Mentiu. É claro que ele havia se atrasado de propósito.

Sisifo piscou algumas vezes. Um largo sorriso brotou em seus lábios. O mesmo tomou a liberdade de medi-lo dos pés a cabeça. Analisando mentalmente cada detalhe daquele homem.

"Droga ! Por que ele tinha que sorrir daquela maneira ? E por que está me encarando tanto ?" Pensou o espanhol irritado.

- Não tem problema. Paciência é uma das minhas virtudes. Você não gostaria de se sentar ? A conversa pode ser um pouco longa.- brincou indicando uma cadeira.- Se não se importa eu pedi dois cafés para nós.

A voz de Sisifo era tão sedutora que até mesmo uma conversa inicial se tranformava em um convite tentador.

- Não tem importância. Eu gosto de café.

- Bom saber.

El Cid se sentou. Cruzando os braços frente ao peito. Uma mania sua. O mesmo endireitou a postura mostrando que estava ali apenas com um único objetivo. Sem tempo para conversa barata.

- E então por onde devemos começar ?.- Indagou ele com aquele delicioso sotaque. 

Os olhos de Sisifo se arregalaram surpresos. Como ele era objetivo. Mais um sinal de que estava nervoso. Ele podia ver isso naqueles olhos violetas. E também, na maneira como ele tamborilava os dedos sobre o braço. De onde estava sentado, Sisifo podia ouvir as batidas aceleradas daquele coração . Evitou ao máximo sorrir com malícia. Ele era ainda mais bonitinho daquele jeito.

- Quanta seriedade. Não precisa de tudo isso El Cid. Eu já encontrei um lugar perfeito. Acho que você vai gostar.

- Sério ? Puxa que rápido !.- El Cid relaxou os ombros. Seu semblante sério deu lugar a uma nova expressão. Contentamento.

Sisifo, internamente, ficou satisfeito por causar tal mudança. Um passo de cada vez.

- Eu disse que ia te ajudar não disse ? Bom pra mim promessa e dívida e eu cumpri com a minha palavra.

A conversa foi interrompida pela garçonete que atendera Sisifo momentos atrás.

- Aqui está seu pedido querido.- A mesma colocou duas canecas de café sobre a mesa.- Precisam de mais alguma coisa ?.

- Não querida obrigado.- Sisifo a dispensou com um sorriso amarelo.

- Sisifo..- El Cid chamou suavimente.

O grego parou, altomaticamente, a caneca poucos centímetros longe dos lábios. Olhou para o rosto de El Cid por cima da caneca, um olhar direto. O mesmo foi agraciado por vê-lo sorrir mesmo que minimamente. 

- Se você não se importar. Eu gostaria de conhecer o lugar agora mesmo.- Pediu.

- Mais já ? Por que não tomamos o nosso café primeiro ? Garanto que quando sairmos, ele ainda vai estar no mesmo lugar de antes.- Brincou.

El Cid parecia relutante. Mais teve de segurar sua ansiedade por mais alguns minutos.

- Não sei como te agradecer pela sua ajuda.- El Cid encarou a bebida fumegante em suas mãos.- Esse restaurante significa muito para mim. É o meu sonho. E graças a você ele está aos poucos se tornando realidade.- El Cid se permitiu ser influenciado por um ataque fuminante de gratidão.

- É um prazer poder ajudar você a realizar o seu sonho.-"E posso ajudá-lo a realizar muitos outros sonhos se assim desejar." Pensou maliciosamente.

- Eu queria muito poder demonstrar minha gratidão de alguma forma.- O mesmo sorriu outra vez. Mal se dando conta de onde estava se metendo.

Sisifo viu a oportunidade perfeita de utilizar sua carta na manga. E não deixaria isso passar batido.

- Eu sei de uma forma....

Por um momento, El Cid pareceu acordar para a realidade. Se arrependerá amargamente do que disse segundos atrás. O espanhol segurou a caneca com força, chegando ao ponto de quase destruíla nas mãos. Ele se esquecera das regras básicas que meditara durante o trajeto até o café. O intuito de não dar brechas as investidas daquele homem foram por água abaixo. Acabara de dar passe vip a ele. Como pôde ser tão desleixado ? El Cid quis chorar. Agora era tarde !.

- Que tal jantar comigo está noite ?.- Sisifo apoiou um dos cotovelos sobre a mesa. Pousando o queixo sobre a palma da mão.- Me parece uma boa forma de agradecimento.

El Cid franziu o cenho diante o convite inesperado. Se recusasse agora, estaria sendo um verdadeiro ingrato. Da mesma forma como tinha acontecido antes, o magnetismo da sedução o envolveu. Sisifo estava jogando com ele, e o grego estava aguardando sua resposta. Os lábios de El Cid estavam ressecados, e ele desejou correr a língua, mas evitou, sabendo que colocaria ainda mais lenha na fogueira da sedução. Assim, ele pegou a caneca de café e bebeu todo o líquido. Sisifo sorriu de satisfação ante o efeito causado.

- Um jantar você disse ?.- Indagou o espanhol olhando de um lado para o outro do café. Completamente perdido.

- Isso mesmo..- Falou vagarosamente. O fitando com um olhar malandro.- Eu não aceito um não como resposta.- Complementou.

" Droga !".

Sem ter para onde fugir El Cid suspirou derrotado.

- Está bem... Onde e quando ?.- Indagou ele se limitando a olhar de volta, determinado a não deixar perceber o quanto estava impressionado e nervoso.

- Na minha casa as 8.

- Ok estarei lá... Agora podemos ir ?.- El Cid tomou novamente o seu semblante habitual. 

- Claro.- Sorriu.

Ele podia ter perdido a batalha mais não a guerra. Ele deixaria Sisifo com as suas ilusões pelo menos por enquanto...

°°°

El Cid começou a ligar para Aiolos, enquanto o convite de Sisifo ainda dominava os pensamentos dele. Ficou claro que Sisifo faria de tudo para tê-lo como diversão. El Cid podia ter recusado o convite, mais por alguma razão não o fez. Talvez por que se fizesse isso se sentiria péssimo depois.... Ou então... Não ele não iria concluir aquele pensamento. Sisifo foi ousado. Mas não permitiria que acontecesse de novo. Não mesmo !. Quer dizer...

Droga !!! Ele precisava falar com Aiolos ainda naquela noite. Sendo sincero com sigo mesmo, ele sabia que Sisifo o atrairá como um ímã atraí um pedaço de metal.

Já eram quase 18h quando finalmente conseguiu falar com o amigo. Ao fundo, ouviu crianças gritando a plenos pulmães. El Cid teve a impressão de que uma delas chorava direto nos ouvidos dele.

- Sosseguem, crianças !!.- Aiolos gritou. Quase deixando El Cid surdo. Mas o silêncio foi imediato.

- Está ocupado ?.- Indagou.

- Um pouco. Aiolia convidou alguns amigos da escola para passar a noite aqui em casa. Aqui está parecendo um verdadeiro caos.

- Como consegue dominar todos ?.

- Prática.- sorriu.- Mas confesso que há dias em que penso que séria melhor xingar todos. Isso aliviaria a tensão ?.

- Não mais o deixaria rouco.

-  É mais....- Aiolos fez uma pausa.- Só um minuto Cid... SEYIA COLOQUE A MARIN NO CHÃO AGORA MESMO !!! AIOLIA TIRA ESSE DEDO DO NARIZ GAROTO !!. 

El Cid ouviu Aiolia protestar alto.

- AGORA !.- insistiu o mais velho.- Daqui a pouco vou dar um beijo de boa noite. Se você não estiver deitado e com os dentes escovados, não ganhará sorvete na semana que vem.

O choro parou no mesmo instante.

- Isso deve me dar alguns minutos de paz.- Continuou Aiolos.- O que ouve ?.

- Problemas, como sempre.

- Bem, essa é a minha especialidade. Conta.

El cid respirou profundamente.

- Ele me convidou para jantar na casa dele hoje a noite.

- Nossa isso foi rápido. E você disse não acertei ?. 

- Na verdade eu disse... Sim..

- CARAMBA !!! VOCÊ DISSE SIM ?!.- Aiolos disse surpreso. Já que o amigo jurou não estar interessado no grego.

-  Aiii o que eu vou fazer ?!.- El Cid desabou no sofá.- Eu não sei o que deu em mim. Por um momento, eu pensei ter a situação sobre controle depois eu já não sabia o que estava fazendo ou falando. Ele jogou sujo !!.

- Nossa... Você foi bem facinho. Isso me surpreendeu devo admitir. Cid eu sei que pode parecer loucura... Mais você já parou para pensar que assim... Talvez... Você esteja a-p-a-i-x-o-n-a-d-o ?.- Indagou o grego. Ouvindo El Cid protestar.

- O QUE ?! claro que não... Eu só agi por educação... Eu já disse, ele é um galã de quinta. E eu não estou apaixonado.- Aquela palavra era forte de mais.- Só quero saber como me livrar dessa situação o quanto antes. Você tem alguma ideia ?.

- Certo... Certo. Sendo assim não há o que temer.. é só um jantar. Mais se não quiser ir adiante com isso. É melhor não ir. Mande flores ou um cartão dizendo "muito obrigado pela sua ajuda". Mas a decisão tem que ser sua...

- Tudo bem... Eu já tenho uma ideia.

°°°

Quando El Cid chegou na casa de Sisifo. O mesmo o encontrou-o com farinha no rosto, cotovelos e polvilhada no rosto. Principalmente nas bochechas.

- Cid que bom que veio... Desculpe a bagunça. Entre.- O mesmo abriu passagem para o espanhol passar.

El Cid parecia confuso. Sera que havia chegado muito cedo ? Ou então fora Sisifo quem se atrasou com o jantar ?. O grego seguiu até a cozinha tendo El Cid no seu encalço. El Cid parou à porta e se assustou com o que tinha diante dos olhos. Havia farainha por toda a parte e uma poça suspeita.

- Cuidado onde pisa... Deixei cair alguns ovos.- Explicou ele, seguindo o olhar de El Cid.

- Parece que foi a cartela inteira...

- Está bem, admito, foram alguns ovos.

El Cid achou comovente o empenho dele ao tentar fazer um jantar. Já que ele era uma verdadeira negação na cozinha. Por outro lado, ele parecia estar se divertindo. A visão de um homem coberto de farinha foi exatamente o oposto do que esperava naquela noite.

- O que está tentando cozinhar ?.

- Bom... Eu estou tentando fazer um bolo de carne e...- Antes que terminasse de falar o forno do fogão começou a soltar uma fumaça preta. E um cheiro de queimado invadiu o ambiente.- MEU BOLO !!!.- Sisifo correu até o fogão. Abrindo o mesmo e tirando de dentro o bolo de carne. Que mais parecia um pedaço de carvão. El Cid se aproximou.

- Hummm... Parece... Crocante.- Sorriu.

- Hahaha.. muito engraçado... Lá se foram horas de trabalho.- Sisifo jogou o bolo no sexto de lixo.

- Não pense dessa forma. Você ainda tem os ingredientes ?.- Indagou.

- Sim.. por que ? 

- Vou te ajudar..- El Cid drobou as mangas da camisa.

- Não... Não precisa. Eu posso fazer outro.

El Cid balançou a cabeça, ainda admirando os esforços entusiastas de Sisifo. Talvez fosse melhor pedir uma pizza ao invés de preparar o jantar ele próprio. El Cid limpou uma das cadeiras e se sentou.

- Bom, sendo assim. Eu vou ficar só olhando você cozinhar. Já que você não necessita da ajuda de um chef gastronômico experiente.- Disse sarcástico.

Sisifo mordeu o lábio inferior com força. Mesmo não querendo admitir ele era um verdadeiro fracasso na cozinha. Sendo assim ele resolveu entregar os pontos de uma vez.

- El Cid..- Chamou. Com os olhos brilhando.

- Sim ?.

- Você poderia me ajudar.- Falou coçando a nuca.

- Certo... Me traga carne, ovos, temperos e o que mais tiver na geladeira.

- Certo chef.- Sisifo bateu continência. 

Ambos passaram um bom tempo na cozinha. El Cid dominava como ninguém a arte dos temperos, molhos, e cortes para a carne com eficiência e precisão. Era um verdadeiro artista na cozinha. Seus movimentos exibiam graça e destreza. Sisifo prestava atenção em cada gesto. O talento era algo visível. Logo a cozinha começou a ser tomada por um aroma delicioso. Bem diferente de momentos atrás.

- Prontinho o bolo de carne está cervido.- Disse o espanhol retirando a travessa com o bolo do interior do forno.

Sisifo assoviou. De fato, estava uma beleza. E o cheiro era ainda melhor do que a aparencia.

- Caramba deve estar uma delícia El Cid. Você realmente tem um grande potencial.

El Cid corou levemente com o comentário.

- Obrigado... É muita gentileza sua.- Disse sem graça.

- Certo que tal comermos agora ? Cozinhar me deixa com muita fome.

Sisifo colocou a travessa sobre a mesa. El Cid ajudou a colocar a mesa. Precisava adimitir, foi divertido ajudar aquele grego atrapalhado a fazer um jantar descente para eles descente e sem o risco de pegar uma intoxicação alimentar. 

Sisifo foi bastante prestativo. Vez ou outra ele se aproximava de El Cid, observando atentamente, seu trabalho. O perfume que ele ezalava quando estava bem próximo era doce. Como as flores da primavera. Talvez, Aiolos tivesse razão. El Cid foi um pouco precipitado em sua análise sobre o comportamento do de cabelos castanhos. Mais isso não significava que ambos iriam muito além daquele jantar.

- Veja só !.- Sisifo proferiu animado. Arrancando o de cabelos negros de seus pensamentos.- Eu encontrei essa belezinha escondida nos fundos do armário.- Sisifo trouxe uma garrafa de vinho em uma das mãos. E duas taças de cristal na outra.

- Você bebê El Cid ?.

- Humm... Um pouco, mais não costumo exagerar sou fraco para bebidas.- Alertou. Da última vez que tomou vinho ele quase não se recordava do caminho de casa.

- Sendo assim você pode beber apenas uma.- Disse enchendo uma das taças  oferecendo logo em seguida ao espanhol.

El Cid pareceu lutar contra a ideia de ingerir álcool. Mais, uma taça não mata ninguém. O mesmo levou a taça aos lábios. Saboreando vagarosamente o sabor do vinho.

- DIOS MÍO !.- Exclamou ele eu seu idioma materno.- Esse vinho é delicioso ! Na verdade é o melhor que já provei.- El Cid saboreou um pouco mais.

- Que bom que gostou. Foi um presente do meu irmão.- Sisifo serviu-se também.

- Você tem irmãos ?.- Indagou.

- Sim. Mais ele mora na Grécia junto com o meu sobrinho. E você também tem irmãos.

- Sim. Eu tenho um irmão mais novo, o nome dele é Shura. No momento ele está com um amigo meu enquanto estou por aqui. Mais logo irei trazê-lo para morar comigo aqui.

- Entendi. Contime mais..

El Cid contou sobre seu irmão, seus planos, sonhos e etc. Sisifo escutava tudo com muita atenção. O grego também compartilhou algumas coisas com o espanhol. E por incrível que pudesse parecer, os dois acabaram se dando super bem. Graças ao vinho e seus efeitos. Eles puderam aproveitar a noite com conversas descontraidas, brincadeiras e algumas piadas. El Cid gostava do bom humor que o grego emanava, e Sisifo apreciava o jeito protetor que o de cabelos negros possuía com o irmão. Ambos acabaram esquecendo do tempo.

- Bom... Isso foi divertido. Não sabia que você podia ser tão engraçado.- El Cid subtamente se levantou da mesa.- Mais chegou a minha hora. Amanhã tenho um longo dia pela frente... E.. Droga onde foi que deixei minhas chaves ?.- El Cid tateou os bolsos da calça.

- Não acho uma boa idéia você dirigir nessas condições. Porque não fica e dorme aqui ?. Já está muito tarde.- Sugeriu.

- Aqui ? Com você ?.

- Por que não ?. 

El Cid riu.

- Eu sei o que você está planejando senhor Sisifo. Mais eu não sou ingênuo. Não vou servir de diversão para você apenas por que eu aceitei o seu convite para jantar.- El Cid caminhou até a porta. Dando alguns tropeços no caminho.

- Assim você me ofende... Olha o seu estado ! Você não está nem conseguindo abrir a porta.

- Eu estou perfeitamente bem... Só preciso.. Droga !! É pra puxar ou empurrar esse negócio ?.- El Cid indagou.- Por que essa maçaneta tinha que ser tão pequena.

- Santo Deus. Eu preciso impedi-lo de cometer uma loucura. Cid se quiser eu chamo um táxi.

- Não precisa.... Eu consigo dirigir.- Teimou.

Sisifo se pós na frente da porta.

- Eu não vou deixar você sair dirigindo nesse estado. Sabia que isso é perigoso e contra a lei ?.- Sisifo plantou as mãos na cintura.

- Saia da frente Sisifo... Eu não vou pedir de novo.- ameaçou. Mais o grego não moveu um músculo.

El Cid então forçou sua saída. O mesmo pulou em cima do grego. Sisifo perdeu o equilíbrio e ambos acabaram indo de encontro ao chão. Quando abriu os olhos El Cid sentia uma dor forte atrás da cabeça. Mais a surpresa maior foi ver Sisifo com o rosto bem próximo ao seu. Ele podia sentir a respiração do outro bater contra o seu rosto. O cheiro de vinho embriagava os seus sentidos.

- Desculpe por isso... Mais é que...- Sisifo mal conseguia elaborar alguma coisa. Pois sua atenção estava voltada para aquele atual momento. Seu corpo estava por cima do corpo de El Cid, sendo maior e mais pesado que ele. Seu corpo aprisionava o outro.

- Sisifo...- El Cid chamou. Mais era como se o outro estivesse em uma espécie de hipinose. Sisifo o encarava com aqueles grandes e penetrantes olhos azuis. Uma gota de suor desceu por sua tempora. 

O rosto de El Cid foi se aproximando mais e mais do seu. Até que a ponta do nariz de Sisifo encosta-se levimente no seu. Um arrepio percorreu seu baixo ventre.

- Sisifo... Seja lá o que esteja fazendo... É-é melhor p-parar.- El Cid começou a se movimentar. E aqueles movimentos despertaram ainda mais o interesse do outro.

- Mais eu não estou fazendo nada..- Sisifo deslizou a ponta do nariz por toda a extensão do pescoço de El Cid. Inalando a essência do outro. Um aroma cítrico. Sisifo mordeu levimente o pescoço de El Cid.

El Cid fechou os olhos com a carícia feita. Suas bochechas queimaram como brasa. Um gemido baixo escapou da sua garganta. Aquilo estava indo longe de mais.

- Seu... Saia de cima de mim...- Disse quase em um susurro.

Sisifo voltou a encara-lo nos olhos. El Cid engoliu em seco. Seu corpo inteiro reagia de diversas maneiras ao domínio imposto por Sisifo. Céus ! Ele estaria gostando daquilo ?!.

- Vou sair... Mais antes você vai me prometer que não irá sair daqui da forma que está ok ?.

El Cid concordou com um manear de cabeça.

- Ótimo... Há e antes de mais nada. Eu não sou um oportunista sexual. Eu jamais me aproveitaria de alguém completamente bêbado afim de ter alguns momentos de prazer. Prefiro pessoas que estejam em sã consiencia durante um ato sexual. Não sou tão canalha assim El Cid.- O mesmo se levantou. Porém El Cid continuou no chão da sala imóvel.- Venha ou você vai querer passar a noite ai no chão ? Não me parece uma posição muito confortável.- Sisifo estendeu uma das mãos para El Cid. Ainda mantendo aquele sorriso ousado nos lábios.

El Cid aceitou a ajuda. Sisifo sorriu ao passar por ele.

- Você pode dormir no meu quarto eu me ajeito no sofá. Há ! É mesmo.- Sisifo virou o rosto na direção do espanhol.- O bolo de carne estava delicioso. Boa noite El Cid tenha bons sonhos.



Notas Finais


Isso foi tudo pessoal. Espero que tenham gostado do capítulo. Prometo que o próximo sera bem melhor. Aguardem bjs ꒰⑅ᵕ༚ᵕ꒱˖♡♡˖꒰ᵕ༚ᵕ⑅꒱


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...