1. Spirit Fanfics >
  2. Por que te amo tanto? ( Imagine Jay Park ) >
  3. Capítulo 13

História Por que te amo tanto? ( Imagine Jay Park ) - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Oi gente, sei que estão com vontade de me matar pelo que fiz no último capítulo, mas aqui está mais um capítulo fresquinho.
Desculpem a demora, por causa desse vírus espalhado pelo mundo, ficou cada vez mais difícil de ter ideias.

Então vamos para o capítulo.

Obs: ignorem os erros e se isso ficou uma bosta é porque era umas 11:00 da noite quando estava tendo alguma ideia do que postar. E se não gostar faz um BO.

Capítulo 14 - Capítulo 13


Fanfic / Fanfiction Por que te amo tanto? ( Imagine Jay Park ) - Capítulo 14 - Capítulo 13

Anteriormente...

- Mariana Santos - uma enfermeira me chamou.

- Sou eu.

- Pode entrar - puxei o Jay que riu do meu nervosismo.

Filho da puta.

Se fosse esse desgraçado, ele com certeza estaria de cara fechada.

- Olá papais do ano - dei risada.

- Olá.

- Pode se deitar - assenti.

Me deitei na maca e senti aquele gel gelado, fiquei encarado a tela e senti uma chama em mim, uma chama materna.

- Estão curiosos para saber o sexo do bebê - assentimos.

- O que vocês querem? - encarei o Jay que sorriu.

- Eu quero uma menina.

- Se nascer com saúde pra mim está ótimo.

- Bem... O bebê de vocês é uma...

E agora...

Pov. Jay.

Aquele suspense estava me matando. Eu não sei, mas desde que descubri que Mari estava grávida que algo em mim dizia que seria uma menina e eu espero está certo.

- Parabéns, vocês terão uma menina - CARALHO.

Eu vou ser pai de uma menina.

Uma princesinha.

A minha princesinha.

- Amor...

- É uma menina, vai ser uma princesa Jay - encarei a mesma e a beijei.

- Doutora, está tudo bem com a minha princesa, certo.

- Sim, está senhor Park. Querem ouvir o coração dela - assentimos.

- Sim, por favor.

Assim que ela colocou, pude ouvir a melhor coisa que já me aconteceu. Minha filha.

Eu vou ser pai de uma menina.

Ainda não consigo acreditar nisso.

Pedimos a ultrassom em 3D porque se não os meninos me matava, saimos do hospital e fomos para o shopping me encontrar com os meninos e comprar as coisas da minha filha.

Sem contar que precisamos conversar sobre o nome dela.

No shopping.

Entramos e vimos os meninos comprando em uma loja de bebê.

- Como foi? - nossa nem pra perguntar como estamos eles servem.

- Foi bem.

- E...

- E o que criatura - resolvi brincar um pouco com eles.

- QUAL O SEXO DO BEBÊ - gritaram juntos e sem paciência.

- É UMA MENINA - falamos juntos.

- EU VOU SER PADRINHO DE UMA MENINA, TOMA PORRA - gritou Gray.

- Quem disse - vai começar.

- Gente, vamos parar por favor. Eu quero comprar as coisas da minha filha e preciso de ajuda - disse Mari olhando as roupinhas.

- Nada de rosa, amor - bufei de raiva.

Não que eu não goste da cor e tal. Mas é que sempre dizem que rosa é para menina e azul para menino.

Que mentira.

Eu vejo muitos meninos que gosta de rosa e não tão nem ai pro que a sociedade diz. Vai se fuder, a pessoa que disse uma porra dessa 

- Ata, como se eu fosse colocar uma escrotesse dessa. O quarto da minha rainha vai ser branco e vermelho, e se quando ela crescer e quiser pintar de outra cor, não vou impidi-la.

Passamos umas 3 horas comprando umas roupinhas para a beber e logo fomos comer. Depois iriamos decidir o berço dela e como seria o seu quarto, os meninos nem reclamaram e tal.

Mas de algo eu sei, estou feliz com essa minha família linda... E por falar em família...

Preciso contar aos meus pais sobre o que está acontecendo.

Não sei qual vai ser a reação deles, se bem que eles gostam da Mari e sempre quis que a gente ficasse juntos, não sei se essa opinião pode mudar.

- Baby, precisamos conversar com os meus pais e a sua tia- a mesma me encarou e assentiu.

- Claro amor.

- Que tal próximo sábado em um jantar, a gente pode cozinhar, o que você acha?

- Claro - sorriu me dandl um beijo.

- Ta com gosto de hambúrguer - rimos.

- E eu vou vomitar - esqueci que eles ainda estavam aqui.

( ... )

Chegamos em casa mortos de cansados, a gente decidiu tudo de uma vez no shopping e daqui a 2 semanas vão entregar o berço e um cara vai vim pintar o quarto de hóspede que vai ser da nosso menininha. E o restante das coisas ainda vão chegar também.

Mari foi tomar um banho enquanto eu ligava para a minha mãe, ainda tenho que ligar pra tia da Mari, já que é a única família que ela tem...

Quer dizer... Contando comigo, os meninos, meus pais, a tia da Mari e a bebê agora.

Ligação on.

- Alô?

- Jay, se lembrou que tem pais ainda - dei risada.

- Desculpa mãe, eu juro que estava ocupado com algumas coisas que vem me acontecendo.

- Tudo bem, eu entendo.

- Bem, quero contar algo.

- Aconteceu alguma coisa com você - sempre tão preocupada.

- Não, foi com a Mari...

- Ai meu Deus, ela ta bem.

- Omma, deixa eu terminar... A Mari alguns meses atrás estava namorando um cara que na verdade era um psicopata que perseguia ela, a gente se afastou porque descubri que ela me ama...

- Finalmente você descubriu - PERA, QUE?

Espera, a senhora sabia.

- Sim, todos sabia, bom, menos você.

- Enfim... Depois que nos afastamos coisas estranhas começaram a acontecer com a mesma. Ela teve sua primeira vez com o ex dela e nisso acabou resultando na sua gravidez e no abandono do namorado, ou melhor ex, que agora está morto.

- Que? Aquele infeliz engravidou a Mari e depois a deixou.

- Sim, eu até voltei da turnê cedo para cuidar dela... E agora eu vou criar a bebê dela.

- Nossa. Meu filho você tem certeza que quer isso - eu não sei vocês, mas isso foi algo ruim?

- Tenho sim, mãe.

- Meu Deus, eu vou ser vovó e de uma menina - suspirei aliviado.

Ela está feliz.

- Então tem como a senhora, o appa e o meu irmão vim jantar aqui em casa no próximo sábado para conhecer minha namorada e a minha filha?

- Achei que não fosse pedir.

- Então marcado?

- Sim, vou levar minha torta de limão.

- A Mari vai amar - Mari ama coisa azenda.

- Eu sei que sim.

- Tchau omma.

- Tchau meu querido.

Ligação off.

Suspirei aliviado, minha mãe aceitou.

- Tudo bem, amor?

- Tudo ótimo, minha mãe vem no próximo sábado e ela aceitou de boas.

- Que bom.

- Até a minha mãe sabia que você me ama?

- Sim, foi ela a primeira a descubrir sobre isso - deu risada.

- Eu te amo.

- Eu também - nos beijamos.

Me afastei da mesma e fui tomar um banho.

No outro dia.

Acordei com o barulho da campainha tocando, bufei de raiva e abri os olhos.

- Que saco - falei me levantando.

Sair do meu quarto e fui ver quem era.

Puta que pariu, deve ser umas 07:00 AM, quem será que é?

Abri a porta e dei de cara com Gray, Simon e LOCO, eu juro que vou matar esses bandos de filhos da puta.

- Me diz um motivo para não matar vocês - falei respirando fundo.

- Hoje é sábado e a gente sempre vem aqui para passar o dia juntos - droga.

- JAY - ouvi Mari gritar.

- O QUE?

- QUEM É? - perguntou.

- GRAY, SIMON E LOCO - gritei de volta.

- JÁ TO DESCENDO.

Bufei de raiva, quando finalmente tenho um tempo pra mim e a minha namorada e a minha amante, o sono, esses infelizes atrapalha.

- Entra antes que eu mate vocês.

Assim que eles entra a Mari desceu as escadas.

Pov. Mariana.

Assim que eu desci, vi os meninos lá embaixo com sacolas na mão.

- Oi meninos - falei sorrindo.

- Oi mamãe do ano - disse LOCO.

Sorri.

Mal posso esperar para ver a carinha dela.

- Estou louca para ver a carinha dela - suspirei.

- Todo mundo ta, mal posso esperar para ver minha afilhada. Hoody vai vim aqui amanhã, ela quer conversar contigo.

Hoody e eu somos amigas, desde que entrou para a empresa. Faz tempo que falei com ela, a mesma estava em turnê e só acabou agora.

- Que bom, assim colocamos o papo em dia.

- Enfim, vamos comer, hoje é sábado e você sabe que passamos os sábados na casa do nosso velho e bom amigo Jay -  falou Simon dando um sorriso em direção ao Jay.

- Nossa, to comovido agora.

- Vai escovar os dentes enquanto vou preparar tudo para a gente comer.

- Ta.

Colocamos as coisas na mesa onde fica a piscina, será bom tomar um sol, até porque o clima hoje está uma maravilha. Fiz um suco de abacaxi para mim já que o Jay não vai me deixar tomar café expresso.

- Então Mari, em quais nomes você pensou para a nossa pequena - acho que o Jay não gostou nada disso.

Olhei para o meu namorado que lançou um olhar mortal para Simon que engoliu o seco.

- Você quis dizer minha e da Mari, certo? - sei que aquilo foi uma pergunta retorica.

- Claro, Claro.

- Eu não sei, ainda não tivemos a chance de discutir sobre isso - olhei para o Jay.

- Podemos decidir agora se você quiser, eu não me importo muito - assenti.

- Então que tal Kyung Mi - o mesmo negou.

- Que tal Harin, Park Harin - sorri.

- Ou melhor, Misuk, Park Misuk - disse Gray.

- Gostei.

- Ficou legal.

- Então está decidido, Park Misuk - alisei minha barriga.

O café da manhã foi cheia de risadas, brincadeiras e algumas discussões bobas por parte dos meninos, eles discutiram por causa da comida, tipo... Quem iria fazer?

E acabou que quem fez foi o Jay e o Gray, claro que eu e os outros dois ajudaram.

Mas o que posso dizer é que... Foi o melhor sábado da minha vida.


Notas Finais


O que acharam?

Espero que tenham gostado, fiz o que pude por esse capítulo.

E por favor, por causa do corana vírus se cuidem, não saiam de casa sem necessidades e se forem sair que seja com blusa de manga longa, álcool em gel na bolsa e máscara.

Se cuidem e beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...