1. Spirit Fanfics >
  2. Por sua culpa... >
  3. Coração partido

História Por sua culpa... - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


oi gente
Ai eu to tão feliz d ter escrito esse cap
To tendo um treco socorro
Eu tenho quase certeza q vcs vão amar e ao mesmo tempo não vão gostar
Boa leitura S2

Capítulo 13 - Coração partido


Norman acordou com seus irmãos pulando em sua cama para que o mesmo acordasse logo. Todos foram dormir tarde graças a festa de sua tia, não era para que seus irmãos tivessem tanta energia já que não dormiram muito. Sabe-se lá de onde tiravam toda essa energia. Seus irmãos disseram que seu pai ainda não tinha acordado mas decidiram o acordar primeiro. Por que caralhos escolheriam acordar Norman primeiro ao invés de seu pai? Agora entendia o quão puto Ray ficava quando o acordavam. As crianças saíram de seu quarto para irem acordar James agora, deixando Norman já puto de ter sido acordado. A primeira coisa que pensou quando abriu os olhos foi Ray. Já aconteceu outras vezes mas recentemente a primeira coisa que pensa no dia é Ray e a última coisa que pensa antes de dormir é Ray. Não conseguia pensar em mais nada além de Ray o dia todo. Era sua única preocupação todos os dias, o dia todo. Nada mais importava além de Ray para si. Tudo era Ray, principalmente agora que estava mais sensível ultimamente e o moreno vem o ajudando lhe dando carinho. Queria acordar e a primeira coisa que ver é seu pequeno e dormir sentindo o contato do mesmo. Era estranho. Nunca passou por isso. Era um sentimento estranho de querer estar com Ray todos os segundos de sua vida. 

 

Tentou esquecer do moreno por um tempo para poder levantar e seguir com seu dia. Norman e James estava exatamente iguais, com sono e putos de terem sido acordados enquanto Sherry e Dominic somente desciam as escadas correndo para tomarem café. Seguiu com sua rotina matinal normalmente para então se jogar na cama sem ter muito o que fazer. Queria ver Ray, agora. Não queria nem esperar. Queria vê-lo o mais rápido possível. Pegou seu celular e viu algumas notificações de Gillian no mesmo:

 

— Gillian —

Budia Norman 

Td bem??

A gente tava pensando em sair pra comer fast-food 

Tipo agr

C vem?

 

Bom dia

Td e vc

Eu vo sim

 

To bem tbm kk

A q bom q c vem

Nois já ta saindo daki a poco

Nois vai naquele shopping novo q abriu a poco tempo

 

Td bem 

Eu so vo avisa meu pai e me arrumar daí eu vo

 

Ta bem ent

Tamo te esperando 

——

 

Norman já estava animado e ansioso para ver Ray e agora iria vê-lo. Estava feliz em ver seu pequeno. Estava ansiando por isso desde que acordou. Pediu para seu pai permissão para sair e o mesmo permitiu que fosse. Não se importava de seu filho sair tanto. Tinha mesmo de aproveitar a adolescência e se divertir com os amigos enquanto ainda era jovem. Logo foi se aprontar para sair e se arrumou mais adequadamente para ver seu amigo. Para Ray se arrumava melhor do que para ir em um casamento pois era o que o mesmo merecia. Pegou suas coisas e principalmente seu dinheiro para comprar sua comida e pediu carona para o mordomo para levá-lo ao shopping. Não era um shopping grande, parecia um calçadão só que mais chique. Agradeceu a carona e saiu do carro já tentando achar seus amigos. Foi para a praça de alimentação e viu um grupo de jovens sentados todos em uma mesa só fazendo baderna, espantando os outros clientes. Nada de incomum para quem já está acostumado com o pessoal do terceirão. Se aproximou de seus amigos que logo lhe deram um espaço para se sentar também enquanto Oliver chamava um garçom para fazerem seus pedidos já que agora todos já tinham chegado. Norman começou a procurar por Ray porém não o via em lugar nenhum, nem Ray nem Hayato. Pensou que os dois estariam aqui já que também fazem parte do grupo, mais do que si mesmo então estranhou e muito quando não os viu. Decidiu perguntar para Gillian que estava ao seu lado:

 

-Cadê o Ray e o Hayato?

-Ah! Eles não vem - respondeu Gillian pegando seu pedido das mãos do garçom.

-Por que não?

-Eles tão ocupados - continuou respondendo simplistica enquanto já degustava de seu hambúrguer.

-Mas o que eles estão fazendo?

-Ah! Eles devem estar em um encontro agora.

-... Que?

-Um en-con-tro - falou pausadamente por achar que Norman não tinha a escutado por estar com comida na boca.

-Por que eles estariam em um encontro?

-Ué. Eles tão namorando. Tava sabendo não?

-O que?! - Norman perguntou incrédulo e pasmo com essa informação, assim também levantando o tom de voz - Como assim eles tão namorando?! - perguntou novamente com a voz alta como quem quisesse gritar.

-Ué. Na festa eles se pegaram e eles tão juntos até agora. Você não sabia? - perguntou simples, sem entender o espanto de Norman.

 

O albino nem sabia o que dizer. Ficou encarando Gillian por um tempo tentando assimilar tudo quando escutou um sussurro de Paula chamando pela garota. Voltou seu olhar para a mesma e viu todos da mesa olhando para si e quase desesperados tentando chamar a atenção de Gillian para que não contasse o segredo do moreno. 

 

-Vocês sabiam disso? - perguntou com o tom de voz um pouco mais baixo mas ainda alto. 

 

Ninguém falou nada, somente trocaram olhares entre si, quase suando de desespero já que não era para Norman saber disso.

 

-Eu não acredito...

-Calma eles não tão namorando, namorando mesmo, eles tão só ficando - tentaram acalmar Norman mas da pior forma que podiam. 

-Mesmo assim! Eles ainda estão juntos! - falou novamente com a voz alta - Por que ninguém me avisou?

-... Eles pediram pra gente não te falar... - responderam um pouco sem jeito já que não era mesmo para que Norman soubesse e aparentemente Gillian também não sabia que não era para contar para o albino já que falou de forma tão simples.

 

Norman somente respirou fundo, se levantou e foi embora, ignorando os pedidos de seus amigos para esperar um pouco. Norman estava enfurecido. Ray mentiu para si. O moreno disse que não tinha nada com Hayato mas agora lhe é falado que estão juntos. Estava desapontado. Queria chorar de tanta raiva que sentia agora. Sentia seu peito doer. Não queria acreditar que aquilo era verdade. Queria ver Ray agora. Queria vê-lo e ouvir a verdade da boca do mesmo. Ligou para seu mordomo e pedir para vir o buscar quando já estava na entrada do shopping. Colocou as mãos no rosto enquanto bufava e tentava se segurar para não chorar. Não conseguia pensar em mais nada. Como assim estavam namorando? Desde quando? Como que não tinha percebido? Claro que aquele beijo tinha alguma coisa. Claro que não era um beijo sem compromisso visando a forma que se beijaram. Lembrou-se que Ray sorriu quando Hayato lhe disse que o amava. Claro que ele não sorriria por nada. Ray provavelmente já gostava de Hayato e até provavelmente já tinham alguma coisa antes daquele dia. Como deixou isso acontecer? Por que não duvidou quando Ray disse que tinha dado um fora nele? Não fazia nem sentido ele ter lhe dado um fora sendo que tinha gostado do beijo. 

 

Por que o Hayato? Por que ele cara? Aquele filho da puta... Ele vai ver só quando colocar suas mãos em si. Mas quem quer enganar? Não tinha nem coragem para ameaçar o loiro. Fora que a culpa não era só dele. Ray sabia que não iria gostar se descobrisse e por isso mentiu. Pensou que mesmo se estivessem juntos, Ray iria contar por isso acreditou tanto quando disse que não tinham nada. Estava triste, bravo, desapontado e assustado com tudo isso. Não sabia nem porque machucava tanto. Até tentou imaginar os dois juntos mas o pouco que pensava o entristecia então somente esquecia e voltava a afirmar que Ray e Hayato não tinham nada. Tentou se acalmar um pouco então secou as lágrimas que acabaram caindo e esperou um pouco até que sua carona chegasse e pediu para o levar até a casa da família Foster. Provavelmente Ray nem estava em casa mas não tinha problema, esperaria até que voltasse para conversarem. Assim que chegou ao seu destino, agradeceu por ter o trago e apertou a campainha da casa do moreno, logo também mudando sua feição para que não percebessem que estava bravo. 

 

Isabella o atendeu e avisou que seu filho também tinha acabado de chegar e estava em seu quarto. Ótimo. Assim não iria precisar esperar para conversarem sobre isso. Agradeceu e subiu as escadas, voltando com sua expressão de raiva para ver o moreno. Assim que abriu a porta do quarto, viu Ray em pé perto de sua cama e bem vestido, como quem realmente acabou de chegar e fechou a porta atrás de si. O moreno se assustou com sua chegada repentina já que não esperava visitas e imaginou o que Norman estava fazendo ali.

 

-Norman?

-Como assim você tá namorando com o Hayato?! - perguntou indo direto ao ponto enquanto Ray se assustava com a pergunta já que não era para Norman saber disso.

-Quem te contou?

-Então é verdade?!

-Calma!

-Calma o cacete! Por que você mentiu pra mim?!

-Porque eu sabia que você não ia gostar!

-Mas ao menos falava a verdade! Você sabe como eu tô me sentindo agora?! Eu to me sentindo traído, pelo meu melhor amigo!

-E o que você ia fazer se eu falesse?!

-Nada! Ao menos não ia doer tanto ouvir a verdade de você desde o começo do que agora!

-Você não ia aprovar nosso relacionamento de qualquer jeito!

-É claro que eu não aprovo! Ele é um idiota que já te assediou na minha frente! Ele aproveita da sua bondade pra fazer o que quer! Certeza que ele só pediu pra namorar com você pra poder te comer!

-Ele nunca fez isso! Ele nunca nem propôs essa ideia! Ele nunca me tocou de forma indesejada durante nosso relacionamento!

-Mas até quando ele iria continuar assim Ray?! Não dá pra confiar nele! Vocês não deveriam estar juntos!

-E daí? A gente já terminou mesmo! 

-Como assim vocês terminaram?!

-Eu pedi pra gente terminar hoje de manhã! Agora a pouco!

-E como eu vou saber que você não tá mentindo?!

-Eu não tô! - e Ray não estava mesmo.

 

Mais cedo, Hayato chamou Ray para um encontro e o mesmo somente aceitou pois disse que queria conversar. Ray assumiu que mesmo durante seu relacionamento, nunca esqueceu seu amor por Norman e pediu para terminar, o que o loiro aceitou depois de um pouco de resistência. Não tinha como provar mas foi o que realmente aconteceu.

 

-E por que você não fez isso antes?!

-Porque eu não queria!

-Então você gostava de ficar com ele?!

-Gostava!

-Então por que você terminou com ele?!

-Por causa de você! 

-Que que eu tenho a ver com isso?!

-Porque eu sabia que um dia você ia descobrir então eu pedi pra gente terminar!

-Foi só por isso?!

-Claro que não! Mas você não precisa saber!

-Tsc.

 

Norman tentou assimilar tudo de uma forma bem rápida e tentou manter a calma para continuar:

 

-Por que você escolheu namorar com ele? Justo ele?

-Porque eu já tava cansado de te esperar! Eu também tenho meus desejos e minhas vontades! Você escolheu se apaixonar pela Emma e me deixou de lado! Eu já tava de saco cheio disso! Eu também tenho as minhas vontades mas pra você tudo que importava era a Emma e só o Hayato tava ali pra me satisfazer! Mas daí você começou a ficar mais sensível e a gente começou a ficar mais próximos e eu até tava gostando, mas e aí?! A gente ia ficar só no abraço até quando?! Eu cansei de correr atrás de você por tanto tempo! Eu cansei de te esperar! Entendeu agora?! Tudo isso só tá acontecendo por sua culpa! 

 

Norman se surpreendeu e se espantou com o que Ray disse. Como assim a culpa era sua? Só porque não teve coragem de o beijar mais cedo? Era por isso então? Tentou assimilar tudo isso o mais rápido que conseguia naquele momento mas não conseguia pensar direito e decidiu ignorar sua mente ao menos por um momento e escutar seu corpo então assim que escutou que era tudo porque não teve atitude mais cedo, somente tomou coragem e avançou até o moreno, logo segurando sua cintura e juntando seus lábios. Não fazia ideia do que estava fazendo, somente fazia o que bem entendia. Diferente do que pensou que poderia acontecer, Ray correspondeu o beijo e isso lhe deu coragem de pedir passagem com a língua que logo foi concedida e começaram um beijo acelerado e violento, como se ainda estivessem brigando mas agora com suas línguas. Ray passou a segurar seu rosto para chegarem mais perto e acelerar o ritmo. Era difícil acompanhar um ao outro. Estavam perdendo o ar e não conseguiam seguir um ritmo certo mas não iriam parar tão cedo.

 

Continuaram com a briga durante o beijo até perderem o ar e se separarem quase desesperados para recuperar o ar que faltou. Quando se separaram, passaram a se encarar sem dizer nada, somente respirando fundo para recuperar todo o ar que perderam. Estavam sérios, não mudaram a expressão que impunharam em seus rostos mais cedo até agora. Não sabiam o que dizer, somente se encaravam. Depois de tomar um pouco de ar, Norman tentou se aproximar de novo porém não foi com tudo como da primeira vez, somente tentou se aproximar devagar para ver se Ray aceitava mais um beijo. O moreno se assustou um pouco e se distanciou um pouco o que surpreendeu um tanto Norman já que não esperava que não aceitaria. Talvez Ray estivesse com medo já que tinha ido com tudo na primeira vez então tentou se aproximar mais uma vez e também devagar para mostrar que não precisava ficar com medo já que não iria ir com tudo como antes. Ray tentou não pensar muito e somente fez o que queria então se aproximou de Norman e logo o mesmo juntou seus lábios mais uma vez. 

 

Diferente do primeiro, este que se iniciou foi bem mais calmo e tranquilo. Como que, se antes estavam brigando, agora estavam fazendo as pazes. Nenhum dos dois tinham ideia do que estavam fazendo, somente faziam o que achassem melhor. Prolongaram o beijo por um tempo até se separarem pela falta de ar. Se separaram devagar e não bruscamente como da primeira vez. Foi somente aí que se tocaram do que tinham acabado de fazer. Tinham acabado de se beijar. Depois de tanto tempo, finalmente tinham se beijado. Assim que se tocou disso, Ray levou a mão na boca enquanto Norman mudou sua expressão para uma de surpresa enquanto se afastava um pouco do moreno. Tinha mesmo acabado de beijar Ray. Não foi um sonho ou um pensamento intrusivo. Tinham mesmo acabado de se beijarem. Não sabiam nem o que dizer agora. Estavam em choque. Nunca tinha pensado que um dia iriam mesmo se beijar. Não sabiam o que dizer e muito menos o que fazer. 

 

-D-desculpa. Eu... - Norman tentou ao menos se desculpar por ter o beijado assim tão repentinamente porém Ray somente abaixou a cabeça ainda com a mão na boca - Eu... acho que eu já vou... - decidiu que já estava na hora de ir embora depois disso.

 

Somente deu meia volta e saiu do quarto, também se apressando para voltar para casa. Tanto Ray quanto Norman estavam em choque, tanto que nem conseguiram conversar depois do beijo. Não pensou que seria assim. Quando beijou Ray de primeira, era somente um beijo para dizer “Então, te beijei, tá feliz agora?” Mas não imaginou que no calor do momento se beijariam novamente e que ainda mais seria um beijo tão gentil. Não pensou nem que iriam se beijar. Acreditou que agora Ray o achava um idiota por ter lhe roubado não só um mas dois beijos e agora sua amizade estaria acabada. Voltou para casa e foi direto para seu quarto e ficou relembrando do beijo. Os lábios de Ray, sua língua, o jeito que foi beijado, tudo foi simplesmente incrível. O moreno beijava melhor do que imaginava mas também, o mesmo já beijou outras vezes então claro que teria mais experiência. Já tinha imaginado como seria beijar seu pequeno mas não imaginou que seria tão bom à esse ponto. Beijar Ray era muito melhor do que qualquer coisa que já sentiu. Era bom, era reconfortante. Tudo era tão perfeito e só durou alguns segundos. Queria mais daquilo, muito mais. Queria o beijar mais, o sentir mais. Estava doido por mais. Nunca pensou que poderia ser tão bom. 

 

Não conseguia e nem queria pensar em mais nada além do beijo. Sentir os lábios do moreno e poder tocar sua cintura foi a melhor coisa do mundo para si. Mas agora, provavelmente estragou a amizade que construiu com o moreno graças a esse beijo. Tudo bem que Ray também queria mas podia ser somente uma resposta de seu corpo no calor do momento e não que necessariamente quisesse. Estava com medo de realmente ter estragado sua amizade mas tentaria se manter firme e tentar prosseguir com a mesma de toda forma e talvez, se Ray deixasse, poderia o beijar de novo. Essa era a única coisa que queria, não perder sua amizade e beijar Ray mais uma vez. 

 

Muito do contrário que Norman pensava, Ray estava mesmo feliz de ter sido beijado por si. Esperou isso por muito tempo e não pensou que se beijariam assim do nada. Não estava nem preparado para isso. Foi pego de surpresa e tentou não ter um ataque cardíaco. Não conseguiu segurar o sorriso de seu rosto e ainda soltou um gritinho de felicidade enquanto dava alguns pulinhos com as mãos no rosto para conter seus gritos. Foi o melhor beijo que já teve em toda sua vida. Sonhou por anos com esse beijo mas não pensou que seria tão bom. Era tudo que mais queria. Estava doido para ver Norman de novo e poder o beijar mais uma vez. Estava se sentindo nas nuvens. Nem se lembrava que estavam brigando mais cedo, quem se importava com isso? Acabou de ser beijado por Norman. O que mais importa além disso? Fodasse o mundo se tivesse que escolher entre o mesmo e o beijo de Norman. Agora podia morrer em paz. Não, ainda não. Não podia morrer antes de o beijar de novo. Queria bem mais do que só um beijo. Queria sentir Norman e ser tocado por si. Queria dar tudo que tinha a oferecer para o albino. Daria seu amor e até seu corpo. Queria poder ver tudo que Norman tinha a oferecer. E talvez até passassem dos limites e perdessem a virgindade... Ah! Ray você só o beijou e já está pensando tão longe! 

 

O moreno se jogou na cama e rolou de um lado para o outro na mesma enquanto abafava seus gritos com suas mãos de tão empolgado que estava criando suas fanfics em sua mente. Talvez Norman nem tinha mesmo a intenção de o beijar e fez por puro calor do momento... Mas quem se importa? Se beijaram não é mesmo? Então o que mais importa se não isso? Estava completamente maluco com tudo isso. Queria o beijar de novo e logo. Não teria coragem de o beijar mas nem fodendo mas estava torcendo para que Norman o beijasse novamente. Sabia que terminar com Hayato seria uma boa escolha. Enquanto estava com o loiro, não conseguia parar de pensar “Se Norman me tocasse desse jeito... Se Norman me amasse desse jeito...” e por aí vai. Não conseguia se concentrar no relacionamento que estava. Pensava em Norman o tempo todo, mesmo que fosse Hayato que estivesse ali e não seu albino. Pensou que seria uma boa ideia ter algo com Hayato e realmente foi já que isso o ajudou bastante com todas as suas crises emocionais quando via Norman com outro alguém. Pôde esquecer um pouco da dor que sentia por Norman com o afeto de Hayato mas não conseguia esquecer sua carência pelo albino. Ter esse tempo para esquecer um pouco Norman foi sim bom mas chegou um momento que já não precisava mais do loiro e não viu outra opção a não ser terminar. 

 

Terminaram bem. Não estavam brigados e nada mudou entre os dois. Acredita que Hayato superou bem o término apesar de no começo não gostar muito da ideia. Quando saíram para tomar café juntos, Ray logo trouxe o assunto do término à tona e por mais que Hayato tenha ficado um pouco abalado no começo, o mesmo aceitou bem o término e prosseguiram com seu “encontro” normalmente, assim como dois amigos, como eram antes. Nada mudou entre eles e acredita bastante que Hayato realmente superou bem o término. Talvez, se não tivesse terminado com Hayato mais cedo, não tivesse essa oportunidade de beijar Norman agora. Foi sim uma boa escolha. Os dois lados estavam bem, principalmente o de Ray que estava quase tendo um treco de tanta felicidade. 

 

Respirou fundo e tentou se aliviar. Era bom que não morresse por agora, coisa que sentia que já podia fazer em santa paz. Sentou-se em sua cama e tentou se controlar pensando em alguma outra coisa mas a única coisa que passava em sua mente é a sensação dos lábios de Norman colados aos seus. Mordeu seu lábio inferior tentando conter um sorrisinho que estava nascendo em seu rosto enquanto ainda sentia essa sensação. Ainda conseguia sentir vividamente a sensação dos lábios do albino, os braços do mesmo envolvendo sua cintura e a língua do mesmo competindo espaço em sua boca. Levou suas mãos para seu rosto mais uma vez para conter um gritinho empolgado enquanto sacudia as pernas de felicidade. Ai Deus, isso realmente aconteceu? Não era um sonho certo? Não era sua mente o pregando peças não é? Ah como estava feliz. Queria gritar para todo mundo ouvir que finalmente se beijaram. Era muita felicidade para um coração só. Ficou imaginando cenas falsas em sua mente para contentar sua vontade de beija-lo mais uma vez. Queria sentir os braços do mesmo o envolver mais uma vez e talvez até um pouco mais embaixo de sua cintura e parar em seu traseiro. Conseguia sentir as mãos do mesmo ali só de pensar. Aliás, Norman havia pedido para tocar seu traseiro um tempo atrás quando “rolasse um clima” e agora literalmente se beijaram e Norman não o tocou mais baixo que sua cintura.

 

Talvez tenha esquecido pela adrenalina de o beijar de novo mas sinceramente não se importava. O deixaria o tocar quando quisesse. Talvez na próxima vez que se beijarem se Norman quiser. Não sabia nem se o albino queria o beijar de novo mas já estava imaginando todos os próximos beijos que dariam. Já estava imaginando tudo como queria que fosse em sua mente. Cada toque, cada beijo, cada investida, tudo. Tudo estava meticulosamente planejado em sua mente. Queria tudo aquilo que imaginou para ontem. Queria tudo aquilo o mais rápido possível. Queria ser tocado. Queria ser beijado. Queria ser amado. Queria poder fazer tudo o que quiser com Norman e ganhar tudo o que Norman pode lhe oferecer. Era seu sonho desde que ser somente amigo de Norman não o satisfazia. Queria vê-lo de novo, agora. Estava doido para que Norman o beijasse de novo. Pode até ser que o albino o evite por agora já que o mesmo parecia com muita vergonha e talvez não tenha coragem de falar consigo agora, mas amanhã terão aula então seria praticamente impossível não se verem, visando que nenhum dos dois faltava uma aula.

 

Sua mãe o chamou para almoçar então respirou fundo, se acalmou e desceu as escadas para comer. Ray estava comendo normalmente, como se nada tivesse acontecido, o que fez sua família estranhar um pouco. 

 

-Filho, tá tudo bem? - Leslie tomou coragem e decidiu perguntar.

-Sim. Por que?

-É que você parecia estar brigando com o Norman... Vocês dois estão bem?

-Estamos sim. Não era nada demais - e continuou comendo normalmente.

 

Todos estranharam muito já que enquanto os dois estavam no quarto, a família Foster estava toda reunida na sala para assistir um filme até escutar os dois gritando e pareciam realmente estarem brigando então somente aumentaram o volume da TV e continuaram assistindo já que ninguém queria intervir até que não escutavam mais gritos e pensaram que talvez tenham feito as pazes como sempre foi desde crianças mas então Norman desceu as escadas e passou correndo com a mão na boca e saiu sem dizer nada. Ninguém entendeu nada do que aconteceu. Se entre olharam para ter certeza de que não eram os únicos que não tinha entendido e realmente ninguém havia entendido o que raios aconteceu agora. Ficaram um bom tempo se perguntando sobre o que acabaram de presenciar mas não quiseram perguntar para Ray já que provavelmente estavam brigando e não queria o fazer lembrar da briga se fosse algo ruim. Pelo visto Ray não parecia estar abalado com a briga então provavelmente era somente uma briguinha besta igual quando eram crianças. Não era algo para se preocuparem provavelmente. 

 

-E como foi o encontro com o Hayato.

-Ah! Eu terminei com ele.

 

Todos quase engasgaram quando escutaram isso. Alguns dias atrás, Ray parecia muito mais contente que o normal e quando decidiram perguntar, o moreno disse que si e Hayato estavam juntos e pediu a permissão de o namorar, que logo foi concedida já que Hayato sempre foi uma boa pessoa e gostavam do garoto. Mas então, Ray do nada termina com o loiro. Claro que entendiam se Ray não estivesse mais confortável com a situação de namoro e tinha total direito de terminar com Hayato quando bem entendesse, mas esperavam que esse relacionamento duraria mais. Ray e Hayato sempre se daram tão bem e o loiro era um garoto tão gentil e educado, e que sempre demonstrou sentir algo por Ray desde a primeira vez que o viram já que o mesmo não era muito bom em esconder seus sentimentos então estavam felizes que seu filho estava em boas mãos mas não esperavam que fossem terminar tão cedo. Hayato era o namorado perfeito para Ray. Sempre trazia presentes, cozinhava, dava carinho e qualquer coisa que Ray pedia. O loiro estava claramente apaixonado pelo moreno e tanto Isabella quando Leslie gostavam da forma que Hayato mimava seu filho. Estavam um pouco apreensivos então decidiram perguntar:

 

-Mas ele aceitou bem? - perguntou se referindo ao término.

-Uhum. Ele aceitou muito bem. Nada mudou entre a gente.

 

Ao menos isso. Se aliviaram em saber que Hayato aceitou bem o término já que estava na cara que o loiro era perdidamente apaixonado por Ray. Já tinham uma certa ideia do motivo do término então decidiram não perguntar. Se era mesmo o que estavam pensando então Ray não conseguia esconder o que realmente sentia já que sempre deixou muito na cara seus sentimentos. Somente aceitaram a decisão de Ray e prosseguiram com o café da manhã. Ray passou o dia inteiro muito feliz, estava sorrindo o tempo todo. Seus pais estranharam o porque de seu filho estar tão feliz sendo que terminou com seu namorado e ainda brigou com seu melhor amigo no mesmo dia mas também decidiram não perguntar e somente deixaram o moreno sorrindo o resto do dia. Ray queria falar para alguém sobre Norman ter o beijado mas não tinha com quem falar então somente repetia para si mesmo. Acabou se lembrando de relance sobre Hayato. Ainda estava um pouco apreensivo se tinha mesmo aceitado bem o término. Decidiu então ir visita-lo então se arrumou e saiu de casa depois de pegar seu celular e avisar que estava saindo. 

 

Seguiu seu caminho dando pulinhos de felicidade para a casa de Hayato. Chegando na mesma, bateu na porta e não recebeu resposta então pegou a chave reserva debaixo de uma pedra no meio no jardim e abriu a porta com a mesma, logo avisando que tinha chegado. Não via ninguém na casa. Hoje era dia de folga de Barbara mas acreditou que a mesma estava com seu namorado já que nem sempre tinha tempo para ver seu amado. Seguiu até o quarto de Hayato quando começou a escutar alguns sons de violão vindo do quarto do outro e junto do mesmo, um cheiro de cigarro. Sem sorrindo desapareceu no momento que sentiu esse cheiro. Tentou se aproximar do quarto sem fazer barulho e tentar olhar pela fresta da porta. Hayato estava sentado em sua cama, tocando algumas notas sem muito contexto em seu violão enquanto murmurava algum tipo de melodia que não se encaixava com o qual estava tocando. Em volta do mesmo, cigarros apagados e maços em volta, com os olhos vermelhos e a voz rouca de tanto chorar. Estava assustado. Não pensou que veria essa cena algum dia. 

 

Lembra-se perfeitamente do dia em que ofereceu para Hayato comprar um violão e tocar em momentos de estresse para tomar o lugar do cigarro e ajudar a sair de seu vício. Mas nunca imaginou que o veria tão estressado ao ponto de recorrer tanto ao seu violão quanto ao cigarro. Sentia seu coração se partir o vendo tão deprimido. Hayato parou de dedilhar em seu violão, respirou fundo enquanto fechava os olhos e começou a tocar uma melodia um tanto triste até começar a cantar uma música que nunca escutou na vida:

 

É tanta fumaça no Kansas

Tentando esquecer o seu jeito

A gente ainda guarda lembranças

De um tempo que era perfeito

Nem lembro mais como é sorrir

Fugindo dessa bad vibe

Eu tô vivendo uma música triste

Torcendo que ela acabe

Eu viajei nos sonhos que eu nem sei se vou cumprir

Só fechei os meus olhos no sentido Havaí

Um astronauta brincando de explorar planetas

Tocando flauta

Você faz mó falta, e eu tô triste aqui

 

E a gente brinca de se esquecer

Enquanto os dois tão ficando distantes

Mesmo que tente, não consegue esconder

Ainda tem meu quadro na estante

A rua 22 tá tão vazia, nenhum carro passou na rodovia

Te espero toda noite, todo dia

Meu Sol, minha alegria foi embora ontem

 

Me diz que a gente vai se resolver

Sem brigas, sem mágoas, sem guerras

Nenhum dos dois sozinhos vai viver

Seu orgulho não vale a nossa primavera

 

Me diz que a gente vai se resolver

Sem brigas, sem mágoas, sem guerras

Nenhum dos dois sozinhos vai viver

Seu orgulho não vale a nossa primavera

 

Talvez nós estamos distantes

Por culpa de qualquer motivo

Independentemente, não me martirizo por não estar contigo

Mais uma canção de amor, mesmo assim eu não me saturo

Vaguei o espaço, faço o caso passo a passo

Flutuando em Saturno

Que eu já preparei minha mala, sem pensar muito no futuro

Singapura em apuros

Há tempos não saio de casa, depressão tá quebrando tudo

A crise existencial que me devasta

Sem saber se eu pertenço ao mundo

 

Por que você não me fala o que quer assistir?

Netflix no meu quarto a gente vive um carpe diem (café)

Porque sempre sumo sem vontade de existir

Por que eu sempre te beijo mesmo sem você pedir

Tudo isso acabou, porque você me perdeu

Nenhum sonho mais restou

Tudo nosso aqui morreu

Você fala complicado, mas complicada é você

Meu coração não aguenta e, de partido, vai morrer

De cantar pra você, pra você

 

Terminou tocando a última nota no violão enquanto cantava repetindo a última parte. Hayato novamente fechou os olhos e soltou um suspiro desanimado enquanto Ray sentia seu coração se despedaçar. A letra era claramente sobre seu término e como Hayato estava deprimido com o mesmo. Quando falou para o loiro que queria terminar, por mais que o mesmo se demonstrasse um pouco triste, pareceu se recuperar bem rápido mas era isso que realmente sentia. Estava triste, muito triste com tudo aquilo. Nunca o viu fumar tantos cigarros de uma vez e chorar tanto seguidas vezes. O término realmente o afetou muito. Não pensou que Hayato estaria triste a esse ponto. Se sentia um monstro por ter o deixado assim. Era por sua culpa que estava assim. Pensou um pouco enquanto escutava alguns soluços baixos do loiro até decidir tomar coragem:

 

-Hayato - o chamou assim que deu passo para dentro do quarto e logo o mesmo voltou sua atenção para si quase como desesperado em ter escutado sua voz.

-Ray...? - perguntou pensando que era somente sua mente lhe pregando peças porém assim que percebeu que era mesmo seu moreno em sua porta, se assustou de imediato enquanto levava as mãos na cabeça - Ah! Meu Deus... d-desculpa. Eu... - tentou se desculpar sobre os cigarros enquanto voltava sua atenção para seu quarto que estava uma bagunça. 

 

Pensou que agora estaria fodido. Sempre soube que Ray odiava que fumasse e agora estava na situação que o mesmo sempre repugnou, em volta de inúmeros maços de cigarro. Estava esperando algum xingamento, algum repreendimendo de Ray por estar fumando de novo mas ao invés disso, somente escutou passos e sentiu seu corpo sendo envolvido pelos braços do moreno. Ray apoiou sua cabeça em seu ombro e o apertou forte dizendo:

 

-Desculpa... Me desculpa... Eu não queria te machucar... Me desculpa... - pedia enquanto sentia algumas lágrimas escorrendo de seu rosto.

 

Hayato sentiu novamente vontade de chorar e correspondeu seu abraço enquanto apoiava sua cabeça no ombro de Ray e sentia lágrimas grossas caindo de seus olhos. Não conseguiu segurar seus sentimentos e começou a repetir diversas vezes “eu te amo” enquanto apertava mais o abraço e recebia “me desculpa” como resposta. Era tudo que precisava, estar nos braços de Ray e poder dizer quantas vezes quisesse que o amava, mesmo recebendo pedidos de desculpas como resposta. Sentia seu coração se apertar escutando somente desculpas toda vez que repetia o quanto o amava. Sentir seu cheiro, seu calor, seu colo, era tudo que precisava. Queria ouvir um “eu também te amo” saindo da boca de Ray mas precisava que o mesmo dissesse o que realmente sentia então se realmente não sentisse nada por si, queria ouvir isso do próprio Ray mesmo que fosse doloroso de se ouvir. Repetia diversas vezes para ter certeza de que era isso mesmo que o moreno sentia. Era difícil de aceitar o término quando ainda o amava tanto e principalmente ter de adimitir que o perdeu para Norman. O próprio Ray disse na hora do que pediu para terminarem que estava consigo somente para esquecer Norman mas que mesmo assim, não conseguia tirar o albino da cabeça e não conseguia ignorar seu amor pelo mesmo. Sabia desde o começo que Ray só estava o usando para esquecer Norman mas queria acreditar que conseguiria o conquistar, mesmo que ainda amasse outro, mas escutar isso da boca do próprio Ray e ainda provar que falhou em conquista-lo foi extremamente doloroso.

 

Até agora não entendia o que Norman tinha de tão bom para que Ray se apaixonasse por si. Quando perguntou isso para o moreno quando terminaram, o mesmo somente deu algumas respostas simples como “ele é inteligente, bonito, gentil” e coisas assim enquanto dizia com o olhar apaixonado. Ouvir Ray falando tão bem de Norman completamente apaixonado foi como uma flecha atravessando seu coração. Sinceramente, cravava logo uma faca seu peito que doía menos. Mesmo assim, não conseguia entender o porque daquele idiota ter o amor de Ray e sentia raiva do mesmo não valorizar isso. Sabia que Norman sentia algo pelo moreno mas que não percebia isso e se quisesse ficar Ray até poderia mas somente se provasse que o moreno estava completamente feliz e confortável com a situação. Caso contrário, não permitiria nenhum tipo de relação entre os dois além de amigos. Ray era tudo para si e sua felicidade era o mais importante. Tudo bem se Ray já não estava mais confortável em ser seu namorado e escolhesse outro em seu lugar. Contanto que estivesse feliz e que seu novo namorado o tratasse tão bem quanto um príncipe, como merecia ser tratado, então também estaria bem. Se ao menos pudesse continuar ao lado de Ray e continuar fazendo parte de sua vida, estaria bem. Estaria tudo bem.


Notas Finais


eae gente
Eu sei q vcs tavam doidos pra ver um beijo e finalmente eu fiz a vontade de vocês
Eu to tendo um treco
Eu to mt feliz d ter escrito esse cap
Fiquei até com dó do Hayato mas isso vai ser importante mais pra frente ent vida q segue
Eu já terminei o cronograma dessa fic ent eu já sei até com quantos caps vai acabar e tamo indo pra reta final ein
Sobre a música q apareceu no cap foi:
•Coração Partido - VMZ
Cs sabem q o vm é meu deus e sempre tem q ter ao menos uma música dele nas minhas fics e essa música se encaixava tão bem nos sentimentos do Hayato e eu precisava tanto colocar ela aki
Tbm foi no nome da música q eu me inspirei no nome do cap
Cs sabem ne? Link aki embaixo
Eu to postanto um certo padrão de palavras ultimamente neh?
To sempre postando seis mil palavras pra vcs
Mas ao menos to conseguindo atualizar mais rápido
Ta bom assim pra vcs essa quantia de palavras? Espero q sim
Eu acho q não demorei mt mas acho q eu poderia ter terminado esse cap ontem mas é q eu comecei um novo passa tempo
Eu comecei a fazer edits como um passa tempo
Eu comecei ontem ent eu só fiz três mas isso ta me ajudando mt sério
Quando eu to sem nada pra fazer, ou quando quero mudar de assunto na minha cabeça, fazer edits ta me ajudando bastante
Tbm me ajuda na minha criatividade e tals e como eu quero seguir a carreira artística, isso pd me ser util mais tarde ent eu to matando mais q só dois coelhos em uma cajadada só
Eu to fazendo por enquanto somente edits tipo plano de fundo com algumas imagens d haikyuu mas provavelmente vou fazer mt mais coisa
Eu normalmente faço as capas das minhas fics no Polish e eu gosto bastante já q eu prefiro as minhas capas mais simplinhas ent vo continua usando o Polish pras minhas capas mas pra esse passa tempo to usando o PicsArt ent vo tenta dexa o link da minha conta de la pra quem tiver interesse d ver oq eu faço quando eu não tô escrevendo
Acho q já falei mt ent vo dexa vcs em paz
Te vejo no próximo capítulo S2

Coração Partido: https://youtu.be/5u5IAsbXP-8
Conta do PicsArt: https://picsart.com/pocchu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...