1. Spirit Fanfics >
  2. Por toda a minha vida >
  3. "Eu amo você" - parte I

História Por toda a minha vida - Capítulo 12


Escrita por:


Capítulo 12 - "Eu amo você" - parte I


Narrador

Em meio ao embate, Levi se viu encuralado por Kenny e seus capangas, o obrigando a invadir um bar e se esconder atrás do balcão. Sua mente buscava respostas que ainda não tinha. Como estava Mikasa? O que Kenny estava fazendo ali? Qual o propósito disso tudo? Por que ele havia se juntado a polícia militar? 

Tantas perguntas... A essa altura, Eren e Historia estavam sendo levados. 

Sua preocupação envolvia todo o seu esquadrão, no entanto, a visão de Mikasa deitada completamente nua em sua cama, descansando tranquilamente antes de tudo acontecer lhe deixava completamente fora de si. O mundo podia acabar ao seu redor, desde que ela estivesse bem. 

Finalmente o famoso e tão conhecido Kenny, o estripador, entrou no estabelecimento, a procura de Levi. 

O passado mal resolvido dos dois rodeava a cabeça do Capitão. Queria entender porquê foi abandonado, embora não demonstrasse muito seus sentimentos. 

- Achei... A polícia militar chegou para tirar o lixo desse lugar. Não está aqui? - a voz irritante do assassino metido a cowboy acrescia a raiva do homem atrás do balcão, pensando desesperadamente em uma saída. 

- Estou bem aqui, Kenny. Quanto tempo... - embora estivesse firme, não conseguiu disfarçar a mágoa carregada em suas últimas palavras. - Nunca pensei que o veria vivo novamente. O que aconteceu com "matar a polícia militar"? Virou um deles? 

- Adultos fazem escolhas difíceis de acreditar. Bom, você ainda é tão pequeno que é difícil de acreditar que cresceu. - no fundo, o velho ainda o imaginava como a criança que deixou para trás. - Esperava vê-lo em ação... Nunca pensei que os truques que te ensinei te ajudariam assim. - estava orgulhoso, apesar de tudo, mas não deixaria que sentimentos nostálgicos o impedisse de concluir seu objetivo. - Nunca contei o que acontece com um rato encurralado? Não importa por onde tente fugir, será estourado de cima. 

Suas palavras não abalaram Levi, que já sabia perfeitamente o que fazer, estava apenas esperando o momento. Mas quanto mais esperava, mais dúvidas surgiam na sua cabeça. Não iria atrás de Mikasa quando saísse dali, sabia que ela o encontraria se estivesse bem e ele torcia para estar. Além disso, ela jamais o perdoaria se não fosse atrás de Eren, então seguiria conforme o plano. 

Kenny era uma figura surpreendente, continua sendo, e jamais deixou que algo interferisse em suas decisões. Abriu exceção apenas uma vez, quando "acolheu" Levi, por isso estava internamente feliz de vê-lo vivo, embora fosse um sádico que ao mesmo tempo estava pensando em sua morte. 

- Ei, Levi... - uma cadeira atinge as prateleiras de bebida em frente ao Capitão. - Tem que ter um motivo para ter entrado no Reconhecimento e acho que sei qual é. Não tivemos escolha além de viver naquele lixão... E quando descobrimos o tamanho do mundo, pode apostar o quanto doeu. - apesar das diferenças, eles compartilhavam do mesmo passado e podiam entender um ao outro em algumas coisas. - Então encontramos coisas simples que gostamos de fazer. Simples mas, na verdade, a única coisa que preencheu nossas vidas foram passatempos. 

- Passatempo? Explodir as cabeças da minha equipe é um passatempo para você? - Levi cospe as palavras com desdém após o pronunciamento de Kenny, enquanto vira uma garrafa para observar o seu reflexo. 

- Sim... para grandes objetivos, não me importo de matar. - típico de Kenny, sempre pensando em si mesmo, era tudo que Levi pensava. - Você não é diferente. Mata quando é vantajoso para você. - nesse ponto, Levi não pôde discordar, tinham isso em comum. 

- Sim... - o rifle do dono do bar estava largado embaixo do balcão e Levi aproveitou a oportunidade para das um tiro às cegas em Kenny, que foi atingido. 

Com sua experiência, sabia não somente como matar titãs mas como matar pessoas também, e usaria isso a seu favor. Joga uma cadeira na janela e distrai os capangas de Kenny, aproveitando a oportunidade para sair dali e rasgar a garganta de alguns. 

Seguiu, então, atrás de Eren e Historia, ainda sendo acompanhado com fervor por aqueles que queriam sua cabeça, desviando de todos. 

Percebeu sua equipe se aproximar e se sentiu internamente aliviado de ver Mikasa bem, perfeitamente intacta, e isso lhe deu mais forças. No entanto, o ferimento na testa do Capitão fez a preocupação crescente de Mikasa, aumentar ainda mais. 

Na sua cabeça tentava entender de onde surgiu aquele machucado, se estava doendo, se ele estava bem apesar disso. Eren também dominava seus pensamentos e, no fundo, sentiu-se em sofrimento por agora ter mais preocupação em combate. Nem todas as consequências de uma relação são boas, afinal. 

A visão de Levi prendendo seu DMT em um homem e depois cortando seu pescoço não surpreendeu Mikasa, mas surpreendeu o resto da equipe. Era difícil de acreditar que agora teriam que fazer isso. Mesmo assim, a menina sabia que era necessário e não se importava de fazer isso a sangue frio, assim como o seu Capitão. Tinham mais coisas em comum do que imaginavam. 

Levi parou em uma parede, chamando a atenção de todos. 

- Atrás da carroça! - ouvir sua voz, mesmo que enfurecida, acalmou o coração da menina que parecia que ia explodir. 

- Sim! - sua voz carregada de determinação orgulhava Levi, mas também o preocupava. Sabia que ela podia ser impulsiva as vezes. 

- Ouçam! - todos usaram seus equipamentos para seguirem juntos atrás do objetivo. - Eles já pegaram três dos nossos. Se quiserem recuperar Eren e Historia, não poderão hesitar. Se tiverem a oportunidade, matem! - sua explicação foi muito clara, embora soubesse que sua equipe não estivesse preparada para isso. 

Em contrapartida, Mikasa entendia muito bem o que precisava fazer e os pensamentos dos dois pareciam entrar em sincronia, assim como sua relação. 

- Entendido! - novamente, a voz confiante e determinada da menina o impressionou novamente, não esperava menos dela. 

E, mesmo em uma situação de perigo, conseguiu sorrir. 

Levi foi o primeiro a se adiantar. Lutava uma batalha fisicamente e outra em sua cabeça, tentando esquecer sua preocupação com Mikasa, porque sabia que ela podia se virar. Ela também estava assim, tentava focar na recuperação de Eren e Historia acima de qualquer coisa, mas Levi não ajudava se jogando contra os inimigos ficando completamente exposto. E, embora derrubasse cada um deles, a preocupação da menina não diminuía. 

- Armin, Jean! Protejam a carroça, nós cobrimos vocês. - a ordem do Capitão fez eles agirem de acordo. 

No entanto, seus adversários não estavam de brincadeira. Mesmo Mikasa derrubando a mulher que conduzia a carroça, ela tentou atacar Jean que hesitou em revidar, levando Armin a matá-la. 

Mais uma confusão para a cabeça de Mikasa... Sabia que Armin não conseguiria lidar com isso quando a situação se acalmasse. 

Mesmo assim, a determinação do menino não adiantou. A carroça foi cercada e a única opção era tirar Armin e Jean dali, assim como fizeram, permitindo a carroça ser levada com Eren e Historia. 

Sabendo o que significava, Levi correu até Mikasa que entrava em desespero vendo Eren ser levado. Usou toda a sua força para impedir a menina de ir atrás, enquanto a mesma se debatia e gritava pelo "pirralho irritante". 

- EREN! - sua voz embargada partiu o coração de Levi. 

Sabia que Eren importava para Mikasa e o recuperaria a qualquer custo, pela humanidade e por ela. 

- Vem... temos que sair daqui. - sua voz agora era pacífica enquanto a menina amolecia em seus braços com as lágrimas caindo pelo rosto. 

Sentiu os braços dela o envolverem procurando algum conforto e retribuiu, deixando suas lâminas caírem no chão e recebendo os olhares da equipe. 

Afagou o cabelo dela com a mão enquanto ela sentia novamente seu mundo perdido, onde o único lugar seguro era nos braços de Levi. Queria sentir raiva dele por tê-la impedido de ir atrás de Eren, mas sabia que foi necessário. Ela quase o perdeu para sempre uma vez que foi impulsiva, não correria esse risco novamente. 

- Mikasa, precisamos ir. - novamente ouviu a voz de Levi lhe pedindo, então enxugou as lágrimas e se afastou, evitando os olhares de todos, até mesmo dele. 

Assim, seguiram Levi a procura de um lugar seguro para passar a noite. 

Longe dali, o comandante Erwin planejava um golpe de Estado. 

[...]

Mikasa

Levi nos reuniu em um galpão abandonado. Mesmo assim, o clima entre todos nós não está bem. Armin não consegue lidar com o fato de ter matado aquela mulher e eu gostaria de ajudá-lo, mas como posso fazer isso se também matei pessoas e não sinto absolutamente nada? 

Jean, Connie e Armin foram descansar em algum lugar. Levi se isolou de todos e me evita desde que Eren foi levado. Enquanto isso, Sasha e eu estamos na nossa vez de fazer a guarda de Dimo Reeves, o qual capturamos quando Armin e Jean estavam disfarçados.

- Mikasa, posso perguntar uma coisa? - Sasha me observa, sentada em minha frente. 

- O que? 

- O que está havendo entre você e o capitão? - sua pergunta é surpreendente. Sabia que os outros percebiam algumas coisas, mas não tão evidentemente. - Desculpe a invasão, mas somos a únicas meninas aqui. - ela tem razão, afinal. Com quem mais eu conversados certas coisas? Embora Armin seja meu melhor amigo, tem coisas que não posso falar com ele. 

- Estamos nos conhecendo. - respondo, meio constrangida com tudo isso. 

- Conhecendo? Acho que já passaram disso. As paredes não são tão finas ao ponto de abafar todos os sons. - suas palavras são uma surpresa. Eles podiam nos ouvir? Sinto a vergonha me invadir. Aposto que Levi também nem sabe que estavam nos escutando. - Não se preocupe. Não há comentários sobre isso. Mas, não vão se assumir? - eu não estava com cabeça para pensar nisso agora, honestamente. 

- Não sei. É tudo... confuso. - explico e ela sorri. 

- Não parece confuso quando estão perto. Digo... Eu vejo seu olhar para ele e o olhar dele para você. E, se quer saber, você ficou muito mais feliz e consequentemente muito mais legal agora que estão juntos. 

Não respondo, não sei o que responder. Levo minha mão até o colar embaixo do cachecol e seguro o pingente, lembrando do nosso primeiro encontro. Levi não é apenas um passatempo ou uma ilusão, ele é real e está aqui. Eu sei que na maioria das vezes não sou muito clara sobre os meus sentimentos, mas quero que ele saiba o que eu sinto antes que algo nos aconteça. Para falar a verdade, minha esperança de sobrevivência morre a cada segundo durante essa missão. 

Novamente, Eren foi levado. Novamente, estamos brigados. Até onde vamos com isso? Eu quero ser feliz. Eu me sinto feliz. Se ele me apoiasse, tudo estaria completo. Quando nos reencontramos, novamente conversarei com ele, não podemos continuar assim. 

Levi e eu... Não podemos continuar assim também.

- Sasha, pode cuidar dele sozinha? - pergunto, apontando para Reeves. 

- Sim. - concorda e eu me levanto. 

Não encontro Levi de imediato, mas após um tempo posso ver seu corpo sentando no chão, encostado em uma parede, pensando em alguma coisa.

Sento ao seu lado sem receber o seu olhar, que continua pensativo. 

- Você está bem? - pergunto, com a voz baixa. 

- Estou. E você? - retruca, ainda sem me olhar. 

- Preocupada. 

- Imagino. - sua frieza é algo que eu não consigo entender, não a essa altura. 

- Está me evitando desde que chegamos. Por que? - minha voz sai um pouco mais alterada, finalmente trazendo seu olhar para mim. 

- Mikasa, podemos conversar depois? - eu realmente não consigo entender. 

- Não, Levi. Eu acabei de perder Eren e... - paro de falar automaticamente. Ele está assim por causa disso. - Está me evitando por causa disso? Ainda se sente inseguro com relação à Eren? - novamente altero minha voz e sua expressão muda para interrogativa. 

- Acha que é por isso que estou assim? É claro que não. - sua resposta é óbvia e agora eu que fico confusa. 

- Então o que é? - eu quero abraçá-lo e beijá-lo mas desse jeito não consigo me aproximar. 

- Eu não estou acostumado com isso. A estar numa missão com a cabeça rodando em preocupação por uma pessoa específica. - refere-se à mim e eu não consigo evitar prender o ar em meus pulmões. - Você me desconcentra, Mikasa. Nós sequer demos um título a nossa relação e agora eu só espero que tudo acabe com você intacta. - sua voz sai carregada de confusão e sua expressão parece desapontada. 

Me aproximo um pouco e sento em seu colo, de frente para ele. Aproximo nossas testas e sinto nossas respirações se misturarem, ao mesmo tempo que suas mãos repousam em minha cintura e fazem carinho. 

- Sabe que não vai me perder, não é? - falo baixinho, vendo seus olhos fechados e seus ombros relaxarem. 

- Mesmo que eu não perca, o que é isso entre nós? - pergunta, confuso. 

- Acho que está na hora de você me pedir em namoro. - brinco, vendo seus olhos abrirem e ele afastar nossos rostos. - Desculpe, foi só uma brincadeira. - continuo, nervosa, vendo sua expressão séria. 

- Não, Ackerman. - ele segura minhas mãos e beija cada uma, dando um sorriso em seguida. - Você tem razão. Portanto... Mikasa, você aceita namorar comigo? - sua voz sai acompanhada de um sorriso nervoso que me faz sorrir também. 

- É... sim. Eu aceito. - seu sorriso se abre ainda mais. 

Posso sentir suas mãos em meu rosto, me puxando para um beijo gentil e apaixonado. Levo minhas mãos ao seu cabelo e puxo com carinho. 

Há um ano e meio, jamais imaginaria sentir tantas coisas. Minha relação com Eren, nosso término, minha relação com Levi... 

Com Eren eram instantes, incertezas, dúvidas e inseguranças. Com Levi, bom... Levi me completa. Com ele é sempre felicidade, prazer, confiança e eu acredito em um futuro para nós. Acredito no "somos um só". E quando isso passar - eu sei que vai passar - quero envelhecer ao seu lado, não importa onde ou como. 

- Eu vou continuar conquistando você todos os dias da minha vida. - ouço sua voz quando paramos o beijo e seu olhar doce sobre o meu. 

- Eu sei que você é melhor com isso de demonstrar sentimentos, mas saiba que eu não quero me afastar. Vou continuar aqui mesmo quando as coisas ficarem difíceis, porque eu confio em nós dois. - digo e percebo um meio sorriso surgir em seus lábios. 

- Eu adoraria ficar assim, mas, agora, precisamos interrogar Dimo Reeves. Me acompanha, doce namorada? - estende a mão, sorrindo e eu a seguro. 

- Sim, meu amor. - minhas palavras parecem surpreendê-lo, pois seus olhos se abrem um pouco mais. Sorrio e beijo a ponta do seu nariz, o surpreendendo novamente, antes de levantar do seu colo enquanto ele permanece com uma expressão boba e confusa. 

Minha Mikasa do passado jamais acreditaria que a Mikasa do presente é uma boba apaixonada que fala e faz esse tipo de coisa. Mesmo assim, continuarei sendo essa pessoa por ele, porque ele vale a pena. Acredito que o futuro reserva coisas boas para nós. 

Sinto sua mão se entrelaçar na minha para irmos ao encontro dos outros. É estranho esse tipo de demonstração pública, mas é boa a sensação de não precisar me esconder. 

- Não acha que vamos chamar muita atenção? Eu sei que você não gosta desse tipo de coisa. - sua voz é compreensiva enquanto se refere às nossas mãos. 

- Bom... Eles nos ouviram. Acho que nada pode ser mais constrangedor que isso. - explico, enquanto andamos e ele para brevemente. 

Nos ouviram? - seu rosto parece uma pimenta e eu sinto vontade de apertá-lo, mas apenas ofereço um sorriso. 

- Não se preocupe. Apenas... vamos ser mais discretos. - digo, por fim, chegando ao encontro de Sasha, o refém e, agora, Connie, Jean e Armin. 

Os olhares são direcionados para nossas mãos e posso perceber o olhar afetuoso de Armin sobre nós. Levi, então, se afasta e vai até Reeves. 

[...]

Com as revelações de Reeves e sua disposição para nos ajudar, conseguimos capturar os dois oficiais da Polícia Militar do interior que torturaram e mataram o pastor Nick. 

Conseguimos nos esconder nessa casinha no meio da floresta e Hange e Moblit vieram nos encontrar. 

Agora, Levi e ela estão no porão com um dos oficiais, tentando arrancar informações dele utilizando o mesmo método de tortura que ele usou a vida inteira. Internamente, por mais que eu não me importe de matar, ouvir gritos de tortura me causam náuseas. 

Acho que amo Levi. Realmente acho. Não consigo ter cem por cento de certeza disso, porque eu sempre fui muito bagunçada com meus sentimentos, mas com ele... enfim... Acredito que seja amor, mas mesmo assim, me sinto mal de pensar que ele, o mesmo que é tão gentil e carinhoso comigo, possa ter tão cruel. 

Não sabemos que tipo de tortura estão fazendo, mas sei que não estão tendo piedade. 

- E começa de novo... - diz Jean, o mais abalado com tudo isso, quando Sannes grita novamente no porão. 

- Sinto que os gritos eram mais fortes quando era o Capitão. - a voz de Armin sai baixa, provavelmente por saber o que isso significa para mim, mas ele não está errado. 

- Mesmo que saiba que é para salvar Eren e Historia, me deixa enjoado. - Jean diz, novamente. 

Armin começa a falar alguma coisa mas me recuso a prestar atenção. Tenho meus próprios sentimentos para lidar. 

Me afasto de todos e vou até a porta, onde me sento no degrau e fico observando a noite. É difícil julgar alguém nessa vida que levamos. Qual o propósito de matarmos essas pessoas? Salvar Eren e Historia? Claro! Mas o que mais além disso? Toda essa tortura e sofrimento... 

Gostaria de ter conhecido Levi antes. Gostaria que tivéssemos nos encontrado e apaixonado antes de que eu entrasse para a Tropa. Talvez eu tivesse deixado Eren agir por conta própria e agora estaria vivendo uma vida tranquila com Levi, numa casinha no campo. Talvez, até, tivéssemos filhos... 

Ao invés disso, estamos aqui, sob gritos de dor, resultados de uma tortura impiedosa que nos levará até Eren, que resultará em mais e mais problemas assim, porque esse ciclo nunca terá fim. 

- Estava procurando você. - ouço a voz séria arrepiar meu corpo, sabendo de quem se trata. 

- Me encontrou. - respondo, abraçando meu próprio corpo por causa do frio, enquanto ele senta ao meu lado. 

- Desculpe por tudo isso. - sinto seus lábios entrarem em contato com meu ombro coberto pela camisa, depositando um beijo. 

- Tudo bem. É necessário. - digo, e seguro sua mão sobre o meu joelho. 

- O que estava pensando? - suas mãos me puxam, fazendo-me deitar a cabeça em seu ombro e relaxar, enquanto seu braço rodeia meu corpo. 

- Se nós tivéssemos nos conhecido antes... Quem sabe não estaríamos levando uma vida simples? Casados, com uma família, em um lar tranquilo? - pergunto e ouço sua respiração cansada. 

- Gostaria de proporcionar isso a você, mas infelizmente nossa vida é outra. Mesmo assim, viveríamos sob a incerteza de termos nossa casa e família destruída pelos titãs. - sua mão afaga meu cabelo, enquanto eu fecho os olhos aproveitando o toque. - Vamos acabar logo com tudo isso. Estamos perto. E então, quem sabe, realizaremos seu desejo. - abro os olhos com suas palavras e me afasto do seu corpo, o encarando de frente. 

- É, quem sabe... - respondo, sorrindo brevemente e segurando seu rosto entre as minhas mãos. 

Beijo seus lábios viciantes. Sinto falta do seu corpo. Nessa situação, não sei quando teremos um momento íntimo. Enquanto isso, aproveito seus beijos e carinhos acolhedores. 

- Preciso voltar agora. Acabou o intervalo. - percebo em sua voz sua insatisfação com tudo isso também. 

Da mesma forma que não gostamos de ouvir os gritos, me sinto mal por Levi, porque sei que deve ser horrível estar no papel dele. Gostaria de tranquilizá-lo de alguma forma, mas não sei como. 

Vejo ele se levantar, mas seguro sua mão, me levantando também. 

- O que foi? - pergunta, segurando minha cintura contra seu corpo e tirando uma mecha do meu cabelo do rosto com a outra mão. 

Abraço seu corpo fortemente antes que ele vá. Disse que estaria com ele nos piores momentos, esse é um deles. Sinto seus músculos relaxarem a tensão que antes se encontrava presente e sorrio internamente com isso. 

Me separo do abraço e encaro seu rosto, que força um meio sorriso. 

De todas as pessoas no mundo, Levi merece a felicidade mais do que qualquer outra. Pelas suas poucas declarações à respeito, imagino que deve ter sofrido muito ao longo da vida, por isso tornou-se a pessoa fria e insensível que eu conhecia antes, até iniciarmos nossa relação e eu conhecê-lo verdadeiramente. Apesar de tudo, ainda carrega nos ombros responsabilidades que podem facilmente destruir alguém e ainda assim se mantém forte e cuida de todos ao seu redor. Por isso, agora cuidarei dele. 

Sinto seu beijo em minha testa antes de começar a sair, mas novamente o chamo. 

- Levi... - sinto seu rosto virar e seu olhar encontrar o meu, buscando uma resposta. - Eu amo você. 


 





Notas Finais


Ooooi, meus amores! Como vocês estão?
Eu estava ansiosa para o momento dessa declaração, e vocês? *-*
Eu simplesmente amo essa casal, adoraria que alguma coisa acontecesse entre eles no anime.
Enfim... espero que gostem! Fiz com muito carinho! ❤
Amanhã sai capítulo novo! BEIJOS!

OBS: Erros ortográficos ainda serão corrigidos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...