História Por trás daquela porta. (Jikook) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Flex, Gay, Jikook, Jimin Top, Jungkook! Bottom, Kookmin, Lemon
Visualizações 228
Palavras 2.415
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Casa nova.


Fanfic / Fanfiction Por trás daquela porta. (Jikook) - Capítulo 1 - Casa nova.

 Jeon Jungkook Pov

Limpei o suor que escorria pela minha testa, ajudar meus pais com a bagagem era uma tarefa bem difícil, eu sou musculoso e malho mas isso não significa que eu seja um superman da vida, eu tenho minhas fraquezas.

— que vizinhos mal educados, nem para ajudar a gente na bagagem e com os moveis. — minha mãe resmunga irritada como sempre.

— eu vou preparar o café querida. ­— meu pai deu um beijo rápido na bochecha de minha mãe e foi para a cozinha.

— mãe, a gente literalmente não tem vizinhos, nossa casa é super afastada. — expliquei a minha mãe, nossa casa digamos que é no meio de uma floresta, meus pais preferiram essa casa porque odeiam o barulho da cidade grande, e conviver com pessoas.

—querido porque não vai dar uma volta? Talvez você encontre algum amigo, eu vou para o meu novo escritório. — minha mãe nem chegou e já vai trabalhar, será que ela não se cansa disso? Quando nos mudamos para Busan pensei que nossa vida iria melhorar, mas não, a gente não vai mudar de vida, mudamos apenas de casa.

Decidi dar uma explorada pela casa, era maior do que a antiga... e mais sombria também, as cores eram muito mortas e parece que os moveis contribuíram ainda mais para a casa parecer sombria, talvez algum dia meu pai possa pintar aqui e deixar o ambiente mais alegre.

A casa tinha dois andares, no andar de baixo havia a cozinha, uma sala de jantar e uma sala de estar, no andar de cima tinha dois quartos e um banheiro, bem simples apesar da casa ser grande, e havia um porão embaixo da casa também, meu novo quarto era bem espaçoso, eu gosto de espaço, peguei as minhas caixas e minhas bagagens e deixei em um canto separado para começar a decorar o meu quarto do jeito que eu gosto, até mesmo arrumei uma plaquinha escrito "não perturbe."

Eu nem sei porque eu tenho essa plaquinha, meus pais não se preocupam comigo o suficiente a ponto de vir me perturbar no meu quarto.

Me joguei na cama extremamente cansado, amanhã já seria o meu primeiro dia no colégio novo, não estou nem um pouco animado, acho que no fundo eu sou que nem os meus pais, odeio conviver com pessoas, ainda mais aqueles adolescentes metidos que acham que a adolescência se baseia apenas em festas, sexo, bebidas e drogas, eu sou muito mais feliz indo comer fora, jogando vídeo games e assistindo séries.

Nunca tive amigos, sério, nem sequer um colega, fui sozinho a minha vida toda, minhas únicas "companhias" são os meus pais, não sei o que significa amizade, eu sou uma pessoa completamente tímida, quando estou falando com alguém que não seja o meu pai ou a minha mãe eu começo a gaguejar e tremer.

Senti um cheiro de comida e meu estomago fez barulho na hora, provavelmente meu pai estava preparando algo para comer, desci para a cozinha e ele realmente estava.

—tem pão e café Jungkook. – meu pai diz colocando a cafeteira em cima da mesa.

—pão amanhecido... – fiquei desanimado, mas tentei pensar positivo, pelo menos eu tenho algo para comer, me sentei na mesa e coloquei o café no copo, dei uma mordida no pão, que quase quebrou meus dentes de tão duro que estava.

Tentei dar um gole no café para disfarçar o gosto ruim do pão mas piorou, o café estava muito amargo.

— papai esse café está horrível. – fiz careta e ele me olhou indignado.

— deixe de ser ingrato Jungkook, tanta gente sem ter o que comer e você fica reclamando. — ele resmunga, eu não sei nem porque eu ainda não me acostumei, meu pai sempre foi um péssimo cozinheiro, minha mãe então, nem sequer tenta, por isso eu prefiro fazer a minha própria comida.

— perdão papai, a mamãe não vai comer conosco? — pergunto e ele negou.

— está no escritório dela trabalhando, inclusive eu tenho que ir também, tenho que revisar algumas coisas, se precisar de mim estarei no quarto. — ele saiu apressado e me deixou sozinho, suspirei dando o ultimo gole naquele café amargo.

— eu sempre preciso de vocês.

[...]

No dia seguinte acordei sem animo, meu primeiro dia de aula era daqui a pouco e eu estava vestindo uma roupa confortável, estava chovendo um pouco então optei por uma calça e blusa moletom e um tênis preto que deixa o meu pé bem quentinho.

Eu não estava muito esperançoso de ser um ano legal e fazer amigos, eu sempre sou visto como garoto estranho e fora dos padrões então vou ficar na minha sem tentar me envolver com ninguém.

Meus pais ainda dormiam então preferi não acorda-los, eles odeiam quando eu acordo eles, desci para a cozinha e comi algumas bolachas e tomei aquele maldito café amargo que deveria ser considerado veneno.

Peguei minha bicicleta e comecei a pedalar, o colégio era um pouco longe já que minha casa era um pouco afastada.

— até que esse colégio não é tão feio, é bem grande. — encarei o prédio a minha frente, notei os alunos também, cada um com o seu grupinho, atletas, garotas bonitas e patricinhas, nerds, tinha de tudo naquele colégio.

E eu não consigo me encaixar em nenhum.

Encostei minha bicicleta na arvore e me condenei por ter me esquecido da corrente, bom, aqui em Busan as taxas de roubo são pequenas, fora que minha bicicleta é bem velha então eu duvido alguém querer rouba-la.

Coloquei minha touca e andei rapidamente procurando pela a minha sala de aula, já tinha o meu lugar planejando, o ultimo lugar da ultima fileira, onde ninguém pode me ver ou me encher o saco.

Eu estava tão apressado que acabei esbarrando em alguém fazendo a pessoa cair com tudo no chão.

— olha o que você fez seu idiota, não olha por onde anda? — o garoto que eu esbarrei resmungava irritado enquanto se levantava.

— mil per-per-perdões, na-não foi a minha intenção... — falei nervoso, o garoto me encarou e fiquei estático, como ele era lindo, eu jamais vi alguém tão bonito em toda a minha vida.

Cabelos laranjas tingidos, lábios grossos e carnudos, olhos pequenos, pele pálida, um pouco mais baixinho do que eu, corpo magro, porém musculoso indicando que ele pratica algum esporte, tantos detalhes lindos que eu poderia ficar até amanhã citando.

— da próxima vez preste mais atenção, você é novo aqui? — a sua expressão raivosa agora era uma simpática e sorridente, e que sorriso mais lindo.

— si-sim... – que merda Jungkook, não consegue nem ter um dialogo normal com outra pessoa sem parecer que está tendo um ataque.

— está tudo bem por aqui Jimin? — um outro garoto passou seu braço pelo ombro dele e o puxando para mais perto , Jimin? Até o nome dele consegue ser maravilhoso.

— está tudo bem Taemin, a gente só se esbarrou, mas foi sem querer. – o outro garoto me encarava como se fosse me atacar, abaixei a cabeça intimidado, nem cheguei no colégio e parece que me meti em uma encrenca.

— bom, o sinal já vai tocar, é melhor ir para a sua classe, a gente se vê no intervalo. — o garoto que me olhava com fogo nos olhos saiu andando, decidi fazer o mesmo, que vergonha, o que será que Jimin deve estar pensando de mim? E por que eu me importo? Eu nem o conheço.

encontrei minha classe, terceiro B, ainda estava vazia, havia apenas um garoto de cabelos vermelhos sentado na primeira carteira, ele me olhou rapidamente mas depois voltou a prestar atenção no seu caderno, parecia estar estudando alguma coisa, ele é bonito, será que nesse colégio só estuda gente bonita? uma verdadeira facada na minha auto estima, que já não é muito grande.

andei rapidamente para a ultima carteira e me sentei, coloquei meus fones no ouvido e esperei a aula começar.

a classe foi se enchendo de alunos e logo em seguida ele entrou: Jimin.

estamos na mesma classe? um sorriso escapou dos meus lábios mas fechei a cara de novo, eu não tenho motivos para ficar feliz com isso, eu nem conheço ele, ele deve estar me achando a pessoa mais estranha do mundo.

Jimin se sentou atrás do garoto de cabelos vermelhos e os dois começaram a conversar, pareciam ser amigos, em seguida o professor entrou.

- abram os cadernos. - ele diz sério e sem nenhum pingo de humor, credo, nem para desejar um simples bom dia ou boa volta as aulas aos alunos, mas eu entendo ele, ninguém fica de bom humor em uma segunda feira de manhã.

ele começou a passar uma matéria que eu nem sequer tive vontade de prestar atenção, eu só conseguia focar no garoto de cabelos laranjas, o jeito como ele fala, sorri enquanto conversa com seu amigo, que se chama Kim Taehyung, descobri isso quando o professor fez a chamada da turma, eu sentia uma vontade enorme de ir falar com ele de novo.

nossos olhares se encontraram e ele me ficou me encarando, rapidamente disfarcei e fingi estar estar copiando a matéria que o professor escreveu no quadro, meu corpo entrou em transe, eu ainda conseguia sentir seu olhar em mim, o que será que ele está pensando? 

vejo ele sussurrar algo para seu amigo e o mesmo começou a ficar me olhando também, senti uma gotinha de suor frio escorrer pela minha testa, eu fico tão nervoso quando ficam me olhando, sair correndo desse colégio e ir me esconder no meu quarto me parecia uma boa opção. 

os dois pararam de me encarar e voltaram a fazer a lição, soltei um suspiro de alivio e deitei minha cabeça na carteira esperando a aula acabar.

[...]

O resto da aula foi até que tranquilo, Jimin e seu amigo pararam de me encarar e pelo visto ninguém veio me encher, no intervalo vi ele sentado com vários garotos e garotas em uma mesa, ele parecia ser bastante popular, aquele Taemin parecia ser a sombra dele, estava sempre do lado dele, e isso de alguma forma me incomodava, graças a Deus ele não caiu na mesma classe que eu. 

o sinal bateu indicando o fim da aula, comemorei internamente por ser sobrevivido ao meu primeiro dia de aula, mas assim que os alunos se levantaram o professor fechou a porta. 

  — antes de vocês irem para a casa, irei passar um trabalho para a primeira nota de vocês. - o professor diz e os alunos bufaram, o professor sorriu vitorioso e passou o assunto do trabalho no quadro.

  — a evolução do trabalho ao longo da história?  — revirei os olhos, tirei foto do quadro, eu realmente não estava com a minima vontade de fazer esse trabalho.

antes de sair pude ver Jimin novamente, estava com seu grupo de colegas e Taemin, eles parecem ser bem próximos, será que são namorados?

sorri vendo que minha bicicleta não foi roubada, comecei a pedalar e cantarolei uma música do Troye Sivan que tocava no meu fone, fiquei pensando no maldito garoto baixinho, ele é tão lindo, nem o conheço mas toda vez que eu o olho me sinto estranho.

  cheguei em casa morrendo de fome, meus pais não estava na cozinha, fui até o escritório e sorri encontrando eles.

— oi gente. - falei mas fui completamente ignorado, minha mãe digitava no computador e meu pai estava no sofá, digitando no notebook, aquele barulho das teclas estava me tirando do sério. 

  — Jungkook já disse que não pode ficar entrando no escritório enquanto estamos trabalhando.  — minha mãe diz sem olhar para mim.

  — vocês não vão perguntar nem como foi o meu primeiro dia de aula?  — me sentei ao lado do meu pai que continuou sem dizer nada.

  — depois Jungkook, agora não. - ela responde e bufei, eu só queria que eles ficassem pelo menos cinco minutos sem ficarem digitando nessas drogas de computadores e se lembrassem que eu existo.

  — o professor passou um trabalho, vou precisar do computador.

 — eu estou usando agora, pede para o seu pai.

  — também estou muito ocupado.  — meu pai finalmente diz algo e me levantei cruzando os braços.

  — e como vou fazer o trabalho se não posso usar a internet? - reclamo.

 — use seu celular.

  — odeio fazer trabalho pelo celular.

 — Jungkook, não está vendo que está nos atrapalhando? internet não é o único meio para fazer uma pesquisa, por que não vai usar livros? — minha mãe finalmente me encarou, seu olhar estava irritado e impaciente, como sempre.

  — eu esqueci que o colégio tem uma biblioteca. - bati a mão na testa.

 — lá no porão tem um monte de tralha e livros velhos, por que não desce lá e procure algo que possa te ajudar nesse trabalho? — meu pai responde e assenti só para não continuar discutindo com eles.

  — tudo bem, vocês venceram.  — sai do escritório resmungando, eu estava com uma vontade absurda de desligar a energia da casa, só para os meus pais sair daqueles computadores que vivem prendendo eles.

desci até o porão e acendi a luz, esse lugar me dá arrepios, era frio e tinha vários moveis velhos, o cheiro de mofo me fazia querer vomitar, sem contar o pó que me fazia espirrar a cada segundo, preciso fazer uma limpeza aqui.

avistei uma estante cheia de livros, realmente eram muitos livros, talvez tenha algo que possa me ajudar no trabalho.

comecei a revirar os livros, mas nenhum tinha o assunto que tanto procurava.

  — aqui não tem nada.  — quase todos os livros da estante acabaram, menos um, que estava lá em cima, tomei coragem e comecei a escalar a estante para pega-lo, e quando finalmente consegui meu pé escorregou e cai com tudo no chão.

gemi de dor nas costas, arregalei os olhos vendo a estante caindo, girei meu corpo rapidamente para não cair em cima de mim, meus pais nem sequer estranharam o barulho alto da estante caindo, sinal de que eles não se importam caso o filho deles sofra algum acidente no porão.

me levantei devagar tentando me recuperar da dor, mas acabei me deparando com algo: uma porta.

o que uma porta está fazendo aqui no porão da minha casa? uma passagem secreta? meu lado curioso começou a me dominar, tentei abrir a porta mas estava trancada, para ela estar trancada e escondida atrás de uma velha estante de livros é porque tem algo atrás dela.

  —  Jungkook que barulho foi esse?  — escutei minha mãe perguntando do andar de cima, decidi deixar essa porta para depois e subir, mas assim que for possível, irei descobrir o que tem atrás dessa misteriosa porta.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...