História Por trás do Coelho. (Suho , Kim Junmyeon) - Capítulo 12


Escrita por: e TaeMina___

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Personagens Byun Baek-hyun (Baekhyun), Do Kyung-soo (D.O), Huang Zitao (Tao), Kim Jong-dae (Chen), Kim Jong-in (Kai), Kim Jun-myeon (Suho), Kim Min-seok (Xiumin), Kim Taehyung (V), Lu Han (Luhan), Mark, Oh Se-hun (Sehun), Park Chan-yeol (Chanyeol), Personagens Originais, Wu Yifan (Kris Wu), Youngjae, Yugyeom, Zhang Yixing (Lay)
Tags Imagine, Romance;comedia, Suho
Visualizações 191
Palavras 1.754
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais um capítulo pra vocês.
Boa leitura.
E obrigado aos favoritos. aaaaaaa♡

Capítulo 12 - Página : 12


Fanfic / Fanfiction Por trás do Coelho. (Suho , Kim Junmyeon) - Capítulo 12 - Página : 12

                                       — S|N on —

Acordei sentindo braços em volta da minha cintura,  e um ar quente batendo na minha nuca. Me remexi na cama me virando pra fitar o rosto do Suho, que havia acabado de acordar por eu ter me mexido.

— Bom dia! Desculpa ter acordado você. — Me aconcheguei em seu peito.

— Tudo bem. — Me abraçou apertado, dando um beijo em meu ombro. — Eu já estava acordado aproveitando momento.

— Preciso voltar pra casa. Eu prometi a SoYi que iria ajudar ela hoje.

— E eu que pensei que passaríamos o final de semana todo juntinhos, assim como estamos agora. — Fez um bico.

—Yha! Não faz assim que é jogo sujo. Nós podemos passar o próximo final de semana que vem juntos… ou podemos passear durante a noite, na semana o que acha? 

— Uma ótima idéia. — Dei um selinho nele que desfez o bico assentindo.

— Eu acabei nem ligando pro Baek, para dizer que eu não iria dormir em casa. Ele deve estar morrendo de preocupação.

 Me levantei segurando o cobertor na frente do meu corpo cobrindo meus seios. Senti a mão do Suho deslizar sobre minhas costas ,olhei pra ele ainda deitado.

— Posso te pedir uma coisa?

— O que? — Se sentou apoiando o rosto sobre meu ombro envolvendo as mãos no meu quadril.

— Não vamos contar pra ninguém que estamos namorando. — Suspirei.— Não quero que as pessoas estraguem tudo entre nós… só por enquanto.

— Se você quer assim, assim será. Mais tem um porém nessa história… você já descobriu quem é a pessoa que te manda as mensagens? — Olhei para o rosto dele, que tinha um sorrisinho divertido como se soubesse de algo.

— Você também sabe quem ele é? Então me diz?!

                                      —   S|n off —

                                      — Suho on —

"Como assim você também sabe quem é ele? Agora até eu fiquei confuso. Quem mais além de mim e do Sehun sabe disso?! Eu preciso contar que esse coelho sou eu de uma vez por todas antes que alguém chegue e invente uma história.

— S|N, eu…..

Ouvi o toque do meu celular;  só pode ser brincadeira. Parece que as pessoas adoram me ligar nas horas mais importantes.

— Você não vai atender? — S|N questionou olhando para o celular sobre a cômoda ao lado dela da cama.

— Você pode pegar pra mim, meu amor.

— Agora eu sou o seu amor é? 

— É. Você é o meu amor. 

— Toma. — Ela esticou a mão pegando o celular me entregando sem dar muita importância para saber quem era. — Vou me vestir e fazer o café.

S|N se levantou enrolada no lençol branco, me deu um selinho e caminhou para fora do quarto.

— Tem uma escova de dentes nova pra você no meu banheiro! — Falei alto.

S|N deu meia volta, entrou no banheiro, e logo saiu com a escova de dentes já com pasta. Ela

se retirou definitivamente do quarto. Olhei para tela do meu celular vendo que quem me ligava era meu pai.

Pensei mais de duas vezes antes de atender, mais como poderia ser algo realmente sério eu resolvi atender.

                                     — Ligação on: —

— Bom dia, pai. O que quer comigo as... — Olhei a hora na tela do celular. — As sete e meia da manhã sendo que hoje é sábado? E eu não trabalho.

— Nossa meu filho, eu também te amo, Bom dia. Parece que você acordou de mau humor hoje… Dormiu mal foi.

— Pelo contrário. Meu humor está ótimo, eu dormi maravilhosamente bem. É que, quando o senhor me liga pela manhã assim do nada, ainda mais no final de semana eu já espero o pior… mais diga de uma vez, o que o senhor quer comigo?

— Sua mãe organizou um almoço aqui em casa, e você sabe como ela é. Disse que quer você aqui… e não traga aquela funcionária por favor eu sei que você deve estar com ela agora. E por falar nela,  precisamos conversar sobre as coisas que meu detetive particular descobriu.

— O nome dela é S|N, e não eu não quero saber o que seu detetive descobriu! — Falei alterado.

—  Junmyeon, meu filho eu só quero o que é melhor para você e para nossa família. Essa moça não presta e assim que você chegar aqui irei te provar.

— Pai?!Alô?! Alô?!

                                  — Ligação off. —

—Aish, desligou na minha cara. É por essas e outras que eu não gosto de receber suas ligações pai. Não acredito que ainda trabalho na empresa da família, mais só faço isso pela mamãe. 'TisK! Porque nunca me deixam viver minha vida do jeito que eu quero, na do Kai ninguém se mete… Mas na minha... é a minha vida droga! — Estico os cabelos um pouco frustrado.

Me levantei tomei um banho pra esfriar minha cabeça. Me vesti e fui atrás da S|N.

Chegando na cozinha não à vi alí, mas meus olhos logo se alegraram quando a porta dos fundos se abriu revelando-a sorrindo. Ah esse sorriso, como eu amo esse sorriso.

— Aigoo! Seu babo. Porque está me olhando assim? — Andou até mim e me abraçou.

— Não é nada, só gosto de olhar pra você, isso me faz bem. Então vamos tomar café da manhã eu não quero que se atrase por minha culpa. — Sorri brincando com as mechas do seu cabelo.

— Vamos, da próxima vez nós poderíamos vir aqui de manhã? Eu não fazia ideia o quão lindo o jardim é de dia. — Segurou minha mão, e saímos para o jardim tomar café.

— Se um dia eu te pedisse em casamento você aceitaria morar aqui nessa casa comigo?

— Quem sabe! — Deu de ombros sorrindo. — Ainda está cedo demais para pensar em casamento.

S|N tinha preparado o café da manhã e posto para nós dois, assim como eu tinha feito com o nosso jantar de ontem à noite.

Nos sentamos um ao lado do outro; ela estava um pouco em silêncio até pronunciar algumas palavras.

— Era o seu pai no telefone, não era? Acho que ele me odeia. — Tomou um gole do suco de laranja.

— Quanto você ouviu? — Abaixei a cabeça suspirando profundamente.

— Eu não queria ter ouvido… eu juro pra você. Mas acabei ouvindo você gritar meu nome e depois gritar; Pai?! Alo?! Alo?! Então eu desci, e não entrei pra chamar você para tomar café. — Mordeu o lábio.

— Meu appa não tem que gostar de nada. O único que tem que gostar e amar você sou eu. Então não se importe muito com as coisas que o velho Kim diz ou faz, ele só pensa em dinheiro e em como conseguir mais e mais.

— Por isso ele arrumou o casamento arranjado entre você e a Hyo?

— Não. — Olhei em seus olhos. — No começo era por amor, eu amava, amava muito. Mas ela me traiu ela destruiu o sentimento que um dia eu alimentei por ela. Hoje só sinto desprezo, nojo e repulsa pela Hyo…. Acho que você sabe como me sinto, já que nossas histórias são parecidas.

— É, eu sei bem como é. Mas eu não sinto mais tanto ódio como eu sentia, no começo quando eu descobri, eu guardei pra mim, tentei fingir que tudo era uma mentira um engano. Mas tudo não passou de uma mera ilusão da minha cabeça, eu estava cega que não tinha notado antes as trocas de olhares da minha irmã pro meu noivo. Ela o seduziu e como ele também não era um santo. — Respirou fundo. — É difícil falar, nós sempre achamos que já passou, que já superamos mais é tão doloroso relembrar. — Passou as mão no rosto fungando o nariz. — Bem, o que eu sinto pela minha ex irmã, ex noivo e ex mãe é só desprezo. Eu finjo que eles não existem, que são apenas sombras do meu passado que às vezes ganham forma e vem me atormentar.

— Mais você tem a mim agora, não farei você chorar; e ainda farei com que se esqueça do seu passado doloroso assim como eu tentarei esquecer o meu. Nós seremos o porto seguro um do outro. — Selei nossos lábios em um beijo cheio de amor e ternura.

— Olha que eu vou cobrar. — Sorriu. — Eu sou uma pessoa que se apega rápido, caso eu não fosse assim acredite, eu não estaria com você aqui e agora. E certamente não teríamos durmido juntos.

— Não vejo a hora de repetirmos a dose. — Beijei sua nuca acariciando as coxas dela.

— Acho que você não é tão bonzinho quanto aparenta ser não é, Suho?

— Você nem imagina o quanto eu posso ser mal. — Mordi aonde tinha beijado, fazendo S|N soltar um gritinho.

— Aigoo, seu louco!

Terminamos de tomar nosso café da manhã… levamos tudo pra dentro, limpamos e lavamos a louça... trancando a casa logo em seguida.

Saímos por volta das nove, no caminho cantamos algumas músicas que tocavam no rádio, S|N ria até seus olhos lacrimejarem pelas minhas "ótimas" piadas…

Paramos no caminho a poucos metros da cidade para abastecer o carro, tiramos algumas selcas juntos e ela disse que seria a tela de bloqueio dela.

Mostrei a ela a foto que eu havia tirado no dia que ela tinha dormido na minha casa, instantemente as bochechas dela ruborizaram.

Isso só me fez sorrir ainda mais com o bico que ela ficou, quando eu disse que não iria apagar pois ela estava linda.

Levei ela direto para o apartamento dela… ficamos por um breve momento em silêncio em pé um na frente do outro na calçada do prédio dela, quando começamos a falar ao mesmo tempo.

— Você primeiro! — Disse manhosa.

— Diz você.

— A não fala você.

— S|N, meu Deus! Onde você estava?  sabe como seu primo me encheu o saco perguntando se eu sabia para onde você tinha ido? Foi dormir na casa de quem?! — Maggie nem me viu, e saiu arrastando ela pelo braço para dentro do prédio.

S|N ainda se virou e sorriu acenando pra mim. Quando Maggie notou minha presença, arregalou os olhos e as duas se entreolharam. 

Dei um pequeno sorriso entrei no carro e fui pra casa, ainda pensando se eu vou ou não na droga desse almoço, já que toda vez que minha família se reuni as coisas nunca acabam bem.

Continua…. ℒℴ𝓋ℯ


Notas Finais


Até o próximo garotinhas.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...