História Por Trás Dos Holofotes - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, Personagens Originais
Tags Ação, Bts, Drama, Jimin, Jungkook, Mistério, Romance
Visualizações 33
Palavras 962
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E ai gente!
Mais um capítulo para vocês!
Espero que gostem e desculpem qualquer erro de português!

Capítulo 33 - Não é o que você está pensando...


            3 meses depois

 

 

      Não posso acreditar no que está acontecendo.

      - Você pode ir um pouco mais rápido! – Grito para o motorista do Uber – Minha amiga está morrendo no hospital!

     As lagrimas escorrem pelo meu rosto. Não consigo entender o que está acontecendo. Tento com todas as minhas forças decifrar o porquê de a Juliana ter resolvido aceitar as ameaças e ir ao encontro daquele psicopata desconhecido. Ela realmente achou que poderia salvar os dois? Obvio que aquele maníaco iria fazer algum joguinho. Alguma coisa para que ele se divertisse. Mas tudo isso para o que? Se vingar da irmã?

     O Uber para e não penso duas vezes. Jogo o dinheiro para pagar a corrida no banco da frente, abro o carro e corro em direção ao hospital.

     Por que ela não aceitou o acordo com o pai?

     Fico fazendo essa mesma pergunta em minha cabeça várias e várias vezes. A juliana as vezes realmente não usa o cérebro. Que ódio!

      Quando finalmente entro no hospital me encontro completamente esbaforida. Desde quando recebi a notícia de que ela havia sido trazida para cá enquanto estava no apartamento de meus pais que estou correndo. Meu coração está acelerado e eu inspiro e expiro o ar rapidamente, descontroladamente.

     Faço um esforço para chegar até o balcão da recepcionista.

     - Quero saber como está... – Mas antes que eu pudesse terminar minha frase uma mão toca o meu ombro.

     Olho para trás assustada e acabo me surpreendendo ao perceber que tratava-se de Sara, a irmã da Juuh.

     - O que você está fazendo aqui? Garantindo o seu álibi? – Diz ela para mim.

     Me enfureço e pulo para cima dela e nós duas caímos no chão.

     - Foi você que fez isso sua vadia!  - Grito, estapeando-a por cima da mesma – Sabemos quem você é seu monstro!

     Sara dá um chute em meu peito e eu caio para trás. Quando dou por conta de mim dois seguranças estão me levantando e uma voz de choro surge no ar.

     - Essa maluca me atacou! Só vim aqui ver minha irmãzinha... – Diz Sara com as mãos no rosto.  

     - Sua mentirosa! Você não é irmã dela! Para de mentir! – Grito descontroladamente.

     Os seguranças parecem acreditar em Sara e começam a me carregar para a saída do hospital. Enquanto um segura minhas pernas e outro meus braços, consigo olhar para trás e visualizar um sorriso triunfante surgindo no rosto de Sara, logo depois, quando estou quase sendo atirada para fora, ela me manda um beijinho e um tchau com a mão.

     Sou deixada no chão. Não penso duas vezes e corro para um lugar deserto para fazer uma ligação.

     Estou atrás de um carro no estacionamento. Está escuro, mas é perfeito para que ninguém ouça minha conversa, afinal, agora estou prestes a falar com um foragido da polícia. Pego meu celular em meu bolso e disco o número. A chamada toca e não demora muito para alguém atende-la.

     - Eu não disse que era para me ligar apenas se alguma coisa muito de ruim tiver acontecido? – Diz uma voz masculina.

     -  Me desculpa! Mas Suga, a Juuh... – Tento dizer, mas a minha voz sai falha e não consigo pronunciar o resto de minhas palavras.

     - Agnes, calma... Me diz logo o que aconteceu! – Ele tenta parecer calmo, mas logo percebo o seu nervosismo também.

     - Ela está internada na UTI, não sei se ela está bem por que fui expulsa do hospital... Mas o pior não é isso!

     - E o que é!

     - Um dos meninos... Jungkook ou Jimin... Fiquei sabendo que um dos dois foi baleado na cabeça! Um dos dois morreu Suga!

     Mas antes que eu pudesse ouvir o que ele iria me responder, alguém rapidamente para o carro em minha frente. Percebo que tratava-se do mesmo carro que perseguira eu e Juuh a alguns meses atrás. Não penso duas vezes, me levanto e começo a correr. Corro pelo estacionamento, mas quando olho para trás o carro que a pouco tempo estava parado, está correndo em minha direção. Meus olhos começam a ficar marejados e eu percebo que agora é a hora de minha morte. Olho para trás novamente e o carro está cada vez mais perto de mim. Continuo correndo, mas acabo tropeçando e caindo no chão. Na queda acabo batendo minha cabeça e fico zonza logo em seguida, não conseguindo enxergar nada direito logo em seguida.

     - S-socorro... – Tento gritar, mas a minha voz sai mais como um sussurro e não como um grito.

     Ouço o barulho do carro estacionando ao meu lado e fico aliviada ao perceber que ele não me atropelou. Alguém sai do carro e me pega com os braços e me coloca em seu ombro. Tento me desvencilhar, mas ainda estou muito lenta por causa da batida de minha cabeça ao ter caído no chão.

     A pessoa me coloca sentada no chão do carro e percebo que tratava-se de uma minivan. Olho para o meu sequestrador, mas ele está de costas fechando a porta que deixara entreaberta. A van começa a se movimentar logo em seguida e percebo que tratava-se de dois sequestradores.

     Eu estava achando que a pessoa em minha frente iria colocar uma máscara ou algo assim, mas me surpreendo quando Jimin se vira para mim e me encara. Minha boca automaticamente fica entreaberta em vê-lo parado em minha frente. Simplesmente fico sem reação.

     - E aí Agnes! Ainda precisamos de você... – Diz ele, dando um sorrisinho malicioso logo em seguida – Relaxa que você só está me vendo por que estará morta no final desta noite...

     E quando ele termina de falar avança em minha direção e coloca por cima de minha cabeça um capuz preto. Fazendo com que eu ficasse no escuro por todo o percurso da viagem.


Notas Finais


E ai gostaram? O que vocês acham que ira acontecer daqui pra frente?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...