História Por um acaso. - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Shawn Mendes
Personagens Shawn Mendes
Tags Shawn Mendes
Visualizações 207
Palavras 1.365
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa noite, galera.
Demorei a postar por que acho que vocês não estão gostando da história, na verdade nem eu estou gostando muito. Hoje eu estou sem criatividade pois fiquei muito desanimada.
Me digam se estão gostando, os comentários de vocês são muito importantes, me divirto muito. Me dêem dicas de o que vocês querem ver.
Boa leitura.

Capítulo 5 - Vagalume.


Fanfic / Fanfiction Por um acaso. - Capítulo 5 - Vagalume.

- Carolina?

 A voz me chamou mais uma vez. Como eu já sabia quem estava me chamando, permaneci de costas torcendo pra que ele desistisse. Quando menos espero senti uma mão sobre meu ombro me virando.

- O que tá fazendo aqui?

- O que a gente faz em um aeroporto?

Revirei os olhos e ele deu uma risada.

- Peraí, vocês se conhecem? - Camila ressurge por trás de Shawn totalmente confusa.

- Sim.

Shawn responde dando um sorriso com os lábios e os olhos ainda em mim.

- Carolina, como você conheceu ele e nunca me contou? Por que você nunca me contou?

- Eu devo ter esquecido Camila.

- Como você esqueceu Carolina? Você sabe que eu sou a maior fã dele.

Minha irmã fala como se só nós estivéssemos ali, com um tom alto e autoritário.

- Fala baixo Camila.

Falei arregalando os olhos. Shawn por sua vez sorria da discussão que eu tinha com Camila que já estava muito brava por eu ter omitido que conhecia o ídolo dela.

- Vocês estão indo pra casa?

- Siiiiim. - Camila me deixa e abre um sorriso pra Shawn respondendo sua pergunta.

- Que ótimo, então posso pegar uma carona já que vamos pro mesmo lugar.

- O que? Não. - Falo.

- Como assim você vai pro mesmo lugar que a gente? Como assim ele vai pro mesmo lugar que a gente Carolina?

 Camila falou se virando pra ele e depois pra mim, confusa.

- Moramos no mesmo prédio. - Shawn fala.

- O que? Ele é nosso vizinho? Aí meu Deus, me segura que eu to passando mal.

 Camila abre os braços fingindo um desmaio e se joga de costas pra que eu a segure, me fazendo soltar a mala dela. Mas depois ela retorna com um sorriso mais aberto que já vi na vida, cruzando seu braço com o de Shawn, me deixando pra trás, como se eles fossem velhos amigos. 

- Claro que você pode vir com a gente, não liga pra Carolina não, não é maninha?

 

 (...)

Já no carro enquanto colocávamos as malas no porta malas, Camila estava encostada fazendo vários Snapchats mostrando aos quatro ventos com quem ela estava, eu a observava e deixei escapar uma risada achando muito engraçado o jeito dela. Camila e o oposto de mim, ela é alegre, extrovertida e não tem tempo ruim com ela, e talvez ela até tenha razão quando diz que só tenho corpo de jovem com alma de velho. Mas eu nem sempre fui assim.

- Ela é bem divertida, é sua irmã?

- Ham? ...é sim.

Eu estava tão perdida nos meus pensamentos que não prestei muito atenção no que Shawn disse, só peguei a última parte quando ele perguntou se Camila era minha irmã.

- Vocês são muito diferentes.

Fechei o porta malas sem respondê-lo, eu não queria dar uma carona pra ele, muito menos conversar, eu não era obrigada. Entramos no carro, e como o meu carro e um Mini Cooper e só tem 2 portas, Shawn não caberia no banco de trás. Ele sentou no banco do passageiro depois que Camila já tinha entrado, dei partida, liguei o som que por sua vez estava tocando uma das minhas musicas favoritas ( I don’t trust myself - John Meyer ). Comecei a cantar junto bem baixinho, quase sem abrir a boca, quase inaudível, e podia jurar que Shawn me olhava por canto de olho, mas não ia dar o gostinho pra ele e mostrar que eu tinha reparado.

- Ah não, ninguém merece essa música de velho.

 Camila bufou no banco de trás e logo depois ficou entre mim e Shawn tentando alcançar o som pra poder mudar a música. Eu dei um tapinha na mão dela que a fez recuar.

- Meu carro, meu som, minhas músicas, minhas regras.

Falei empinando um pouco o nariz e recolocando a minha mão no volante prestando atenção na estrada.

- Eu gosto. - Shawn quebrou o silêncio.

- Do que?

- John Meyer. - Falou apontando pro som do carro. - E um dos meus cantores favoritos.

- Meu também.

 Falei em seguida dando a seta para poder parar em uma lanchonete para comprar algo pra Camila comer.

- Era bom demais pra ser verdade, você não podia ser perfeito, não podia. Você tem o mesmo defeito da minha irmã, gostar de música de velho.

Camila falou arrancando um sorriso de Shawn e meu também, mas tentei não demonstrar. Estacionei o carro e perguntei o que Camila queria comer que iria comprar para ela, já que a grande celebridade estava no meu carro e não podia descer.

Pizza de Pepperoni, foi o que Camila pediu para comer, e eu poderia ter feito um jantar delicioso pra ela, mas ela diz que minha comida é horrível, só ela acha isso.

Depois de alguns minutos retornei pro carro, e antes de entrar notei que Shawn e Camila estavam dando muitas gargalhadas, franzi a testa já imaginando o que Camila poderia ter falado. Ela não consegue se controlar quando ver gente e começa a falar tudo e mostrar muitas fotos antigas minhas, e vai por mim, eu era muito feia e estranha. Imagina aí, rabo de cavalo, aparelho pra coluna, aparelho dentário freio de burro e óculos fundo de garrafa. Imaginou? Pois é essa coisa feia bem aí mesmo que você viu na mente. Entrei no carro e fui logo perguntando.

- Do que vocês estão rindo? Posso saber?

- Não, não pode.

Camila ficou entre mim e Shawn mais uma vez só pra falar e retornar sorrindo. Eu virei e olhei pra ela, olhei pro Shawn que estava tentando segurar a risada e virei pra frente, colocando o cinto e dando partida. Eu estava fingindo que não tava me importando do por quê eles estarem sorrindo, mas eu tinha certeza que a Camila mostrou minha foto de quando me apelidaram na escola, eu sofri muito, é uma época que eu realmente não gosto de lembrar.

 

(...)
Chegando no estacionamento do prédio, descemos e começamos a tirar as malas do carro. Camila segurava a pizza e não largava o celular, registrando todos os momentos possíveis.

- Acho que já chega, né Camila? Vem me ajudar a levar suas malas.

Ela bufou e revirou os olhos, guardando o celular no bolso de trás da calça pegando sua mochila e colocando no ombro, e foi caminhando para o saguão do prédio, me deixando sozinha com Shawn. Ele retirou sua bolsa e eu fechei o porta malas do carro já me dirigindo para acompanhar Camila.

- Ei. - Shawn fala e eu sinto sua mão agarrar com delicadeza a minha me fazendo parar. Eu olho para nossas mãos dadas e o encaro. - Obrigado pela carona.

Ele diz com um sorriso leve nos lábios.

- E-eu não fiz por você. - Falei o olhando, puxando minha mão bruscamente em seguida, e sem entender por que eu gaguejei.

- Eu sei, mas mesmo assim, obrigado. - Ele disse ajeitando sua mochila no ombro que estava quase caindo.

- Não há de quê.

Caminhei até o saguão e Shawn vinha mais atrás. Camila já estava em frente o elevador aguardando sua descida. Quando Shawn atravessou a porta adentrando, o porteiro o chama.

- Sr. Mendes.

- Oi, Harper. como vai?

- Muito bem Senhor, obrigado. Olha, deixaram uma encomenda e pediram para eu entregar em suas mãos.

- Quem deixou?

- Não sei, não quis se identificar.

- Tudo bem, Harper. Obrigado.

Vi o porteiro entregando uma caixa preta com um laço vermelho muito bonita. Mas não me importei muito. O elevador abriu e entramos, apertei o número do meu andar e o elevador já ia fechando quando vejo Shawn correndo tentando se equilibrar arrastando uma mala, a mochila no ombro e a grande caixa preta em uma das mãos.

- Segura a porta pra mim.

Mas uma vez revirei os olhos, tenho feito isso muito ultimamente. Mas segurei o elevador pra que ele entrasse.

- Obrigado, Vagalume.

Nessa hora meu sangue esquentou. Como ele sabia do meu apelido da época de escola? Só uma pessoa pode ter dito.
            - Camila!!!!

- Ops.

 


Notas Finais


O que será que Carolina vai fazer com a irmã depois dela ter revelado seu apelido que é um trauma pra ela?
E o quem tem na caixa que Shawn recebeu? Quem será que mandou?
Quem aí tá curiosa?
Se quiserem posto outro capítulo hoje mesmo. Comentem e me digam se querem que eu poste um novo capítulo.
Beijos!



Carro da Carolina: https://www.google.com.br/search?q=mini+cooper&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjR24XFp7DXAhUBFZAKHSnDDbMQ_AUICigB&biw=1440&bih=639#imgrc=Pnxy1JX5rJx0zM:

Música que toca no carro: https://www.youtube.com/watch?v=kKGmMa7tfY8


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...