1. Spirit Fanfics >
  2. Porcellana Pupa (Jikook) >
  3. Champagne

História Porcellana Pupa (Jikook) - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Oi pessoal, espero que gostem <3
Beijos e até as notas finais, não me matem e surtem bastante com o nosso shipperzinho <3
Amo vocês <3

Capítulo 5 - Champagne


Champagne

A luz da lua já iluminava toda a cidade. Deixava sua luz banhar a pele daqueles que a desejavam e iluminava a noite de quem deixasse. Eu era um amante da lua, passava dias e mais dias a observando no céu ora estrelado, ora nublado da cidade em que morava. Hoje seria diferente. Hoje eram um dos poucos dias que eu realmente tinha o que fazer durante a noite e não apenas trabalhar igual um condenado para bancar as contas de casa e poder dar uma boa vida para o meu irmão mais novo. Taehyung estava crescendo rápido mas eu ainda não queria que ele sofresse com a nossa situação. 

Depois que consegui esse novo emprego as coisas passaram a dar uma melhorada, eu não tinha medo de perder meu trabalho todos os dias porquê acredito que o lugar de secretário e braço direito do Jeon não eram um cargo que deveria ter muito acesso, já que agora sempre ao seu lado, sei das suas rotinas, da sua agência, dos futuros planos da empresa e é claro, o que ele fazia fora dela. Eu tinha horário para chegar e sair de casa todos os dias e mesmo depois que volta-se a universidade, eu conseguiria ter uma vida normal e bem feita. Nunca teria palavras para agradecer o que o Jeon estava fazendo por mim, mas pretendo ser um bom funcionário, nunca deixa-lo se arrepender de ter me contratado. 

Taehyung estava agora jogando vídeo game enquanto eu terminava de tomar um belo banho quente e que me deixou super limpinho e cheiroso. A campainha tocou, escutei algumas vozes, enrolei a toalha em minha cintura e coloquei outra no meu cabelo para que secasse melhor. A porta foi fechada e ele tinha voltado na ligação com o seu amigo Hoseok. 

-Quem era Tae? 

-Sei lá. 

-Como assim sei lá garoto? Você abre a porta assim para qualquer um? - Abri a porta do banheiro e saí furioso pronto para brigar com o mais novo até encontrar um saco preto e grande no meu sofá. A embalagem de plástico tinha o logotipo da loja de ternos que eu tinha frequentado ontem com o Jeon. Meu corpo inteiro se arrepiou. -O que é isso? 

-Não sei, um cara deixou aqui para você. Disse que era um presente do seu chefe Jeon. Jimin, que tipo de chefe manda entregar um presente na casa do funcionário? - Taehyung pausou o jogo e silênciou a chamada com o amigo. Levantou do sofá e ficou parado do meu lado me encarando enquanto mastigava um chiclete. Adolescentes. - Que merda tem ai dentro?

-Não pode ser. - Minhas mãos tremiam enquanto eu pegava a embalagem e abria o zíper que havia ao lado. Retirei a roupa de dentro do saco que por dentro era revestido por um tecido macio e com toda a certeza do mundo, caro, assim como tudo que eu estava tocando agora. Era o terno que eu havia experimentado na noite passada, o terno que o meu chefe havia mandando eu levar e me neguei, ele me ofereceu de presente e eu neguei também. Merda, o que esse terno estava fazendo aqui? - Não acredito que ele me deu esse terno de presente. 

Peguei meu celular enquanto meu irmão me enchia de perguntas e carregava a roupa para o meu quarto, largando em cima da cama de qualquer jeito e indo terminar seu jogo, Hoseok já devia ter o xingado de vários e vários nomes horríveis e amaldiçoado até a quarta geração de filhos de Taehyung. Enquanto eu procurava o número do meu chefe, recebi um telefonema de Min Yoongi. 

-Jimin? Boa noite, já recebeu seu presente? - A voz do Min parecia que estava rindo, ele deveria estar se divertindo com toda essa situação, já que ele conhece Jeon Jungkook mil vezes melhor que eu. - Jungkook pediu para que eu deixasse na sua casa, não foi difícil já que ele tinha ido comprar assim que o shopping abriu hoje de manhã. Espero que use e não ligue para o perturbar, aceite o presente e seja grato tudo bem? 

-Mas senhor Min, o presente é muito caro, não sei se posso aceitar...

-Pode sim, Jeon ficará feliz em te ver com este presente, não o decepcione. É uma noite importante.

E assim o telefone foi desligado. Coloquei sobre a mesinha que ficava meu computador e voltei a encarar o terno sobre minha cama. Tão lindo. Eu tinha me sentindo como um verdadeiro homem dentro dele, me sentia bonito e apresentável como nunca havia me sentido antes. Minhas mãos começaram a suar só de imaginar que eu poderia usa-lo sempre agora. Eu tinha uma roupa de grife na minha casa e mesmo que me custa-se a vida, eu não me arrependeria de coloca-lo de novo. Era um presente não é mesmo? 

Arrumei todas as partes do terno para dentro da embalagem protetora que veio, para continuar do jeitinho que estava. Intacto. Coloquei uma cueca preta e que pudesse valorizar o corpo que eu tanto tinha desejado na minha vida e graças a dança que eu praticava por anos, consegui. Eu gostava de me arrumar, mas como a minha vida estava tão corrida nesses últimos meses acabei relaxando completamente com tudo, os cabelos coloridos se tornaram mais uma obrigação do que divertimento, então optei por deixa-los castanhos mesmo, era mais prático e mais simples na hora de arrumar. Fazia muito tempo que eu não me arrumava para um jantar e muito menos um jantar tão importante assim, nem me lembro como é que se comporta nesse tipo de ambiente, espero não envergonhar Jungkook. Não preciso de mais disso na minha vida. 

Enquanto lambuzava meu corpo com um hidratante corporal super cheiroso e deixava meus fios secarem lentamente, continuei observando o terno sobre a minha cama. Não é possível que ele tenha comprado esse terno para mim. 

Tomei todo o cuidado do mundo enquanto vestia cada parte dele. Tudo parecia ter sido feito para mim, todas as partes, tecido e cortes desse traje, combinavam perfeitamente comigo. Eu me sentia deslumbrante, profissional, bonito e o melhor de tudo, sexy. 

Eu não era do tipo de homem sexy, nem um pouco. Nada em mim costumava ser sexy, eu não chamava mais a atenção de mulheres e muito menos a atenção de homens como eu gostaria. Fazia tempo que eu não beijava alguém e muito menos que tocava algum corpo no sentido sexual, sentia falta de ser desejado, sentia falta de ter braços que me acolhiam no fim do dia. Sentia falta de ser amado por alguém além do meu irmão. Depois de um tempo vivendo somente para ele, minha faculdade e os mil empregos temporários que tive, você se acostuma a não desejar muito mais do que pode ter e aceita sua situação atual como um perdedor e fracassado em jogos de amor. 

Mas eu queria mais, muito mais. 

Fechei o último botão da camisa preta que acompanhava o terno e espirrei borrifadas generosas sobre a minha roupa, eu queria estar perfeito essa noite. Quero receber o elogio de alguém. 

E esse alguém poderia ser Jungkook 

-Mas que merda eu estou pensando? - Acordei do profundo momento de reflexão que tive durante todo esse tempo me arrumando e percebi que se não acabasse logo com o meu momento "Se vestir em câmera lenta" eu estaria atrasado. Merda eu não poderia me atrasar, o ônibus até a empresa demorava para passar e se eu o perde-se, estaria ferrado, era o último da noite. 

Calcei meus sapatos sociais que tinham acabado de ser engraxados por mim e peguei a gravata em outra embalagem separada do terno. Assim que abri o pacote, pude observar uma carta dentro dela. Será que era a conta de tudo aquilo?  Peguei a carta em minhas mãos já tremendo e percebi uma letra bonita e delicada na frente. 

Era a letra dele. 

Para o meu secretário, Park Jimin.

Espero que tenha gostado da surpresa. 20H em ponto um carro chegará para te buscar. Não se atrase.

Use essa roupa com muito carinho porquê quero te ver a noite toda vestindo algo que te dei, não fique com vergonha é um presente e você mesmo que escolheu. Até o jantar Porcellana Pupa, ansioso para te ter ao meu lado. 

Quase esqueci, tenho outro presente para você quando nos encontramos Park, aguarde ansioso. 

J.J

-Meu Deus esse cara ainda vai me matar...

-Que cara vai te matar? 

Cristo amado, quase morri de susto ao perceber que Taehyung estava parado na porta do meu quarto, me olhando com a cara mais estranha do mundo, como se eu estivesse aprontando alguma coisa. Desde quando ele é tão adulto para me julgar com esse tipo de olhar. Enfiei a carta de baixo do meu travesseiro rapidamente e sentei na cama fingindo que estava arrumando o sapato social. Belo disfarce Park Jimin, nota 0/10. 

-Ninguém vai me matar. 

-Mas você disse...

-Eu não disse nada. - Levantei depois de não aguentar mais ficar abaixado fingindo e fui até meu banheiro terminar de me arrumar, Taehyung me seguiu mas não disse mais nada, apenas ficou me encarando em silêncio. - O que aconteceu? 

-Você está tão bonito, faz tempo que não te vejo arrumado assim. - E ele sorriu para mim. Escorado na porta do banheiro, ele sorria na minha direção, arrancando também um sorriso meu. - Espero que se divirta nesse jantar, você parece bem animado e esse terno... nossa. Ficou realmente muito bonito em você Jimin. 

-Obrigada Tete. Estou nervoso, é meu primeiro jantar na empresa, acha que eu estou bonito o suficiente? 

-Só falta uma coisa. - Ele largou seu celular com os fones sobre a cama e voltou para a porta do banheiro segurando o secado que estava jogado no chão do meu quarto e uma escova de cabelo. - Deixa que eu cuido disso, se for depender de você vai usar esse mesmo estilo para sempre. 

-Não tem nada de errado com o meu cabelo. - Sentei a tampa do vaso sanitário assim que o mais novo ligou na tomada o secador. Ele fazia alguma coisa com os meus fios que eu ainda não tinha conseguido identificar mas parecia concentrado já que sua língua estava um pouco para fora. Taehyung era uma gracinha quando estava concentrado. - Cuidado para não cagar no meu cabelo, está quase na hora de ir. 

-Você vai de ônibus essa hora da noite? 

-Não, um motorista virá me buscar. Acho que vou encontrar com o Jungkook na empresa ou sei lá. Ele é meio imprevisível. - Sorri de lado ao perceber que ele tinha desligado o secador, colocado a escova sobre a pia e passava um pouco de pomada para cabelo em meus fios castanhos. Meu cabelo não costumava ficar muito tempo parado em um lugar só, principalmente depois de usar um secador. - Já posso olhar?

-Espera um pouco. - Ele foi até o meu quarto, buscar alguns brincos e colocando nos furos sobrando que eu tinha na orelha. Coisa de adolescente sabe. Hoje em dia eu aproveitava bem pouco das minhas orelhas furadas, mas Taehyung sabia o que estava fazendo, ele sempre foi de se arrumar muito bem, parecia que todas as vezes estava em um desfile de grife. Eu gostava de o ajudar a escolher roupas, agora recebendo melhor, vou poder fazer isso com mais frequência. - Agora pode olhar. 

E eu me encarei no espelho, Taehyung tinha repartido meu cabelo no meio e deixado ele com mais volume que antes, eu estava lindo. Minha testa estava aparecendo, deixando meu rosto mais claro e mais limpo, valorizando um pouco da sombra que eu havia feito em meus olhos. Céus eu certamente estava um arraso. Agradeci meu irmão que saiu orgulhoso do quarto e voltei a tentar colocar a gravata. Eu não sabia como colocar aquilo, mas até o caminho da empresa eu iria descobrir, ela tinha vindo com o bilhete do Jeon, eu não poderia simplesmente ignora-la e deixa-la em casa como se não fosse importante. Tudo naquela noite se completava perfeitamente. 

Faltava dois minutos para que o carro chega-se e resolvi dar os últimos toques em minha aparência. Espirrei mais perfume sobre a minha pele exposta no pescoço, verifiquei meu cabelo mais uma vez das dez anteriores e passei um pouco de gloss sabor morango sobre os meus lábios avermelhados naturalmente. Deixei um pouco de dinheiro para o Tae que havia voltado a jogar, agora online com algum dos seus amigos que eu provavelmente não conhecia. Nunca tive tempo o suficiente para conhecer nenhum deles, sei de Jung Hoseok porquê meu irmão era afim dele e conversávamos sobre relacionamentos as vezes, bem as vezes mesmo porquê eu não tinha muita  experiência para contar, mas gostava de saber da vida pessoal do Tae, me sentia bem mais próximo dele desse jeito. 

Tranquei a porta logo em seguida e assim que virei de costas o carro já estava lá me esperando, era bonito e grande, um modelo mais esportivo do que eu costumava ver em filmes americanos e clichês onde os caras sempre tem usavam carros impossíveis de se ter de verdade, não que esse não seja, mas é que... é que eu não entendo nada de carro para falar a verdade. 

Quando pensei em ter visto o motorista descer me deparo nada mais, nada menos que Jeon Jungkook descendo do banco do motorista e vindo na minha direção com um sorriso idiota nos lábios. Ele estava estupidamente bonito demais para aquela noite, eu não cansaria de dizer isso pelo resto da minha vida. Talvez ele seja um dos chefes mais bonitos do mundo.

-Senhor Jeon, o que faz aqui? - Minhas mãos começaram a tremer assim que imaginei mil e uma coisas que ele poderia me falar, não era fácil ser alguém que tinha a cabeça no mundo da lua, em minutos eu poderia criar uma fanfic minha e dele.

-Vim te buscar. - Seus olhos me secaram de cima em baixo e ele deixou um sorriso de lado escapar. Eu adorava quando ele sorria daquele jeito, conseguia destruir todo o meu psicológico e me deixar inquieto pelo rosto do dia. E ele sabia muito bem todos os efeitos que causava em mim, não era bobo nem nada do tipo. - Dios mio, qué hermoso eres.

E eu me arrepiei inteiro com a sua voz grossa falando um idioma que eu desconhecia. 

-Pensei que viesse um motorista, não queria que você tivesse tido esse trabalho. -Sorri na sua direção e quando caminhei até a porta do motorista ele segurou minha mão me impedindo. - O que foi? Só estava abrindo a porta para o Senhor... 

-Eu sou o cavalheiro da noite hoje. - Merda mais um daqueles sorrisos bonitos que ele me dava e deixava minhas pernas tremendo por um bom e longo tempo. Eu estava delirando somente com o seu toque quente e firme em meus dedos, precisava confessar para alguém que eu amava suas mãos quentes em contato com o meu corpo. Eu gostava de tê-lo por perto. 

-Tudo bem. 

Jungkook caminha até o outro lado ainda segurando minha mão e abre a porta permitindo que eu entra-se, logo em seguida ele também entrou e colocou o cinto de segurança, ligando o carro e partindo para o nosso destino. 

A noite estava bonita, não estava calor para abrir os vidros mas o vento fresco deixava minha respiração mais leve e me distraia da situação em que eu estava agora. Dentro do carro com o meu chefe e indo para um jantar de luxo. Como eu poderia desejar um emprego melhor do que esse? Jungkook não tinha dito mais nada, somente encarava a estrada que estávamos, o jantar era em outra cidade como ele havia me dito mais cedo na empresa, acabamos por nem nos encontrarmos muito durante o dia, já que eu fiquei atarefado o dia todo e ele em reunião com Min Yoongi em seu escritório, não fui até seu andar nenhuma vez também para não atrapalhar. 

-Não colocou a gravata que eu te dei? - M e perdi no som rouco da sua voz assim que ele pronunciou a primeira palavra, eu deveria parecer um idiota todas as vezes que ele tentava conversar comigo e eu não sabia nem o que responder porquê estava ocupado demais tentando colocar meu coração para bater no ritmo certo e fazendo minhas tripas ficarem dentro do meu corpo.

-Eu não sabia dar nó na gravata, tentaria aprender durante o caminho até a empresa. Achei que nos encontraríamos lá. - Abaixei os olhos que encaravam seu rosto bonito e fixei no chão do carro, estava com vergonha de confessar que não sabia fazer algo para Jeon Jungkook, que mesmo mais novo que eu já era dono de empresas e comércios por todo o país e fora dele. Enquanto eu não conseguia dar nó em uma gravata. 

-Angelus quando chegarmos no jantar eu dou um nó para você, não precisava se preocupar, mais alguns minutos e estamos lá. - Sua mão saiu da marcha e segurou minha coxa delicadamente. Eu nem pensei em falar nada, não pensei em protestar contra seu toque e nem mesmo reclamar. Só queria que ele estivesse ali, me tocando e me deixando protegido, tudo isso era uma merda. Sua mão estava firma em minha coxa e ele não parecia nem incomodado e nem com vontade de tirar, então apenas aproveitei seu toque quente sobre a minha pele.

O silêncio voltou a reinar dentro do carro por alguns minutos. Logo em seguida chegamos em um incrível salão de festas, tudo era muito bonito, bem iluminado, repleto de pessoas e jornalistas do lado de fora. Com toda a certeza do mundo esse jantar estaria em várias capas de revistas e vários sites de fofoca. Pessoas ricas costumavam gostar desse tipo de coisa e o público sempre ia a loucura com essas informações. Antes de deixar o carro para ser estacionado por um dos funcionários, ele parou na entrada do lugar e estacionou. Seus olhos me encararam e ele veio na minha direção, uma das suas mãos tocando meu ombro enquanto a outra soltava o cinto de segurança. 

-Está preparado Angelus? - Sua voz rouca fazia um agrado no meu interior, me aquecia e me deixava ansioso para ouvir mais, muito mais. Abri os olhos que nem tinha percebido que estavam fechados e encarei seu rosto fixo no meu, seus olhos brilhavam de luxúria e orgulho, ele sabia muito bem o que estava fazendo e como me deixava quando fazia isso. Até mesmo sorria, sempre sorria quando conseguia fazer alguma coisa comigo, quando conseguia mexer nas minhas estruturas internas e me deixar a sua merce, me deixar entregue para ti. 

-E-Estou Senhor Jeon... - Minha voz saiu rouca e falhada, do jeitinho que ele gostava de me deixar quando criava toda essa situação. Minhas bochechas pegavam fogo e eu não conseguia parar de encarar seus olhos escuros que quase arrancavam minha pele. E eu gostava. 

-Me deixei arrumar sua gravata, mas antes, tenho um presente lembra? - Seu corpo se afastou do meu e eu consegui sentir o cheiro do seu perfume grudando em minha pele, ele era tão cheiroso, queria pegar esse perfume e esfregar em mim, em minhas roupas, na minha cama e... - Venha mais perto e feche os olhos por favor Jimin. - Fiz exatamente o que ele tinha me pedido, me aproximei com os olhos ainda abertos enquanto ele me encarava sério e fechei os olhos logo em seguida quando achei que a distância entre nós era o suficiente. Ouvi ele se remexendo no lugar e logo uma coisa gelada sendo colocada em meu pescoço. Não me permiti abrir os olhos nem mesmo quando seu toque se afastou, ainda faltava a gravata. - Você sabia que gravatas são boas para outro tipo de coisa também?

-Que outro tipo de coisa Senhor Jeon?... - Meus lábios tremiam, eu sentia sua respiração batendo bem perto do meu rosto e se eu pudesse olhar agora, tenho certeza que infartaria de uma vez por todas. Jungkook tinha esse poder sobre mim, ele conseguia me dominar somente com palavras. 

-Quando for a hora, eu posso te contar. Agora abra os olhos, espero que tenha gostado. - Esperei alguns míseros segundos para abrir os olhos e ele já tinha se afastado completamente e ligado o carro para entrar de vez no salão de festas. Encarei meu pescoço e percebi que algo brilhava. Era um colar lindo e super, super brilhante. Toquei-o com as pontas dos dedos e logo senti os pingentes do lado de dentro balançando. 

J.J

Era discreto porém bonito. Jungkook não gostava de chamar muito a atenção dos outros, mesmo que já fizesse isso sozinho e sem muito esforço. Logo ele parou o carro na frente de onde seria o jantar e desceu, caminhando até meu lado e abrindo a porta para mim logo em seguida, estendeu sua mão como o perfeito cavalheiro que ele costumava ser e me ajudou a descer. Me senti como um príncipe nos filmes da disney que tanto assistia e gostava de imaginar. Pelo menos por uma noite, eu estava me sentindo perfeito para essa ocasião. 

-Não de muita atenção para as perguntas dos outros, pode deixar que eu respondo todas elas. Você é meu secretário tudo bem? Veio apenas para me acompanhar, não se estresse com isso. 

-Tudo bem. 

Caminhamos para dentro do salão, vários flashs na direção do meu chefe mas ele apenas sorriu e acenou paras as câmeras, eu tenho certeza que nenhuma delas estava de fato interessada em mim então apenas sorri enquanto encarava aquele rosto bonito e másculo na minha frente. Eu nunca teria um homem desses na minha vida. 

Assim que entramos Jungkook já foi recebido por várias pessoas tão ricas quanto ele, eu permanecia um pouco atrás para que ele não se sentisse intimidado com a minha presença e nem mesmo se incomoda-se comigo, hoje eu não queria atrapalhar em nada e fazer somente o que me fosse mandando. 

-Jimin, pode dar uma volta se quiser, logo o jantar será servido e quero você do meu lado. - Ele sorriu uma última vez para mim e saiu andando com uma mulher vestida de vermelho. Ela era tão linda quanto ele, certamente ela poderia te-lo em seus braços quando quisesse. 

E por quê eu ainda estava pensando esse tipo de coisa? 

Me afastei mais um pouco do grupo que seguia meu chefe para lá e para cá, fui até o jardim que havia por ali e adorei como tudo estava tão bonito e chique, as fontes ligadas, as luzes em tom de dourado que iluminavam o lugar, algumas pessoas muito bem vestidas acompanhadas de bebidas que eu não fazia ideia do que poderiam ser. Um garçom passou e me ofereceu uma daquelas taças e eu recusei, aceitei a taça que estava com água e caminhei pelo jardim observando um pouco das flores e como elas ficavam bonitas sobre a luz da lua. Eu era um admirador de coisas simples. 

-Boa noite Senhor, está perdido por aqui? - Escutei uma voz logo atrás de mim e me virei para descobrir quem era. Um rapaz provavelmente da minha idade e de cabelos loiros segurava uma taça igualmente a minha e sorria abertamente. Ele era tão lindo, acho que estou me apaixonando por homens ricos e bonitões. 

-Boa noite, não estou perdido e não precisa me chamar de Senhor, apenas Jimin. Park Jimin. - Estendi a mão na sua direção e ele sorriu chegando mais perto de mim, aceitando meu cumprimento. Suas mãos eram firmes e fortes, deixaram um aperto quente em minha pele e ele sorriu encarando nosso contato. 

-Lee Taemin apenas. O que faz nesse jantar tão chato que eu poderia dormir. - Ele soltou a minha mão lentamente e voltou a encarar meu rosto.

-Vim acompanhar o meu chefe, não tenho que reclamar. - Sorri de lado e desviei meu olhar para a fonte que ficava do outro lado do jardim. Era bruto e delicado ao mesmo tempo, a decoração era tão bonita e meticulosa que deveria ter sido planejada a muito tempo.

-Seu chefe? Você não tem cara de quem tem chefe e sim de quem manda. - Eu ainda podia sentir seu olhar sobre o meu corpo, mas eu não estava interessado em flertar com alguém no meio do meu trabalho. Isos era importante para mim, eu não poderia decepcionar e nem vacilar com Jungkook logo na primeira oportunidade que eu tenho de ser uma boa companhia em jantares de luxo. Eu precisava desse emprego e não de um namorado. 

-Sou o secretário felizmente, não conseguiria lidar com tudo isso. - Terminei de tomar a água que estava em minha taça e encarei o rosto de Taemin novamente, ele era lindo, lindo de verdade. Mas eu não poderia ceder e nem mesmo me interessar, esse mundo de gente rica não era para mim, por isso mesmo eu só acompanhava de fora. - Agora preciso encontrar meu chefe, prazer em conhece-lo. - Fiz uma rápida reverencia já que ele provavelmente tinha cargos maiores que o meu. Andei rapidamente para dentro do salão e trombei com um homem antes de entrar. 

-Devia olhar mais para onde anda Jimin, se fosse outra pessoa já estaria expulso daqui. - Jungkook riu de lado e a moça de vermelho que estava pendurada em seu braço riu também. Encarei seus olhos azuis e seu cabelo loiro como se fosse a última mulher do mundo. Não era difícil para mim admitir que ela era linda. - Deixe-me apresenta-lo Park, essa aqui e Ísis, minha melhor amiga. Ísis esse é Park Jimin, meu secretário novo. 

-Prazer em conhece-lá Senhorita Ísis. - Estendi a mão para a moça em minha frente e ela aceitou sorrindo. Sorri para a mesma enquanto apertávamos as mãos e soltei logo em seguida. - Me perdoem por ter esbarrado em vocês, não ira se repetir. Vou deixar os Senhores em paz e conhecer o resto do ambiente. Com licença. - E quase sai correndo de perto deles, Jungkook ainda me fitava de longe, tentando descobrir para onde eu estava indo mas nem mesmo eu sabia o que estava fazendo naquele lugar extremamente chique e de gente rica. Eu estava começando a ficar sufocado demais com tudo aquilo, precisava tomar um ar mas não queria encontrar com Taemin novamente lá no jardim. Subi para o segundo andar do salão de festas que provavelmente era usado depois do jantar, mas já haviam pessoas conversando e fumando em algumas das salas. Eu queria ficar um pouco sozinho, a presença dessa melhor amiga do Senhor Jeon me deixou um pouco chateado. 

Não que eu estivesse afim dele, mas era estranho tudo isso que eu costumava sentir quando estávamos perto, fazia muito pouco tempo desde que eu tinha apanhado na rua para o seu antigo secretário e menos tempo ainda que eu estava trabalhando na sua empresa. Tempo para mim era fundamental na questão de gostar de alguém, por isso acho que não estou apaixonado por ele. Mas gosto da sensação que causa dentro de mim. Talvez deva ser a carência que eu estou sentindo por estar tanto tempo sem alguém para chamar de meu. Segurei o pingente entre os meus dedos e ri sem graça nenhuma. 

-Você é só mais um idiota Park... 

O jantar foi anunciado e desci junto com outras pessoas que estava no andar de cima assim como eu, procurei Jungkook por todos os lugares, já que ele havia me mandado sentar perto dele, mas assim que o encontrei ele já estava sentado com Ísis ao seu lado e um homem que conversava com ele sobre negócios provavelmente. Ele nem mesmo me notou. Caminhei lentamente para a mesma mesa de jantar que estava sentados e sentei ao lado de Isis que estava em ligação com alguém. Não ousei atrapalhar a conversa de nenhum deles até que o jantar foi servido e Jungkook percebeu onde eu estava. Ele não sorriu para mim como das outras vezes, apenas me encarou por alguns segundos e desviou o olhar para sua comida. 

Um tremendo babaca eu diria. 

Eu participava algumas vezes da conversa com outras pessoas que estavam na mesa. Respondia algumas perguntas sobre como era ser o secretário de Jungkook e se ele me pagava bem. Eu apenas ria um pouco sem graça das perguntas e tentava responder de forma descontraída mas sem responder de verdade. Sem entregar as informações que eles queriam para usar contra o meu chefe. Jungkook poderia ser um rostinho bonito, mas também era odiado por muita gente naquele lugar, entendo agora porque me pediu para andar. Talvez não quisesse que eu arruinasse com a sua imagem ou que responde-se alguma coisa que pudesse compromete-lo.

-Esse terno que você está usando é lindo querido, da onde tirou tanto dinheiro para compra-lo? Se o salário que recebe for tão alto assim, eu quero ser contratada para ser secretária do Jeon e não fazer nada o dia todo. - As pessoas na mesa começaram a rir do comentário sem graça que uma das senhoras havia feito junto com o seu marido. Eles pareciam interessados demais em números e valores econômicos relacionados a Jungkook. Esse comentário tinha chateado um pouco mas mantive o sorriso em pé. 

-Ganho o suficiente para um secretário Senhora, e sobre o terno... 

-Foi eu quem deu para ele! 

Os olhos de todos na mesa haviam parado na mesma direção, Jungkook agora bebericava um pouco de Champagne, tinha uma cor dourada e parecia ser delicioso, mas não me permiti experimentar nenhum tipo de bebida com álcool nessa festa e na presença do Jeon. Na minha concepção era falta de educação e de respeito beber diante meu chefe e estando em trabalho. Eu não queria falhar. 

-Como você pode dar um terno mais caro que o seu para um dos seus funcionários? - Os mais velhos voltaram a rir, menos eu, Jungkook e Ísis que parecia entendiada demais com essa situação toda. Pude ver o maxilar do Jeon travar e seus olhos encontrarem com o do Senhor que havia feito o segundo comentário. Ele tinha ficado nervoso. 

-Eu gasto meu dinheiro da forma que eu acho conveniente senhores. - Ele terminou de virar a taça e logo em seguida seu telefone tocou. Pude ler Min Yoongi no visor e ele saiu sem olhar para trás, indo até o jardim e sumindo da minha vista. Com toda a certeza que existia em mim e no mundo, ele estava irritado. Com poucos dias vivendo ao seu lado, pude descobrir que Jungkook odeia pessoas que esnobam demais e ainda por cima não respeitam os outros, fazendo perguntas para humilhar como fizeram agora comigo. Eu precisava jogar uma água no rosto agora mesmo antes de chorar no meio de todas essas pessoas idiotas. 

-Com licença senhores, preciso ir ao banheiro. - Novamente fiz uma reverencia para os mais velhos e Isis sorriu para mim quando encarei seu rosto. Caminhei em direção aos banheiros  que ficavam no segundo andar e estavam vazios, as pessoas estavam no meio do jantar e não prestaram muita atenção em mim. Ninguém perceberia que eu tinha sumido por alguns minutos a mais do que o necessário. Entrei logo na primeira cabine que havia ali e me joguei na tampa do vaso sanitário. Eu estava cansado, já se passavam das onze da noite e eu só precisava tirar essa roupa e dormir. Antes eu tinha me sentindo tão bonito com ela, agora me sentia um aproveitador e nojento, como se eu tivesse usado o Jeon para compra-lo para mim. Por isso não aceitava apresentes mais caros que o de costume, as pessoas que olham estranho. 

Estava chateado com a situação. Diversas vezes fui humilhado naquela mesa e eu precisava fingir que não levava para o lado pessoal da coisa, mas eu levava sim. Estava me sentindo ridículo e como se eu fosse um animal diferente. Eu não podia nem chorar um pouco por conta da maquiagem e meu rosto ficava muito inchado quando isso acontecia. Queria levar tudo isso na esportiva mas não consegui, esses jantares não eram para alguém como eu, então chorei um pouco. Chorei por ter escutado coisas cruéis e não ser defendido por ninguém, chorei pela indiferença que recebi do Jungkook quando me sentia a mesa para acompanha-lo no jantar, chorei por ser idiota e aceitar tudo aquilo sem dizer nada para ninguém. Eu precisava ir para casa mas precisava esperar pelo meu chefe, já que as regras não eram minhas e eu nunca mandaria nesse jogo. 

Ouvi a porta se abrindo e logo em seguida o barulho da tranca, os passos pararam bem na frente da minha cabine e eu pude reconhecer os sapatos sociais. Jungkook estava parado na frente do banheiro em que eu estava. 

Abri a porta lentamente e sai como se nada tivesse acontecido. Sorrindo e arrumando minha gravata. Eu rezava para que a luz dourada do banheiro não mostrasse meu rosto vermelho e eu pudesse sair da lá sem mais perguntas do que já haviam sido feitas para mim. Que eu pudesse sair da lá para ir embora para casa e poder descansar um pouco. 

-Por quê não me chamou para vir com você? - Ele em encarava enquanto eu lavava as mãos que já estavam limpas. Peguei papel para que pudesse seca-las e depois passei um pouco no meu rosto para tirar o borrado de maquiagem. - Você estava chorando? 

-O que? Claro que não! Minha pele é muito oleosa então eu preciso limpar o que fica borrado de maquiagem, sabe como é né - Joguei os papéis no lixo mas mesmo assim não tive coragem de encarar os olhos de Jungkook. - O Senhor precisa voltar para o jantar, eu lhe acompanho logo atrás. - Fui em direção a porta do banheiro mas antes de conseguir toca-lá tive meu pulso esquerdo segurado por uma das mãos firmes do Jeon. Ele me puxou para longe da porta e para perto do seu corpo em um pistar de olhos e quando percebi no que estava metido, seu peito já estava encostado no meu, seus olhos me encaravam fixamente como se não houvesse nada mais importante para olhar e ser olhado. Ele me encarava do jeitinho que eu gostava. Com possessão.

-Eu que decido o que preciso voltar a fazer Jimin. Mandei você sentar ao meu lado no jantar mas nem isso você conseguiu fazer. Me diga, porquê desobedece tanto o que eu te mando fazer? Eu sou uma piada para você Park? - Seu aperto ficou mais forte e ele me prensou contra a parte vazia da pia do banheiro, minha bunda estava sendo esmagada pela pedra gelada e a parte da frente prensada contra o abdômen musculoso do mais novo. Céus ele era um pedaço de mal caminho completo. 

E eu queria tanto andar por esse caminho inteiro.

-Eu não poderia atrapalhar seu diálogo com os outros na mesa Senhor, seria falta de educação da minha parte pedir para o Senhor Kim ou a Senhorita Ísis se retirarem para mim sentar. Eu sou apenas um secretário lembra? - Minhas palavras parecem ter tido efeito em seu corpo, quando terminei de falar ele se lembrou de tudo que havia acontecido na mesa e que eu tinha sido vítima de preconceito pelos mais ricos daquele lugar. Senti sua mão ficando mais quente e seu maxilar voltando a ficar tenso como antes. - Eu não quero deixar o senhor nervoso, me desculpe. - E algumas lágrimas escorreram do meu rosto sem que eu pudesse pensar muito. - Eu preciso aprender a lidar melhor com esse tipo de situação Senhor Jeon, me desculpe e espero que não se arrependa de ter me convidado, juro que nos próximos jantares vou lidar melhor com as perguntas e formular respostas melhores. - Eu implorava para que ele pudesse me perdoar, implorava para que não ficasse tão irritado por conta de um lugar na mesa, por conta de comentários que eu deveria saber lidar. 

-Ei, para de chorar Jimin. Ninguém é obrigado a saber lidar com aqueles tipo de comentário, sua função é aceitar tudo que eu falo, não o que os outros dizem sobre você. - Ele soltou minhas mãos lentamente e me pegou pelas coxas, colocando-me sentando na pedra fria da pia, ele se enfiou no meio das minha pernas e pegou um pouco de papel para enxugar meu rosto novamente molhado. Seus dedos tocavam a minha pele com carinho. - Deixe-me secar suas lágrimas essa noite? 

E eu apenas concordei com a cabeça. Ele largou o papel no lixo e seu rosto se aproximou do meu, suas mãos se posicionaram em minhas coxas, apertando um pouco, garantindo que eu fosse ficar no lugar e não que corre-se para fora daquele banheiro. Eu jamais correria de qualquer coisa que o Jeon estivesse envolvido, ele era meu imã, minha droga e meu vício. Eu podia sentir sua respiração sobre o meu rosto, seus lábios tocaram minha testa, era quente e macio como eu esperava que fosse. Desceram pelas minhas bochechas úmidas, tocaram meu queixo e o inicio do meu pescoço. Seus selares eram pesados e agarraram minha pele, me esquentavam do pé a cabeça e não havia um fio de cabelo meu que não sentisse o que ele estava fazendo comigo. Eu estava entregue aos seus toque, aos seus selares que marcavam minha pele. Marcavam minha alma e só eu e ele saberíamos que tinha acontecido. 

-Senhor Jeon... - Abri os olhos lentamente e encarei seus olhos brilhando na minha frente. 

-Pode falar Jimin... 

-E-Eu... eu quero beijar o senhor... - Minha voz saiu rouca enquanto minhas mãos que estavam largadas ao lado do meu corpo, começaram a subir de encontro com a cintura do maior. Era uma cintura firme e musculosa, eu queria senti-la sobre o meu corpo. 

-E você acha certo beijar o seu chefe? - Ele me deu mais um dos seus sorrisos sádicos, mais um para a coleção dos que eu já tinha. E eu amava coleciona-los. 

-Não...

-Mas você quer. - E foi nessa hora que eu senti todo o meu corpo morrer e voltar a vida em apenas um segundo. Suas mãos grandes e firmes me puxaram para mais perto,  eu estava a centímetros da sua boca, minhas pernas agora circularam seu corpo e apertavam suas coxas sobre elas. Que corpo, céus. - Fala para mim o que você quer Porcellana Pupa. 

-E-Eu quero beijar você Jungkook....

Meus lábios tremiam e meus olhos estavam ardendo de desejo, eu amava encararam aquele rosto bonito e agora tão perto de mim eu poderia ir a loucura em segundos. Jeon ainda me deixaria louco e eu posso apostar que será a experiência mais louca da minha vida, e a mais gostosa de todas. Ele sorriu safado para mim e soltou uma risadinha baixa antes de colar nossos lábios sem delicadeza nenhuma. Jungkook não costumava ser delicado e eu também não esperava isso dele. 

Ele foi bruto, sexy e safado em apenas um beijo, sua língua chupava a minha sem pudor e ele tinha gosto de Champagne. Eu não poderia ter imaginado jeito melhor de experimentar aquela bebida, sentir seu sabor nos lábios do Jeon. Suas mãos me apertavam como se eu fosse fugir daquele lugar à qualquer segundo, eu sentia seu corpo ficar quente conforme nossos lábios se chocavam e uma dor gostosa me invadia, eu queria gritar para todos os universos que esse tinha sido o melhor beijo que eu poderia receber e ele nem tinha acabado ainda. Como se fosse possível ele se inclinou mais sobre mim, ele dominava, ele controlava tudo. Ele me controlava com apenas um beijos. Quando ele se separou de mim para pegar um ar, foi como se meu mundo tivesse acabado ali mesmo, eu estava ofegante e sorria, seus lábios inchados e brilhantes pareciam muito mais gostosos que antes e eu achei que isso nunca fosse possível. 

Achei que era impossível Jeon Jungkook conseguir ficar ainda mais gostoso do que ele já era. 

Subi minhas mãos até a lateral do seu rosto e o puxei para um novo beijos, invadi sua boca com a minha língua antes mesmo que ele pudesse retomar o oxigênio. Mas ele ainda me dominava, ele ainda controlava o ritmo da situação e eu só cedia, eu só queria beija-lo a noite inteira naquele beijo chique e com vários idiotas no andar de baixo, eu só queria que ele chupa-se a minha língua várias e várias vezes durante essa noite, enquanto eu puxava seu cabelo castanho com força. Ele deixou uma mordida no meu lábio inferior que eu pude sentir um pouco do gosto de sangue, mas não saberia dizer de quem era, seus lábios também estavam inchados e avermelhados, tanto quanto os meus. 

-Ahh baby, eu vou te foder essa noite. Hodies meus es tu. 


Notas Finais


Oi pessoal, espero que tenham gostado desse capítulo, eu fiquei a merda da tarde toda escrevendo ele e agora estou atrasada para a festinha do pijama com as friends, mas faz parte né heeheuehee Espero de verdade que tenham gostado. Agora vou responder algumas perguntas que eu acho importante na fanfic.

1- Por que o Jungkook muda tanto de personalidade?
R: Porque o Jungkook é um Dominador de BDSM, agora que o Jimin apareceu na vida dele, ele não consegue controlar o seu jeito de agir perto do Park então acaba tento mudanças de humor frequentes. Lembrando que o Jimin não é submisso dele. Ainda. Por isso ele precisa se controlar.

2- Quantos idiomas o Jungkook fala nessa fanfic.
R: Bem, ele fala vários. Latim é o principal. Mas fala inglês, espanhol, italiano e francês.

3- Por que as coisas acontecem rápido desse jeito?
R: Porque a fanfic não é voltada no conhecer deles fora do sexo, eles iriam se conhecer melhor conforme transam e o Jimin conhece o lado dominador do Jungkook. É uma fanfic de putaria.

Conforma a fanfic for acontecendo eu respondo mais perguntas, se quiserem deixar alguma aqui, sem problemas, vou responder sempre nos próximos capítulos. Vou montar uma playlist no youtube e no spotify com as músicas que me inspiram a escrever, talvez no próximo eu já libere. Beijos e até a próxima meus amores <3

TRADUÇÕES:

Dios mio, qué hermoso eres - Meu deus, como você é lindo. (Meu deus, que bonito você é. Não tenho certeza se montei a frase de forma correta, então encontrei essas duas traduções, perdão se estiverem erradas, eu tentei.) ESPANHOL.

Angelus - Anjo. LATIM.

Hodies meus es tu. - Hoje, Você é meu. LATIM.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...