História PornStudent - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Humor Romance
Visualizações 16
Palavras 1.218
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


OIEEE!!!

Finalmente chegou o sábadão para postar essa fic maravilhosa.
Espero que gostem.

Capítulo 3 - Aula 3


Fanfic / Fanfiction PornStudent - Capítulo 3 - Aula 3

Na manhã de sábado, Vitor não precisava ir para a faculdade então o deixei dormir mais um pouco. Preparei o café e fui em direção a sacada do nosso quarto só de cueca. Era um verão muito quente. Mas uma coisa tinha tirado totalmente a minha paz logo cedo.

Uma nova mensagem anônima.

Dessa vez, dizia que queria me encontrar em breve. Eu respondi perguntando quem era e não tive uma resposta. Silêncio. E isso estava me tirando do sério. Odiava aquele mistério todo e o meu instinto dizia que não algo bom. Nada bom.

Senti uma dor na minha bunda e ouvi um estalo ardido. Olhei para trás pronto para soltar um palavrão, mas era Vitor que havia me dado um belo de um tapa na bunda sorrindo maliciosamente.

  -Adoro as suas cuecas vermelhas.

  -Imaginei quando você me deu cinco delas no meu aniversário.

  -Elas ficam ótimas nessa bunda redondinha - Vitor cravou as unhas em minhas nádegas fazendo o aperto doer - Nesta carne farta e macia…

  -Vai ficar só me apalpando ou vai tirar essa cueca logo?

  -Parece até um tomate maduro - disse, me ignorando.

Ri da comparação. Sem me deixar pensar no que dizer, Vitor se abaixou e cravou os dentes com força na minha nádega esquerda. Senti a minha bunda doer e a mordida causar pequenos choques de dor intensa.

  -Ai, Vitor!

O safado riu da minha cara.

  -Desculpa, acho que estou com fome.

  -Você me paga - passei a mão para aliviar a dor.

  -Ah, é? - ele já estava perto da porta que levava para nosso quarto - E o que o meu querido professor vai fazer? Vai me colocar de castigo?

Caminhei sentindo a dor provocada pela mordida, segurei Vitor pelas pernas e suspendi seu corpo apoiando suas costas na parede. O movimento foi tão repentino que Vitor deixou um pequeno gemido de dor escapar pela garganta ao bater com as costas. Dei um belo chupão em seu pescoço sentindo suas mãos em minha nuca e depois dei um beijo safado e molhado. Mordisquei seu lábio e o puxei com os dentes.

  -Vou te comer em pé sem te deixar gozar. É isso o que eu vou fazer, bem aqui, nesta varanda de frente para o mar - digo sussurrando em seu ouvido.

  -Estou começando a gostar desse castigo - respondeu.

Eu ri e o coloquei no chão.

  -Pensei que você iria mesmo me castigar.

  -A espera também é um castigo - respondi indo para a cozinha - Vem, vamos tomar café da manhã.

Vitor revirou os olhos e veio só de cueca azul ao meu encontro. Tomamos café e Vitor quis ir para a praia, pegamos o que precisávamos, apenas calções e toalhas. Não era muito confiável levar pertences valiosos se só demoramos pouco tempo.

Escolhemos um bom lugar, onde poderíamos aproveitar a sombra de um guarda-sol de um quiosque onde compramos duas cervejas.

  -Você passa protetor em mim? - Vitor pediu.

Peguei o produto e o coloquei sobre a minha mão. Massageie os ombros de Vitor espalhando o creme sobre a sua pele a fim de protegê-lo do sol. Desci de seus ombros espalhando o protetor cremoso pelas suas costas, sentir o creme derretendo sobre a pele quente de Vitor me fazia lembrar das nossas noites na cama. Desenhei seu corpo com as minhas mãos, acariciando cada músculo que todos aqueles meses de academia havia lhe dado. Vitor era sexy e tudo nele me excitava. Desci sobre seu peito sentindo cada pequeno gominho de seu abdômen, eu adorava morder e lamber cada um deles. Queria descer mais agora que o protetor em minhas mãos havia acabado e tocá-lo por dentro da cueca. Mas em vez disso, lancei um olhar fulminante para um negão que assistia Vitor dar um gole na cerveja.

Estar em uma praia com seu jovem namorado bonito e gostoso, era como jogar picanha para uma jaula de leões famintos. E é claro que eu marcava território. Abracei a cintura de Vitor aproximando suas costas do meu peito. Vitor deitou a cabeça sobre meu ombro e seu corpo se encaixou no meu. Comecei dando beijinhos em seu ombro sentindo um pouco o gosto e o cheiro do protetor, mas continuei o trajeto até a base de seu pescoço onde me permitir ficar por mais tempo. Chupei devagar e forte o bastante para ouvir Vitor gemer baixinho e sua mão acariciar o meu rosto. Deixei uma pequena marca vermelha onde tinha colocado minha boca. Pronto. Todo mundo saberia que Vitor tem dono.

  -Eu mandei um e-mail para a Maria esses dias - Vitor contou - Ela está empolgada para tirar algumas férias e vir me visitar.

  -Ela tem alguma previsão?

  -Ainda não. Mas ficou de avisar. Quer que eu passe o protetor em você?

  -Sim, por favor.

Sentia o creme gelado derreter em minha pele quente por causa do sol que enfrentamos até chegar ali. As mãos de Vitor eram macias e eu gostava muito de seu toque. Lembrei de quando fazemos amor. Era um sexo diferente e sempre tão único mesmo com nossas transas mais selvagens e nossas rapidinhas no chuveiro antes das responsabilidades. Mesmo eu sendo mais velho que Vitor, percebi que isso nunca foi um problema para nós. E que Vitor também não era infantil e sabia muito bem quando ser adulto.

A praia estava cheia e o calor insuportável. Vitor estava esticado na areia sobre a toalha de costas para o sol, pegando um bronzeado. Eu, na sombra, estava suando. Bebi minha cerveja de uma vez só e o avisei que daria um mergulho. Entrei no mar e a água estava um pouco gelada apesar do sol escaldante. Vez ou outra, olhava para Vitor ainda deitado da areia.

Dei mais um mergulho na água salgada e depois olhei novamente para a praia. Dessa vez, Vitor não estava sozinho, mas conversava com um homem. Era alto e tinha um corpo atlético. Acho que meu ciúmes poderia fazer o mar todo ferver agora mesmo.

Sai da água a tempo de ver o homem se afastar e Vitor deitar-se novamente sobre a toalha. Me sentei ao seu lado e enxuguei os meus cabelos. A água do mar, ainda escorria pelo meu corpo e minha nuca, mas mesmo assim me sentei na areia ao lado de Vitor.

  -A água está maravilhosa. Você deveria dar um mergulho - senti o gosto salgado em minha boca.

Vitor levanta a cabeça e empurra o óculos escuros até a ponta do nariz me encarando por cima. Sorriu de lado de um jeito manhoso e safado, que me fez ter a vontade de agarrá-lo ali mesmo e lhe dar o melhor beijo de todos só para ficar claro o bastante que ele era meu e só meu, depois Vitor empurrou os óculos para proteger os olhos do sol forte. Deitou a cabeça sobre os braços.

  -Ele só pediu uma informação. Nada demais.

  -Quem? - me fiz de bobo.

Eu sempre fui péssimo em esconder ciúmes. Fazer o quê? Paciência.

  -Não finja que não sabe. O cara bonitão que estava aqui agora a pouco.

  -Nunca nem vi - respondi.

Vitor riu.

  -Você deveria parar de ver memes na internet, está ficando um viciado. Vou te colocar em uma clínica de reabilitação.

  -Aqui tem coragem! - brinquei e Vitor jogou areia em mim.


Notas Finais


bjjo bjjo♥♥.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...