História Portais - Capítulo 54


Escrita por:

Visualizações 53
Palavras 2.060
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Poesias, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 54 - Portais


A mulher dourada

- Viver presa em Rapunzel e ver todo seu sofrimento através dos anos nunca foi fácil. Parte de mim sempre será ela e ela sempre será parte de mim. – eu proclamei na sala enorme. Os ecos de minha voz preencheram os corações dos guardiões. Nos encontrávamos em Arendelle, o terror já havia passado e Tsar descansava fúnebre ao meu lado, de pé, a mão roçando em minha cintura. – Mas acho que para um bom entendimento... a decisão que tomei com Tsar deve ser respeitada. Contaremos a vocês, o que realmente aconteceu.

Os guardiões permaneciam sentados em uma enorme mesa redonda um dia após a batalha.

- O segredo da existência. – o homem na lua continuou. - Há muito tempo em nosso universo, cercado por dimensões havia um balanceamento. Duas entidades, a luz e a escuridão. No entanto nem toda vida é eterna, e eles deveriam passar seus cargos para alguém.Eles engravidaram uma humana, a alma mais vasta de todas as dimensões. Gêmeos nasceram, estes então seriam dignos deste cargo.

- No entanto de algum lugar eu ascendi. – suspirei. – Um brilho diferente, uma entidade única. Meus pais não me negaram o desejo de me tornar a luz e colocaram a mim a decisão de escolher entre estes gêmeos quem seria minha escuridão e governaria o universo comigo.

- Por termos crescido juntos, três deuses com mentes não isentas de sentimento... ela fez uma decisão difícil. A terra sendo o centro da vida, ela criou a lua para mim, Tsar. Ela criou uma segunda luz. E então deu a Kozmos a escuridão. Ambos a amávamos mas Kozmos...

- Ele tinha todo o amor... e portanto todos os pecados que ele carrega.

- Em milênios ele dispersou a escuridão de forma desigual, como a Era das Trevas ou a Era dos Pesadelos que ele planejava implantar antes que Jack Frost o derrotasse.

- Pensavamos ter tudo sob controle , e eu também queria guardiões. Doei de um raio meu a uma rainha doente e gêmeos também nasceram, estes seriam os herdeiros do universo.

- Kozmos mentiu a vocês, ele fez  o que fez por vingança e os dividiu em duas dimensões. Kristoff e Rapunzel...

- Mas o que ele não sabia era que eu estava em Rapunzel e que mandei um anjo em forma de rena para cuidar de minha outra criança. Quando José cortou seu cabelo parte de mim ficou presa nela.

- Incapaz de ajuda-la eu abençoei Elsa com seu rosto mas com meus poderes, em busca de algo que eu não... eu não sabia o que estava fazendo. Buscava em Elsa um amor que sentia pelo sol, um erro meu. Mas Kozmos observava tudo, por isso atormentou Elsa desde seu nascimento.

- Quando Jack Frost restaurou os poderes de Rapunzel com a flor que Tsar lhe proveu eu voltei a consciência. E quando ela se foi eu... eu fiquei livre.

- Vocês todos tiveram papéis importantes e como eu mesmo disse, vocês são meus favoritos meus escolhidos. Mas não queremos que amaldiçoem a memória de Kozmos. Talvez a de Pitch Black mas jamais a de Kozmos.

- José. – eu chamei. Ele deu dois passos para frente me entregando a rosa negra que roubou do coração de Kozmos. Arranquei de meu pescoço o galho negro que um dia ele me presenteou em nossa adolescência quando meros astros. As juntei , as peças brilharam em êxtase se formando um cajado. – Aqui esta reservada a regência da escuridão, esta eu entregarei a Tsar até que tudo se ajeite, até que enfim... possamos escolher nossos precursores. - Entreguei-o nas mãos de Tsar. – Em seu último suspiro Kozmos, o verdadeiro Kozmos, aquele que se escondia atrás da escuridão que o dominou se arrependeu. Perdemos um irmão mas salvamos este lugar e poupamos o universo e Kozmos de si mesmo. Peço que possam nos perdoar, nós três, eu por um dia ter quebrado as leis naturais , por termos isolado Kozmos e criado um monstro. E Kozmos por ceder a maldade na rosa negra que ele mesmo implantou em seu peito.

Os Guardiões baixaram a cabeça cansados e deram as mãos. Me virei para Hans, o rapaz ruivo que me lembrava tanto de meu segundo amor. Ele entendeu e correu castelo acima buscando o corpo de Rapunzel que repousava no quarto mais alto da mais alta torre.

Quando voltou, Kristoff correu em sua direção com ódio em seu olhar.

- Não, meu filho. – eu parei em seu caminho. – Aguarde.

Hans dispôs o corpo pálido de minha filha na mesa.

- José. – com um dedo cortei um pedaço de meu cabelo dourado. Ele o pegou tremendo e o observou brilhar. – Como eu disse parte dela sempre estará em mim. Quando me fui Rapunzel também veio.

O seu olhar brilhou, os Guardiões se levantaram inquietos.

“Você é seu verdadeiro amor, meu querido ladrão.” eu sussurrei em sua mente. “ Acorde-a.”

José colocou o fio brilhante entre os lábios e se aproximou devagar da mesa. Sem hesitação ele a beijou devagar. Uma luz foi emitida, seu cabelos começaram a brilhar assim como os meus  e de Kristoff.

Ela então acordou.

Gritando.

A garota dos olhos esmeraldas.

Abri os devagar, senti o calor e pensei estar em minha cama em Corona. Uma névoa densa dispersou minha visão e eu me lembrei , caindo em direção ao chão eu gritava. O terror tomou conta de meu peito.

- Não !- berrei. Eu ainda via tudo embaçado, me virei e vi uma mulher enorme de cabelos dourados como um reflexo. Ela sorriu quente antes de desaparecer. A sala então ganhou mais cores, todos os meus amigos correram em minha volta. Respirei fundo, José estava la!

- Rapunzel! – ele gritou me abraçando, lágrimas escorreram por seu rosto. Envolvi meus braços em seu pescoço.

-José! – tateei os dedos em sua bochecha. – Como você...

Antes que pudesse continuar braços iam me agarrando me abraçando em desespero. Todos choravam de alivio.

- O que aconteceu?- eu sussurrei. Jack abaixou os olhos, todos pareciam cansados.

- Derrotamos Pitch, o homem na lua e ... a mulher no sol. – ele sorriu consigo. – Nos ajudaram. O pesadelo acabou Rapunzel, você voltou.

- Não sinto como se tivesse ido a nenhum lugar. – sorri. – Fico triste que não pude ajudar. – uma onda de culpa pesou em minha cabeça.

- Você ajudou. – disse Merida. – Você estava lá o tempo todo...junto com ela.

- Explicaremos tudo depois. – Soluço colocou a mão em meu ombro, as sardas vivas o olhar saudável e nenhuma asa em vista. Ele segurava a mão de Merida com a outra mão,ternamente.

- O que faremos agora? – perguntei. – Agora que tudo acabou...

Anna se dispôs a falar.

- Celebraremos, esta noite. – ela abriu um enorme sorriso. – Uma festa para os guardiões!

- Uma festa para os astros. – Jack sorriu. – E como eles um dia salvaram nossas vidas.

O menino de cabelos brancos.

A festa foi quente, como o sol. Todos sorriam, alguns de alivio, alguns com certo cansaço. Elsa e Anna mandaram que servissem mais de vinte pratos típicos de Arendelle, era demais até mesmo para Merida. Ainda assim, todos estavam famintos depois de tantos dias sem nada a vista .Tudo começou feliz, Rapunzel aproveitou seu tempo com José e Kristoff e Anna, certa situação que eu adorei evitar. Merida e Soluço deitaram em um sofá na enorme janela do salão e namoraram quase que toda a noite.  Olaf e Sven... bem, digamos que não conseguiram ficar muito tempo acordados. Senti falta de Hans, mas imaginei que ele também tivesse coisas para esclarecer a si mesmo.

Elsa ainda parecia apreensiva, permiti-me permanecer a seu lado. Sendo bom e cuidadoso, sabia que em mim, assim como nela e em todos, crescia um medo. O medo da partida e da separação. Não imaginava quanta dor Rapunzel sentiria de se separar de seu irmão, ou quem sabe de Merida voltar a sua vida sem Soluço, agora que casados. Certamente algo podia ser feito, éramos todos guardiões agora, podíamos ter regalias não é?

- O que te perturba? – sussurrei a Elsa mesmo prometendo que não o faria. Sua cabeça repousava em meu ombro perto da lareira. Mesmo não sentindo frio, eu pensei que seria adoravelmente irônico que usássemos um cobertor só, talvez fingir que eu não estivesse morto e que ela não houvesse matado ninguém.

- Pensará que estou sendo egocêntrica. – ela deu um risinho.

- Jamais. – respondi olhando em seus olhos.

- Bem. – ela suspirou, um ar gelado ecoando no ar. – Agora que Pitch... Kozmos se foi... As vozes se foram. Algo a mais... não sei. Estou me sentindo um pouco sozinha e... – lágrimas brotaram sob seus cílios. – Você irá embora.

- Isto não é egocêntrico... meu amor. – engoli em seco, jamais havia chamado alguém assim, embora tenha a chamado de coisas bem mais melosas quando presos naquele penhasco. – Daremos um jeito. Sempre... sempre há Portais.

- Portais. – ela sorriu. – O que seria de mim sem eles.

- De todos nós. – respondi. Olhei em volta, Merida dormia junto a Soluço na sacada, Rapunzel nos braços de José e Anna nos de Kristoff no meio do tapete. Paz, foi tudo que senti. – De todos nós.

______

Amanheceu com sol, um milagre para Arendelle era o que todos diziam. A Rainha recebeu algumas visitas, certificações de que tudo estava bem de agora em diante. Enquanto ela, cansada ouvia tanta baboseira de Duques e líderes do povo, eu tirei o dia para fazer o que aspirava desde que toda aquela baboseira havia começado. Tirei o dia para me divertir. Brincar com crianças - que me viam -  congelar lagos e observar casais – que no caso não me viam – além de relaxar sob o galho de uma arvore e apreciar de verdade, a gratidão para com o Homem na Lua e seu séquito. Enquanto deitado  e inspirando fundo o doce cheiro de amêndoas da cidade, um portal se abriu, brilhante e devastador. Não tão alarmado quando ficaria um dia antes eu desci da arvore esperando por meu velho amigo. Santa saiu, contente e rosado. Sem uma palavra ele me abraçou, satisfeito enfim. Eu não seria capaz de negar que trazer orgulho a ele era um de meus maiores interesses naquele momento.

- Jack, você conseguiu. – ele disse emocionado, manchando as tatuagens com lágrimas.

- Suponho que sim. – dei de ombros.

- Você... Meu Deus ele me contou tudo. Kozmos eu não sabia... e aquela Mulher Dourada eu também...

- Tudo bem. Tudo bem, Papai Noel.- gargalhei me soltando de seus braços. – Eu sei, tudo está em paz... por enquanto. Isto é suficiente para mim agora. Eu poderia apreciar umas férias sabe.

- Não foi só para isso que eu vim. - Ele esfregou o rosto na capa. – Vim lhe perguntar, se irá ficar... Os portais estão a agora na disposição de vocês. Podem escolher sua morada entre as dimensões até que ele os convoque novamente, mas eu... – as lágrimas reapareceram. – Nós. Toothiana e Aster e Sanderson! Todos nós desejamos que você permaneça conosco, no mundo moderno, com as crianças.

- Pitch esta morto. Não há mais como temer por elas. – murmurei.

- Eu sei é só que... Bem. Eu precisava tentar, eu amei na minha juventude também. – Santa balançou as mãos encerrando o assunto. -  Sei como deve estar se sentindo. Tome seu tempo e peça que eles também. Rapunzel e Kristoff... a pedido da Mulher Dourada, do Sol, eles devem ser livres para ficarem juntos. Eu serei sua ponte sempre que desejarem se encontrar, avise eles também. Merida e Soluço já tomaram suas decisões eu posso imaginar.

Meu coração palpitou, Rapunzel ficaria tão feliz!

- Soluço mudou tanto, Santa. – eu disse encantado. – Ele está feliz e Merida... ela está... linda.- eu sabia que tal adjetivo quando colocado em cima de tão extraordinária mulher, transcenderia os limites da aparência -  Eles estão casados agora, deve saber também. Mas me preocupo com uma amiga.

- Astrid. – ele concordou com a cabeça. – Se José foi capaz de perdoar Rapunzel, creio que Astrid ficará bem. – ele se virou para ir embora. – Aquele rapaz Hans. – ele gritou ao longe. – Peça que considere seu lugar no universo também. Quem sabe ele não se torna um guardião um dia.

Sorri.

- Não espere que tomemos uma decisão tão cedo! Há Portais especiais que precisam ser acionados na hora certa.

- Mas também há aqueles cuja hora certa... É toda hora.


Notas Finais


Acalma o coração, tá quase no fim.
Comentem o que acharam!! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...