História Portal Creepypasta - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Jeff The Killer, Slender (Slender Man)
Personagens Personagens Originais
Tags Creepypasta
Visualizações 4
Palavras 4.524
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Crossover, Drabble, Drabs, Drama (Tragédia), Droubble, Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Fluffy, Harem, Hentai, Lemon, LGBT, Lírica, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Orange, Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Slash, Sobrenatural, Steampunk, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 32 - Zero - História completa


Fanfic / Fanfiction Portal Creepypasta - Capítulo 32 - Zero - História completa

Uma jovem garota de cabelos tons de caramelo e de olhos verdes se senta em seu jardim. O sol quente refletia em sua pele pálida, e cheia de hematomas. E pensar que essa doce menina havia sido agredida de forma brutal por uns valentões poucas horas antes...

 

Seu nome era Alice. Ela era do estereotipo “garota inteligente”, porém não tinha muitos amigos. Em razão disso e por viver sozinha na maior parte do seu tempo, Alice passou a criar seus próprios amigos (Sim, amigos imaginários). Ela havia criado tantos desses amigos que passou a nomeá-los em números para não se perder, porém, de todos eles, somente um se destacou mais: Seu nome era Zero. Ela foi a primeira amiga imaginária de Alice, criada para protege-la de todos os valentões que pegavam no seu pé. Sempre que eles iam provoca-la de forma verbal ou física, Zero estava lá para cuidar deles. Elas eram melhores amigas e costumavam passar o dia juntas, contando histórias, piadas e até tirando sarro do vizinho de Alice, que a supervisionava quando seus pais viajavam à negócios. A vida de Alice não era tão solitária... pelo menos até aquele dia.

 

Alice estava sentada na grama macia observando rua à baixo, quando de repente sentiu uma sensação estranha, um impulso. Algo em sua mente estava dizendo-lhe para ir até o outro lado da rua. Quando a ideia subiu sua cabeça, ela rapidamente saltou em direção a pequena rua do bairro. Seus pés descalços atingiram o asfalto quente, observando atentamente cada passo que dava ao fazer o cruzamento.

 

De repente surge um caminhão branco vindo em sua direção. Com os olhos cheios de horror, ela estava pronta para sofrer o impacto após seu corpo paralisar e entrar em estado de choque. O estridente barulho de borracha contra o asfalto fez o veículo girar diante de Alice caindo em direção a grande colina em frente à sua casa. Podia-se ouvir o rangido do metal e o grito de uma mulher conforme o veículo girava em direção à base de uma grande árvore.

 

Logo, o veículo desmanchado explodiu em chamas, fazendo se erguer uma fumaça que ia além das copas das árvores. Os olhos brilhantes de Alice observavam a tragédia enquanto a porta do motorista se abria lentamente, da qual saía um homem arrastando-se desesperadamente enquanto agarrava o chão da floresta. Era o pai de Alice... ele olhou colina acima para sua amada filha, ensanguentado em meio as chamas vermelhas brilhantes. Ele gritou, mas não conseguia se mover, sua perna estava presa entre o volante e o metal... dor fluindo através de seu corpo antes de seus gritos serem silenciados e ele parar de se abater. Enquanto as chamas vermelhas consumiam a cena, ela pode ver alguém no banco do passageiro... era sua amada querida mãe, queimando até a morte em meio as chamas. Alice caiu de joelhos. Lágrimas quentes escorriam através de suas bochechas enquanto o nariz escorria até o queixo.

 

“ MAMÃE! PAPAI! ” Ela gritou, testemunhando tudo em detalhes horríveis. Dor e tristeza tomaram conta de seu corpo enquanto as cenas se repetiam absurdamente em sua mente. Seus pais cobertos pelo sangue rubro e chamas vermelhas foi a última lembrança que Alice teve naquele dia quente de verão.

 

Após o acidente dos seus pais, o vizinho de Alice, Sr. Rogers ficou encarregado de tomar conta dela. Ela o odiava, ele era um homem desprezível, bêbado e gordo que passava quase cada minuto de seus dias embriagado. Mas ela o odiava ainda mais por ele não ter olhado ela aquele dia, por causa dele... que ela matou seus pais. E infelizmente não havia mais ninguém, nem família nem amigos. Ela tinha sido deixada sozinha, a miséria de ser sua única companheira.

 

Anos mais tarde, a menina de cabelos morenos-luz encontrava-se sentada na aula de história, enquanto rabiscava pequenos esboços das pessoas em seu caderno de desenho. Conforme ia desenhando o cabelo de alguém, algo violentamente a fez perder a concentração.  Uma mão enrugada cobrindo uma espécie de quis com um grande zero por cima de seu trabalho.

 

“Alice, eu sugiro que você realmente comece a prestar atenção na minha aula. Você não precisa de outro zero. ” Disse a ‘velha enrugada’, professora de história de Alice.

 

De repente Alice sentiu sua cabeça doer. Algo sobre o que a professora acabou de dizer... a incomodou, porém ela não sabia o que era.

 

“S-sim senhora Kirsty. ” Disse Alice sem manter contato visual.

 

Alice ajeitou-se na mesa, pretendendo (ou fingindo) prestar atenção na aula, mas sua cabeça começou a perturbá-la ainda mais até fazê-la sentir como se estivesse ficando doente. Ela então pediu para ser dispensada, e correu em direção ao banheiro. Chegando lá, Alice jogou agua fria em seu rosto ardente olhando para o espelho, mas saltou rapidamente para trás após presenciar o seu reflexo... ele havia feito seu coração palpitar, ela jurava que tinha se visto... piscar.

 

Mas não parou por aí. Horas mais tarde, Alice estava na aula de artes, observando de seus colegas trabalharem em seus projetos quando sua mão escorregou em direção à lâmina da tesoura, provocando um corte profundo que fez jorrar sangue por cima de seu trabalho. Mas ela não sentiu nada. Ela foi levada imediatamente a enfermaria antes de perceber que seu professor à olhava com os olhos arregalados.

 

Ela retornou a classe tentando tapar seu rosto, mas antes de se sentar, seu corpo gelou. Haviam círculos vermelhos cobrindo seu trabalho e sua mesa. Aquilo fez Alice tremer e logo que o sinal tocou, ela correu em direção ao saguão. Antes de sair do colégio, Alice foi abordada por um sorriso familiar.

 

“ Olá Alice! E bem-vinda ao País das Maravilhas! ” Disse a menina loura de olhos castanhos, jogando seus braços para cima, apontando então para a rua toda como se fosse uma surpresa.

 

“ Ann.. Você não pode. ” Respondeu Alice um pouco irritada.

 

“ Ah vamos, anime-se! Aliás, vai fazer a lição de casa? ” Ann disse enquanto apoiava as mãos atrás da cabeça, tentando pegar flocos de neve com sua língua rósea.

 

“ Você tem que fazer sua própria lição, você sabe. Eu não vou ficar aqui para sempre. ”

 

“ Sim, você vai, porque eu não vou deixar você ir embora. “ Disse Ann jogando o braço entorno do ombro de Alice enquanto desciam a fria estrada de inverno.

 

As duas seguiram caminho zoando e jogando conversa fora até chegarem à casa de Ann. Após se despedirem, Alice seguiu caminho pela floresta. Ela adorava fazer aquele percurso. O brilho do sol amarelo refletia no chão branco, fazendo reluzir o ambiente em razão do gelo. As sombras finas das árvores desfolhadas davam o toque final a paisagem. A única coisa que a incomodava era aquilo significar que ela estava voltando aquele lugar horrível que alguns chamavam de casa. Ela abriu a porta rangendo e, lentamente entrou na casa fria. Ela prendeu a respiração e atravessou a sala de estar.

 

“ Aí está você vadiazinha! “ Gritou o homem rude agarrando-a pelo braço.

 

Alice gritou quando ele a empurrou para trás olhando-a diretamente com desgosto. Alice ficou vermelha e sentiu um nó em sua garganta.

 

“ O que é isso? Huh!” Ele disse a puxando enquanto apontava para a cozinha, em direção à um balcão coberto por latas de cerveja e embalagens de comida para micro-ondas.

 

“Merda! Esqueci de limpar de manhã! ” Ela pensou consigo mesmo.

 

“Desculpa! Eu apenas tive que correr pra esco-“ Ela foi silenciada pelo brutal soco do senhor Rogers em seu rosto.

 

“Eu não quero saber de suas desculpas estúpidas! Não deixe que isso aconteça nunca mais, ou você vai se arrepender. Eu juro. ” Disse ele jogando-a no chão de ladrilhos, caminhando de volta para a sala, e jogando seu corpo grande e redondo sobre o sofá empoeirado.

 

Alice se levantou rapidamente, jogando fora o lixo e limpando os balcões em um pânico silenciado. Isso não era incomum, sempre que ela fazia algo errado, ali estava o bêbado irritado para espanca-la, então ela fez o que foi dito e escondeu-se em seu quarto.

 

Ela segurava suas emoções seguida de uma euforia interior, acompanhada de tristeza, confusão e raiva. Era uma sala escura, com as paredes cobertas por seus desenhos favoritos, uma pequena cama no centro e uma cômoda no canto. Era sua única saída, o único lugar que ela podia ser livre, ninguém podia entrar, apenas ela, e mais ninguém.

 

No dia seguinte, ela seguiu pela floresta cheia de neve cortando caminho até a rua do outro lado, seguindo rapidamente pela calçada. Ela não atravessou a rua hoje. Ela apenas caminhou com pressa, seu casaco com capuz preto favorito cobria seu hematoma preto e azulado no rosto. Ela não podia contar para ninguém, quem sabe o que o senhor Rogers faria...

 

“Alice! Hey espera! “ Disse uma voz familiar por atrás.

 

“Hey, Ann. “ Respondeu Alice com uma voz monótona, voltando diante dela.

 

Ann a alcançou, agarrando o ombro de Alice enquanto ela prendia a respiração. Alice virou a cabeça, olhando para a floresta conforme Ann caminhava ao lado dela.

 

“ E esse capuz aí? Vai vender algumas drogas? ”  Ann ri para si mesma.

 

“Não... só... você sabe... frio. ” Alice falou num tom suave.

 

Ann sorriu e arrancou o capuz de Alice, seus olhos se arregalaram.

 

“ Oh meu Deus! O que aconteceu? Você está bem? ” Ann disse inspecionando de perto o olho roxo.

 

“ Sim, sim! Eu estou bem, eu só... escorreguei e bati em cima do balcão” ela disse baixinho enquanto ria nervosamente.

 

Ann olhou para o rosto dela com firmeza. Ela sabia que Alice estava mentindo, algo estava acontecendo.

 

“Hmm, se você diz. Apenas, se você precisar de alguém, só sei que estarei lá para você. ” Ann disse jogando o braço por cima do ombro mostrando confiança.

 

Alice balançou a cabeça conforme as duas meninas seguiam o caminho em direção à escola.

 

O dia continuava, as pessoas a encaravam conforme ela passava por entre elas, algumas até paravam-na perguntando o que havia acontecido, e para todos ela redirecionava apenas uma resposta, “Que foi um acidente”.

 

Foi um dia incomum, geralmente todos a ignoravam sem lhe darem sequer um olhar. Mas ela não gostava de toda a atenção que estava recebendo, então ela usou o capuz durante a maior parte do dia.

 

Depois da escola, ela saiu do edifício, sem esperar sua única amiga. Ela desceu o campus tropeçando nos degraus curtos das escadas curtas, quando viu duas figuras caminharem em direção a ela. Ela olhou para o chão observando o concreto em seus pés. Enquanto caminhava, seus passos são bloqueados por um pé fazendo Alice cair sobre o firme concreto.  Suas mãos e cotovelos a impediram de cair na maior parte, mas seus cadernos e sketchbooks voaram diretamente para frente. Rosto vermelho, cheia de vergonha, ela se contorcia sobre seus joelhos, agarrando seus livros em pânico. Uma explosão de risos ao seu redor fazia-a adquirir um vermelho profundo em seu rosto.

 

“Claro, agora as pessoas me notaram. ” Pensou ela para si mesma.

 

Ao pegar seu último caderno ela sentiu algo atingindo cabeça, líquido marrom saltou em todas as direções, leite com chocolate pingando de sua franja e em seu rosto. Ela congelou, algo puxou o oculto de sua mente. Ela sentiu seu sangue ferver de raiva, até... ela apenas... chegar no limite.

 

Ela largou suas coisas, levantou-se, se virou e correu em direção à uma das figuras que a fizeram tropeçar. Os olhos do garoto maior se abriram em choque quando o punho de Alice acertou seu estômago, atingindo com tudo sua caixa torácica. Ele caiu para trás mostrando extrema dificuldade para respirar, seguido de tosse com... Sangue. Ele sentou-se no concreto abraçando seu estômago quando o joelho dela o atingiu na cabeça.

 

Ele cuspiu mais vermelho quando... Alice agarrou a sua perna, e com o pé, quebrou-a. O alto estalo ecoou contra as paredes de tijolos da escola. Ela posicionou seu braço após a segunda figura vir correndo em direção à ela. Alice se esquivou do soco e bate seu cotovelo nas costas dele, fazendo o corpo dele voar diretamente para o concreto.

 

O garoto menor rapidamente se vira, mas Alice senta-se sobre seu estômago, danificando seu rosto à socos, mais e mais vezes, até se conseguir ver o sangue vertendo do nariz e boca do garoto. Ele tentou lutar para impedi-la, mas estava muito fraco, ele não tinha escolha a não ser apenas receber cada golpe.

 

“ ALICE PARE! “ Ela ouviu alguém gritar, correndo em direção a cena. Ela olhou para cima com a mão posicionada para o próximo soco, mas parou quando viu a expressão horrorizada no rosto de todos, inclusive Ann.

 

Saindo de seu estado de sanidade, ela olhou para as juntas ensanguentadas e rostos mutilados dos garotos.

 

“O que eu fiz! Esta não sou eu, eu não fiz isso! Pelo menos eu não quis! ” Pensou ela enquanto seus olhos se enchiam de lágrimas. Rapidamente ela se levantou, afastando-se de suas duas vítimas e correu para fora da escola em direção à floresta.

 

Adentrando na casa correu diretamente até o banheiro, vasculhando o armário, procurando algo para limpar seus ferimentos. Alice despejou o álcool sobre os cortes e o utilizou para limpar o sangue. Ela observava as pequenas bolhas que saiam da espuma esbranquiçada dentro de cada corte, localizados desde suas mãos à cotovelos. Uma vez que havia enfaixado suas feridas, ela apoiou suas mãos sobre a pia e começou a encarar o espelho.

 

“O que eu acabei de fazer? Eu surtei? Eu já tinha feito isso antes? E se eu tivesse feito?!” Ela sussurrou para si mesma. Perguntas circulavam ao redor de sua cabeça.

 

“ Oh, não... claro que não. Eu só tinha que protegê-la. “ Sua boca respondeu, usando sua própria voz.

 

Alice saltou para trás arregalando os olhos, de rosto pálido. Seu reflexo acabara de falar com ela.

 

“O que? Quem é você?!” Perguntou ela, trêmula.

 

Após uma longa pausa, a voz rouca finalmente falou mais uma vez.

 

“Eu sou sua melhor amiga, não se lembra? ” Seus lábios disseram.

 

Lágrimas corriam sobre suas bochechas quentes. Sua cabeça começou a latejar enquanto ela caia no chão, agarrando sua cabeça, gritando. A voz estava dentro de sua cabeça, gritando a mesma frase mais e mais vezes.

 

“Não se lembra de mim Alice... eu sou sua amiga... sua única amiga...”

 

Durante as semanas seguintes, a voz não retornou. Mas, Alice não era a mesma garota de antes. Ela havia se tornado violenta, se irritava fácil, tinha ataques insanos de riso do nada, e muitas vezes lutava ou roubava dos outros. Era estranho, ela sentiu como se sua mente fosse substituída por outra pessoa. E claro, depois de ser expulsa, ela não tinha escolha senão a de permanecer em seu quarto, sem comer e/ou falar, completamente sem interação.

 

Isso continuou durante muitos meses, até suas enxaquecas piorarem, sua cabeça latejava contra seu crânio até ela gritar e chorar, implorando para que aquilo parasse. Ela não podia ir à um médico ou terapeuta, eles certamente a chamariam de louca e a mandariam para um hospício. Ela não podia deixar isso acontecer.

 

Então, um dia depois de uma determinada explosão de violência ébria do Sr. Rogers que a deixou com cortes nos braços, conforme ela soluçava e batia sua cabeça contra o cômodo, ela começou a sentir-se cada vez mais fraca, até sua visão escurecer.

 

Quando Alice acordou, ela encontrou-se deitada no chão de seu quarto, seus músculos doíam como se tivessem sido dilacerados, apenas para serem lentamente costurados. Ela se levantou, a dor de cabeça havia sumido, porém ela sentia-se extremamente cansada e com fome. Ela desceu as escadas aos tropeços até a cozinha, abrindo a porta da geladeira de maneira violenta. Sem nada, ela estava quase nua. Suspirando, ela vestiu seu capuz, e deslizando em seu converse preto saiu pela porta.

 

Saindo em direção ao mercado mais próximo, uma reportagem chamou sua atenção ao passar em frente à loja de televisores.

 

“Breaking News! Um homem é encontrado morto com marcas violentas de espancamento, ele foi espancado com algum objeto contundente! Mais às 11. ” Disse a repórter morena.

 

Alice continuava seguindo até em casa, o vento frio de outono corria sobre ela, compras de supermercado caídas dos dois lados. Quando ela entrou em casa, não havia nenhum sinal do Sr. Rogers. Aliviada, ela largou as sacolas em cima do balcão da cozinha, pegando sopa enlatada para fazer o jantar. Ela ligou a televisão, lançando no canal de notícias de mais cedo, a mesma mulher morena sentada, segurando os papéis com suas mãos bem cuidadas.

 

“ Homem é encontrado morto por volta das 6:15 da manhã em um corredor na rua Richards. Ele era caucasiano e parecia ter em volta de uns 40 anos, vários de seus membros e até mesmo a cabeça do cadáver estão faltando, o que torna sua identidade desconhecida...” A mulher continuou com detalhes insignificantes.

 

Depois de terminar a sua sopa, ela subiu as escadas. Ela parou quando sentiu o cheiro de algo podre. Ela continuou subindo aos degraus até que ela congelou. A marreta estava no corredor, coberta de sangue. Em pânico, ela correu para o quarto e bateu a porta. Ela estava com dificuldade para respirar, seu coração batendo contra seus ouvidos, até que ela soltou um grito horripilante. Seu quarto estava completamente coberto por círculos desenhados com sangue, da parede ao teto. E em cima de sua cama, estava o crânio ligado a cabeça do Sr. Rogers. Ela correu para fora do quarto, mas tropeçou no cabo do instrumento contundente, lançando-se deitada pelas escadas. Quando ela chegou ao fundo, sua cabeça bateu contra um armário sólido e frio, nocauteando-a.

 

Ela acordou em um quarto escuro, quando ela se levantou e percebeu estar numa sala com centenas de espelhos. Suas reflexões foram projetadas em cada parte do seu ponto de vista, em todos os lugares que olhava, ela podia ver seu rosto doentio e olhos cansados. Seu coração começou a bater forte, onde ela estava?

 

“ Você não está contente? Ele se foi, ele não vai te machucar mais. ” Disse a mesma voz de meses antes.

 

Alice virou-se à procura de onde vinha aquela voz, mas ela só viu seu próprio reflexo patético.

 

“ QUEM É VOCÊ?! EU QUERO RESPOSTAS! “ Ela gritou no limite de seus pulmões.

 

Um riso rachado encheu a sala escura.

 

“ Não se lembra de mim, Alice? Eu sou sua melhor amiga, sua primeira amiga. Sou eu, zero. ” A sala se encheu de silêncio.

 

“Você me imaginou para que eu pudesse protege-la. Mas se você não imaginar eu não posso fazer nada. Então tive que encontrar uma maneira que me deixasse sempre te protegendo. Eu simplesmente sou parte de sua consciência, na verdade, eu sou você. ” A voz sussurrou.

 

“Não! NÃO, NÃO VOCÊ NÃO É! Você não poderia ser... a menos que... você é um demônio?” Alice perguntou com uma voz trêmula.

 

“Não, não, claro que não. Eu sou sua amiga, estou aqui para fazer aquilo que me foi solicitado desde tantos anos atrás. Mas você me ignorou após a morte de seus pais. Eu fiquei muito só, Alice. Mas agora estou ficando mais forte, você não pode me controlar mais, Alice. ” Disse a voz sinistra.

 

Meus pais? Espera, eu lembro! Alice pensou.

 

“ VOCÊ! Você que me mandou ir para a rua! Você me fez matar meus pais! ” Lagrimas escorriam pelo seu rosto ardente.

 

“Porque, sim. Eu tive de fazê-lo, eles não nos deixariam brincar. Então eu não podia protege-la, porque eles o faziam. Então, eles tinham que ir para que eu pudesse fazer meu trabalho. Isso é o que você me mandou fazer depois de tudo, para protegê-la. “

 

Alice parou de gritar, ela se encheu de silêncio. Seu corpo inteiro preenchido de uma raiva incontrolável. Sem aviso, ela passou as mãos nos espelhos, todos, um de cada vez.

 

“Você tirou tudo de mim! Todo mundo se foi. Eu não tenho ninguém! Eu não sou nada! ” Ela gritou enquanto socava continuadamente cada uma das superfícies reflexivas, até as juntas de seus dedos sangrarem.

 

Enquanto ela corria para o próximo espelho, ela tropeçou em alguma coisa. Quando olhou para trás, viu a marreta vermelha envidraçada. Pegando-a, violentamente ela esmagou tudo, vidros voaram ao redor da sala, atingindo Alice em vários lugares. Os cortes foram profundos, mas ela não podia sentir mais nada. Ela estava completamente vazia de qualquer coisa neste momento.

 

Seus olhos se abriram lentamente, sendo invadidos por uma ofuscante luz branca. O piso gelado pressionava contra suas costas doloridas. Alice sentou-se lentamente, viu que estava no banheiro, então apoiou-se sobre o balcão como forma de ajuda para levantar. Quando ela finalmente se levantou, olhou-se no espelho gigante.

 

Depois de permanecer alguns minutos em silêncio, ela finalmente explodiu-se num ataque violento de risos. Um grande sorriso estendia-se por todo seu rosto. Ambos seu cabelo e sua pele tornaram-se inteiramente brancos, com grandes círculos negros rodeando seus olhos, que contornavam das sobrancelhas às bochechas.

 

“HAHAHA! Agora estou melhor que antes! Eu finalmente sinto a mim própria! ” Ela disse.

 

“ Por favor... me deixe em paz...” Disseram os lábios anteriormente pertencentes a Alice.

 

“Eu tenho... por tempo demais. ” Zero respondeu.

 

Alice não respondeu, ela se foi.

 

“ HA! Eu pareço ter um aspecto de esqueleto, mas não completamente! “ Ela disse admirando sua pele branca.

 

Ela saiu do banheiro, descendo para a sala, agarrando algumas tesouras, agulhas e caminhou. Quando ela entrou no banheiro de novo, ela largou o material e sorriu para o espelho.

 

“Um esqueleto precisa ter seus dentes. ” Ela disse enquanto corria a tesoura afiada em seu rosto, havia sangue jorrando para baixo do queixo. A lâmina beliscava os músculos e os nervos de sua carne em cada lado do rosto. O líquido vermelho continuava a derramar. Após a finalização dos dois grandes cortes em seu rosto, que iam de orelha a orelha, ela pegou a agulha e começou a costurar seu rosto num padrão vertical com a aparência de linhas para frente, apenas sua boca estava livre de seu comando.

 

Sangue jorrava pelos buracos de suas feridas abertas. Ela fez uma careta ao vê-la, conforme inclinava a cabeça.

 

“Ugh, vermelho, eu odeio essa cor. Lembra Alice, o sangue escorrendo do couro cabeludo de seu pai, e as chamas vermelhas que consumiram sua mãe. Foram as últimas cores que vi antes de você me trancar. Melhor não serem lembradas. ” Ela disse conforme se abaixava ao chão mergulhando seu dedo indicador na agua sanitária.

 

Ela se levantou e inclino a cabeça para trás, levantando o dedo acima de seu olho, deixando cair o líquido em cada olho. Eles começaram a arder e depois e queimar como se estivessem em chamas, e ela não conseguia ver nada por um momento. Quando sua visão voltou, o líquido carmesim havia se transformado num sangue negro profundo. Ao olhar em volta, ela viu tudo ou em um preto profundo, branco ofuscante ou um cinza desbotado. Ela não tinha como ver aquela cor horrível novamente.

 

Terminado seu trabalho, ela saiu para o corredor quando ouviu o telefone. Caminhou até o quarto de Alice, e atendeu.

 

“Olá? ” Ela disse num tom malicioso.

 

“Alice? Oh meu Deus, você está bem! Eu não te vi a meses, eu sempre estive tentando entrar em contato com você! ” Ann falou em pânico.

 

“Eu estou bem, ótima na verdade. ” Zero riu.

 

“Que bom! Você poderia vir aqui? Eu tenho algo para você! ” Ann disse entusiasmada.

 

“Hehe, sim. Eu vou para aí. ” Zero respondeu, rapidamente desligando depois.

 

Zero largou um sorriso que esticou a pele realizada pela linha. Ela saiu rapidamente da sala, pegando a marreta e correndo para a floresta de outono.

 

Ela surgiu no outro lado, subindo a rua vazia. A ferramenta suja era arrastada atrás dela, moendo-se contra o concreto. Ela riu para si mesma enquanto se aproximava da casa. A luz na cozinha permanecia ligada, mas o carro não estava lá. A sombra de Ann refletiu pela pequena janela iluminada.

 

Zero, ficando impaciente, subiu os degraus e, lentamente, abriu na porta de carvalho.

 

“Logo estarei aí, Alice! Cara, você vai amar seu presente! ” Ann gritou do outro quarto.

 

Quando Ann abriu a porta, seu sorriso desapareceu rapidamente. No lugar do que já foi sua amiga, estava presente um monstro branco. O silencio encheu a casa por vários minutos antes de Ann correr para a sala de estar. Antes que Ann tivesse a chance de escapar, Zero agarrou-a pelo braço e a jogou contra o chão de madeira.

 

“Alice! O que está fazendo?! ” Ann grita.

 

Zero rapidamente caminhou em direção dela, colocando o pé em seu braço... e divido-o ao meio. Seus gritos preencheram a casa toda, sacudindo-se contra as paredes.

 

“HA! Alice está muito longe... e ela não vai voltar. Quanto ao porquê? Bem... não se pode ter um zero à esquerda. ” Zero riu enquanto erguia o martelo acima de sua cabeça.

 

Com toda a sua força, o martelo atingiu o crânio de Ann, borrifando sangue negro sobre as paredes e o chão. Sem hesitar, ela puxou sua marreta e sacudiu-o a preço de remover partes penduradas do cérebro de Ann. O cadáver de Ann ficou ao leigo, com suas macias entranhas completamente expostas. Com um sorriso, Zero saiu e voltou com um grande cutelo.

 

“Hm, vamos ver o que podemos fazer com isso. “ Ela disse virando o corpo sem vida de Ann de bruços.

 

Zero pegou a faca, e atravessou o corpo de Ann com uma linha, tanto nas pernas quanto nos braços e costas. Ela lentamente abriu os cortes. Músculos e tendões se dividiam e estalavam derramando mais líquido escuro. Após repetir o processo no que faltava, ela cravou as mãos nas costas do cadáver, segurando a caixa torácica. Ela puxou e puxou, finalmente, arrancou ambos coluna vertebral e caixa torácica. Rindo, ela os colocou ao lado do corpo de Ann, seguido dos braços e as pernas. Estava tudo na ordem certa, o esqueleto de Ann colocado ao lado da carne, a única coisa que faltava era a cabeça.

 

“Hmm... seu crânio está muito danificado, vai ser um incomodo para tirar toda a pele. Então... já sei! ”

 

Zero mergulhou a mão na piscina de sangue negro e desenhou um zero no lugar da cabeça no esqueleto.

 

“Perfeito! Agora você está igual a mim! Um esqueleto solitário... oh, o que é isso? “ Algo além do corpo chamou sua atenção.

 

Uma caixa com uma fita branca na parte superior, com uma tag escrita “Para Alice”. Ela arrancou a tampa e viu um lenço preto e branco em seu interior.

 

“Ora, muito obrigado Ann! Você sabe que eu odeio cores. ” Ela disse enquanto balançava o lenço em volta do pescoço.

 

Luzes vermelhas e azuis começaram a encher a sala escura através da janela da frente.

 

“Bem, isso foi divertido, Ann. E agora que você se foi, finalmente temos zero. “ Disse a assassina de face branca enquanto corria porta a fora em direção ao arvoredo sombrio.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...