História Portal para a Humana - Capítulo 5


Escrita por: ~

Visualizações 347
Palavras 2.037
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Magia, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu sei
Eu sei
PAREM DE ME XINGAR! ;_;
HSDHSAHDKHSK te amo vocês <3

Eu sei que eu havia prometido capítulo a muitos anos atrás, porém, minha mãe tinha trabalho da faculdade para fazer e eu só consigo usar o computador para escrever; Tive teste e estou me preparando para feira cultural na minha escola, se não for incomodo, podem me desejar boa sorte? :'3; E eu estava só tendo tempo para panfletar a minha pessoa, porque nós precisa de leitores né gente?
Aliás, eu criei uma meta de 400 seguidores até o final do ano, mas nas notas finais eu explico melhor <3

Peço desculpas qualquer erro e boa leitura ^-^

Capítulo 5 - Você Existe


Jimin leva os óculos da menina até seu rosto, a mesma sentiu o objeto lhe tocar, pegou-o e agradeceu. Limpou alguns resquícios de gotas de água como os dedos mesmo, não fazendo muita diferença já que estava molhada também, então xingou baixinho e colocou em seu rosto piscando algumas vezes até encontrou a face do jovem príncipe.

Seu rosto se esquentou, assim como todo seu corpo, mas não conseguia desconectar seu olhar com o do estranho a sua frente. Seu coração se esquentou e bateu forte, ela não poderia negar que a beleza do rapaz a sua frente era quase inacreditável e vê-lo o molhado daquela forma o deixava completamente sexy, por isso não conseguiu controlar seus hormônios e acabou por sentir um aperto e calor no meio de suas pernas. Até que seus olhos acabam por se guiarem sozinhos e foram parar no peitoral pouco musculoso do rapaz que percebia olhar da jovem sobre si, o que inflou seu ego não resistindo em sorrir de lado. Ele estava adorando aquilo.

Ainda estavam no lago e a consciência de Vicórevan volta à tona.

-- A-Ah, obrigada p-por tudo, m-mas pode me colocar n-no píer de volta?

-- Hum, vou pensar. – Diz ele com um sorriso divertido nos lábios, porém isso deixou a jovem nervosa.

-- É sério, me põem de volta!

-- Gosto de ter você nos meus braços.

-- Ora s-seu... pervet... – Num piscar de olhos, Vicórevan voltou a afundar novamente, pois tinha empurrado o jovem tritão. Imediatamente o príncipe voltou a afundar também e pegou a menina em seus braços vendo a mesma tossir para expulsar a água dos pulmões.

-- Não faça isso de novo! – Jimin segura dessa vez com mais um pouco de força o pequeno corpo da garota.

-- E quem você pensa que é?

-- O tritão que te salvou, por sinal, de nada. – Ela solta uma risada irônica.

-- T-Tritão? O-O que? V-Você é louco! Me solte! – Dito e Feito.

Jimin revirou os olhos e logo chegou perto do píer colocando a garota na ponta da mesma, apesar que este ato foi estranho para Vicórevan, aliás o rapaz poderia subir com ela, mas ao invés disso, ele permaneceu na água.

-- Quem é você? N-Nunca te vi aqui! – Ela começa com uma voz autoritária. Bem que os outros diziam que ela lembrava o pai.

-- Hum... e faz diferença eu contar? – Jimin se afasta um pouco, mas também não tirava o sorrisinho travesso dos lábios bem vermelhos e chamativos. Coisa que irritava e encantava Vicórevan.

-- Faz, porque assim eu vou saber quem você é. – A mesma diz como se fosse óbvio. Enquanto esperava resposta do homem a sua frente, a mesma leva os fios encharcados na frente do ombro direito para enxugar.

-- Você é bravinha. – Diz Jimin, faz um biquinho semicerrando os olhos fingindo indignação. Bem fofo. -- Gosto disso...

-- C-Cala a boca! – As bochechas da garota se tornaram vermelhas, coisa que não passou despercebida por Jimin que achou uma graça. Ela bufa e volta a enxugar mais uma vez os fios. -- Aliás, saia daí se não vai pegar um resfriado.

-- O que é isso? – Jimin entorta sua cabeça para o lado. Ele nunca ouviu essa palavra na vida.

-- Isso o que?

-- Res não sei o que... – Ele dá de ombros. Vicórevan cria rugas na testa com a cara de desentendimento exagerado de sua parte.

-- Para de brincar comigo e saia logo daí! – A menina diz mais brava que antes.

-- Me diga o que é. – Surpreendendo não só a garota, mas a si também, Jimin pula rapidamente da água, ficando bem próximo de seu rosto. O mesmo se segurava no píer,  colocando as mãos apoiadas uma a cada lado do lado da perna da garota.

Jimin estava perdendo o controle de todos os seus movimentos, era como se o coração o controlasse. Aliás, os corações de ambos estavam bem acelerados, quase batendo no mesmo ritmo, aquecendo os dois corpos ali. Jimin, não entendia por que estava reagindo dessa forma, não entendia mais ainda o porquê ter que ser ela. Uma humana! Poderia ser qualquer sereia, mas seu coração queria ver a humana, ficar perto dela, pertencer apenas dela. Porém, esses pensamentos são repreendidos pelo jovem príncipe. Tudo bem se divertir com a garota, mas se apaixonar, casar com ela, nunca!

-- É-É-É u-um... u-uma doença... – Vicórevan engole um seco e sabia que suas bochechas ganhavam uma quentura maior.

-- E... é... fatal? – Cada palavra proferida de seus lábios era mais alguns milímetros chegando cada vez mais perto dos lábios da menina a sua frente que parecia que enfartaria a qualquer momento.

-- Por f-favor... preciso de espaço... – Jimin, respeitando a garota, se afastou da mesma, voltando para a água. Ria mentalmente dela e perguntava a si mesmo o quão estranha ela era. Ainda não tinha visto a cauda em seu corpo? -- E não, não é fatal. Vai me dizer que nunca pegou?

-- Entendi. – Apenas disse, ficando sério agora e analisando todo o rosto da menina que ficava cada vez mais sem graça.

-- Menino, o que foi hein? Por que não sai daí?

-- Eu até saíria... se eu tivesse pernas... – Ele sussurrou, quase inaudível para a humana que revirou os olhos.

-- O-O que você está falando? – Já estava perdendo a paciência com o príncipe. Não entendia nada do que estava acontecendo.

-- Disso! – Jimin, sem nenhuma cerimônia, mostra a sua cauda que estava numa mistura estranha de vermelho com rosa, como água e óleo juntas sem se misturar de verdade, mas dava um efeito muito bonito. Jimin olha para a mesma com uma sobrancelha levantada, pois sua cauda nunca havia ficado daquele jeito.

-- O-O-O-O-O-O-O-O-O... q-que diabos é isso? – Claramente, Vicórevan estava assustada com o que estava vendo.

-- Uma calda. Linda, não é? Mas se quer tanto que eu saia... – Jimin sobe em cima do píer e quando se sentou ao lado de Vicórevan ainda mantendo sua cauda na água, sacode a cabeça na intenção de expulsar a água em excesso em seu cabelo molhando um pouco a menina. -- saí.

-- V-V-V-Você... o-o que... caramba, eu tô toda arrepiada! I-I-Isso é... – Ela para e coloca uma mão na boca, ainda não acreditando na criatura a sua frente.

-- Sou um sonho? Oh, que fofa, obrigado!

-- Cala a boca!

-- Não posso tirar a minha calda do toque da água, senão eu seco. – O tritão chega mais perto da garota e sorria travesso com isso.

-- Não chegue perto.

-- Oras, não é como se eu fosse um monstro e fosse te comer.

-- M-Mas...

-- Só se você permitir. – Não acreditando no que ouviu, empurrou o tritão que caiu para trás, batendo as costas naquela madeira, mas logo voltou para o lugar com uma cara nada agradável. Vicórevan já estava vermelha tanto de raiva, tanto de vergonha.

-- Não entende quando as pessoas te mandam calar a boca?

-- Na verdade, ninguém manda em mim a não ser meu pai.

-- Você é.... uma sereia, tipo, sereia macho? – Jimin bufa com o que a menina dissera.

-- Humanos são todos iguais. Eu já disse... sou um tritão... e você é uma humana muito estranha. – Diz com convicção. Mesmo não conhecendo a humana de verdade...

-- Por que? Espera.... Isso é tão surreal! Da onde você veio? Você conversa com os peixes? Oh! Você nada no seu próprio xixi? Como é um acasalamento entre um tritão e uma sereia? Uh, vocês vivem em bando ou solitários? Vo... – A menina estava eufórica demais, mas tanto falatório irritava Jimin. Então ele colocou sua mão na boca da menina, aproveitando a sensação dos lábios macios e sedosos que ela tinha.

-- Fica quieta!

-- Quem você pensa que é?

-- Park Jimin, príncipe dos mares e oceanos da Coréia. Aliás, não falo com peixes, se eu nado no meu próprio xixi ou não, a resposta é óbvia pelo gosto da água do oceano. Por que quer saber como é um acasalamento?

-- Hum... curiosidade?

-- Quer que eu te mostre? – Mais uma vez Jimin estava perto demais.

-- Ora, seu...! – Antes que ela pudesse dizer mais alguma coisa, sentiu os lábios de Park nos seus e pode experimentar um gosto salgado da água com a boca doce de Jimin, sentiu arrepiada com a experiência que jurava para si mesma já ter sentido antes de algum lugar. Como um deja vú! Foi apenas um selinho, que demorou alguns segundos e foram muito bem aproveitados pelo tritão. -- POR QUE FEZ ISSO? M-MEU... AAAAAH!

-- Pare de berrar! Não é como se você nunca foi beijada por mim. – Quando menos percebeu, o príncipe estava de volta a água.

-- Como a-assim? E-Eu... conheço você? – Ela pergunta curiosa, levantando uma sombrancelha.

-- Não, não conhece... mas já me viu várias vezes na sua vida.

-- E-Eu... não entendi. MAS ISSO AINDA É IRADO! VOCÊ VAI SER MEU RATINHO DE PESQUISA! – Mais uma vez a menina fica eufórica, se esquecendo do que acabara de acontecer.

-- O que?

-- Vou fazer pesquisas de você e... espera... se você mora na Coréia... quer dizer que você está de passagem aqui? Espera, como você veio parar aqui?

-- Muitas perguntas em apenas um dia..., mas eu responderei todas. – Jimin e Vicórevan conversaram bastante. Jimin contou tudo... quase tudo. Contou do momento que estava de visita e como veio parar ali na humana.

-- Nossa... meu cérebro está explodindo.

-- Não parece... – Jimin entorta sua cabeça mais uma vez para ao lado. Um ato bem fofo aos olhos de Vicórevan.

-- Foi apenas força de expressão.

-- E o que seria isso?

-- Deixa para lá. – Ela tenta mudar de assunto. -- Eu sinto muito pelo o que você está passando. Deve ser chato ter um casamento planejado.

-- Não é chato, é a coisa mais horrível de todos os mares!

-- Enfim... Bom, eu ainda não acredito no que estou vendo. – Ela sorri contente. Sempre gostou de ler de histórias, livros de ciências, mitologia ou mitologia grega assim como amava fazer pesquisas e experiências, bom, ainda ama. -- Me diga também, como você me conhece?

-- Oh, querida, chega de perguntas, estou cansado... – Jimin joga algumas gotas de água no rosto da menina que xingou ele baixinho o fazendo rir com sua cara brava.

-- Não fez nada até agora, seu preguiçoso... e eu nem te dei confiança!

-- Estou te ouvindo e respondendo suas perguntas tolas, isso me cansa.

-- Ora seu...! – Vicórevan cruza os braços e vira o rosto pelo lado ao contrário. Brecha perfeita para Jimin surgir como um relâmpago e beijar a bochecha da garota. -- DÁ PARA PARAR? EU NEM TE CONHEÇO SEU... PERVETIDO!

-- Você era menos chata quando ainda era apenas um bebê...

-- Me conheceu desde de bebê? – Ele assentiu com a cabeça sorrindo com a lembrança da menina. Quase não mudou nada. -- Então como meus pais nun...

-- Seus pais não sabem e nem precisam saber! – Vicórevan dá um pulinho de susto com o berro que o Jimin.

-- P-Por que?

-- Humana... você não pode contar a ninguém que me viu ou que eu existo. – Jimin sacode a cabeça como quisesse espantar um pensamento e dessa vez sussurra. 

-- Mas, por que?

-- Por que se descobrirem, vão matar todos os meus súditos e muito mais!

-- Por que fariam isso?

-- Por que não pergunta ao seu pai?

-- O que ele tem haver com... – Mais uma vez é interrompida pelo príncipe.

-- Ele saberá o que dizer.

-- Eu não estou entendendo nada... e aliás, meu nome não é humana, é Vicórevan!

-- Nome estranho para humana estranha. – Ele ri coçando a nuca.

-- Você que não existe!

-- Se eu não existo, como eu estou aqui na sua frente?

-- Eu posso ter desmaiado... – Ela sussurra, olhando para todos os lugares, menos para Jimin.

Isso era muito estranho para si. Irreal demais. Não era possível, era?

Mesmo Jimin admirando a beleza da humana a sua frente, bateu-se em si uma preocupação, aliás, por que sua calda estava daquele jeito? Ele teria que voltar rápido para saber melhor com o Joshuwa.


Notas Finais


Bem, o que acharam? Comentários e Favoritos me incentivam muito a continuar aqui, publicando a vocês, meu amores. Por sinal, meu leitores tem um nome... olá meus Pokherzitos <3 hdushguihduisa gostaram? Não ;-;? Mas eu não vou mudar mais não :')

~>Sobre os 400 seguidores até o final do ano: Na minha antiga conta eu não tinha essa escrita que tenho hoje, minhas capas eram feias e eu tinha muita vergonha de mim, do meu perfil e sempre achava estar atrapalhando alguém. Mas com esse eu me sinto mais confiante e seria ótimo ter mais gente como vocês me apoiando e reconhecendo meu trabalho que é muito. Se vocês soubessem o quanto isso sobrecarrega nós autoras. Vocês são a prova disso! Sério, se eu pudesse eu beijava cada um sbhhdgbsahygd <3
Então, se puderem panfletar as minhas fanfics ou o meu perfil eu vou estar extremamente agradecida. ^3^

Obrigada pela atenção!

Me siga: @Xeque_Mate

Minhas outras fanfics:

Portal para a Humana ~> https://spiritfanfics.com/historia/portal-para-a-humana-10161272
Meu rabinho, Mommy! (Imagine Jimin - Especial do aniversário)~>https://spiritfanfics.com/historia/meu-rabinho-mommy-imagine-jimin--bts-10623415
O Prostituto (Imagine V)~>https://spiritfanfics.com/historia/o-prostituto-imagine-v--bts-10561689

Beijihos bebês <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...