História Portugal - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Hetalia: Axis Powers
Personagens Alemanha, América (Estados Unidos da América), Espanha, França, Hungria, Império Romano, Inglaterra, Itália do Norte "Veneziano", Noruega, Países Baixos (Holanda), Personagens Originais, Portugal, Prússia
Tags Alemanhaxitalia, Amor, Espanhaxportugal, Francaxinglaterra, Guerra, História, Inglaterraxportugal, Portugalxitalia
Visualizações 45
Palavras 2.080
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lírica, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Self Inserction, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Detroid: Become Human é oficialmente um dos meus jogos favoritos para toda a minha vida. Ele vicio-me completamente. Já terminei o meu primeiro save, portanto se eu desaparecer já sabem que eu estou a protagonizar androides

E à cerca da historia....... É exatamente o que pensam sobre a imagem que vão ver... esse momento vai acontecer

Capítulo 9 - Olhos nos Olhos


Fanfic / Fanfiction Portugal - Capítulo 9 - Olhos nos Olhos

Depois da Vitória da recente Batalha, estava a ser construído um mosteiro do estilo mais gótico que os portugueses poderiam fazer. O mosteiro chamar-se-ia Mosteiro de Santa Maria da Vitória, para a população seria a Vitória da batalha, mas para a nossa protagonista, o significado da Vitória foi ela ter confessado finalmente que gostava de Espanha, só que neste momento ela estava irritada com ele. Nas três tentativas de se beijarem, esta foi a mais certa e simplesmente não deu em nada.
Os Reinos de Portugal e de Inglaterra fizeram uma aliança, Windsor era o nome do Tratado, uma aliança que com certeza iria durar muito.

Portugal e Inglaterra tinham acabado de assistir à reunião do Tratado e agora caminhavam pelo corredor

- Tenho a certeza que a nossa aliança dará muito certo, Portugal. Agora estaremos mais próximos que nunca

- Bem, não é como estivéssemos casados, nós já eramos bem proximos antes

- Por mim não seria nenhum problema se estivesse casado contigo

Portugal riu com o comentário dele, o que fez Inglaterra entender que ela não percebeu que foi uma indireta de dizer-lhe que gostava dela.

Bem longe dali, na fronteira franco-italiana, França e Itália estavam a preparar algo

- Eles os dois são mais difíceis do que eu pensei, não é um empurrãozinho que lhes vai juntar, temos de dar mas é um empurrãozão

- Deixa-os, Italie. És mais chata que eu em relação ao Amor. Deixa aqueles dois que eles vão se resolver

- Só se for daqui a mil anos. Sabes o que aconteceu durante a batalha?

- Eu estive na adorável acompanhia do Inglaterra, mas depois o Espagne disse que correu bem entre eles os dois, só que não entendeu o porque de Portugal ter cara de raiva sabendo que ela venceu a batalha

- Pois é, fratello mio, o que fez com que Porti ficasse com aquela cara foi porque fratello  Spagna ia beijar-lhe e não o fez ao saber que tinha perdido

França ficou de boca aberta, mas depois sorriu

- Não à duvida que ele é igualzinho ao nosso pai, não gosta de perder. Então qual é o teu plano mirabolante para aquecer o relacionamento deles?

- O Spagne tem que se sentir ameaçado

- O quê?

Itália contou-lhe o seu plano e França ficou espantado o como a sua irmã era maluca

- Estás doída? Isso é suicídio, e se tiver o Inglaterra também, é golpe duplo

- É por isso que quero a tua ajuda, e conta também o meu plano para o Prússia, assim tu seguras o Inglaterra e o Prússia segura o Espanha

- Logo o Prússia... ele sabe muito bem que andas de amores com o irmão dele, o que achas que ele vai achar?

- Isto não passa de um plano, Francia, eu amo muito o Sacro Império Romano, mas isto é pela minha amiga

- Eu ainda estou em duvida se vais fazer mesmo isso

- Quello che dico, lo faccio

Mais tarde naquele, Portugal e Inglaterra estavam a falar sobre a aliança numa sala dentro da casa real. Portugal estava sentada num sofá enquanto Inglaterra estava em pé a olhar pela janela

- Basicamente o que diz no tratado é se precisares da minha ajuda, eu dou-ta, e se eu precisar da tua, tu das-me. Já faziamos isso entre nós dois, mas agora é realmente entre as nações. O que se passa, Inglaterra?

Ele estava a olhar demasiado para a janela

- Convidaste os três idiotas irritantes da Europa em que o francês é o pior deles?

- Não estás a exagerar no teu vocabulário contra eles?

- Não

- Bom, eu não os convidei, mas tenho certeza que também não vieram atacar

- Nunca se sabe. Eu vou lá

Inglaterra saiu da sala com pressa. Portugal saiu um pouco depois, mas foi interrompida no corredor por Itália que agarrou-lhe por detrás

- Ita? O que estás a fazer?

- Ouve, Porti, aquilo que eu vou fazer daqui a bocado não é para levares a mal ou para pensares coisas, ainda vais agradecer-me por isso

- Do que estas a falar?

- Vene

Italia agarrou Portugal pela mão e levou-a pela mesma direção que Inglaterra foi. No lado de fora, Inglaterra confrontava os três visitantes que não estavam a ligar nenhuma, apenas França estava a pôr-se com ele só para irrita-lo como sempre.

Italia e Portugal apareceram depois. Portugal não estava a entender nada no que estava a acontecer, mas pressentia que algo viria.

Elas ficaram bem na frente dos rapazes. Italia virou-se completamente para Portugal e segurou as duas mãos firmes e olhavam-se bem no fundo dos olhos uma na outra. O momento mais esperado do plano de Itália estava a acontecer agora

- Ti amo, Porti!!

Portugal nem teve tempo de respirar com a afirmação dela que quando deu por si estava a ser beijada por Itália. O mais engraçado disso tudo era a cara e pensamento que cada um dos rapazes estava a ter

- (pensamento de Prussia) Como assim foi tão fácil para a Italia beijar a Portugal?! Ela não andava de amores com o meu irmão?!

- (pensamento de França) Não acredito que a Italia fez mesmo isto. É muito errado eu shippar elas sabendo que isto é para ajudar o relacionamento da Portugal e Espanha?

- (pensamento de Inglaterra) Só posso estar a sonhar, eu sei que elas são bem intimas, mas nunca pensei que chegasse a este ponto. Lá se foi a minha chance com Portugal (Autora: meu filho, tu tiveste anos para fazer isso, tu é que não aproveitaste. Beija o França para o momento ficar mais intetessante) NEM MORTO

- (pensamento do Espanha) A Portugal e a Italia? Juntas dessa forma? Eu não consigo acreditar, deve ser um engano, Portugal disse que gostava de mim. O que aconteceu? Vou querer explicações com ela depois

Ao que parece o plano deu certo. Não foi preciso segurar ninguém por estavam todos espantados com o momento. Portugal estava sem reação, mas os seus olhos direcionaram-se automaticamente para Espanha assim que o beijo terminou. Não conseguia falar nem se mexer. Italia por sua vez estava a sentir Espanha ameaçado, tal como queria que o plano terminasse

......

Já era de noite. Portugal ainda pensava sobre o ocorrido, o que Itália tinha na cabeça ao dizer-lhe que a amava e que lhe beijou? Ela tinha dito para não achar mal ou pensar coisas que depois iria agradecer. E então ela levou mesmo para a frente dos rapazes para fazer isso, e o Espanha estava lá, o que ela queria fazer? Causar ciúmes a ele para que ele atine de vez?

Portugal estava tão concentrada nos seus pensamentos que não ouviu a porta abrir-se e fechar-se, mas assim que a pessoa aproximasse, Portugal sente a presença e virasse bruscamente agarrando o braço e pondo atrás das costas e prendendo contra a parede. Quem teria o descaramento de entrar assim no seu quarto a uma hora destas? Obviamente o Espanha. Ela libertou-o assim que viu que era ele

- O que fazes aqui a uma hora destas? E armado com duas espadas?

- Como nós não morremos como os humanos, vamos fazer o seguinte, perde quem receber um arranhão. Se tu perderes, das-me explicações do que aconteceu e a verdade, se eu perder, ficaremos por aqui

- Como assim?

Sem mais demoras, Espanha amanda uma das espadas para Portugal e apanhou-a, só que ela não queria lutar. Ela olhou para ele, Espanha estava mesmo determinado, mas esta luta não poderia acontecer, não valia a pena.

Espanha avançou a ela com a espada apontada para ela, mas Portugal não se mexeu nem um pouco. No entanto, ele também não se mexeu, mas a espada continuava apontada para ela. Portugal estava de cabeça para baixo

- Porque não defendes?

Ela levanta a cabeça e olha nos olhos

- Podes arranhar-me, eu deixo

Espanha apercebeu que também não conseguia arranha-la, então largou a espada

- O que é que eu estou a fazer? Eu prometi a mim mesmo que nunca te iria magoar. De onde tirei esta ideia? Podes arranhar-me

Portugal levanta a espada. Espanha pensava que ela iria arranha-lo, mas não, Portugal arranhou a sua cara, sendo ela a perdedora. E ele fica espantado com o gesto dela

- És mesmo idiota, como pudeste dizer que se tu perdesses terminavamos por aqui? 

- Mas.... tu e a Italia....

- Querias a verdade, não é? Aqui vai ela

Portugal agarrou a gola de Espanha e puxou-o para si selando ambas as bocas. Ele estava impressionado, foi ela que deu o passo de se beijarem. Eles afastaram-se e Espanha estava bastante corado

- Eu acho que o que aconteceu foi porque Itália sabia que tu ficarias assim e viesses ter comigo. Antes de irmos ter com vocês, ela disse-me para não pensar coisas ou para olha-la mal e que eu agradeceria-lhe depois. Tudo não passou de um plano para nos juntar

- Aquilo que eu reti foi que no dia da batalha tu disseste que gostavas de mim, e depois eu ia beijar-te, mas depois não o fiz porque pensei que gostasses de mim por amizade, e depois que fizeste aquela cara, pensei que tivesse feito bem

- Seu Cabeçudo, eu fiz aquela cara porque queria que me beijasses

- Isto tudo foi por minha culpa?

- Foi

Espanha abraçou Portugal pelas ancas e sentou-se na berma da cama dela, fazendo-a sentar-se ao seu colo

- Então é melhor tirar esses peso que tenho na consciência

- Ah?

Espanha começou a beijar o pescoço dela e ao mesmo tempo desabetoar a camisa que vestia. Portugal não estava a gostar de se sentir inferior, então também começou a desabetoar a dele e arranhou as costas

- Uau, calma, não precisas tirar-me a pele, Luso

- Mereces que eu te turture depois deste seculos todos

- Mas eu pedi desculpa

- Não chega

- Mas tu também pediste desculpa por não teres sido mais simpática no início. Então? Ou é tortura para os dois ou para ninguém. E também é com esta pergunta em que vamos saber se és masoquista ou não

- Tu também és masoquista ao perguntar isso

- Admito que sou um pouco masoquista

Nem foi preciso uma resposta inédita, todas as carícias e beijos ao longo daquele momento já era mais que obvio. Já estava a ser uma tortura para os dois se não alcançasse mais. Já tinham a parte de cima tirada, exceto que Portugal tinha umas ligaduras grossas no peito para substituir a seda que ela detestava usar, e é claro, ambos estavam a usar os rosarios

- Eu acho que é melhor tirar os rosarios para não machucar

- Estou a ver que amaste o meu presente, adoro ver-te com ele

Deixaram os rosarios de lado e trocaram a posição. Agora Portugal estava deitada na cama com Espanha em cima. Antes de ele mexer no tecido que cobria o peito dela, ele explorava com a mão a cintura para ver se tinha algum ponto sensivel. E resposta era as ancas. Portugal estremecia-se toda quando ele passava com os dedos levemente. Aquilo contava como tortura para ela. Mas Portugal não era de se deixar rebaixar tão cedo, levantou o joelho esquerdo até à virilha, e foi a vez dele estremecer-se todo. Tortura para ele. A característica de não se rebaixarem tão cedo era algo que vinha no lado materno, pois Espanha também não sedeu tão cedo. Ganhou força para tirar as calças dela, deixando-a sem nada. Portugal parou de mover o joelho pelo choque que teve, e ao aproveitar isso, Espanha tira as ligaduras dela e finalmente ela estava completamente acessível a ele. Ele deitasse ao lado dela e vai com a mão bem mais para baixo da cintura, brincando com o clitoris dela

- Es...panha... não mexas.... aí

- Pero por que? Estás tão indefesa assim. Uma mulher como tu que sempre mostrou garra... não é todos os dias que se a vê tão indefessa. Eu sei que está a ser uma tortura, nem penses em escapar dela tão facilmente, vais ter que suplicar para eu entrar

- Nem.... penses.....

Aquilo podia torturar-lhe sim, mas também torturava-lhe a ele, pois estava a explodir de desejo por ela, e não tardaria em que ele sedesse. Demorou menos que o esperado, Espanha posicionou-a de lado de costas para ele e segurou a perna. Ele também já estava completamente exposto. E finalmente eles eram um só. Não se sabia ao certo se era o quarto que estava abafado ou era apenas eles dois. Uma noite com maos a explorar o corpo de cada um, respirações acelaradas difíceis de controlar, troca de posições e carências.... que acabou com eles deitados na cama sem forças nenhumas. Espanha já estava a dormir, Portugal ainda ficou um pouco acordada acariciando o rosto dele. Eles estavam um pouco afastados para não sentirem muito calor, mas também não se permitiam afastar-se um do outro


Notas Finais


Que capitulo uuufffaaa

Cheio de emoções e dramas, mas sem faltar aquela comédia de este casal estar sempre à disputa kkk

Agora que estes dois já se reconciliaram, vou dar um leve empurraozinho a outro casal, afinal, o que aconteceu com Inglaterra depois que viu Portugal e Itália se beijarem?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...