História Possessive Love - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Camren, Fifth Harmony
Visualizações 130
Palavras 1.142
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi meninas, turo bõ ?
então na fanfic de hoje, espero que gostem
Boa leitura <3

Capítulo 2 - No, sweetie, you're confused.


Fanfic / Fanfiction Possessive Love - Capítulo 2 - No, sweetie, you're confused.

Anteriormente em Possessive Love 

"CHEGA, Camila. - Diz Hailee enfurecida. - Eu menti, tá legal ? pronto, não era isso que você queria ouvir ? Mais quer saber também ? eu cansei disso tudo, ACABOU TUDO.

-Já estava mais do que na hora. "

(...)

Olhares. Todos os olhares eram direcionados á mim, comecei a andar rapidamente pro lado de fora da casa. Enquanto sentia olhares queimando sobre mim, porque ? Por que esse tipo de coisa tem que acontecer justo comigo ? Tá, eu sei que tem várias pessoas com mais problemas graves que o meu, mas, PORRA. Justamente a Hailee, a minha Haiz... PARA Camila, ela mentiu pra você, te escondeu de várias coisas, ela não tem o direito de continuar em meus pensamentos.

Senti meus olhos queimarem, DROGA, eu não posso chorar, não posso...  Senti as primeira gotas escorrer por minhas bochechas, quando pensei, já estava em prantos, sentada no meio fio da calçada, daquela maldita festa.

- Hey, sweetie. - Diz aquela voz rouca, que conversei a minutos atrás. Levantei a cabeça rapidamente, podendo vê-la em uma Mercedes Maybach preta sem o teto. - A menina que levou um pé na bunda ? Uau. Que mundo pequeno. - Diz ela totalmente surpresa. Dou um riso fraco, não me desligando de seu olhar penetrante.

- Porque a bela donzela, está chorando ? - Fala a dona dos olhos verdes, em um solavanco levanto e rapidamente seco minhas lágrimas, passando com força as mãos pela bochecha.

- Não estou chorando, você está vendo coisas. - Digo tudo rapidamente.

- Aham, tá bom. Vou fingir que não a vê chorando que nem louca. - Diz dando uma risada baixinha. Ela começa a me analisar de cima a baixo, abaixo minha cabeça e me abraço com meus braços na altura dos meus seios, encaro o chão como se ele fosse a coisa mais importante para mim naquele momento. Ainda consigo sentir seu olhar me queimando. 

- Entra aqui, vou te levar a um lugar. - Encaro ela com um ponto de interrogação, com seu comentário.

- O que ? - Digo indignada, doou uma gargalha alta a encarando. - Que eu saiba, ainda não fiquei louca de pegar carona com alguma estranha que eu ao menos nem conheço.

- Eu não sou uma estranha, a gente se conhece sei lá, aos uns 25 minutos ?  - Diz me dando um sorriso de orelha a orelha. O mundo hoje só pode estar completamente contra mim, sério.

- Criatura, eu nem sei o seu NOME. - Digo gesticulando as mãos e dando ênfase no "nome".

-Michelle, Michelle Morgado. - Diz Michelle.

- Do mesmo jeito, não irei com você. - Digo me virando, para ir atrás de Dinah.

- Entra logo aqui, se você não gostar do lugar eu te trago de volta. - Fala Michelle, paro, respiro fundo, inspiro e solto o ar preso.

- Como vou ter a certeza disso ? - Digo me virando - Vai que você me leva pra algum beco escuro e me estrupa. Como posso confiar em você ? Como posso confiar em uma estranha ?, se esse for mesmo seu nome verdadeiro.

Vejo a respirando fundo, ela volta a encarar a frente e depois me olha.

- Não vou fazer nada com você, juro. - Diz ela, levanto uma sobrancelha tipo "sério ?". - Não vou sair daqui, até que você entre no meu carro . 

A mesma faz um biquinho super fofo, olho para atrás onde está acontecendo a festa, olho por todos os lados e finalmente eu paro nela. Ok.

-Tudo bem, eu vou com você. 

Digo me dando por vencida, entro em seu carro e quase dou um grito quando vejo ele todo por dentro. Que CARRO, meu amigos que carro. Ela logo dá partida naquela belezinha e sentindo o vento batendo em meu rosto, me senti logo em um clipe só faltava a música pra fechar. Logo meu momento de uma atriz espetacular foi por ralo abaixo, já que a dona dos olhos verdes penetrantes me interrompeu.

- Curte The 1975  ? - Ela diz me encarando de lado e dando um sorrisinho.  

- Tá brincando ? EU AMO. - digo gritando, com o sorriso do tamanho de uma lua.

 Ela no mesmo momento pega seu celular, futuca ele rápido já que ela estava dirigindo. Logo reconheço a música Girls do The 1975, começo a bater palmas animada que nem quando uma criança ganha um chocolate.

(...)

On and On, do Cartoon. Era escutada por todos os lugares daquela boate, Michelle e eu dançávamos como se isso dependesse para viver, nós duas, em uma só. Eu me sentia viva, me sentia livre, me sentia a pessoa mais importante perto dela. De alguma forma, em poucas horas, eu sinto uma ligação com ela, apesar dos pesares. 

Ela sai de perto de mim, estranho, mais não paro de me movimentar ao som da batida da música. Logo ela aparece a minha frente, com uma espécie de ''bala'' na ponta da língua, ela começa a se aproximar mais, uma aproximação extremamente perigosa. Nossas respirações estavam descompensada, logo nossos lábios roçam um no outro e os lábios se chocam um aos outros com um selinho, aos poucos e devagar, sinto ela pedindo passagem para sua língua entrar, atendo rapidamente seu pedido e começos em movimentos suaves e lentos.

(...)      

  Sinto uma sensação de prazer e euforia. Meus batimentos cardíacos estão rápidos, qualquer momento parece que o meu coração vai pular para fora. Eu e Michelle, estamos dentro de uma cabine do banheiro da boate. Nós beijando de um jeito feroz, e ao mesmo tempo prazeroso. Ela começar a dar mordidas e beijos por meu pescoço, aperto com força sua cintura e inclino meu quadril junto ao seu. Dos beijos molhados a alguns amassos, ela começa a desabotoar o botão da minha calça e lentamente ela começa abaixar minha calça, meu coração está batendo tão rápido, que sinto que ele vai explodir ou sair pela minha boca. Ela passa o dedo, pela minha intimidade a mesma que está coberta pelo tecido da calcinha, ela tira lentamente, enquanto me olhava com um olhar penetrante e começa passar a língua devagar pela minha intimidade, dou um gemido rouco e tombo a cabeça para trás.

    (...)

Sinto uma claridade forte em meu rosto, abro devagar meus olhos e quase sendo cega pela luz forte do sol que vinha da minha janela, espera... Minha cama não fica de frente pra janela e outra eu não tenho uma paisagem tão bonita assim, dou um pulo da cama me sentando  e começo a olhar em volta. Esse definitivamente não é meu quarto, nem aqui e nem na china. Meu Deus, na onde eu fui me meter. Olha para baixo e me vejo totalmente nua, PUTA QUE PARIU.

-Droga, droga, droga. Mil vezes droga.   

     

 

                               


Notas Finais


AAAAA me perdoem pelo capítulo curtinho, eu precisava atualizar a fanfic já que faz 84 anos que ela fica aqui isolada com um capítulo só
no próximo, venho com um maior
bjss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...