História Possessivo? (Imagine Jungkook) - Capítulo 41


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Amor, Possessivo, Revelaçao, Romance
Visualizações 103
Palavras 1.130
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 41 - Aonde nós vamos?


Fanfic / Fanfiction Possessivo? (Imagine Jungkook) - Capítulo 41 - Aonde nós vamos?

Jk (on)


Eu fiquei muito feliz quando a S/n elogiou minha comida, ela estava muito feliz e mais ainda.

Jk: Já arrumamos tudo, pronta?

S/n: Sim. Mas aonde nós vamos?

Jk: *dei um leve sorriso* Você saberá.

S/n: Eu vou saber? Não entendi.

Jk: Tudo questão de paciência.

S/n: Isso eu tenho de sobra.

Jk: Entã..

S/n: Maaaas... eu preciso saber, estou curiosa *fez bico*

Jk: *beijei o bico* Noups.

S/n: Podemos levar o bolo pra comer?

Jk: Eu estou levando aqui na mochila

S/n: Mochila? O que tem aí?

Jk: Muita água e o bolo.

S/n: O lugar é longe, né?

Jk: Sim, mas se vc nã...

S/n: Amore, claro q eu quero. Vai ser uma caminhada longa, porém, vou estar contigo.

Jk: Nem é tão longe. Só tô levando água pra prevenir.

S/n: Tá certo. Vamos?

(...)

O caminho todo s/n estava cantando uma musiquinha, ela parecia um bebê. Ela estava super curiosa para saber o tal lugar misterioso.

S/n: Amor, como é esse lugar?

Jk: É um lugar que me trazia felicidades.

S/n: Trazia?

Jk: Não é o lugar, na verdade é... Eu não sei explicar

S/n: *riu* Então, o que te deixava feliz não é o lugar, mas sim o que habita nele?

Jk: *olhei surpreso pra ela*

S/n: Acertei?

Jk: Sim. Mas... como?

S/n: Porque essa sempre é a resposta quando um lugar nos trás ou trazia felicidade. Mas nunca é o lugar em si, mas sim o que fazia dele o mais belo.

Jk: Arrepiei com essas palavras. Você tem um lugar?

Não sei se deveria ter feito aquela pergunta, pois o sorriso dela sumiu devagar, sua expressão foi de tristeza.

S/n: Sim, eu tinha.

Jk: Você quer falar sobre?

S/n: O park que meu pai me levava no Brasil. Era o lugar mais calmo e bom para se ficar. A gente tomava o sorvete favorito dele. Morango com chocolate. Ele contava sobre coisas do espaço, galáxias, universos. *sorriu fraco*.

Jk: Não era o park em si, poderia até ser, mas o que fazia o lugar ser bom...

S/n: Era a companhia do meu pai *sorriu*

Jk: O que aconteceu com ele?

S/n: Teve uma noite que ele e minha mãe brigaram muito. Eles iam se separar e meu pai queria a minha guarda, eu não queria entrar naquela discussão toda e fui para o quarto. No outro dia, meu pai já não estava em casa e minha mãe disse q eu iria ficar com ela e ele ia me ver alguns dias

S/n: Eu não fiquei com raiva de nada, ninguém tinha culpa, fiquei triste, mas pelo menos eu ia ver ele.

S/n: Estava tudo dando bem, a gente ia no Park, as vezes eu dormia no apartamento dele. Mas, em um certo dia ele sofreu um acidente de carro, ele não resistiu e foi a óbito.

S/n: Com o falecimento dele não tinha mais pensão. Minha mãe ficou muito puta da vida, pq não tinha mais pensão. Ela arrumou um cara q trabalhasse, eu nunca tive motivos pra ter raiva dela, eu queria q ela fosse feliz.

S/n: Depois de uns anos, tudo aconteceu, o namorado tentou e tals... deu no q deu. Agora eu sinto raiva dela, ódio, tudo aconteceu. Eu fico triste, pq eu só "tinha" ela, mas me "jogou", posso dizer assim, e me tratou como um lixo.

Jk: Achava que o seu pai tinha deixado a sua mãe, por isso nunca perguntei sobre.

S/n: O pior que não *limpou as lágrimas*. Ele sempre esteve comigo.

Jk: Se ele estivesse aqui tenho certeza que estaria orgulhoso de vc.

S/n: *sorriu* Você acha?

Jk: Tenho certeza.

S/n: *olhou pra trás* Nossa, nós já andamos muito, né? Nem percebi.

Jk: Sim e estamos quase lá, vem. *pego na mão dela e corro*

S/n: JUNGKOOOOOOOK, PQ ESTAMOS CORRENDO?

Jk: Estamos bem perto.

S/n: Vamos caaair...

S/n (on)

Jungkook corria que nem um foguete e ele ainda estava me segurando. Até que um momento ele me solta e eu bato a cara nas costas dele, pq ele tinha parado.

Jk: *saiu da minha frente* Bem vinda

S/n: Ai meu cu. Desculpa, mas isso é, é, é...

Jk:Incrível?

S/n: Mais que isso, isso é um paraíso.

Jk: Eu vinha aqui visitar, antes de conhecer vc e os meninos, eu vinha com o meu pai aqui.

S/n: Momentos bons com o seu pai também?

Jk: Não. Na verdade, foi as histórias que ele contava sobre minha mãe. Essa ilha não era minha, era do meu pai. Ele comprou, pq queria ter uma lua de mel e férias com a minha mãe. Ela não sobreviveu no meu parto, meu pai enterrou ela aqui. Desde pequeno ele me trazia aqui, ele contava tudo sobre ela. A última vez q eu vim aqui, eu tinha 15/16 anos.

Jk: Depois de um tempo, ele estava muito cheio com as coisas da empresa, então nunca mais viemos aqui. Eu pedi pra q ele colocasse a ilha no meu nome pra um dia eu visitar, mas nunca deu, pq eu tive um cargo importante na empresa.

Jk: Eu ia trazer vc aqui, não queria q fosse por causa dessas ameaças, pois só assim viemos parar aqui. Mas, fico feliz de estar falando isso pra vc.

S/n: Pensava q aquela mulher q vi uma vez com o seu pai era a mulher dele, sua mãe.

Jk: Não, não. Eu nunca me dei muito bem com ela, sempre respeitei, mas evitava contato.

S/n: Saiba que sua mãe ama vc.

Jk: *sorriu* Estar aqui, com vc e com ela, é algo muito bom pra mim.

S/n: Eu imagino, meu bem. Acho que a gente sempre tentou camuflar o nosso verdadeiro passado. A gente sempre camuflou as pessoas que nos deixavam bem.

Jk: Eu queria ter conhecido ela, mas só escutar o meu pai falando dela, era algo q fazia eu me apaixonar pela minha mãe. Ela era única. Eu nunca disse isso pra ninguém, pois eu n sei...

S/n: Posso dizer q entendo vc, eu sei como está se sentindo. Se sente melhor por ter falado isso?

Jk: Sim e muito, e vc?

S/n: Posso dizer q me sinto livre. Pode me contar sobre ela? Gostaria de ouvir falar sobre essa pessoa maravilhosa.

Jk: *sorriu* Sabe q eu posso morrer de tanta felicidade, né?

S/n: *ri* Pq?

Jk: Anjo, eu nunca falei sobre a minha mãe pra ninguém e falar sobre ela pra vc, vai me deixar feliz pra caramba.

S/n: Então me conte tudo.

Jungkook pegou a mochila e tirou uma toalha enorme, colocou as águas e o bolo

S/n: Essa vai ser a melhor história. *sorri*

Jk: Ela era...

Não é o lugar em si que nos deixa bem, mas sim as histórias e os momentos que faziam dele o melhor


Notas Finais


A S/n sempre foi um doce com a mãe dela, uma pena a mãe ter vacilado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...