1. Spirit Fanfics >
  2. Abyss: Tears - Possessivo (Imagine Taehyung - BTS) >
  3. Malícia.

História Abyss: Tears - Possessivo (Imagine Taehyung - BTS) - Capítulo 7


Escrita por:


Capítulo 7 - Malícia.


Gradualmente meus olhos vão se abrindo a medida que Yudi começa a chamar meu nome igual a um bicho. Mesmo com essa criatura aos berros nos meus ouvidos – haja paciência. – vou despertando como na minorias das vezes na qual acordo, devagar, organizando meus pensamentos e lidando com a dor no corpo e cabeça.

Acordar sem ser na base do desespero ou susto não é muito comum para mim, até porque se eu não acordar atrasada pois o despertador não colabora e quando isso acontece, quem me acorda é minha mãe e ela levanta meia-hora depois do que preciso e cada minutinho para mim é válido – e também não é a sua obrigação sua acordar meia-hora antes para fiscalizar se já estou de pé ou não, mesmo querendo que isso fosse realidade. – acordo com algum ruído bastante alto – geralmente isso acontece quando o vizinho arruma de fazer festa. – ou minha mãe chega tarde da noite – bem, minha mãe tem seus problemas, mas não é acamada. –.

Me rendendo a palhaça do Yudi, me sento na cama de má vontade e a dor de cabeça fica ainda mais aguda. Respirando fundo, dou ao homem a minha frente um olhar irritado antes de citar as seguintes palavras: 

– Fique quieto, por favor. –

Yudi: O que houve com vocês? Que sumiram assim? – Dita incrédulo. 

– Huh? O que? Por favor, me traga algum remédio para dor... – Murmuro entre a aflição.

Ele sai do cômodo e eu, como se fosse de propósito, me olho no espelho. Meu reflexo era de alguém que tinha o cabelo bagunçado e na tentativa de fazer um coque para vê se melhorava algo, toquei na raiz percebendo que está úmida, lembrando de que ontem teve uma fina garoa com um vento gélido– mas em alguns momentos nem dava para sentir o frio por causa da multidão aglomerada e agitação constante. – e dei graças que levei minha jaqueta. A maquiagem não tinha vestígio algum que se desfez, vendo que valeu a pena guardar e juntar dinheiro – meses sem comprar besteiras. – para investir nelas até porque seria de muito azar e mentira que elas desapareceram e mancharem na minha face, já que na embalagem diz que são a prova d'água.

Voltando com o remédio e um copo gigante de água, Yudi me dá um olhar simplista enquanto me entrega o remédio e a água logo depois se senta quando acabo de beber toda a água do copo.

Yudi: Satisfeita, cabrita? – Dita em tédio. 

– Yudi, me poupe de suas brincadeiras sem graças agora. – Reviro os olhos.

Yudi: Devia tomar um banho, sua cara está péssima. 

– Eu sei, mas estou com tanta preguiça. – Falo repousando meu corpo por completo no colchão novamente.

Yudi: Deixa de ser porca!

– Argh, me deixa em paz! – Perco a paciência. 

Yudi: O que houve com o seu humor de ontem? Estava tão nas alturas. 

– Eu estava bêbada, além de... Esquece. –

Lembro de ontem, do lindo homem que contemplei. Sinceramente, aquele beijo foi maravilhosamente mágico. E como pode alguém ser tão lindo como ele? Sua beleza hipnotizante atrai os olhos de qualquer pessoa. Os fios capilares em uma leve bagunça, que caia e balançava brandamente pela sua face encantadora, os olhos castanhos escuros fixos nos meus me faziam meu corpo se aquecer como brasa, além da sua perfeita pele que pude tocar durante o beijo... Para ser honesta, ele parecia de outro mundo, que fui permitida explorar no momento em que estava presa no beijo ardente, com os seus braços envolta do meu tronco e suas mãos acariciando minha pele. 

Yudi: Hum... – Soa malicioso. – Então, o que vem aprontando a bela adormecida?

– Eu não acordei tão tarde assim! – Disse eu tentando me justificar sem ao menos ter observado o relógio. 

Yudi: Já são 11:00h. – Dita com um sorriso ladino.

– Bem, eu estava numa festa, né. – Falo como se tivesse dito a coisa mais óbvia do mundo.

Yudi: Não mude de assusto, esquiza*.

 Eu odeio esses apelidos pejorativos dele e de também não poder tê-los na ponta da língua para usar contra ele. 

– Eu não sou uma "esquiza", está bem? – Digo irritada.

Yudi: Joeun... – O sorriso de má índole que era apenas de lado, tomou conta dos seus lábios de uma ponta a outra, junto ao seu olhar de brilho perverso e sombracelhas levantadas.

Não conseguindo me manter ao seu olhar perspicaz, fico vermelha e abro um grande sorriso.

– Aah, ok, ok, eu confesso que dei uns amassos pelo campus. –

Yudi: A Woori vai me zoar tanto, aquela égua prenha. – Caio na risada. – Então, quem vai fazer parte das noitadas desses quatros vadios da vida?

Minha cabeça para.

Yudi: Esta brincando? Não perguntou nem o nome dele? – Fala surpreso com a minha burrice.

– Ah... Eu apenas... Tive um... –

Yudi: Tá, eu já entendi a sua burrada. Você é muito tapada. – Balança a cabeça negativamente. 

– Oras, nós apenas conversamos um pouco, nos beijamos e nada além disso! Mas confesso que me arrependi de não ter feito nada disso. – 

Yudi: Depois falamos da sua burrada. Sua mãe ligou avisando que ia a casa de sua amiga e de lá, já ia ao baile.

– Minha mãe sai mais do que eu. –

Yudi: Bom, ela aproveitar a vida enquanto a tem! Invés de ficar apenas se matando para estudar e trabalhar. – Fala diretamente para mim.

– Bom, eu tenho uma casa para sustentar e um futuro a frente, além do mais minha mãe precisa da minha ajuda, responsabilidades tem de ser cumpridas. –

Yudi: Não custa nada se divertir um pouco, mas posso dizer que sua mãe tem sorte de ter você, tantas pessoas abandonam seus velhos que se matam a vida inteira para dá a eles tudo do bom e do melhor.

– Então, não tinha forma melhor de devolver todo o apoio e amor que minha mãe me deu se eu não fizesse o mesmo com ela. – 

Yudi: Tá bom, chega dessa melação. Vai tomar seu banho, vai, te arrumo uma roupa.

– Vai pedir a sua vizinha? Porque não dá uma chance a ela? Ela está tão na sua. – Dito levantando.

Yudi: Eu não, menina doida, nem é porque ela não é padronizada, isso não me importa, porém se soubesse como ela é estranha. – 

Suspiro.

– Homens. –

Yudi: Aí, porr*, não enche e vai tomar teu banho antes que eu quebre seu pescoço por culpa da sua chatice.

– Relaxe, relaxe, relaxe, relaxe. – Dito imitando as meninas no meme.

Yudi dá um sorriso como se eu fosse maluca.

Rindo vou para o banheiro enquanto Yudi me dá a toalha. 

Com a água gelada escorrendo pela minha nuca até os meus pés, penso na noite de ontem e no homem que tive a sorte de encontrar. Será que vou revê-lo novamente? Tenho a certeza que não vou esquecer da noite de ontem tão cedo. Ele é tão gentil... Espero esbarrar com ele novamente. Aquela sensação de algo novo ontem parece ser real e não vejo a hora de sucumbi-la até o fim.

yeongicheoreom huk sarajilkka ('Isso desaparecerá de repente, como fumaça?')
neul gadeukhi dama neol du nune cama ('Meus olhos estão sempre preenchidos por você')
saenggangmaneuro pogeunaejyeo ('Eu fico quentinha só de pensar
mollae dwieseo ana neol noji aneullae ('Eu vou te segurar e nunca mais te deixar ir')


Notas Finais


siga: @bossjisoo.

Esquiza (o)*: Diminutivo de esquisito.

Espero que tenham gostado e se puderem comentem o que acharam, façam! E críticas construtivas* são sempre bem-vindas!

Música: Fancy (Twice)
Até a próxima💕!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...