História Powerful Connection - Capítulo 14


Escrita por: ~ e ~MrsMIMI1D

Postado
Categorias Orange Is the New Black
Personagens Personagens Originais
Tags Laura Prepon, Laylor, Natasha Lyonne, Taylor Schilling, Yael Stone Oitnb
Visualizações 171
Palavras 6.128
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá meus amores ❤️ como estão? Leiam as notas finais.

Capítulo 14 - Sacrifice


 Logo depois de ter recebido todas as visitas, o médico resolveu dar alta para a Lyonne, que já estava agoniada. Todos estavam a sua espera do lado de fora da sala, já que o médico resolveu conversar com a paciente.

Não aguento mais ficar no hospital! – Dizia sentando com certa dificuldade na ponta da cama.

– Já poderá ir para casa, antes tenho que te passar algumas recomendações:

Levará cerca de oito semanas para a sua fratura curar, então usará muletas ou cadeira de rodas, como já foi dito e ensinado até que consiga colocar peso na perna novamente. Tente não molhar o local fraturado ao tomar banho com o molde, então terá que ter cuidado ao banho.

Então iremos marcar sessões regulares de fisioterapia para ajudá-la a recuperar a força muscular, movimento e flexibilidade. Assim o fisioterapeuta irá passar exercícios específicos. Logo depois de sua melhora o molde é removido. É importante fazer as sessões e seguir os conselhos do fisioterapeuta para evitar atrasar a sua recuperação.

Tudo bem doutor, irei seguir todas as recomendações.

– Então é só isso. Preciso assinar alguns papéis, e estará oficialmente de alta.

Obrigado doutor!

– Irei pedir para a enfermeira trazer a cadeira de rodas e as suas muletas. Ela trará também os papéis da alta e da fisioterapia, tudo bem?

Certo. Obrigado mais uma vez!

Eles se despediram com um aperto de mãos e o doutor saiu a deixando sozinha. Não demorou muito para a enfermeira chegar e ajudá-la a ir para a cadeira de rodas. Pegando suas muletas, entregando os documentos e saindo da sala. Ao sair, Lyonne deu de cara com o pessoal que a olhavam aflitos.

O doutor me deu alta. Vamos pra casa? Não aguento mais esse lugar! – disse assim que a enfermeira à deixou próximo a eles, fazendo a atenção ir para ela.

****

Natasha

Jodi e Jonathan resolveram pegar um táxi e ir para a casa da Laura. Taylor e Yael vieram conosco em outro táxi, já que Laura fez questão de ir comigo até em casa. Não demorou muito para avistarmos meu prédio. O táxi parou em frente e todas desceram, enquanto Yael abria a cadeira de rodas, Laura me pôs em seu colo, com muito cuidado e assim me colocando na cadeira. Taylor pagou ao taxista e agradeceu pelo serviço.

Fomos até o elevador em silêncio e permaneceu assim até chegar em casa. Assim que ia abrir a porta, Yael fez questão de abrir.

Ei gente, quebrei a perna e não os braços. Vou ficar mal acostumada deste jeito.

– Só estamos tentando te ajudar, rabugenta! – Disse Laura me empurrando até o centro da sala.

Eu nunca estive tão feliz por está na minha casa. Eu agradeço pela ajuda, mas não será essa perna que irá me derrubar.

Não esperávamos menos de você - Disse Taylor encerrando o assunto.

– Estão com fome? Irei preparar algo para comer.

Estou faminta!

Yael preparou um espaguete rápido, que estava incrível, ela realmente tem talento para cozinhar. Enquanto comíamos contei a elas como foram os dias no cativeiro e Laura não participou muito da conversa, ouvia tudo quieta.

– Acho que essas primeiras semanas, você irá precisar de companhia até se acostumar com esse gesso. – Disse Yael atraindo a atenção dos demais.

Acho uma boa ideia, eu também posso ajudar. – Disse Taylor

– Então separamos os dias de cada uma. – disse meio seca.

Isso é mesmo necessário? Fiz bico e todas afirmaram com a cabeça. Affs!

– Eu posso ficar aqui hoje. – Disse Laura rapidamente.

Nada disto. Tem que cuidar desta suas mãos, Snap. E também deve está cansada depois de tudo isso....

– Mas...

Natasha tem razão, e a Yael ficará aqui com ela hoje, estará em boas mãos. – Disse Taylor tentando amenizar o mau humor de Laura.

– Sim, não se preocupe Laura – disse Yael meio envergonhada.

Acho que não precisa de tudo isto. Mas fazer o que. – Disse revirando os olhos.

– Então amanhã venho. – Disse Laura ainda emburrada.

****

Posteriormente, Laura resolveu me ajudar a tomar banho antes de ir para a casa. Não foi tão difícil como imaginei, a banheira ajudou bastante. Mas na hora de se vestir, as coisas complicam.

Nunca achei que seria tão difícil colocar um short!

– Eu te ajudo!

Laura estava comigo no meu quarto, veio até mim que estava sentada a beira da cama e me ajudou a colocar o short.

Snap, o que houve? Está tão calada.

– Não sabe como estou feliz de ouvir as suas reclamações, e de pensar que tu poderia não está aqui...

Ei snap, não repita mais isso viu? Não fique cogitando essa hipótese, estou aqui agora e isso é o que importa. Vem cá.

Ela abaixou um pouco por eu está sentada, e a abracei forte, algumas lágrimas tentavam escapar do meu rosto e do dela também. Assim que nós soltamos, olhei para as mãos delas.

E como estão suas mãos em?

– Não está doendo como antes.

Me sinto culpada por isso, se feriu por mim, poderia ter sido pior, sabe?

– Sabe que não é culpa sua. Eu faria qualquer coisa por você e tenho certeza que você faria o mesmo!

Tem razão. Não deixaria nada de mal te acontecer.

– É isso mesmo? Você está sendo fofa?

Vai a merda!

– Sabe eu te amo né?

Eu também amo você, snap.

****

A conversa com Laura se aproximava com o passar das horas e eu ficava cada vez mais apreensiva.

– Você já sabe o que vai dizer a ela? Perguntou Jonathan apreensivo.

Eu a amo Jonathan, Laura é a irmã que nunca tive. Amo ela como pessoa e como..

– E como? – Perguntou com um olhar de encorajamento.

Como mulher.. – Disse ainda com receio. Ao longo desses anos manti isso guardado dentro de mim, Laura nunca deu sinais de que se envolveria seriamente com outra mulher e outra, eu preso muito por nossa amizade, não queria destruir isso, então deixei pra lá e agora ela está aí com essa mulherzinha, não quero estragar a felicidade dela, mesmo sendo difícil pra mim, devo admitir que essa mulher faz ela feliz.

– Stop my dear, stop now!

Olhei pra ele confusa.

– Isso mesmo, pare com esse pensamento! Você precisa dizer isso tudo a ela, desde o dia que começou sentir atração por ela, até esses dias que você foi idiota com Taylor. Você precisa ser sincera com você mesma e com ela.

Ela vai me odiar Jonathan.

– Laura é um ser humano incrível, todo mundo sabe disso! Ela ficará chateada no começo, mas entenderá o seu ponto de vista.

Deveríamos arrumar as nossas coisas, depois dessa conversa não terei coragem de ficar aqui.

– Pare de dizer bobagens pelo amor de Deus! Mas nós temos que arrumar as malas mesmo, já está na hora de irmos embora, parece que estamos aqui faz séculos e só se passaram três dias.

Da próxima vez é melhor avisarmos que vamos e se podemos vir aqui. – Disse rindo.

– Concordo plenamente.

****

Dez horas foi o horário exato que Laura chegou e para a minha infelicidade ela estava acompanhada de uma figura loira já conhecida. Ignorando a sua presença, passei o olho por Laura como de costume e contestei que suas mãos estavam machucadas, meu coração ficou do tamanho de uma uva instantaneamente e nesse minuto concordei com o que Christopher sempre dizia, o FBI acabaria matando Laura. Afastando aquele pensamento, observei seus movimentos de longe.

– Snap o que foi isso na sua mão?

Resumidamente ela atravessou uma casa em chamas com Lyonne nos braços. – Disse Taylor com uma cara que julguei ser de dor.

– Ela o que? – Disse rapidamente. Estava tentando se matar??

Não, eu não estava tentando me matar. Eu não poderia ficar de braços cruzados enquanto minha melhor amiga virava churrasco, que tipo de amiga eu seria?

– Inteligente? – Perguntei com desdém. Que tipo de pessoa se mete dentro do fogo por outra???

Laura suspirou. – Tenho pra mim que vocês fariam o mesmo se fosse eu que estivesse no lugar de Natasha, bom, eu pelo menos faria por qualquer um de vocês.

– Sim faríamos. – Disse Jonathan.

Diga isso por você. – Disse com a voz mais alta que o normal. Sabe, Christopher tinha e tem razão. – Meu subconsciente implorava para que eu ficasse quieta e eu o ignorava. O FBI acabará te matando qualquer dia desses. – Você conseguiu estragar o que já estava ruim, disse meu subconsciente saindo de cena.

Esperei por uma explosão de xingamentos, mas não veio nada. Laura que se encontrava no meio da escada, suspirou, parecia ponderar suas próximas ações, lentamente olhou para Taylor que estava ao seu lado e em seguida para mim, sem alteração em sua voz disse:

– Eu quero que você saia da minha casa assim que amanhecer. E em seguida subiu para seu quarto.

Mas que merda foi isso Jodi?

– Eu .. suspirei. Eu perdi a cabeça.

A cabeça? Você perdeu o corpo todo! Puta ir pariu, as coisas já não estavam muito boas para o seu lado, agora então!

– Eu sei..

Dizer que Christopher está certo sobre qualquer coisa é um erro gravíssimo, você viu de perto tudo o que ela passou nas mãos dele! Porra, levará um tempão até que ela aceite conversar com você.

– Eu sei, eu só.. fiquei com ciúmes.. mas, o FBI acabará matando ela mesmo, você viu as mãos dela?

Sabe e diz?? O FBI é o porto de paz de Laura, todo mundo sabe disso. É até irônico dizer isso, mas ela se sente ela mesma quando está em campo, quantas vezes ouvimos ela contar sobre algumas de suas missões? Puta merda, eu sinto muito por você.

– Eu também.

****

Taylor

Laura estava visivelmente chateada, mais que isso, ela estava cansada, os últimos dois dias haviam sido um verdadeiro inferno! Deixando-a em sua cama, parti para o banheiro, deixei que a banheira enchesse, apliquei alguns sais de banho e retornei ao quarto encontrando então uma Laura perdida em pensamentos.

Suspirei e caminhei até ela, puxando-a para cima uni nossos corpos em um abraço apertado, ela colocou o rosto na curva do meu pescoço e respirou pesadamente. – Preparei um banho pra você. – Disse quando o abraço se desfez.

– Obrigada. – Respondeu quase que mim sussurro.

Guiando-a até o banheiro, retirei suas roupas com cuidado para não acertar as suas mãos e em disse: Daqui a pouco venho te ajudar com o sabão. Ela assentiu e eu saí do banheiro em seguida. Ver Laura daquele jeito era de deixar qualquer pessoa triste, se a maioria dos recrutas as vissem como estou vendo hoje, diriam que aquela não é a agente especial que eles conhecem.

Descendo até a cozinha, separei algumas torradas para Laura, um sanduíche natural e um suco de laranja, quando já estava finalizando a arrumação dos pratos na bandeja, Jodi adentrou a cozinha.

Oi, vou levar isso pra ela. – Disse na intenção de ser educada.

– Você deve estar muito feliz não é mesmo?

Feliz? – Perguntei confusa.

– Exatamente, você conseguiu o que tanto queria, ficarei longe de Laura sabe se lá Deus por quanto tempo.

Eu não fiz nada, primeiro que foi VOCÊ quem disse besteira a ela. Segundo, foi VOCÊ que me tratou mal desde o primeiro minuto que me conheceu e terceiro, foi VOCÊ que foi insensível com sua amiga, não eu, você fez tudo isso e muito mais, agora lide com as consequências.

Sem perder tempo com aquela discussão, peguei a bandeja e voltei para o quarto, deixando-o no criado mudo, caminhei até o banheiro, chegando lá me deparei com uma cena de parti o coração de qualquer um. Laura abraçava seus joelhos enquanto chorava descontroladamente, as mãos enfaixadas já estavam completamente molhadas e eu fui capaz de sentir a dor que ela sentia. Sem pensar duas vezes, tirei meu pijama e adentrei a banheira a abraçando como podia. – Está tudo bem. – Sussurrei na tentativa de acalma-la. – Eu estou aqui, está tudo bem agora.

– Tasha poderia ter morrido Taylor! – Disse agora me olhando.

Seus olhos estavam vermelhos pelo choro, assim como seu nariz, mas o tom esmeralda estava mais claro do que de costume e eu poderia me perder naquela cachoeira se não fosse um momento tão ruim. – Você não deixou isso acontecer, você a salvou.

– E se eu não tivesse chegado a tempo?

Mas você chegou, você a salvou! Eu sou testemunha dos seus esforços, fez todo o possível e conseguiu salva- lá.

– Eu estou cansada de colocar as pessoas que amo em risco.

Isso faz parte do seu trabalho amor. – Disse involuntariamente e arregalei os olhos assim que me dei conta. – Quer dizer, Laura. Ela pareceu não se importar com a palavra dita ou fingiu não se importar e eu tratei de esquecer aquela gafe.

– E agora vem Jodi dizer que Christopher sempre esteve certo sobre o meu trabalho, porra, aquele homem.. Ela não viu o que ele nos fez passar esses dois dias? Acha que não é motivo suficiente para fazer o que faço? Porra! – Disse batendo as mãos na água.

Fique calma, não vale a pena discutir agora, você está cansada e machucada, em mais sentidos do que aparenta, eu sei. Vocês conversam quando ambas estiverem mais calmas e colocam todos os pingos nos is. – Optei por deixar o ocorrido na cozinha pra lá, Laura já tinha problemas demais e eu não queria lhe trazer mais um.

Meu corpo já estava reclamando da água fria, saindo da banheira, apanhei um roupão, peguei uma toalha e ajudei Laura a sair da banheira, secando-a, coloquei o seu pijama, refiz seu curativo e penteei seus cabelos. Adentramos o quarto, logo me troquei e a ajudei a comer, ao finalizarmos o simples lanche, Laura agradeceu e se aninhou ao meu peito, depositei um beijo em sua testa e desejei boa noite.

Laura pegou no sono rapidamente, já eu fiquei por mais alguns minutos, talvez horas sem conseguir pregar o olho. Já impaciente, levantei para usar o banheiro, causando o mínimo de silêncio possível. Voltando para o quarto me deparei com o celular de Laura ligado, um número restrito ligava insistentemente e mentalmente agradeci por tê-lo deixado no silencioso, não poderia atender o celular aquele horário, não estava afim de que Laura acordasse agora, chequei as horas, três e meia da manhã, caminhando com o celular até a janela, esperei por mais uma ligação e não veio, o que veio foi uma mensagem de um número desconhecido.

"Número desconhecido:

Saiba que nos encontraremos novamente e pode escrever que dá próxima vez, você perderá alguém!

Christopher Masterson."

No mesmo instante meu coração se contraiu e meu sangue ferveu, aquele homem era uma ameaça real, não só para Laura, para todos que estivessem próximo a ela. Tirando print da mensagem, enviei pra mim, apaguei o histórico de conversas e depositei o celular no seu lugar de origem e em seguida, não vi mais nada.

****

Dascha

Acordei meio sonolenta, tentando desligar o maldito despertador que não parava de soar. Assim que o desliguei, fiquei fitando o teto e meus pensamentos foram direto em Christopher, me fazendo perder o sono que ali estava.

Fiquei preocupada pelo seu sumiço, desde a última vez que nós vimos não me ligou, nem me mandou mensagem e não respondeu as minhas, já estava imaginando o pior. Mas ao receber sua mensagem ontem a tardezinha, me deixou aliviada e ainda sim preocupada.

"Número Desconhecido:

Olá Baby, as coisas saíram do controle e tive que tomar uma medida drástica, é melhor você não saber o que houve para não desconfiarem de ti. Mas estou bem, ficarei sumido por um tempo. Beijos..

Christopher" 

Estava aliviada por ele está bem, mas preocupada com o que pode ter ocorrido. Só de imaginar chegar no FBI e todos os olhares e desconfiança se voltarem a mim me faz querer ficar em casa, mas não posso levantar suspeitas.

Então saltei da cama em direção ao banheiro. Não prolonguei o banho, fiz todas as necessidades e sair, ao chegar no quarto só de toalha peguei a primeira roupa que encontrei, uma leggie preta, uma camiseta leve também preta e um tênis, sem contar minha lingerie preta, não estava no clima para ficar escolhendo o que vestir.

Preparei um café da manhã rápido, peguei uma maçã, minhas coisas e sai de casa. Resolvi ir de táxi para a cede, não demorou até um chegar e eu passar as coordenadas para o taxista.

Finalmente chegando lá, passei o estacionamento e adentrei. Os poucos olhares que ali haviam foram para mim e o bom humor que restava se foi com aqueles olhares. Resolvi apressar os passos e passar na área de treinamento e dá uma olhada por lá. Decidi de última hora fazer alguns exercícios, o dia seria longo e eu precisaria ter forças para não matar nenhum colega de trabalho. Não sei quanto tempo gastei fazendo flexões, agachamentos e corrida, tomando um banho demorado no vestiário, troquei de roupa e decidi que já estava na hora de encarar os outros. Refazendo os passos de mais cedo, caminhei lentamente pelo estacionamento e de longe avistei Prepon que estava com as mãos enfaixadas e Lyonne que estava de muletas e com o pé engessado, meu coração se apertou, mas ao menos estavam bem. Minha curiosidade estava gritando, queria ir lá perguntar o que houve, mas provavelmente ouviria um monte. Imediatamente resolvi sair da vista das duas, mas acabei esbarrando em alguém.

– Não olha por onde anda?

Ah é você Danielle, que susto!

– Está com a consciência pesada é? Para está se assustando facilmente.

Bom dia pra você também! E se não se importa, eu preciso fazer algo.

Tentei passar por ela, mas ela segurou me braço fortemente, me fazendo parar imediatamente.

– Eu ainda não terminei de falar, precisamos conversar!

Temos? Eu não tenho nada para dizer!

– Ah tem sim.

Ela me arrastou até uma sala qualquer, pelo jeito não iria conseguir fugir desta conversa.

– Apenas me responda, você está envolvida no incêndio?

Que incêndio?... Prepon e Lyonne estavam daqueles jeito por causa de um incêndio? Aí meu Deus.

– Não se faça de desentendida para o meu lado, eu não acredito neste sua teatro, todos já sabem do seu envolvimento com o Christopher.

Comecei a ligar os pontos “tive que tomar uma medida drástica”. Então Christopher colocou fogo no cativeiro. Estou perplexa! Rapidamente sair dos meus devaneios.

Então era por isso que estava me seguindo esses dias? Acredite se quiser – disse revirando os olhos.

– Então você não sabia do incêndio? – dava para sentir o sarcasmo.

Se você não tivesse me dito, jamais saberia. Eu não devo satisfação da minha vida a você, mas eu realmente não estou envolvida com isso.

– Até onde você será capaz de ir por causa de uma paixão?

Não me venha com lição de moral agora, eu não sou nenhuma criança. E agora me dê licença que tenho mais o que fazer do que ficar aqui ouvindo suas acusações. Eu esperava isso de qualquer um, menos de você Danielle! Como

Sai daquela sala batendo a porta com indignação.

****

Devido aos pequenos ferimentos sofridos, o diretor Arthur decidiu que seria bom que Natasha e eu ficássemos em casa por volta de duas semanas e meia, contragosto acabamos aceitando o "tempo livre". Sendo assim, decidimos que seria melhor passarmos um tempo ao lado de minha mãe em New Jersey e assim fomos, com a ajuda de uma das amigas fisioterapeutas de Brad cuidamos da recuperação de Lyonne e cuidamos das minhas queimaduras nas mãos.

Por volta de nove horas da noite de segunda feira, Natasha e eu chegamos ao meu apartamento, minhas mãos não estavam cem por cento, mas já era possível usá-las. Lyonne agora se movimentava com a ajuda de muletas, a médica que nos acompanhou enquanto estávamos em New Jersey chegou a dizer que era impressionante a forçar de Natasha, porque pelo estado que havia ficado sua perna, sua recuperação deveria estar acontecendo de forma lenta e era justamente ao contrário.

– Estou ansiosa para voltar ao trabalho, não aguentava mais ficar presa dentro de casa. – Disse Natasha assim que a coloquei na cama.

Me encontro na mesma situação minha cara, sinto falta daqueles fetos.

– Por falar neles, a quantas andam os treinamentos deles?

Arthur designou os melhores agentes da sede para treina-los na minha ausência, se não fosse desta forma, estaríamos todos atrasados, mais do que já estamos.

– Entendo, já tem data prevista para a formatura deles?

Ao que tudo indica, eles se formaram sábado. Sendo assim, segunda já devemos ter alguns novos agentes conosco.

– Mais alguém sabe sobre a sua promoção, diretora? – Perguntou Lyonne rindo.

Você e mamãe foram as únicas que foram contempladas com essa informação minha cara. Quero que seja surpresa para todos.

– Muitos deles ficarão felizes por você, eu já estou!

Já outros.. – Disse pensativa.

– Avisei Yael que já chegamos, ela não para de me contar sobre o seu treinamento e de como sente falta de treinar conosco.

Sei exatamente do que ela sente falta. – Disse rindo.

– Para de ser idiota, ainda não chegamos nessa fase.

Justamente por isso que tenho que rir.

– Mudando o foco da conversa, Taylor já sabe que você chegou?

Sabe, a convidei para vir aqui, mas ela disse estar muito ocupada. – Disse meio cabisbaixa.

– Que estranho..

O que é estranho? – Perguntei confusa.

– Yael acabou de me dizer que estava com Taylor e que não estavam fazendo nada útil.

Então.. ela inventou uma desculpa para não me ver?? – Perguntei mais pra mim do que para ela.

– Talvez ela esteja chateada por você ter ido viajar sem falar com ela antes. – Tentou em vão, justificar a atitude de Taylor.

Pode ser. – Foi tudo o que me permiti dizer. – Bom, você está devidamente alimentada e limpa, já posso me retirar? Estou cansada e nos acordamos cedo.

– Pode ir, também estou cansada.

Assenti e dei boa noite, seguindo para a porta do quarto, quando estava quase saindo, Natasha me chamou.

– Laura..

O que foi?

– Não coloque caraminholas na cabeça, ela deve ter tido um bom motivo para dizer que estava ocupada.

Mas eu.. – Lyonne não me deixou continuar.

– Eu te conheço Laura Prepon você tentará achar o erro e não irá sossegar até descobrir porque Taylor "mentiu".

Você me conhece muito bem garota! – Lancei lhe uma piscadela.

– Falo sério, não se precipite.

Boa noite Lyonne. – Disse saindo do quarto.

A quem eu queria enganar? Natasha estava coberta de razão, assim que fosse possível colocaria Taylor contra a parede e ela teria que me dizer a verdade ou a verdade. Com esse pensamento, deitei em minha cama, mais uma vez verifiquei o celular, Taylor estava online mas não tinha mandando mensagem, então decidi fazer o mesmo que ela e ignorar sua existência.

****

O Despertador tocava insistentemente, para a minha tristeza estava mais do que atrasada, havia esquecido de mudar o despertador para mais cedo enquanto voltava de New Jersey, saltando da cama corri para o banheiro, fiz minhas higienes, tomei um banho rápido, peguei a primeira roupa social que encontrei por ali, fiz uma maquiagem simples, deixei os cabelos soltos, peguei a arma, chave do carro e celular e segui para o quarto de Lyonne que para a minha surpresa já não estava mais lá.

Atravessei o corredor em passos largos enquanto chamava por Lyonne, ela não estava na sala, com um barulho de copo quebrando foi possível identificar em qual cômodo do apartamento ela estaria. Chegando na cozinha me deparo com uma Natasha Lyonne risonha, não havia entendido já que a mesma acabará de derrubar um copo com água.

Mas... Qual é a graça? – Perguntei confusa.

– Não tem graça nenhuma, estou rindo de nervoso.

Opa linda, tudo bom?

– Isso que dá acreditar que já sou capaz de fazer as coisas sem ajuda nenhuma. – Disse enfim.

Mas você é capaz sim, qualquer pessoa poderia ter derrubado o copo Lyonne!

– Sério? – Perguntou com deboche. – Você não derrubaria!

Se eu estivesse no seu lugar e com esse belo par de muletas, com toda certeza eu faria pior do que derrubar um copo minha querida. – Disse rindo e Natasha me acompanhou.

– Você está certa! Acho que só estou nervosa com o fato de voltar para o trabalho, não sei.

Natasha Lyonne apreensiva, não acredito que vive para ver isso. – Disse gargalhando e Lyonne me mostrou o dedo do meio.

Lyonne havia improvisado um café, deixando minha cozinha um verdadeiro caos, estava decidido, contrataria alguém para me ajudar assim que tivesse tempo livre. Tomando aquele café improvisado sem pressa alguma, dei um jeito na cozinha e logo nós saímos.

– Que bela maneira de voltar ao trabalho não é mesmo? – Lyonne perguntou enquanto procurava alguma estação no rádio.

Duras horas de atraso, não é para qualquer um. Acho que nos superamos haha.

– Eu tenho certeza minha cara! Será que Yael já chegou?

Acho que até o papa já chegou e a gente não haha. Está viciadinha em Yael não é?

– Está tão visível assim?

Seus olhos falam por si só minha cara Lyonne. Você não me disse como foi os dias que ela passou com você.

– Foram normais, nos jogamos, trocamos alguns beijos e foi só isso, ela estava com medo de machucar a minha perna.. por isso não tivemos nada além.

Se fosse por você, teriam transado?

– Não tenho certeza, Yael é diferente do todas mulheres que eu já me relacionei, quero fazer as coisas certas e no tempo dela.

Hm, entendo. Finalmente nós chegamos. – Disse já estacionando o carro.

– Até que fim né, espero não levar bronca no primeiro dia de volta.

****

Nós chegamos a sede muito depois do horário previsto, a caminhada de Lyonne até o prédio do FBI parecia está sendo mais longa do que o trajeto que havíamos feito para chegar ali, já estava impaciente, sem pensar duas vezes peguei Lyonne no colo e guiei até o elevador, ela me olhou com uma cara de: Porra, você não me pegou no colo no meio de todas aquelas pessoas. E eu apenas fiz a egípcia.

Chegando no andar de nossas salas, primeiro fomos até a sala de Natasha e deixamos seus poucos pertences ali e em seguida seguimos para a minha. Depositando meus pertences nos lugares que costumavam ficar avistei um bilhete em cima do meu Notebook.

Bom dia agentes, presumindo que a agente Lyonne esteja ao seu lado.. o diretor Arthur as espera na sala de reuniões.

Lola

Agora sim, estamos ferradas! – Disse preocupada.

– O que houve?

O diretor está nos esperando e a julgar por esse bilhete, faz um bom tempo.

– É melhor corrermos até lá. – Disse rindo.

Ótima piada haha agora vamos logo. – Disse mais uma vez pegando Lyonne no colo e entrando no elevador.

A sala de reuniões era grande, assim como a sala do diretor, já que ficava no último andar, ambas as salas foram divididas igualmente. Passando pela porta da sala do diretor estranhei o fato de Lola não estar no seu posto, ela raramente saia dali. Chegando na porta da sala de reuniões, coloquei Lyonne no chão e abrir a porta, estava tudo escuro, muito estranho, as persianas provavelmente estavam fechadas, meu modo de alerta entrou em ação, o que diabos o diretor do FBI fazia numa sala escura como aquela e com sua secretária??? Afastando os pensamentos procurei pelo interruptor, ligando-o em seguida.

Levando a mão ao peito assim que meus olhos enxergaram aquele tanto de gente em uma única sala. Um grande e caloroso "surpresaaaaaa" foi dito em uníssono e meu coração se derreteu, Lyonne estava atrás de mim sem entender nada, então eu dei espaço a ela e pude ver de camarote seus olhinhos lacrimejantes, isso logo mudou para um grande sorriso quando seus olhos encontraram o de Yael. E eu não pude deixar de dizer um "owwn" e em seguida ganhar um soco no braço.

A sala de reuniões estava decorada com uma faixa de "sejam bem vindas" havia uma certa variedade de comidas e bolo em cima da mesa, cada recruta já estava devidamente preparado para o treinamento, cada um deles veio até onde eu e Lyonne estávamos e nos cumprimentaram com um aperto de mão.

– Agente Lyonne cansou de ser princesa e virou pirata foi? – Perguntou Matt rindo.

Eu também fico feliz em ver você Matt. - agradeço pelos brinquedinhos, garanto que serão muito bem aproveitados. – Sussurros Lyonne e Matt riu.

Matt realmente é a sua versão masculina, minha cara. – Disse entre um sorriso em outro.

– Olha snap, se Matt não gostasse da mesma fruta que você gosta, eu até diria para você investir, não iria se arrepender haha.

Deixa de ser idiota, cabeça oca. – Disse rindo.

Os cumprimentos foram rápidos, o diretor falou algumas palavras, alguns recrutas também, por fim o diretor resolveu ceder mais uma hora para aproveitarmos aquela "festa" antes do treinamento. Meu subconsciente gritava, Taylor estava diferente sim, algo havia acontecido e eu iria descobri o que era.

****

Faltando pouco tempo para que o treinamento começasse, resolvi ir ao banheiro lavar o rosto com água para ver se isso dilui um pouco dos meus pensamentos. E ao adentrar me deparo com a Taylor escorada na pia, com a cabeça abaixada e uma das mãos no pescoço, parecia bem tensa e aparentemente não notou minha presença. Meu subconsciente voltou a gritar.

Taylor??

– Aí que susto! – diz colocando a mão ao peito.

O que está acontecendo?

– Hã?

Você está estranha, parece distante.

– EE-e não tenho nada...

E então porque diabos não olha nos meus olhos?

Ela rapidamente levantou o olhar e seus olhos foram de encontro ao meu. Pude sentir meu coração acelerar, apenas um olhar era capaz de destruir minhas barreiras.

Posso saber porque mentiu?

– Onde menti? – disse meio surpresa.

Eu te chamei para ir lá em casa e você disse está ocupada. E logo depois Yael diz a Tasha que vocês não estavam fazendo nada útil!?

– Eu só.. bem, não estava muito bem.

E precisava inventar uma desculpa? Eu fiz algo errado? – Disse meio cabisbaixa.

– Ei, não fez nada errado Laura.

Então porque está me evitando? O que você tinha? Está melhor?

– Eu estou melhor agora... eu só não queria te preocupar, já está com muita coisa na cabeça.

Eu sempre terei espaço para ouvir você.

– Tudo bem, me desculpe – disse me abraçando. Vamos nos atrasar para o treinamento.

Pode ir na frente, te encontro lá.

– Certo, não demore.

Assim que ela saiu, passei a água no rosto, sequei e disse a mim mesma “É coisa da minha cabeça” tentando me enganar.

Passava das onze da manhã quando todos os recrutas e duas agentes adentraram a academia da sede, com a ajuda de Matt, Natasha pode se juntar a nós. Deixando o clima descontraído pra lá, adotei a máscara de agente durona e seria.

Como todos podem ver não estou cem por cento, os testes finais não foram feitos da forma que eu queria por certos contratempos. Porém, nessas duas semanas vocês foram avaliados pelos agentes que ficaram responsáveis pelo treinamento e eu espero que nenhum tenha feito corpo mole, não estou afim de mandar ninguém para casa.

Hoje irei avaliar a defesa e o contra ataque de vocês. Dascha e Danielle serão as agentes que vão me ajudar hoje, vamos revezar nessa defesa e ataque e depois faremos um combate entre vocês recrutas. Se todos lembram do começo dos nossos treinamentos praticamos isso, não esqueçam que todos os seus movimentos serão avaliados.

– Voltou com tudo em agente especial. – Brincou Matt.

Isso ainda está leve meu caro, os planos para essa semana seriam grandes, mas não posso fazer muita coisa com essas mãos. – Disse seria.

Vamos lá pessoal, vamos começar! Muitos de vocês devem estar pensando que ficaram sentados enquanto os outros treinam, sinto desaponta-los, tremem entre si mesmo e após o outro ser derrotado, assuma o seu lugar e assim sucessivamente.

Os combates começaram, os recrutas haviam melhorado muito, uns eram mais ágeis que outros, mais fortes que outros, mas no fim o combate havia ajudado muito na avaliação.

Vocês conversaram? – Perguntou Natasha tirando a minha atenção da luta de Taylor e Dascha.

Espere um minuto Lyonne. – Disse prestando na luta a minha frente.

Dascha era mais experiente, porém Taylor não ficava muito atrás, atingia pontos estratégicos, levando assim Dascha ao chão. Acreditando ter vencido, Taylor comemorou e Dascha a atacou.

Nunca baixe a guarda para o seu oponente Taylor. – Disse antes de olhar para Lyonne.

O que havia dito mesmo?

– Perguntei se você e Taylor conversaram.

Ah, nós podemos falar sobre isso depois?

– Foi tão ruim assim? – Perguntou Lyonne espantada.

Não Natasha, estou trabalhando, conversamos depois. – Boa finalização Matt.

– Ela é grossa, ela.

Finalizamos o treinamento algumas horas depois, as avaliações ainda seguiriam para o resto da tarde e eu implorava para que as horas corressem mais rápido. – Imagino que todos estejam cansados mas ainda não acabamos aqui, vocês tem uma hora para almoçarem e voltarem aqui, aconselho todos a comerem mesmo.

Como um flash os recrutas e as agentes presentes passaram por mim, seus rostos não negavam que de fato estavam cansados, mas aquilo era necessário, últimas avaliações, dali dois dias eles estariam formados, seriam agentes, precisam aprender a conviver com essa correria que é ser um agente do FBI.

– Pode me explicar o que foi isso? – Perguntou Lyonne assim que a sala ficou vazia.

Isso o que? Só estava fazendo meu trabalho.

– Castiga-los é fazer seu trabalho?

Não estou castigando ninguém, isso seria feito uma hora ou outra, não temos muito tempo, preciso finalizar essas avaliações e hoje é o dia.

– Você estava de bom humor, o que houve?

Não houve nada Lyonne. Você quer ir comer? Posso te levar.

– Não, pedi para que Yael nos trouxesse um lanche.

****

Os recrutas voltaram alguns minutos antes, sendo assim Lyonne e eu pudemos desfrutar do nosso lanche naqueles minutos finais.

Presumo que todos os presentes conheçam o teste do “Physical Fitness Test” (PFT). – Todos confirmaram com a cabeça. – Muito bem, esse teste normalmente é feito em quântico, irei repeti-lo aqui porque alguns de vocês não se saíram tão bem assim, então terão uma nova chance. Vale ressaltar que o desempenho pode até mesmo render pontos negativos, o que automaticamente desqualifica vocês, candidatos, então deem o melhor de si.

Passarei o que faremos nessas horas, esse teste consiste nos seguintes exercícios:

Abdominais realizadas em um minuto, arrancada cronometrada de 300 metros, flexões sem limite de tempo e corrida cronometrada de 2,4 km.

As regras desses testes físicos são bastante simples. O desempenho em cada um dos exercícios é pontuado de acordo com a performance. A primeira obrigação é conseguir ao menos uma pontuação em cada um dos testes. A segunda obrigação é pontuar um total superior a 12 pontos, o que é acumulado a partir dos quatro testes.

Vocês só saberão o resultado quando eu quiser que saibam, agora ao trabalho, sem corpo mole, vamos!

****

Logo depois que terminei o treinamento, todos foram dispensados, deixando todos curiosos para o resultado, mas preferi manter o mistério. Natasha queria ficar, mas fiz ela ir pra casa, afinal hoje era dia da Yael ficar com ela e Taylor foi ajuda lá e eu ainda tenho que resolver algumas coisas. Fui direto para a sala do art, passei pela Lola e ela disse que ele estava em reunião, e que não demoraria. Fiquei esperando em sua sala, queria saber como estavam as investigações, aquele filho da puta precisa ser preso, antes que coloque mais alguém em perigo. Não demorou muito para ele chegasse.

– Olá senhora diretora! - diz em tom de brincadeira.

Olá Art.

– Como estão as coisas com os recrutas?

Como você sabe, a formatura está chegando, então estou finalizando e está indo tudo nós seus conformes.

– Isso é ótimo. Está ansiosa pela formatura de mais agentes?

Sim.. é um grande passo para eles e fico feliz em poder compartilhar isso. Mas então, como vão as investigações? Depois do incêndio?

– Não encontramos mais nenhum sinal, ele desapareceu e isso me preocupa muito.

A mim também!

– Temos que ficar em alerta, tenho certeza que esse não será seu último ataque.

Queria saber qual será seu próximo passo, só para o ver falhar e ser preso.

– Não irá demorar para acontecer ..

Faço questão de interroga ló.

– Não se esqueça você é o alvo dele.

Não dá para esquecer – disse meio triste.

– E então já falaram com a Dascha depois do incêndio?

Danielle fez isso.

– E então?

Ela afirma não ter envolvimento!

– É melhor que não saiba mesmo.

Ficamos acertando alguns detalhes da investigação e depois resolvi ir para casa.

Entrei no carro e todos os meus pensamentos ruins voltaram, desde do incêndio com a Natasha, até o fato da Taylor está me evitando, tantas preocupações e angústias. Tenho estado bem sensível e as minhas barreiras não estão sabendo lidar com Isso, tento ser durona mas a quem estou tentando enganar? As lágrimas agora tomavam conta do meu rosto, as sequei com um pouco de dificuldade por causa da faixa e resolvi ir logo antes que alguém me veja chorando no estacionamento.


Notas Finais


Nós queremos nos desculpar pela demora, tivemos alguns imprevistos + a falta de ideias, espero que todos gostem e se puderem comentar, qualquer coisa mesmo, ficaremos gratas ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...