História PRAZER CULPOSO:Luxúria - Capítulo 75


Escrita por:

Postado
Categorias Dylan Sprouse, Império, Liga da Justiça, Little Mix, Riverdale, Sabrina Carpenter
Personagens Diana Prince (Mulher Maravilha), Dylan Sprouse, Elizabeth "Betty" Cooper, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Jade Thirlwall, José Alfredo "Comendador" Medeiros, Perrie Edwards, Sabrina Carpenter
Tags Gossip Girl, Pretty Little Liars, Riverdale, Scream, Slasher
Visualizações 9
Palavras 2.167
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Mistério, Policial, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 75 - Cinquenta e três.


Fanfic / Fanfiction PRAZER CULPOSO:Luxúria - Capítulo 75 - Cinquenta e três.

HORAS ANTES:

A garota digitava rapidamente pelo teclado do Notebook quando ouviu a campainha tocar e estranhou. Olhou pelo olho mágico da porta e sentiu sua espinha travar ao ver Brianna.

A loura abriu a porta, contudo nada disse e fez de conta que Brianna não estava lá e por vezes pegou a mãe olhando para si e por vezes o olhar da estilista entregava que estava tentando entender o que a filha tanto pesquisava e munida pela curiosidade perguntou: -- Afinal, o que é que tanto procura?

Lanai a olhou pela primeira vez e áspera disse: -- Estou à procura do orfanato onde vivi. – Lanai disse seria. – Não há nenhuma possibilidade que me faça continuar aqui, não há nada que me faça aceitar as suas malditas e falsas desculpas. Eu estou pouco me lixando para você Brianna. – Lanai se referia a Brianna com magoa, muita magoa, suas palavras eram carregadas de dor.

-- Eu conversei com o Max, ou melhor, ele me contou tudo e acredite, eu estou muito mal.

-- Oh! Pobre coitada da estilista ricaça que expulsou a filha, ou melhor dizendo o estorvo de dentro de casa. – Lanai riu desdenhosa. – O isso não é arrependimento, isso se chama culpa, acha que eu não sei que seu casamento foi pro ralo? Pensa que eu não sei que sua empresa que eu inúmeras vezes ajudei a tirar do limbo com os meus desenhos esta falida e terá de ser vendida? -- Lanai cuspia as palavras na cara da mãe.

-- Eu e a Perrie somos sua família. -- Brianna disse dura. -- Mesmo que não aceite isso, mesmo que se sinta machucada pelo que fiz. E você não sabe de nada, nada Lanai. -- Brianna segurou a filha pelo braço. -- Não sabe como o mundo é cruel e como uma garota inocente como você pode se machucar.

-- Não me toque. -- Lanai empurrou a morena para trás. -- Não se atreva a falar que me ama ou coisa assim, você não tem esse direito e depois do que fez comigo eu não tenho mais família. – A garota disparou sem medo. – Eu parei naquele lugar por sua causa. – Lanai fez um coque frouxo nos cabelos. – E eu não sei como o mundo é cruel? Serio mesmo que esta preocupada com isso? 

-- Você é minha filha! O que diabos pensa que eu sou? Acha que procurar pelos seus pais biológicos muda os laços que criou ao longo da vida? – Brianna a confrontou. – O que esta fazendo é fugir. – A morena encarou  a garota fixamente. – Você nem sabe se os seus pais biológicos existem, já parou pra pensar que eles nunca te quiseram? 

Lanai parou estática como se tivesse tomado um tapa na cara, pois sabia que tinha de ser grata sim a Brianna e Perrie por adota-la e excluindo alguns momentos conturbados  terem sido ótimas em sua criação. 

-- E o que isso muda? Isso não muda o que aconteceu. -- Lanai apontou o dedo na cara de Brianna, mas sentiu o impacto da mão pesada da morena empurrando o dedo da garota. 

-- Não ouse apontar o dedo pra mim. -- Brianna gritou brava. -- Não ouse nunca levantar sua voz pra quem deu a vida por você. 

Lanai a olhava com raiva, mas ao mesmo tempo se via perdida porque devia tudo a ela, todos os dias da sua vida foram assim.

-- Você não consegue admitir que errou não é? Mas eu não vou abaixar a cabeça pra você Brianna, eu não vou! Eu nunca mais vou aceitar que me humilhe, que me bata ou coisa assim.

-- Fala direito comigo. -- Brianna gritou mais alto.

-- Eu falo do jeito que eu quiser! Você é nojenta, é um lobo em pele de cordeiro e nunca se importou de verdade com ninguém além de si mesma, nunca se importou em como eu me senti a vida toda

-- Eu sempre te dei tudo. -- Brie retrucou.

-- Não! Você sempre jogou na minha cara o que me deu, sempre fazendo questão de me lembrar todos os dias que fez o favor, a caridade de me adotar.  Ja parou para pensar em como eu me sentia quando via você levando os créditos sobre os meus desenhos? Nunca passou pela sua estupida cabeça que se eu desenvolvi transtornos alimentares a culpa foi sua? Eu vomitava toda as vezes em que você fazia questão de me humilhar dizendo que se eu quisesse ser sua modelo eu não podia ser gorda. Ou quando, você fazia questão de sempre ressaltar que 7 não eram notas escolares e que só aceitava notas 10. -- Lanai desabou em lagrimas. -- Eu passei minha vida toda tentando agrada-la e o que eu sempre recebi em troca foram humilhações, foi a sua ausência e nos momentos em que eu mais precisei de uma mãe onde é que você estava? Em Paris, ganhando rios de dinheiro com as minhas criações e tomando vinhos caros, enquanto, eu vomitava pelos banheiros, enquanto eu estava sozinha e sofrendo bullying das pessoas na escola por ter duas mães.

Brianna engoliu seco, seu coração parecia que pouco a pouco estava perdendo os batimentos e palavras faltavam, não sabia o que fazer ou o que falar. Nunca tinha parado para pensar que tinha sido a causadora dos problemas de saúde da filha e no em como a garota se sentia afetada pela criação rígida que lhe dera.

-- Eu estava literalmente um caco e eu queria que a porra da minha mãe me ajudasse a superar a vergonha que eu sentia e ainda sinto ao lembrar que a minha primeira vez vazou na internet e a unica coisa que eu recebi foram suas mãos machucando todo meu corpo, eu queria a sua ajuda e de fato o seu amor, mas eu recebi o seu desprezo, contudo, agora eu posso ver quem de verdade tu es. 

Brianna apesar de fingir no fundo estava em choque, mas não podia deixar os sentimentos atrapalharem as coisas.

-- Então, acabou Lanai? -- A morena perguntou.

-- É apenas isso que tem a me dizer? -- Lanai perguntou sem crer. -- Você é imunda.

Foi rápido demais, de repente a garota sentiu uma bela bofetada fazer seu rosto esquentar e os gritos de Brianna por cima dela.

-- Eu sou sua mãe, lide com isso. -- Brianna disse apertando o maxilar da loura.. -- É a verdade que quer? Ninguém queria adota-la, você passou meses sendo rejeitada, foi um ano e seis meses de rejeição e sabe o porque? Porque você nasceu com hepatite C, sua mãe era uma drogada e seus avós biológica também não queria ter uma neta infectuosa já que isso não tem cura e por isso te entregou para o estado, que te colocou na fila de adoção e essa imunda que esta na sua frente se apaixonou pelos olhos e cabelos claros que você tinha e moveu céus e terras e te adotou.

Lanai sentiu como se o mundo tivesse sido jogado em suas costas e sua ficha aos poucos foi caindo e ela se dando conta de toda a proteção, o motivo pelo qual Brianna presava tanto pela alimentação dela e o medo que tinha da garota utilizar agulhas, ficar proxima a sangue ou qualquer tipo de exposição.

-- Não me arrependo de ter sido rigida, mas nunca mais na sua vida ouse dizer que eu não te amo, que não te amei e que me aproveitei do seu talento, eu te dei tudo, eu te dei uma familia, eu te dei o meu nome e daria até minha vida. -- Brianna pausou por segundos procurando o ar. -- Você diz que eu nunca me coloquei no seu lugar, mas parou para pensar no quanto eu me senti decepcionada quando vi aquela droga de video? Eu penso que é muito boa Lanai, muito linda, muito talentosa e eu sempre desejei que conquistasse mundo, dito isso acha que eu fico feliz em ve-la sendo sombra de garotas futeis? Olha pra você, se jogando num tunel sem luz por um mauricinho que não faz nada além de ter problemas de aceitação com o pai. -- Brianna deixou pela primeira vez uma lagrima escorrer. -- Você é boa demais pra um moleque Lanai, eu so queria que enxergasse isso. 

X

— Quem e Victor? — Lanai perguntou curiosa.

— Bem... é que... Muita coisa aconteceu nesses quase quatro meses que tu sumiu. — Valentina mordeu o lábio. — Eu precisei de amigos novos e comecei a faculdade do zero. — Valentina riu. — Tenho certeza que vai adorar a Pandora, Charlotte e o Thomminhas. -- Eu resolvi cursar Investigação Forense e Perícia Criminal, ou seja serei uma investigadora, uma detetive.

— Pera, então esta me dizendo que largou a moda, trocou os loubotions por investigar cenas de crimes e mortes? -- Lanai encarou a menor . -- Isso é chocante, literalmente. -- Andou me traindo tambem? — Lanai perguntou sorrindo. — E o tal Victor?

— Ele é apenas meu amigo... — Nina respondeu sem jeito. E, não me olha assim, como pensa que eu fiquei quando a mentirosa da sua mãe me disse que você estava em Portugal? Eu desconfiei, óbvio, afinal o que uma pessoa como tu faria naquele fim de mundo? Talvez a mentira pudesse soar convincente se ela falasse Barcelona ou Milão que eu sei que você ama. -- Valentina riu. -- Meu pai ficou irritado quando soube do curso, mas veja: ele e a mamãe são advogados e o Davi sera promotor, porque eu não posso completar o rol de família jurídica sendo Perita Criminal? So porque tem 1,53 de altura? Isso é machismo.

Lanai riu do jeitinho investigativo e bravo da menor, enquanto olhava os lábios carnudos e convidativos, mas espantou os pensamentos impuros e indagou:

— E esse olharzinho? Nunca que esse tal Victor e só amigo. — Lanai voltou a pose seria. — Voltando ao meu drama... confesso! Estou com medo Nina, pois não sei como encarar as pessoas ainda.

— Eu também tive medo e ainda tenho de encarar o mundo e as pessoas, mas então eu lembro que eu fui encorajada por uma pessoa maravilhosa e sei que você vai tirar de letra. — Valentina abraçou a maior. — Eu preciso de você Lanai, preciso da minha melhor amiga ao meu lado.

-- Não sei como enfrentar essas pessoas Valentina, sabe, é fácil encorajar o outro, mas é muito difícil encontrar forças para se levantar depois de uma queda. – Lanai abaixou a cabeça tensa. – O olhar de raiva do Enzo ainda me machuca e isso não é nem o maior dos meus problemas, eu ainda tenho duas mulheres que me criaram e terão ataque de fúria quando souber do meu paradeiro. Mas, entre nós duas, você continua sendo corajosa de ter enfrentado o mundo, eu não, eu sempre menti sobre os distúrbios alimentares, eu me enfiei numa situação perigosa por bobagem e sou fraca o suficiente a ponto de ser rejeitada pelas pessoas que juraram me amar.

-- Eu era manipuladora e mimada, você quis dizer. – Valentina respondeu convicta. – Eu jamais teria levantado daquela cama se eu não tivesse uma amiga igual a você que mesmo após as inúmeras maldades que cometi foi lá e me estendeu a mão, então eu não posso abandoná-la assim, eu não vou deixar que se afunde por algo que não é culpa sua. – Valentina deitou o rosto da maior sobre seu colo. – Falando na Mia, saiba que ela se acidentou.

Lanai levantou a cabeça assustada. – Como ela se acidentou?

-- Ela caiu da sacada do prédio onde mora, após uma briga com o Enzo. – Valentina dizia desinteressada, era visível o quanto detestava Mia. – Parece que Mia  se desequilibrou e o Enzo não conseguiu segurar e daí ela caiu da sacada do segunda andar batendo a cara numa mesa de vidro. – Valentina desviou o olhar por um instante. – Ela ficou deformada, parece que o rosto esta lotado de cicatrizes e na queda também machucou uma das mãos tendo que amputar um dos dedos e as pernas também foram machucadas, tanto é que esta  aparentemente esta manca, mas a situação foi caótica, diz Enzo que ela pode até ter a perna amputada caso não melhore com fisioterapia.

Lanai abriu e fechou os lábios em choque, contudo Valentina continuou não deixando a amiga comentar nada.

-- Não sou hipócrita Lanai. Mia é uma vadia e se teve aquilo foi as forças divina devolvendo o que ela fez contigo, veja, ela cortou seu cabelo, mas esqueceu que cabelo cresce, enquanto ficará com o rosto deformado para o resto da vida. – Valentina riu. – Eu ainda tenho um pouco de humor negro e não me culpo por isso, ela mereceu e eu não fico com dó.

Lanai nem sabia o que dizer e mesmo com tudo que Mia tinha feito a garota sentia dó ao saber do estado de saúde dela, não era porque Mia tinha atitude ruins que Lanai debocharia da situação, porém não julgava Valentina, pois sabia que Nina tinha seus motivos para odiar a ex-cunhada.

 


Notas Finais


Oi gente!
Meu Deus, o que foi essa troca de farpas? KKK então, ainda tem a segunda parte dessa discussão, as coisas não param por ai e a Lanai ficara "dark" e pelo menos 5 capítulos, muita coisa vai rolar.

Brianna trazendo o maior plost twister dessa historia, meu pai e morro com ela não se arrependendo o murro no Max que jura arrependimento e comete os mesmos erros nos capítulos seguintes.

Deixem seus textões revoltado abaixo e até mais.

Beijin <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...