1. Spirit Fanfics >
  2. Prazer, Pugliese (Natiese) >
  3. Como nunca percebi isso?

História Prazer, Pugliese (Natiese) - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Pessoal este é um capítulo ponte. Para vocês conheceram a relação da Pri com o Rodrigo e como foi um pouco da adolescência da Pri.

Capítulo 7 - Como nunca percebi isso?


#Priscilla

    Eu ainda estava sem reação com a bomba que o Lucas havia jogado em meu colo. Pisquei algumas vezes e minha boca abria e fechava, mas eu não conseguia dizer uma só palavra.

    -Eu disse que era melhor eu não falar nada. -Lucas pediu um copo d'água ao garçom e estalava os dedos na mina frente.

    -Isso é loucura. - Eu tive um outro surto, comecei a rir, rir muito e Lucas me olhava como se eu estivesse ficando louca. - Nossa Lucas por um momento achei que você fosse falar algo sério. -Continuei a rir, mas fui parando ao perceber que o meu amigo continuava a me encarar sério. - Isso foi uma piada, não é?

       - Você nunca reparou como ele te olha e faz tudo o que você quer? - Lucas foi falando e eu fui resgatando na memória momentos em que Rodrigo possa ter demonstrado algum interesse além de amizade por mim. - Quantas vezes ele deixar qualquer garota que estivesse ficando apenas porque você o chamava. 

      -Mas eu faria a mesma coisa por ele, por você, afinal somos amigos. - Argumentei e Lucas continuou.

      -Somos, mas você nunca percebeu a maneira como ele te abraçava? A forma como ele te olha? Sério mesmo que nunca passou pela sua cabeça que ele poderia ser afim de você? 

      - Lucas eu gosto de garotas, nunca reparei para os homens que me olham com desejo.

      - Tudo bem, me conta como foi que contou para o Rodrigo que gostava de mulher. 

    ( Flashback on)

     Eu lembro que o Rodrigo tinha que iria na minha casa depois da escola e que queria falar comigo algo muito importante. Achei que era algo com a sua família, mesmo amando os seus pais e os chamando de tio, eu sabia que o Rodrigo não tinha uma boa relação com o pai e por isso passava mais tempo na minha casa, já que meus pais eram padrinhos dele e eu sua melhor amiga. Eu sempre o considerei um irmão. Já tinha um tempo que queria contar para ele sobre minha paixão pela garota do ensino médio, ela era realmente linda e irmã de um colega meu de turma, o Pedro. E ela tinha me dado um beijo na bochecha uma vez. Eu com os meus dez anos achava que tinha ao errado comigo, por não gostar de garotos, mas algo era mais forte que eu e foi com doze anos que dei o meu primeiro beijo, atrás da escola com uma menina, o nome dela era Isabelle Drumond, ela era dois anos mais velha que eu e me pegou de surpresa. Depois disso eu fiquei ainda mais curiosa e ela passou a ir na minha casa para brincar comigo, ou pelo menos era o que meus pais achavam. E nesse dia Rodrigo me pegou beijando ela no meu quarto. 

       -Priscilla... - A voz dele animada foi morrendo ao longo do meu nome e eu e a Isa nos separamos com o susto.

       -Por Deus, Rodrigo, achei que fosse meus pais. 

       Ser pega em flagrante não era nada bom, mas eu senti alívio por ser o Rodrigo e não os meus pais. 

       -Pri eu já vou. - A Isa se despediu de me com um beijo na bochecha.- Depois nós falamos. 

      -O que estava acontecendo aqui? - Rodrigo estava nervoso e eu respirei fundo, pois não teria outra opção a não ser contar a verdade e rezar para que ele não contasse nada aos meus pais.

      -Você viu o que estava acontecendo. -Me sentei na minha cama e abracei uma almofada. -Eu não sei como falar sobre isso, não queria que ninguém soubesse. 

 -Rodrigo me olhava de maneira estranho e eu tinha medo de perder meu amigo só por não ser o que todos esperavam. 

      -A Isabelle estuda comigo e é uma garota. - Ele gritou e eu me encolhi mais na cama.

      -Eu sei…- Rodrigo  andava de um lado para outro e passava a mão por seus cabelos. -Você pode parar de andar de um lado para outro. Caramba Rodrigo!

     -Você sabe que isso é errado, não sabe? - Rodrigo me encarou e eu me encolhi mais com o seu olhar.

     -Eu sei. Eu só não consegui evitar. 

     - Ela por acaso te forçou a alguma coisa? - Ele me analisava.- Me fala, Priscilla! 

     -Não. A Isa nunca me forçou a nada. Eu sempre achei outras garotas bonitas. Lembra da irmã do Pedro , que se formou no ano passado? - Ele acenou que sim com a cabeça. -Eu sempre tive uma paixão por ela.

       -Isso é mentira, não é? 

      Rodrigo foi embora naquele dia e passou dias me evitando, eu não conseguia acreditar que perderia meu melhor amigo por algo que eu não poderia lutar contra. Eu era assim. Nunca desejei não ser como o convencional. E saber que não só o Rodrigo, como meus pais poderiam não me aceitar foi muito difícil, mas então depois de umas duas semanas o Rodrigo apareceu lá em casa pedindo desculpas pela maneira que ele reagiu.

  (Fim do flashback)

   -Foi isso que aconteceu Lucas, mas daí a dizer que ele me ama além de amizade é um pouco demais, não acha?

    - Poderia até ser se eu ano tivesse ouvido dele mesmo uma vez quando ele bebeu muito e você tinha assumido o namoro com a Cat. 

    Lucas cruza os braços como se disse " Agora nega isso". Eu queria negar, mas então lembrei de como foi esse dia. 

(Flashback on)

     Cat era amiga do Rodrigo e nos encontramos pela primeira vez no Baile das Marinheiras que ela iria tocar e eu estava patrocinando. Naquele dia fomos para uma festinha em um dos motéis do meu pai. Suiter master e estava rolando de tudo por lá. Eu nunca gostei de usar drogas, no máximo meu copo sempre estava cheio, mas muitos conhecidos meus usavam e algumas pessoas da festa estavam usando. A música estava no volume máximo, isolamento acústico era uma das melhores coisas que poderiam ter em um motel. Eu tinha passado a noite observando ela tocar e agora eu via que ela parecia um pouco deslocada. 

     -Oi. - Falei chegando perto e oferecendo um bebida.

    - Obrigada. - Ela agradeceu pegando a garrafa da minha mão.

   - Você toca em festa, mas parece que não curte muito curti elas. - Comentei chegando mais perto, pois a música estava realmente alta.

    - Pois é, mas faz parte da profissão. - Ela tomou um gole da bebida. 

    -Você aceita dançar comigo? 

    -Eu não danço muito bem. - Ela comentou sem graça. 

    - Poxa eu tinha esperanças de aprender com você. Mas vamos tentar não pisar nos pés uma da outra, combinado?

     Levei a Cat para o lugar que outras pessoas dançavam. Ela estava escondendo o jogo, dançava bem melhor que eu e não sei se por conta da bebida, mas estávamos mais soltas e algumas mãos bobas estavam rolando. Eu a puxei para mais perto e nos beijamos. Ninguém parecia ligar o que estávamos fazendo. Até porque tinha gente transando pelos cantos daquele quarto. 

      O nosso beijo ficou muito intenso e então alguém esbarrou em mim tão forte que a Cat acabou caindo e parecia te machucado o pé.

     -Desculpa meninas. - Rodrigo falou um pouco alterado. - Eu não machuquei você, não é Priscilla?

     - Eu não, mas a Cat acabou caindo. - Falei ajudando ela a levantar. 

    Cat se apoiou em mim e tentou colocar o pé no chão, mas não estava conseguindo. 

     -Me desculpa, Cat. Não foi minha intenção. - Ele falou, mas não tentou ajudá-la, apenas colocou as mãos no bolso.

     -Vamos para um lugar mais tranquilo para ver como ficou o seu pé. -Falei a levando para fora do quarto e entrando no quarto da frente. - Está doendo muito?

    Cat estava sentada na cama e eu liguei para a recepção para que mandassem gelo e um remédio para dor.

   - Está doendo menos. Obrigada por me ajudar. 

    -Por nada. -Falei me sentando ao seu lado. 

    -Quero lhe agradecer de uma maneira melhor. 

    Cat se virou para mim e seu rosto ficou muito próximo, sua mão foi repousada em meu rosto e seu olhar estava fixo em minha boca. Logo os seus lábios tocaram os meus e o beijo começou lento, mas eu logo a puxei para o meu colo e aprofundei o beijo. 

      Foi ali que começou o meu relacionamento a Cat, Rodrigo estava na empresa quando ela chegou para me buscar e eu contei que estávamos namorando. 

      -Eu tenho que lhe agradecer, Rodrigo. A Priscilla realmente é tudo o que você falou. 

      -Tudo não é, sou melhor do que ele pode falar, afinal tem coisas que ele nunca vai saber. -Falei no ouvido dela e senti ela se arrepiar. 

     - Pelo visto estou sobrando aqui. Só não esqueça que está na empresa Priscilla Pugliese.

 (fim do flashback )

       -Quando ele saiu da empresa foi para um bar que cheguei com uns amigos e o encontrei lá, perguntei o que estava acontecendo porque ele estava acabando com a bebida do mundo. E ele me disse que você estava namorando e te amava.


Notas Finais


Próximo capítulo vamos entrar em uma fase mais tensa, afinal nem tudo é amorzinho nessa vida.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...