1. Spirit Fanfics >
  2. Prazerosa Vingança - Imagine Hyunjin. >
  3. Três passos atrás.

História Prazerosa Vingança - Imagine Hyunjin. - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


OIOIOIOIOIOIOIOI TURU BAUM?

Advinha quem voltou? Gente... tõ mimando demais vocês, não acham não?

Meus amores, a Hee-Mika aqui está ótima, eu queri agradecer a todas vocês e aos cometários de apoio, queria agradecer a compreensão de cada uma de vocês <3
Sinceramente, eu não tenho palavras para descrever o quanto eu me senti bem com cada comentário de apoio, e até fiquei emocionada, serio, amo muito vocês e vocês não tem noção do quanto isso é verdade.

Bom... espero que gostem do capitulo, eu realmente estou bem empolgada porque é aqui que a história toda de vingança começa.

SE PERSISTIR OS SINTOMAS O MEDICO DEVERA SER CONSULTADO.

Capítulo 5 - Três passos atrás.


Fanfic / Fanfiction Prazerosa Vingança - Imagine Hyunjin. - Capítulo 5 - Três passos atrás.

- Já está tudo preparado S/n, todos estão na sala de reunião inclusive seu pai – Mina disse a sua chefe, era notável a empolgação da secretária – Boa sorte – ela sorriu para a Ye.

- Obrigada Mina – S/n se levantou pegando a pasta que estava nas mãos de sua secretaria e um pen drive que preparou exatamente para sua apresentação e defesa – Alias – parou antes que pudesse sair da sala – Quer participar dessa reunião comigo? – um sorriso alegre cresceu nos lábios de Mina.

- Sério? Ai, meu senhor, eu nem estou com uma roupa para o momento – o sorriso desapareceu ao olhar para sua roupa.

- Você está ótima Mina, não há nada que eu mudaria na sua roupa, está perfeita para a situação – elogiou, era a verdade, Mina sempre se vestiu bem e a roupa que usava hoje estava impecavelmente linda.

- Você acha? E o meu cabelo? Minha maquiagem?

- Não se preocupe, você está linda – sorriu – Vamos? – a secretaria concordou e a Ye entregou a pasta para a americana – Você precisa levar um notebook e anotar tudo que for resolvido, os pontos importantes e se puder faça um resumo da reunião – a brasileira andou até sua mesa e pegou seu notebook entregando-o para a secretária – Não esqueça de fazer um relatório, por favor, será importante.

- Estou atrasado? – o coreano apareceu – Espero que não.

- Sim, você está atrasado, já deveria estar na sala de reunião – S/n deixou que seu profissionalismo falasse mais alto.

- Estou indo – ele saiu dali em silencio.

Hyunjin era o tipo de CEO que tinha o ar poderoso, com a famosa pose de impactar, quando andava poderia ser confundido com um modelo, o rosto sempre sério dava um charme sexy para o mesmo, o cabelo loiro e grande com certeza era um dos seus pontos mais fortes.

- Vamos? – Mina concordou e suspirou, estava nervosa, mas queria deixar sua chefe orgulhosa do trabalho bem feito.

S/n poderia até ser super simpática com Mina, mas era diferente com os outros funcionários, nada de favoritismo, S/n sabia que alguns não gostavam dela.

A porta de vidro foi aberta, ali estava os sócios mais importes da Trip, os senhores direcionaram seus olhares para a brasileira e ela sorriu ao ver seu pai ali.

- S/a – ele se levantou, abraçou sua filha matando a saudade – Você está tão linda – ele se afastou olhando a olhando dos pés a cabeça.

- E o senhor continua juvenil como sempre – S/n comentou sendo sincera, seu pai era até mais vaidoso que sua mãe, com certeza ele usava alguns produtos de pele da esposa.

- Já me acostumei com a beleza surreal que tenho – comentou baixo apenas para S/n ouvir, mas Mina acabou ouvindo e soltou um risinho.

- Senhores – S/n cumprimentou os demais presentes na sala – Hyunjin – ele se levantou e beijou a mão da brasileira – Mina, conecte esse pen drive ai data show – entregou para a secretária - Vamos direto ao ponto, creio que todos aqui estão mais que atarefados assim como eu então não pretendo tomar o tempo de vocês para algo inútil.

- Acho que já temos uma noção do que essa reunião de trata – Moon JihaYesun, um dos sócios comentou se aconchegado na cadeira. Homem de aproximadamente cinquenta anos, era o que disponibilizava o marketing da empresa, seria um dos mais ricos ali naquela sala senão fosse por S/n, seu pai e Hyunjin, sim, os três mais novos eram os mais ricos daquela sala, incrível não?

- Creio que ganhavam uma pequena explicação no e-mail que Mina lhes enviou ontem certo? – Eles confirmaram – Então podemos ir mais a fundo sem enrolações – sorriu – A minha ideia para a Filial é a mais nobre possível, sem trapaças nem roubos, pretendo construí-la com a permissão de vocês que estão presentes aqui e claro, espero que concordem comigo – passou a mão em seus cabelos, é, ela sabia que era bonita e usava isso ao seu favor.

[...]

A reunião se estendeu por uma hora, tudo estava ocorrendo como planejado e nenhum dos sócios havia mostrado desinteresse para tal ideia, aliás, a indústria de cosméticos sempre ganhou bem em um país como a coreia.

- E qual seria a porcentagem de lucro dividida para nós? – Son Jinhae perguntou, essa era a parte que o coreano mais velho gostava, a divisão de dinheiro – Somos uma empresa de viagens, creio que assim como eu os meus colegas – referiu-se aos outros sócios – Não poderemos fazer muita coisa, mas ainda sim seremos sócios.

Para a brasileira, lidar com o Son era mais difícil do que lidar os outros já que o coreano era ambicioso e queria muito por pouco caso. De qualquer forma ele estava certo, não poderiam ser envolvidos a nível como eram na Trip, mas ainda sim eram sócios e a divisão de lucro era importante, mas S/n tinha uma carta na manga. Sempre dois passos à frente.

- Senhor Hwang – S/n ditou o nome do coreano de forma ousada fazendo o Son surpreendesse – Para quem não sabe este é Hwang Hyunjin – chegou-se ao lado do mais alto quando ele levantou-se e ajeitou o terno – CEO da H&H Entertainment – Os sócios se surpreenderam inclusive o Son que estava convencido que seria um dos mais importantes dessa vez – Hyunjin e seus modelos serão os encarregados pela divulgação dos produtos Ye, a porcentagem dele será a mais alta dentro da parceria, tendo oito porcento do lucro em cima dos produtos e vendas Ye – Hyunjin a olhou sem entender a situação, no dia anterior eles haviam combinado de que seria apenas cinco, mas o coreano não reclamaria.

- Se o lucro dele será oito o nosso com certeza ficara a baixo de seis – o Son disse, S/n sabia que ele estava indignado por dentro.

- Isso depende do desempenho de cada um dentro da Ye – Ye Young-Kun se pronunciou pela primeira vez na reunião – Produtos cosméticos é um ramo bem diferente do que estamos acostumados a trabalhar – ele levantou-se – Viajem? O que isso tem haver com maquiagem e produtos para a pele? Isso, nada, porém – sobressaltou – A coreia é um país que consome bastante produtos de pele, se a ideia da minha filha der certo, coisa que eu acho bem provável, o legado Ye será ainda mais rico e conhecido. Vocês devem saber que muitos coreanos usam produtos de pele enquanto estão em voos, podemos usar isso a nosso favor e as vendas cresceram tanto para a Trip quando para a Ye Cosmetics, todos saíram ganhado.

S/n se sentia bem quando trabalhava com seu pai, ele sabia exatamente o que se passava na cabeça dela e sempre a ajudava – Exatamente, suas ações iram aumentar dentro da Trip justamente por causa das vendas Ye, seus lucros serão em cima do que a Trip irá faturar, mesmo que a porcentagem de lucro de vocês seja pequena na Ye – agora é a bomba – Cinco porcento para cada um de vocês, tratamento gratuito, produtos de graça e... um aumento nas ações de todos vocês pelo faturamento da Ye na Trip, o que acham?

- Acho que fechamos negócio – o Moon comentou rindo, ele era um senhor tão simpático.

- Amanhã mando a papelada para cada um, por enquanto assinem esses papeis confirmando que fecharam negócio, estão liberados quando os contratos estivessem assinados – S/n se aproximou de Mina – recolha os papeis, todos assinados e leve-os até minha sala – Bom dia para todos – ela se retirou da sala de reuniões indo direto para sua sala.

A brasileira se sentou em sua cadeira confortável, tirou os saltos e massageou os pés, ficou em pé a reunião inteiro. Ela gostava do que fazia, mas ainda sim era bem cansativo, ainda mais quando vinha com saltos bonitos e nada confortáveis.

[...]

- Aqui o relatório S/n – Mina entrou na sala de S/n vendo sua chefe quase dormindo na cadeira.

- Que? Onde? Não foi eu – a brasileira se assustou – Ah, o que? – olhou para sua secretaria.

- Acho que você precisa de férias – Mina comentou deixando o relatório na mesa da Ye – Anda trabalhando muito, não tem medo de pegar um esgotamento físico? Ao menos se alimentou hoje?

- Claro – ela deu um sorriso amarelo e o escritório foi preenchido pelo som de uma barriga roncando – Ah Mina, eu estava ocupada.

- Era só pedir que eu iria buscar para você.

- Você também estava ocupada.

- S/n? – ouviu uma voz doce que tanto sentia falta.

- Mãe? – olhou para a porta onde a mulher juvenil estava parada com um sorriso acolhedor em lábios – Mãe! – S/n correu para os braços de sua mãe, nem colocou o salto, foi descalça mesmo.

- Meu amor, você está tão linda – passou a mão no rosto da filha.

- Ela não se alimentou hoje senhora Alicia – Mina entregou sua chefe e no mesmo instante o semblante calmo da Ye mais velha se tornou raivoso e a Ye mais nova se encolheu já preparada para o sermão que levaria de sua mãe.

- S/n?

- Sim mamãe? – respondeu em português deixando a americana de fora da conversa.

- Você tem trinta segundos para se explicar – ditou em português olhando seu relógio caríssimo.

- Mãe hoje eu tive uma reunião pela manhã e a senhora deve saber porque o papai deve ter lhe contado, a reunião acabou e eu tive que resolver as coisas sobre a nova empresa que eu vou abrir – falava tudo tão rápido que poderia ser considerada uma rapper – Tive que dar a frente e procurei arquitetos, engenheiros, fiz contato eu mesma porque não quer...

- Seu tempo acabou – a genitora interrompeu a fala de sua filha – Nós vamos sair para comer agora, pegue suas coisas que eu lhe espero ao lado de fora – e saiu do escritório de sua filha.

S/n olhou raivosa para a americana a sua frente que estava com uma cara de quem não entendeu nada – Preciso ir Mina, minha mãe provavelmente vai me levar a algum restaurante, por favor, termine suas coisas e vá para casa em segurança – advertiu a mais velha – Pode deixar minhas coisas aqui, olharei tudo amanhã pela manhã – S/n calçou seus saltos, pegou sua bolsa e saiu vendo que sua mãe acaba de falar com alguém no telefone.

- Você prefere ir para um restaurante ou quer comer em casa?

- Prefiro ir a um restaurante, não quero cansar você para que cozinhe algo – disse para sua mãe enquanto estravam no elevador – E como foi o seu dia?

- Foi ótimo, hoje fui ao massagista, sabe como é seu pai, ele insistiu que eu fosse já que amanhã irei viajar.

- Viajar? – S/n olhou para sua mãe aflita, ela mal chegou e já teria que ir novamente?

- Não fique assim meu amor, é apenas por duas semanas.

S/n sentia falta de sua mãe, de seu pai também, quase nunca passava um tempo com eles e sempre que eles conseguiam um tempo para passarem juntos algum imprevisto acontecia e lá tinha eles que saírem do pais, mas o que mais ela sentia falta era de conversar com ambos, contar as coisas que andam acontecendo e como seu relacionamento acabou. S/n entendia, também era ocupada.

- Que horas a senhora vai?

- Vou pela manhã.

- O papai vai com a senhora? – sua mãe negou e ambas se puseram a andar para o estacionamento.

- Vocês demoraram muito – a Ye mais nova levou um susto quando ouviu a voz de seu pai, achara ela que ele havia ido para casa ou ido resolver algo importante depois da reunião.

- Essa mocinha aqui não se alimentou hoje – sua mãe disse e o coreano olhou com os olhos semicerrados para a filha.

- Eu estava ocupada, já disse! – S/n cruzou os braços emburrada.

-  Mas você deveria ter feito uma pausa, você sabe disso – seu pai a repreendeu – Se eu soubesse que você não iria se alimentar direito não teria nem lhe dado o cargo de CEO, estaria aproveitando a vida igual sua mãe.

- Mas pai...

- S/n, eu sei que você gosta do que faz, ama a empresa e não abriria mão dela por nada, mas ainda tem uma saúde a zelar – tocou o ombro da filha – O que adianta ser uma mulher linda se vai viver no hospital e não distribuindo beleza por ai?

- Foi apenas hoje – disse de cabeça baixa.

- Vamos logo comer que eu também estou com fome – O Ye abriu a porta do carro para sua esposa e logo em seguida para sua filha, mas a mesma recusou.

- Vou no meu – foi saltitante até o seu jaguar XJ preto, com certeza ele era o seu carro favorito dos que tinha.

O Ye estava orgulhoso pela filha, saber que ela havia conquistado varias coisas e que a empresa estava crescendo cada vez mais, Alicia não estava diferente, amava a filha e tinha tanto orgulho dela que lhe enxia o peito de alegria.

Quem olhasse na rua se admirava com o quão luxuoso era os dois carros que passeavam a procura de um bom restaurante, dentro dos automóveis a família ia conversando por chamada, risadas para cá e para lá, sem preocupações, mas na verdade tinha várias coisas importante em suas mesas.

- Não acho que esse seja bom – o patriarca da família deu sua opinião.

- Mas as comidas são ótimas, isso sem contar que o atendimento dos garçons é de excelência – S/n ressaltou.

- Eu também gosto de lá amor.

- Então vamos até lá, continue me seguindo S/a.

- Como se eu já não soubesse o caminho – riu sendo acompanhada de seus pais e logo a ligação foi encerrada.

Jungsik Seoul era o restaurante mais chique – e caro – que a família Ye gostava de ir e o senhor Ye fazia questão pagar a conta sempre que iam.

- Ainda cheguei primeiro – S/n disse zombeteira saindo de seu carro.

- Deveria dirigir com mais cuidado meu amor – Alicia passou a mão nos fios de cabelo da filha.

- Sua mãe está certa meu amor – S/n sentiu todos os pelos de seu copo se arrepiarem quando ouviu a voz do ser – Não quero perder você – S/n se virou para o dono da voz e viu ele parado ali com um sorriso no rosto angelical. Essa filha da mãe continua lindo.

Por um momento o coração dela se apertou, o dono do sorriso na qual ela se apaixonou estava ali na sua frente, com o semblante totalmente preocupado, roupas limpas, a Ye podia sentir o cheiro que ela sempre gostou adentrar seus pulmões, estava preste a chorar, fraquejaria ali na frente de seu inimigo e amor? Era uma idiota mesmo! Ainda amava o cara que a machucou e traiu, onde foi se meter?

- Quem o convidou – perguntou com a voz falha.

- Eu meu amor, liguei para ele quando você pegar suas coisas e o convidei para comer junto a nós – A Senhor Alicia faliu tão docemente, ela gostava do Lee, só não sabia das coisas que ele fizera a sua filha.

- Minho? – o Ye passou a frente a abraçou o Lee dando tapinhas na costa do mesmo – Como você está? Cuidou bem da minha filha, não é?

- Claro – ele riu e seus olhos fecharam em um risco.

A angustia nos olhos da brasileira era perceptível, os olhos da mulher estavam brilhando com as lagrimas que ela segurava para não cair. Ela poderia estar dois passos a frente de qualquer um, mas com Minho ainda estava três passos atrás. 


Notas Finais


OIOIOIOIOI.

Não me matem , mas é aqui que a história toda começa, a adrenalina, o ódio e a vingança que eu tanto queria na fic, então não me matem por ter escrito algo mais fraco sobre sentimentos.

Até a proxima meus bolinhos.

Querido diario: https://www.spiritfanfiction.com/historia/querido-diario-19875049

Experimento - Imagine Hyunjin: https://www.spiritfanfiction.com/historia/experimento--imagine-hyunjin-19625534

Meu perfil: https://www.spiritfanfiction.com/perfil/g-dragon18

Kisus3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...