1. Spirit Fanfics >
  2. Preconceito >
  3. Cap 24

História Preconceito - Capítulo 24


Escrita por:


Capítulo 24 - Cap 24


Rin passou o restante daquele dia pensando se falaria para Sesshoumaru ou não. Ela não  tinha a garantia que ele acreditaria nela se ela lhe contasse toda a verdade.

Sesshoumaru era um homem muito orgulhoso, capaz de acusa-la estar inventando tal coisa só  para fazer ele não  se casar.

Rin o amava, o amava tanto que seu coração  se destroçava toda vez que ela imaginava  Sesshoumaru  dizendo sim para Sara no altar.

Mas talvez fosse preciso aquele sacrifício, afinal de contas Sara podia dar o tão  sonhado filho à  ele, filho este que o rapaz tanto queria ter.

Não  era o momento de ela ser egoísta e pensar só  em si mesma. 

Rin decide então  não contar, por mais que tal decisão  estivesse ardendo seu coração  com angústia, o que mais lhe importava era a felicidade de Sesshoumaru.

Assim um dia se passou, depois dois dias se passaram e logo chegou o dia do casamento. Rin já  havia decidido que ela iria passar todo o dia no hospital com satori para logo na madrugada ir embora com kanna.

Suas malas e as da garota já  estavam arrumadas, e ela estava no quarto arrumando os ultimos detalhes de sua viagem. De seus olhos não  paravam de sair lágrimas.

Naquele instante, Rin não  aguenta continuar de pé arrumando seu estojo de maquiagem, ela então  se aproxima da cama e se senta. Com o lenço  que segurava na mão, limpa as lagrimas que ainda insistiam em cair. Seus olhos estavam ruborizados.

Ela dá  um suspiro de lamentação.

Para sua surpresa, antes de ir para o altar da igreja esperar por Sara, Sesshoumaru passa no quarto dela e entra sem bater.

Ele estava tão  bonito com aquele terno preto. Embora sempre usasse terno preto, aquele era mais sofisticado. Ele estava também  cheiroso. Porém  nada podia esconder seu semblante de tristeza.

Seus olhos ambares não  estavam ruborizados como os de Rin nem tão  pouco ele tinha derramado uma lágrima, mais seu coração  estava tão  destroçado  quanto o dela.

Ele entra, ela ergue a cabeça e o vê  se aproximar.

_Rin...

Ele diz, ela vira o rosto para trás, não  queria que ele visse  suas lágrimas.

_ você  está  chorando?

Ele pergunta suspirando no final e colocando as duas mãos no bolso.  Sesshoumaru parou de andar assim que Rin virou o rosto. Era melhor respeitar o espaço  dela.

_ Não, eu não  estou chorando Sesshoumaru, agora por favor saia do meu quarto...

_ uma só  palavra Rin, uma só  palavra sua e eu desisto desse casamento...

Ela vira o rosto para ele e se levanta da cama.

_ do que adianta eu lhe entregar minhas palavras e meu coração  se você  não  confia em mim, se você  vive me chamando de vadia, ex meretriz...

_ como eu posso confiar em você  Rin? Você.....a verdade é  que eu ainda a amo demais, acredito que até  mais do que quando éramos dois adolescentes, mas eu não  vou mentir, confiança  é  algo que ainda precisa ser construída entre nós  dois.

_ vá  Sesshoumaru, vá  se casar com a Sara e me deixe em paz.

_ é  isso mesmo que você  quer?

Rin balança  a cabeça  dizendo que sim. Ele abaixa a dele, por alguns instante ainda permanece no quarto esperando que ela mudasse de ideia, mas depois do prolongado silêncio que se faz no cômodo, Sesshoumaru se vira e vai embora. 

Quando sai do quarto, já  no corredor, mas em frente da porta aberta,  ele se vira para Rin e a vê pela ultima vez antes de assumir o compromisso  que iria mudar sua vida. Ele respira fundo mostrando estar angustiado e depois vai embora.

Rin fecha os olhos e respira fundo também, estava angustiada, mas também  aliviada porque havia conseguido resistir à  seus próprios sentimentos.

Agora ela estava livre  para começar uma nova vida e se recuperar de todas as desventuras que passou. 

Ela estava mais angustiada antes porque sabia que de certa forma Sesshoumaru ia até  seu quarto antes de ir para igreja se casar com Sara. E ela sabia que precisaria ser forte.

Depois disso, Rin então  vai até  o hospital se despedir de Satori. 

Kanna e hakudoushi estavam na igreja e iam presenciar o casamento do pai. Rin pediu para Kohaku cuidar delas devido sua ausência.

Ela chega no hospital segurando um lenço  na mão. Não  havia mais lagrimas em seus olhos, mas eles ainda estavam hiperemeados e seu nariz vermelho e secretivo.

Satori percebeu a aflição  e tristeza no semblante de Rin  quando ela entrou no quarto para a visitar.

Rin não  estava trazendo flores ou livros como ela costumava fazer. Muito provavelmente nem teve cabeça  para pensar nessas coisas.

_ minha querida, só  pela sua aflição  percebo que meu filho  então  optou por Sara...

Satori lhe diz vendo-a se aproximar da maca em que estava sentada lendo um livro.

_ Sim, ele optou por ela, mas foi minha culpa também. Eu decidi não  contar nada ao Sesshoumaru nem pedir  para ele não  se casar.

_ porque  Rin? Porque tomou essa decisão  que está  te fazendo sofrer tanto? É  visível  seu sofrimento.

_ eu não  vou poder dar o filho homem que o Sesshoumaru tanto quer  senhora, o amor que ele tem por mim talvez não  sobreviva à  essa intempere.

_ você  quer que ele tenha confiança  em você, mas você  não  confia no amor do Sesshoumaru também...

Rin arregala os olhos, ela se dá  conta que não  confiava nele também.

_ eu sei, a desconfiança  é  mútua , se é  assim, melhor não  ficarmos juntos...

Ela diz levando o lenço  até  seus olhos, que já  estavam querendo derramar lágrimas.

_ vocês  jovens, pra quê  tanto sofrimento? No meu tempo não  nos importávamos  com amor, mas sim com aparências. Eu casei com o meu falecido marido porque ele era rico, bonito, bem apresentável e também porque...

Satori olha para Rin e percebe que ela não  estava dando a mínima  para o que estava  falando. A jovem estava insistentemente enxugando as lagrimas que caiam de seus olhos. Rin na verdade estava precisando de um abraço.

_ venha cá  menina...venha cá...

Ela diz lhe oferecendo um abraço, Rin corre até  Satori e abraça, depois se desmancha em lágrimas  no ombro dela.

Horas se passam, Satori consegue acalmar Rin. Agora ela estava sentada na poltrona de visitas que tinha no quarto  enquanto que a senhora estava tricotando.

Satori não  era muito dada à  essas coisas, achava simples demais para ela, mas era melhor tricotar que passar as manhãs  solitária . Rin só  a visitava de tarde, que era o horário  que tinha livre. 

Elas estavam conversando sobre diversos assunto, até  que Rin olhou  para o relogio de parede e viu que marcava 19 horas. Já  estava tarde e precisava ir embora, visto que no outro dia viajaria com kanna para a capital.

Naquele horário  também, muito provavelmente  Sesshoumaru e Sara estavam casados usufruindo  da cerimonia ou da lua de mel.

Rin retorna muito entristecida  para a mansão  com a certeza que era seu ultimo dia lá. 

Ela abre a porta da sala e adentra, logo vê  Sara vestida de noiva e ainda até  compercebena cabeça  chorando sentada no sofá. 

Quando ela vê  Rin entrar, logo se levanta e diz com raiva:

_ foi tudo por sua culpa tiririca, tudo por sua culpa, eu nunca vou te perdoar...

Ela diz, e se aproxima da escada, depois a sobe correndo. Sua forte maquiagem estava toda borrada, provavelmente estava à  horas chorando.

Rin, ainda com face de surpresa e ao mesmo tempo assustada, decide ir para seu quarto sem querer saber o que estava acontecendo. Não  era mais problema dela, mas ela abre a porta do quarto e se depara com outra surpresa.

Lá  estava Sesshoumaru parado diante de sua janela com as duas mãos  enfiadas no bolso da calça  observando a paisagem que o vidro transparente lhe proporcionava. Assim que ele escuta o barulho da porta se abrir, olha na direção.

Rin arregala os olhos quando o vê. Ele ainda estava com o terno do casamento.

_ Sesshoumaru?

Ela diz assustada.

_ o que você  faz aqui?

Ela continua percebendo que o semblante dele era de felicidade. Ele sorri e começa  a se aproximar de Rin.

_ sabia que você  não  saiu de meus pensamento nem quando eu estava no altar da igreja?...

_ o quê?

Ela pergunta surpresa, sem entender o que estava acontecendo. Porém  assim que ele se aproxima, ele gira Rin de maneira que faz ela cair em seus braços  e a beija.

_mas o que é  isso Sesshoumaru? Me solta....

Ela se ergue e se desprende dos braços  dele. Ambos agora ficam frente a frente. Sesshoumaru ainda continuava com o sorriso no rosto.

_ Rin, eu não  amo a Sara, eu amo você. Eu não  me casei com ela...

_ você  o quê?

Ela pergunta com face de assustada.

_ eu quero que você  seja a minha mulher, eu quero me casar com você. Só  lá  na igreja, diante do altar e sentindo a paz que aquele lugar sagrado me proporcionou, eu entendi que deveria me casar com você. Vamos deixar as magoas para trás, vamos construir uma vida juntos. Será  que podemos esquecer o que ficou no passado e começar  tudo de novo?

_Sesshoumaru, eu....eu não  sei o que dizer. Você  quer se casar comigo, mas eu sou estéril, esqueceu?

_ Não, eu não  me esqueci. O meu amor por você  é  maior do que a minha vontade de ter um filho.

_ você  realmente vai me aceitar como eu sou?

_ sim Rin, eu já  falei que sim...

Ele, já não  aguentando se conter de tanta felicidade, pega a cintura dela com as duas mãos, uma de cada lado, e a ergue para o alto, depois a gira dando uma volta e com um sorriso no rosto.

_ agora você  vai ser só  minha...

Ele a coloca no chão, depois a abraça  e a beija.

A ficha de Rin ainda não  havia caído, mas ela estava feliz, imensamente feliz e por isso aceita cada carícia  do rapaz.

_ então  Rin, aceita se casar comigo?

Eles ainda estavam abraçados.

_ e eu preciso responder Sesshoumaru, é  claro, é  logico, sim, sim e sim, eu aceito me casar com você, meu amor...

Ela coloca as duas mãos espalmadas nos rosto dele e lhe beija. Ambos permanecem se beijando por alguns minutos.

Depois ela afasta o rosto com as mãos ainda tocando o rosto dele e lhe fita os olhos.

_ eu tinha tanta saudades de ver os seus olhos  brilharem como estão  agora. Ver você  me olhando assim, com tanta ternura me faz lembrar do passado, de quando você...

_ Não, não  vamos nos lembrar do passado. Eu não  quero me lembrar, não  me importa mais o que foi ou o que você  fez de errado. Eu te amo e só  sou feliz com você  Rin, isso é  o que importa.

_ Sesshoumaru, você  precisa saber o que de fato aconteceu no passado, mas eu não  vou te contar agora, vou deixar para sua mãe  te contar, está  bem?

_ minha mãe?

Ele pergunta fazendo face de surpreso.

_ sim, a sua mãe. É  melhor você  ouvir dela para não  ter perigo depois de desconfiar de mim.

_ tudo bem Rin, amanha iremos até  o hospital falar com a minha mãe, eu quero ouvir essa verdade que ela tem para me contar. Mas agora vamos aproveitar esse momento a dois...

Ele a beija novamente e a deita na cama carinhosamente. Queria adiantar a lua de mel ali naquele momento, mas Rin  acha melhor não  em respeito a Sara.

Eles então  concordam  em se tocarem mais profundamente só  depois do casamento, mas naquela noite aproveitam um da companhia do outro.

No outro dia, Sesshoumaru e Rin vão  até  o hospital conversar com Satori. Eles entram de mãos  dadas no quarto.

_ nossa, até  que enfim veio me visitar meu filho...

Satori diz os vendo se aproximarem.

_ bom, pelo que vejo você  fizeram as pazes...

Ela termina retirando o óculos  que lia o livro, que estava em seu colo,  e o colocando em cima da página aberta.

_ Mãe, eu estava ocupado, por isso  não  vim visita-la, mas a senhora já  está  bem, não  está? Então  largue de drama...

_ Sesshoumaru...

Rin o repreende.

_ Não  precisa  chamar a atenção  dele Rin, conheço  muito bem o meu filho, sei que ele é  frio e egoista. Mas agora quero saber, vieram aqui me contar alguma novidade? Vocês estão  de mãos dadas, então  suponho que vão  se casar?

_ isso mesmo...

Sesshoumaru responde contente.

_ Não  vou mais me casar com a Sara e não  quero comentarios seus a respeito disso.

_ eu? Acho até  bom você  não  se casar com aquela mulherzinha ordinária  que sequer veio me fazer uma visita.

Sesshoumaru arqueia uma das sobrancelhas. Sua mãe  sempre amou Sara, então  porque havia mudado de opinião  tão  rapido?

_ senhora, viemos aqui porque o Sesshoumaru precisa saber a verdade sobre o que aconteceu no passado...

_ mas você  ainda não  contou para ele Rin?

_ Não, achei melhor ele ouvir de seus lábios...

_ mas que verdade é  essa que minha mãe  tanto tem que me contar?

Ele pergunta já  um pouco irritado.

_ Sesshoumaru, calma, você  já  vai saber, agora eu vou deixar vocês  dois a sós, sua mãe  vai lhe contar tudo e depois você  vai tirar suas próprias  conclusões.

Rin lhe diz, depois ergue a ponta dos pés sobre a sandália que calçava e lhe beija os lábios, depois solta sua mão  da mão  dele e sai do quarto.

_ ah, essa menina....só  de ver o brilho de seus olhos ao olhar para ela dá  para ver que te deixou perdidamente apaixonado...

Satori diz abrindo o leque e se abanando.

_ eu gosto dela, é  verdade, mas não  vim aqui para gastar meu tempo com papo furado. Anda, fale logo o que você  tem para me falar..

Ele diz ríspido  e coloca uma das mãos  no bolso.

_ como você  é  gentil com sua mãe, filho... bom...

Satori, naquele instante, conta toda a verdade a Sesshoumaru.

Ele, quando termina de ouvir, fica perplexo, sem ação.

Ele dá  três  passos para trás  buscando a poltrona que estava encostada na parede, e depois se senta.

_ Mãe.....porque você  não  me contou isso antes. Então  a Rin foi capaz de fazer isso por mim?

Ele falava com o semblante aéreo.

_ sim, ela fez meu filho. Eu me lembro como se fosse hoje. Ela entrou neste hospital e eu estava na recepção  sem saber o que fazer, foi ai que ela me entregou o dinheiro com um semblante entristecido. Ali eu já  percebi que ela havia feito alguma coisa que não  devia para conseguir o dinheiro. Eu fui atrás  do seu pai, eu fui atrás  da Sara, mas nenhum deles quiseram me dar o dinheiro necessário  para te salvar.

_ Rin....a minha Rin fez isso por mim....e eu todo esse tempo sempre chamei ela dos piores nomes, sempre feri sua dignidade...

Ele ainda falava com um semblante aéreo. Logo uma lagrima se forma em um de seus olhos.

_ e quando eu a arrastei nua pela igreja, eu a humilhei, eu....

Naquele instante, ele não  aguenta sequer pronunciar mais palavras, logo as lagrimas começam  a cair de seus olhos e rolar sua face.  Sua respiração  solitária  e aflitiva fica visivelmente profunda mostrando o arrependimento e a tristeza de sua alma.

Como teve a coragem de fazer aquilo com Rin? De submete-la a tamanha humilhação? E ainda ferir diversas vezes sua dignidade? 

Ele fecha os olhos e engole a saliva a seca na tentativa  de conter as lagrimas que saiam de seus olhos. Era tão  feio homem chorar em sua concepção. Mas ele não  tinha controle de suas lágrimas.

Sesshoumaru então  se levanta da poltrona sem nada dizer a sua mãe, depois se aproxima da porta de saida e quando estava com a mão  na maçaneta, Satori diz.

_ espero que um dia possa me perdoar filho...

_ nunca a perdoarei...

Ele responde  com raiva sem ao menos se virar para ela, depois saí  do quarto.

Rin o aguardava na recepção  no hospital, ela estava aflita e andava de uma lado para o outro. E se quando Sesshoumaru  soubesse, ele a condenasse mais ainda? E se....

Não  dá  tempo mais de ela pensar, ele entra na recepção, que por sorte estava vazia, e a abraça  forte sem antes nada lhe dizer. A jovem fica surpresa com a atitude inesperada do rapaz.

_ me perdoa rin....me perdoa...

Ela sente o tecido de seu vestido na altura de seu ombro ser levemente molhado.

_ agora você  já  sabe de tudo, eu fico feliz em saber...

Ela tenta olha-lo nos olhos, mas ele não  a solta e continua lhe abraçando  forte.

Rin entende que era porque sesshoumaru estava chorando e não  queria que ela visse suas lágrimas.

_ me perdoe, o que você  fez por mim é  algo que.....eu não  tenho palavras para caracterizar. Me perdoe por tudo que eu te diz passar, Rin, minha Rin...

Ela ouve ele dizer minha Rin e sorri de alegria, fazia tanto tempo que Sesshoumaru não  a chamava assim.

_ agora você  acredita em mim Sesshoumaru? Você  confia em mim?

_ e eu poderia continuar desconfiando da mulher  que salvou a minha vida? Rin, não  diga bobagens, eu jamais vou desconfiar de você  outra vez. Agora me abrace forte também, deixa eu te sentir em meus braços  como nos velhos tempos.....

Eles permaneceram abraçados  no meio da recepção, mas logo a recepcionista vem lhes dizer que não  poderiam ficar assim ali abraçados, pois aquele estabelecimento era um hospital. Em breve chegariam mais pacientes.

Rin e Sesshoumaru então  saem do hospital de mãos  dadas, assim como entraram, porém  agora nada mais havia de desconfiança entre eles.

Rin teve a prova do amor do rapaz quando ele, mesmo pensando que ela tinha sido meretriz no passado e sendo estéril, decidiu se casar com ela.

Sesshoumaru  também  agora sabia de toda a verdade. Ele derramou lágrimas, muitas lágrimas, é  verdade, mas saiu daquele hospital com a alma lavada sem restar nenhuma desconfiança em seu coração  com relação  a Rin.

Ele não  teria mais que lutar contra seu orgulho para tê-la ao seu lado, muito embora, mesmo antes de saber a verdade, seu orgulho sucumbira em prol do grande amor que sentia por Rin.

Foram de fato feitos um para o outro.


Notas Finais


Pessoal, td bem, boa noite a todos, estou psotando mais um cap e desculpe pelo tamanho dele kkk. O proximo será o final, espero que gostem e muito obg por lerem, pelos comentários, favoritos 😘😘😉


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...