História Predestinado - TaeJin AU - Capítulo 26


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V)
Tags Alternative Universe, Bangtan Boys (BTS), Drama, Romance, Taejin, Vjin, Yaoi
Visualizações 111
Palavras 2.745
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Escrevi esse especial há um tempo atrás, quando meu bloqueio criativo estava me torturando horrores e não conseguia escrever uma linha sequer da história original T^T.
Sei que eles estão em uma situação bem diferente na história original, então espero que esse especial possa acalmar e acalentar o coração ansioso de vocês hahaha.
Ah, e o título foi a primeira coisa que eu pensei, juro que não tem nada a ver com as coisas que aconteceram hoje mais cedo hahaha. TaeJin lê a minha mente, crê em Deus Pai.

Capítulo 26 - Especial: Feliz aniversário, hyung! Seu presente sou eu!


Fanfic / Fanfiction Predestinado - TaeJin AU - Capítulo 26 - Especial: Feliz aniversário, hyung! Seu presente sou eu!

Para Jin, a chegada do dia de seu aniversário não significava nada muito importante. Era apenas uma data em que ele ficava mais velho e tinha um ano de vida a menos para viver. Não entendia o porquê de as pessoas comemorarem o fato da expectativa de vida deles estarem diminuindo.

Durante sua infância, seus pais adoravam organizar festas enormes no aniversário de Jin, e sempre convidavam um bando de adultos que Jin não conhecia. Eles vinham uma vez por ano, traziam presentes enormes que Jin nunca havia pedido, comiam, riam, e iam embora depois de algumas horas, sem se incomodarem em se despedir do aniversariante antes de partirem.

Em seu aniversário de 13 anos, por questões profissionais, seus pais não puderam estar presentes no dia. Iam viajar para uma conferência importante que iria acontecer nos Estados Unidos, e deixaram Jin na pousada da avó antes de irem. Foi o primeiro e último aniversário em que ele se sentiu realmente feliz de poder comemorar. Sua avó havia preparado um pequeno, mas delicioso bolo, e o chef da pousada ajudou a preparar um pequeno jantar, para que toda a equipe pudesse comer junto. No fim da noite, a avó o levou para a parte de trás da pousada, onde ficava o jardim e o lago artificial, sentou-se no banco que ficava em frente ao lago e puxou uma caixinha de fósforos de cor, entregando alguns a Jin, que os acendeu e ficou observando maravilhado os pequenos fogos de artifícios que se formavam. A avó deu risada da surpresa do neto, e acendeu alguns também, tornando a noite mais brilhante, como se as estrelas tivessem descido ao chão e estivessem ali, pertinho deles. Enquanto ele observava os fogos queimarem, sua avó acendeu uma pequena vela festiva e começou a cantarolar o “parabéns para você”, num tom de voz harmônico e agradável. Jin esperou sua avó terminar de cantar para bater palmas, rindo.

- Faça um desejo e assopre a vela, meu amor – ela falou.

Jin obedeceu. Fechou os olhos, fez um pedido e assoprou a vela com força. Olhou com expectativas para a avó, que estava sorrindo feliz, e bagunçou os cabelos macios de Jin com sua mão suave.

- Parabéns por completar mais um ano de vida, querido – ela falou – Espero que seus próximos anos sejam cheios de saúde, e, principalmente, muito amor. Espero que você possa crescer muito e me levar para passear pelo mundo.

Depois dessa ocasião, o restante dos seus aniversários pareceu totalmente vazio. Não haviam festas, convidados famosos e comidas caras que pudessem tomar o lugar daquele bolo simples, feito por alguém que realmente o amava, com palavras que realmente diziam e desejam alguma coisa.

Quando chegou no hotel, foi saudado pelos funcionários, e quando entrou em seu escritório, havia um buquê enorme de flores em sua mesa, com um cartãozinho simples e elegante, “Sua equipe do hotel lhe deseja um Feliz Aniversário! ”, era o que dizia. Ele sorriu e, com cuidado, colocou o buquê em outra mesa, para que ele pudesse organizar suas coisas e começar a trabalhar. Não demorou muito para que Dong Sun aparecesse na sala, saltitando como se o aniversário fosse dele.

- Alguém está ficando mais velhooooooo! – cantarolou.

- Fique tranquilo, Dong Sun – Jin o confortou, dando risada – Não importa o quão velho eu fique, nunca ultrapassarei você.

Dong Sun o encarou, irritado, mas suavizou a expressão logo depois.

- Como você se sente? – o amigo perguntou, abraçando o pescoço de Jin e quase estrangulando-o.

- Com um ano de vida a menos – Jin respondeu, sem tirar os olhos da tela do computador. Havia aberto o e-mail, e várias mensagens de felicitações estavam em sua caixa de entrada. Suspirou, iria precisar de um bom tempo para responder a cada uma das pessoas.

- Credo, garoto – Dong Sun o soltou – Que baixo astral é esse? É seu aniversário!

Jin apenas deu risada.

- Como está o planejamento para a reunião com os investidores na semana que vem? – perguntou, ignorando o que Dong Sun havia dito antes.

- Está ótima, e não é algo que você deveria se preocupar hoje. Você realmente deveria tirar o dia de folga.

- Eu pareço rico para ficar tirando folga por puro capricho?

- Não é por puro capricho, é a porra do seu aniversário.

Jin apenas balançou a mão, indicando que a conversa havia chegado ao fim. Dong Sun apenas bufou, revirando os olhos e saiu da sala.

O restante do dia transcorreu tranquilamente, algumas pessoas passaram em sua sala para lhe felicitarem, e na faculdade, alguns colegas e professores também o felicitaram. Jin não mencionou seu aniversário para TaeHyung, pois sabia que o garoto iria tentar fazer alguma coisa para comemorar, mas achou estranho o fato dele não ter mandado nenhuma mensagem durante o dia. Ficou preocupado, imaginando se aconteceu alguma coisa com ele. Quando voltou para seu apartamento, já passara das 00h. Mais um de seus aniversários que passou sem muito tumulto e agitação, na paz rotineira que ele gostava. Abriu a porta de casa e não havia ninguém na sala de estar, todos os cômodos estavam com a luz apagada. “TaeHyung já deve ter ido dormir”, ele pensou, enquanto fechava a porta atrás de si. Tirou os sapatos e estava subindo as escadas quando pensou ter ouvido a voz de TaeHyung do lado de fora, na sacada do apartamento. Ele se retesou e olhou para fora, um suave feixe de luz que não estava ali antes havia sido aceso e ele podia ouvir a voz suave do mais novo enquanto cantava.

Jin caminhou lentamente até a sacada e abriu o portão deslizante de vidro, apenas para encontrar TaeHyung cantando “parabéns para você” atrás de uma mesa, com um bolo pequeno e duas velas de número dois. O garoto aumentou o tom da voz quando viu Jin chegar, e seus olhos brilharam ao perceber que havia pego o mais velho totalmente de surpresa. Quando terminou, sorriu para seu hyung, feliz: “faça um pedido, hyung”, ele falou.

Jin não conseguiu conter os olhos de ficarem embaçados. Ele deu uma risada nervosa e fez um pedido mentalmente, assoprando as velas logo em seguida e deixando-os em completa escuridão. TaeHyung havia se antecipado para isso, e acendeu outra vela no lugar, iluminando parcialmente o local. Ele a deixou em cima da mesa e deu a volta no móvel, ficando de frente para Jin e o abraçando.

- Feliz aniversário, hyung! – falou – Sei que passou alguns minutos do seu aniversário, mas eu realmente estava esperando que você chegasse em casa antes das 23h – e deu risada.

Jin deu risada e apertou o abraço, emocionado de um modo que não se sentia há muito tempo: - Obrigado – falou, sinceramente.

TaeHyung correspondeu ao aperto e se distanciaram minutos depois. Jin cortou o bolo e eles se sentaram, um ao lado do outro, enquanto saboreavam a comida.

- Isso está delicioso – Jin comentou – Onde você comprou?

- Não comprei – TaeHyung respondeu – Eu mesmo que fiz. Voltei mais cedo para comprar as coisas e cozinhar. Está bom mesmo?

- Está ótimo, TaeHyung – Jin falou, surpreso – Uau, suas habilidades culinárias estão cada dia melhores.

O garoto abriu seu amplo sorriso quadrado, e ficou envergonhado. Jin sorriu também, e sua expressão se tornou serena e calma.

- Faz tempo desde que tive um aniversário tão bom assim – ele falou, mais para si mesmo do que para o garoto.

- Sério, hyung? – TaeHyung perguntou, curioso – Você gostou, de verdade?

- Significa muito para mim, TaeHyung. Muito obrigado.

Quando terminaram de comer, Jin se levantou para recolher as coisas. TaeHyung o ajudou e depois pegou os pratos das mãos de Jin, apressadamente.

- Pode deixar que eu levo isso para a cozinha – falou – Eu preparei mais uma coisa para o seu aniversário. Fique aqui enquanto vou buscar lá dentro.

Surpreso, Jin o obedeceu e esperou enquanto o mais novo entrava apressado para dentro do apartamento. Ele voltou minutos depois, segurando duas caixinhas, e um isqueiro, balançando-os alegremente em direção a Jin, se aproximando do amigo.

- Eu sempre vejo filmes em que os personagens acendem essas coisas, então achei que seria legal nós testarmos – TaeHyung falou, tirando um fósforo de cor da caixa e entregando-o para Jin, que encarava intensamente o garoto – Aqui, vou assoprar a vela, porque aí os fogos ficam mais bonitos.

TaeHyung assoprou as velas, e os dois ficaram na escuridão, com apenas a iluminação da cidade entrando através da parede de vidro da sacada. Eles ficaram de frente para o outro e o mais novo acendeu os fósforos, fazendo com que os pequenos fogos de artifício queimassem e iluminassem o espaço, e o rosto deles. O garoto estava com um sorriso enorme, aproveitando o momento para registrar tudo com sua câmera fotográfica.

Jin observou os fogos queimarem, em silêncio. Estava com medo de fazer algum barulho e acabar estragando a atmosfera incrível em que eles estavam, então apenas se manteve em silêncio, olhando maravilhado para o crepitar das luzes e o sorriso do amigo.

- Você está tão quieto, hyung – TaeHyung observou – Você não gostou? Está tudo bem?

- Eu só... – Jin engasgou – Estou emocionado demais. Sinto que posso chorar se começar a falar. Isso está sendo demais para mim. Como você sabe dessas coisas?

- Que coisas? – TaeHyung perguntou, confuso.

Jin apenas balançou a cabeça, e sorriu: - Obrigado por isso, TaeHyung – falou – Foi o melhor aniversário que eu tive há anos.

TaeHyung sorriu novamente e Jin percebeu que havia um pequeno pedaço de bolo grudado em sua bochecha.

- Tem um pedaço de bolo na sua bochecha – Jin falou, dando risada. Levantou a mão para retirá-lo.

- O quê? Sério? – TaeHyung perguntou, envergonhado e automaticamente levantou a mão para retirar também. A mão dele acabou encontrando-se com a de Jin e ele a envolveu.

O olhar deles se encontrou, e se encararam. TaeHyung abaixou a mão, mas não soltou a de Jin. Ao invés disso, enlaçou seus dedos nos dele e a apertou suavemente. E novamente estava lá, aquela tensão na atmosfera que tornava difícil controlar o desejo que eles tinham um pelo outro. Aquela tensão que tornava difícil eles se afastarem. Quando o fogo do fósforo se apagou, envolvendo-os novamente em escuridão, Jin se aproximou, envolvido pela atmosfera do momento e pelo tesão que sentia ao imaginar seu amigo. Com sua mão livre, segurou o rosto de TaeHyung, aproximando-o do seu, e beijou seus lábios suavemente, sentindo o sabor de morango e chantilly. O mais novo correspondeu ao beijo, abrindo a boca para permitir que a língua de Jin entrasse e saboreasse seu gosto, tornando o beijo ainda mais intenso.

TaeHyung soltou a mão de Jin e agarrou a cintura fina do mais velho, puxando-o para si, aproximando o corpo deles até estarem colados um ao outro. Ele deslizou o contorno da cintura dele até suas mãos pararem no glúteo duro de Jin, onde ele apertou suavemente com suas mãos grandes. O mais velho reprimiu um gemido na boca de TaeHyung, o que serviu para deixar o mais novo excitado. O beijo, que tinha começado suave, tornou-se intenso e selvagem em questões de segundos, como se eles não pudessem mais aguentar a distância entre eles, que parecia não querer desaparecer. Numa confusão e pressa, se livraram rapidamente da camiseta um do outro e voltaram a se beijar avidamente. Eles foram se empurrando até entrarem na sala de estar, onde TaeHyung empurrou Jin, de modo rude, para que ele se sentasse no sofá. Em uma ação rápida, o mais novo se ajoelhou e abriu as pernas de seu hyung, acariciando o volume que havia se formado na calça social de Jin.

Jin se retesou, e sua reação automática foi tentar fechar as pernas, mas foi impedido pelo mais novo, que as segurou no lugar enquanto beijava a ereção dele por cima da calça. Ele olhou para a expressão envergonhada de Jin e sorriu.

- Não se preocupe – sussurrou – Não vou te machucar.

Jin não soube como respondê-lo, então apenas o deixou fazer o que queria, sentindo-se grato pela falta de iluminação, o que o ajudou a esconder sua expressão de choque. TaeHyung abriu a braguilha da calça de Jin, e a deslizou para baixo, e logo em seguida, retirou suas boxers também, revelando o membro duro e ereto de Jin. TaeHyung o abocanhou suavemente, movimentando sua língua ao redor da cabeça do órgão, para depois começar a subir e descer com sua garganta.

O mais velho jogou sua cabeça para trás e gemeu alto, agarrando o cabelo de TaeHyung, incapaz de esconder seu prazer.

- TaeHyung... – ele arfou entre um gemido baixo e outro. O garoto continuou o trabalho até sentir que Jin estava prestes a gozar, se afastando antes que o jato branco acabasse espirrando nele.

TaeHyung se levantou devagar e Jin o encarou. O garoto se aproximou e tomou o rosto de seu hyung entre as mãos, beijando-o suavemente, a língua brincando com a de Jin, que mordiscou o lábio inferior do mais novo, fazendo-o gemer baixo.

- Hyung – TaeHyung murmurou enquanto continuava beijando-o – Eu ainda estou duro. O que vamos fazer?

Jin pôde sentir as orelhas queimarem de vergonha. Nunca iria deixar de se surpreender com a dualidade de TaeHyung, e com o atrevimento do mais novo, que aparecia de vez em quando.

TaeHyung não esperou pela resposta de Jin. Deitou-o no sofá enquanto tirava as próprias calças e boxers, revelando seu membro ereto e excitado, as veias pulsando em toda sua extensão. Jin o encarou surpreso, e tudo o que pôde falar foi:

- Isso não vai caber em mim.

TaeHyung deu uma risada baixa e se aproximou: - Eu vou devagar – sussurrou no ouvido de Jin enquanto enfiava dois dedos nele, fazendo com que ele gemesse baixo. O mais novo continuou o movimento de enfiar e tirar os dedos até sentir que Jin estava começando a lubrificar. Beijou a bochecha dele e depois buscou por sua boca, sendo correspondido pelo mais velho com um beijo intenso e molhado. Eles se afastaram e TaeHyung levantou as pernas de Jin, apoiando-as nos próprios ombros.

- Acho que já deve estar bom – ele observou, enquanto começava a inserir seu membro em Jin, lenta, mas constantemente.

Jin gemeu de dor, mas não pediu para parar. Quando sentiu que TaeHyung estava completamente dentro dele, sentiu como se finalmente estivesse completo, e a distância entre eles finalmente tivesse acabado. O mais novo começou a se movimentar para frente e para trás. Devagar no começo, mas aumentou o ritmo à medida que eles iam se adaptando um ao outro. O mais novo se curvou e beijou Jin novamente enquanto continuava a se movimentar, e vários minutos depois, os dois gozaram juntos. TaeHyung desabou sobre Jin, o peso de seu corpo causando uma sensação de familiaridade e intimidade no mais velho. A respiração pesada dos dois estava sincronizada, e o batimento cardíaco estava acelerado. O mais novo levantou a cabeça, encostando o queixo no peitoral de Jin, e sorrindo largamente.

- Hyung... – ele sussurrou, olhando para o mais velho de forma intensa, mas amável – Eu te amo. Feliz aniversário!

Nessa hora, o peito de Jin se encheu e ele não pôde controlar as lágrimas de caírem pelas suas bochechas. TaeHyung se preocupou, mas Jin balançou a cabeça, indicando que estava tudo bem.

- Eu também te amo, TaeHyung – Jin respondeu – Obrigado por existir e por ter aparecido na minha vida. Finalmente sinto como se alguém me amasse verdadeiramente.

O garoto sorriu e escalou o corpo de Jin até seus rostos ficarem na mesma altura. Ele beijou suavemente os lábios de seu hyung, e depois beijou seus olhos, secando as lágrimas que caíam.

- Eu tinha mais um presente para você hoje – TaeHyung comentou – Mas acabei me esquecendo de te entregar.

Jin deu risada: - Você já me deu um ótimo presente, obrigado.

Mais tarde naquela noite, enquanto eles estavam aninhados entre eles, TaeHyung perguntou a Jin o que ele havia desejado de aniversário. Jin sorriu, se lembrando que, naquela noite em específico, ele pediu a mesma coisa que havia pedido no seu aniversário de 13 anos.

- Eu pedi para que todos os aniversários futuros fossem assim – ele respondeu – Simples e cheios de amor.

TaeHyung sorriu: - Irei me garantir de realizar esse desejo no futuro. É uma promessa, hyung!

Jin deu risada e concordou com a cabeça. Aparentemente, envelhecer não era uma coisa tão ruim desde que pudesse passar o restante de sua vida junto de TaeHyung. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...