História Premonição do Amor - Interativa - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Personagens Originais
Tags Amor Doce, Cupidos, Drama, Ficção, Revelaçoes, Romance
Visualizações 37
Palavras 2.685
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Hentai, Lemon, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ops, demorei? Acho que um pouco...me desculpe, era pra enviar esse capítulo na quarta, mas acabei dormindo e não deu tempo de escrever. Então, quinta-feira eu disse "Tá, vou lançar sexta-feira", e aqui estou!

Espero que gostem, não vou demorar muito aqui no começo, vou deixar para a interação necessária nas notas finais. Bem, boa leitura a todas..

Capítulo 3 - 01 - A chegada


Fanfic / Fanfiction Premonição do Amor - Interativa - Capítulo 3 - 01 - A chegada

–Ah, não, Margo, eu já disse que não temos tempo para adotar esse bicho, estamos aqui para uma missão! Quer que eu te bata?! —Disse a loira, irritada com a teimosia da mais nova. Como Margo era insistente! Além de ser irritante, já estavam a mais de 20 minutos naquele lugar só por conta da birra da rosada. Oh, tamanha perda de tempo!

Bem, devo falar como essas garotas chegaram naquela situação critica?

Tudo começou quando elas tinham acabado de chegar no mundo humano. Todas já estavam acostumadas com aquele mundo, afinal, todas ali já vieram incontáveis vezes para fazer seus serviços de cupido, mas ser vista era uma situação diferente. Não sabem o porquê, porém, quando se é observada no mundo humano, as coisas ficam esquisitas e incomodas. Estavam acostumadas a ficarem invisíveis, e sair voando por aí sem sequer serem notadas, mas estavam ali, andando pelas ruas da cidade lotada e desenfreada, e o mais chocante, sendo fitadas por todos a sua volta. Aquilo foi bem...estressante, digamos assim. 

Bom, demorou um certo tempo até finalmente se acostumarem com as olhadas alheias. Margo não se preocupou muito, mesmo sendo a mais observada pelos homens perversos que passavam, além de receber olharem maliciosos e piscadinhas sedutoras, porém não se desesperou quando esse ato foi ocorrendo muitas e muitas vezes no dia, na realidade, a garota correspondia com sorrisos sedutores. Como Mary disse, "você não tem jeito", rindo da cara de apaixonado que os homens faziam quando Margo lhes devolvia o olhar. 

Depois de algum tempo andando, acabaram por achar um Pet Shop que tinha alguns animais na vitrine. Após muita insistência de Margo, acabaram entrando no estabelecimento para olha os pequenos filhotes de cachorro. A rosada endoidou, e queria levar um cachorrinho. O motivo foi porquê um dos filhotes começou a chorar, pois Margo e as meninas estavam indo embora. Ah, pra que? A menina abriu o berreiro, começou a chorar, falando que o filhotinho amava ela e precisava que a mesma ficasse com ele, se não o pobre coitado teria depressão, coisas sem sentido. Lógico que Mary e Melissa se recusaram a isso, afinal, não queriam gastar a primeira parcela de dinheiro do mês —já que, a cada mês, elas receberão uma certa quantia; US$ 319 para cada (P.s.: Isso é cerca de 1000 reais aqui, no Brasil), sendo que Mary pagará o colégio com esse dinheiro, Melissa ficará com o aluguel, e Margo com os bens da casa, ou seja, comida, e o que sobrar, poderão gastar.

–Mary, por favor! Olha como ele está triste! –Mostrou o pequeno filhote à irmã mais velha,– Ele me quer! Por favor, por favor! Eu juro que cuido dele direitinho! –Implorou, já com lágrimas nos olhos. Ela não queria que o cachorrinho ficasse triste.

–A-ah, –Gaguejou, envergonhada, sua irmã iria começar a chorar ali mesmo,– M-margo, não é o certo! E se precisarmos do dinheiro restante depois?! Teremos que sobreviver por um mês inteiro sem quase nada para gastar com nós mesmas!

–Mas eu vou utilizar só a minha parte!

–Quanta infantilidade, Margo. –Disse Melissa, com um olhar sério cravado na sua irmã mais velha, que mais parecia uma criança,– Deixa ela, Mary. Margo, permitiremos você comprar esse cachorro por duas condições. –Mary lançou um olhar confuso à mais nova, não era para elas cederem aquela birra de Margo,– A primeira é: Se você precisar de qualquer coisa, até mesmo de um doce de 1 dólar, não iremos te emprestar.

–M-mas...-Foi interrompida.

–Segunda condição: Você que vai dar banho nele, e também será você que vai limpar as merdas que esse bicho fazer, –Deu para perceber que o tom de Melissa era desafiador, como se dissesse um "vai encarar?" para Margo. O olhar da garota se tornou triste e desapontado, não podia cuidar do cachorro sozinha, seria muita coisa para alguém irresponsável como ela,– Estamos entendidas, maninha?

Oh, merda. Margo se estremeceu toda ao ser chamada de "maninha", tendo todos os pelos de seu corpo se arrepiando e sentindo um frio correr por sua coluna, estava com medo. Melissa nunca dizia "maninha", só quando estava estressada e queria que alguma de suas irmãs calassem a boca. Que injustiça! Ela só queria um cachorrinho!

–V-você é má, Mel...—Murmurou baixinho, mas sim ainda podiam ouvi-la. Mary, apenas observando aquela conversa, segurou a risada, coitada, pensou a mais velha, temendo que Margo tivesse feito xixi na roupa.

–Bem, temos um acordo, ou não? –Perguntou afrontosa, querendo que aquele showzinho acabasse logo. Melissa queria apenas ir para a escola logo e procurar as suas clientes, faltava apenas 25 minutos para desse o horário, e se a garota continuasse enrolando, não chegariam a tempo no primeiro dia de aula delas,– Temos ou não temos um acordo, Margo?!

–M-mas...–Estava quase chorando por dentro, tadinho do seu pequeno filhote,– Temos! Depois da aula, iremos vir aqui e buscar meu cachorro! –Disse, com a pouca coragem que restava em seu corpo, fazendo as 2 irmãs arregalarem os olhos, surpresas com o ato de Margo.

–QUE?! –Exclamaram ambas, enquanto Margo tinha um sorriso vencedor nos lábios.

É, venceu mais uma vez.

Na escola Sweet Amoris, 7:50 A.M

–Oh, verdade, as garotas novas chegam hoje, certo?!

O colégio estava em uma agitação intensa, todos ficaram sabendo que 3 novas alunas entrariam, e os alunos, em geral, estavam animados para conhecer as novatas. Alguns até soltavam gritos de ansiedade, outros discutiam e apostavam como que as garotas seriam. No corredor, que, nesse momento, se encontrava lotado, 6 meninas conversavam calmamente sobre a noticia alastrante das novatas. Faltava 10 minutos para a aula começar, então aproveitavam aquele tempo para bater-papo e tentar não se lembrar que a primeira aula do dia seria de física.

–Exato! –A menina de pele morena exclamou, mostrando à suas amigas o quão animada estava. Seus olhos brilhavam um pouco por conta da animação,– Estou ansiosa, como será que elas são?!

–Se eu fosse você, Jasmine, não pensava tanto nelas assim, vai que não são tudo isso.–Disse a de cabelos azuis, atraindo olhares curiosos e confusos. Effie suspirou e deu um pequeno sorriso,– O que eu quis dizer é: Se elas forem patricinhas? Ou pior, pessoas malandras e egoístas?

–Não mantenha esse pensamento negativo, Nora,–Argumentou Heva, com o tom de voz calmo e otimistas, sorrindo levemente para a amiga,– otimismo, sim?

–Ah, Eve, otimismo é bom, mas até certo ponto! –Encostou nos armários.

–Certo, certo, vamos parar por aqui. Bem, espero que as alunas sejam legais,–Cortando o clima de tensão, a garota de cabelos verdes se pronunciou finalmente, já que estava tendo uma conversa paralela com Indía, ou Lili para os mais próximos, que estava ao seu lado. Hime se endireitou minimamente,– Tinha dever de física?

–Ah, não,–Disse Indía, se posicionando ao lado de Hime. Ajeitou a sua franja, voltando a falar em seguida,– pelo que eu me lembre, não tinha.  

–O sinal vai bater, vamos para sala? –Questionou Jasmine, já dando poucos passos em direção a porta,– Provável que as novatas só entrarão em sala depois que terem uma conversa com a diretora.

–Ah, sim, então não nos preocuparemos em recepciona-las. –Eve começou a acompanhar Jasmine até a sala, comentando alguma coisa ou outra com as garotas que estavam caminhando logo atrás das mesmas,– Você disse isso mesmo? –perguntou à Effie, que estava atrás de si, contando sobre a sua experiência ao, por coincidência, encontrar Dake no centro, quando estava junto com Jasmine,– Meu Deus, ele é um tarado!

–Né?! Ele deu em cima de mim e da Jasmine ao mesmo tempo,–Falou as últimas com desdém e destacando o fato,– sabe, foi uma surpresa encontra-lo lá, fiquei um pouco animada, afinal, até que simpatizei com ele. Mas o garoto é um completo cafajeste.

–Não dá para sustentar uma conversa com ele, o garoto transpira cantada, nem era possível conversar de algo concreto e divertido sem sofrer algum tipo de insinuação sexual. O pior, é que ele dava aquelas cantadas de pedreiro, muito horríveis! –Jasmine complementou, enojada por lembrar do dia anterior. 

–Veja pelo lado bom, ao menos ele não usou aquela de "você caga em areia? Porque és uma gata". –Falou Lili, com um tom divertido, fazendo as companheiras rirem um pouco, lembrando do episódio que a garota fora abortada por um bêbado em pleno o dia e ele lhe soltou essa cantada. Todas estavam juntas, e tiveram que rir quando a menina ficou pálida, não sabendo o que responder,– Mas pior que isso, é a "você caiu do céu? Porque és um anjo".

–Aí, isso doeu no peito! –Jasmine colocou a mão no peito, simulando algum tiro ou ataque cardíaco,– Essa aí é tão antiga que meu nem mesmo o meu avô suporta isso. Credo, quanta coisa pra fazer, e alguém tinha que inventar essa cantada.

–Aposto que, quem quer que seja que inventou isso, deve ter ficado sem coito! –Falou Nora, com um tom malicioso na voz, fazendo todas rirem um pouco, menos Hime, que não entendeu a piada.

–Eu não entendi...–Disse a de cabelos verdes, fazendo todas as garotas rirem da sua ingenuidade. A garota ficou vermelha quando Nora fez um sinal obsceno com as mãos, mostrando o sentindo vulgar da piada,– A-ah, i-isso...Aishi, não falem isso! –Tampou o seu rosto vermelho com as mãos, mostrando o seu desconforto. Nora iria falar algo, mas o sinal tocou e todos tiveram que ir para seus lugares.

–Bom dia alunos. –Recebeu como resposta um coro de "Bom dia, professor",– Abram o livro na página 52, vamos continuar de onde paramos ontem. –Sorrio docemente, observando os alunos,– Nathaniel, pode ler para mim?

Na entrada de Sweet Amoris, 8:02 A.M

Correndo pelo pátio, até chegar nos corredores, as irmãs Champoudry corriam pelo colégio. Bom, pelas instruções, deviam ir para a sala da diretora, já que precisavam preencher os formulários e etc.

Mas aonde raios era a sala da diretora?

Demoraram pelo menos uns 10 minutos rodando a escola, procurando uma placa ou algo qualquer escrito "DIRETORIA", e quando acharam, suspiraram de alívio, e se pudessem, teriam se ajoelhado e agradecido aos céus pelo presente de finalmente ter encontrado o sagrado lugar. Melissa foi rápida, bateu na porta da diretora 3 vezes e esperou a resposta, que veio logo em seguida, já que a mais velha gritou um "entre".

As garotas entraram na sala calmamente, se posicionando uma do lado da outra, esperando que a diretora falasse algo. A sala era consideravelmente grande, tendo, ao seu lado direito, algumas cadeiras em volta de uma mesa, e um pequeno sofá ao canto. Ao lado da mesa da diretora, ao lado esquerdo, havia várias estantes de livro. A mesa era de madeira escura, e em cima dela estava repleto de papeis e cadernos –por sua maioria, jogados sem organização nenhuma. A diretora levantou a cabeça, e olhando bem as figuras a sua frente, compreendendo um pouco tempo depois de as encarar quem as garotas eram.

–Oh, temo que sejam as alunas novas, não? –As três concordaram, se movendo um pouco mais para frente,– Sente-se, por favor, senhorinhas. –A mulher pediu, usando um tom de voz manso e amigável. A mais velha mexia nos papeis que se encontravam na sua mesa, aparentemente procurando algo em especifico. Sala foi tomada pelo silêncio, até que a Senhora resolveu se pronunciar, já que havia achado o que parecia ser uma ficha,– Bem, deixa-me ver...–Ajeitou seu óculos, dando uma breve lida na folha, olhando para as meninas a sua frente com um expressão espantada,– nossa, vocês três são irmãs gêmeas? Nem ao menos se parecem!

–Ah, muitos dizem isso, e tenho que concordar. –Os documentos que estavam com a Senhora de idade eram falsos, o Sr. Jacob fez questão de arrumar tudo para a "chegada" das meninas na escola. Elas eram irmãs, mas não gêmeas, todas ali tinham idades distintas e com um certo tempo de diferença. A mulher olhou a loira, e assentiu levemente a cabeça, mostrando que ainda estava desacreditada.

–Certo, certo. Senhoritas Cham...Champoudry, –Travou um pouco, aquele nome era bem difícil de se pronunciar,– darei explicações para que vocês não se sintam perdidas, está bem? –As irmãs assentiram, esperando as palavras da mais velha,– Bem, as aulas aqui funcionam das 8 da manhã às 2 da tarde, o horário de descanso, ou intervalo, é às 9:30 da manhã, terminado 10:00. Toda quinta-feira vocês terão aula a tarde, sendo essas das 3 da tarde até as 5 horas. Os clubes não são obrigatórios, mas ao querer participar de algum, é obrigatoriamente participar das atividades do mesmo nos dias designados. Caso queira informações sobre os club's, poderão falar com o representante da sua turma. –Suspirou um pouco, pegando uma folha que estava do lado esquerdo da mesa de madeira,– Certo, hã...como vocês entraram com já 3 meses de aula, perderam as primeiras provas, mas não se preocupem, no final do trimestre, vocês faram provas extras que prepararemos para as senhoritas, isso será explicado mais tarde, não se preocupem. –O motivo de terem entrado na escola depois de 3 meses foi porquê, bem, elas tinha que entender pelo menos o básico do que os humanos estudam.

–Isso é bom. Perdemos apenas as primeiras? As segundas provas não? —Questionou Mary, ainda digerindo toda aquela informação.

–Sim, as segunda começarão daqui à 2 semanas, mas creio que vocês conseguiram pegar a matéria a tempo, qualquer dúvida, poderão consultar os professores e pedir aulas particulares. –Falou, por fim terminando de explicar o assunto,– Creio que já é hora de vocês irem para a sala, irei acompanha-las. –Levantou-se, dando a volta na mesa e esperando as garotas a seguirem,– A sala de vocês é a 226 A, certo? Lá vocês terão a maioria das suas aulas. Só mudaram de sala quando se trata da aula de Arte e Ciências. –Explicou, enquanto andava pelos corredores largos do colégio, até chegar na sala designada,– É essa. Esperem por um momento. –A diretora bateu na porta 3 vezes, esperando ser atendida.

–Ah, diretora! Por favor, entre! —Falou, abrindo um espaço para que a mais velha pudesse passar, assim como suas três acompanhantes. A sala começou a cochichar, se perguntando quem eram aquelas garotas ali na frente, e outros já afirmaram que poderia ser as alunas novas.

–Silêncio, por favor! –Ordenou em alto e bom som, e assim, todos fizeram a menção de se calar e olhar para a mulher parada lá na frente,– Como sabem, devido a fofoca de alguns, temos mais três novas alunas aqui no Sweet Amoris. Senhoritas, querem se apresentar? –Perguntou docemente as garotas ao seu lado, e todas assentiram, olhando para a turma logo em seguida.

–Mary Champoudry, é um prazer conhecê-los. —Disse, mantendo o tom firme e sério na voz, tendo uma potência poderosa. Não expressava nada além de seriedade, seu rosto não tinha nenhuma feição. Acabou por passar medo aos alunos.

–Margo Champoudry, fico feliz por ser colega de vocês, espero que nos demos muito bem. —Usou seu tom infantil e amável, ganhando muitos pontos com a maioria da classe. Sua feição fofa e amigável acabou tranquilizando a sala.

–Melissa Champoudry, irmã de Margo e Mary, espero que tenhamos uma boa convivência. —Sua voz era calma e um pouco séria, mas ainda sim, tranquila e doce. Não demonstrava muitos sentimento através de seu semblante.

A sala inteira ficou chocada, e minimamente assustada. Nenhuma delas se pareciam, e, julgando pela logica, todas tem as mesmas idades, as tornando irmãs gêmeas, sendo que elas não se pareciam nenhum pouco. Nem mesmo os cabelos são iguais, já que um tem os pelos loiros e longos, Melissa tem os cabelos médios e castanhos, já a Margo tem seus cabelos cor de rosa e curtos, enroladinho nas pontas. Uma alta, outra baixa. Dificilmente acreditariam que são irmãs gêmeas —bem, não são, mas ninguém ali sabe desse fato.

A diretora as mandou sentar em alguns lugares vazios, estes ficavam lá no fundo. A senhora se despediu dos alunos e os desejou uma boa aula, deixando a classe logo em seguida. O professor explicou um pouco do que eles estavam estudando para as novatas, depois continuando de onde pararam até elas chegarem.       

 


Notas Finais


Eu modifiquei a idade, todas tem 18 anos :3 espero que não tenham se incomodado, é só para serem da mesma sala.
Preguiça veio forte aqui! Eu ia continuar escrevendo, e só ia parar até terminar de fazer o fim do dia e elas voltando para casa, mas já tô cansada, espero que entendam!

Bem, até a próxima sexta (-ou sábado, não sei muito bem ainda)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...