História Presente - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Izuku Midoriya (Deku), Momo Yaoyorozu, Ochako Uraraka (Uravity), Shouto Todoroki
Tags Bnha, Bnha Au, Dekutodo, Izuku, Midoriya, Shouto, Tododeku, Todoroki
Visualizações 539
Palavras 8.600
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente desculpa o tamanho da fic q
Espero que tenham paciência e que não tenha ficado cansativo, deu um trabalhão mas eu gostei então... boa leitura ♡

Capítulo 1 - -


 

Havia farinha para todos os lados, ingredientes desperdiçados e a cozinha praticamente inteira suja.

A pia cheia de louça e alguns papeis com algo escrito jogados por ali, porém com as letras borradas por ter caído ovos, leite, entre outros.

O chão, a pia e o balcão pareciam mais uma receita de bolo, e mesmo com toda a bagunça, Midoriya tentava consertar sua terceira tentativa naquele fim de noite.

Daquela vez, havia se esquecido do fermento, e a forma já estava no forno.

- Devia ter comprado um bolo pronto... -suspirou e apoiou os cotovelos sobre o balcão, sentando-se em um dos banquinhos do apartamento pequeno que dividia com seu namorado após ter sido expulso de casa pelos pais.

Seus pais eram bem religiosos, e após assumir seu namoro, eles não reagiram muito bem.

A proposta inicial era “termine ou saia de casa”, e bem... sua escolha é de fácil dedução.

- Eu definitivamente não sirvo pra cozinhar. Nunca mais faço isso... –resmungava sozinho, passando as mãos pelo rosto, sentindo uma leve pontada na cabeça.

Era aniversário de Todoroki e o garoto tentava lhe fazer uma surpresa. Quando pegou a receita na internet, parecia ser tão simples...

Mas só parecia.

Lamentava-se internamente por só fazer bobagem e sempre acabar se sentindo um peso, ou que irritava o rapaz de cabelo bicolor mesmo que ele negasse. Sabia que ele não ficaria realmente bravo consigo por ser controlado e por ser uma boa pessoa.

Mas tinha quase certeza de que naquela noite ele acabaria perdendo a paciência.

O mais velho estava prestes a chegar do turno o qual estava cobrindo pela falta de médicos no hospital, e a cozinha ainda estava de cabeça para baixo.

Respirou fundo e fechou os olhos, dando um tapa não muito forte contra o próprio rosto, como se isso o fosse incentivar a fazer algo, ou acordá-lo.

Precisava pelo menos dar uma geral naquela bagunça. Não ia querer que seu namorado limpasse, ainda mais por chegar cansado e por todo aquele caos ser culpa sua.

Midoriya havia sido dispensado há alguns meses de seu antigo emprego.

Antes, trabalhava em uma loja de vídeo-games, onde conhecera Shoto.

Quem diria que médicos se interessavam por esse tipo de coisa, e gostavam de jogar Overwatch quando não estavam trabalhando, não é?

Ou seria apenas seu namorado?

Izuku algumas vezes tentava se lembrar da primeira vez que saíram após ter tomado coragem de chamá-lo para beber algo, mas estava alcoolizado demais para isso.

E, consequentemente, bêbado demais se para lembrar com clareza do primeiro beijo entre os dois.

Ou a primeira vez deles num motel, já que todos os acontecimentos se seguiram no mesmo dia. Mas apesar de ter ido trabalhar de ressaca pela manhã, passou o dia com um sorriso de orelha à orelha por saber que o rapaz que pediu seu número realmente havia entrado em contato e não sumido como muitos faziam. Todoroki acabou por mandar uma mensagem o elogiando e perguntando se poderiam voltar a se encontrar, e posteriormente, se falavam quase todos os dias.

Na verdade, saíram várias vezes antes de começarem a ter algo mais sério, e não era como se Izuku fosse um novato naquilo. Havia namorado por dois anos com uma garota do colégio, Uraraka Ochaco, que infelizmente teve que se mudar para o exterior com seus pais para estudar e seu relacionamento chegou ao fim após alguns meses tentando algo à distância. Entre também alguns encontros sem compromisso que tivera esporadicamente.

A diferença de idade entre os dois era de seis anos, mas nenhum deles parecia se importar. Ambos eram maduros e se davam extremamente bem, como se já se conhecessem há muito, muito tempo.

Com certeza um tipo de ligação que não se ouve falar com frequência, e até chegava a acreditar que poderia ser algo de outras vidas, caso existisse.

Conviviam de forma tranquila desde o início, por mais que ás vezes Midoriya desse algumas dores de cabeça em Todoroki.

O garoto com seus recém vinte anos completos não tinha planos de começar uma faculdade, pelo menos não por enquanto, então ultimamente apenas fazia alguns bicos, a fim de ajudar seu namorado nas despesas do apartamento.

Moravam juntos há pouco mais de oito meses e até então estava tudo dando certo.

O esverdeado pretendia arrumar um emprego novo logo, pois ficar desempregado o deixava entediado e sentia-se um tanto inútil por ver seu namorado trabalhando e trabalhando e ele em casa, apenas cuidando dos afazeres.

Definitivamente não sabia cozinhar, mas dava conta de todas as outras tarefas como lavar a louça, limpar o local uma vez por semana, arrumar a cama, passar roupa, etc.

Não eram obrigações suas, pois o mais velho vivia insistindo em contratar uma diarista, mas Izuku não deixava. Dizia que ele já fazia demais por si, por tê-lo deixado morar consigo e por praticamente sustentá-lo enquanto estava desempregado. Então ele dava conta, e se sentia melhor assim ajudando o máximo que podia.

A essa altura, Midoriya já estava juntando as cascas de ovo do chão e passando um pano pelo local mesmo que não ficasse brilhando, pelo menos iria disfarçar um pouco.

Distraído em tentar ajeitar as coisas até seu namorado chegar, ouviu um barulho na porta, o qual o deixou ainda mais nervoso.

Lavou as mãos rapidamente e as secou em um guardanapo qualquer, passando a palma pelo rosto e os dedos pelo cabelo, tendo certeza que não havia farinha ali ou em suas roupas.

- Todoroki-kun...? Já chegou? –apareceu na sala, encostando-se contra o batente da porta, fitando o maior com um sorrisinho nervoso.

- Sim. Estava cansado, com dores de cabeça... E como meu turno já estava no fim mesmo, voltei um pouco mais cedo. –sorriu para o mais novo após tirar os sapatos, os deixando na porta e jogando o casaco e a maleta sobre o sofá.

Arrastou-se de meias pelo chão da sala até seu namorado, se inclinando minimamente a fim de lhe segurar o rosto com ambas as mãos, dando-o um selar breve nos lábios.

- O quê...? –arqueou uma das sobrancelhas ao se distanciar um pouco do menor, passando o indicador sobre uma mancha branca que havia em seu rosto. – Farinha...? O que está fazendo?

- Hã? N-nada... Não estou fazendo nada. –sacudiu as mãos um pouco nervoso e tentou sorrir, o que fez com que o outro o encarasse desconfiado.

- E esse cheiro de queimado, hm? Com toda certeza dessa vez o fogo não é seu.

Midoriya arregalou os olhos e deu alguns passos apressados até a cozinha, ignorando completamente o fato de que estava tentando esconder tudo aquilo.

O mais velho o acompanhou, parando logo atrás enquanto ele retirava a forma do forno, esta que já soltava uma fumaça escura.

Cruzou os braços e o observou por alguns instantes.

Não estava bravo, mas se divertia com a situação de seu namorado desastrado tentando fazer algo que não sabia muito bem como fazer.

- Deixa isso comigo, Midoriya. –se aproximou e tocou a cintura do mais novo, tentando tirar de si a forma contendo algum tipo de bolo, ou agora, um pedaço de carvão.

- Não! Deixa que eu dou um jeito nisso. Eu me viro.

- Não seja teimoso. Deixa isso comigo, vai... –Todoroki pegou um guardanapo que estava jogado por ali e tomou a forma quente das mãos alheias, que ele cobria com as mangas do casaco que usava.

- Hmm... Acho que teremos que jogar a forma no lixo. –franziu o cenho ao notar que estava realmente queimado.

O mais novo se encostou contra a bancada da cozinha, suspirando em seguida.

- Me desculpe, Todoroki-kun...

- Pelo quê?

- Eu... Sempre acabo fazendo merda. Te atrapalho, te deixo irritado ou dou trabalho. Sou um péssimo namorado... ­–suspirou enquanto olhava para os próprios pés, estava decepcionado consigo mesmo.

O mais velho que o ouvia atentamente deixou a forma dentro da pia e se aproximou, parando à sua frente e o tocando no queixo a fim de erguer seu olhar.

- Ei, deixa disso. Você sabe que não é verdade.

- Ah, não? Eu estava tentando fazer algo especial hoje. Não consigo nem ao menos fazer um bolo simples. E agora olha essa bagunça... –segurou o mais velho pelo pulso, afastando sua mão. – Se fosse uma vez ou outra... Mas não. Eu sempre faço isso, ou pior.

- Não, Izuku. Você que se cobra demais. –soltou o pulso da mão do outro que ainda o segurava e entrelaçou seus dedos aos alheios, levando a mão do mais novo até os lábios, beijando-a suavemente. – Eu gosto desse seu jeito atrapalhado. Não vou negar que já fiquei um pouco irritado no passado, mas não é culpa sua. Eu que vivo estressado por causa do trabalho. Sei que você sempre tem a melhor das intenções e eu acho isso adorável. Mesmo que às vezes não dê muito certo quando tenta fazer algo, só de ver que se importa comigo, que lembra... É isso que conta, entende? –deu um sorrisinho gentil ao menor e levou a canhota até seu rosto, acariciando suas bochechas sardentas com as pontas dos dedos.

O rapaz de cabelos verdes encarava seu namorado com uma expressão abobada; se fosse no começo do namoro, ele provavelmente teria chorado com aquelas palavras doces, mas já havia se acostumado com seu jeito calmo e aquilo o confortava mesmo nas piores horas.

- Tudo bem... Eu prometo não fazer de novo. –deitou o rosto contra a palma alheia e fez um biquinho, esfregando a bochecha ali.

- Você sempre diz isso.

- Mas eu...

- Shh. – o mais velho levou o indicador até seus lábios, fazendo um sinal de silêncio e o impedindo de continuar.

- Mas... e essa bagunça?

- Não se preocupe com isso. Podemos limpar juntos depois, hm? Mas veja bem, acho que agora preciso de um banho para relaxar, e você... Para limpar essa sujeira. Estava tentando se incluir na receita?

- Não... Estava tentando te fazer uma surpresa de aniversário.

- E fez. Ganhei um namorado sujo de farinha e massa de bolo. E... –desviou o olhar para a pia, rindo ao ver o bolo completamente queimado dentro da forma. – Carvão. Podemos fazer um churrasco depois com isso. O que acha? – Izuku não pôde conter um riso alto ao notar a aparente e falha tentativa do mais velho de ser engraçado, bagunçando os fios bicolores e lisos do garoto em seguida.

- Não sei como consegue manter o bom humor depois de passar o dia trabalhando, e ao voltar para casa, ver esse caos...

- Não importa o quão cansado eu esteja. Você me deixa bem só por estar comigo. Agora vem, antes que essas coisas grudem na sua cara e não saiam mais. –sorriu um pouco sem jeito e o puxou pela mão.

O menor nem ao menos saiu do lugar, puxando-o de volta até que pudesse envolver o médico pelo tronco com ambos os braços.

- Todoroki-kun... –o rapaz desviou o olhar por um momento até o relógio pendurado na parede, voltando a fitar o mais alto em seguida com uma expressão mais animada. – Já é quase meia-noite. E... logo é seu aniversário. O que quer ganhar de presente? –sorriu e apoiou a bochecha contra o peitoral alheio, olhando para cima e o vendo arquear uma das sobrancelhas.

Os braços do mais velho então envolveram seu pescoço, os dedos afagando os fios verdes enquanto se inclinava ligeiramente até deixar seus lábios próximos, se roçando sutilmente.

- O que eu quero...? Não seja bobo, Izuku. Você sabe o que eu quero. –sussurrou e lhe deu um selar demorado, descendo seu pescoço aos beijos em seguida, ao mesmo tempo que os dedos se entrelaçavam aos fios de sua nuca. – Eu quero você. –voltou a falar baixo próximo ao seu ouvido.

Midoriya sentiu seu corpo se arrepiar diante àquelas palavras e toques, fazendo-o morder o próprio inferior e firmar as mãos na cintura alheia, invertendo suas posições em um movimento.

Prensou o rapaz contra a bancada e sorriu de forma travessa, puxando-o para cima sem muito esforço até que ele estivesse sentado sobre o local, tendo ajuda ao fazê-lo uma vez que o garoto se impulsionou ao entender o que seu namorado pretendia.

- Esse presente eu posso dar com prazer... literalmente. –a voz do garoto soou rouca, fazendo shoto morder o lábio e envolver a cintura alheia com ambas as pernas, o puxando para si.

- E está esperando o quê?

- Hm... alguém está impaciente. – um riso baixo e seus lábios já estavam juntos novamente, mas desta vez, não para apenas um selar.

Todoroki puxava os fios macios e bagunçados, o beijo já bem conhecido por ambos se iniciando lento, mas intenso e cheio de vontade como tudo o que faziam. O ritmo aumentando gradativamente conforme os toques se intensificavam, os braços do maior ainda ao redor do pescoço de Midoriya e suas pernas também o envolvendo, prendendo-o em um abraço firme, como se não quisesse que ele saísse dali.

As mãos quentes deslizavam pelo corpo agora sentado, logo passando a abrir o jaleco branco que esse ainda usava, podendo então adentrar os dedos sob a camisa que tinha por baixo. Seus dígitos explorando cada pedaço quente de pele que o mais velho possuía, apertando sua cintura, ou arranhando sem forças suas costas, tirando de si sons baixos durante o ósculo.

Suas bocas se moldavam, os lábios macios deslizando juntos, se encaixando, e suas línguas se entrelaçando com estalos molhados que enchiam seus ouvidos.

O beijo não era afobado ou desesperado. Mesmo que ambos tivessem sede daquele contato, controlavam-se, impondo um ritmo gostoso e provocativo.

Mordidas eram distribuídas em seus inferiores durante o ato, selares estalados e até palavras sussurradas.

- Espera, eu... quero te dar algo. – Midoriya cortou o contato de seus lábios, colando suas testas em seguida, e as respirações já pesadas se chocando devido a proximidade de seus corpos.

- O quê...?

- Não é algo que eu possa dizer... tenho que mostrar. –sorriu de forma maliciosa, roçando a pontinha a língua contra os carnudos do mais velho, abrindo os olhos antes de, lentamente ir descendo seu pescoço aos beijos enquanto abria os botões de sua camisa branca, a boca se arrastando por sua pele sem marcas até um de seus mamilos, onde parou para que pudesse lhe provocar um pouco.

Não esperou para iniciar movimentos circulares no biquinho rosado do rapaz, a língua quente e molhada se esfregando ali, vez ou outra mordiscando, chupando, tirando de Shoto arfares pesados e arrepios pelo corpo todo.

-Não faz assim... –resmungou diante às provocações, Izuku conhecia exatamente seus pontos fracos e sabia usá-los ao seu favor. Mas não iria reclamar, claro.

O esverdeado soltou um riso abafado contra a tez alheia e aos poucos passou a descer, se colocando de joelhos à sua frente.

O fitava com um sorrisinho torto, as mãos deslizando por seu abdômen, passando pelo cós e parando em suas coxas grossas, as quais apertou.

Todoroki o olhava surpreso. Os lábios entreabertos como se quisesse dizer algo, mas nada saía.

Era ele quem normalmente fazia aquela parte.

Não que não gostasse de receber um bom oral, (ainda mais vindo de Izuku) mas era uma preferência sua fazer.

Lembrou-se das vezes que aquilo havia acontecido, e com toda certeza seu namorado não deixava a desejar.

Aliás, deixava. Pois ele sempre desejava mais, e mais...

Sabia que seria bom, e não o negaria de forma alguma, (até porque seria besteira dizer não à algo tão gostoso) mas de certa forma, aquilo o havia deixado surpreso.

Antes que pudesse questioná-lo, a destra do mais novo cobria seu pênis, o massageando por cima do tecido da calça social, abrindo a peça lentamente sem tirar os olhos das mínimas reações de seu namorado, que o olhava agora mais ansioso do que curioso.

 O médico se apoiou contra um dos braços atrás do corpo ligeiramente inclinado para trás, levantando um pouco o quadril ao ter ambas as peças inferiores puxadas, estas sendo retiradas lentamente até que seu pau fosse completamente exposto.

- Quero compensar meu fracasso na cozinha fazendo algo que não vai te deixar decepcionado. Então... –o esverdeado parecia um pouco apressado, talvez ansioso demais, já tomando seu pênis pela base e iniciando uma masturbação lenta.

Puxou uma das pernas do rapaz e a colocou dobrada sobre o próprio ombro, apoiando a palma contra sua coxa e afundando os dedos ali quando aproximou ainda mais o rosto da ereção.

Em nenhum momento retirou os olhos da face do namorado, principalmente quando abriu a boca e colocou a língua para fora, tocando a glande avermelhada.

Fazia movimentos circulares, tirando gemidos baixinhos do mais velho, que se deliciava ao ver aquela cena tão erótica e excitante logo à sua frente.

Os dedos longos de sua canhota seguiram até os fios bagunçados, puxando sua cabeça contra a própria pélvis, o incitando a continuar quase de forma suplicante.

O mais novo após entender o recado o obedeceu sem hesitar, fechando os olhos antes de acomodar a glande inchada entre seus lábios cheinhos, chupando-a com vontade enquanto masturbava a base de seu pênis e deixava a saliva escorrer por toda a extensão, facilitando a punheta gostosa que batia juntamente à felação que passava a realizar.

Ambos já estavam bem excitados e Izuku podia sentir seu pau crescer, pedindo por atenção e já incomodado pela calça que o apertava.

Parou o que fazia para deslizar ambas as mãos até as nádegas fartas que tanto gostava, firmando-as ali e apertando a carne macia entre os dígitos, puxando seu corpo para frente e, consequentemente, fazendo o pênis alheio adentrar totalmente em sua boca de uma vez.

- M-Midoriya! Ah... porra... –mordeu o próprio lábio em seguida, apertando os fios entre os dedos como se descontasse o que sentia, sua respiração saindo com dificuldade juntamente aos gemidos roucos.

E sua situação ficou ainda pior quando o mais novo passou a mover lentamente a cabeça, gemendo abafado e iniciando um vaivém torturante e viciante.

Todoroki queria mais, aquela sensação sendo extasiante e deliciosa demais para parar, então deixando-se levar pela onda de prazer que dominava seu corpo, passou a ondular o próprio quadril mesmo que com certa dificuldade, auxiliando na felação que recebia.

Retorcia-se enquanto observava e captava cada mínimo detalhe daquela cena tão excitante aos seus olhos, distraindo-se tanto que acabara deixando um resmungo involuntário escapar de seus lábios assim que o esverdeado abandonou seu pau com um estalo, limpando o queixo com as costas da mão.

- Não quero que goze agora. Não ainda... –sorriu e deixou um selar contra a glande do rapaz, retirando a perna alheia de seu ombro e pondo-se de pé à sua frente.

Os dígitos voltaram a dedilhar seu abdômen exposto, as palmas deslizando até seus ombros, puxando o jaleco e a camisa até que os retirasse por seus braços.

O maior mordia o próprio lábio, as bochechas levemente avermelhadas deixando-o adorável naquela situação.

Mesmo que fosse sério e mais reservado na maior parte do tempo, na frente de Midoriya se tornava outra pessoa.

Não conseguia se conter e sempre acabava se soltando demais, se submetendo a fetiches ou acabava corado exatamente como se encontrava no momento.

Suas mãos foram levadas até a barra do moletom que o mais novo usava, puxando-o para cima para que se livrasse daquela peça incômoda.

Ele não usava nada mais por baixo, e provavelmente nem por baixo de suas calças, pois era um costume seu quando ficava em casa.

Com um dos braços, voltou a envolver o pescoço de Izuku, o puxando para si e voltando a beijá-lo, sentindo o gosto peculiar em seu paladar.

A destra o puxou pelo cós da calça, seus corpos se chocando, aproveitando para abaixar o elástico da peça e lhe tocar diretamente o pênis duro, o expondo e iniciando uma masturbação lenta, deixando os dedos longos deslizarem por toda a extensão quente com veias saltadas ao mesmo ritmo do beijo que se seguia.

O mais novo firmou as pernas alheias em volta de seu quadril, segurando-lhe fortemente as coxas e suspendeu seu corpo sem muito esforço devido o físico que possuía. A academia era apenas um hobby, mas lhe ajudava a manter a boa forma, o que o diferenciava de Shoto que era mais magro apesar de ser mais alto.

O bicolor apenas cessou o que fazia para envolver com ambos os braços o pescoço do rapaz de bochechas sardentas enquanto este andava lentamente pela casa, tomando cuidado para não bater em nada e acabando por morder devagar o inferior de seu namorado antes de quebrar o contato apenas para que pudesse ver por onde andava, o que deu ao maior a brecha para que segurasse com a destra ambas as ereções juntas, as masturbando com uma intensidade maior que antes e fazendo questão de esfregar uma contra a outra sem um pingo de pudor.

- Todoroki-kun... –Izuku por fim adentrou o cômodo, fechando a porta ao prensar as costas alheias contra o material, gemendo enquanto sentia seu pênis ser estimulado daquela forma pela palma quente e os dedos hábeis, sendo encarado intensamente pelos olhos heterocromáticos que pareciam brilhar diante àquela situação.

Sem pensar, levou os lábios até o pescoço do rapaz que ainda segurava em seu colo, o fazendo parar novamente o que fazia para se agarrar aos ombros largos do mais novo enquanto abusava de sua pele com beijos e mordidas, roçando seus quadris juntos e arfando pesado contra a tez clara que fazia questão de marcar.

As mãos antes firmes em suas coxas passaram a soltar lentamente o corpo alheio até que seus pés tocassem no chão, distanciando-se para que pudesse retirar a calça, a única peça em seu corpo.

- Vem cá. –o esverdeado mordeu o inferior e sorriu maliciosamente, lhe chamando com o indicador enquanto andava de costas e dava passos lentos até o box, sendo obedecido de prontidão pelo mais velho que parecia perdido em cada detalhe do corpo malhado que tanto o atraía.

A destra desceu por seu corpo a fim de alcançar o próprio pênis, passando a se masturbar ao notar o olhar de seu namorado sobre si, o mesmo lambendo os lábios ao pousar o olhar no que ele fazia, salivando de vontade.

- Você quer? Gosta do que vê? –o provocou, já ligando o chuveiro e deixando a água cair sobre seus ombros e costas, escorrendo por sua pele até sua mão que se movia contra seu pau, gerando estalos molhados e apenas aguardando até que o outro se aproximasse.

Assim que Shoto parou à sua frente, este lhe tocou o peitoral e deslizou as unhas curtas por sua derme enquanto o fitava com o lábio inferior preso entre os dentes, e sentindo um arrepio por seu corpo devido o ato, segurou seu pulso e o puxou, então, virando-o e o jogando contra a parede fria.

Não fora um ato bruto, mas sim brusco, ato este que tirou do maior um resmungo manhoso antes de sentir seu namorado se encaixando contra suas costas e envolvendo sua cintura enquanto a água morna caía sobre ambos. O pau duro deslizou por baixo, entre as coxas do médico, esfregando devagar contra seus testículos ao passo que Midoriya movia o quadril, arfando sem um pingo de vergonha.

- Não sabe o quanto estou precisando disso... Você anda tão ocupado. Não temos mais tempo para essas coisas. –roçava os lábios por sua nuca, distribuindo beijos até seu pescoço e ombros, sentindo-o se arrepiar diante os toques e se empinar para trás. –Sempre me pego pensando em você, sabe... já gozei tantas vezes lembrando de como te foder é gostoso.

- Hm... Então por que não para de enrolar e... ah! –gemeu surpreso assim que sentiu uma mordida forte em seu ombro, pendendo a cabeça para frente e tocando a parede com a testa enquanto se apoiava contra o material frio com ambos os cotovelos.

- Não estou com pressa, Shoto. Gosto de fazer as coisas devagar. Até parece que não me conhece, que não percebeu depois de todas as vezes que te fodi... –sussurrou próximo ao ouvido do garoto, rindo em seguida por senti-lo arrepiado apenas com suas palavras.

Soltou então sua cintura para segurar seu quadril e separar bem suas pernas, passando a língua pelos lábios ao presenciar aquela cena tão sensual e acabando por arranhar a pele clara de seu namorado até alcançar sua bunda onde desferiu um tapa forte de mão cheia na intenção de marcar ali todos os seus dedos.

O maior se sobressaltou e gemeu alto, sentindo suas nádegas sendo separadas para então ter o pau duro encaixado entre ambas, soltando um grunhido baixo assim que o rapaz atrás de si passou a se mover novamente, se roçando sem pudor e testando seu autocontrole.

- Está sentindo como me deixa, Todoroki-kun? –seu quadril ia e vinha em um ritmo gostoso, seus dedos se afundando contra a carne farta da bunda empinada e seu pênis deslizando com facilidade pela água que escorria.

Shoto se retorcia, arranhando inutilmente os azulejos do box a fim de descontar o que tesão que sentia. Sua pele fervia e arrepios percorriam cada centímetro de seu corpo, tirando de si os resquícios de sanidade.

- Mi...Midoriya! Por favor... –a súplica saiu quase em um sussurro, passando a se mover para trás como se pedisse por mais, tendo como resposta um riso divertido pela parte do menor.

- Está tão necessitado assim, é? Então me fala o que você quer. –parou o que fazia para subir uma das mãos pela coluna do mais velho, seus dedos lhe adentrando os fios da nuca, os puxando com certa força, o suficiente para que deixasse sua coluna em um quase arco enquanto subia a outra palma por seu abdômen até um de seus mamilos.

Passou a apertar o biquinho, esfregando o polegar e o estimulando ainda mais, seu corpo quase amolecendo enquanto era tocado daquela forma.

- Me fode. Me fode logo... –as palavras saíram abafadas, falhas, quase o implorando enquanto seu próprio pênis negligenciado pulsava devido o tesão.

- Como quiser, Doutor. –os dedos antes em seus fios se soltaram para seguir até seus pulsos, juntando ambos e os segurando contra os azulejos acima de sua cabeça.

A posição era um pouco desconfortável, mas logo não se importaria mais com esse detalhe.

- Eu queria te preparar antes. Vai doer, você sabe disso. Ainda mais por ter ficado tanto tempo sem...

- Eu sei, mas... vai. Por favor. –virou sutilmente a cabeça, olhando por sobre o ombro antes de morder o próprio lábio com certa força, vendo e sentindo que o outro se ajeitava melhor.

- Vou te comer até não aguentar mais.

- Eu sempre aguento.

- Eu sei, e eu adoro isso. –apertou seus pulsos e sorriu para o garoto a sua frente assim que encaixou a glande inchada contra sua entrada, forçando o quadril aos poucos até que a mesma o adentrasse.

Soltou um arfar pesado, vendo o corpo do mais velho se contrair em resposta, o esmagando ainda mais. Encontrou certa resistência quando passou a penetrá-lo aos poucos, alargando a entrada apertada de seu namorado até que o invadisse totalmente, puxando o ar entre os dentes ao ser engolido daquela maneira.

Podia sentir os espasmos que o maior sofria, e ouvia seus lamentos de dor pelo ato, mas não era como se já não estivesse acostumado, apenas ficaram sem aquilo por algum tempo.

Um bom tempo, aliás.

Fincava as unhas em seus pulsos enquanto se acomodava melhor, o deixando se acostumar à posição e ao volume que o invadia, com certo medo de machucá-lo apesar de toda a ansiedade.

Após ouvir um murmúrio e receber um olhar suplicante, passou a se mover em um vaivém lento, entrando e saindo com mais facilidade devido o pré-gozo que escorria.

- Todoroki-kun... hm, tão apertado...

- Cala a boca, Izuku! -um riso pôde ser ouvido da parte do mais novo, que subiu uma das mãos até a cintura alheia, afundando os dedos no local e se firmando ali, podendo guiar melhor os movimentos que fazia.

Os gemidos que ambos soltavam se misturavam ao som da água que caía, deixando o ambiente ainda mais abafado do que já estava. Seus corpos se movendo em sincronia em um ritmo lento e torturante como era do feitio do esverdeado.

Ambos não tinham pressa naquele momento, apenas queriam sentir mais dos corpos que lhes faziam tanta falta. Queriam apreciar e se deliciar com o que tinham a oferecer um ao outro.

Midoriya fora soltando aos poucos os pulsos de seu namorado, estes que estavam doloridos e marcados, seus braços pendendo moles ao lado do corpo enquanto abria e fechava os dedos até que a circulação retomasse ao local.

Os dígitos do menor agora lhe apertavam a cintura por ambos os lados, puxando-o e o fazendo se chocar contra o próprio quadril, levando seu pau o mais fundo que conseguia e tendo uma visão privilegiada do que fazia, quase salivando.

- M-mais rápido... –mordeu o lábio em seguida, apoiando um dos braços contra a parede a fim de se estabilizar. Sua voz manhosa enquanto gemia e soltava xingamentos baixinhos, quase inaudíveis. Sua expressão deleitosa, com os olhos fechados e o suor escorrendo de seus cabelos úmidos.

Ambos se encontravam em um estado de êxtase o qual não podiam controlar. Seus corpos pediam por mais, imploravam por alívio, e sabiam que a partir daquele momento não aguentariam muito.

O mais novo se aproximou, parando o que fazia para que pudesse prensar o corpo maior contra a parede, este tendo seu abdômen colado aos azulejos frios e seu interior se comprimindo ainda mais pela posição.

Uma das mãos de Izuku desceu pela lateral de seu corpo, alcançando sua coxa e a estapeando antes de descer ainda mais a palma e encaixá-la sob a dobra do joelho, puxando-a flexionada para cima.

A segurou daquela forma e o deixou novamente em uma posição inicialmente desconfortável, o rapaz tendo que envolver a cintura de seu namorado para que se sustentasse sobre apenas uma das pernas, segurando-o firmemente mas o deixando ainda mais exposto.

Daquele modo, voltou a lhe estocar com vontade, levando os lábios até o pescoço marcado a fim de beijá-lo enquanto entrava e saía com mais velocidade. Soltava gemidos roucos, abusando o máximo que podia da pele clara do mais velho, o vendo e sentindo se arrepiar, sofrendo espasmos devido seu estado.

Deslizou a mão livre até o pênis duro e melado de Todoroki, passando a lhe masturbar com maestria no mesmo ritmo que se movia, sussurrando em seguida em um tom que se misturava aos gemidos, a água caindo e seus corpos quentes em atrito.

- Goza bem gostoso pra mim, vai... –lambeu a pele molhada de seu pescoço e segurou com mais firmeza a perna dobrada do garoto, fazendo-o se abrir ainda mais para receber as investidas fundas e tendo os fios segurados pelos dígitos do rapaz assim que este dobrou o braço para trás enquanto se apoiava com a outra palma contra a parede.

Seus dedos se moviam ao redor da ereção alheia, deslizando por toda a extensão e podendo sentir cada veia saltada, seu quadril agora mantendo um ritmo mais rápido e intenso, gerando sons molhados e indecentes, o que o deixava um pouco trêmulo, seu pau pulsando dolorido.

O de cabelo bicolor já não se aguentava mais, e após mais algumas estocadas fortes pôde sentir seu abdômen se contraindo, gozando em jatos intensos contra a parede e os dedos de seu namorado, um gemido mais alto e sôfrego deixando seus lábios enquanto as últimas gotas jorravam pela fenda de sua glande e puxava sem dó os fios alheios.

Seu corpo amolecia nos braços de Izuku e seu baixo ventre formigava, causando-o uma fraqueza momentânea a qual fora percebida pelo outro, que o segurou com mais força.

- Ah... Todoroki-kun, e-eu... –abaixou a cabeça enquanto se movia dentro do mais velho, mordendo o ombro de pele clara do garoto, (o que provavelmente deixaria mais uma marca) e gozou em seguida após investir uma última vez, indo fundo em si e deixando que a porra jorrasse, gemendo rouco contra sua audição e arranhando o abdômen alheio.

Sua respiração se encontrava descompassada, seu corpo trêmulo pelo recente orgasmo e seus músculos fracos, tanto que mesmo na atual situação de ambos, o esverdeado envolveu a cintura de Todoroki com os dois braços ao sentir suas pernas fraquejarem, encostando a testa contra suas costas e acabando por ceder de joelhos no chão do box devido a debilidade de suas pernas cansadas juntamente ao outro.

- Sinto como se... tivesse sido a nossa primeira vez. –Midoriya ainda arfava, os olhos fechados e a água escorrendo por seus corpos quentes e doloridos, o coração acelerado enquanto deixava alguns selares na linha de sua coluna, sorrindo em seguida sem sequer se mover, mantendo-se ainda dentro do corpo magro.

 - Izuku... Você é incrível. –o de fios bicolores virou ligeiramente o tronco, podendo enxergar seu namorado por cima do ombro, sorrindo e sentindo seu rosto ferver pela euforia que havia presenciado ainda há pouco, seu corpo se recuperando aos poucos e aproveitando para tocar o rosto alheio, encarando-o de perto.

- Adoro quando me chama assim. –sussurrou e depositou um beijo demorado contra os lábios do mais velho, voltando a fitá-lo em seguida com uma expressão abobada. – Você também é, Todoroki-kun. E uma delícia... –mordeu o inferior e sorriu, vendo o garoto corar levemente enquanto se retirava de seu interior com cuidado.

- Não... Não apenas nisso. Em todos os sentidos. Você é incrível...

- Acho que escolheu a hora errada para dizer coisas bonitinhas... Sabe, acabamos de transar. –riu e observou o maior se afastar um pouco, fazendo uma careta.

- E por acaso tem hora certa agora para dizer o quanto gosto de você?

- N-não... Quer dizer... –estava sem graça diante a situação e não queria dar mais um fora, então abaixou a cabeça e passou os dedos pelos próprios fios molhados que caíam sobre a testa, os jogando para trás.

- Ei Midoriya... –o médico se virou, então, ficando de frente para o menor e se encostando contra a parede.

- Hm?

- Por que ficou sem graça? –levou novamente a mão até o queixo do garoto, levantando seu rosto como sempre fazia quando queria que o outro lhe olhasse nos olhos enquanto falava, sorrindo gentilmente.

- Eu não... Eu não fiquei se-... –e antes que pudesse continuar, Shoto já o havia puxado pelo rosto a fim de colar seus lábios, o impedindo de terminar a frase.

Ele não hesitou, nem recusou ou recuou, apenas aceitou o beijo de bom grado e o retribuiu, moldando carinhosamente suas bocas como haviam feito mais cedo, o de fios esverdeados tendo o pescoço envolvo pelos braços longos de seu namorado na intenção de mantê-lo próximo.

- Hmm... já está tarde. Melhor tomarmos um banho e irmos deitar. Você deve estar cansado e tem que acordar cedo. –o mais novo sussurrou após separar seus lábios com um estalo, levando uma das mãos até as costas alheias, deslizando os dedos pela linha de sua coluna e o causando arrepios.

- Sim, também acho. Mas... E a bagunça da cozin-

- Shh... Amanhã eu dou um jeito nisso, ok? –colocou o indicador sobre os lábios do mais velho como o mesmo costumava fazer consigo, o que o fez depositar um selar breve contra seu dígito.

- Tudo bem... Mas eu queria ajudar.

- Você é o aniversariante. Se eu pudesse, iria até trabalhar no seu lugar pra você poder dormir o dia inteiro e descansar. –encaixou a palma contra a bochecha quente, encarando-o quase hipnotizado. Às vezes se pegava pensando em como tudo aquilo parecia surreal, e como era perdidamente apaixonado pelo rapaz de olhos heterocromáticos.

- Bobo... Eu gosto do que faço.

- Eu sei. Mas mesmo assim trabalha demais...

- Mas sempre arranjo tempo para ficar com você. Mesmo que um pouco...

- Não estou dizendo isso. Seria egoísta. Minha maior preocupação é com você. Sua saúde. Um pouco de descanso às vezes não faz mal a ninguém, sabe...

- Não se preocupe com isso. Tenho planos de tirar férias logo. Aí podemos até ir viajar, como tínhamos planejado. –Todoroki virou o rosto na intenção de selar a palma contra sua bochecha, fechando os olhos e tocando a mão alheia na intenção de entrelaçar seus dedos.

- Todoroki-kun...?

- Sim? – o maior o olhou de soslaio enquanto roçava a pontinha do nariz contra a palma de Izuku, admirando os olhos esverdeados quase brilhando.

- Você é lindo.

Parou por um momento ao ouvi-lo, o coração acelerado e os olhos se fixando na face adorável coberta de sardas, piscando algumas vezes e se controlando para não reagir de forma exagerada.

- Por que diz isso? Quer dizer... agora, assim de repente...

- Não posso te elogiar?

Um sorriso involuntário tomou os lábios do mais velho, puxando o menor para si e sentando-se no chão a fim de acolher seu corpo entre as pernas, um dos braços sobre os ombros largos de Midoriya e a outra mão segurando a alheia com os dedos entrelaçados.

- Pode. Pode sim.

- Que bom, porque eu realmente te acho lindo. E... eu te amo. –o rapaz se inclinou a fim de beijar a testa de seu namorado, e em seguida seus lábios diversas vezes, sorrindo abobado.

- Eu também te amo, Izuku...

 

 

- Bom dia, senhor aniversariante. –a voz fora sussurrada próxima ao ouvido de Todoroki que se encontrava deitado na cama bagunçada e fofa, completamente largado, esparramado, como se apenas ele dormisse ali.

Abria os olhos lentamente, fazendo uma careta e virando para o outro lado após notar a claridade que entrava pela janela do quarto, iluminando todo o ambiente.

- Hm...? –resmungou um pouco confuso ao notar a silhueta na beirada da cama, o que o instigou a coçar os olhos e se espreguiçar. – O quê...? Por que acordou tão cedo? –esticou um dos braços até a face de seu namorado quase que de forma infantil, um tanto manhoso, o puxando pelo queixo até que pudesse tocar seus lábios com os próprios, dando-o um selar breve.

- Eu... Preparei seu café, limpei a cozinha e... recebi um telefonema importante. –deu-o mais um beijo antes de se distanciar, pegando uma espécie de mesinha com dois pezinhos e a colocou sobre o colo do garoto assim que o viu se pôr sentado, encostado contra a cabeceira.

- Ok... vamos por partes. Primeiro: você explodiu a cozinha? –sorriu de canto, quase de modo debochado, soltando um bocejo em seguida, que foi escondido por uma das mãos.

- Não, eu não explodi. Eu meio que comprei tudo pronto na padaria, mas eu que fiz os lanches. Juro.

- Hm, ok. Segundo. Acordou cedo só pra me trazer café na cama?

- Bem... Sim. Achei que seria legal, sabe... depois do completo fracasso de ontem. –fez uma careta, levando a destra até a nuca e a coçou um pouco sem jeito.

- Isso foi muito fofo... mas agora me diz, que ligação? –perguntou, lançando um olhar curioso ao outro enquanto mexia nas coisas que havia sobre seu colo.

- Eu fui chamado para uma entrevista de emprego.

Shoto tomava um suco quando o ouviu, praticamente engasgando com a última parte, o que o fez se virar para o seu namorado.

- O quê? Sério? Quando? – conseguiu dizer após engolir o líquido e o fitou com os olhos arregalados, uma expressão surpresa.

- Hoje à tarde.

- Parabéns, Midoriya! – tomou uma de suas mãos e o puxou, quase o fazendo se deitar sobre o café que havia recebido na cama para poder abraçá-lo.

- Obrigado mas... acho que essa fala é minha, não é? –aproximou-se mais do garoto que ainda estava sentado, repousando uma das mãos em sua nuca, afagando-o os fios curtos gentilmente. – Feliz aniversário, Todoroki Shoto. O melhor namorado do mundo. –deixou um beijo em sua testa, descendo os lábios até a pontinha do seu nariz, em seguida beijando suas bochechas e enfim a boca do rapaz mais velho, dando-o alguns selares rápidos.

- Acordou mais carinhoso que o normal. O que aconteceu?

- Hoje eu quero te mimar bastante. Pelo menos... No tempo que passarmos juntos.

- Gosto quando fica assim.

- Mesmo? Não acha irritante?

- Não. Nem um pouco. Você parece mais uma criança na maior parte do tempo, mas isso te deixa adorável e... sinceramente, se não fosse pelo seu corpo eu não te daria vinte anos. –deixou um riso soprado sair, percorrendo os olhos pela face e pelo corpo alheio. -É, não mesmo.

Um bico tomou o lábio inferior do esverdeado, que franzia o cenho, manhoso. Tal expressão tirou de Todoroki um riso, para que logo em seguida o segurasse pelo rosto com ambas as mãos, beijando o biquinho que o outro fazia.

- Me deixa tomar café, não quero me atrasar. –sussurrou, deslizando os dedos até os fios verdes bagunçados, os acariciando.

Ele sorria, e aos poucos o menor desfazia sua “carranca”, correspondendo ao sorriso que lhe era direcionado.

- Tudo bem, tudo bem. Não quero te atrapalhar. Mas vou ficar aqui até você terminar. Sabe... preciso lavar a louça depois.

O mais velho o encarou desconfiado, mas logo começou a comer assim que seu namorado se retirou da cama, pondo-se sentado na poltrona ao lado com o celular em mãos.

Não demorou até que terminasse, praticamente devorando os lanches e doces que haviam sido tão bem preparados, tomando seu suco e deixando a mesa de lado, até que notara algo escrito no guardanapo que tinha em mãos.

 

“Bem... Eu não sou muito bom com as palavras, você sabe. Mas ontem deixei de fazer algo que queria muito, e praticamente passei a noite pensando em como compensaria minha mancada.

Então, Todoroki Shoto, apenas me responda...

 

Quer namorar comigo?”

 

A letra de mão escrita à caneta azul enchia o guardanapo de papel, e após ler aquilo, virou-se involuntariamente para o mais novo, que o olhava com um sorrisinho travesso enquanto ainda segurava o celular à frente do rosto, abaixando o aparelho aos poucos.

- Midoriya... O que foi isso? –piscou algumas vezes, mantendo os lábios ligeiramente entreabertos, o fitando surpreso enquanto este se colocava de pé e se aproximava novamente, segurando-o pela mão e o puxando gentilmente para fora da cama.

Envolveu sua cintura com um dos braços e aproximou os lábios do ouvido do mais velho, sussurrando em um tom dócil.

- Aceita...?

- Mas... Por que está pedindo isso agora? Quer dizer... nós já namoramos.

- Shh! Aceita ou não? –distanciou-se o suficiente para que o olhasse, ainda segurando a sua mão.

- Que pergunta... é claro que eu aceito. Se eu não quisesse, não estaríamos aqui agora. Você não moraria comigo e... –parou de falar ao sentir algo frio sendo encaixando em seu anelar, o fazendo soltar lentamente a mão do esverdeado para comprovar o que era.

Uma aliança.

- Isso é... Izuku! Que linda!

- Agora vão saber que é comprometido. Sei que tem gente atrás de você no hospital, Todoroki-kun. – seu tom era descontraído, e ele ainda sorria, observando o mais velho que admirava a joia prateada.

- Hã? Não é verdade! – desviou o olhar para o mais novo, quase fazendo uma careta.

- Não? Tem certeza? –o maior parou por um momento, tentando relembrar de alguma situação que poderia ter acarretado aquele sentimento em seu namorado, mas nada veio à sua mente.

- Desde quando você é ciumento?

- Não estou sendo ciumento. Estou apenas cuidando e protegendo o que é meu, ok? –piscou para o outro, depositando um beijo demorado em sua bochecha, e desferindo um tapinha fraco contra sua bunda. – Vá se arrumar. Não quero que se atrase.

Shoto o olhou assim que este se distanciou, recolhendo a mesinha e a levando consigo quando saiu pela porta do quarto.

Correu os olhos pelos móveis até achar o relógio sobre a escrivaninha, se sobressaltando ao se dar conta do horário.

- Que droga! Oito e meia! Midoriya você... Merda, merda, merda! –xingava enquanto corria para lá e para cá, pegando suas roupas e as vestindo rapidamente, resmungando consigo que estava atrasado.

Escovou os dentes com pressa, arrumando seu cabelo de qualquer jeito e jogou um pouco de água fria no rosto.

Andou à passos apressados até a sala, pegando a maleta que havia deixado jogada sobre o sofá e o casaco, saindo pela porta ao praticamente gritar um “boa sorte na entrevista”, recebendo como resposta algumas palavras atrasadas, pois já se encontrava dentro do elevador, descendo para que pegasse seu carro e dirigisse até o hospital.

 

 

A noite caíra, e Todoroki estava finalmente terminando seu turno, aproveitando para guardar seus pertences antes de ser liberado.

Algumas batidas na porta foram ouvidas pelo médico, que permitiu a entrada de quem aguardava ali.

- Hm, com licença... Doutor?

- Sim? –notou a presença de uma das enfermeiras assim que levantou o olhar, colocando sua maleta de lado antes de deixar seu celular sobre a mesa. – Ah... Momo. O que foi?

- Bem... – a garota pigarreou antes de continuar, sem olhar diretamente nos olhos do médico. – Meu turno já está terminando também e... Ah, desculpe, posso estar incomodando.

- Não, não, claro que não. O que gostaria de dizer?

- Eu... Apenas iria chamá-lo para sair, sabe... Beber algo, ou coisa do tipo.

O de fios bicolores não pôde evitar um riso baixo diante àquela cena, lembrando-se das palavras que haviam sido ditas por seu namorado pela manhã.

“Sei que tem gente atrás de você no hospital.”

Agora fazia sentido.

Mas... Como ele sabia? Nem mesmo o próprio médico havia notado. Talvez por ser realmente desatento, ou por simplesmente não dar atenção à indiretas e investidas alheias, já que não tinha interesse em mais ninguém que não fosse o rapaz que morava consigo.

- Ah, Bem... Me desculpe, mas não posso. –respondeu então após ter se distraído por um momento com os próprios pensamentos, olhando-a com uma expressão lastimosa, como se pedisse desculpas por aquilo.

Não que não pudesse sair realmente, Izuku não era do tipo que o proibiria de fazer algo, ainda mais sair com colegas e coisas assim. Além de querer passar o restante de seu aniversário na companhia de seu namorado. Mas ali havia outras intenções então claramente não aceitaria. Talvez em outro momento pudessem tentar se aproximar como amigos, pois a garota parecia ser uma boa companhia, além de competente e inteligente.

Os olhos da jovem de cabelos longos escuros desceram do rosto do rapaz até suas mãos juntas em cima da mesa, focando na aliança, e por fim notando que ela havia entendido o recado quando esta mordiscou o lábio e corou um pouco.

- Tudo bem... Eu... eu não sabia que era comprometido. Me perdoe. Não quis que entendesse errado...

Pensou em dizer algo, mas apenas sorriu para a garota que se retirava de sua sala um pouco sem graça após se curvar e lhe desejar boa noite, fechando a porta em seguida.

Ela era bonita, sim, não podia negar. Se não estivesse com Izuku com toda certeza a daria uma chance, mas aquela não era hora de ficar pensando em tais coisas.

Já havia dado o seu horário, e no instante que se colocou de pé para se alongar um pouco, seu celular vibrou, indicando o recebimento de uma mensagem.

 

“ Midoriya♡

Todoroki-kun! Tenho uma ótima notícia.

Não aguentei até você chegar, desculpe, fiquei impaciente.

Mas acho que já deve imaginar o que é, não?

Até logo!”

 

Com certeza ele sabia, e assim que terminou de ler, desligou o aparelho e o colocou no bolso, saindo de sua sala com passos apressados e um sorriso no rosto.

 

 

- Izuku? –mal havia aberto a porta e já chamava pelo garoto, adentrando o recinto em seguida para então girar a chave e deixar a maleta sobre o sofá como sempre fazia, procurando pelo mais novo nos cômodos. – Izuku!

- Aqui! –sobressaltou-se ao ouvir a voz do mais novo soar da varanda do quarto assim que colocou os pés ali, olhando em direção a silhueta parada com duas taças de vinho e uma garrafa, sorrindo para si ao se encostar contra o batente da porta que dava para o exterior.

- O que é isso? –arqueou uma das sobrancelhas, fitando-o desconfiado. – Agora quer me embebedar e abusar de mim de novo?

- Não. Quero comemorar. Meu novo emprego e... bem, seu aniversário, claro.

- E não vai abusar de mim? Que milagre...

- Se você quiser... Não vou negar.

- Sem vergonha.

O menor se limitou a rir e estender uma das taças ao mais velho que se aproximava, observando-o retirar o jaleco branco e deixá-lo jogado sobre a cama antes de parar à sua frente.

O outro segurou o recipiente, o retirando de sua mão para que pudesse se aproximar mais e alcançar os lábios alheios, lhe dando um beijo demorado.

- Ei...

- Hm? -Shoto sorriu e o segurou pelo pulso, o puxando para fora antes de se pôr recostado contra o balaústre, de frente para o menor e de costas para a rua, estendendo a taça em sua direção.

- Não vai servir...? Estava mesmo afim de um bom vinho hoje para relaxar. Só não posso exagerar...

- Não vou deixar que exagere. Mas em alguma folga sua, não vai escapar. –lhe direcionou um sorrisinho travesso enquanto retirava a rolha já meio solta, derramando o líquido escuro em sua taça, e logo em seguida servindo a própria.

- Arrumar um emprego não é algo tão grandioso assim, mas quis aproveitar e comemorar junto.

- Não? Eu acho. Fiquei feliz pela sua mensagem.

- Já sabia o que era?

- Com certeza. –piscou para o rapaz à sua frente e sorriu de canto, brindando suas taças antes de dar um bom gole na bebida. – Acho que... Você merece um presente por isso.

- Mas o aniversário é seu...

- E por isso eu não posso te dar nada?

- Claro que pode. Pode me dar o que você quiser.

Todoroki o fitava intensamente, mordendo o inferior antes de entornar o resto do álcool de uma vez, deixando a taça de lado sobre o material o qual se apoiava.

- Você sabe o que eu quero dar... – lambeu os lábios após sussurrar, levando ambas as mãos até a gola da camisa alheia, o puxando bruscamente até que seus lábios estivessem próximos, roçando-os em provocação.

- Vai aguentar depois do que fizemos de madrugada?

Uma risada debochada pôde ser ouvida antes que os dentes do médico prendessem o inferior de seu namorado, mordendo-o e puxando a carne enquanto deslizava a destra até sua nuca, enroscando os dedos em seus fios e puxando sua cabeça para trás a fim de levar a boca até seu pescoço, inalando o cheiro gostoso do perfume que desprendia de sua tez.

- Claro, Midoriya. Você sabe... eu sempre aguento. E ainda peço por mais. Mas hoje não quero que pegue leve, entendeu? –sua voz soava séria, sussurrada contra a pele arrepiada do menor que envolveu a cintura magra do outro com força, respondendo em seguida.

- Não se preocupe com isso, Doutor. Se preocupe em conseguir levantar da cama amanhã. –Shoto adorava aquele lado de seu namorado e não iria negar, tanto que um sorrisinho malicioso repuxou o canto de seus lábios e acabou por lhe dar uma mordida na curva de seu pescoço após abrir os primeiros botões da camisa branca que ele vestia, selando o local em seguida.

- Veremos.


Notas Finais


Então é isso!
Tentei caprichar na tensão mas acho que não deu muito certo q
E coloquei um age gap no meio por ser meu fraco, perdão HSUAIHU mas vamos combinar né? Que couple lindo meus amigos...

Beijos e até mais! Fiquem de olho que eu estou sempre atualizando com fics novas ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...