1. Spirit Fanfics >
  2. Presos ao Passado >
  3. Concórdia

História Presos ao Passado - Capítulo 7


Escrita por:


Capítulo 7 - Concórdia


28 de Novembro de 2003

Empire Richards

Sharon Courtney | 17:59

Faz mais de quatro dias que não converso com River e talvez seja melhor assim. Ela se manteu forte quando descobriu tudo, mas eu consegui ver a decepção no seu olhar. Eu a conheço muito bem e sei que também não está sendo nada fácil para ela. Arrumo todos os papéis que estão na minha mesa e guardo em um armário. Ergo a minha cabeça e passo as mãos em meus cabelos, estou me sentindo exausta. Sinto uma enorme dor de cabeça há dias, absolutamente tudo está me estressando. Me sinto tão culpada por ter causado tudo isso. Eu desisti da investigação, isso tem me causado muita dor.

Nunca desisti de nada, mas é necessário, eles já morreram à tanto tempo e isso já não vale mais a pena. Eu só estou destruindo cada vez mais a minha vida com isso. Só quero voltar para casa, tomar um banho quente e dormir, é apenas isso que eu tenho feito nos últimos dias. Pego minha bolsa para ir embora. O telefone começa a tocar. Deve ser algum cliente.

- Doutora Sharon Courtney! - digo. Eu não poderia ir embora sem ao menos atender. Pode ser algum caso urgente.

- Courtney, você tem um minuto para conversarmos? - me surpreendo com quem é do outro lado da linha. Eu não estou afim de conversar com ninguém, muito menos com ele, mas eu realmente preciso saber o real motivo dessa ligação.

- Seja breve Jackson! - sento na cadeira e deixo minha bolsa em cima da mesa novamente. Escuto ele respirar fundo ao telefone, o que ele quer? Se ele demorar muito para falar eu vou desligar. Já deve ter se passado alguns minutos que ele está em silêncio - Vai falar ou não? Eu vou desligar!

- River me contou sobre o que aconteceu - ótimo! Mais uma pessoa para saber sobre a minha vida e no tanto que eu errei escondendo isso dela, mas eu estou arrependida! - E eu sinto muito pelo o que aconteceu com a sua família.

- Não precisa dizer nada Jackson! - odeio que sintam pena de mim, eu sobrevivi ao meu passado, eu estou bem e não preciso do sentimentalismo de ninguém - Se era só isso que tinha para me dizer, eu preciso desligar, o seu "um minuto" já acabou!

- Não, não! Não desliga por favor - ele não vai me deixar em paz? - Tenho que te pedir desculpas por ter tomado o seu tempo meses atrás e atrapalhar a sua investigação. Eu não sabia o real motivo por você não querer ser a minha advogada. Mas eu tenho quase certeza que você não deve estar nada bem e se você precisar desabafar, eu vou te ouvir, afinal, somos amigos não é mesmo? - dou risada, isso só deve ser uma piada. Amigos? Nunca.

- Não precisa se desculpar, você não têm nenhum envolvimento com os meus problemas e nós não somos nada um do outro, Jackson - desligo o telefone. A raiva que eu tinha dele sumiu desde quando River assumiu o caso, mas isso não significa que iremos nos tornar amigos. Isso jamais vai acontecer!

20:01

Dispensei Megan hoje, não quero que ela veja como eu realmente estou com isso tudo e não quero ouvir seus conselhos. Estou sem paciência para isso. Deitada no sofá coberta pelo meu cobertor, assisto qualquer coisa na televisão. Não estou prestando muita atenção. Minha vista está embaçada pelas lágrimas insistentes que se formam constantemente. O meu passado nunca me abalou tanto como agora. Saber que River nunca mais vai querer falar comigo me dói muito. Eu já perdi a família que eu havia construído e agora eu perdi a minha melhor amiga.

Eu realmente sabia as consequências que isso teria, mas preferi acreditar que ela iria entender o meu lado. Mesmo que seja difícil para mim, eu entendo o lado dela. Se eu estivesse no lugar dela eu também ficaria muito brava. Nós duas somos assim! Mas nada justifica o que eu fiz, eu errei e errei feio. Talvez ela nunca me perdoe e é compreensível. Eu nunca tive coragem para contar isso para ela e eu sabia que um dia isso iria acontecer, eu só não estava preparada. Todos perdem alguém que amam, mas eu os perdi de forma trágica, foi tudo muito rápido.

Me fechei para o mundo de uma forma tão brusca e apenas restou Megan para estar ao meu lado, mas ninguém soube a minha dor. Eu sei que tinha algo errado com Ryder antes daquilo acontecer. Seja lá o que for, o assassino planejou isso à dias. O assassinato não iria acontecer sem um plano. Eu só não consigo entender o motivo disso ter acontecido. A campainha toca. Eu não vou atender, não estou esperando nenhuma visita e não quero que ninguém veja o meu real estado, eu sou uma mulher forte e nunca desabei na frente de ninguém. Pego uma almofada e coloco no meu rosto.

Nunca me senti tão péssima em toda a minha vida. A campainha toca várias vezes, que pessoa insistente! Respiro fundo, desligo a televisão. Meus cabelos estão totalmente desgrenhados, faço apenas um coque alto. Passo as mãos em meu rosto secando as minhas lágrimas. Levanto do sofá e caminho até a porta. Quem será a essa hora da noite? Abro a porta e me surpreendo. Eu não estava esperando por isso.

- Olha River, se você veio aqui para me julgar e dizer que eu fui uma péssima amiga, pode ir embora, eu já sei muito bem disso! - faço menção de fechar a porta, mas ela me impede.

- Todos nós temos que conversar! - olho para ela novamente, Petra e Daniel vieram junto com ela. Faz muito tempo que não vejo Petra, a última vez que nos vimos foi quando eu decidi ir embora da Califórnia. Deixo a porta aberta e vou para a sala. Eles entram e peço para que eles se sentem no sofá. Sento na poltrona e olho para os três.

- O que vocês querem? - minhas mãos se entrelaçam uma a outra, eu mal consigo olhar para River que se mantém firme assim como no dia que ela descobriu tudo e eu contei toda a verdade.

- Daniel e Petra iram te ajudar a investigar o assassinato do seu marido e da sua filha - respondeu River. Olho para ela e sinto como se o seu olhar adentrasse na minha alma. Ela está muito brava, mas bem no fundo eu sei que ela está muito decepcionada pelo o que eu fiz e está um pouco comovida.

- Não quero a ajuda de ninguém! Eu já abandonei a investigação e não quero que mais ninguém se envolva nisso! - digo firme - Se era só isso que vocês tinham para me dizer, vocês já podem ir embora! - levanto da poltrona indo para o meu quarto. Sinto eles me seguirem, me viro vendo que é Daniel e Petra. River deve ter ficado na sala.

- River pediu para que nós dois fôssemos investigar junto com você e iremos cumprir isso. Mesmo depois de tudo o que aconteceu entre vocês e os nossos desentendimentos, nós estamos aqui para te ajudar! - disse Petra caminhando até mim - Só queremos fazer o que é certo - ela passa por mim indo até o mural de investigação, ela olha para cada foto e para cada página do processo - Posso te fazer algumas perguntas, Sharon? - sento na cama e em seguida Dan senta ao meu lado. Ele quer falar algo - Como conheceu Ryder Evans? - olho para ela que ainda está olhando o mural de investigação, creio que isso poderá adiantar um pouco o trabalho.

- Um mês depois que eu já estava morando em Miami. Trabalhamos juntos como advogados no escritório dele no centro da cidade - não vou mentir que estou cansada de ficar relembrado a cada minuto sobre isso, mas isso é muito necessário para a investigação.

- River me contou mais ou menos o que aconteceu - ela estava me testando para ver se eu não iria falar algo que eu não contei para a River? Então quer dizer que além da River, ela também continua com raiva de mim? - Em 1995, no ano do assassinato, você desconfiou de algo? Algum comportamento estranho? - me encara aguardando a minha resposta

- No começo do ano de 1995 tudo estava indo muito bem, éramos uma família feliz. Nunca briguei com Ryder e vice-versa, eu sempre compreendi o lado dele assim como ele sempre compreendia o meu. Éramos muito unidos e nada atrapalhava o nosso relacionamento, mas semanas antes do assassinato acontecer eu sabia que algo estava o incomodando. Ele recebia inúmeras ligações no dia e sempre parecia estar assustado com algo. Ryder não me contou sobre nada e continuou sendo um bom marido e um bom pai para a minha filha. Parecia que ele queria nos proteger para que nada de ruim acontecesse com nós duas - afirmo.

- Então a hipótese que você tem é que ele poderia estar sendo ameaçado? - confirmo com a cabeça - Mas também temos que trabalhar com outras hipóteses, ele poderia estar envolvido com algo não muito bom, talvez mafiosos - abaixo a cabeça, isso não pode se tornar verdade. Ryder era um homem do bem e eu tenho certeza que ele nunca se envolveu com isso - Vou ler cada página daquele processo e amanhã cedo já iremos começar com a investigação! - ela sorri e deixa Daniel e eu a sós.

- Não vou mentir que estou um pouco decepcionado com você, mas eu sinto muito pelo o que aconteceu com a sua família. Imagino como deve ter sido doloroso ter perdido o homem que você amava e principalmente a sua filha. River está muito brava e eu acho que vocês deveriam conversar - com olhar de reprovação olho para ele. Se ela não quer conversar comigo, eu também não quero conversar com ela - Vocês são duas mulheres com uma personalidade muito forte e às vezes uma tem que ceder - é talvez ele esteja certo.

- Eu errei feio Daniel, escondi isso dela há anos, não quero estragar mais ainda a nossa amizade. Ela está brava e com razão! Somos amigas e eu não criei coragem de dizer para ela que eu estava me relacionado com um outro alguém e que eu tive uma filha. A errada sou eu Daniel! Eu errei em não ter contado para ela que eu havia construído uma família! Sabe qual é o pior disso tudo? Eu fiz isso para não machucá-la e veja o que eu fiz agora! Eu a machuquei! Eu era uma jovem tola e muito babaca por sinal - digo já tomada pela raiva.

- Não jogue fora a amizade de vocês. Vocês são amigas há anos, nós somos amigos há anos! Vocês podem muito bem se resolverem, basta apenas vocês conversarem. Escuta o que eu estou te dizendo Sharon, isso é um conselho de um grande amigo - ele me da um abraço e sai do quarto. Levanto da cama e os observo de longe. Daniel diz algo para River que continua sentada no sofá. Depois de alguns minutos Daniel e Petra se despedem de River e vão embora. Acho que é agora que eu tenho que tentar conversar com ela. Não estou pronta para isso. Mas eu vou conseguir!

Com passos lentos caminho até ela, River nota a minha presença. Sento ao seu lado no sofá. O silêncio se faz presente entre nós duas. Eu não sei como começar a dizer que eu me culpo por isso todos os dias. Fecho os meus olhos, eu preciso dizer algo antes que algum imprevisto aconteça e ela vá embora. Esse assunto já era para ter sido resolvido há anos atrás.

- Me desculpe River - é a única coisa que eu consegui falar, abro os meus olhos e ela mantém o mesmo olhar desde quando chegou - Eu fui uma péssima amiga, eu estraguei a nossa relação e agora eu perdi a sua amizade - River parece pensar no que dizer. Ela olha em meu rosto, seu olhar é tão frio.

- Eu só não consigo entender, Sharon. Como você pode esconder isso de mim há quase duas décadas? Quando eu fiquei grávida de Susie rapidamente eu te contei, sendo que naquela época você já tinha uma filha e você não me disse nada! Nós éramos amigas! - ela tem todo o direito de estar revoltada comigo. Eu não vou julgar ela por isso.

- Não vou mentir, eu fiz isso com receio de que tudo acabasse entre nós duas, lembra daquela promessa que eu fiz para você? Eu não queria quebrá-la - mantenho minha postura, eu não posso fraquejar - No dia do assassinato eu havia dito várias vezes "eu te amo" para Amy e Ryder, por algum motivo eu estava me sentindo muito feliz naquele dia. Quando eu entrei em casa e vi aquela cena, o meu mundo desabou. Eu me apaixonei, fui mãe nova e ainda não havia conquistado o que eu queria. Depois daquele dia terrível eu me fechei para o mundo, não me relacionei com mais ninguém, eu apenas queria e ainda quero justiça. Se nada disso tivesse acontecido, hoje Amy já estaria com 14 anos e Ryder e eu estaríamos com 16 anos de relacionamento.

- E você continuaria escondendo isso de mim? - pergunta firme. Boa pergunta, River sabe muito bem como ter a certeza se realmente essa pessoa merece o seu perdão que sempre foi raríssimo.

- Não! Eu voltaria no tempo e impediria que eu fizesse tudo isso. Até se eles estivessem aqui comigo agora, eu faria de tudo para contar toda a verdade para você! Eu tenho consciência dos meus erros. Fui forte a anos escondendo sobre a minha vida, guardei todos os meus sentimentos para mim mesma e isso não me fez e ainda não me faz nada bem. Só peço para que me perdoe ou que apenas tente compreender o meu lado, apenas isso River - desvio o meu olhar do dela e em silêncio encaro o chão.

- Chamei Petra e Daniel para te ajudar, porque no fundo eu quero que isso seja resolvido e que o seu sofrimento acabe, mas eu devo te dar uma nova chance. Você assumiu o seus erros e isso já é muito bom. Apenas espero que você não faça isso novamente - sorrimos juntas, eu pensei que depois dessa conversa nunca mais fôssemos trocar uma única palavra sequer - Sharon Courtney chorando por mim? Acho que vou ficar brava mais vezes - brincou com um enorme sorriso no rosto - Você está um trapo Sharon, a sua roupa está amassada, cabelo bagunçado e seu rosto inchado de tanto chorar, não é a Sharon que eu conheço! - rimos baixinho - Eu te perdoo Sharon - nos abraçamos.

No meio de todo esse caos, isso já me deixou muito feliz. Eu nunca mais vou esconder nada, isso foi um erro que não irei cometer nunca mais. Isso aqueceu o meu coração levando embora toda a tristeza e a culpa. Agora é uma nova fase na minha vida, onde eu irei ter pessoas para investigar junto comigo e me apoiarem quando necessário. Iremos descobrir quem matou o meu marido e a minha filha. Quero acabar com esses meus devaneios sobre querer saber quem é o assassino que destruiu a minha vida e me tornou uma nova Sharon Courtney que tem sede por justiça para acabar com a dor mental da culpa que sinto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...