História Pretend... (REPOSTANDO) - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias The 100
Personagens Bellamy Blake, Clarke Griffin, Indra, Lexa, Marcus Kane, Octavia Blake
Tags Clexa, Elycia
Visualizações 181
Palavras 3.147
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, LGBT, Orange, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - Capítulo seis.


 

 

O resto da viagem foi tranquilo, felizmente, o trânsito estava livre e chegaram antes do previsto em Recife. Lexa sentiu-se nervosa quando o seu carro passou pelo pedágio e seguiu em frente. Sua família morava na Reserva do Paiva, um lugar muito bonito, bem cuidado e exclusivo. Apenas pessoas com alto poder aquisitivo que residiam na Reserva.

– Uau, que lindo! Sinto-me até fora do País. – Clarke comentou com os olhos fixos na janela, contemplando as mansões, as palmeiras e a praia que dava para ser vista em alguns trechos.

 Lexa sorriu.

– Sim, é muito lindo e maravilhoso também.

– Não consigo parar de olhar...

Lexa compreendia o encantamento de Clarke, aquele era um lugar dos sonhos para se morar, tranquilo e seguro, ideal para famílias. Intercalando com as mansões, tinham alguns hotéis e também condomínios.

– Estamos chegando. – A morena avisou.

Ligou o alerta do carro, e virou a esquerda, parando o carro em frente a um enorme portão preto com o brasão em dourado com as inicias “WD” no alto. Na lateral do muro alto, tinha duas câmeras de segurança, na calçada bem posicionado um interfone. Lexa baixou o vidro do carro e apertou o interfone.

– Quem é? – Uma voz berrou do outro lado que assustou as três dentro do carro.

Lexa revirou os olhos.

– Se você olhar pelo monitor de segurança, vai saber!

Um minutos depois, outro grito e Lexa estava rindo.

– Lexa! Mainha... Lexa chegou! – Sua irmã gritou com o interfone ligado. – Bem vinda de volta, vadia! – O interfone foi desligado e os portões liberados.

– Quem é essa? – Clarke perguntou com os olhos arregalados.

– Minha irmã, Octávia. – Lexa comentou, olhou rapidamente para loira. – Preparada?

– Sim. – Clarke respondeu um pouco nervosa. – Por que tem WD no portão?

– Woods Debnam. Sobrenome da família.

Lexa avançou com o carro diante do silêncio de Clarke, percorreram alguns metros sendo prestigiadas por um imenso jardim bem cuidado até avistaram a casa de vidro. Era incrível, Clarke ficou abobalhada como a mansão imponente, achava que casas assim existiam apenas em filmes, além do mais, era na beira do mar. Uau. A loira estava assombrada.

– Se está assim vendo apenas com a frente dela, vai enlouquecer quando descer do carro e ver a parte da beira do mar. – Lexa comentou bem humorada.

 

Elas desceram do carro, Lexa deu a volta para junto de Clarke, a loira tinha aberto a porta traseira para retirar a Marina da cadeirinha quando Lexa a segurou pelo braço, impedindo-a e fazendo-a se virar para ela.

– O que foi? – Clarke perguntou um pouco preocupada com a reação da outra.

Ao longe, Lexa via a sua família se aproximando... Sua mãe juntamente com o seu pai e sua irmã. Não era boba, também viu pela resta da janela do andar de cima alguém a observando, e pela estrutura corporal soube de pronto que era a Luna. Um misto de sensações e também um frio capaz de congelar todo o seu ser invadiu a morena. Ela sabia que encontraria a Luna, mas ainda não estava preparada para isso e droga! Tinha que ser bastante cautelosa e camuflar qualquer sentimento que estivesse sentindo, não poderia dar brechas para Luna e muito menos deixá-la perceber que ainda existia algo dentro do seu coração.

O motivo de ter levado a Clarke para essa farsa era pra afirmar que tinha superado e que estava muito feliz com a sua vida em Natal, não poderia fraquejar agora. Tinha que dar todos os motivos para que sua família e Luna acreditassem em sua versão.

– Precisamos demonstrar intimidade. – Lexa murmurou para a loira.

Sua família estava cada vez mais próxima, podia até escutar a voz animada de sua mãe.

– Fingiremos sem nenhum problema, ok? – Clarke a olhava diretamente nos olhos, sua testa franzida.

Lexa estava se sentindo cada vez mais agitada com sentimentos que não podia conter. Era uma mulher controlada, sabia disso, não podia se dar ao luxo de perder o controle, principalmente na frente dos seus. Respirou fundo tentando se conter, enquanto, tremia levemente.

– Você está bem? – Clarke perguntou preocupada, via o conflito nos olhos da morena, sem contar uma palidez quase doentia no rosto branco. Tocou suavemente no braço da morena. – Lexa? Não entre em pânico, eu estou aqui com você. – Tentou confortá-la.

Uma calma extremamente fria invadiu Lexa quando sentiu a mão pequena de Clarke em seu braço. A sensação de paz foi imediata, arrastando os sentimentos negativos para bem longe do seu coração e isso fascinou a morena... Lexa olhou para a mão de Clarke e depois para os olhos azulados. Clarke visualizou a frieza estranha nos olhos da morena que deixavam os seus olhos mais claro, desconhecendo aquela reação de Lexa, a loira retirou a mão do braço dela, receando que tivesse feito alguma coisa errada.

Ao vê-la recuar, Lexa a puxou para os seus braços pela cintura, deixando a Clarke surpresa, os olhos azulados se iluminaram e aquela tonalidade avermelhada estava ali, presente. A loira não entendia que estava acontecendo e não teve muito tempo para questionar até porque... Lexa abaixou a cabeça e capturou os lábios finos de Clarke em um beijo caloroso. Uma corrente elétrica atravessou os corpos de ambas quando os lábios se uniram... Era eletrizante e muito quente.

O corpo de Clarke amoleceu quando Lexa a enlaçou com possessivamente, enquanto os seus lábios se encaixavam e a morena exigia com a ponta da língua passagem para a boca da loira que imediatamente entreabriu os olhos e recebeu a língua treinada de Lexa em sua boca, causando reações poderosas em seu corpo, Clarke jogou os braços pelos ombros de Lexa e a abraçou pelo pescoço, saboreando mais daquele beijo arrebatador. A boca da morena tinha gosto de menta, era viciante... Clarke gemeu quando as línguas se encontraram em uma brincadeira quase pecaminosa... Lançando tremores e um desejo sexual tão palpável que as deixaram tontas.

Ambas suspiraram, beijaram-se com sintonia, as línguas se encontraram com toques presunçosos e provocativos. Lexa puxou mais a Clarke para o seu corpo tendo a necessidade de ter o corpo da loira emoldurado ao seu e quase morreu do coração ao constatar que o encaixe era maravilhosamente perfeito. Clarke entregou-se aquele momento, querendo sentir mais do calor de Lexa, querendo sentir mais de sua pele, do seu corpo, dela... Lexa compartilhava da mesma necessidade já que suas mãos esparramaram pelas costas da loira e pararam um pouco acima do cóccix.

Clarke resfolegou com aquilo, mais um pouco e as mãos de Lexa estariam esparramadas em sua bunda, do jeito que o seu corpo estava em brasa, não iria reclamar se tivesse esse avanço. A corrente elétrica continuou firme... Elas se embriagavam com as suas salivas, os seus cheiros e seus toques – mesmo sendo respeitosos. Lexa virou um pouco o rosto e encaixou ainda mais os lábios, fazendo com que Clarke sentisse algo flutuando em seu estômago... Algo quente e leve. Os corações de ambas batiam violentamente contra o peito, a ponto de uma sentir aquela pressão vinda do peito da outra.

Lexa sentia vontade de devorar a Clarke. Estava surpresa com a reação do seu próprio corpo que estava fervilhando por dentro, e pulsando. Ela queria mais, muito mais... O beijo era viciante, os lábios de Clarke eram como a porta para o pecado. Um pecado doce e enlouquecedor. Sabia que estava sendo correspondida com louvor e arriscaria dizer que Clarke estava sentindo a mesma sensação, dando-se conta a maneira que ela a correspondia. Parecia que as duas tiveram muito tempo perdidas em um deserto e que aquele beijo era as suas salvações. O oxigênio – o grande vilão da história de um beijo – se fez presente. Elas tiveram que diminuir o ritmo, mas não pararam. A boca de Clarke era como uma fruta proibida, quanto mais se tinha, se queria... Agora a Lexa entendia como Eva tinha fraquejado e provado o fruto proibido, porque era impossível se manter longe. Era magnético, elas se puxavam, não dava para fugir daquilo.

Os sentidos da morena estava em alerta, o seu corpo estava sofrendo de uma grande descarga sexual que fazia as suas áreas erógenas ir à flor da pele. Os seus mamilos reagiram marcando a blusa de seda já que Lexa estava sem sutiã, a sua intimidade dava-lhe contrações quase doloridas. A morena escorreu as mãos para os quadris de Clarke e a puxou mais para si ao mesmo tempo que a empurrava contra a lataria do carro, pressionou o seu corpo no da mais nova. A vontade de Lexa era se encaixar nela e saciar toda a sua fome que tornou-se dez vezes pior depois que provara a doçura dos lábios de Clarke.

Clarke estava em um estado caótico, seu corpo parecia que estava sendo derretido igual geloira, era muito difícil ser imune a Lexa, principalmente com aqueles beijos deliciosos. Subiu as mãos pelos cabelos da morena e os segurou, dando uma puxada firme, arrancando um gemido rouco de Lexa que a pressionou mais contra o carro querendo fundi-la em seu corpo. Quando a mão da morena deslizou por uma área bastante comprometedora, escutou a voz alta de sua irmã, devolvendo toda sua racionalidade.

– Isso não é um beijo, é um desentupidor de pia! – Gritou Octávia. – Eu não acredito que vão transar bem na porta do carro na frente da sua família, Lexa pervertida!

Lexa sorriu entre o beijo, o encerrando com um selinho e voltando-se para a sua família, largando praticamente a Clarke lá, desorientada, com o corpo em chamas e a mente em frangalhos.

Os rostos de ambas estavam bem avermelhados, principalmente na área dos lábios inchados. Clarke tinha os olhos faiscando, sua boca formigando violentamente pelo o que tinha acontecido, sem contar que a sua respiração estava entrecortante. Ela precisava de muito para se recuperar de todos aquelas sensações que prendiam-se em seu corpo e sua mente. Clarke não conseguia compreender como a Lexa agia normalmente abraçando os seus familiares, enquanto, a própria Clarke estava com as pernas tão trêmulas que seria incapaz de se mover.

O beijo tinha abalado todas as estruturas de Clarke. 

Depois de muitos beijos e abraços em sua família, Lexa arriscou uma olhada para a janela superior, a sombra não estava mais lá. Uma felicidade quase sádica envolveu a morena, se tivesse sido realmente a Luna que estava na janela tinha assistido a cena que ela e Clarke protagonizou, isso era mais que maravilhoso! Sua atenção foi desviada por sua mãe que a enchia de beijos e tinha lágrimas nos olhos.

Lexa também se emocionou, deu-se conta de que realmente estava com saudades dos seus pais e também de sua irmã caçula. Era tão bom ser acolhida no seio da família.

– Que saudade de vocês! – Lexa confessou, distribuindo beijos pra todos, até mesmo para Octávia que reclamou do grude, mas aceitou de bom grado o carinho da sua irmã do meio. – Amo vocês! – Murmurou, recebendo o abraço coletivo das três pessoas que mais amava no planeta.

Mas em meio de tantos sorrisos, abraços e beijos trocados... No fundo, bem no fundo, Lexa sentia-se pelo avesso, e tudo isso porque tinha provado da doçura dos lábios de Clarke... Algo que ela não ia esquecer nem tão cedo, e que o seu peito flamejava na esperança de ter uma segunda vez...

 

(...)

 

Clarke estava atordoada, nunca tinha se sentido daquela forma com um simples beijo, era como se o mundo tivesse parado e ela tivesse a consciência de cada ser vivo existente na terra. Suas pernas estavam bambas e os seus pulmões trabalhavam arduamente para regularizar a sua respiração. Um redemoinho passou por si, deixando-a de cabeça para baixo, esse redemoinho tinha nome e sobrenome: Lexa Woods. Cada partícula da Clarke queria novamente sentir os lábios da morena sobre os seus e a pressão do corpo quente... Lexa tinha uma pegada tão forte que a deixou loucamente excitada.

Lexa continuava lá com sua família, sem demonstrar nenhum abalamento pelo beijo...

Deu-se conta que a morena não tinha ficado afetada com o beijo, Lexa tinha a beijado apenas para se exibir para a família, essa constatação deixou a loira com muita raiva! Raiva da Lexa, raiva de si mesmo por ter sido tão estupidamente fraca e amolecido com um simples beijo.

O tremor do seu corpo mudou drasticamente de tesão para raiva. Quando estivesse ás sós com Lexa, iria dizer com todas as palavras que beijos não faziam parte dos planos e estavam proibidos.

Sentiu uma pequena mão em seu braço e virou-se, Marina estava com o rosto todo vermelhinho de choro, fazia biquinho com os braços estendidos, querendo se livrar daquela cadeirinha. Prontamente Clarke a soltou, e a abraçou carinhosamente.

– Não precisa chorar, meu amor, a mamãe está aqui. – Clarke murmurou baixinho para que a filha escutasse, respirando fundo em seguida umas três vezes para se acalmar.

– Oh meu Deus, é um bebê! – A voz animadamente de uma mulher fez com que a Clarke se virasse.

A mulher vinha em sua direção com um sorriso aberto que estancou no meio do caminho quando Marina virou o rostinho na direção dela. A desconhecida fez uma cara confusa, atrás dela, estava um homem alto de cavanhaque com o corpo robusto que tinha a mesma expressão confusa da mulher, e de lado dele, uma garota mais nova que parecia pensativa. Deu-se conta de que deveriam ser a mãe, o pai e a irmã da Lexa, já que eram parecidos.

Clarke não estava entendendo aquelas reações, olhou de relance para Lexa que parecia tão perdida quanto. A mulher que a loira deduziu ser Indra Woods era muito bonita, estrutura mediana.

Lexa e Clarke entenderam a confusão quando a mulher virou-se para morena, e soltou em tom magoado:

– Lexa Jasmin Woods Debnam, eu não acredito que lhe carreguei por nove meses dentro de mim, sofri 36 horas de parto, lhe criei com leite ninho e todo amor do mundo para você ter escondido para mim que teve uma filha!

– O quê? – Lexa engasgou, ficando extremamente vermelha.

Clarke sentiu-se mais confusa ainda com aquela acusação.

– Eu sei que você tem uma vida muito corrida em Natal, mas eu não iria me importar em ir até lá para compartilhar de um momento tão especial que é uma maternidade. Você nem mesmo disse que estava grávida! Meu Deus. – Indra levou a mão no peito, dramaticamente. – Você teve uma filha, e eu não estive lá para orientá-la, para segurar a minha neta recém-nascida nos braços...

– Realmente, Lexa, onde você estava com a cabeça em ter omitido a existência de uma filha? – Augustus ralhou, olhando fixamente para a filha com profunda decepção. – Ela é a nossa neta, não poderia ter feito isso.

Lexa quase teve uma sincope ao se dar conta o que estava acontecendo. Nessa altura do campeonato, a Clarke já estava achando graça o desentendimento. Já a Octávia continuou pensativa, olhando de um para outro sem se expressar.

– Não, não, não! – Lexa apressou-se em dizer cada vez mais vermelha, gesticulando com as mãos. – Marina não é minha filha! Ela é filha de Clarke, a minha namorada. – Apontou pra Clarke que sorria abertamente.

Indra e Augustus piscaram diversas vezes, confusos. Olharam de Marina para Clarke, de Clarke para Lexa. Em seguida, ficaram assombrados.

– Tem certeza que ela não é sua também? Não tem um quê de DNA seu nela? – Indra questionou ainda espantada.

– Não, mãe! Eu não esconderia uma filha de vocês, pelo amor de Deus. – Lexa retrucou com agastamento.

– Uau. Ela é a sua cara, filha! – Augustus comentou abismado.

Ironicamente, Marina tinha algumas características que lembravam muito a Lexa, como a palidez acentuada da pele, os olhos grandes esverdeados, a boca avermelhada e os cabelos lisos e castanhos.

– É apenas coincidência do destino. – Lexa murmurou olhando pela primeira vez com grande análise para Marina.  

Todos ficarem em silêncio por uns segundos, até que Indra voltou a falar depois do choque, de maneira mais animada:

– Deixe-me pegar essa gracinha. – Mal terminou de falar e tinha pegado a menina nos braços. – Que linda! E essas bochechas? Que amor! Lexa também foi um bebê gorduchinho e exalava fofura.

– Mãe... – Lexa gemeu com medo de que a mãe começasse a falar sobre coisas de sua infância que a mataria de vergonha.

Indra não deu atenção a filha, e continuou a falar:

– Desculpe-me por toda essa confusão. Clarke, não é? – Perguntou, e a loira balançou a cabeça em positivo. – Bem, prazer! Eu sou Indra Woods, a mãe dessa filha desnaturada que é a Lexa... – Beijou as bochechas de Clarke e virou-se um pouco, ignorando o semblante lastimoso da morena. – Aquele ali detrás, é o meu marido e pai da Lexa, o Augustus... E aquela moçona ali é a Octávia, irmã da Lexa.

Clarke acenou para eles, que sorriam, mas antes que a loira pudesse processar qualquer informação, braços grandes e fortes a sufocaram em um abraço de urso. Era o Augustus que abraçava com um sorrisão a nora.

– Seja bem vinda a nossa casa, Clarke. É um prazer recebê-la aqui. – Augustus disse ainda sufocando a Clarke com a sua barriga. – É bom saber que Lexa sossegou com alguém.

– Pai! – Lexa reclamou com um bico. – Você está esmagando a Clarke.

– Desculpe! – Ele riu, soltando a loira que também ria com a receptividade.

– Tudo bem. – Clarke respondeu simpática. – É um prazer conhecê-los também.

Clarke não esperava toda essa receptividade dos Woods. Simpatizou com eles, de cara! Demonstravam ser boas pessoas, e o melhor de tudo: que deixava a Lexa constrangida com facilidade. Ela olhou para os quatros, definitivamente era uma família muito bonita, recém-saída de um comercial de margarina, diria até que era a típica família de um sonho americano, se eles não estivessem no Brasil.

Verdade seja dita, a loira estava era chocada como os pais de Lexa pareciam joviais para ter filhos na casa dos 30. Pelo o que a morena tinha contado, o irmão mais velho tinha 36 anos, então, Indra e Augustus beiravam quase os sessenta anos. Mas não aparentavam! Outro ponto que chamou atenção era que Lexa parecia ser a mais pequena da casa – em questão de altura. – Já que até mesmo a Octávia era alta, e Lexa ficava beirando o ombro da irmã mais nova.

– Vamos entrar. – Indra chamou ainda com Marina nos braços que surpreendentemente não estava estranhando os braços da desconhecida. – Vocês devem estar cansadas da viagem.

A loira fez menção de ir pegar as malas quando sentiu a mão da Lexa sobre a sua, a puxando suavemente para dentro da casa.

– Os empregados se encarregam de cuida das malas, querida. – A morena disse com gentileza.

Clarke iria ordenar que Lexa soltasse a sua mão, já que o mínimo contato fazia com que ondas de arrepios fossem lançados pelo seu corpo, mas percebeu que a Octávia estavam a observando com bastante interesse.

– Claro, meu amor. – A loira respondeu com um sorriso suave.

Ignorando os pequenos choques, entrelaçou as mãos com de sua suposta namorada e adentrou na casa que era regada de luxo, e bom gosto...

 


Notas Finais


Perdoem-me os erros.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...