História Primavera - Imagine Kim Taehyung - BTS - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Hey gente, primeiramente tudo bem???
Estou extremamente feliz em poder finalmente poder postar essa história, é uma história triste, mas também muito especial para mim. Espero de coração que gostem.

Informações 🌟

— Você tem 24 anos
— Taehyung tem 25 anos
— a História se passa em lugares e em paradoxos de tempo diferentes, eu avisarei quando tiver mudanças.
— Short fic¡! Terá mais ou menos 5 a 10 capítulos.
— +18 (Apenas por palavras impróprias e insinuação a sexo, nudez etc..
— Palavras em Itálico (meio "deitadinhas") são pensamentos da personagem principal, você.

Pois bem, boa leitura amores 🌟

Capítulo 1 - One - Novos ares


Fanfic / Fanfiction Primavera - Imagine Kim Taehyung - BTS - Capítulo 1 - One - Novos ares

Seoul, Coreia do Sul. 
12/01/2020
Domingo, 16:26 PM

Um belo sorriso brota em seus lábios, assim toda a tensão muscular recebe um leve descanso quando põe seus pés para fora do taxi, havia acabado de chegar em Seoul e agora estava a frente de seu novo lar, que por consequência também era seu tão almejado emprego dos sonhos. O hospital De La vie, o maior hospital de câncer do país. Rapidamente um pensamento vem a sua mente, arrancando um sorriso feliz. Oh, é muito mas belo que eu poderia imaginar... 

Desde menina, prometeu a si mesmo que seguiria o sonho de ser uma enfermeira. E hoje, o realizou. Uma nova etapa se iniciava em sua vida, hoje era um dia muito especial, e tudo isso se iniciava em um belo dia de primavera.

Estava tão submersa em seus agradáveis devaneios que não percebeu que o taxista de meia idade, ransinza e mal humorado, estava a minutos esperando seu pagamento.

— Senhorita, eu não tenho o dia todo. Poderia simplesmente me pagar? Preciso trabalhar! — Resmunga o senhor.

É mesmo! O dinheiro do taxi

— Me desculpe senhor — Retira a nota de papel amassada a ajustando o máximo que podia para entregar ao senhor a sua frente.

— Não se esqueça sua da bagagem garota. — Pega o dinheiro da sua mão guardando na pequena caixinha que ficava entre os dois bancos da frente.

O homem desde do carro logo em seguida abrindo o porta malas, apoiando seu braço no compartimento aberto.

— Ande logo garota, está esperando o que? — A olha sobressaltado, percebeu que queria sua ajuda.

Ele não vai me ajudar?

Você olha para o homem que agora tinha e sua face tamanha pressa e raiva.

Não ele não vai! Faça você mesma S/N, oras, não precisa de ninguém para fazer isso!

Você se põe a pegar as malas, não eram muitas, apenas três, mas estavam bem pesadas.

Com muito esforço, coloca-as na calçada e em seguida vê o homem entrar e dar partida em seu carro seguindo pela estreita rua e sumindo a vários metros de distância de você.

Vejo que aqui as coisas não são como minha pequena cidade

Tentando conciliar espaço para carregar suas malas você acaba deixando-as ambas caírem aos seus pés, frustrada tentou pegá-las novamente e falhou miseravelmente quando a mesma coisa se repetiu, dessa vez quase fazendo a maior bagunça de roupas, por pouco não se abriram. Nesse momento desejou aos céus que lhe desse a devida força para levantá-las ou que alguém passasse naquele momento e a ajudasse.

Ajoelha no chão novamente pegando com dificuldade seus objetos. Caminha muito lentamente conseguindo sair do lugar que antes estava.

— Senhorita? — Alguém toca seu ombro, tirando totalmente sua concentração ao virar e observar que se tratava de um homem, um lindo homem. E lá se foram suas malas ao chão novamente.

— S..sim? — Sua voz falha, tanto de frustração quanto de admiração pelo rapaz.

— Me perdoe pelas malas que caíram novamente, eu a vi quando desceu daquele taxi, e também vi que está com muita dificuldade para levá-las para dentro. Permita-me ajudá-la? — Diz brevemente o homem já pegando-as do chão.

— Não se incomode com isso, senhor... — Disse isso, mas por dentro estava muito feliz e agradecendo a todos os santos possíveis pela ajuda que havia aparecido.

— Eu faço questão! — Levanta, seu corpo, com sua bagagem em braços, forçando seus músculos definidos. Ele era muito forte.

Imaginava como seria tão pesadas para você e aparentemente tão leves para o rapaz ao seu lado. Também, sarado desse jeito, não seria menos que isso

— Eu agradeço muito! — Você sai do transe quando o rapaz a observava sorrindo a deixando desconfortável.

— É um prazer ajudar.

De la vie situava-se em um todo quarteirão, tinha um belo jardim a sua frente e um longo caminho a frente até a sua entrada.

Você no momento não se atrevia a dizer nenhuma palavra, realmente estava sem jeito e envergonhada. O que ele estava pensando de mim? Deus, obrigado pela ajuda, mas precisava ser um cara tão bonito?

— Percebi que está tensa, deveria relaxar — Diz o rapaz sem olhá-la.

— Eu? — Se faz de desentendida, pega de surpresa pela fala do garoto.

— Sim, você — Sorri divertidamente e a olha — Eu não mordo sabia? — Continua a olhando

— Me adimiraria se mordesse — Tenta relaxar como aconcelhada a poucos. Fazendo o rapaz novamente rir.

— Pois bem, meu nome é Jungkook, como se chama? — Redireciona o olhar para frente.

— S/N.

— De onde é S/N? Não creio que seja de Seul. — Brinca o maior, balançando os braços com as malas.

— Não — sorri em conjunto a JK — Sou de Kwangju. Você é daqui?

— Oh sim, Kwangju. — Junta os lábios. — Sim S/N, sou de Seul.

A poucos passos se aproximava a entrada. [...]

— S/N, você ficará aqui? — Indagou.

— Sim, a partir de amanhã começarei a trabalhar aqui, e como ainda sou uma hoobae na área, eles me ofereceram um dormitório aqui mesmo no hospital. — Suspira

— Por um momento pensei que seria uma paciente — A olha em um gesto singelo — Então onde fica seu dormitório? — Sem entender muito bem, Jungkook muda de assunto.

— Bem, me passaram um mapa do hospital, fica aos fundos — Pega seu celular — Oh, Jungkook, eu agradeço que tenha trazido minhas coisas até aqui, não precisa se incomodar mais comigo — Tira o olhar do celular, pousando em Jungkook que não parecia se importar.

— Se eu deixar aqui, quem levará para você? — Arqueia a sobrancelha exibindo um sorriso — Creio que ninguém. Eu continuarei a levar, isso não me incomoda, pelo contrário me agrada sua presença.

Deus, está me testando não é?

Você apenas aceita a ideia, pois o homem estava certo, ninguém levaria para você.

Em poucos minutos juntos, percebera que Jungkook é alguém muito divertido, um pouco convencido, enfim desejava que ele não se fosse.

— Pois bem, chegamos — Menciona você ao passarem pela porta de número 54, onde lhe informaram que seria seu dormitório.

— Aqui estão suas coisas — As coloca no chão — Não quer que eu a ajude a colocá-las para dentro?

— Não, você já me ajudou muito hoje. Eu agradeço muito Jungkook. — Sorrio me curvando em sinal de respeito.

— Se prefere assim, eu não irei insistir. — Se curva também — Espero vê-la novamente S/N, até mais! — O maior diz dando pequenos passos, afim dando as costas e indo embora.

Ao abrir a porta do local se dá conta que irá dividir o quarto com uma outra garota, que nesse momento estava sentada em uma das camas olhando para seu celular, qual retira sua atenção ao ver que estava na porta.

— Ah, oi! Você deve ser S/N a nova enfermeira não é? — Gentilmente a garota se aproxima de você a abraçando.

Ela é bem receptiva! Gostei dela

— Olá, isso mesmo. Meu nome é Park S/N — Você retribui o abraço, ganhando tamanha sensação de fraternidade.

— Oh S/N, adorável, eu me chamo Hilary Young sou enfermeira aqui a uns 2 anos. Espero que você se instale bem, e que ao correr do tempo nos demos bem. Eu realmente gostei de você!

— Obrigado Hilary — sorri em agradecimento.

Ao adentrar no pequeno espaço, você sente uma energia extremamente forte e positiva, Hilary era alguém muito astral e convencional. Não tinha como sua convivência com a ruiva não dar certo.

[...]

Após se organizar e conhecer seu novo quarto, Hilary se oferece para lhe mostrar o hospital, você sem tardar aceita o convite de sua mais nova amiga.

O hospital era muito grande, havia um belíssimo jardim na entrada, inúmeros corredores, várias salas de espera e um saguão onde estava repleto de crianças fervorosas e adultos sistemáticos. Era nítido que a simplicidade e inocência das crianças não eram afetadas pela doença terrível que haviam as forçado estar ali, só se notava alegria nos rostos infantis. Já os jovens de mais idade e os adultos tinham expressões tristes e faces debilitadas e cansadas, presenciar aquilo seria muito triste, o sonho de ajudar pacientes a terem um bom atendimento e encontrarem paz enquanto prosseguia seu tratamento se limitava apenas a isso, não pensou que justamente no lugar do seus sonhos seria um lugar de agonia para muitos. De La Vie era o maior hospital de Seoul, o maior hospital de câncer do país, ajudava centenas de pessoas a encontrarem a cura, mas também esse era o lugar de partida de muitos, em partes um lugar extremamente bonita mas também um lugar muito triste.

— Esse é o lugar mais bonito e movimentado do nosso hospital. — Cita Hilary.

— É bonito e muito triste. — Sussura, tocada

Hilary apenas assente, já que sobre isso não poderia falar nada, e prossegue tocando seu ombro a levando para outros lugares.

Percorreram todo o hospital, sorria com as piadas e explicações atrapalhadas de Hilary mas em momento algum deixara a triste lembrança dos rostos infelizes que via anteriormente, infelizmente, você teria de saber lidar com situações como essas, aquilo faria parte do seu dia a dia.

Eu não sei se estou preparada para isso

— Por último, esse é onde nós funcionários chamamos de Harsh winter, um pequeno jardim, o lugar mais solitário do local...— Hilary interrompe sua fala quando vê um rapaz sentado abaixo de uma árvore florida, certamente uma cerejeira — O que ele está fazendo aqui, ele não pode ficar aqui, pacientes não podem vir aqui — garota tenta prosseguir e ir até onde o garoto estava, mas você a impede a puxando pelo braço.

— Deixe-me falar com ele, por favor, eu... Eu senti curiosamente uma vontade de conhecê-lo, poderia me dizer seu nome?

— Tem certeza S/N? Esse é Kim Taehyung, é um paciente que tem câncer em estágio final, pelo que eu sei ele não fala com ninguém e simplesmente ignora a existência de todos, a única pessoa que consegue se comunicar com ele é a Yang, a enfermeira chefe. — Explica apreensiva.

— Hoje eu sinto que é um dia muito especial, estou confiante que ele não irá me tratar mal... Posso tentar sim?

— Vá lá... Bem eu voltarei para o dormitório, volte quando conseguir convencer ele. — Young toca seu ombro e sai.

Você caminha poucos passos até chegar até o rapaz, seu cabelo era claro em um acinzentado, seus olhos contiam uma profunda tristeza. Ele era friamente bonito, mas sua beleza se esvaía pela expressão estática, mórbida.

— Hey, você... — Você chama a atenção do garoto que olha momentaneamente para você — Eu sou S/N, a nova enfermeira do departamento infantil...

— Poupe-me.

— Como? — Você pergunta surpresa ao ver e sentir tamanha indiferença vinda do rapaz.

— Eu não pedi que se apresentasse, me deixe e apenas saia. Logo irei também. — Diz repousando seu olhar a uma pequena pétala aos seus pés.

— Não me admira esse comportamento... É exatamente como retrataram você, eu não o tratei mal, pelo contrário, tentei ser gentil, poderia tentar ser mais educado e sensível? Eu não mereço tamanha frieza não acha? — Era evidente que em seu tom de voz se escondia certa mágoa por ter sido tratada assim, e o Kim percebe seu comportamento.

— Você de fato não merece minha indiferença, mediante a isso, eu não posso fazer nada — Diz rispidamente, seguindo de uma olhada rápida em você — E sobre tentar ser isso que você acabou de dizer, não é algo que eu tente resolver, ou coloque em prioridade, não tenho tempo para isso...

— Pois deveria!

— Deveria? — Ironicamente sintetiza a palavra, agora a olhando fixamente — Eu sou alguém que em breve morrerá neste hospital, não te disseram? Não desperdice seu tempo comigo garota, não disperdice sua beleza em um lugar como esse....

Seu tom honorífico mudou repentinamente, seu olhar indicava inexpressão e seus lábios sinuosos fecharam rapidamente.

Essas palavras mexeram de forma súbita com seus sentimentos, essa era a primeira vez que experimentava sentir algo novo como o que estava sentindo agora, algo muito confuso.

Ele...


Notas Finais


Bem, espero que tenham gostado, aaa.
Espero vocês nos comentários nha 😜

Créditos pela capa e banner: @Kindsick_


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...