História Primeira Vez - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Yowamushi Pedal
Personagens Kinjou Shingo
Tags Amo Esses Fofos, Manami Sangaku, Onoda Sakamichi, Romance, Sansaka
Visualizações 65
Palavras 7.653
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OOOOIIIIEEEEE!!!!
EAI PESSOAL? TUDO BEM???
Eu espero que SIM!
*Caso contrário melhoras

Prometi que postaria One's sobre alguns dos shipp que mais amo, e tamos aí!
Decidi começar por SanSaka ❤
Porque? Por que SIM!
Bateu inspiração então escrevi eueheheh

GENTE!!! Só pra avisar essa one shot vai ser dividida em duas partes, ou seja, tá mais pra two shot! (não liguem mas to bugada)

Então gente, era pra essa two shot ter sido postada no dia dos namorados (ou seja a um século atrás), porém eu tive muitos imprevistos por causa da escola e tudo mais (socaram provas e trabalhos em mim por causa do final do bimestre)
Enfim, no final das contas eu não consigui postar na data que eu queria, e como eu sempre tinha que atualizar minhas histórias acabava não sobrando tempo pra postar essa aqui
Mas hoje eu fiquei decidida a posta-la! Chega de enrolar!

Por isso pra quem lê minha história dessa mesma categoria, a "Pedaço do Céu", desculpe por demorar atualizar, mas prometo que vou compensar vocês Sunshines ❤🌈

GENTE!!! Revoltada estou pois não tem o Onoda pra colocar de personagens, só o Kinjou!
#AlgoPrecisaSerFeito!

Estou muito nervosa e animada com essa two shot! Espero que gostem!

Nos falamos nas notas finais🌟
Kissus 😘
Boa leitchura!❤

Capítulo 1 - Surpresa


Fanfic / Fanfiction Primeira Vez - Capítulo 1 - Surpresa

A poucos dias um jovem casal de namorados se mudou para um pequeno apartamento, com o intuito de se conhecerem ainda melhor e se abituarem aos costumes um do outro, para que talvez no futuro esse relacionamento se torne algo mais sólido e duradouro. E claro, aumentar sua intimidade, algo que eles não tinham muito devido a timidez e a falta de confiança de um dos rapazes. Ah, claro! O casal de namorados se trata de dois garotos:


Onoda Sakamichi, um rapaz de curtos cabelos pretos, olhos grandes e redondos da cor azul com um par de óculos também redondos sobre eles, de estatura baixa, e com um sorriso de dar inveja, de personalidade doce e gentil porém muito tímido e sem autoconfiança.


E Manami Sangaku, um rapaz de cabelos azuis meio repicado nas pontas que iam até o ombro, olhos igualmente azuis, estatura média, dono de uma personalidade alegre e gentil, ele está sempre conversando e sorrindo, seu único problema é ser avoado de mais.


Ambos os garotos possuíam muitas coisas em comum, o que fez a aproximação dos rapazes ser inevitável. E foi em um evento sobre uma das séries que ambos acompanhavam que eles se conheceram, o menor estava perdido no meio do caminho quando o azulado apareceu oferecendo-lhe ajuda, e desde aquele momento eles não se separaram mais. 


Após um ano de amizade, ambos começaram uma "amizade colorida" entre eles, que em seguida se tornou um namoro que dura até hoje. E apesar de não terem feito grandes avanços quanto sua relação íntima o relacionamento não poderia estar melhor, afinal, ambos são super carinhosos e atenciosos um para com o outro.


Nesse momento o casal terminava de arrumar suas coisas na nova casa, o que não era muita coisa. Onoda estava a dobrar as roupas guandando-as no guarda-roupa, e Manami que já havia terminado de arrumar as coisas nos outros cômodos foi para o quarto ajudar o namorado, porém assim que viu o mesmo distraído dobrando as roupas com um sorriso bobo o azulado mudou completamente seus planos.


Se aproximando sorrateiramente Manami chegou as costas de Onoda e o abraçou dando um beijo no pescoço alheio, o que fez o menor se assustar pelo contato inesperado e se arrepiar pelo beijo em um local sensível.


-Amor, você me assustou. Não pode chegar desse jeito, posso acabar tendo um ataque cardíaco.

-Pelo beijo ou pelo susto?


Disse o azulado com um sorriso travesso e o menor riu.


-Pelos dois!

-Me desculpe. Mas eu não resisti, assim que eu te vi aqui tão concentrado e sorrindo, eu não consegui me controlar. Você é tão lindo.


O menor corou de leve, apesar de ter perdido boa parte de sua timidez ainda ficava corado ao receber elogios, ainda mais quando eram espontâneos e principalmente,  vindos de Manami. O azulado sorriu pela reação do namorado e o puxou até a cama se sentando e colocando o menor ainda de costas para si, sentado em seu colo, Manami o abraçava por trás.


-Adoro quando fica vermelho.

-E-Está me deixando sem jeito.

-É tão fofo quando gagueja.

-M-Manami!

-Certo, parei!


Sorriu o azulado e o menor respirou fundo se acalmando.


-Mas me diga, porque estava sorrindo feito um bobo?

-Eu estava sorrindo? - o azulado acena positivo - Eu não me dei conta.

-No que estava pensando que te deixou tão feliz?

-Nada de mais. Só que, agora que vamos morar juntos, acho que vai ser divertido. É quase como se estivéssemos casados.


Ao ouvir aquilo Manami ficou surpreso ficando sem fala, o que assustou o menor já que sentiu falta de uma resposta ou almenos um comentário do parceiro pensado que talvez tivesse dito algo errado ou estranho.


-A-Ah! Mas bom, isso são só divagações  m-minhas. Apenas...

-Que ideia maravilhosa!

-Hã?! O que?

-Me casar com você.


O menor se surpreendeu corando em seguida.


-Imagina o quão maravilhoso seria, ou será daqui a alguns anos, quem sabe?

-E-Esta falando sério?

-Claro!  E por que eu brincaria sobre isso? - o menor nada responde - Imagina eu, você, um cachorro ou um gato seila, pode ser os dois também eu não me importo, e quem sabe um ou dois filhos também.


Os olhos de Onoda se arregalaram pelas palavras do azulado.


-Você quer ter filhos Manami?

-Claro! Você não?

-Eu quero, mas bem... somos homens então, não...

-Eu sei o que quer dizer. Mas podemos adotar. Isso não sera problema nenhum pra mim, almenos é claro, que você não queira.

-É claro que eu quero! - disse alto fazendo o azulado rir - Mas bem, eu não vou poder te dar filhos de verdade.

-E por acaso filhos adotados são de mentira?

-Não.

-Então, não se preocupe com algo como isso. Não importa se eles forem adotados, tudo o que importa é que eles sejam os nossos filhos.


Aquela frase pegou Onoda completamente desprevenido, e o menor precisou conter as lágrimas de emoção que encheram seus olhos os fazendo brilhar. Eram em momentos como esse que Onoda se lembrava dos motivos pelos quais se apaixonou pelo namorado. E naturalmente as palavras saíram por seus lábios:


-Eu te amo.

-Eu te amo mais.

-Sabe que se fomos começar a disputar quem ama mais quem essa conversa não vai acabar nunca.

-Então vamos considerar um empate.


O menor sorriu e o azulado o abraçou mais forte, Onoda começou uma carícia no braços do namorado que rodeavam sua cintura, Manami deixou um sorriso moldar seus lábios.


Como uma reação automática por estar com o rosto tão próximo do pescoço alheio, Manami inspirou o perfume do pescoço do namorado deixando que os labios roçassem propositalmente naquela área, que por ser sensível causou um arrepio em Onoda, além de um leve esquentar no baixo ventre.


-Amor, eu ainda não terminei de arrumar as coisas.

-E qual o problema? Podemos terminar de arrumar mais tarde. Só falta o quarto de qualquer forma.


Disse enquanto começa a distribuir beijos pelo pescoço do namorado, este que fechou os olhos se deliciando com os beijos lentos e carinhosos, deixando um suspiro longo escapar por entre os lábios.


-Mas tarde... vai ser, ruim...


Falava pausadamente enquanto mais suspiros escapavam de seus lábios, o azulado sorriu travesso.


-Eu sei que você quer isso tanto quanto eu. Então pra que impedir? 


As mãos de Manami começaram a se mover pelo corpo do menor em uma carícia, e Onoda segurava os braços alheio tentando impedir que estes fizessem o que queriam, o que se mostrou completamente falho.


-A-Amor... Aah.. 


O menor não conseguiu terminar de falar devido a um chupão que receberá no pescoço, fazendo com que um gemido involuntário escapace por entre seus labios, e Onoda teve certeza, ia ficar roxo.


-Eu amo quando você me chama de Amor.


Sussurrou o azulado mordendo o lóbulo da orelha do menor, arrancando mais um gemido do namorado. Sua mão ja por dentro da blusa acariciava a barriga do amado, passando as unhas curtas levemente pela barriga alheia causando arrepios no menor, e logo uma de suas mãos subiu indo até um dos mamilos de Onoda, e o beliscando tirando mais gemidos do mesmo.


-Aaah! -gemia meio arrastado enquanto o azulado continuava suas carícias em seu corpo- Ainda... é dia... é estranho, ah... fazer isso, hum, agora.

-E o que isso importa? -sussurrou na orelha do menor- Eu não me importo nem um pouco. -beijou o pescoço do menor que arfou-  Eu só quero você!


Disse isso e logo em seguida a mão que acariciava a barriga de Onoda desceu indo em direção ao meio das pernas do menor dando um leve aperto no membro coberto pela calça e visivelmente desperto, o que causou um arfar e um gemido lânguido do mais baixo. E como uma reação automática, Onoda jogou o corpo para trás, juntando ainda mais seu corpo ao do namorado, e ficando sobre o membro coberto e desperto do mesmo. Involuntariamente Onoda rebolou sobre o membro do azulado, tirando do mesmo alguns gemidos que o excitaram.


-Hummh... Sakamichi...

-Aaah... Amor, o que você... hum... está fazendo? 


Perguntou o menor entre gemidos e o azulado se sentiu ainda mais excitado. E sem parar as carícias Manami respondeu:


-Não é óbvio? - O azulado lambe a curva do pescoço do namorado tirando um gemido baixo do mesmo - Estou sentindo você, em cada parte, com cada toque, de todas as maneiras possíveis. -  uma das mãos de Manami adentraram as calças do namorado acariciando o membro alheio ainda coberto pela box, causando um arrepio involuntário em Onoda - E se me deixar posso te tocar ainda mais fundo, e te fazer sentir ainda mais prazer. 


Dito isso o azulado pressionou seu corpo ao do namorado, deixando que Onoda sentisse entre as nadegas seu membro duro e pulsante. Um gemido sôfrego saiu por entre os lábios do menor, e novamente seu corpo reagiu sozinho, esfregando-se no membro desperto do namorado, arrancando gemidos do mesmo.


A cada segundo os toques pareciam que ficavam ainda mais quentes e íntimos, até que o som do celular de Onoda tocando os interrompeu.


-Amor... eu, ah, preciso atender... humm, é a minha mãe.


Disse o menor se remexendo no colo do outro em uma tentativa de se soltar, porém o namorado continuava a fazer carícias em si.


-Como pode saber que... -beijou o pescoço do menor-  ... é sua mãe?

-Eu coloquei um...aah, toque especial. Pra saber que... é ela.

-Deixa tocar.

-Mas e se... aaah, for algo importante?

-Até parece que você não conhece sua mãe. -disse parando as carícias- Ela só está sendo superprotetora, como sempre.

-Mesmo assim, é melhor eu atender. Se não ela pode ficar ainda mais preocupada.

-Só vou deixar porque é bem capaz dela ligar pra polícia caso você não atenda.


Os rapazes riem e Onoda se levanta indo até o criado mudo pegando o celular que tocava sem parar e o atendendo em seguida:


-Alo! Mãe?

"-Filho! Porque demorou pra atender? Está tudo bem? Eu atrapalhei alguma coisa?"


O menor não conseguiu evitar de olhar para o namorado, este que o observava e corar.


-N-Não mãe, você não atrapalhou nada.


Assim que ouviu o que o menor dissera acompanhado das bochechas coradas do mesmo Manami sorriu, seu namorado era realmente uma graça.


"-Nesse caso porque demorou pra atender? Eu estava quase ligando para a polícia."


O menor riu lembrando do que o azulado havia dito.


-Eu estava terminando de arrumar as coisas por aqui. Apenas isso, não precisa se preocupar tanto.

"-E me diga, como vocês estão?"

-Estamos bem, apenas se adaptando ao novo ambiente.

"-E já conseguiram dar algum avanço na relação?"

-M-Mãe! Isso lá é pergunta que se faça?


Questionou o menor constrangido e Manami riu, ja prevendo que sua sogra deveria ter perguntado algo íntimo e constrangedor ao menor. O azulado já havia se acostumado com os comentários e perguntas nada discretas da sogra, e ele simplesmente adorava ver como o namorado ficava depois.


"-Você é meu filho. É normal conversarmos sobre essas coisas. Se não for comigo com quem vai ser?"

-Com ninguém! Isso é algo pra ficar apenas entre o Manami e eu.

"-Aaah! Você é muito careta meu filho, é igualzinho ao seu pai."

-Eu não sou careta! É você que não mede às perguntas antes de faze-las.

"-Certo, certo! Se você acha isso, fazer o que. Mas mudando de assunto, o Manami esta aí? Eu gostaria de falar com ele um pouco."

-Está sim. Eu já vou passar pra ele.


O menor se aproxima da cama e estica o celular na direção do azulado.


-Ela quer falar com você.

-Certo! -o azulado pega o celular da mão do namorado e atende a ligação- Oi sogrinha! Como está? Eu estou ótimo!


Enquanto Manami conversava com sua mãe Onoda não conseguiu parar de observa-lo.


~Narração Onoda #On#~


"Eu sou tão sortudo em te-lo comigo. Nunca nem imaginei que um dia eu poderia encontrar alguém assim, tão lindo, que me entende, me ama, cuida de mim, e que se dá incrivelmente bem com a minha mãe.


Vejo seus lábios contorcerem-se em um sorriso e ouço-te rir por provavelmente ouvir alguma bobagem que minha mãe lhe dissera. Esse seu sorriso, sua risada, seus olhos azuis a fitar curioso algo perdido no chão, o jeito como o cabelo também azul caia sobre os olhos. Por Deus, como é lindo! 


Ainda não acredito que tenha se apaixonado por mim, logo eu o esquisito da turma, o nerd, otaku, baixinho e mirrado. Por mais que eu sempre lhe pergunte e você responda a mesma coisa de sempre, jamais vou conseguir entender o porquê. Mas sabe, não interessa o porque, tudo que me interessa é que sou grato por você ter me escolhido. Sou grato por me amar e me deixar ama-lo de volta. Eu sou grato por cada sorriso que me deu e me faz demonstrar, por cada gesto carinhoso, abraço e beijo.


E falando em beijos... os seus são a minha perdição, minha loucura e insanidade. Sua boca já me levou a lugares que eu já mais pensei em chegar. Seus toques já arracaram-me mais do que apenas suspiros e gemidos, e mesmo assim... eu ainda não me entreguei a você, não por completo.


Sei mais que qualquer um o quanto você merece que a gente de o próximo passo nessa relação mas eu não consigo. Mas não por falta de confiança em você ou qualquer coisa relacionada a você. O problema sou eu! Apenas eu!


As vezes tenho medo de você não gostar de como isso vai ser entre nós. E as vezes eu só não consigo acreditar que você realmente queira isso comigo. Me sinto tão inferior às vezes, mas sei que isso é só neurose minha, você já deixou isso bem claro. Todos os dias você faz questão de mostrar isso, e demonstra elogiando-me todos os dias não importando o quão horrível eu possa estar. Porém beleza maior que a sua não há, e eu quero que você saiba disso. Quero que saiba o quão lindo e maravilhoso você é, e que não a pessoa no mundo que eu confiaria para fazer  isso, além de você.


Eu estou decidido! Hoje eu darei o melhor presente possível para você, Manami Sangaku!"


~Narração Onoda #Off#~


Depois de mais alguns minutos Manami encerra a ligação entregando o celular de volta ao namorado, este que ao pegar o objeto correu para o banheiro se trancando la, o que causou um estranhamento por parte do azulado que foi verificar o porquê da atitude do menor. Batendo na porta o azulado logo perguntou:


-Onoda tudo bem aí?

-Sim, eu to bem. Amor, será que pode pegar uma toalha pra mim?

-Claro.


Mesmo sem entender o porquê das atitudes do namorado ele atendeu o pedido do mesmo. Assim que pegou a toalha voltou até a porta do banheiro batendo na mesma, era possível ouvir o barulho do chuveiro.


-Anjo, sua toalha.


O barulho da água do chuveiro caindo no chão ecoava no banheiro, e logo o som da tranca da porta sendo aberta fora ouvido, Onoda abriu uma pequena parte da porta apenas para que o namorado pudesse lhe entregar a toalha. O azulado sorriu travesso ao ver mesmo que uma pequena parte do corpo do namorado molhada.


-Não quer que eu de banho em você?

-Preciso tomar um banho rápido então, não. Mas obrigado amor, quem sabe outro dia.

-Certo.


Rapidamente o menor fecha a porta na cara do azulado, deixando-o ainda mais curioso e confuso. Sem ter muito o que fazer Manami decidiu preparar algo para que eles pudessem comer, já era que se 13:00 e eles ainda não haviam almoçado.


Depois de alguns minutos pode ouvir da cozinha o som da porta do banheiro sendo aberta, e um tempo depois sentiu o doce aroma de cereja invadindo lhe o olfato, era o shampoo do menor não tinha erro. E enquanto mechia em um panela que estava sendo aquecida no fogo sentiu dois braços o rodearem e sorriu, logo ouviu a voz melodiosa do mais baixo:


-O que esta fazendo?

-Só esquentando uma das quelas marmitas que a sua mãe preparou. Ela deve achar que a gente não sabe cozinhar. -o menor ri- Nem sei se vamos aguentar comer tudo aquilo.

-Ela se preocupa de mais. Talvez seja por eu ser filho único.

-Mas eu também sou filho único, mas minha mãe não tem metade da preocupação da sua. Pelo contrário, ela praticamente me expulsou de casa sem passagem de volta.


O menor ri e da um tapa de leve nas costas do namorado.


-Para, a minha sogra não é tão ruim assim. Ela só é uma mãe moderna, e que quer a independência do filho.

-Puxa-saco! Fala isso só porque ela te adora e te mima o tempo todo.

-Bobo! Sabe bem que eu jamais seria puxa-saco de alguém.


Ao ouvir a frase um leve duplo sentido passou pela mente do azulado que não resistiu em provocar o menor.


-Ah não?  Nem mesmo o meu?


Desligando a panela no fogo e virando-se para o namorado Manami sorriu travesso e Onoda compreendeu rapidamente o duplo sentido naquelas palavras.


-Em que sentido?

-Em todos que quiser meu anjo.


Disse o azulado puxando o menor para perto de si pela cintura e dando um breve selinho no mesmo, e assim que afastaram suas bocas Onoda não resistiu em mostrar seu mais belo sorriso ao namorado, este que parecia encantando como quem vê um bela pintura. E nossa, que bela obra de arte era aquele pequeno garoto, Manami jamais se cansaria de contempla-lo. Porém no meio de sua contemplação o azulado fora trazido de volta a realidade pela voz do namorado o chamando:


-Amor, vamos comer.

-Sim.


E assim os rapazes almoçam, algumas conversas aqui e ali, e após o almoço Onoda foi rápido e se adiantou lavando a louça, e Manami apesar de cansado foi ajudar o namorado enxugando a louça e guadando-a. Assim que terminaram o menor enxugou as mãos indo para o quarto rapidamente, o azulado estava começando a suspeitar das estranhas atitudes do parceiro. Quando o mesmo voltou, era possível sentir a fragrância leve do perfume do menor, o mesmo estava vestido como quem vai sair.


-Meu anjo você pretende ir á algum lugar?

-Na verdade sim. Eu meio que tinha combinado de sair com a Miki hoje. Fiquei de ajudar ela com algumas coisas.

-Tá brincando neh?


O menor apesar de um pouco relutante nega, o que tira um suspiro levemente irritado do azulado, este que foi até o quarto sentando-se na borda da cama, e Onoda seguiu o namorado parando e encostando-se no batente da porta.


-Você sabe que dia é hoje neh?

-É claro que eu sei. Mas amor, eu prometo que vai ser rápido. É só que eu ja tinha combinado com ela faz tempo.

-E quem é mais importante? Eu ou a sua amiga?


Aquela frase fez Onoda se irritar, e se controlando o máximo que pode o menor respondeu:


-Manami jura que está me fazendo essa pergunta? Você sabe bem que não é justo me fazer escolher entre você e meus amigos.


Provavelmente percebendo a besteira que falará e de que poderia começar uma briga desnecessária com o namorado Manami respirou fundo acalmando seus nervos.


-Desculpe, eu falei sem pensar. -O menor deixou-se relaxar após a resposta do namorado- É só que, hoje é o nosso dia! Você deveria ser só meu, e de mais ninguém.


Disse o azulado abaixando o rosto e o menor sorriu, se aproximou do namorado parando bem na sua frente.


-Amor olha pra mim. -o azulado permaneceu de cabeça baixa- Por favor, olha. -fazendo o que fora pedido Manami ergueu seu rosto podendo ver o sorriso meigo do namorado, em seguida sentiu as mãos do menor pousarem cada uma em uma lado de seu rosto começando uma carícia nas bochechas do azulado com os polegares- Eu sou apenas seu, e de mais ninguém.


O azulado ficou sem fala, e após alguns instantes Manami puxou o namorado pela cintura o abraçando, afundando o rosto na barriga do menor. E Onoda apenas sorriu com a atitude do namorado começando uma carícia nos cabelos do namorado.


-Fala de novo.


Disse o azulado com a voz baixa e meio abafada por conta de como estava. Porém Onoda conseguiu ouvi-lo.


-Falar o que?


Levantando a cabeça e apoiando o queixo na barriga do menor, Manami fixou seus olhos nos do namorado.


-Fala que você é só meu.


A frase somado ao olhar intenso do namorado sobre si fez Onoda corar.


-E-Eu sou apenas seu.


Disse Onoda um pouco constrangido e o azulado sorriu.


-Sim, você é só meu! E eu, apenas seu.


Dito isso o azulado empurrou o menor na cama fazendo com que ele se deitasse, e rapidamente Manami ficou sobre ele. Um sorriso animado surgiu nos lábios do mais alto e antes que Onoda pudesse protestar seus lábios foram tomados em um beijo.


O beijo começou como um longo selar de lábios, e logo a língua do azulado pediu passagem sendo concedida sem protestos. A língua do mais alto explorava com urgência a boca alheia, e o menor tentava acompanhar o ritmo do namorado com um pouco de dificuldade. O ar começou a faltar nos pulmões e logo as bocas se separaram, porém Manami apenas direcionou os beijos da boca para o pescoço do menor, tirando alguns suspiros do mesmo.


-Amor, agora... não é uma boa hora. Eu preciso sair.

-Só mais um pouco.


Os beijos no pescoço aos poucos subiram até o maxilar e de lá voltaram aos lábios do menor. Mais uma vez Manami aprofundou o beijo, não deixando de sugar a língua do namorado no processo arrancando um gemido meio contido pelas bocas ainda estarem coladas, e antes de se afastarem o mais alto não deixou de provocar o namorado mordendo o lábio inferior dele e o puxando entre os dentes causando uma dor prazerosa ao menor.


-Me diz... o que eu tenho que fazer pra te fazer ficar?

-Me diga você... o que eu preciso fazer pra você me deixar ir?


Um sorriso formou-se nos lábios do azulado, ele amava quando o menor agia daquele jeito, era uma provocação a si.


-Sabe bem que por mim, você não sairia nem tão cedo dessa cama.

-Amor!


Disse o menor de modo repreensivo e o mais alto solta um suspiro desistente.


-Esta bem, eu vou te deixar ir. 


Dito isso o azulado levantou-se e se sentou na borda da cama e Onoda o acompanhou.


-Pode ir, antes que eu decida te prender nessa cama.


O menor olhava para o namorado que estava  cabeça baixa parecendo estar meio triste, ele não queria ter que deixar o namorado ali, mas precisava ir. Foi então que uma ideia lhe surgiu.


-Amor.

-O que foi?


A resposta não veio e o azulado estranhou, assim que levantou a cabeça foi surpreendido pelo menor que sentou-se em seu colo e envolveu os braços em volta de seu  pescoço, aproximando seus rostos até que os narizes praticamente se encostassem.


-Onoda o que você...


O azulado não conseguiu terminar de falar pois fora calado pelos lábios alheios que eram pressionados contra os seus de forma carinhosa. A língua do menor logo passou pelos lábios do namorado pedindo passagem, está que foi concedida de imediato. Dessa vez era Onoda quem ditava o ritmo do beijo, fazendo com que o mesmo fosse mais lento, fazendo com as línguas se enrroscassem de forma prazerosa. As mãos de Manami logo foram a cintura do menor o puxando para juntar ainda mais seus corpos, enquanto Onoda massageava os cabelos do azulado dando algumas leves puxadas, incentivando o mais alto a aperta-lo mais. Assim que o ar faltou e eles se afastaram Onoda passou a beijar o pescoço do namorado, dando alguns chupões no caminho.


-Gosta disso amor?

-Sabe bem o quanto eu amo isso. 


Um sorriso se formou nos lábios do menor, e seu corpo arrepiou-se ao sentir as mãos do namorado adentrarem sua calça na parte de trás e apertarem de leve suas nadegas arrancando-lhe alguns gemidos baixos.


-Se me deixar ir agora eu vou te dar muito mais disso. Do jeito que quiser, na hora que quiser e o quanto quiser.

-Sabe o quanto essa proposta é tentadora neh?

-Eu prometo que você não vai se arrepender em aceitar.


O azulado o olhou nos olhos, sabia que não era mentira do menor, e estava surpreso pela determinação e esforço do namorado em querer sair, e isso o fez se questionar o quanto aquilo era importante para o menor, para que o mesmo insistisse tanto para ir. Dando mais uma olhada no namorado que ainda estava sentado em seu colo mordeu o lábio inferior tentando conter seu desejo de prender o menor na cama e não deixa-lo sair nunca mais.


-Está bem, você me convenceu. Mas eu vou cobrar!

-Certo! -sorriu- Prometo que assim que eu voltar vou ser exclusivamente seu.

-Assim espero.

-Então eu ja vou indo.


Dito isso Onoda afastou as mãos do namorado de si e lavantou-se ajeitando a roupa, pegou o celular e enviou uma mensagem. Em seguida o menor foi até o namorado dando um selinho no mesmo, assim que se afastaram ambos sorriram um para o outro. 


-Eu te amo! 

-Também te amo! Tenha cuidado e não volte muito tarde. Me manda mensagem se acontecer qualquer coisa ou se quiser que eu vá te buscar, ok?

-Ok mãe. -o menor ri- Não se preocupe, eu não vou demorar. Prometo!

-Promessa é dívida.

-Eu sei. Tchau amor!

-Tchau meu anjo.


O menor da mais um selinho no namorado e corre para sair do apartamento, deixando um azulado sozinho e levemente frustrado.


-Só você mesmo pra me convencer a te deixar sair justo no dia do nosso aniversário de namoro. -o azulado da um riso nasal- Você vai me enlouquecer um dia Onoda.


Sorrindo o azulado se joga na cama deitando e fechando os olhos imaginando as coisas que faria com o menor assim que o mesmo voltasse.


Alguns minutos depois em um parque no centro. Uma garota de cabelos castanhos escuros que iam até a cintura, olhos da mesma cor, vestindo um blusa rosa claro, saia bege, tênis brancos e uma bolsa branca de alça única, parecia impaciente olhando para os lados enquanto esperava por alguém.


-A onde ele está?


Sussurrou a morena um pouco irritada, ao mesmo tempo que parecia começar a ficar preocupada.


-Miki-chan, desculpe a demora!


Disse Onoda correndo enquanto terminava de se aproximar da garota. Assim que chegou na frente da mesma ele parou apoiando os braços nos joelhos regularizando a respiração, a morena o olhou preocupada.


-Você demorou Onoda! O que aconteceu? E por que me chamou aqui repentinamente? Pensei que estaria ocupado o dia todo por conta da mudança. Aconteceu alguma coisa?


Terminando de estabilizar a respiração o menor arrumou a postura, dando um longo suspiro respondeu:


-Não se preocupe Miki-chan, não aconteceu nada. Quanto a mudança eu e Manami acabamos terminando de arrumar as coisas mais rápido do que o esperado. E me desculpe te chamar aqui assim tão derrepente, acontece que eu não tinha outra escolha. Você é minha única opção pra ajudar a fazer isso!

-Tudo bem. Mas ajudar a fazer o que?

-A escolher o presente de aniversário de namoro do Manami. Completamos seis meses juntos hoje.

-Ah, meus parabéns! -diz a morena sorrindo e dando um abraço no menor que retribui o gesto e logo se afastaram- Mas me diz uma coisa. Como conseguiu convencer o Manami a te deixar sair hoje? Ainda mais sozinho!?

-Prometi muita coisa. Mas isso não vem ao caso agora. -o menor cora de leve e morena sorri- Por favor eu preciso muito da sua ajuda nisso. Não a mais ninguém em que eu possa confiar pra ajudar a escolher isso além de você.

-Tranquilo, eu te ajudo sim. Mas você almenos tem ideia do que você quer dar a ele?

-S-Sim!


O menor cora deixando a garota curiosa sobre o que poderia ser.


-Então me fala, o que você quer dar de presente ao Manami?

-Eu quero...


Enquanto Onoda contava qual o presente gostaria de dar ao namorado, o azulado encontrava-se em sua nova casa completamente entediado sem o menor.


-Aaaaaaah! Cadê você Onoda? É tudo tão chato sem você por perto.


Choramingou o azulado se jogando no sofá da sala e deitando de forma desleixada no mesmo. De repente o rapaz sentiu seu olhar ser atraído até o porta retrato em cima da mesa de centro, e sorriu ao ver a foto a onde estava ele e o namorado abraçados em um parque sorrindo. Ainda lembrava-se bem desse dia, fora o qual pediu o menor oficialmente em namoro. Eles haviam ido até a roda-gigante aquelas as quais são cabines e não apenas bancos, e assim que chegaram ao topo o brinquedo parou, um pedido que o azulado havia feito ao operário do brinquedo, claro que tal pedido não saiu de graça, fora até mais caro do que o rapaz esperava, mas havia válido a pena.


Assim que o brinquedo parou Manami chamou a atenção do menor e declarou seus sentimentos e ao final estendeu a pequena caixinha vermelha com as alianças de prata, ao fundo fogos de artifício explodiam tornando a cena ainda mais bela. Se lembrava perfeitamente do rosto corado e depois as pequenas lágrimas de emoção do menor, um alegre sim foi dito como resposta e um breve beijo selou o início de seu relacionamento. E assim que saiu do brinquedo um dos amigos de Onoda quis registar o momento tirando uma foto do casal, estes que se abraçaram deixando a mão com a aliança bem evidente.


Um sorriso enorme tomou conta da face do azulado, ele amava aquela foto, o dia em fora tirada, o momento gravado nela, e principalmente, amava a pessoa que foi o motivo, a razão de tudo aquilo, Onoda.


-Até mesmo quando você não está por perto, você me faz sorrir, me faz feliz.


A boa lembrança acabou por animar o azulado que se levantou com o intuito de fazer alguma coisa.


-Hora de começar a preparar o presente!


Agora animado Manami preparava uma surpresa para Onoda, enquanto isso o menor com a ajuda de Miki escolhiam o presente para o azulado.


Mais tarde  naquele dia.


O menor havia demorado mais do que esperava para terminar de escolher o presente do namorado, mas claro que ele não se esqueceu de avisar o mesmo. Mandou uma mensagem para o azulado dizendo que atrazaria um pouco. Assim que o relógio apitou avisando ser 16:00 Manami recebeu mais uma mensagem do menor que dizia o seguinte:


"Amor desculpa a demora mas eu estava terminando os preparativos para o seu presente. E como parte dele preciso que venha até aqui.

Será que você adivinha a onde eu estou? Rsrs 

Eu estou no lugar a onde tivemos nosso primeiro encontro.

Se arrume e venha pegar seu presente. Estou te esperando. Te amo! SZ 

Até daqui a pouco, bjs! 

*Ps: Feliz aniversário de seis meses."


Sorrindo o azulado respondeu a mensagem dizendo que logo encontraria o menor, e assim Manami foi tomar um banho e se trocar rapidamente, logo já estava pronto. O azulado vestia uma blusa azul escuro com mangas que iam até um pouco depois dos cotovelos, por cima da blusa uma jaqueta de couro preta, vestiu uma calça jeans também preta, tênis Nike azul escuro com alguns detalhes em branco, uma toca cinza e para finalizar passou seu perfume. 


Dando uma última olhada no espelho sorriu satisfeito com o resultado e saiu pegando o capacete, sim, Manami tinha uma moto, ele mesmo havia pagado por ela, depois de muito esforço e trabalho duro, meses juntando dinheiro ele finalmente conseguiu. Ele também tinha um carro que compartilhava com Onoda, apesar do menor não dirigir. O carro foi um presente da mãe de ambos os garotos para os filhos, por passarem nas provas para a faculdade e terem decidido morar juntos. Apesar disso o azulado gostava de andar com sua moto, a sensação de liberdade, era como se ele quase pudessem voar.


Assim que saiu de seu apartamento trancou o mesmo, pegou a moto e foi em direção ao lugar a onde encontraria Onoda, estacionou próximo ao local do encontro e enquanto caminhava até lá viu uma jovem vendendo rosas no semáforo e sorriu, comprou uma rosa e voltou a andar em direção a cafeteria de nome, Tengoku (Pedaço do Céu). 


Quando enfim Manami chegou em frente à porta do estabelecimento parou dando uma última ajeitada na roupa, respirou fundo e entrou. Estranhamente o azulado sentia-se como no primeiro encontro, estava nervoso, melhor dizendo, ansioso! Com o olhar passou a procurar a figura do namorado pelo lugar, foi quando viu o mesmo se levantar e sorrir para si o chamando.


Se aproximou do menor já com um sorriso enorme, notou que o mesmo estava com uma roupa diferente da qual sairá de casa. Agora Onoda vestia uma blusa branca, por cima da mesma uma jaqueta jens de cor azul claro com as mangas puxadas até um pouco antes dos cotovelos, uma calça também jens azul escuro, um tênis All Stars vermelho e uma touca preta, e claro, com seus eternos óculos redondos. O menor estava mais lindo do que de costume, e aquilo estava começando a deixar Manami mais animado do que o esperado.


Se aproximando do namorado que estava de pé Manami o abraçou dando um longo selar de lábios em seguida, o que deixou Onoda levemente constrangido e corado devido a demonstração de carinho em um lugar público. Assim que separaram as bocas o azulado sorriu para o namorado corado, este que retribuiu o gesto.


-Você está ainda mais lindo do que de costume.

-O-Obrigado! Você t-também! Está muito bonito.


O azulado sorriu e entregou a rosa para o menor, este que ficou surpreso e após sentir o doce aroma da flor sorriu para o namorado.


-Obrigado. É linda!

-Não mais do que você.

-Bobo. -o menor riu- Vamos sentar.


Concordando ambos sentam-se, uma das garçonetes do café atente o casal ja conhecido por frequentarem quase sempre o local. Após fazerem seus pedidos Manami decide sanar sua curiosidade:


-Então era que isso que você estava planejando quando saiu de casa hoje?

-É, mais ou menos.

-Como assim?

-Isso aqui é apenas uma pequena parte do seu presente.

-Com presente você se refere, a vir aqui e a troca de roupas?

-Sim! Na verdade a troca de roupas foi um bônus. A Miki insistiu dizendo que eu tinha que estar incrível hoje, então ela me ajudou a escolher a roupa e fez questão de pagar dizendo que queria me dar de presente pela comemoração do dia de hoje.

-Sua amiga tem bons olhos. E quer dizer então, que você mentiu pra mim senhor Onoda?


Questionou o azulado com um sorriso sabendo qual seria a reação do namorado, este que ficou visivelmente nervoso.


-A-ah! Sobre isso, m-me desculpe! Eu meio que não tive outra escolha, eu queria fazer uma surpresa e...

-Eu sei meu anjo. Estava apenas brincando. -ele sorri e o namorado retribui- Mas me diga, o que tem planejado pra nós hoje?

-Muitas coisas. Eu planejei o dia de hoje com o único intuito de te mostrar o quão importante e especial você é pra mim.

-Onoda sabe que não precisa fazer isso tudo. Eu sei o quanto você me ama e não duvido disso.

-Eu sei que sabe. Mas eu preciso te mostrar não apenas com as minhas palavras, eu quero que você veja isso também. Quero deixar meus sentimentos o mais claro possível, visível de todas as maneiras. Então por hoje, apenas aproveite tudo o que eu tenho a te oferecer.


O menor sorriu segurando uma das mãos do namorado, e o azulado correspondeu o gesto sorrindo de volta.


-Nesse caso eu vou aproveitar cada segundo.


Disse o azulado levando a mão do menor até seus lábios e depositando um beijo na mesma, o que fez Onoda corar no mesmo instante. Ambos sorriram um para o outro e com isso eles aproveitam o agora encontro. Eles pediram coisas leves para comer e quando terminaram Onoda fez questão de pagar, o que foi quase impossível, foram necessários alguns beijos e sorrisos para convencer o namorado, mas o menor conseguiu. 


Após isso Onoda pediu ao azulado que fosse até o parque diversões, e foi la que o casal deu continuidade a comemoração, e o menor fez questão de guiar o namorado pelo lugar. E claro que como bom namorado ciumento que é, Manami não escondeu nenhum um pouco seu ciúmes ao ver que o namorado atraía olhares nada inocentes de algumas pessoas e fez questão de enlaçar a cintura do menor com possesividade mostrando a todos que aquele baixinho fofo já tinha dono. O mesmo aconteceu com o menor quando notou olhares nada discretos de certas garotas para seu namorado, e por isso Onoda fazia questão de chamar Manami de amor e abraça-lo na frente de todos, mesmo que isso o fizesse se sentir um pouco envergonhado, já o azulado adorou a demonstração de carinho e ciúmes.


O casal foi em vários brinquedos, e deixaram como o último a roda-gigante, fazendo uma doce nostalgia instalar-se na memória de ambos, e lá dentro da cabine compartilharam um beijo cheio de carinho. Antes de saírem do parque os rapazes  passaram por uma cabine de fotos, e lá eternizaram mais um dia que ficaria marcado na memória de ambos para o resto de suas vidas.


Assim que saíram de lá foram rumo a uma praça muito bonita, cheia de canteiros de flores e árvores, também repleta de luminárias espalhadas pelo lugar, como já havia escurecido elas encontravam-se acesas deixando o lugar ainda mais belo. Os rapazes foram até a fonte que ficava no centro da praça, lá eles ficaram a observar a fonte enquanto conversavam e trocavam beijos, lembrando de que lá era o local preferido deles na cidade, pela beleza simples e natural. E não demorando-se muito por lá o casal decidiu finalmente voltar para casa, nesse caso o apartamento.


E assim que chegaram em frente ao apartamento Manami vendou os olhos do namorado com a touca.


-Manami porque eu preciso estar vendado?

-Porque é uma surpresa.

-Alguma dica?

-Não, nenhuma. Por isso se chama surpresa. E agora não se mecha, eu vou abrir a porta.

-Certo.


O azulado vai até a porta e a abre, assim que o faz vê uma das cópias da chave da  porta no chão, ele a pega e depois vai até o menor o guiando para dentro do apartamento.


-Porque sua chave do apartamento estava no chão anjo? -indagou Manami fechando a porta em seguida- Pensei que estivesse com você.

-Ah, Eu esqueci de te falar que pedi pra Miki-chan trazer minhas roupas aqui em casa. Então emprestei a minha cópia da chave pra ela e pedi que guardasse as roupas pra mim. Eu a pedi que trancasse a porta depois de sair e joga-se a chave por de baixo da porta.

-Entendi. Tomara que ela não tenha bagunçado nada.

-Ãh?

-Hora de tirar a venda! Feche os olhos.

-Pronto.


Tirando a venda do menor e o endireitando em frente ao corredor do apartamento Manami sorri.


-Pode abrir os olhos.


Assim que o menor abriu os olhos teve uma surpresa linda. O corredor tinha uma trilha de pétalas de rosas vermelhas que iam até a porta do quarto acompanhado por um trilha de Leds amarelos no canto do chão, fazendo assim uma trilha iluminada. Nas paredes do corredor vários corações de papel colados, haviam também algumas fotos do casal. O menor andava pelo lugar com os olhos completamente arregalados em surpresa e logo sua face mudou para uma de completo encantamento, e um sorriso enorme se formou nos lábios do mesmo.


-Você fez tudo isso enquanto eu estive fora? -indagou o menor olhando para o namorado, este que apenas sorriu concordando- Isso é incrível! Tá tão lindo que eu...

-Espera, você ainda não viu tudo. Que tal seguir a trilha?


Ainda meio desnorteado o menor concorda seguindo a trilha, esta que ia ate a porta de seu quarto. E na porta havia um enorme coração escrito "Eu te Amo meu Anjo", o menor riu e olhou para o namorado por cima do olhos sussurrando: "Eu também te amo Amor".


Tomando uma pequena lufada de ar o menor abriu a porta, e ao fazê-lo teve uma enorme surpresa, o quarto tinha algumas luzinhas Leds brancas enpalhas por ele, principalmente em volta da cabeceira da cama, e na parede acima da cama havia um enorme coração formado apenas por fotos dos dois juntos, e em cima da cama escrito com pétalas de rosas estava:  "Feliz aniversário de seis meses". E para finalizar em cima do criado mudo ao lado da cama uma cesta cheia de pequenos presentes, chaveiros, mangás e até figures de animes e séries que Onoda mais gostava.


E falando no menor, o mesmo tinha um sorriso bobo enorme no rosto e os olhos marejados. Ele sabia que o azulado lhe daria um presente, só não pensava que fosse ser tão surpreendente assim. O mais baixo olhou para o namorado, este que lhe sorria.


-Eai, você gostou?

-Se eu gostei? -disse o menor olhando tudo a sua volta- Eu adorei! Amei! Eu... eu não sei nem o que falar. Tá tudo tão perfeito.

-Perfeito aqui só você meu anjo.


Disse o azulado aproximando-se do baixinho e dando lhe um selinho demorado. Assim que separaram um sorriu para o outro, e Onoda deixou que as palavras guardadas em seu coração saíssem naturalmente:


-Obrigado amor, por tudo. Por ter entrado na minha vida, por me escolher para amar, por me fazer feliz todos os dias, por me dar uma razão para acordar sorrindo todas as manhãs..-as lágrimas presas passaram a transbordar molhando a face alva do menor, e Manami com carinho passou a limpa-las com os polegares enquanto segurava o rosto do namorado- ...obrigado por me deixar amar você.


Sorrindo Manami beijou a testa de Onoda o abraçando em seguida, o menor correspondeu o gesto.


-Sou eu que preciso agradecer. Desde que você entrou na minha vida eu passei a ver o mundo de um jeito diferente, eu passei a amar aínda mais as coisas e as pessoas, eu aprendi a amar. E tudo graças a você. Obrigado Onoda por aparecer na minha vida e me deixar completamente apaixonado por você.

-Eu te amo!

-Eu também te amo meu anjo!


Os dois continuaram abraçados quando Manami decidiu descontrair um pouco a situação.


-E o que você acha de usar um dos seus cupons agora?

-Que cupons?

-Esses aqui.


O azulado se afasta do namorado indo ate a cesta de presentes e tirando de la pequenos pedaços de papel retangulares com frases como essas: "vale um beijo", vale um cafuné" escritos neles. Assim que Onoda viu do que se tratava os cupons ele sorriu e olhou para o mais alto.


-Só você mesmo pra fazer uma coisa dessas. -ele ri- Mas por enquanto eu prefiro guardar eles pra uma outra ocasião.

-Certo.

-Ah, lembrei de uma coisa.


Correndo até o guarda-roupa Onoda o abre com pressa a procura de algo.


-O que esta procurando anjo?

-Hoje a Miki insistiu em nos dar um presente, mesmo eu lhe dizendo que não precisava. Ela disse que ia deixar o presente junto com as minhas roupas na hora que ela viesse traze-los. Achei! -gritou o menor, e assim que pegou o embrulho de presente foi até o azulado- Pelo que deu pra sentir é algo fofo.

-Pode abrir.


O menor abre o embrulho de presente retirando do mesmo um pequeno travesseiro quadrado com a foto do casal no parque de diversões, a mesma foto do porta retrato da sala. Ambos se olharam sorrindo, fora a própria morena que havia tirado aquela foto no dia em questão.


-A Miki-chan é mesmo um fofa.

-Da próxima vez que eu encontrá-la não me esquecerei de agradece-la.


Concordando o menor passa a olhar para o namorado um pouco receoso e pensativo. Até que respira fundo e segura na mão do azulado chamando a atenção do mesmo para si.


-E que tal agora você ir tomar um banho enquanto eu ajeito as coisas aqui? Hoje foi um dia muito longo e cansativo, e também muito cheio de emoções. Vai ser bom pra gente passar um tempo apenas deitados aproveitando a companhia um do outro. O que você acha?


Sorrindo Manami aproxima seu rosto ao do menor dando lhe um longo selinho, e afastou-se ainda com um sorriso.


-Pra mim parece ótimo.


O menor sorri e assim Manami vai até sua parte do guarda-roupa pegando uma muda de roupas e uma toalha indo em direção ao banheiro. Assim que Onoda viu o namorado ir ao banheiro ele começou a arrumar a cama, tirou as pétalas colocando-as em um saco plástico, retirou as luzinhas da cabeceira da cama as guardando em uma das gavetas do criado mudo, ajeitou o lençol da cama e sorriu ao ver o coração formado por fotos suas e do namorado. Logo o olhar do menor foi puxado até a cesta com os presentes, e lá estava os cupons, Onoda riu ao lembrar-se para o que servia cada um, e como em um baque uma idéia surgiu em sua mente.


Correndo até o criado mudo Onoda vasculhou uma das gavetas até encontrar um bloquinho de notas e uma caneta preta, escreveu algo no papel e o arrancou do bloquinho, guardando novamente o mesmo e a caneta. Em seguida o menor foi até sua parte do guada-roupa vendo uma sacola de cor vermelha, ele ja sabia o conteúdo da mesma e corou com a lembrança. Balançando a cabeça Onoda afastou todos os seus pensamentos e pegou uma toalha colocando o conteúdo da sacola entre a mesma escondendo-a, depois foi até a parte do guarda-roupa do namorado pegando algo da mesma.


Após deixar tudo pronto para seu banho Onoda sentou-se na cama e respirou fundo. O que ele estava prestes a fazer mudaria as coisas entre ele o namorado, e tudo que ele mais desejava era que fosse para a melhor.


Alguns minutos depois Manami saiu do banheiro vestindo uma calça de moletom cinza e uma regata branca. O azulado ainda tinha os cabelos levemente úmidos e a toalha encontrava-se nos ombros do mesmo. Assim que o mais alto viu o menor sentado na cama ele lhe sorriu e foi até o mesmo dando lhe um selinho.


-Sua vez, certo? 

-Sim. -sorriu- Me espere acordado, sim?

-Claro.


O menor se levantou pegando sua muda de roupas e toalha e indo em direção ao banheiro, assim que se trancou la dentro Manami foi até a porta do quarto pendurando a toalha úmida na mesma, em seguida foi até sua cama jogando-se na mesma com um sorriso.


"Hoje o dia foi maravilhoso. E tudo é graças a você Onoda."


Fechando os olhos o azulado deixa que sua mente volte a todas as lembranças de seus momentos com o menor, desde aos mais quentes aos mais simples e inocentes. E o azulado ficou tão perdido em suas lembranças que se quer deu se conta do tempo, e muito menos notará quando o barulho do chuveiro parou e instantes depois o som da porta do banheiro se abrindo.


-M-Manami? Ainda tá acordado?


Perguntou o menor parecendo levemente constrangido e um pouco receoso. O azulado voltou a realidade ao ouvir a voz do namorado e sorriu, ele se levantou sentando-se na cama ainda de olhos fechados.


-Estou sim! Eu estava apenas me lembrando dos nossos momentos juntos e...


Assim que Manami abriu os olhos sua voz se foi, ele não conseguiu falar ou fazer nada, apenas olhar para o menor a sua frente, este que tinha as bochechas levemente coradas.


-S-Surpresa!



                                           CONTÍNUA... 


Notas Finais


EEEEEAAAAIII PEOPLES???
O que acharam da primeira parte???
Gostaram ou não?
Fiquem a vontade para falar, ou não falar

Meu único medo na hora de escrever foi ter exagerado em alguma coisa
Mas gostaria de deixar claro uma questão!

Devem ter reparado que eles agem até que com bastante intimidade, e isso porque eles já namoram a algum tempo, então seria meio que estranho se eles não fossem almenos um pouco mais íntimos (mesmo que não tenham chegado aos finalmentes)

E bem, tentei ao máximo fazer algo fofo nessa primeira parte porém não sei se consigui (minha noção pra escrever coisas fofas é bugada, sorry amores)

Eu claramente fiz uma referência a minha outra história quando escolhi o nome da cafeteria aushsbjsshsh
Achei que ficaria engraçado 😂😊❤

A Miki melhor pessoa que você respeita!!!❤❤❤❤
Na próxima parte vocês iram ama-la ainda mais euehhehe😂❤❤❤😍

Acima de tudo espero que tenham curtido ler
E bem, a próxima parte terá Lemon
Por isso quem não curte é melhor ficar só nesse aqui mesmo!

Ah! Eu não tenho certeza de quando vou postar a outra parte porque eu ainda não revisei, e preciso corrigir uns par de erros e ajustar algumas coisas.
Paciência comigo minna-san! Onegai!

E gente, se quiserem, que fique bem claro, SE QUISEREM! Ninguém é obrigado! Podem comentar com quem vocês gostariam de ver o Onoda em uma próxima one.
Eu já sei de alguns que irei fazer, mas gostaria de saber de vocês
Quem vocês mais shipam com o Onoda?

E pessoal, por enquanto eu to focando em fazer apenas shipps com o Onoda (pois estou com abstinência desse baby)
Porém mais pra frente pretendo postar fanfics com shipps mais variados entre os rapazes
Por isso, por enquanto paciência! Por favor!

Creio que isso era o que eu tinha pra falar!
É isso meus algodão doce!❤
Até a próxima parte! 🌟
Kissus de morango com chocolate 😘🍓🍫
Bye bye 😘❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...