História Primeiro amor (Fillie e amigos) - Capítulo 67


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Chefe Jim Hopper, Dr. Martin Brenner, Dustin Henderson, Eleven (Onze), Jonathan Byers, Joyce Byers, Lucas Sinclair, Maxine "Max" Mayfield / "Madmax", Mike Wheeler, Personagens Originais, Will Byers
Tags Caleb Mclauglin, Fillie, Finn Wolfhard, Gaten Matarazzo, Iris, It Cast, Mileven, Millie Bobby Brown, Noah Schnapp, Romeo Beckham, Sadie Sink, Sophia Lillis, Stranger Things
Visualizações 1.051
Palavras 3.112
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite, leitoras e leitores lindos! Aviso: Não tem Fillie, e como eu falei aqui nas notas acho que não haverá motivos para vocês se surpreenderem, mas temos Jilia.
"Poque você não põe mais Fillie?" Porque esses acontecimentos com esses personagens rolou no dia que a Millie decidiu assinar o contrato maldito, oras. Bom, vamos nessa. Dedico o capitulo ao SQUAD das lindezas que conheci a pouco tempomas já consideros pacas ( kkkkkkk orkut, saudades)
Boa leitura.

Capítulo 67 - Não é qualquer tipo de beijo


POV NOAH

Julia e eu voltamos a namorar, nossa relação agora era baseada mais em confiança do que em contato físico, recebi várias oportunidades de trabalhos, estávamos nos vendo cada vez com maior escassez, desde que saí do hospital, voltei à maratona de trabalhos, e eu estava empolgado. Por sorte, estou em New York para passar as festas de fim de ano, Júlia estava comigo na sala, estávamos conversando, eu lhe contei tudo sobre meus novos projetos deitado coma cabeça apoiada em suas pernas enquanto ela mexia em meus cabelos, era maravilhoso ter Julia de volta.

- Eu fico feliz que tenha conseguido vir para casa nas festas, eu estava morrendo de saudades de você. – Ela diz.

- Eu também senti muito sua falta, você nem consegue imaginar. – Falo sinceramente.

- Sério? – ela pergunta surpresa de uma forma linda, me pergunto se ela realmente achava que eu não sentiria sua falta. Sento-me para olha-la de frente.

- Claro que é sério, eu queria te ligar a todo momento, mas só tinha tempo a noite, era tudo corrido para terminarmos logo. – Digo acariciando seu rosto.

- Eu amei falar com você todas as noites. – Ela diz sorrindo.

- Era o mínimo que eu podia fazer depois de tudo. – Digo ainda me sentindo mal por ter sido um namorado tão ausente no passado.

- Não importa o passado, vamos viver o presente. – Ela diz e inclina-se para me beijar. Nossos lábios se encontram em um beijo doce, logo sua língua invade minha boca, nós nunca havíamos nos beijado assim, confesso. Era esse meu primeiro beijo de língua, e eu me arrependo de não ter começado antes, eu sentia calafrios bons pelo meu corpo. Ponho minha mão esquerda em seu joelho para me aproximar mais, a direita em seu pescoço, e correspondo ao beijo da melhor forma que posso.

- Olha aí o meu otp favorito. – diz Chloe descendo as escadas, Julia e eu nos afastamos rápido, ambos sem graça. – Ai meu Deus, eu atrapalhei!

- Não, está tudo bem. – Fala Julia.

- Eu sou muito filha da puta mesmo! Desculpem. – Chloe diz sentindo-se culpada.

- Relaxa, nós teremos muitas oportunidades de nos beijarmos nesses dias que ficarei por aqui. – Eu digo piscando para minha namorada que corresponde com um sorriso.

- Eu estou tão feliz por vocês terem voltado. – diz Chloe e nos força a participar de um abraço triplo.

- Beleza, só não sufoca a gente. – Digo tentando escapar do seu braço ao redor do meu pescoço.

- Aí, para de ser chato! Agora poderemos sair num encontro de casais. – diz Chloe de repente, demoro alguns minutos até entender o que ela queria dizer.

- O quê? Como assim? – pergunto preocupado com a resposta que receberei.

- Qual é Noah? Só não surta, okay? Eu conheci um garoto na escola e nós estamos ficando. – Ela fala com naturalidade.

- Vocês estão ficando? Quem ele é? Trabalho com nomes. – Falo com ciúmes. Minha irmã namorando? Não estava pronto para isso, e se o cara não for bom para ela, e se for um escroto que só quer pegar ela e depois se afastar?

- Noah, eu disse para não surtar. O nome dele é Joshua, e irei jantar com sua família no Natal. Papai e Mamãe já estão sabendo. – Ela diz, pelo visto fui o último a saber, afinal era óbvio que Júlia sabia.

- Bom, então espero que ele seja um cara legal, por quê se ele te magoar de alguma forma, eu quebro a cara dele. – digo com voz firme.

- Tudo bem, senhor valentão. – Chloe me zoa.

- Não zomba de mim. – Reclamo.

- Você é o melhor irmão do mundo, sabe? – ela diz me abraçando.

- Há-há, e sou o ultimo a saber que você está namorando. – Digo.

- Mas ainda não estou, e queria falar com você pessoalmente. – Ela diz.

- Okay então, queria tê-lo conhecido antes, mas minha opinião não importa. – Digo sendo dramático e tentando não ceder ao seu abraço.

- Sua opinião é o mais importante para mim, tanto que quero que você o conheça quando ele vier me buscar para a ceia de natal. – Ela diz.

- Você tem certeza que minha opinião vai valer algo? Por que se eu não gostar dele, você já sabe. – Falo.

- Tenho certeza absoluta, minha metade! – ela diz e beija meu rosto. E eu cedo ao seu abraço, queria protege-la de todo mal que há no mundo, mas ela também precisava viver suas próprias experiências.

Olho para Júlia que nos olha com ternura, eu pego sua mão e a puxo para o abraço triplo e quando ela deita sua cabeça no meu ombro, eu beijo sua testa. Estavam aqui duas das pessoas mais importantes da minha vida, duas das minhas metades, minha metade de sangue e minha metade no amor.

 

POV LILIA

- Filha, ele chegou. – diz minha mãe na porta do meu quarto.

- Pede para ele subir, mãe. – Digo guardando na minha mesinha de cabeceira o livro que ele havia me dado.

- Na verdade, eu já pedi. Vou deixar vocês a sós, mas não passem a tranca na porta. – Ela diz abrindo espaço e eu o vejo ao seu lado, ela lhe dirige um sorriso e sai, ouço seus passos descendo as escadas.

Parado na porta, ele me olha com um sorriso bobo estampado naqueles lábios lindos.

- Por quê está me olhando assim? – pergunto sem graça.

- Porque eu tenho dúvidas de que você seja realmente humana. – Ele diz começando a caminhar devagar até minha cama onde eu estou sentada o olhando apaixonada.

- E o que mais eu seria? – pergunto curiosa.

- Um anjo talvez. – Ele diz e eu sorrio ruborizando.

- Você é um bobo. – Digo desviando meu olhar do dele. Ele senta-se na minha cama e inclina-se deixando seu rosto a poucos centímetros do meu.

- E você é linda. – Ele fala e me dá um selinho demorado. – Você estava lendo o livro que eu te dei? – pergunta ele, vendo o livro em minha cabeceira.

- Sim, estou quase no final, eles já recordaram a forma real da coisa. – Falo.

Ele havia me dado IT quando fizemos um mês de namoro, há uma semana atrás, fiquei surpresa e feliz ao receber o pacote enviado por ele em minha casa. Jaeden era muito atencioso, no inicio eu me sentia insegura pelo fato de ele ter brigado com a ex-namorada daquela forma tão exposta, mas decidi me arriscar, e confesso estar vivendo os melhores momentos da minha vida.

- Fico feliz que tenha gostado. – Ele fala e deita-se na minha cama e olha para a porta sorrindo.

- Relaxa, ela não vai entrar aqui de repente. – Digo sabendo que ele está vendo se minha mãe não vai entrar no meu quarto de repente como fez da ultima vez que ele esteve aqui, ela nos viu em meio à um beijo, nada demais, era só um beijo normal, mas ela decidiu que era hora de Jaeden ir, então ele foi. Deve ter sido o fato de que ele deveria estar me ensinando matemática e não me beijando.

- Fiquei com muita vergonha outro dia. – Ele diz rindo.

- Fica tranquilo. – Digo deitando-me ao seu lado e olhando o seu rosto de bonequinho de plástico.

- Porque está me olhando assim? – ele pergunta sorrindo.

- Ainda não acredito que estamos juntos. – Admito ele sorri e me olha por alguns segundos.

- Talvez eu consiga te convencer que é real. – Ele aproxima e toca meus lábios com os seus num beijo suave e gentil. Passam-se poucos minutos dessa forma e ele separa seus lábios dos meus. – Você é a melhor coisa que me aconteceu nesses últimos dois meses. Eu nunca imaginei que ia voltar a me sentir apaixonado assim. – quando ele termina de falar, eu sinto que ele está sendo sincero, ele senta-se e fica quieto. Ele está sem jeito, envergonhado. Eu me sinto em um conto de fadas, sento-me e fico encarando-o. É a primeira vez que ele diz a palavra “apaixonado”, é a primeira vez que ele diz estar apaixonado por mim, e agora ele está envergonhado aqui sentado na minha cama.

- Você disse apaixonado? – eu pergunto ainda sem acreditar no que meus ouvidos ouviam.

- É tão difícil assim de acreditar que eu estou apaixonado por você? – pergunta ele.

- Não, não é isso. É que... é a primeira vez que você diz isso. Na verdade, é a primeira vez que alguém me diz isso. – Falo me sentindo a garota mais sortuda do mundo, ele sorri e se aproxima de mim, põe sua mão em meu rosto e me olha nos olhos.

- Então, senhorita Buckingham, irei repetir para que você guarde esse momento na sua mente para sempre, como a primeira vez que eu disse que estou completamente apaixonado por você, e pretendo permanecer apaixonado por você eternamente. – Ele diz olhando-me fixamente, meu coração se acelera de felicidade.

Nesses últimos meses, muitas vezes minha mente transitou na incerteza, não sabia se seus sentimentos por mim haviam evoluído, Sophia o magoou, eu não queria fazer o mesmo, mas também sabia que não poderia competir com ela, ela era tão linda, e agora estava famosa, e eu... eu sou apenas uma dançarina no inicio de carreira. Mas ele me viu acima de tudo como pessoa, eu recebi a oportunidade de conquista-lo, e hoje eu tive a certeza que consegui.

- Eu acho que sempre fui apaixonada por você. – Falo boba, ele baixa o olhar para as mãos.

- Eu sei que não posso dizer o mesmo para você, por que eu tive sentimentos fortes por Sophia, mas... eu sinto algo diferente por você, Sophia queimava meu corpo, mas você não queima apenas meu corpo, como também me traz paz, eu me sinto completo quando você está perto. E é por isso que eu sei que estou apaixonado por você. – Ele fala. Durante todas essas semanas juntos, ele em nenhum momento falou de Sophia, mas não era por proibição, simplesmente nunca foi posto em pauta. Eu sabia que ele tinha sentimentos fortes por ela, e sabia que ele sentia falta de seus amigos.

- Você é maravilhoso. – Digo apaixonada.

- Eu sei nós somos. – Ele brinca e pisca o olho. Nós rimos, eu o olho, ele é um príncipe, mas dentro de si ainda havia uma dor, e para que pudéssemos ser completamente livres e felizes, ele precisava livrar-se disso.

- Jaeden, eu sei que não deveria estar me metendo, mas você precisa fazer as pazes com o Wyatt e a Sophia. – Digo e sua expressão endurece de repente.

- Não vamos estragar esse momento com esse assunto. – Ele pede.

- Se você disser que não sente falta deles na sua vida, eu nunca mais toco nesse assunto. – Falo, sabendo que ele não seria capaz de mentir para mim.

- Você sabe que eu sinto falta. – ele responde baixo.

- Então por que você não deixa esse orgulho besta de lado e tenta falar com eles? – pergunto.

- Por que, eu tenho vergonha. Eu fui muito idiota, eles tentaram falar comigo duas vezes e eu não dei espaço. – Ele diz e eu encaro aqueles olhos profundamente azuis.

- É por isso que eu estou dizendo para você ir até eles, Jae. Eles amam você... – digo e ele abre a boca para protestar mas eu o interrompo antes que diga algo. – E não venha falar que não é verdade, por quê é. Eles te amam como “amigo” e cometeram erros, humanos são falhos.

- Então você quer dizer que eu devo perdoá-los? – ele pergunta.

- Eu acho que você já os perdoou, só está sendo levado pelo orgulho. – Digo sinceramente e ele sorri.

- Namorada, amiga e conselheira. Eu ganhei um presente do céu. – ele diz sendo fofo. – Então quer dizer que se eu voltar a ser amigo da Sophia, então você não vai se chatear? – ele pergunta.

- Jamais, antes de nós sermos “nós”, ela já estava aí. – Falo tocando seu coração.

- É. Talvez eu tente conversar com eles quando eu for a New York. – Ele diz. – Melhor, vou ligar para Sophia e perguntar se posso ir até sua casa. E depois vou até a casa de Wyatt.

- Você vai até a casa dela? – digo sentindo uma pontada de ciúmes e ao mesmo tempo sentindo-me egoísta.

- É. Acho que precisamos falar a sós. – Ele diz.

- Ah, tem que ser mesmo a sós? – eu digo e confesso que por alguns minutos me senti insegura.

- Não, pode ter outras pessoas lá, mas eu digo... sem o Wyatt. – Ele explica.

- Ah, claro. – Eu digo relaxando, eu precisava confiar nele, confiar no que ele havia me dito a poucos minutos.

- Você não está com ciúmes está? – ele pergunta me olhando com um sorriso convencido no rosto.

- O quê? Não! – respondo, mas era mentira. Eu estava com um pouco de ciúmes, tinha medo de ela o querer de volta. De ela não ter desistido dele, e ele querer tentar mais uma vez. Afinal, quando começamos a namorar, ele assumiu ainda estar confuso. Mas agora ele dizia estar apaixonado por mim, e eu precisava me agarrar a isso.

 - Tem certeza? – ele pergunta ainda convencido.

- Absoluta. – Respondo tentando disfarçar com um sorriso.

- Ah, que bom. Por que talvez a gente tenha que conversar no quarto dela... – ele fala e eu o olho rápido não acreditando no absurdo que ele está me falando, e ele abre ainda mais o sorriso. – Mas não é nada demais, Lilia.. Eu já entrei no quarto dela várias vezes. – Ele insinua. E eu o olho indignada, okay, eu não precisava saber disso.

- Não precisa entrar em detalhes. – Digo e me levanto tentando evitar dele me dar detalhes da relação dele com Sophia, que vai muito além do que eu imaginava.

- Ah, mas agora eu quero falar. – Ele diz.

- Porquê agora? – eu pergunto.

- Foi você que iniciou a conversa sobre a Sophia. – Ele diz sorrindo.

- Não era só sobre ela, era sobre o Watt também, e eu não queria saber desses detalhes. – Reclamo com voz manhosa.

- Pois deixa eu te falar só mais uma coisa? – ele pergunta e eu concordo com um aceno de cabeça. – Eu estou brincando, eu vou lá apenas para conversarmos, não precisa sentir ciúmes.

- E por que você ficou falando essas coisas então – eu pergunto com braços cruzados e com a voz ainda manhosa.

- Por quê você fica muito sexy com ciúmes. – Ele diz se aproximando e me abraçando, adorei ser chamada de sexy, é maravilhoso sentir-se desejada. – Você confia em mim, certo?

- Sim. – Eu respondo sabendo exatamente do que ele está falando.

- Ótimo, eu jamais faria algo para te machucar. O que eu sinto por você não me deixaria te magoar. Eu te adoro, você é a melhor namorada do mundo!  – Ele diz e eu me sinto corar.

- Sério? – pergunto.

-  Nunca falei tão sério em toda minha vida. – Ele diz e eu sorrio.

- Então se você diz, eu acredito. – Falo e ele me dá novamente aquele sorriso lindo e fica parado olhando minha boca, eu sei o que viria a seguir, meu coração acelera e eu mordo o meu lábio inferior tentando conter o meu nervosismo. Eu sempre ficava nervosa com a proximidade de Jaeden.

- Puta que pariu, eu quero muito te beijar. – Ele fala de repente.

- E por que não me beija? – eu pergunto sedenta.

- Não é qualquer tipo beijo, mas tenho medo de sua mãe abrir a porta de repente. – Ele diz claramente segurando-se para não me beijar;

- E que tipo de beijo seria esse? – pergunto curiosa e desejando sentir seus lábios nos meus sem mais enrolações.

- Lembra do nosso beijo quando estávamos sozinhos na sala no dia que vim pedir permissão para te namorar? – ele fala, e eu lembro, aquele dia foi incrível, não nos víamos a certa de uma semana desde o nosso beijo no apartamento em que ele estava hospedado em Los Angeles, havia muita saudade para matar, foi um beijo demorado, eu senti que a qualquer momento eu iria me desfazer de tanta satisfação, eu estava sendo beijada pelo garoto dos meus sonhos, e ele beijava divinamente bem, isso era um bônus, ele beijou meu pescoço nesse dia e deixou marcas que tive que ocultar com corretivo. Eu lembrava bem daquele beijo, desde então nunca mais tivemos privacidade para nos beijarmos, desde que começamos a namorar, nos vemos apenas mais uma vez, sem contar com o dia de hoje, e sempre aparecia alguém para atrapalhar, até mesmo minha irmã atrapalhou uma vez.

- Lembro. – Respondo, e eu lembrava mesmo, com ricos detalhes.

- Se não houvessem riscos... – ele começa a dizer mas antes que ele termine, eu já estava agarrada ao seu pescoço com meus lábios colados aos seus e beijando-o com toda a paixão que estava em mim.

Ele me segura com intensidade colando nossos corpos. Então eu deslizo minhas mãos pelas suas costas e ele suspira forte como se sentisse um arrepio percorrer seu corpo, mas em nenhum momento ele se afasta ou para nosso beijo, então de repente eu aperto minhas unhas contra sua blusa, eu sinto a pele de suas costas através do tecido, torcia para não o machucar. Ele se empolga com isso e me beija mais profundamente, sua língua percorre com maior força minha boca, e isso era fantástico, suas mãos apertam minha cintura com tanta força que eu deixo escapar um gemido, uma mistura de dor com deleite, logo sua mão esquerda percorre minhas costas e chega até minha nuca, ele enterra seus dedos entre meus cabelos, logo seus beijos estão percorrendo meu pescoço, sinto sua língua molhar meu pescoço, ele desce os beijos até minha clavícula, e logo depois sua boca faz um rastro de beijos até minha orelha, eu sinto cada pelo do meu corpo arrepiar-se, puxo seus cabelos e devolvo seus lábios aos meus, em meio ao nosso beijo, ele sorri e eu sugo seu lábio, não sabia explicar o que estava sentindo, continuamos a nos beijar com a mesma veemência. Até que aos poucos paramos, a necessidade de respirar era maior, estávamos suados e ofegando, os lábios de Jaeden estavam vermelhos pela pressão do nosso beijo, então ele abre um sorriso e volta a se aproximar, minhas pernas tremem, não sei se aguento outro beijo desses, sinceramente, mas era tudo o que eu queria, começar de novo e que se dane a falta de oxigênio nos pulmões. Mas ele apenas toca meu rosto, olha nos meus olhos e diz:

- Eu tenho tanta sorte de ter você. 


Notas Finais


O que acharam, ainda gente, Jilia é muito fofo, Noah e Julia tentando juntar os pedaços, Chloe agora tem um boy (que não vamos nos parofundar nisso, ele não é importante), e em breve nosso trio estará de volta <3 Jyaphia


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...