1. Spirit Fanfics >
  2. Primeiro e único. (Exo - Baekhyun) >
  3. Capítulo Sete.

História Primeiro e único. (Exo - Baekhyun) - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Leiam e me digam as predições de vocês, para um certo personagem novo – e mau caráter – vocês vão saber quem é, lendo então até, vejo vocês lá embaixo!!!

Capítulo 7 - Capítulo Sete.


Fanfic / Fanfiction Primeiro e único. (Exo - Baekhyun) - Capítulo 7 - Capítulo Sete.

Quase perfeito!

 

Já passava das 14:00 da tarde, quando Anja despertou novamente e preguiçosamente, começou a se espreguiçar. Byun abriu os olhos devagarinho acostumando os mesmos com a claridade do dia que se infiltrava com força pelas cortinas entre abertas.

__ Bom dia – Disse mansamente, envolvendo o corpo de Anja carinhosamente.

__ Bom, acho que já está de tarde, então – é boa tarde!

__ Ah, mas nós acabamos de acordar...

__ Hora de levantar gatinho. Nossos ‘filhos’ devem estar estranhando não termos dado as caras ainda – Anja ria da expressão confusa dele, que logo foi substituída por uma expressão culpada.

__ Anja, os pets estão sem comida!? Meu Deus! – E saltou da cama. Ela logo o tranquilizou:

__ Tudo bem, Baekhyun-nee. Eu os alimentei antes de voltar pra cama, hoje cedo. Tá tudo em ordem.

__ Preciso de um banho – Ele enrolou uma toalha de banho em volta do pescoço.

Estava ridiculamente à vontade.

Anja sentiu o rosto esquentar, não conseguia desviar os olhos dele! Seu corpo esguio era um convite para as maiores aventuras, e ela se via tentada, ali perscrutando cada palmo daquela pele perfeita.

__ Você está vermelha!? Porque você está vermelha, Anja? – Ele sorria do conflito interno dela.

__ Amo olhar pra você. Tanto, que acho que não deveria – Ela desviou o olhar embaraçada.

__ Nós não temos mais segredos, Anja – Ele a fitava enigmaticamente.

__ Acho que não...

__ Você vem? – Ele já ligava o chuveiro.

Anja nada respondeu. Apenas saiu da cama e entrou no box do banheiro.

O resto do dia foi preenchido pelas tarefas rotineiras da casa. Comer alguma coisa – ambos estavam famintos! Cuidar e acarinhar Byun e Nam Jr, ver alguma coisa na tv.

Depois daquele banho ‘relaxante’, Anja vestiu um dos aventais de Byun – ela ainda amava vestir as roupas dele! – e uma calcinha de algodão bem confortável.

Quando já estavam livres das tarefas de casa – louças lavadas, secas e guardadas. Apartamento varrido e sem pó, e as roupas sujas já na máquina de lavar, Anja desafiou Byun pra uma partida de xadrez.

__ Lembrando que estou invicta, você nunca me venceu.

__ Mas que petulância!? Veja bem, Nam Jr, mamãe está desafiando o papai!? Pois muito bem, o que eu ganho com isso?

__ A satisfação de vencer? – Ela disse se divertindo com a situação.

__ Nhá! Eu não quero vencer por vencer. Que tal, aquele que ganhar leva os pets pra ser vacinados e tomar banho, huh? 

“Tolinho.” – Anja tinha outros planos. Mas veria se ele morderia a isca.

__ Eu tenho uma proposta melhor. Se você me derrotar, eu faço sexo com você aqui mesmo no sofá. Se você perder, vai dormir chupando o dedo – Ela o encarava absolutamente segura de si.

__ Eis aí uma proposta irrecusável. Eu aceito. Que a partida se inicie. – E a encarou com o mesmo olhar enigmático que usou cedo, ao convidá-la para tomar banho junto com ele.

“Byun seu desgraçado” – Anja queria gritar com ele. Estava acelerada. Eles não haviam transado no chuveiro – Nota da autora: Pervertidas vocês hein? Sei que vocês estavam na dúvida, minhas leitoras safadas!? Hehehehehehe – mas ele a judiara demais aquelas mãos que apalparam cada centímetro de sua pele nua – para depois deixá-la excitada e sozinha!? Tivera que se contentar com a água morna do chuveiro.

"Maldito homem!?” 

Não tinha como ele vencer. Não se ele não fizesse exatamente o que estava fazendo, a julgar pela naturalidade com que ele agia, foi instintivo. 

“Maldito homem, outra vez!” 

A menos que Byun a seduzisse enquanto jogavam, era total e completamente impossível vencê-la. Ela tinha que estar distraída – pois era uma exímia enxadrista.

E foi exatamente o que ele fez. Seus gestos, os sorrisos calculados, a expressão compenetrada. Anja tinha parte de sua atenção no jogo – mas sua mente estava longe. Rememorava longa e com riqueza de detalhes, os eventos da noite anterior.

Como se sentiu feliz ao valsar com ele. Feliz. Anja estava feliz como não se recordava de haver estado antes. O momento em que sentiu que a excitação que provocava nele, era semelhante a que sentia, só de olhar pra ele, a consumação da noite...

Como sentiu-se livre para amar. 

Como ele correspondeu maravilhosamente. Foi uma troca mútua, recíproca, dar e receber prazer. Foi uma noite da mais absoluta luxúria, e Anja desejava mais, muito mais. Porém como ele a havia advertido, tudo fica muito mais divertido se você tem um objetivo a alcançar. E ele teria de vencê-la. Ou nada feito.

E assim prosseguiram com uma partida técnica, um duelo de mentes brilhantes, tensa em sua definição. Durou 2 horas mais ou menos, e num instante, assim como foi o início daquela noite de luxúria e sexo, sem aviso prévio – a partida acabou. Anja o viu dizer:

__ Xeque-mate. – Com um sorriso bonito no rosto.

__ Conquanto, você me venceu. – Sorriu felina. – Vai querer o seu prêmio agora, Byun Baekhyun?

Ele a chamou com a mão.

__ Venha até aqui Anja.

Ela se aproximou dele vagarosamente. Anja tremia de desejo e ansiedade – o queria de modo tão intenso, que chegava a doer!

__ Eu não quero apenas sexo com você, Anja. Quero fazer amor contigo.

__ E qual é a diferença?

__ Eu mostro pra você.

Ela estava em pé de frente para ele, que estava sentado no sofá. Byun usava apenas um short-cueca samba canção. Estava calor demais, e dali em diante, não precisaria de roupas.

Ele subiu as mãos pelos contornos do corpo de Anja. Fez com que ela se sentasse em seus joelhos, abaixou a gola de sua camisa pelos ombros arredondados dela e depositou ali um beijo. Cada carícia fazia com que Anja sentisse um arrepio de prazer e antecipação. Ele massageava seus seios, os bicos rígidos e convidativos. As auréolas rosadas, levemente avermelhadas pela boca dele que lhe beijava e chupava.

Ele então livrou-se de sua cueca e fez com que ela ficasse de pé por um instante, baixando lentamente a calcinha dela por suas pernas. Anja então sentou-se em seu colo, sob seu membro rijo e pulsante.

Ele a segurava pela cintura, ajudando-a a encontrar seu centro de prazer, Anja girava os quadris sob ele, gemendo baixinho. Byun mordia de leve o pescoço dela, enquanto a fazia trepidar em cima dele.

Eles gemiam em busca do prazer. Os gemidos, se tornaram gritos, à medida que o sexo ia se tornando mais selvagem. Os sons de seus corpos em estardalhaço era tudo o que se ouvia enquanto ambos persistiam em afundar cada vez mais um no outro. Anja subia e descia em cima do membro teso de Baekhyun. Ele apertava seu bumbum, potencializando a sensação de entrega. Estava fora de si de tanto tesão. Mas antes de ter um orgasmo, ele modificou a posição de ambos.

Fez com que ela se deitasse no tapete felpudo da sala, flexionou os joelhos dela, e iniciou uma série de estocadas, que a fez delirar. Continuou assim, até fazê-la gozar. O gozo dele não tardou a vir – e uma quantidade considerável de esperma a inundou.

Eles se permitiram jazer por um tempo no tapete da sala realizados, com a respiração entrecortada, satisfeitos.

__ Então fazer amor é assim? – Anja ainda respirava de forma irregular.

__ Uma parte sim. A outra, é ter seu parceiro ao seu lado. Como você se sente? – Ele encerrou o que ia dizer com uma pergunta.

__ Ah! Acabada, mas de uma forma esplêndida. Você me leva às alturas. Não me lembro de sentir como se tivesse morrido e voltado à vida assim antes.

__ Isso é fazer amor.

__ É quase perfeito.

__ Quase – Ele lhe deu um beijo na testa. – Preciso de outro banho, pra tirar esse cheiro de sexo e poder dormir. Amanhã com certeza vou ouvir as últimas do meu chefe, o cara é um carrasco!?

__ Posso tomar banho com você?

__ Claro que pode!

__ Eu te amo, Baekhyun.

__ Eu também te amo, Anja – minha gata sedutora dos olhos cor de mármore.

Durante todo o tempo em que os dois transavam loucamente no chão da sala, a tv permanecia ligada – completamente sem som.

Nenhum dos dois prestou atenção nas notícias, e não viram a matéria do jornal local, sobre o sucesso que havia sido o baile anual para arrecadação de fundos, da Associação Médica de Seul.

Ou o anúncio cheio de pompa e circunstância do noivado de Nam Yoksana Stanislavisky.

Em Daejeon

Os pais de Anja buscavam inutilmente por seu paradeiro. Mikhail decidiu por fim, acionar um detetive particular, a fim de localizar sua filha mais velha. Nora ficou imensamente grata pela iniciativa do marido – ainda que no fundo, soubesse que Anja estava bem.

Gostaria de conhecer aquele jovem que tirava tantos sorrisos de sua filha. Ela parecia totalmente em ordem e em paz. Eles eram bons um pro outro, era visível.

Ao que parece, não era apenas com os pais que Anja teria que se acertar. Estranhamente Yoksana odiava a irmã mais velha, e dizia coisas horríveis sobre ela, pra qualquer um. Isso enchia de tristeza o semblante de Marja, a irmã caçula de Anja, que ficava estarrecida com a maldade de Yoksana. Anja sempre lhe despertou curiosidade, a pequena Marja nunca realmente compreendeu, o que de tão grave acontecera para que Anja saísse de casa e se tornasse tão rebelde e arredia, à ponto de evitar qualquer contato com a família. Anja era a exuberância em pessoa. Marja ficou feliz ao vê-la. E agora chorava ao ouvir Yoksana dizer coisas tão rudes e cruéis sobre ela.

E nessa ocasião, Yoksana pintava a caveira de sua irmã mais velha, para aquele que seria seu futuro marido.

__ Minha irmã mais velha é uma puta. Acredita que aquela prostituta barata, teve a ousadia de aparecer no Baile da Associação Médica com um dos oradores?

Era muita informação.

“Mulheres são tão estúpidas...” – Kim Taeceon pensava olhando para sua bela e vazia noiva. “Excitante – uma puta na família? Isso quer dizer que assim que eu me cansar de você, posso encontrar aconchego em outro corpo – interessante.”

Quem vê cara, não vê caráter. 

Baekhyun e Anja, ainda enfrentariam muitas tempestades, até poderem desfrutar pacificamente do amor que nutriam um pelo outro. O conflito maior não seria a toxicomania dela… tristemente, seria sua família – que há muito tempo não sabia como agir perto dela.


Notas Finais


➥Alguém dá um centavo pelo caráter dos noivos que apareceram nesse capítulo?
➥E então?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...