1. Spirit Fanfics >
  2. Primeiro verdadeiro amor (Obamitsu) >
  3. Capítulo Quarenta

História Primeiro verdadeiro amor (Obamitsu) - Capítulo 47


Escrita por:


Notas do Autor


Capítulo não foi corrigido por motivos de que: estou com ódio.

Capítulo 47 - Capítulo Quarenta


Fanfic / Fanfiction Primeiro verdadeiro amor (Obamitsu) - Capítulo 47 - Capítulo Quarenta

Katsumi observou Obanai sentado na sala de espera com as mãos escondendo o rosto, Uzui tentando passar algum tipo de apoio para o amigo. A médica de Mitsuri, Katsumi, havia levado a garota diretamente para um dos quartos do hospital, e Obanai ficava cada vez mais preocupado já que não recebia notícia nenhuma sobre a garota, e ela havia permanecido desacordada o caminho inteiro até ali.

— Calma, vai ficar tudo bem. — Uzui tentou animar o amigo.

Obanai permaneceu em silêncio, e isso fez Uzui lembrar-se de como ele era antes de começar a se relacionar com Mitsuri. Obanai era quieto e sempre que estava chateado ignorava as pessoas e se tornava mais silencioso e retraído do que o normal, e ele estava exatamente desse jeito enquanto esperava por notícias de Mitsuri.

Estava preocupado com ela e com seus filhos, tão preocupado que não conseguia controlar as próprias lágrimas de frustração por saber que estava com as mãos atadas diante da situação.

Katsumi resolveu ir falar com eles enquanto segurava sua prancheta contra o peito. — Eu posso saber o que aconteceu hoje?

Obanai ergueu o rosto rapidamente. — Meus amigos começaram a brigar, e uma das garotas queria ir separar, mas Mitsuri a segurou e ficou muito agitada com a situação.

— Mitsuri literalmente segurou ela, praticamente levantou Nezuko do chão mesmo. — Uzui contou.

— Como ela está? — Obanai perguntou agitado. Estava tão preocupado que não conseguia se controlar. — Ela está bem? Os bebês estão bem?

— Primeiramente, terei que conversar com você e Mitsuri sobre os cuidados com a gravidez daqui pra frente. — Katsumi respirou fundo e sorriu para os dois garotos. — Mas sim, eles estão bem. Os bebês estão crescendo muito bem, apesar de um dos meninos ser bem pequenino, e Mitsuri está muito bem também, mas talvez ela precise comer um pouquinho menos. — A médica disse. — A dor foi causada pela adrenalina, contando com o fato de que Mitsuri segurou uma garota da forma que vocês contam, e ela realmente não pode fazer isso. Ela não pode levantar peso e de jeito nenhum pode se estressar ou sofrer grandes emoções como aconteceu hoje. Hoje foi um susto, mas da próxima vez pode ser um problema sério.

— Estou tão aliviado... — Obanai abaixou a cabeça mais uma vez. — Porra...

— Calma, Obanai. — Katsumi riu. — Você e Mitsuri estão lidando muito bem com toda a gravidez, mas daqui um tempo ela já entra na vigésima segunda semana de gestação, então todo cuidado é pouco.

— Quanto tempo é isso? — Uzui perguntou.

— Cinco meses. A barriga dela já está bem grandinha, mas vai ficar realmente enorme daqui um tempo e provavelmente ela ficará mais sensível por isso, então, por favor, sem relações sexuais a partir de hoje. — Katsumi o alertou.

— Vocês estavam...? — Uzui olhou para Obanai.

— Não. — Ele negou. — Não tivemos relações desde que ela fez quatro meses.

— Ótimo. — Katsumi disse. — Mas o apetite sexual dela vai aumentar consideravelmente, não é mito quando dizem que algumas grávidas ficam "sedentas" durante a gestação. — A mulher riu ao falar. — Mas já que você já parece mais calmo, pronto para vê-la?

— Sim! — Obanai levantou-se rapidamente.

— Eu vou avisar o pessoal e já vou, tá? — Uzui disse enquanto pegava seu celular.

— Ok. — Obanai nem mesmo olhou para Uzui enquanto seguia Katsumi até o quarto em que Mitsuri estava.

— Ela está dormindo, mas não deve demorar muito para acordar. — Katsumi abriu a porta do quarto. — Fique à vontade, darei privacidade pra vocês.

— Obrigado, doutora. — Obanai agradeceu e Katsumi sorriu, fechando a porta do quarto e deixando-o sozinho com Mitsuri.

Obanai puxou uma cadeira e sentou-se ao lado da cama de Mitsuri, segurando a mão da garota com força. Nunca em sua vida havia se sentido tão nervoso como quando no momento em que ela desmaiou em seus braços. Amava Mitsuri e não sabia mais como seria ter que ficar longe dela, e seu coração continuava batendo tão rápido que ele achou que fosse infartar.

— Você quase me matou do coração. — Obanai franziu as sobrancelhas e secou as próprias lágrimas com a mão disponível. — E conseguiu me fazer chorar na frente do Uzui, ele vai me zoar pelo resto da minha vida.

Obanai olhou mão da garota e viu a aliança que eles usavam ali, o que o fez sorrir por baixo de suas bandagens. O garoto soltou a mão de Mitsuri para tirar suas bandagens, voltando a segurar a mão da garota para então beija-la com carinho.

— A-amorzinho — A garganta de Mitsuri estava seca quando ela chamou por Obanai, o que a fez gaguejar. — E os nossos bebês?

— Eles estão bem. — Obanai respondeu. — E eu descobri que um dos nossos meninos é bem pequeno.

Mitsuri sorriu. — Tomara que ele seja o mais parecido com você.

Obanai suspirou. — Você me assustou. Se sente bem?

— Estamos bem. — Mitsuri levou uma das mãos até sua barriga. — Estou aliviada por estarmos bem, eu fiquei assustada.

Obanai se levantou da cadeira e se aproximou de Mitsuri, a abraçando. — Eu fiquei assustado também.

Mitsuri o abraçou com força e chorou. — Eu fiquei com medo de perder os nossos bebês! Eu fiquei com tanto medo, Obanai!

— Está tudo bem. Eles estão bem. — Obanai beijou os cabelos de Mitsuri e continuo abraçado à ela. — Vocês estão bem, amor...

Mitsuri soluçou e balançou a cabeça em concordância, e Obanai deixou que ela chorasse até que se sentisse melhor, porque sabia que também havia ficado tão assustado quanto ela. Agradecia por ela estar bem, por seus filhos estarem bem e por poder respirar tranquilamente agora.

Ficaram abraçados por mais um tempo até que Uzui entrou de fininho no quarto, se sentindo aliviado ao encontrar Mitsuri acordada.

— Que bom que você tá bem. Nossa, eu tava quase chorando junto com o Obanai. — Uzui se aproximou de Mitsuri e bagunçou os cabelos da garota. — Estou muito feliz e aliviado, Mitsuri...

Mitsuri sorriu para Uzui. — Você é um fofo, Uzui-kun! Estava mesmo preocupado comigo?

— Claro que estava! Com você e com meus sobrinhos! — Uzui confirmou e sorriu. — Fico feliz que esteja bem.

— Estou. — Mitsuri concordou. — Meu amorzinho não vai chorar mais.

— Para com isso. — Obanai sentiu suas bochechas quentes. — Uzui, você mandou uma mensagem para Muichiro?

— Sim, ele disse que ia fugir da escola pra vir até aqui. Mal fez quinze e já é vândalo. — Uzui zombou.

— Vou dar uma bronca nele por isso depois. — Obanai disse.

— Sanemi, Inosuke, Tanjiro, Genya, Zenitsu, Nezuko e Tomioka foram suspensos por uma semana e ganharam uma advertência, terão que limpar o refeitório por duas semanas inteiras, isso inclui lavar o chão também. — Uzui contou.

— Por que Tomioka-kun também? — Mitsuri perguntou confusa.

— Zenitsu disse que depois que saímos ele ficou realmente bravo com Sanemi e avançou nele na frente do diretor. — Uzui não conseguiu controlar a risada. — Sanemi apanhou mais hoje do que eu na minha vida inteira.

— Ele mereceu. — Obanai revirou os olhos. — Eu fui suspenso?

— Não, parece que o diretor realmente tem uma apreciação pela mãe da Mitsuri. — Uzui sorriu maldoso.

— Como assim? — Mitsuri franziu as sobrancelhas.

— Ele disse que ele mesmo avisaria sua mãe sobre o acontecido, e por saber sua situação, nem você nem Obanai seriam afetados, e eu também não, já que trouxe vocês. — Uzui cruzou os braços. — Meu namorado é ótimo em prestar atenção nas coisas.

— Percebi... — Mitsuri suspirou.

— Mas Mitsuri, o que o Sanemi disse pra coitada da Nezuko? — Uzui perguntou com curiosidade. — Nunca vi o Inosuke tão puto! Nem meu namorado pô, meu louro é medroso pra cassete e hoje já saiu gritando e batendo nos outros.

— É verdade, o que ele disse pra ela? — Obanai olhou para Mitsuri e deixou a garota deitar a cabeça em seu ombro.

— Disse que ela tava traindo ele com o Inosuke porque ele viu eles falando que se amavam. Desde quando você traí alguém que não namora? Eles nem tem nada sério! — Mitsuri revirou os olhos. — Ele comparou ela com Kanae-san e fez ela chorar enquanto fazia suas suposições idiotas.

— Porra, o Sanemi é idiota pra caralho. — Uzui bufou.

— Amor — Obanai chamou por Mitsuri.

— Hm? — Mitsuri olhou pra ele. — Oi, amorzinho.

— Sem esforços à partir de hoje, ok? E tente ao máximo não se estressar, vou fazer meu melhor pra te ajudar também. — Obanai beijou a bochecha gordinha de Mitsuri.

Mitsuri sentiu as bochechas quentes e desviou os olhos. Cada dia que se passava se apaixonava mais e mais por Obanai, ficando cada vez mais envergonhada com pequenas demonstrações de afeto.

— O quê foi isso aí? Você tá tímida? — Uzui riu e notou que as bochechas de Mitsuri ficaram ainda mais vermelhas. — Sério, Mitsuri?!

— Cala a boca, cala. — Mitsuri mandou.

Antes que Obanai pudesse responder, Katsumi entrou no quarto, Muichiro e Makomo atrás dela olhavam para tudo com curiosidade.

— Esses dois pombinhos apaixonados estavam procurando por vocês. — Katsumi sorriu. — Sem barulhos altos, ok? Daqui a pouco eu volto pra conversar um pouco com você, Mitsuri.

— Ok! — Mitsuri sorriu e logo abriu os braços, chamando por Muichiro. — Cadê o meu abraço, fofinho?

De forma tímida Muichiro foi até Mitsuri, ganhando um forte abraço da garota de cabelos rosas.

— Você também, fofinha! — Mitsuri chamou por Makomo e logo estava abraçando os dois. — Você passou pra buscar ela, fofinho?

— Sim. — Muichiro respondeu. — Você está bem?

— Estou sim. — Mitsuri respondeu.

— E os bebês? — Ele perguntou.

— Bem também. — Mitsuri sorriu. — E vocês dois?

Makomo sorriu. — Estamos bem e felizes por você estar bem, Mitsuri-chan.

— Os dois fugiram? — Obanai perguntou.

— Eu não. — Makomo respondeu rapidamente. — Não tive aulas hoje e estava jogando quando Tokito me ligou.

— Eu ainda passei em casa, mas a vó não estava. — Muichiro respondeu.

— Vocês estão fofos. — Mitsuri olhou para eles. — Também comprei roupas que combinam pros bebês, já que Obanai não quer usar uma comigo.

Muichiro e Makomo usavam blusas com a mesma estampa e ambos também usavam calças jeans escuras, e eles realmente tinham roupas que combinavam porque Makomo gostava de usá-las, e Muichiro fazia quase tudo que ela queria sem reclamar.

— Futuramente. — Obanai mentiu.

— E suas irmãs? — Muichiro perguntou para Obanai.

— Estão bem, quando vai conhece-las? — Obanai perguntou.

— Não sei. — Muichiro cruzou os braços.

— São duas mulheres? — Makomo perguntou.

— Sim, mas não precisa sentir ciúmes, fofinha. — Mitsuri garantiu. — Apesar de que elas já acham que o fofinho é um bebê.

Obanai quis rir da cara enciumada de Muichiro, mas Mitsuri notou o incômodo de Makomo. Afinal, Yzumi e Yaza são irmãs de Obanai, mas não de Muichiro, então Mitsuri entendia que Makomo se sentisse incomodada, principalmente com o fato de que Yzumi e Yaza eram mais velhas que ela.

— Vamos ficar até vocês irem embora. — Muichiro disse. — Então posso conhecer suas irmãs.

— Ok. Confio em você. — Obanai sorriu para Muichiro. — Você vai também, certo, Makomo?

— Ah, eu não sei, talvez seja melhor eu ir pra casa. Mitsuri-chan precisa descansar, né? — Makomo deu um sorriso sem graça para Obanai.

— Você vem sim, porque está me devendo pela rodada que perdeu no jogo. — Muichiro a lembrou.

— Ah! Você é horrível, Tokito-kun! — Makomo revirou os olhos e Muichiro mordeu a bochecha dela.

— Amor jovem — Uzui cantarolou. — Eu vou na cantina rapidinho, querem alguma coisa?

— A médica disse que Mitsuri tem que comer menos, então não, obrigado. — Obanai agradeceu e Uzui saiu do quarto.

— Quê?! Porquê?! Eu estou comendo pouco! — Mitsuri arregalou os olhos.

— Come pouco onde? — Obanai olhou para Mitsuri com deboche.

— Ei! Se eu comesse muito eu estaria gorda, mas não estou! — Mitsuri esbravejou e olhou para Muichiro e Makomo. — Eu estou gorda?

— Não. — Makomo negou.

— Um pouco. — Muichiro confirmou.

— Garoto?! Claro que não, Mitsuri-chan! — Makomo deu um cotovelada em Muichiro.

— Tá fofinha. — Obanai disse.

— Fofinha, Obanai?! — Mitsuri franziu as sobrancelhas.

Mitsuri não havia engordado muito, seu corpo estava mudando por conta da gravidez e suas bochechas estavam mais gordinhas, assim como as mãos e os pés, mas além disso, seu corpo estava tornando-se mais curvileneo, nada além disso.

— Fofinha, amor. — Obanai afirmou e beijou a testa de Mitsuri. — Uma fofinha muito gostosa.

— Ah, Obanai! — Muichiro fez uma careta.

Mitsuri riu e encolheu os ombros. — Ok, assim eu aceito.

— Fofos. — Makomo sorriu.

— Mitsuri! — A porta foi aberta com força e logo Shinobu, Nezuko, Kanao e Aoi estavam dentro do quarto, todas em volta de Mitsuri.

— Como vocês estão? — Nezuko perguntou preocupada.

— Tudo bem com os bebês? — Aoi perguntou também.

— Meu Deus, eu estava tão preocupada! — Kanao secou suas lágrimas.

— É sério, tá tudo bem? — Shinobu perguntou.

— Fiquem calmas, meninas. — Mitsuri pediu. — Está tudo bem comigo e com os bebês. Estamos bem!

— Ah — Kanao suspirou aliviada. — Que bom, meu Deus..

— Nossa — Aoi sentou-se no sofá que havia ali. — Eu tô tão aliviada. Quase nos matamos de preocupação no caminho.

— Me desculpe por preocupar você, Mi-chan, é tudo minha culpa... — Nezuko encolheu os ombros envergonhada.

— Claro que não. — Mitsuri negou. — É culpa do Sanemi.

— Ei — Obanai chamou por Mitsuri. — É melhor não culpar ninguém por isso.

— Eu quero que ele fique se sentindo culpado. — Mitsuri respondeu. — Não por mim, mas sim por Nezuko-chan. Ele não respeitou os sentimentos dela e fez ela chorar, ele vai precisar implorar muito por perdão agora.

— Aí, meu Deus — Shinobu sorriu. — Eu não estou com dó.

— Nem eu. — Kanao sorriu também. — Também não estou falando com Tanjiro, e o mais incrível é que nem com dor de cabeça ele tá!

Mitsuri gargalhou. — Se Obanai gritasse comigo eu faria pior, apesar de que ele tem gritado muito ultimamente...

— Eu só gritei duas vezes. — Obanai disse.

— Duas onde? — Mitsuri o encarou. — Você gritou no mínimo cinco vezes, mas eu sou uma pessoa muito paciente e não briguei contigo.

— Porque você não fala que é sempre você que grita primeiro? — Obanai questionou com diversão.

— Porque eu estou sempre certa. — Mitsuri empinou o nariz.

— Ah é? — Obanai sorriu maroto para Mitsuri, que o encarou.

— Não me olha assim. — Mitsuri sentiu as bochechas quentes.

— Por que? — Obanai continuou sorrindo.

— Ah, para! Você tá mais bonito que o normal hoje e ta me deixando com vergonha! — Mitsuri escondeu o rosto com as mãos.

Shinobu gargalhou. — Você demorou pra ficar tímida perto do Obanai, em, Mi-chan.

— Ah! — Mitsuri sorriu e olhou para as próprias unhas. — É que cada dia que passa eu amo mais ele...

Obanai se engasgou e as garotas riram, Muichiro somente olhando para elas sem entender toda a graça que elas estavam vendo.

— Ue — Muichiro franziu as sobrancelhas. — O quê tem?

[🌸]


— Prazer em te conhecer de novo, Tokito! — Yzumi sorriu para ele assim que o viu.

— Tão pequeno... Fofo! — Yaza sentiu as bochechas quentes. — Eu sou Yaza, prazer em lhe conhecer.

Makomo segurou a vontade de revirar os olhos e Mitsuri segurou a risada por causa da faceta enciumada da garota.

— Prazer em conhecer vocês também. — Muichiro estendeu a mão para as duas garotas, mas ao contrário do que pensou as duas o abraçaram com força. — Opa!

— O quê você quer comer? Nós vamos cozinhar pra você! — Yzumi perguntou com animação.

— Ei, vocês não precisam ficar tão em cima dele. — Obanai riu e fechou a porta do apartamento. — Amor, sua mãe mandou avisar que vai vir aqui mais tarde, seu pai também.

— Ok. — Mitsuri se sentou no sofá. — Senta aqui do meu lado, fofinha.

Makomo sentou-se ao lado de Mitsuri em silêncio e a garota de cabelos rosas segurou a mão da garota com delicadeza.

— Você está com ciúmes? — Mitsuri perguntou.

— Sim. — Makomo não se preocupou em negar. — Elas são tão bonitas e são mais velhas, e estão o tratando como se ele fosse um tesouro.

Mitsuri concordou com a cabeça. — Elas estão tentando por Obanai, mas não acho que elas vejam o fofinho com outros olhos.

— Eu não quero comer, mas obrigado. — Muichiro agradeceu envergonhado.

— Então vamos nos conhecer melhor! — Yzumi disse com animação.

Muichiro se sentou ao lado de Mitsuri, Yzumi e Yaza ficaram próximas à Obanai.

— Refrigerante ou água? — Obanai perguntou para Mitsuri.

— Água gelada. — Mitsuri respondeu.

— Quantos anos você tem? — Yaza perguntou para Muichiro.

— Quinze. — Muichiro respondeu.

— Um bebezinho, mas não somos tão mais velhas assim, né, Yzu? — Yaza olhou para Yzumi, que concordou.

Makomo fez uma careta e Mitsuri continuou com a vontade de rir.

— Eu sei que isso é inusitado, Tokito-kun, mas queremos ser próximas de você assim como você é de Obanai. — Yzumi encolheu os ombros. — E queremos dizer que não precisa sentir ciúmes de nós. Respeitamos seu posto como irmão mais novo e isso nunca esteve em discussão.

— Ok... — Muichiro respondeu em tom baixo.

— Tokito-kun —Yaza chamou por ele e colocou uma mecha do cabelo atrás da orelha. — Você tem uma namorada?

Mitsuri olhou para Makomo rapidamente, mas a garota já mantinha os olhos vidrados em Muichiro como se estivesse preparada para o matar.

— Tenho sim. — Muichiro apontou para Makomo. — Ela é minha namorada, Makomo.

— Prazer em te conhecer, Makomo-chan. — Yaza comprimentou.

— Prazer. — Makomo acenou.

— Bem, eu vou fazer um café pra gente! — Yzumi foi pra cozinha.

— Vou ajudar. Já voltamos! — Yaza seguiu a irmã.

— Quê estranho... — Mitsuri se levantou quando Obanai chegou com seu copo de água. A garota inclinou-se para sussurrar no ouvido dele. — Yaza gosta de garotos mais novos?

— Hã? A Yaza gosta de todo mundo. — Obanai respondeu. — Acho que ela passou tempo demais com as tias, ela não sabe o que significa "espaço pessoal" e "limites".

— Como assim? — Mitsuri franziu as sobrancelhas.

— Yaza é mais tímida que Yzumi, mas diferente de Yzumi, Yaza faz perguntas indelicadas e é levemente inclinada a gostar de garotos que tenham cabelos grandes, e isso são palavras dela. — Obanai disse. — Ela deu em cima do Muichiro, né?

— Eu não sei dizer se deu ou não, mas Makomo percebeu e não gostou. — Mitsuri bebeu sua água.

Obanai suspirou. — Vou falar com Yaza depois. Ela vai ter que se acostumar com muitos caras saindo do apartamento porque a maioria dos meus amigos são homens e namoram, e eu vou ficar puto se ela der em cima de algum deles.

— Eu converso com ela, amorzinho. Você vai acabar brigando com a garota atoa. — Mitsuri beijou o rosto do Obanai. — Vai lá dar atenção pro fofinho e pra fofinha agora, vai.

Quando Obanai foi conversar com Muichiro e Makomo, Mitsuri foi pra cozinha e encontrou Yzumi fazendo o café e Yaza a ajudando. As duas eram bem calmas e viviam conversando e rindo, principalmente quando Obanai estava perto, mas Mitsuri preferia deixar as coisas claras antes que aparecesse algum problema.

— Yaza bonitinha — Mitsuri chamou por ela. — Você gostou do Muichiro?

Yzumi olhou para Mitsuri. — Yaza sempre foi meio atirada, desde que era pequena, então já peço desculpas, Mitsuri-san...

— Não precisa se desculpar. — Mitsuri sorriu.

— Eu achei ele bonito, mas não passarei dos limites, juro! Sei o quão importante ele é para o meu irmão, e se eu passei dos limites, juro que não percebi! — Yaza se apressou à dizer. — Fiz algo errado?

— Não! Só quero dizer que se pensou em Muichiro de outra forma, não faça isso. Makomo é namorada dele e apesar de parecer ingênua por ser novinha, ela não é. — Mitsuri disse. — Obanai tem muitos amigos homens, também devo lhes avisar sobre isso. O irmão de vocês pode não parecer, mas é bem ciumento, e todos os amigos dele tem namoradas, ok? Não estou brigando com vocês, só acho que é melhor avisar para não ocorrer nenhum mal entendido.

— Obrigada por avisar, Mitsuri-san. — Yzumi sorriu. — Agora que já sabemos sobre isso, podemos evitar muitas coisas.

— Sim. — Yaza concordou. — Devo me desculpar com Makomo-san?

— Não acho que seja necessário, você não se jogou no Muichiro nem nada, mas é melhor evitar sorrir do jeito que estava sorrindo. — Mitsuri sorriu para Yaza. — E então, estão gostando de ficar aqui?

— É ótimo! E me sinto muito melhor porque não estou sozinha. — Yzumi respondeu.

— Verdade, ainda mais agora, Mitsuri-san. — Yaza disse.

— Agora...? — Mitsuri franziu as sobrancelhas.

— Agora que você e meu irmão vão morar aqui também. — Yaza abraçou Mitsuri pelos ombros. — É bom, não é?

— Espera. O que?! — Mitsuri arregalou os olhos. 


Notas Finais


Gente eu não gosto de criança, talvez goste de umas três crianças que conheci e só, e hoje já tô de mau humor porque fala sério, minha mãe quer trazer minha sobrinha aqui pra casa. Aaaah, mas eu tô muito puta!!!!!!

Ok isso não é meu diário, hmmm que saudades de postar todo dia. Vejo vocês no domingo! 💞

Ah, estive pensando em deixar meu número disponível aqui pra gente bater um papo. O que vocês acham?

Outra coisa também, estou com duas novas fanfics que quero postar, só que uma delas ainda não sei qual seria o casal principal, então quero uma ajudinha: Shinobu x Tomioka, Sanemi x Kanae, Sanemi x Nezuko, Nezuko x Zenitsu, Tanjiro x Kanao, Tanjiro x Rengoku (sim eu shippo eles dois), Tanjiro x Inosuke, Inosuke x Aoi ou Inosuke x Shinobu.

Escolham um desses casais pra minha fanfic nova, por favoooooor!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...