História Primeiros - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Apollo, Artemis, Atena, Calipso, Frank Zhang, Frederick Chase, Hades, Hazel Levesque, Jason Grace, Leo Valdez, Luke Castellan, Nico di Angelo, Paul Blofis, Percy Jackson, Piper Mclean, Poseidon, Rachel Elizabeth Dare, Sally Jackson, Thalia Grace, Will Solace, Zeus
Tags Caleo, Jasiper, Percabeth, Romance, Solangelo, Thaluke
Visualizações 580
Palavras 4.883
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá Tomatinhos da minha vida, tudo bem com vocês?
Desculpem-me pela tiquinha demora em postar o cap. Resumidamente, eu fiquei com bloqueio e depois que saiu eu tentei escrever um pouco, acontece que o final de semana passado foi um teste pro meu emocional (quem me segue e a TL aqui do spirit viu o que aconteceu), eu fiquei muito mal e quase não conseguia ao menos ler fanfics. Fora que eu me desmotivei...
Aqui estamos, não é mesmo? A fic está chegando ao final... é pois é... estou entrando numa outra fase - eu sou feita de fases, não gosto muito de rotina -, já tenho uma short-fic pronta... assim que Primeiros e My Will, chegarem à seu final, postarei.

Espero que gostem!

Capítulo 19 - Nossa família.


Fanfic / Fanfiction Primeiros - Capítulo 19 - Nossa família.

 

*LEIAM AS NOTAS INICIAIS*

 

ANNABETH POV

Estávamos meus pais, eu e Sra. O’Leary (não a deixarei sozinha numa noite dessas), esperando Percy chegar em meu apartamento. Sally nos convidou para passarmos a virada de ano com eles, assim como o natal.

Sempre fomos apenas meus pais e eu nas comemorações. De vez em quando alguns amigos deles nos chamavam para algumas festas, mas foram poucas vezes. Sendo assim, meus pais estão hospedados em meu apartamento desde o dia 24 de dezembro. Não que eu não gostasse da companhia deles, é que eu já havia me acostumado em morar sozinha e bem... o Percy nem ao menos se ofereceu para dormir aqui durante esse tempo. Meu pai fica de marcação cerrada em nós dois.

 

Quando chegamos na casa utilizada para a festa, Will veio em nossa direção.

 

- Olá, Annabeth, tudo bem com você? Vem – ele chegou tão rápido e me puxou pelo pulso. Fiquei sem entender e olhei para Percy, ele estava ainda mais sem entender o que aconteceu. Meus pais já tinham ido conversar com Sally.

- Calma, calma, calma – digo rapidamente o parando,

- O que foi?

- Primeiro, me explique o que está acontecendo.

- Vem, quero falar com você e com a Rachel. Não quero deixa-la esperando.

Ele continua a me puxar para a parte superior da casa. Will se tornou um grande amigo meu. Até saímos algumas vezes. Sem o Percy... foi divertido, tipo uma noite das garotas no apartamento do Nico.

- Sente aí – ele me disse e eu sentei na ponta da cama ao lado de Rachel.

- O que ele quer? – sussurrei perguntando à ele.

- Não sei – ela respondeu e olhou sem paciência para Will. – Vai. Desembucha.

- Então... eu queria pedir um favor para vocês... – ele respira fundo. – Caso o Percy e o Jason derem piti...

- Piti, por... – Rachel diz.

- Nico e eu vamos nos assumir hoje e não sei direito qual vai ser a reação deles...

- Aleluia! – Rachel grita animada.

- Já estava na hora! Você ao menos nos contou sobre a viajem para Nova Orleans. Achamos que tudo tinha dado errado – digo tentando me manter séria.

- Ah sim... eu meio que esqueci disso – ele fica sem jeito.

- Tudo bem, mas você não deveria pedir para Piper acalmar o Jason. Eu não converso muito com ele, assim como a Rachel – digo.

- Eles não chegaram ainda. Só o Poseidon, Sally, Rachel e eu. O Nico disse que conversaria com a Piper e também temos a Thalia.

- Entendi. É mais fácil a Thalia segurar o Jason com um tapa do que com palavras – comento.

- Verdade... e então...?

- Vou fazer o possível – digo.

- Digo o mesmo. Não sei se fico apreensiva ou ansiosa por isso. Deuses. O Percy vai surtar – Rachel exclama colocando a mão a testa.    

- Nem me fale – Will choraminga.

- Vou descer lá... mal cheguei e já fui arrastada... – digo e saio do quarto.

 

Admito. Me perdi um pouco na casa. É um tanto quanto grande. Acabei encontrando Percy, na bancada da cozinha, escondido, comendo bolinhos com cobertura azul.

- Aha! – grito o surpreendendo. Percy dá um pulo e se vira assustado com a boca suja de glacê. Gargalho.

- Que susto, Sabidinha!

- Acha bonito comer escondido? Ainda mais o doce antes do salgado? – brigo irônica.

- Nunca sobra bolinhos... - ele reclama.

- Tadinho – brinco rindo e me aproximo limpando sua boca com um pano.

- Você já comeu os bolinhos da minha mãe, sabe como é...

- É eu sei – rio. – Então... para que eu não vá correndo contar para a sua mãe, que tal dividir um pouquinho?

- Está me chantageando? – ele me olha com as sobrancelhas arqueadas.

- Talvez.

- Você não iria me dedurar.

- Não sei – dou de ombros e sorrio maliciosa. Começo a andar devagar para trás.

- Não faça isso...

- Ah não? – ando um pouco mais rápido.

- Eu lhe dou uma caixa de bolinhos.

- Vou pensar... – ando ainda mais rápido.

Em pouco tempo estávamos correndo em círculos pela casa, rindo feito duas crianças. Obviamente, Percy, por ser mais alto que eu, conseguiu me alcançar. Conclusão, fiquei com o rosto cheio de glacê azul, porque ele não se contentou em apenas me pegar, mas sim passar toda a cobertura no meu rosto.

- Perseu! – exclamo enquanto ele ria sem parar.

- Você pediu por isso.

- Besta. – Percy me pega pela cintura.

- É meu charme – ele sorri sapeca.

- Vou ter que me limpar agora – reclamo tentando me desvencilhar dele.

Escuto um pigarreio.

- Então, essa é a famosa Annabeth! – escuto uma voz de homem exclamar. Olha só que maravilha, conhecer meu sogro com o rosto sujo de glacê azul. Olho brava para Percy e ele segura o riso.

- Olá, sr. Poseidon – digo sem graça tentando limpar, disfarçadamente, meu rosto.

- Olá, Annabeth, é um prazer conhece-la. Então... Percy, pode me explicar porque sua namorada está suja e porque eu tenho uma leve sensação que a culpa é sua?

- É, então pai, é que você sabe, minha mãe faz bolinhos incríveis e sempre acaba e eu fico sem...

- E?

- O Percy estava comendo escondido – digo rapidamente.

- Caramba, Annabeth! – Percy exclama. Sorrio maldosa. 

Poseidon olha para Percy, bravo.

- Tia Annie! – escuto uma criança gritar atrás de mim. Me viro e avisto Helena correndo em minha direção

- Oi, princesa! – a peguei no colo, animada.

- Por que você ‘tá suja? – ela pergunta deitando a cabeça.

- Seu irmão me sujou – expliquei e ela coloca as mãozinhas na boca.

- Que feio, Percy – ela se vira para ele com carinha de brava e cruza os braços.

- Nossa, que drama – Percy revira os olhos. – É só um pouquinho de glacê.

- Se é assim... – Poseidon diz e com uma rapidez esplêndida, pega o bolinho da mão de Percy e esfrega no rosto dele.

- Pai!

- É só um pouco de glacê, filho – Poseidon diz irônico. Gostei dele. Helena gargalhava da cara do irmão e eu fiz o mesmo. – Se eu fosse vocês, iria limpar o rosto, Sally não vai gostar muito de saber que estava comendo bolinhos antes da hora, Percy. E Annabeth, espero poder conhece-la um pouco mais durante a noite, conversei com seus pais e são pessoas maravilhosas.

 

- Digo o mesmo, senhor – sorrio timidamente.

 

- Tia, você vai dormir aqui, hoje? – Helena pergunta.

- Não, princesa, lembra que o meu papai e a minha mamãe, estão na minha casa? – ela assente com a cabeça. – Então, eu não posso deixá-los sozinhos no meu apartamento.

- Ah – ela diz triste.

- Não fique assim, quando eles forem embora, ai você pode ir lá, é que ele é pequeno e está todo bagunçado – expliquei calmamente.

- Tudo bem – ela responde cabisbaixa. Olho para Percy, buscando alguma ajuda. Nada. Penso um pouco.

- O que você acha de fazermos uma sessão pipoca com chocolate quente, semana que vem, lá no meu apartamento? – pergunto animada.

- Sério? – Helena indaga com brilho nos olhos.

- Seríssimo – sorrio e Helena pula animada.

- Oba! – exclama e sai correndo. – Vou falar para a mamãe!

Sorrio vendo Helena correndo para o gramado.

- Pelos deuses, Helena gosta mais de você do que de mim que sou irmão dela! Você tem noção do que é passar todos esses dias ouvindo se você iria passar o ano novo com a gente? – Percy diz nervoso.

- Está com ciúme cabeça de alga?

- Não – ele diz com a voz aguda. Se entregou.

- Ah claro.

- Que filmes planeja assistir? Princesa, não né?

- Você nem vai – digo segurando o riso.

- Como não!?

- Não, ué. Vai Helena e Rachel. Noite das garotas. – Percy faz cara de indignação.

- Está brincando, né?

- Nope. – ele solta os ombros.

- Nossa, Sabidinha – Percy diz chateado.

- Não fique assim.

- Achei que queria passar um tempo comigo, depois de semanas sem termos um tempinho juntos. – é muito drama.

- Deuses, você é muito dramático! – exclamo rindo.

- Não é drama, estou sendo realista.

- Está sendo dramático. Vamos ver se você irá merecer passar um tempinho comigo.

- Nossa, não sabia que havia começado a namorar com uma chantagista – Percy murmura.

- Não sou chantagista.

- É.

- Não.

- É.

- Não sou.

- É sim.

- Os dois são chatos, agora, eu quero um abraço da minha melhor amiga, que não vejo há tempos. – escuto uma voz conhecida e me viro surpresa.

- Piper! – exclamo surpresa e a abraço.

- Oi, Annie! – ela diz animada. – Ai que saudades!

- Digo o mesmo. Vocês demoraram para chegar!

- Estávamos no trânsito. Tudo parado.

- Caramba!
- Annie! – Thalia chega me abraçando.

- Thalia! – exclamo animada. Deuses, uma alegria que não cabe em mim.

- Até seus pais vieram!? – Piper pergunta admirada.

- Sim. Não é incrível?

- Muito. Seu pai parou de ser chato com o Percy ou continua na mesma? – Thalia pergunta.

- Meio que um pouco dos dois. Ele não está tão rígido, mas também não tira a carranca e não nos deixa ficar a sós um minuto se quer. E seu pai com o Luke?

- Está mais ou menos. A convivência fez eles aprenderem a ficar tranquilos, mas meu pai ainda não está muito à vontade com a minha mudança. Eles até conversam de vez em quando.

- Isso é muito bom! Agora, digam as novidades! – exclamo animada.

- Olá meninas, tudo bem? Quanto tempo. – Percy entra na conversa.

- Oi, Percy, estamos bem. Se nos der licença, temos algumas coisas a conversar com a Annie, sabe, colocar o papo em dia. Os meninos estão lá fora – Piper responde Percy, rapidamente, enquanto ela e Thalia, me arrastam para algum canto da casa. Escuto Percy bufar e o vejo seguindo para fora da casa.

 

PERCY POV

 

Faz mais de duas semanas que eu mal consigo ficar um tempo a sós com a Annabeth e jogar conversa fora. Uma coisa que nós costumávamos fazer era passar o tempo falando sobre teorias com relação ao nosso futuro ou qualquer outra coisa que ‘dê na telha’. Acontece que, desde que os pais dela chegaram e até um pouco antes, nós mal nos falamos ou ficamos no mesmo lugar. Minha mãe está na reta final de lançamento de um novo livro, então fica ocupada, isso faz com que eu tenha que ajudar nas coisas em casa, pois Paul está ficando quase o dia inteiro com sua mãe, ela está com uma idade avançada e ultimamente passou a ficar um pouco mais esquecida das coisas. Pode até parecer um pouco dramático, mas é complicado. Além de tudo, Rachel também passou a conversar mais com a Annabeth, assim como o Will. OU SEJA, Annabeth para todos, menos para Percy.

 

É, eu realmente estou muito dramático.

 

Ao ir para o lado de fora da casa, me deparo com Jason e Luke, animados e conversando.

- Oi – digo os cumprimentando.

- Hey, Percy! – os dois dizem em uníssono.

- O que houve? – Jason pergunta preocupado.

- Ah, cara. Faz dias que eu mal consigo ficar um tempo com a Annie, sempre tem alguém pedindo alguma coisa para ela ou para mim. Fora o pai dela que fica igual urubu quando está junto – reclamo.

Jason e Luke trocam olhares e eu não consigo decifrar.

- Fala sério que você acha que está passando pouco tempo com a Annabeth – Jason revira os olhos.

- Ah – é o único som que sai da minha boca assim que eu percebo que realmente o tempo que eu passo com Annabeth é muito maior do que o tempo de Jason e Piper. Faz meu “problema” ser comparado ao tamanho entre uma formiga e um elefante.

- E com relação ao pai dela ficar em cima... bem, eu estou morando com o meu sogro. Mesmo que a Thalia seja muito independente do sr. Zeus, não tem como ficarmos juntos sem ter o olhar matador dele. Mesmo assim, ele não cria muito problema, dormimos até no mesmo quarto – Luke diz tranquilamente.

 

- Você tem que desencanar um pouco, sabe, às vezes, ficar um tempinho longe um do outro até ajuda na relação – Luke diz prestativo.

- Ah, mas isso a gente até faz, Annabeth até me provoca. Além de ela querer sair de vez em quando, sozinha, ainda leva a Rachel e o Will. Eu não ligo, mas eles ficam cheios de piadinha interna depois e eu fico por fora – reclamo de novo. Nem eu me aguento mais. Estou parecendo um velho rabugento.

Jason e Luke gargalham.

- Credo, Percy, que ciumento – Luke diz secando algumas lágrimas. – chega a ser engraçado de tão dramático.

- Quando for assim, pode me ligar. Leo e eu quase nunca saímos. – Jason propõe.

- É... pode ser. Mas e então, mudando de assunto. Como estão as coisas do Leo com a garota da escola. Não nos falamos mais.

- Até que estão bem. Ele tomou coragem e a chamou para sair. Depois do primeiro encontro, eles vêm se falando bastante, mas o Leo consegue ser um lerdo e nunca avança um pouco mais. Ele é um pouco inseguro por causa de algumas coisas que aconteceram quando ele estava no colegial – Jason explica.

 

(...)

 

Depois de passados alguns minutos, as meninas se juntaram a nós e desenrolamos numa conversa animada.

Todos que estavam ali presentes conversavam sobre qualquer coisa.

Annabeth ficou contente por seus pais não ficarem deslocados e por fazerem amizade com grande parte dos meus familiares.

Vi, por alguns momentos, meu pai e o sr. Chase, conversando sérios. Sobre o que falavam? Não faço a mínima ideia, porém, tenho certeza que estão falando sobre meu relacionamento com Annabeth. Percebo isso pela carranca do sr. Chase. Eu nunca fiz nada de errado, porque ele continua assim? Em alguns momentos até a sra. Atena se junta à conversa.

 

Quando o relógio indicava quase 09:00pm. meu tio, Perséfone e meus primos, Nico e Hazel, chegaram à festa. Demoraram um bocado. Disseram que Perséfone demorou para se arrumar.

 

Estávamos acabando de jantar, quando meu tio Hades, bateu a faca na taça, levemente e chamou a atenção de todos.

 

- Acho que este é um momento maravilhoso para fazermos um anúncio – ele diz seriamente. Percebo Nico o devorando com os olhos e Will engole seco a comida. É impressão minha ou tem algo estranho?

Sinto Annabeth segurar minha mão por debaixo da mesa.

- Está tudo bem? – sussurro para ela.

- Sim, porque não estaria – ela diz desviando o olhar e tomando um gole de água. Ao meu lado, vejo que Piper faz praticamente o mesmo com o Jason.

- Pai, não é para tanto – Nico fala entre os dentes.

- Claro que é! Tem que apresentar à família, corretamente – meu tio diz e olha para mim e para Jason. Isso foi uma indireta por não termos feito uma devida apresentação de nossas namoradas? Acho um tanto constrangedor.

- Hades, se eles não se sentem à vontade em falarem assim, deixe-os que falem depois – minha mãe diz calmamente.

- Opa, eles quem? À vontade com o que? – pergunto sem entender.

- Percy, menos – Annabeth me repreende.

- Eu só quero saber. Agora eu estou curioso – digo.

- Eles já esperaram muito tempo para nos dizer o que se passava – meu tio diz e bebe um gole de vinho. Até parece que ele está achando graça da situação.

- Nico? – Jason se manifesta. – O que tem escondido? Vamos, fale!

De relance, vejo Annabeth e Rachel trocarem olhares preocupados, Thalia e Luke olhando a cena com um olhar que eu não consigo decifrar. Os outros presentes parecem não entender muito, assim como eu e Jason. Exceto por Will, que parece estar entrando em combustão.

- Will? Está tudo bem? – pergunto preocupado.

- Sim, claro, tudo ótimo. – ele toma um gole de água e olha para o Nico. Juro. Não estou entendendo mais nada.

- Nico – tio Hades diz sério. – Não nos deixe mais um ano sem saber dos acontecimentos da sua vida.

- hm, bem – Nico limpa a garganta. – Eu vou publicar meu primeiro livro daqui dois meses...

Todos ficaram felizes. Eu sorri alegre. Fiquei realmente muito feliz por ele. Nico, sempre foi muito reservado com seus livros e rascunhos, na verdade, nós nunca achamos que fosse dar em alguma coisa, mas com a ajuda de minha mãe, Nico deslanchou e me pareceu que estava evoluindo muito com a escrita. Agora que vai ser realmente concretizado, fico imensamente feliz.

Meu corpo trava quando escuto a frase seguinte saindo da boca de Nico.

- E Will e eu estamos namorando.

Silêncio. Foi isso que aconteceu quando aquilo que meu tio queria tanto que Nico falasse, foi dito.

- Vocês o que!? – esbravejo.

- Percy! – Annabeth me repreende segurando minha mão.

- Você é a pessoa que o Will falava? – indago incrédulo.

- Ele mesmo – Will responde tão baixo que eu mal ouvi.

Fico sem palavras. Como que eles puderam fazer isso!? Não que eu fosse o único ali que ainda não sabia, mas poxa, Will é meu amigo há anos, e escondeu todo o relacionamento dele com o meu primo. MEU PRIMO. Eu até entendo o Nico esconder, por conta de ainda achar que tem preconceito na família, mas Will? Eu achei que ele me contasse sobre as coisas.

- Por que não falaram antes? – Jason pergunta nervoso e sem entender.

- Justamente por causa da reação de vocês – Nico reclama.

- Vocês pararam para pensar que ter falado antes seria melhor? – Piper diz tranquila.

- É, talvez. – Will murmura e olha nervoso para o Nico.

- Eu que pedi para mantermos em segredo, mas aí foram acontecendo várias coisas e eu meio que esqueci – Nico fala sem jeito.

- Esqueceu!? Como que se esquece de uma coisa dessas? – pergunto nervoso e sem entender.

- Percy, deixe, agora já foi. Eles contaram e agora segue a vida – Annabeth diz calma segurando meu braço com firmeza.

Na hora eu me acalmei. Não queria que ficasse um clima tenso durante o ano novo. Além do mais, os pais de Annabeth estavam ali. O PAI da Annabeth estava ali, não podia deixar impressão de ser uma pessoa irritadiça.

 

Conversei com o Jason. E Luke ainda ficava falando para nós não fazermos nada...

 

Depois da contagem regressiva, fazer desejos e comer mais um pouco de doces, Jason e eu, puxamos Will e Nico para o quarto.

 

- O que vocês estão fazendo!? – Nico pergunta irritado.

- Percy, me desculpa, ‘ta legal? Vamos voltar – Will implora sem paciência.

 

Colocamos os dois sentado na ponta da cama e cruzamos os braços. Uma coisa que eu gosto do Jason, é que ele me acompanha nos momentos de “interrogatórios”. Principalmente quando se diz respeito ao Nico. O problema é e há dois anos, ele parecia escapar das nossas conversas, da mesma forma quando tentamos segurar um hamister.

 

- Por que vocês não falaram para nós? – pergunto tentando manter a calma.

- Ai caramba – Nico revira os olhos. -, já falamos, Percy!

- Esquecer não é resposta – Jason diz sério.

- Bem debaixo dos nossos narizes! – reclamo.

- Vocês são muito dramáticos – Nico reclama.

- Já pedimos desculpas, agora por favor, vamos descer – Will diz se levantando. Pego em eu ombro e o faço sentar de novo.

- Nos digam tudo, desde o começo – peço sério. Não posso perder a pose de primo ciumento e amigo que fica sem informações.

- Está tirando uma com a nossa cara? – Nico cruza os braços. – Não vamos contar tudo desde o começo.

- Vão sim. Principalmente os motivos que fizeram vocês fazerem coisas que ninguém entendeu. Como por exemplo, largar a faculdade na Inglaterra ou uma viajem inesperada sem acompanhante – digo.

Will respira fundo e olha para o Nico.

- Desembuchem – Jason diz irritado.

- Nós começamos a conversar e pronto – Nico diz rapidamente. – Não somos crianças para vocês ficarem fazendo isso!

 

Nesse momento, a porta do quarto é aberta.

- Não acredito que vocês estão fazendo isso! – Annabeth entra nervosa com Piper.

- Não estamos fazendo nada – me defendo.

- Estamos tendo uma conversa amigável – Jason diz sorrindo.

- Vamos sair daqui – Nico pega Will pela mão e sai correndo do quarto.

- Percy, eles não são crianças! – Annabeth diz irritada.

- Achei que fosse mais controlado, Jason! – Piper cruza os braços. – Eu venho de São Francisco para passar o ano novo com você, e você me larga lá em baixo para ficar tomando conta da vida do seu primo!

Outch. Essa doeu em mim.

Jason abaixa a cabeça envergonhado. – Me desculpa.

- Não façam mais isso. Eles estavam com medo, principalmente o Will – Annabeth diz séria.

- Eu fiquei chateado com ele. Sempre contei tudo à ele – digo.

- Eu sei que você conta tudo – Annabeth diz sorrindo. – Mas não quer dizer que ele se sinta confortável em contar algumas coisas, nem a Rachel sabia.

- Queria entender porque eles não falaram nada, ninguém iria condená-los por isso – digo cabisbaixo.

- Eu achei que Nico me contaria... – Jason diz pensativo.

- Vocês são muito chatos, credo – Piper reclama. – Já passou, eles contaram e agora está tudo resolvido.

- Tenho a impressão de que vocês já sabiam de alguma coisa – digo desconfiado.

- Não, claro que não – Annabeth diz. Mentirosa.

- Você é uma péssima mentirosa – digo cerrando os olhos.

- Piper... – Jason começa.

- Eu fiquei sabendo só hoje, nem vem! – ela se defende. Piper vai ser advogada, é claro que ela sabe como mentir ou omitir alguma coisa muito bem.

- Você sabia e não me contou, Sabidinha!?

- Eu descobri, é diferente de quando me contam. Se eles não queriam contar, não seria eu quem deduraria – ela se defende.

- Como descobriu?

- Ah, foi muito fácil, vocês que são lerdos! Era só encaixar as coincidências – ela explica como se fosse óbvio.

- Não sei se fico admirado ou com raiva de você!

- Fique admirado, se você ficar com raiva de mim, provavelmente não terá algumas coisas que posso lhe proporcionar – Annabeth diz colocando suas mãos em meus ombros. Penso um pouco. “O que ela quis dizer com isso?”

Annabeth fica com cara de quem mal consegue acreditar em tamanha lerdeza.

- Ah – é a única coisa que sai de minha boca quando eu entendi o que ela quis dizer.

- Acho melhor sair daqui, o teor da conversa está ficando um pouco... pesada – Piper começa a falar arrastando Jason para fora. – Não se esqueçam que os pais de vocês estão lá em baixo!

- Me admira sua tamanha inteligência, Sabidinha – digo sorrindo.

- Você é muito besta – ela ri.

- E você me ama – afirmo.

- Claro – ela diz e coloca as mãos por trás do meu pescoço. – Meus pais foram convidados para dormir aqui e pelas minhas contas, vai ficar faltando um quarto – ela sussurra em meu ouvido.

- Acho que teremos que voltar para o seu apartamento – respondo.

- Acho que sim... – Annabeth ri cúmplice.

 

Primeiro Ano Novo, juntos...

 

(...) Quebra de tempo.

 

 

ANNABETH POV

 

Percy e eu estávamos saindo do apartamento e indo rumo à casa da Rachel. Depois de quase três anos namorando, ele praticamente mora comigo, só falta dizer oficialmente. Já tinham cuecas, escova de dentes, meias e dias gritando para ele abaixar a porcaria da tampa do vaso, fazendo parte da minha vida.

 

Está um belo domingo. A primavera é maravilhosa. Durante o caminho, observo as árvores florescidas, os pássaros cantando, parece até cena de filme. A única coisa que achei estranho foi o fato de meus pais não terem me ligado hoje, normalmente eles ligavam logo pela manhã, e por já ser tarde... é um pouco estranho. Tento relevar, pode ser que eles estejam ocupados com alguma coisa.

 

- Está tudo bem? – Percy pergunta preocupado antes de apertar a campainha.

- Sim... só fiquei um pouco preocupada com os meus pais – digo sorrindo nervosa.

- Não fique, está tudo bem – ele me abraça protetoramente.

 

Ouvimos um “Já vou!” vindo de dentro da casa depois de apertarmos a campainha. Depois de alguns minutos, Rachel abre a porta ofegante e com os cabelos ligeiramente desarrumados.

 

- Está tudo bem? – pergunto preocupada.

- Sim... eu achei que o Robert conseguiria dar conta de dar banho na Bárbara, mas acho que eu estava errada. O banheiro parece uma zona de guerra – ela diz recuperando o fôlego.

- Pelo menos ele conseguiu um pouco? – Percy pergunta.

- Bem pouco, eu estava terminando enquanto ele arrumava o banheiro.

- E o que ele está fazendo agora? – pergunto com medo da resposta.

- Tentando colocar uma roupa nela.

- Rachel! Socorro! – ouvimos Robert gritar. Rachel suspira cansada.

- Acho melhor você ir ajudar – digo olhando para cima.

- Já volto – ela diz correndo para a parte de cima.

- Você acha que eles evoluíram em alguma coisa? – Percy pergunta pensativo.

- Não sei, mas já sabe qual vai ser a resposta se perguntar.

- Seria bom se ela ficasse com ele – Percy diz pensativo.

- Você sabe que ela não precisa disso, ela tem se virado bem – expliquei. Rachel tem se mostrado uma ótima mãe. Ela voltou para a universidade depois de ter trancado, mas não trabalha mais na biblioteca.

- É...

- Aqui vai a neném mais linda de Nova Iorque – Robert desse as escadas segurando Bárbara, igual ao filme do Rei Leão.

- Deuses, você vai derrubar essa criança – digo preocupada.

- Eu já cansei de falar isso – Rachel diz se sentando no sofá.

- Ela gosta, isso é o que importa – Robert diz brincando com a garota. Bárbara gargalha.

- Oi, linda da tia! – digo a pegando no colo. – Você está ficando enorme!

Bárbara coloca as mãos em meu rosto. Ela é uma cópia de Rachel, exceto pelos olhos e são castanhos claro.

- Tia – ela diz desajeitada.

- Viu só, Percy! Ela falou ‘tia’ – digo animada.

- Peixinho – Bárbara diz enrolado e coloca uma das pequenas mãozinhas no rosto de Percy. Seguro o riso.

- Não acredito que você fez isso – Percy diz olhando para Rachel.

- Desculpa – ela diz segurando o riso.

- Veja, pelo menos ela aprendeu a falar – Robert pontua.

- Ah claro, e agora eu sou um peixinho – Percy revira os olhos.

- Pare de reclamar, Cabeça de Alga – digo apertando suas bochechas. – Você é um peixinho, mesmo.

- Nossa, Annie, você tinha que me ajudar!

- Tinha, mas é mais legal vê-la falando ‘peixinho’.

- Engraçados vocês, nossa.

 

(...)

 

Passamos a tarde toda brincando com Bárbara e jogando conversa fora.

Ajudei Rachel a arrumar o quarto da pequena, enquanto ela ficava com os meninos.

- Então, como vão as coisas? – pergunto com o sorriso malicioso.

- Não vamos entrar nesse assunto – Rachel reclama.

- Eu só fiquei curiosa. Ele não sai mais daqui.

- Ele me ajuda...

- E lhe faz companhia.

- Sim, claro. Mas esses não são motivos para que a gente evolua para outra coisa.

- Tudo bem, eu entendo.

- Eu tive tantos relacionamentos fracassados que acho melhor não ter mais. Amizade é melhor, e acho que me machucaria menos se acontecesse alguma coisa.

- Você sabe que não pode pensar assim – digo tranquila.

- Eu sei, mas é quase inevitável. Prefiro que sejamos só amigos, Bárbara adora ele.

- Okay... não irei mais tocar nesse assunto.

Rachel sorri agradecida.

- Annabeth. – Percy entra nervoso no quarto.

- O que foi? – pergunto preocupada. Ele me abraça. Muito forte, como se algo muito ruim fosse acontecer. – Percy, você está me assustando.

- Ligaram no seu celular, eu atendi e...  – ele para.

- Percy, o que está acontecendo? – sinto minha voz ficando trêmula.

- A sua mãe, ela...

- Ela o que? Percy! – grito.

Percy engole seco e vejo algumas lágrimas botando em seus olhos.

- Ela e seu pai foram assaltados num restaurante. A sua mãe foi pega de refém e ela... faleceu.

 

Perdi o chão. Entrei em choque, não sabia o que fazer. Queria acreditar que era uma brincadeira de mau gosto. Como assim? Minha mãe morreu? Eu falei com ela antes de ir dormir. Nós conversamos sobre o meu namoro e em como estava feliz por mim. Meu pai entrou no meu da conversa e disse que acabaria com Percy se ele me machucasse de alguma forma, claro que ele estava brincando. Eles estavam felizes, indo jantar no restaurante preferido da minha mãe, comemorando 35 anos juntos.

Senti os braços de Percy me abraçarem. Agarrei sua blusa e chorei. Muito.

- Não posso acreditar – dizia para mim mesma.

Creio que em momentos como este, não há muito o que fazer. Para mim, só por Percy estar ali comigo, já me ajudava, não havia necessidade dele falar alguma coisa. Queria que ele só me abraçasse.

- E o meu pai? – pergunto com medo.

- Não sei.

- Por que, Percy? Minha mãe, ela nunca fez nada de ruim. Me diga que é mentira – eu suplicava sentindo dor.

- Eu queria poder lhe dizer alguma coisa... mas não consigo – ele diz triste. Ele pega meu rosto e me olha nos olhos. – Saiba que eu te amo muito e vou estar aqui com você em todos os momentos.

Abraço-o novamente, como se ele fosse a pilastra que não me deixaria cair. 


Notas Finais


Então, o que acharam?
Estou sentindo falta de alguns leitores que sumiram! Cadê vocês, meu povo?
Favoritem e comentem, por favor? Isso me motiva a continuar!
Indiquem a fic para os amiguinhos, coloquem a fic na lista de leitura (para aparecer notificação de cap novo), ou podem me seguir... eu posto outros textos sem ser fanfic.
AMO VOCÊS!
APAREÇAM, LEITORES FANTASMAS!
Beijinhos azuis e amarelos <3 <3 <3
*Se tiver algum erro, me avisem*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...