1. Spirit Fanfics >
  2. Primos?! >
  3. Especial jikook (part.II) - contém hot.

História Primos?! - Capítulo 37


Escrita por:


Notas do Autor


"Quando a boca não consegue dizer o que o coração sente, o melhor é deixar a boca sentir o que o coração diz."

William Shakespeare

Capítulo 37 - Especial jikook (part.II) - contém hot.


Fanfic / Fanfiction Primos?! - Capítulo 37 - Especial jikook (part.II) - contém hot.

•Jeon Jungkook•

Existe um provérbio chinês que diz que fios invisíveis conectam aqueles que estão predestinados a encontrar-se, independentemente do tempo lugar ou distância, o fio pode esticar-se e emaranhar-se mas nunca romperá, talvez tenha sido destino eu não sei, só sei que em algum momento me vi olhando Park Jimin com outros outros.

Em uma primavera qualquer, em uma conversa casual em meio a nosso grupo de amigos rodeado por uma brisa quente eu o olhei pela primeira vez, não como quem conhece um total estranho, Jimin e eu já éramos bem próximos, mas como alguém que depois de muito tempo dormindo acorda de um coma. Era assim que eu me sentia, como alguém que só agora havia notado o mundo ao seu redor.

Como nunca havia notado o quanto sua pele era macia? ou como seus lábios carnudos ficavam rosa com facilidade? ele falava sobre um trabalho da faculdade mas tudo o que eu conseguia notar era seus cílios volumosos, seu cabelo sedoso e seu nariz pontudo e fofinho, a forma como ele faz bico quando está concentrando em algo, seu maxilar bem definido que se curvava em um pescoço tão delicado, oh não, eu se quer havia notado o quão mágico Park Jimin era. Ele era o mais dedicado de nós, o mais carinhoso e gentil, como não notei antes o quão doce era? Ele era como uma brisa quente da primavera ou um chocolate quente no inverno, sempre tão acolhedor.

Eu sempre gostei de curtir a vida. Sempre gostei de aproveitar cada momento e isso me fazia viver intensamente. Gostava de festas, sexo e muita diversão, confesso. Eu sempre fui o mais novo dos meus amigos, então de alguma forma queria ser a energia do grupo, aquele que desperta o lado mais jovial e extrovertido de todos. Porém depois de me dar conta que nada mais daquilo conseguia me satisfazer eu não vi outra solução do que me tornar o mais novo devoto de Park Jimin. Eu realmente estava tomado pelo impulso de ser o seu mais novo chofer se ele quisesse. Eu não me importava da posição que ele me colocasse desde eu pudesse o ter por perto, só que a medida que esse sentimento crescia dentro de mim grandes dúvidas também tomavam conta do meu ser, que sentimento é esse que me une a Park Jimin afinal?

- você come de mais. - ele fez bico.  - vai ficar doente ainda.

Naquele fim de tarde sedento por sua companhia e ansiando muito um pouco de sua atenção eu havia o convidado para vir a minha casa e menti descaradamente dizendo que os nossos demais amigos não puderam vir e por mais que o tenha enganado eu não me sentia culpado, muito pelo contrário, eu me sentia mais do que feliz por tê-lo somente pra mim naquela noite.

- eu não almocei. - falei a verdade.

- e porque não comeu? - ele me olhou sério, quase como uma mãe prestes a dar uma bronca em um filho.

- não gosto de almoçar sozinho. - confessei e voltei a tomar meu refrigerante.

Por mais que eu amasse toda a liberdade que tinha haviam momentos em que eu me sentia só, as refeições por exemplo. Meus pais eram pessoas muito compreensivas e amorosas e eu sabia que se estavam longe era porque era necessário pois ambos eram médicos e agora estavam em uma missão humanitária em um outro país. Eu cresci em berço de ouro e era acostumado a boa vida, confesso, meus avós tanto maternos quanto paternos eram de uma alta posição na sociedade e ambas as famílias tinham um poderio financeiro capaz de comprar metade de Seul. Apesar das missões humanitárias que faziam, meus pais ambos eram diretores de uma clínica particular que levava o meu sobrenome, então sim, eu era mesmo muito privilegiado. Porém desde criança graças a boa educação de meus pais aprendi a ser humilde e a reconhecer quem estava comigo por interesse o que não era o caso dos meus melhores amigos.

- por que não foi almoçar comigo na minha casa? - ele disse calmamente.

- eu posso? - olhei pra ele esperançoso.

- sempre que quiser Jung. - Jimin sorriu.

- irei comer todo dia então.  - sorri.

- minha mãe vai adorar. - ele sorriu novamente.

O olhei contente e voltei a comer minha pizza.

- você ainda faz aula de dança escondido aos sábados? - disse com a boca meio cheia.

- sim. - ele suspirou.

- hum... deve ser complicado estudar e trabalhar e aos fins de semana ainda ir pras aulas de dança. Não sei como consegue. - disse pondo fim ao meu lanche.

- por incrível que pareça eu renovo as minhas energias quando danço, quando eu vou pra aula eu me sinto mais feliz e renovado.

- uau você realmente gosta de dançar afinal.

- sim. - ele sorriu orgulhoso.

- Jimin me ensine algum passo de dança. Eu realmente sou um fracasso. - eu tinha tanta admiração por Jimin que as vezes queria ser um orgulho pra ele assim como ele era pra mim.

- o que quer que eu te ensine? - ele falou se levantando.

- não sei.. me mostre o que você sabe.

- okay. Eu vou te mostrar um pouco da coreografia que estamos ensaiando pra apresentação que faremos daqui a três meses.

- ótimo. - disse me levantando animado. - vamos afastar os móveis da sala. - comecei a arrastar o sofá pra dar lugar pra ele.

Afastamos os móveis e logo ele colocou uma música pra tocar no aparelho de som da sala.

- o nome dessa música é ... - ele disse assim que a música começou a tocar.

Seus movimentos eram tão precisos que me deixavam hipnotizados. A forma como seu corpo parecia sincronizado a música e como cada músculo parecia se movimentar de forma graciosa e leve me prenderam. Ele realmente amava a dança, dava pra ver pela forma como seus olhos se fechavam em total devoção ao que ele estava fazendo, ou como seu rosto transparecia calma e concentração. Conforme a música ia rolando vendo aquela dança e a forma como seu corpo se movimentava senti além de admiração uma ponta de excitação tomar conta do meu corpo, eu olhava seus passos meticulosos e sentia o corpo todo esquentar sentindo o estímulo pelo mais puro desejo de toca-lo. Tomado pela adrenalina eu não pensei muito sobre o que estava fazendo quando atravessei a sala até onde ele estava nos pondo  frente a frente interrompendo sua dança. Ele me olhava confuso mas parecia tão sem palavras como eu, em seu olhar eu via um brilho estampado em sua pupila e ainda em silêncio coloquei a mão em seu peito e ele fez o mesmo sem cortar contato visual, ficamos ali parados sentindo o coração do outro bater freneticamente na palma de nossas mãos e quando a emoção já era tão alta quanto a eletricidade que jorrava do nosso contato eu já não suportei e aproximei nossas bocas as colando lentamente.

Naquele momento nada mais importava, se aquilo era errado ou não eu já não mais ligava. Só seus lábios importavam, só saber que ele estava ali e comigo fazia me sentir preenchido. Um beijo tão calmo e carinhoso que dizia por mais que em silêncio mais do que se queria dizer, eu segurei em sua cintura e a outra mão coloquei em seu rosto aproveitando cada momento de seus lábios doces e carnudos nos meus. Lhe beijei com tanta paixão e intensidade que podia e quando aquilo já não me bastava coloquei a língua em sua boca sentindo a sua a tocar deliciosamente. Não era como em uma briga onde as duas se tocam incansavelmente e sim uma dança onde ambas participavam. Então essa era a sensação de beijar alguém que você deseja com tanta intensidade. Então realmente não me restavam dúvidas, aquilo era amor.

- Jung.. - ele respirou pesado tombando a testa na minha.

- por favor não diga nada. - falei tentando recuperar o fôlego.

Ele balançou a cabeça concordando e então se afastou andando calmamente em direção aos quartos. O entendi muito bem e o segui calmamente sem dizer nada.  Entramos no quarto dos meus país que obviamente era o maior e mais bonito da casa e eu entrei fechando a porta onde ele já tirava o casaco o jogando no chão.

- Jimin.. - falei com a voz quase emocionada.

- não era pra falar nada se lembra? - ele encarou o chão.

- tem certeza? - falei quase sussuando pegando em seu rosto.

- absoluta. - ele me olhou e colou seus lábios aos meus.

O peguei no colo entrelaçando suas pernas em volta de meu quadril e sem cessar o beijo o joguei na cama, delicadamente deslizei os dedos sobre sua camiseta até o cós de sua calça abrindo seu  botão e zíper.

- Jungkook eu estou nervoso. - ele confessou respirando pesadamente.

- eu também estou. - o encarei. - acho que isso é novo para ambos hum? - Beijei seu pescoço.- quer mesmo continuar? - perguntei em seu ouvido e senti sua pele arrepiar sobre meus lábios quando lhe dei outro beijo.

- quero.. jungkook é minha primeira vez... e-eu realmente nunca fiz isso, nem com uma mulher. - ele falou timidamente e  mordeu o lábio quando eu o encarei.

- farei o possível pra nunca se arrepender dessa escolha Jimin. - sorri lhe beijando novamente.

Tirei sua camisa e suas calças junto com sua box calmamente e ao ver seu corpo nu completamente exposto para mim eu senti o membro entre minhas pernas latejar dolorosamente. Eu poderia gozar só com a visão de seu corpo esbelto e curvilinho. Era perfeito, tudo nele era perfeito e eu queria tocar sua pele macia e cheirosa com a língua até saborear cada pedaço seu e assim fiz mansamente. Tão necessitado quando eu ele se contorcia e gemia cobrindo o rosto enquanto eu o chupava todo  como se fosse um picolé em um dia quente. Sem pudor algum eu coloquei seu membro todo na boca mas antes dele se desmanchar parei e lambi seus mamilos dando uma leve mordida lhe arrancando um gemido alto.

Tirei minha camisa e o restante das roupas que usava ficando sobre ele com todo o peso do meu corpo e agora livre de qualquer roupa. A sensação dos nossos corpos quentes em contato um com o outro era maravilhosa e nossos membros se roçavam bem devagar, necessitado aumentei a velocidade dos movimentos e agora flexionando meu membro contra o dele com mais intensidade eu já não suportava mais e acabava soltando gemidos abafados. Nossos gemidos se misturavam e ecoavam pelo quarto assim como o barulho dos nossos corpos e dos beijos estalados e mordidas nos lábios um do outro.

- jungkook aaah... Eu quero te sentir.. dentro de mim. - Jimin falou arfando de excitação.

- Jimin... - quase sussurei cogitando a hipótese de acabar o machucando.

- por favor.. - ele sussurrou em meu ouvido.

O beijei calorosamente e em seguida sai de cima dele. Sem saber muito o que fazer abrir a gaveta do criado mudo e pra minha surpresa não achei nenhum preservativo ali.

- eu vou até o closet ok?

Ele balançou a cabeça e eu segui até o enorme closet dos meus pais em busca de preservativo ou lubrificante, qualquer coisa que me ajudasse a não machucar meu parceiro. Abri algumas gavetas e nada. Revirei tudo até que na gaveta de calcinhas da minha mãe encontrei preservativos lubrificantes e um vibrador? Sorri ao ver o objeto e peguei apenas o lubrificante e um preservativo. Caminhei novamente até a cama me deparando com Jimin de quatro se masturbando sobre a cama. Aquilo foi mais que um estímulo pra mim e eu senti meu membro latejar em desespero ao me deparar com aquela cena. Coloquei o preservativo e passei o lubrificante apesar da camisinha já ter.

- posso? - perguntei mais uma vez pra ter certeza se ele realmente queria isso.

Ele balançou a cabeça para cima e para baixo e se apoiou no colchão. Passei o lubrificante em sua entrada e acariciei com o dedão fazendo movimentos circulares até quando forcei o dedo a entrar. Ele soltou um suspiro e eu continuei indo devagar.

- você gosta assim hum?

Ele concordou com a cabeça.

- você já usou os dedos antes em?

- já.. - ele falou baixinho. - eu fazia isso pensando em você.

Fiquei em êxtase com suas palavras.

- o que você pensava? - coloquei dois dedos em sua entrada lhe arrancando um gemido alto.

- eu pensava em você me fodendo com força. - ele gemeu quando lhe depositei um tapa bem dado nas nadegas.

- assim? - movimentei os dedos indo e voltando com mais velocidade lhe arrancando gemidos altos, ele apenas concordou. - está pronto hum? Pra sentir meu pau te invadir?

- sim.. - senti seu nersismo. 

- não precisa ficar nervoso. Eu serei gentil. - lhe dei um beijo nas costas e posicionei meu pênis em sua entrada o invadindo bem devagar.

Ele o apertou instintivamente e eu gemi alto sentindo seu aperto. Continuei devagar e ele mordeu os lábios segurando firme o lençol da cama.

- está tudo bem? Posso colocar tudo? - perguntei preocupado.

- é... muito.. grande.. po-pode..

Gentilmente beijando suas costas o preenchi por inteiro lhe arrancando um gemido sôfrego. Ele abaixou a cabeça a tocando na cama e vi lágrimas molharem seu rosto.

- eu te machuquei? - perguntei sem me mover mais.

- espere... um pouco..antes de tirar. - seu gemido de dor me apavorava e eu fiz o que ele pediu e esperei até tirar.

- Jimin está doendo muito? Eu te machuquei? - olhei pra ele preocupado e seu rosto vermelho e molhado de lágrimas me assustaram.

- desculpa. - ele disse cobrindo o rosto com as mãos. - eu quero tanto isso.. por favor não vamos parar agora. - ele me olhou cheio de força de vontade.

- já sei.. que tal um banho quente hum?

Ele concordou com a cabeça e tentou levantar mas acabou soltando um gemido ao ficar em pé. Sem pensar muito o peguei no colo levando até o banheiro onde liguei a ducha quente entrando junto com ele debaixo ainda com ele em meu colo. A água quente o relaxou e logo ele se pôs de pé com as costas apoiadas na parede onde começamos um beijo quente e calmo. Passei a mão sobre seu peitoral e segurei com possessão sua cintura fazendo seu corpo se chocar contra o meu roçando meu membro duro contra o dele. Em seguida o  peguei no colo e o emburrei contra a parede segurando pouco abaixo de seus joelhos o fazendo ficar de pernas abertas.

- está pronto? - olhei em seus olhos.

- sim. - ele concordou balançando a cabeça para cima e para baixo.

Encaixei meu membro em sua entrada apertada e soltei um gemido alto enquanto lhe invadia. Ele fechou os olhos e eu o beijei calmamente até o invadir por completo lhe mordendo o lábio inferior enquanto ele se acostumava com a dor mais uma vez. Comecei a me movimentar bem devagar e pra minha surpresa ele também movimentou o corpo indicando que eu poderia prosseguir. Cuidadoso comecei os movimentos de vai e vem contínuos olhando em seus olhos e beijando sua boca que vez ou outra se abria soltando um gemido abafado.

Alguns minutos me movimentando lentamente e logo ele estava completamente entregue segurando em meus ombros arranhando minha pele com suas unhas enquanto com a cabeça em seu pescoço eu gemia seu nome pausadamente o penetrando devagar porém cada vez mais fundo.

Aceitei algo dentro dele que fez sua cabeça tombar sobre meu ombro onde ele me mordeu não com tanta força indicando que eu estava no caminho certo. "Não pare" ele disse baixinho enquanto eu o penetrava mais rápido e com mais força. Saí de dentro dele pra entrar logo em seguida o estocando com força o fazendo gemer alto e arrastado, meu corpo todo estava cansado mas mesmo assim eu queria continuar ali até onde meu limite permitisse só pra aproveitar aquele momento até que ouvi seu gemido alto falando palavras sem sentido e seu gozo me molhar, não aguentei a sensação de vê-lo gozando e acabei gozando dentro dele chamando um palavrão tão alto quanto se poderia imaginar. Fechei os olhos e sai de dentro dele o beijando calmamente e delicadamente.

- isso.. foi incrível. - disse ainda tentando respirar.

- sim.. - ele suspirou soltando um sorriso singelo.

Tentei o colocar no chão e ele mal conseguia ficar em pé, o ajudei a tomar banho e me lavei também, o peguei no colo e levei até a cama o enxugando com uma toalha limpa.

Fui até meu quarto vesti apenas uma cueca e peguei uma camisa e box minhas e lhe ajudei a se vestir. Vê-lo usando minha camisa que ficava pouco acima de seu joelho me deixou excitado porém respirei fundo contendo meus pensamentos pois ele não tinha condições de fazer aquilo novamente por enquanto. Deitei com ele e nos cobri com o edredom grande.

- jungkook... - ele falou manhoso me abraçando. Acariciei seu rosto e sorri.

- sim? - beijei sua testa.

- eu.. gosto de você. - ele disse fechando os olhos muito cansado.

- eu também gosto de você Jiminie.. gosto muito. - sorri lhe abraçando cheirando sua cabeça, ele sorriu e logo caiu em sono profundo.

Mesmo não acreditando tão facilmente em tudo, naquele momento com Park Jimin em meus braços eu agradeci ao destino por nossos fios invisíveis terem se entrelaçado e nos juntado, agora eu só queria me permitir o amar cada vez mais sem medidas ou receios.


Notas Finais


• na parte que o Jimin fala o nome da música deixo a critério de vocês a escolha. Eu realmente pensei muito qual música seria perfeita pros dois mas eu não consegui chegar em um consenso. Qual música vocês acham que seria perfeito pro momento?

E aqui acabamos o especial jikook, espero que tenham gostado de saber um pouco sobre o Jeon através de seu ponto de sua perspectiva, eu queria muito saber o que acharam do capítulo, não fiquem tristes que ainda teremos notícias dos jikook no decorrer da história.
Desculpem a demora pra postar, o spirit deu um bugue e eu não conseguia ver minhas histórias e após desinstalar, instalar de novo e atualizar parece que voltou ao normal.

Vocês já voltaram as aulas? É minha última semana de férias :(
Dia 17/02 começam as aulas e eu terei que voltar pra faculdade.
As coisas vão ser complicadas mas não se preocupem que minha meta de não falhar com vcs está de pé e eu irei sim postar os capítulos sempre que puder.

• Spoiler : Próximos capítulos as coisas ficarão tensas entre namjoon e isa.

Ainda não sei quando vou postar mas acho que não vai demorar muito. Agradeço o apoio de alguns de vocês que sempre comentam e me mandam msg.

~ nos vemos no próximo capítulo. ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...