História Princes of the Night - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Chanbaek, Hunhan, Kaisoo, Sulay, Taoris
Visualizações 409
Palavras 4.070
Terminada Sim
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 11 - Passado


Pov Minseok.

O desespero tomava conta do local.

Queríamos voltar e achar Baekhyun, mas sem Jongdae não podíamos fazer nada e mesmo que ele acordasse agora não teria condições de voltar. E provavelmente quando chegássemos lá, não haveria ninguém.

Meu coração se apertou com o desespero de imaginar o que poderia fazer com Baekhyun.

Yixing já havia curado Jongdae, mas ele ainda permanecia desacordado em meus braços.

Observei o rosto pálido de Chanyeol.

- Ele é meu companheiro de sangue. – ele sussurrou e a tristeza tomou conta de mim.

- Nada irá acontecer com ele Chanyeol. – Yifan falou firme mas pude ver a incerteza em seu olhar.

- Eu devia tê-lo protegido. – ele falou desesperado.

A agonia em seu interior era palpável.

- A culpa é minha. – Luhan chorava baixinho e Kyungsoo o abraçou.

- Não é meu anjo, qualquer um de nós faríamos isso por você! – ele afirmou e eu sabia que era verdade - Baekhyun sempre cuidou de você, ele não faria diferente – Kyungsoo falou em uma calma que me assustou.

Achei que ele seria o mais desesperado.

- Chanyeol. – Kyungie o chamou e Channie ergueu a cabeça com os olhos marejados de vermelho o encarando.

- Baekhyun está vivo e bem. – ele afirmou e eu olhei surpreso.

-Como...? – minha pergunta morreu no meio.

- Eu posso sentir. – ele suspirou – Faz parte do meu dom, eu vejo mais do que vocês podem ver, Baekhyun esta bem e de alguma forma ninguém pode toca-lo. – ele falou confuso como se ele próprio não pudesse entender.

Eu assim como todos encarei Kyungsoo sem entender.

Jongdae se mexeu chamando minha atenção. Seus olhos foram se abrindo lentamente. Ele piscou algumas vezes tentando se acostumar com a claridade. De repente seus olhos se arregalaram provavelmente se lembrando de tudo que aconteceu. Ele sentou no sofá em um pulo e se virou para mim. Ele se jogou em meus braços me tocando de forma afoita.

- Você esta bem? – ele perguntou ansioso e eu sorri carinhoso acariciando seus cabelos.

- Estou meu amor, obrigada por salvar minha vida mas nunca me assuste desse jeito. – sussurrei em seu ouvido inspirando seu cheiro que me acalma.

Ele se separou de mim depositando um beijo em minha bochecha.

Engoli em seco vendo seus olhos correrem pela sala.

- Cadê o Baekie? – ele perguntou confuso.

Merda.

- Amor. – o chamei fazendo-o me olhar – Amor, ele ficou para trás. – sussurrei e Jongdae desapareceu na minha frente em segundos.

- Merda! Merda! – gritei desesperado – Ele esta fraco. – falei preocupado.

- Ele precisa fazer isso Minseok. – Tao falou baixinho me acalmando.

Suspirei frustrado.

Eu precisava fazer algo.

E me aproximei de Chanyeol que estava sentado com as mãos na cabeça.

Ergui seu rosto o fazendo me olhar.

- Nós vamos trazer Baekhyun de volta. -  falei firme – Mas agora eu preciso do Vampiro Chanyeol, eu sei que é quase impossível, mas eu preciso. – falei firme e ele me fitou afito por um momento e fechou os olhos, suas mãos foram em seu rosto limpando qualquer rastro de lágrimas que tinha ali.

Ele abriu os olhos e não demonstrava nenhuma expressão.

Eu precisava dele assim.

Me levantei bem a tempo de Jongdae aparecer caindo fraco em meus braços.

O segurei apertando em meus braços.

- Não tem ninguém mais lá. – sua voz carregava uma culpa que eu queria tirar de si.

- Amor, o Kyungie através do dom dele viu que Baekie esta bem, porém temos que salva-lo. – murmurei calmamente - Por isso preciso que se mantenha firme ok? – falei baixinho acalmando.

- Kyungie, ele ta bem? – Jongdae perguntou baixinho em busca de certezas.

- Sim, eu sinto... Baekhyun esta bem – Kyungie afirmou sem hesitar e Jongdae relaxou em meus braços.

Virei o rosto e vi a determinação nos rostos de meus irmãos.

Traríamos Baekhyun de volta.

- Precisamos de informações e pistas. – Yifan ditou e eu concordei.

 - Vamos lá pessoal! – o incentivo de Joon me motivou - Algum detalhe que pode ter passado despercebido – Joonmyun falou pensativo.

- A guerra. – Tao falou nos chamando atenção – Nos conte sobre a guerra. – ele pediu e eu troquei olhares com meus irmãos.

- Então vamos contar do início. – incentivei os rapazes - Toda nossa história. – falei sentando no sofá e puxei Jongdae para que ele se aninhasse em meu peito.

- Primeiramente. – Yifan balançou a mão calmamente - Me apresentando da forma certa venho do reino vampiro segundo filho dos reis dos vampiros Naya e Jungmin, o filho mais velho é  Yunho que tem 1800 anos, eu Yifan o segundo que tenho 1500 anos, depois  MinSeok com 1300 anos, Joonmyun com 1000, Chanyeol com 950, depois Jongin com 900 e o mais novo é o Sehun com 800, fomos humanos até nossos 20 e ai quando sofremos a transição que vocês já sabem e nos tornamos vampiros. – Yifan falou abraçando Tao e eu fitei o olhar curioso os meninos.

- Crescemos em um reino de paz e harmonia, nosso pai era um bom líder e sempre fomos uma família unida, nunca faltou nada para nós, vivíamos em um reino aonde companheiros de sangues e vampiros viviam em sociedade perfeitamente bem, fomos adolescentes comuns daquela época e nos divertíamos muito, era tudo perfeito. – Joonmyun falou com um sorriso perdido em lembranças.

Me senti nostálgico.

- Tínhamos muitos amigos e sabíamos nos divertir, mas eu tinha um amigo especial, Taemin, era meu melhor amigo, mas ele não me via dessa forma cismou estar apaixonado por mim, e foi aí que o inferno começou. – Jongin falou de forma fria atraindo a atenção de todos e eu abaixei o olhar triste pelas lembranças – Taemin cismava estar apaixonado por mim, ele era um companheiro de sangue e dizia que um dia se ligaria a mim, eu neguei, pois para mim sempre foi amizade, ninguém sabia dessa paixonite dele por mim. – sua voz soou cansada como se aquelas lembranças fossem um peso que ele carregava a muito tempo - Um dia logo após sofrer minha transição, nós andávamos muito preocupados pois Chanyeol não estava reagindo bem a transição, ele havia se tornado vampiro mas por algum motivo seu corpo não aceitava sangue, foi um desespero na época, nós estávamos assustados com a possibilidade de perde-lo, nesse dia fui até o quarto de Channie para alimenta-lo enquanto mamãe verificava Sehunnie que estava sofrendo em sua transição, escutei uma discussão de Yun e Taemin, meu irmão dizia para ele sair de meu pé pois ele era seu verdadeiro companheiro, fiquei chocado na hora, e magoado por Taemin esta se desfazendo de meu irmão daquela forma, Yun era uma pessoa doce e carinhosa, sempre fez de tudo por mim e meus irmãos, não entendia porque Taemin negava a ligação deles alegando que me amava mesmo sabendo que não era retribuído, naquele momento resolvi me afastar dele para não magoar meu irmão, para mim era a coisa certa a se fazer. – Jongin falou perdido em lembranças.

- Por incrível que pareça Yunho era muito carinhoso, eu não consigo entender quando essa loucura começou, mas eu entendo perfeitamente seu lado, pelo menos no começo da para entender a forma que ele ficou, o caos tomou conta de tudo, a verdade é que Chanyeol estava morrendo, nossa mãe estava desesperada e nós tínhamos que cuidar de Sehunnie e Jongin, enquanto nossos pais tinham, que arrumar um jeito de salvar Channie, foi difícil e ainda tínhamos um reino para cuidar. – Joonmyun massageou a têmpora como se estivesse revivendo aquelas lembranças - Foi em um desses momentos que nós tivemos que lidar com umas das crises de Sehun e Jongin estava adormecido devido ao amanhecer que Taemin aproveitou que Jonginnie estava desacordado e tomou de seu sangue e lhe deu o dele, foi horrível a dor que Yun sentiu, ele caiu e se debatia dizendo que queimava, pior que sentir essa dor foi sentir sua alma sendo rasgada, nós o socorremos e chamamos nossos pais pois não sabíamos o que estava acontecendo, ele apenas murmurava o nome de Taemin, meu irmão sofreu muito, só entendemos o que havia acontecido quando Jongin gritou em fúria com Taemin. – Joonmyun narrou como se estivesse vivenciando aquela cena novamente.

Eu também estava.

Podia lembrar claramente da forma que Yun se debatia no chão

- Sabe o que é pior de tudo? – Joonmyun nos perguntou e eu olhei confuso.

- O que? – Yixing perguntou acariciando seus cabelos

- Mesmo depois de tudo que Yunho fez nós carregamos uma mágoa muito grande, mas não, eu não consigo odiá-lo e nem vocês! Essa é a verdade. – Joonmyun suspirou  e eu o olhei frustrado.

- Eu só não consigo aceitar que aquele era meu Yunho. – a voz de Fan saiu quebrada -  Meu irmão, meu modelo. – sua tristeza era evidente.

Não, por mais que quiséssemos não odiávamos Yunho.

- Foram dias sombrios, Jongin se fechou, Yunho vivia como se estivesse em um estado vegetativo e Channie cada vez mais fraco, não sabíamos o que fazer de verdade, nossa família sempre fora perfeita, por que estava acontecendo isso? – era o que eu me pergunta naquela época - Um dia nossa mãe foi conversar com Yunho, não sei o que ela fez mas aquele dia ele levantou e abraçou Jongin, disse que o amava e que a culpa não era dele, ele abraçou todos nós, eu lembro desse dia como se fosse hoje. – troquei olhares com Jonginnie pois aquele dia tinha sido completamente confuso - Eu podia ver a dor e a aflição em seus olhos, o medo, o que era de certa forma assustador para mim, ver meu herói e meu porto seguro assustado – expliquei tentando faze-los entender o que eu senti aquela noite – Naquela mesma noite, ele cuidou de Chanyeol a noite inteira, nossa mãe foi atrás de umas ervas que havia dito que um companheiro de sangue que tinha um dom da cura, parecido com Yixing, mas através de ervas medicinais indicou, que poderia curar Chanyeol. – aquilo foi um alivio na época por um segundo eu achei que tudo ficaria bem - Na manhã seguinte quando nossa mãe voltou com a cura, ela estava muito abatida, Channie bebeu o chá e logo em seguida bebeu o sangue, para nossa alegria ele não o vomitou, havia dado certo, o alivio tomou conta da gente, depois de dias de tormento, Teuk havia dado um sorriso verdadeiro! – falei sorrindo fitando Channie que nos sorria docemente.

Os meninos se permitiram sorrir um pouco também.

E vê o sorriso de Jongdae de certa forma meu coração se aquecer.

- Depois de Chanyeol finalmente curado, Yunho voltou a se isolar, Jongin vivia revoltado e afastou Taemin da família, ele apenas o procurava quando precisava de sangue, toda vez que Jonginnie ia beber o sangue de Taemin ele chorava em seu quarto, aquela situação doía na gente. – Sehun falou sem expressão, mas seus olhos denunciavam toda sua amargura - Nossa mãe passou a semana com Yunho, ela estava abatida certamente por ver o sofrimento dele, ela e nosso pai revezavam tentando curar a dor de Jongin e Yun, foi ai que tudo começou. – sua voz soou fria e eu me encolhi - Do nada Yun começou a ficar arisco, saia do quarto e do nada começava a brigar com nosso pai, de repente ele começou a culpar Jongin pelo que aconteceu, uma noite eles brigaram e Yunho por ser o mais velho machucou muito Jongin, quando nosso pai chegou e os separou ele olhou no fundos dos olhos de Yunho e falou "Você não é mais nosso filho". – Sehun fez careta e eu entendia bem aquele sentimento, jamais pensei que papai iria dizer aquelas palavras a nosso irmã - Aquilo nos horrorizou, jamais pensei que ouviria aquelas palavras de nosso pai, acredito que foi ai que Yun se voltou insano, nossa mãe chorava desesperada enquanto papai jogava Yunho na rua, ele o expulsou de casa e aquilo nos chocou. – apertei Jongdae em meus braços, era difícil lembrar daquilo -  Yunho saiu dizendo as seguintes palavras "Haverá vingança, isso não foi o bastante, eu quero mais, eu quero o sangue de vocês", achamos que foi da boca pra fora afinal era nosso irmão, o que protegia e cuidava de nós. Ele jamais nos machucaria, pelo menos era o que imaginávamos. – Sehunnie falou amargo.

Fechei os olhos lembrando daquela noite.

Ver o ódio, o pavor, a tristeza nos olhos de cada um foi difícil.

- O que doeu mais, foi ver que assim que nosso irmão foi embora, nosso pai falou "O irmão de vocês não existe mais, Yifan você o substituirá no trono" ele foi tão frio, porra, eu não queria merda de trono, eu queria nossa família como era antes. – a voz de Yifan soou tão dolorida que eu estremeci. Zitao o abraçou com força o lembrando que estava ali.

- E então o caos começou. – suspirei – Jongin um dia saiu para ir ao rio e Yunho e umas centenas de homens tentaram mata-lo, ele declarou guerra abertamente e o que mais nos assustou foi a quantidade de seguidores que ele tinha, Demônios, bruxos das trevas, anjos caídos, só gente da pior espécie. – expliquei vendo o olhar surpreso dos garotos talvez eles achassem que o mundo das sombras se limitava a vampiros e bruxos - Há um tipo de lei entre criaturas da noite, nossos clãs não se misturam, não podemos ataca-los e vice versa, também porque somos mais fortes, tirando os demônios o resto tudo morre de forma fácil, demônios são mais complicados você deve fazer uma oração de Libertação com uma faca de ouro em seu peito, e pra prender um demônio é quase impossível, então resumindo: estávamos em desvantagens. – sorri de forma fria ao lembrar o pânico em nosso reino.

- Yunho deixou bem claro o que queria, todos nós mortos, nossa família, ele dizia que queria nosso sangue e nosso coração. –Yifan falou triste – Eu não conseguia enxergar nosso irmão naqueles olhos, apenas escuridão. – foi difícil para todos nós aceitar que nosso irmão chegou naquele ponto - A batalha estava declarada, nossos melhores guerreiros foram para o campo e a batalha se iniciou, eles tinham a vantagens de ter bruxos ao seu lado. Tantos guerreiros, amigos e conhecidos foram mortos em vão. – fechei os olhos por um momento revivendo aquela guerra, podia sentir em minha pele o desespero -  A batalha foi sangrenta e torturante, nossa mãe fez questão de estar presente mesmo nós implorando muito que ela não fosse e a todo momento eu me perguntava "Teria eu coragem de matar meu irmão?", não eu sabia que não teria. – abri os olhos encontrando a dor no olhar de Yifan - Pelo menos achava que não, até nossa mãe e o Minseok serem encurralados diante o penhasco por Yunho e dois bruxos, eu e Chanyeol estávamos perto, Yunho sádico sorria dizendo que teríamos a chance de salvar apenas um, eu tinha uma arma com balas com sangue apontada para ele, eu pedi, eu implorei, mas não tinha saída. – a frustração em sua voz fez eu buscar a mão de Jongdae quase desesperadamente - Eu atirava e Chanyeol tinha uma escolha, nossa mãe ou Minseok. – engoli em seco buscando o olhar de Channie e para minha surpresa ele estava calmo - Entrei em desespero, precisávamos salva-los, Chanyeol agiu rápido e salvou Minseok, Yunho atirou em nossa mãe e ela caiu do penhasco, eu atirei nele, tenho certeza que acertei seu coração, não tinha erro e até agora não entendo como ele esta vivo. – engoli em seco pois sabia que tinha sido difícil para Yeol sacrificar mamãe para me salvar - Nossa mãe estava morta, àquela hora meu pai urrou de dor, caindo ao chão e foi morto pelo bruxo capacho de Yunho, Heechul. – Yifan praticamente rosnou o nome daquele bruxo imundo.

Aquela era a culpa que eu carregava.

Chanyeol me salvou para que eu vivesse.

E nossa mãe foi morta por minha causa.

Era para ter sido eu.

- Não, Minseok. – Chanyeol se pronunciou – Não era pra ter sido você, eu amava nossa mãe mais que tudo, mas vocês meus irmãos... – sua voz morreu por um segundo e ele respirou fundo - Eu não consigo me imaginar sem vocês, eu sinto falta de nossa mãe, mas a verdade é que sem qualquer um de vocês eu não conseguiria seguir em frente, e saber que Yunho esta vivo, de certa forma... Me alivia, mesmo sabendo que ele esta com meu pequeno, eu sinto, que temos que ter esperança. – Chanyeol falou nos surpreendendo.

- Vocês acham que nossa mãe realmente vendeu a alma de Yunho? – Sehun perguntou hesitante.

Um arrepio tomou conta de meu corpo.

- Isso mudaria toda certeza que nós tínhamos sobre o passado. – Jongin falou baixinho.

- Yifan... – Joonmyun praticamente implorou.

- Eu acho, que tem coisas demais que ainda não sabemos e que essa história ainda existe muitas virgulas. – Yifan parecia perdido em pensamentos.

- Então existe uma probabilidade daquilo ser verdade? – perguntei ainda em choque.

- Nós achamos que Yunho estava morto, que certeza mais nós temos? – Joonmyun perguntou me encarando.

- Eu só sei de uma coisa... – Kyungie falou nos chamando a atenção – Para descobrir o passado de vocês primeiro temos que descobrir o nosso. – suas palavras me deixaram confuso.

- Por que diz isso Kyung? – Jongdae perguntou antes que eu pudesse faze-lo.

E todos nós o olhamos ansiosos.

- Isso é óbvio. – Luhan falou calmamente – Yunho queria a mim por algum motivo, pelo que eu compreendi de acordo com eles, em uma outra vida também éramos companheiros e que estraguei algum tipo de planos deles eu lembro claramente das palavras deles "Então tudo era verdade vocês são companheiros, os espíritos dos príncipes se encontraram novamente, os príncipes da luz e os príncipes da escuridão " e ele disse para mim " Vejo que continua o mesmo, mas dessa vez você não irá atrapalhar como sempre! " e para Jongdae ele falou "Jongdae, antigo JinHyun, da última vez que eu te matei, você não era tão ousado assim " e o principal "Acho que dessa vez temos que começar pelo Luhan, porque toda maldita vez ele e Baekhyun atrapalham as coisas!". – ele fez uma pausa nos analisando e eu arqueei a sobrancelha - Eles queriam a mim por algum motivo e Baekhyun me salvou ou seja, mais uma vez estragamos os planos, então agora com calma consigo enxergar também, eles não irão machucar Baekie, pois precisam de mim. – Luhan falou sabiamente o que me deixou embasbacado.

- Exatamente. – Kyung concordou.

- E como saberemos o passado de vocês? – Jongin perguntou confuso.

Isso era um tanto complicado pois Jongdae havia me contado que eles foram deixados em um orfanato.

- Precisamos ir ao orfanato e pegarmos a roupa de quando fomos deixados lá. – Yixing falou encarando os meninos – Luhan você poderá tocar e finalmente ver o nosso passado. – ele completou e eu concordei com aquela ideia.

- E o que faremos agora? – Jongdae perguntou.

- Agora iremos todos descansar. – ditei e todos me olharam emburrados – Vocês precisam se alimentar, principalmente Yixing, Tao e Kyung. – falei e eles me olharam confusos.

- Por que? – eles me perguntaram confusos.

- Daqui uma semana tem a lua mais famosa em nosso mundo. – falei debochado e eles se mexeram envergonhados.

- Minseok esta certo, precisamos descansar e irá amanhecer daqui a pouco, não poderemos fazer nada por enquanto, ao cair da noite iremos descobrir a verdade e vamos salvar Baekhyun. Isso é uma certeza. – Yifan falou e nós assentimos.

Jongdae, Tao, Kyung, Yixing e Luhan foram a cozinha comer algo antes de irem para o quarto me deixando a sós com meus irmãos.

- Eu sinto como se nosso passado tivesse sido uma mentira. – a voz de Sehun soou triste e eu suspirei.

- Eu também, definitivamente tem mais coisa do que sabemos nessa história. – Joonmyun concordou mas parecia apreensivo.

- Eu quero me ligar ao Jongdae. – falei de uma vez e eles me olharam divertidos.

- Acho que não é para gente que você deveria falar. – Jongin debochou e eu revirei os olhos.

- Não me sinto confortável com isso – sussurrei e eles me olharam confusos.

- Por que? – Joonmyun me perguntou me olhando como se tivesse um chifre de unicórnio em minha testa.

- Com Baekhyun desaparecido não acho que seja certo. – falei baixinho e eles me olharam compreensivos.

- Ei, em meio ao caos um pouco de amor é necessário. – Chanyeol falou em sussurro – Aquele baixinho irritante iria querer vocês dois juntos. – meu pequeno dumbo falou nostálgico.

- Sim, ele ia. – sorri de lado lembrando da personalidade dele – Depois iria negar que é seu companheiro porque você é um poste de orelhas. – eu ri com as lembranças dos apelidos de Baekhyun.

Chanyeol bufou divertido.

- Ele me beijou. – Chanyeol sussurrou e nós olhamos surpresos.

- Sério? – Sehunnie perguntou embasbacado.

- Sim, estávamos discutindo... – ele revirou os olhos – Eu falei que ele não passava de um nanico de olho pintado... - ele deu um risinho me fazendo revirar os olhos – Ele me deu um soco achando que ia doer – ele dessa vez gargalhou e nós rimos, Baekhyun sempre ousado – Eu o puxei por ele ter mandado eu devolver a audição do planeta pois com tamanho de minhas orelhas eu a roubava toda por isso existiam velhinhos surdos – ele falou incrédulo devido aos argumentos de xingamentos que Baekhyun encontrava para xinga-lo – Ele tentou se soltar e acabou se desiquilibrando e eu fui tentar segura-lo e cai junto com ele, ficamos nos olhando, eu ia soltar uma piada para provoca-lo, mas ele me beijou, eu jamais imaginaria que ele tomaria essa atitude. – Chanyeol falou passando a mão nos lábios como se tivesse revivendo aquele momento.

Sorri diante de sua expressão.

- Eu sinto falta dele. – a tristeza em seu olhar fez meu coração se apertar.

Eu odiava ver meu irmão dessa forma.

- Nós vamos traze-lo de volta Channie. – falei firme e todos assentiram.

- Isso se não mandarem ele por conta própria afinal quando Baekhyun abrir a boca e começar a xingar todo mundo ninguém o aguentará. – Jongin falou arrancando gargalhadas de todos.

- Também... Fala sério?! Até eu tenho medo do Baekie. – Joonmyun falou me fazendo rir.

Pude ver a esperança no olhar de Chanyeol e sorri.

Mas no momento que eu senti aquele cheiro na sala minha atenção foi totalmente desviada.

Jongdae.

Ele sorriu se aproximando e quando ele chegou perto o suficiente o puxei selando nossos lábios.

Ele me olhou de forma tímida, mas com um sorriso nos lábios.

Adorável.

- Vamos! Você precisa descansar. – falei o pegando no colo e em segundos já estava no quarto com ele.

- Minseok. – ele me deu um tapa por eu o ter pego de surpresa e eu ri.

Eu não aguentei e o puxei pela cintura colando nossos corpos. Ele estremeceu em meus braços. Ele ergueu o rosto e fitou meus olhos, a única coisa eu pude fazer foi o fitar intensamente.

- Lindo. – sussurrei e suas bochechas ficaram vermelhas eu sorri diante de sua timidez, não parecia nada com meu pequeno emburrado e briguento.

Olhei no fundo de seus olhos que brilhavam de forma amorosa para mim.

- Eu te amo. – falei firme e ele me olhou surpreso mas logo relaxou em meus braços.

- Eu te amo – sua resposta soou tão carinhosa que eu o apertei mais forte.

- Quem diria, que logo nós dois que agíamos como se não sentíssemos nada estaríamos aqui nos declarando. – murmurei sorridente.

Suas mãos enroscaram em meus cabelos e ele puxou meu rosto colando seus lábios em minha orelha, soltei um gemido alto com a forma que sua boca sugava de forma erótica o lóbulo de minha orelha.

- Me faça esquecer tudo Minseok e me faça seu, bebe meu sangue e me leve a eternidade. – gemi alto ao ouvi aquelas palavras sussurradas em meu ouvido.

Peguei ele pela cintura e puxei suas pernas enlaçando em minha cintura e joguei ele contra a parede de forma brusca o prensei com força e com uma mão puxei seus cabelos fazendo-o me olhar.

- Agora você vai ver que eu não sou tão bonzinho quanto pareço. – falei lambendo a curva de seu pescoço.

- Você é bonzinho até quando tenta não ser. – ele gemeu arrastado e eu sorri de lado.

- Isso é um desafio? – perguntei roçando nossa ereções.

- Com certeza. – ele me sorriu malicioso.

Eu ri baixo.

Ah Jongdae, você não devia ter falado isso.

Porque eu adoro desafios.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...