1. Spirit Fanfics >
  2. Príncipe dos Mares >
  3. Filho de um tritão

História Príncipe dos Mares - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Fantasia ou realidade? Tomás se surpreenderá com sua origem.

Capítulo 3 - Filho de um tritão


Fanfic / Fanfiction Príncipe dos Mares - Capítulo 3 - Filho de um tritão

Dias depois, Havaí.

 

 

Em um quiosque estava Jennifer servindo uma mesa, onde estava sentados um casal, e segurava uma bandeja com frutos do mar e colar havaiano pendurado no pescoço e uma flor no canto da orelha.

 

Jennifer:

-Aqui está. Prontinho. (sorri para o fregueses.)

 

De longe se ver Tomás descendo do carro, de óculos escuros e se aproxima.

 

Jennifer  ver Tomás seguindo em sua direção. Emocionada ela dá um sorriso e corre em direção a ele e o abraça.

 

Jennifer:

-Filho! Tom!

 

Jennifer o beija no rosto e diz no ouvido do rapaz.

 

Jennifer:

-Que bom que veio. Estava com saudades.

 

Tomás demonstra certa frieza.

 

Tomás:

-Estou aqui, então, me fale o que é de tão importante que não pode ser por celular.

 

Jennifer sorrir.

 

Em uma casa em frente ao mar, Jennifer e Tomás entram na sala.

 

Jennifer:

-Fique à vontade, filhote. Você quer comer alguma coisa ou beber algo?

 

Tomás:

-Não.

 

Jennifer:

-Vai passar quanto tempo aqui? Se quiser pode ficar esses dias em casa invés de ficar no hotel.

 

Tomás:

-Jennifer, me fala o que você tem pra me falar e depois vou embora.

 

Jennifer:

-Por que é tão frio comigo, Tom?

 

Tomás:

-Vamos começar outra vez? Não estou nem um pouco afim de ficar discutindo algo que você e eu já estamos cansados de saber.

Jennifer fica sentida e se afasta e caminha até a janela e olha para o mar.

 

Jennifer:

-Eu não te culpo por me tratar desse jeito, Tomás. Você é o único inocente dessa estória.

 

Tomás fica ao lado e com olhar interrogativo.

 

Tomás:

-O que não sei?

 

Jennifer olha para Tomás com ar de tristeza.

 

Jennifer:

-Tomás quero que preste bem atenção. Talvez quando você ouvir essa estória vai achar ela meio maluca, pode achar que estou inventando ou que estou ficando maluca, mas não é querido. É a mais pura verdade.

 

Tomás:

-Por favor, fale.

 

Jennifer:

-Eu tinha uns quinze anos e adorava passear na praia até que uma tarde nublada eu vi um rapaz entre as pedras. Eu me encantei com a beleza dele, eu me apaixonei...

 

Tomás:

-O marinheiro...essa estória de novo?

 

Jennifer:

-Não, ele não era um marinheiro.

 

Tomás:

-Não?

 

Jennifer balança a cabeça negando e se senta no sofá.

 

Jennifer:

-Eu e ele nos apaixonamos. Todos os dias nos encontramos na praia lá nas pedras até que uma noite me entreguei a ele.

 

Tomás:

-Dessa noite você engravidou.

 

Jennifer:

-Sim, fiquei grávida.

 

Tomás:

-E ele quando soube fugiu.

 

Jennifer:

-Não, isso não é verdade.

 

Tomás:

-Como não? Jennifer, você me deu para uma família substituta e a justificativa de você ter me deixado foi porque você era uma menor de idade, órfão e que o pai do seu filho tinha abandonado e agora você vem me dizer que não?

 

Jennifer:

-Eu fiquei grávida e contei ao seu pai, mas formos contra a lei da natureza...(ela começa a chorar). A gente se amava, não foi possível ficamos juntos.

 

Tomás:

-O que você quer dizer em que vocês foram contra a lei da natureza? (ele a encara).

 

Jennifer:

-O seu pai não era um marinheiro...ele era um Tritão.

 

Tomás:

-O quê? Que loucura é essa, Jennifer?

 

Jennifer:

-Não é loucura. Eu me apaixonei, me entreguei a ele, o pai do meu filho é um Tritão!

 

Tomás:

-Você está louca!

 

Jennifer:

-Não estou louca! Você nasceu e esse foi motivo do rei Tritão, o seu avô, querer te destruir porque você é fruto de uma violação da natureza, de uma humana e de um tritão.

 

Tomás:

-Você tá louca! E eu perdi o meu tempo em ter vindo para o Havaí e ouvir suas loucuras.

 

Jennifer:

-Seu pai quis te proteger...ele roubou o tridente do rei Tritão e te transformou em humano e me pediu que eu fugisse com você e fosse para longe do mar.

 

Tomás:

-Às vezes é melhor criar uma fantasia para não encarar a realidade.

 

Jennifer segura as mãos dele.

 

Jennifer:

-Não é fantasia. É verdade, filho.

 

Tomás:

-Aceite, Jennifer, o tempo passou. Imagino que foi difícil ter sido enganada ainda tão menina por aquele marinheiro. Ele te deixou sozinha com seu filho. E quer saber? Vamos deixar as coisas como estavam.  Eu vou embora...

 

Jennifer:

-Não, não vá. (Chorando).

 

Tomás:

-Adeus, Jennifer.

 

Tomás sai.

 

Jennifer:

-Não! Tomás, volte! Filho!

 

Tomás sai correndo da casa e segue em direção ao carro que estava ao lado, mas seu braço começa a doer.

 

Tomás:

-Merda! Tá doendo muito! Nunca doeu tanto assim.

 

Ele tira a camisa e percebe que as feridas de escamas estão por todo o seu abdômen e braços.

 

Tomás:

-Tá pior do que antes. As dores estão insuportáveis. Tenho que ir para o hospital.

 

De repente o céu escureceu e começou a chover.

 

Tomás:

-Não! Só faltava essa!

 

Tomás entra no carro e tenta ligar, mas não funciona. Ele dá um soco no volante.

 

Tomás:

-Não é possível! Não!

 

Jennifer desce com um guarda-chuva, bate no vidro do carro.

 

Jennifer:

-Entra, Tomás.

 

Tomás:

-Eu não vou lugar nenhum com você, sua maluca.

 

Jennifer:

-Você vai pegar um resfriado e o que é isso no seu corpo?

 

Tomás:

-Nada.

 

Jennifer:

-Nada? Parecem...

 

Tomás:

-Escamas.

Jennifer:

-Agora entendi. Talvez isso faça sentido quando eu terminar de contar a estória que você não quer terminar de ouvir.

 

Tomás:

-Sua fantasia de que engravidou de um tritão?

 

Jennifer:

-Vem, vamos entrar.

 

Tomás e Jennifer entra novamente na casa.

 

Na sala da casa, Tomás está sem camisa e sentado no sofá enquanto Jennifer ao lado tentava colocar remédio nas feridas dele.

 

Jennifer:

-Seu pai me disse que quando você completasse 30 anos teria que retornar.

 

Tomás:

-Retornar pra sua casa? (Disse em tom irônico).

 

Jennifer:

-Não, retornar para o mar.

 

Tomás:

-Aiiii! (Gritou de dor).

 

Jennifer:

-Já tô acabando.

 

Tomás:

-Nunca doeu tanto.

 

Jennifer:

-Seu aniversário é daqui há duas semanas e você está perto do mar talvez justifique essas escamas terem piorado.

 

Tomás:

-Eu quero ir embora para casa, pois tenho medo que a loucura seja contagiosa.

 

Jennifer sorrir.

 

Jennifer:

-Terminei. E um beijinho no rosto para sarar. (Ela beija o rosto dele).

 

Tomás:

-Qual era o nome dele?

 

Jennifer:

-Keanu.

Tomás:

-Você gostava dele, né? Ainda gosta.

 

Jennifer:

-Sim, amo o Keanu.

 

Tomás:

-Não se viram mais?

 

Jennifer:

-Quando voltei para o Havaí tentei procura-lo, fui até as pedras, o esperei por dias, mas nunca mais ele apareceu.

 

 

De noite, Tomás estava deitado no sofá quando de repente uma luz azul fosforescente atravessava as brechas da porta e da janela.

 

Tomás se levanta, abre a porta e vai até a varanda e vê um iate naufragando  e um homem caído na beira do mar.

 

Ele corre em direção ao homem.

 

Tomás:

-Tudo bem, você tá salvo.

 

Keanu:

-Me ajuda.

 

Tomás ajuda Keanu e o conduz até a varanda da casa e o coloca numa cadeira.

 

Tomás:

-Está se sentido bem?

 

Keanu:

-Tô. Obrigado.

 

Tomás:

-Tinha mais alguém com você lá no iate?

 

Keanu:

-Não, só eu.

 

Tomás:

-É um pena. O iate ter naufragado. O que aconteceu?

 

Keanu:

-Não sei. Quando vi estava tomado por água.

 

Tomás:

-Teve sorte poderia ter se afogado. Quer ligar pra alguém?

 

Keanu:

-Não, eu vou embora.

 

De repente Jennifer se aproxima.

 

Jennifer:

-Tomás? Aconteceu alguma coisa, filho?

 

Tomás vira-se para a mãe e quando retorna para falar com Keanu ele desaparece.

 

Tomás:

-Onde ele está? (Olha ao redor).

 

Jennifer:

-O quer que foi?

 

Tomás:

-Eu socorri um homem que salvou de um naufrágio, olha lá o iate.

 

Jennifer:

-Caramba. Onde ele está?

 

Tomás:

-Sumiu. Ele estava aqui agora pouco.

 

Tomás olha para a cadeira onde há um cartão.

 

Jennifer:

-O que é isso?

 

Tomás:

-Ele deixou o cartão dele.

 

No cartão estava escrito:

 

“Mrs. K.R. Especialidade médico clínico. Endereço....celular....”.

 

Jennifer:

-Vem filho, vamos entrar. Não quero que pegue uma pneumonia tomando a frieza da praia.

 

Tomás e Jennifer entram na casa. De longe, Keanu os observavam.

 

 

 

 

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...