1. Spirit Fanfics >
  2. Príncipe Sesshoumaru >
  3. Insana Paixão

História Príncipe Sesshoumaru - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Boa tarde, amores de mi vidaᕙ(@°▽°@)ᕗ
A tia Kalya sumiu? SUMI KKKK
A faculdade tá osso 🥵
Mas estou de volta e com bastante tempo para poder postar vários caps para vocês, prometo não demorar tanto 😆♥️
Perdoem qualquer errinho ortográfico, eu ainda não dormi heheheheeh

Capítulo 15 - Insana Paixão


Fanfic / Fanfiction Príncipe Sesshoumaru - Capítulo 15 - Insana Paixão

 

 

 

Não te quero senão porque te quero

 

        e de querer-te a não querer-te chego
                 e de esperar-te quando não te espero
                    passa meu coração do frio ao fogo.

      Quero-te apenas porque a ti eu quero,
            a ti odeio sem fim e, odiando-te, te suplico,
                    e a medida do meu amor viajante
                  é  não ver-te e amar-te como um cego.

       Consumirá talvez a luz de Janeiro,
                 o seu raio cruel, meu coração inteiro,
                   roubando-me a chave do sossego.

        Nesta história apenas eu morro
                   e morrerei de amor porque te quero,
                porque te quero, amor, a sangue e fogo.

 

 

 

_SESSHOUMARU POV_ 

 

 

 

Ontem a noite foi um completo pesadelo, ainda questiono a minha sanidade mental de que tudo não passou de um delírio coletivo. Como isso aconteceu? Estou me perguntando até agora, não faço a menor ideia de que horas são e ainda estou trancado no quarto da Julia, essa que vai me pagar caro pelo o que fez. 

-Como? -Me sentei na cama ao ouvir passos, ela finalmente acordou? Está gritando como sempre, a paz nessa casa é relativa. "Já estou indo! Que inferno. O dia não poderia começar um pouco melhor?" é o que ela está falando ao andar apressada, pelo visto tem alguém tocando a infernal campainha. 

Pela voz, é o pai da Julia, ele parece impaciente falando da desordem na casa, realmente esse lugar está parecendo um ninho de rato. Ambos estão falando próximos a porta, não acredito que essa humana idiota vai deixar esse homem entrar aqui. 

-Era só o que me faltava. -Revirei os olhos ao me deitar, ela não deve lembrar de nada do que ocorreu ontem e agora terei que fingir que estou dormindo para não ser questionado sobre algo que nem mesmo a culpa é minha. 

-Hm, onde você está, sua fujona? -Ouvi a voz da garota ao caminhar pelo quarto, os passos do pai da Julia cessaram a poucos metros do meu corpo. 

-Julia, isso é sério? -O tom de desaprovação era inconstante, ele parecia mais constrangido do que sério. Tive que me controlar para não ironizar a situação que a garota criou sem querer. 

-Do que está falando? -A humana claramente não sabia o que estava acontecendo, logo ouvi o barulho típico de quando ela estapeia a própria testa, talvez eu esteja satisfeito com a situação. 

-Francamente, como me deixou entrar aqui? -Ele falou em decepção, a loira deve estar se matando de vergonha a essa altura. 

-Isso é um sonho, um sonho de muito mal gosto, vou acordar, vou acordar, vou acordar. -Tive vontade de rir pelo desespero da garota, ela mesma se pregou peça. 

-Muito mal gosto mesmo, mas eu garanto que não é um sonho. -Ele saiu em passos rápidos, Julia bateu os pés no chão impaciente ao seguí-lo. É normal estar contente com essa situação? Eu acho que não. 

Porém, estou. 

É da minha natureza usar a ironia para me expressar, um meio sorriso surgiu em meus lábios ao vê-la nessa situação. 

Cruel da minha parte? Quando não sou? 

Não demorou mais do que alguns minutos para a loira voltar em passos tão pesados que duvidei não quebrar o piso. 

-Vem cá, qual é o seu problema? Lançou algum tipo de magia em mim? Como está trancado no meu quarto pelo lado de fora? -Os olhos azuis me fulminavam em raiva. 

-Dá para falar mais baixo? Você me trancou aqui. -Cobri meus olhos com as mãos, a luz que invadiu o quarto incomodou minhas retinas. 

-Você sabe o que aconteceu? Meu pai entrou aqui e viu você pelado sobre a minha cama dormindo! Ainda rezo para que seja um sonho. -As bochechas avermelhadas denunciavam o nervosismo da garota humana. 

-Eu disse que você jogaria a culpa para cima de mim. 

Típico, tive certeza que ela não se lembraria de nada depois do ataque libidinoso de ontem. 

-Quando? Como não me lembro de nada? 

-Qual a sua última lembrança? 

Ela parou alguns segundos para refletir. 

-Você me ignorando depois de Subaru ir embora. 

-Tem certeza? 

Julia parecia impaciente ao recordar as últimas lembranças. 

-Lembro de ficar em meu quarto e dormir, depois me acordei e fui até o seu quarto. 

-É tudo que se lembra? 

-Você estava dormindo, tivemos uma breve conversa antes de - 

-De? 

Ela se lembrou do que aconteceu ontem, me sinto péssimo por ter feito aquilo. Porém, não consigo controlar o meu ódio quando alguém é persistente a ponto de querer me fazer mudar de ideia, isso jamais aconteceria. 

-Você me expulsou do quarto entre puxões e me jogou sobre o chão? Isso não foi um sonho? 

-Julia. -A puxei pela mão, ela vai ter o mesmo ataque novamente -Foi um acidente. 

-Me responda. -Ela suspirou ao tocar na área sensível na cabeça, os olhos brilharam ao fitar minhas orbes douradas, estou me sentindo um monstro. 

-Sim, isso aconteceu. -As palavras foram pesadas. 

-Como você pôde fazer isso comigo, Sesshoumaru? - A loira empurrou o meu corpo para longe aos berros, as palpitações do meu coração se intensificam em culpa. 

-Eu sinto muito, Julia. -Ainda não sei o que está havendo comigo, eu quero encará-la nos olhos, mas o meu interior arde ao ver as íris azuis em um choque de tristeza. 

-Você sente muito? Isso não vai consertar nada! Que droga estava pensando? -A garota massageava o local dolorido, as mãos pálidas tremiam. -Eu consigo sentir... -O sussurro que deixou a garganta da humana me fez sentir incapaz, por que eu estou sentindo isso? Essa sensação incomoda no meu peito, o que é? 

-Eu perdi o controle, foi um acidente. -Ainda não acredito nas palavras que deixam meus lábios, eu, Sesshoumaru, estou admitindo que errei? Nem em mil anos! 

-Nós perdemos o controle quando respondemos mal a alguém e pedimos desculpas quando pisamos no pé de outra pessoa. No que estava pensando? 

Fiquei sem palavras para o questionamento, naquela hora eu não pensei em nada além do meu próprio orgulho. Esse que eu sempre tomei como maior em minha vida, reconheço que sou um grande príncipe Youkai e tenho um nome a zelar, serei tão grande quanto a glória de meu pai. Entretanto, nesse momento, me sinto inferior a fala de uma reles humana. 

-Julia, eu não sou como você. Foi apenas um impulso, eu sou um Youkai e estava com os nervos a flor da pele. -Por que eu estou respondendo? Sinto que não quero ficar nessa situação com Julia, mas o que essa humana tem que parece ser tão preciosa para mim? 

-Ok, ok, eu não quero mais ouvir. Me diga apenas como acordei em sua cama. 

Ela desistiu de esperar algo maior de mim, mal ela sabe que essa situação jamais me ocorreu e nunca dei tanto espaço para alguém me questionar dessa forma, muito menos responder a tais questionamentos.

-Você não se lembra mesmo? Parecia tão lúcida. -Recordei o momento em que ela retirou as roupas ao dançar sensualmente, estava belíssima naquela lingerie vermelha ao atacar o meu corpo completamente faminta. 

-Não, eu não me lembro. -Ela respondeu seca. 

-Você saiu e disse para que eu não a esperasse, chegou de manhã em casa completamente bêbada, cantando e dançando ao tirar a roupa e nem percebeu a minha presença. 

As bochechas da humana queimaram em sangue. 

-Depois eu perguntei onde você estava e fui atacado por uma Julia que nunca tinha visto. Disse que iria me punir por agir grosseiramente e fui completamente mordido, chupado e amassado por ela, você não percebeu? 

Não poupei as palavras, Julia assumiu uma expressão assustada ao se imaginar fazendo tais coisas, não nego que foi realmente delicioso vê-la tomar o meu corpo com imensa ferocidade. Hematomas arroxeados estão estampados no pescoço até o meu abdômen, os olhos curiosos estavam vidrados em pânico. 

-Não apenas aí. -Retirei o lençol da frente do resto do corpo, os olhos azuis se arregalaram ao ver as marcas vermelhas em minha virilha. 

-Eu nunca mais vou beber, nunca mais. -Ela estapeou as próprias bochechas, foi inevitável dar um meio sorriso para a instabilidade da garota. -Você está sorrindo? 

-Você me chama de instável, mas é completamente diferente da pessoa de algumas horas atrás. -A face da humana estava tão rubra que mal pude acreditar, por que tanta timidez? 

-Vamos esquecer isso! Tudo bem? Essa Julia não existe e vai continuar enterrada no baú. 

As unhas grandes da garota apertavam as cobertas ao fechar os olhos fortemente, nunca senti tanta vontade de tomá-la em meus lábios. 

-Eu não disse que não gostei. -Levei a destra a barra da camisa que ela usava, essa que reconheci como minha. -Foi muita coragem ir atender o seu pai usando apenas isso. 

-Não diga. Queria que eu usasse umas das suas cuecas também? -Ela foi irônica, a puxei pelos quadris ao beijar os lábios rosados da loira. 

Julia relutou falando sobre minha boca em palavras desconexas, logo cedeu ao beijo e sentou sobre o meu colo, senti meu membro enrijecer ao tocar a intimidade nua da garota. 

-Hm? Está animado, alteza? 

A humana roçava os lábios rubros da intimidade sobre a minha extensão, suspirei ao apertar o traseiro redondo para um contato suplicante. 

-Isso não é nada bom. Você não tem sido um bom Youkai, Sesshoumaru Taishō. - Julia envolveu as mãos em meus cabelos prateados ao acariciar minha nuca. 

-Vai me "punir" pela segunda vez, humana pervertida? 

A gargalhada sutil da garota contra minha pele me fez arrepiar, como o meu corpo pode responder a essas carícias sutis? 

-Eu não sou pervertida, Sesshoumaru! Não tenho culpa se tenho o "homem" mais gostoso do mundo em minha cama e posso fazer tudo o que eu quiser com ele. -As palavras foram o fim da picada. Fazer o que quiser comigo? Ela ficou louca. 

-Eu tinha razão, você não é normal. -Encarei as orbes risonhas da humana atrevida, ela não levou a sério. 

Sim, eu estou falando sério. 

Como pode existir uma mulher para me tratar de forma tão casual e espontânea? As pessoas tem medo de simplesmente olhar para minha face, Julia não tem medo nem de chegar apalpando minhas nádegas. Se fosse qualquer outra, tinha perdido as mãos e a cabeça. 

-No que está pensando, meu príncipe? -A voz suave da loira me tirou dos devaneios, não entendo o motivo da vermelhidão nas bochechas dela a se referir a mim como "meu". 

-Eu sou o seu príncipe? -A provoquei, Julia ficou desconsertada ao virar o rosto para o lado. 

-Pare de me caçoar, eu não quis dizer isso. -Ela obviamente está mentindo. 

-Duas bochechas dizem que sim. 

Julia me encarou irônica. 

-Gosta de me provocar, não? -As mãos frias espalmaram meus ombros largos. 

-Talvez. -Os mamilos da garota estavam sobressalentes, a blusa fina mal os cobria, levei o mamilo direito a boca mordiscando-o levemente. 

-Sesshoumaru... 

A petição da loira era inconclusiva, o tom parecia ser de reprovação, mas as mãos hábeis apertavam minha pele. Gemidos baixos deixavam os lábios entreabertos da humana quando tirei o mamilo ereto da boca, o tecido estava molhado e um filete de saliva o conectava ao meu lábio inferior. 

-Mais... -Ela mordiscou a própria língua ao retirar a blusa branca e libertar o corpo belo que ficou completamente exposto aos meus olhos, ataquei o mamilo esquerdo em leves chupões ao apertar a cintura em lascívia, me perdi na pele macia do seio que tocava meu rosto ao mordiscar o bico que parecia ser o doce mais saboroso que já provei em minha longa vida. 

Julia tateou a própria intimidade em movimentos circulares ao sentir meus toques, estava tão bom assim? Meu membro pulsou ao visualizar a imagem da mulher avidamente excitada gemer pelo meu nome. Quando o libertei, o mamilo estava vermelho e inchado, meu projeto de fazê-la pagar pelo o que me fez ontem foi por água abaixo, eu irei tomar o corpo dessa humana aqui e agora, não sei que horas irei parar. 

-Eu tenho que ir, vossa alteza. -A encarei sem expressão, ela pensa mesmo que vai sair? 

-Eu não permitirei. -Apertei o corpo menor sobre a cama, Julia soltou um grito curto ao sentir as costas sobre os tecidos. 

-Você quer me matar de susto? -O coração da loira acelerou, observei a face bela da garota a minha frente. Eu jamais imaginei que estaria nessa situação com uma simples humana. 

-Não, eu quero me afundar no seu interior fervente até satisfazer completamente a minha vontade de gozar no mais profundo do seu ser. -Falei sobre a orelha da garota com vigor, os pelos claros se arrepiaram ao contrair o pescoço como em um calafrio. 

-Venha, eu não aguento mais! -A humana apertou o corpo contra o meu em um abraço, a intimidade da garota pulsava contra meu membro desesperadamente. Lutei contra minha fera para não invadí-la de uma vez, mas foi em vão. Quando me dei conta, ela estava tão molhada que minha glande bateu forte contra o ponto G da loira. 

Julia gritou pela invasão abrupta, coloquei minha mão sobre a boca entreaberta da garota ao começar a me movimentar. Os grandes olhos azuis se reviravam de prazer intenso com os movimentos de vai e vem nada contidos, sinto que meus quadris se movem vigorosamente sem a minha permissão.

Eu a desejo tanto assim? Tanto a ponto de perder o controle do meu próprio corpo? 

-Sesshoumaru! -Os gemidos eram estridentes, ela reclamou quando a troquei de posição e a coloquei de lado, estendi uma das pernas sobre meu ombro ao invadí-la fortemente, eu não fazia ideia de que uma mulher humana seria capaz de me fazer sentir tanto prazer. Minha pélvis bate contra a intimidade molhada, a sensação de estar dentro dela é indescritível, o barulho dos nossos corpos se chocando é como uma música para meus tímpanos, assim como os gemidos sôfregos que tomaram conta do recinto. 

Eu deveria estar longe de Julia, deveria fazer ela esquecer essa paixão impossível que é a de um simples humano com um Youkai, como isso poderia dar certo? Ela sofrerá com a minha partida e eu detesto afirmar que também sentirei a falta do calor da loira. Me sinto culpado por não conseguir manter essa distância, mais culpado ainda por estar dentro dela nesse exato momento e sentir tanta vontade de fodê-la até as forças das minhas pernas se esgotarem. 

-Forte... -Dei um meio sorriso pelo pedido da garota, estou surpreso que ela aguente fazer sexo comigo e ainda pedir por mais. Acelerei os movimentos de imediato, um calafrio tomou posse da minha coluna quando senti que meu orgasmo estava próximo, as pernas da garota bambearam quando um gemido manhoso fez o copo curvilíneo relaxar sobre os tecidos. Tomei liberdade para não ouvir nada ao meu redor e apenas estocá-la com toda a minha força, meu membro foi apertado pelas contrações da vagina da loira quando cheguei ao meu orgasmo me derramando no interior que parecia me sugar vigoroso, nunca havia gozado tanto, minha visão ficou turva de imediato, só consegui respirar profundamente ao sentir que meus batimentos cardíacos estavam super acelerados. 

Quando voltei a mim, notei que Julia me observava minuciosamente. As íris azuis brilhavam sobre as minhas, foi o suficiente para atacar os lábios macios em um beijo ousado, a pele da garota estava úmida pelo suor, assim como a minha. Nossas línguas se entrelaçavam, não consigo deixar a boca quente da humana que contornou meus quadris com as pernas quando a tomei em movimentos rápidos novamente. 

Parece que nossos corpos foram feitos um para o outro, nada é tão confortável quanto o encaixe dos braços da humana nos meus, ou mesmo dos lábios rosados ao me beijarem, essa é a magia do amor humano? Foi por isso que meu pai deixou tudo de lado para se entregar de corpo e alma para a humana Izayoi? Eu me pergunto se a minha vinda para esse mundo foi em vão, não posso dizer que conheço o amor humano. Porém, posso afirmar que a minha fera interior está completamente apaixonada por uma. O que isso significa, meu pai? 

As horas passam rápidas como o vento e cada momento parece extremamente precioso, ver os seios balançarem sobre os lábios inchados me fazem pensar que é essa mulher que eu quero ter em meus braços para sempre, essa tola e irritante humana maravilhosa. 

A cor a vermelhada do entardecer invadiu o quarto em pequenos feixes luminosos em um pôr do sol que ficará marcado na minha memória, as mãos da garota seguram meus fios prateados ao fitar meu rosto, parece que a qualquer momento Julia irá se desmanchar em lágrimas. O sorriso que se formou nos lábios rosados era pleno e verdadeiro, minhas mãos acariciam o rosto da loira ao me sentir em um sonho magnífico onde me sinto o Youkai mais amado de toda a era feudal. 

-Eu o amo, Sesshoumaru. -A voz estava embargada em um misto de felicidade e sofrimento, apenas fechei os olhos ao afirmar com a cabeça e descansar a testa sobre a dela suavemente. 

Um sorriso de amor estampou os lábios da garota. 

Fico feliz que ela tenha entendido a minha forma de expressar meus sentimentos, estou perdidamente imerso na luz dessa paixão. 

Julia não se pronunciou em nem mesmo uma palavra após isso, minha cabeça está descansada sobre os seios fartos enquanto a loira acaricia meus cabelos. 

-Uma vez um rapaz uma jovem encontrou

Será ele capaz de um verdadeiro amor? 

E sorrindo ele diz que me ama com fervor 

Só espero de ti um verdadeiro amor 

Serei eu a escolhida? 

Serei eu sua paixão? 

Quero ter por toda a vida 

Só o teu coração 

Julia está cantando com a voz tão suave e doce  que a melodia chega aos meus ouvidos intensamente, ela está cantando com o coração. 

As frases melodiosas me fazem repensar se eu me tornei mesmo um Youkai livre de sentimentos, esse momento parece ser tão especial para ela que não consigo parar de encarar as lágrimas ao rolarem pelo rosto avermelhado, esses são os sentimentos de Julia por mim? Meu coração bate descompassado ao pensar que isso é o que chamam de amor. 

Enxuguei as lágrimas que molhavam o rosto belo da mulher com os polegares e selei os lábios em um beijo casto, Julia abraçou minha cintura levemente. 

-Você está com fome? -Ela perguntou ao se afastar. 

-Não. -Isso parece estranho, mas eu realmente não estou. 

-Está de noite, não comemos literalmente nada hoje. -O sorriso alegre da loira ao levantar era envolvente. -Vou ver se acho algo rápido na geladeira. 

-Pode ser que eu tenha comido quase tudo. 

-O quê? -A garota me puxou pela mão ao sorrir, estamos caminhando completamente nus até a cozinha.

Revirei os olhos ao pensar que se fosse ontem, ela jamais faria isso. Como será amanhã? 

-Nossa, eu pensei que era brincadeira! -Ela estava espantada ao gargalhar. -Teremos que ir comprar mais, o que acha? 

-Eu tenho escolha? -Perguntei já sabendo a resposta. 

-Não! -Outra vez ela me puxou pela mão até o quarto. -Se arrume, tá bom? Não tão exagerado. 

-Tudo bem. 

-Eu vou voltar logo, não demore. -Julia parece mais emotiva, notei o barulho que o ar faz ao entrar e sair das narinas da garota ao tentar captar o meu cheiro sempre que ela precisa se afastar. O que isso pode significar? 

-Não vou demorar. 

Eu me sinto enlouquecido

Não quero ficar longe dela 

Nem mesmo 

Por um minuto. 

 

 

 

_JULIA POV_ 

 

 

 

Foi uma tarde tão intensa em amor que mal pude notar que era real, eu acordei torcendo para que tudo não passasse de um pesadelo e anoiteci com medo de que tudo não passasse de um sonho. Qual é o meu problema? 

A água gelada envolve meu corpo, minhas pernas e minha intimidade estavam quase que completamente molhadas pelos líquidos do Youkai misturados aos meus, quero que todos os dias sejam como esse. 

-Ainda não acredito que cantei essa música, o que a paixão não faz com a cabeça da mulher? É um dos meus filmes favoritos quando criança, mas por que diabos eu a cantei para Sesshoumaru? Burra, burra, passar vergonha é o meu forte! -Balancei a cabeça negativamente ao me enxugar e deixar o banheiro apenas com a toalha enrolada nos cabelos. 

Quero me vestir bem básica, não estou com pique para me arrumar hoje. Minhas pernas ainda vacilam em obedecer minhas ordens corretamente, tive tantos orgasmos que nem pude contar. 

-Afaste esses pensamentos, Julia. -Tentei me controlar ao vestir uma lingerie preta confortável e um vestido solto branco com um cinto largo na cintura, ele deixa meus ombros de fora e é muito confortável, vou usar com botinhas de cano baixo e dar um jeito nessa cabeleira loira que me dá dor de cabeça. 

Penteei meus longos fios ao me olhar no espelho, meus lábios estão parcialmente inchados e mais vermelhos em alguns lugares, terei um Youkai para matar daqui a pouco. 

-Príncipe ousado! -Minhas bochechas se avermelharam ao lembrar dos momentos que não consigo deixar de pensar. -Burra, burra!  -Após algum tempo na luta, terminei de escovar meus cabelos e fiz um delineado gatinho. Quem pode com um delineado gatinho? Ninguém!  

Fui em direção ao quarto do Youkai e notei que ele estava penteando os próprios cabelos, é insana a forma como ele consegue parecer que pertence a esse mundo algumas vezes. Ele é o homem mais bonito que já contemplei e irei contemplar, como pode ser tão belo? 

-Vai ficar só olhando? -Me senti envergonhada ao adentrar o lugar, os olhos dourados estavam focados no próprio reflexo. 

-Perdoe a minha intromissão, vossa alteza. Não foi a minha intenção encarar vossa beleza com tanto vigor. -Similei uma reverência, o Youkai revirou os olhos. 

-Aonde vamos? 

-Ao supermercado, pode se preparar mentalmente porque o lugar é gigante e possivelmente vai te deixar perdido só de olhar. 

A gargalhada que escapou dos meus lábios era intensa, certeza que ele vai se perder se ficar longe de mim. Eu deveria tirar proveito disso?  S I M  ! 

-Não vai funcionar. -Ele preveu o motivo da minha risada, só saberemos na hora. 

-Como? Eu não estou fazendo nada além de rir, hihi. -Amarrei os cabelos cuidadosamente ao esconder as orelhas pontigudas e soltei os restantes fios prateados. -Venha até o meu quarto, chegou a hora da sessão de tortura. 

-Outra? 

Semicerrei os olhos na direção do Youkai, espero que isso seja uma ironia. 

-Sente-se, alteza. -Ele detestava que eu o chamasse dessa forma, esse é o motivo de continuar chamando. -Feche os olhos. 

Cobri as marcas uma a uma com corretivo e base, logo selei com um pó e tirei o excesso, novamente me pego pensando "Como ele pode ser tão lindo?". 

-Vamos de carro novamente? 

A voz parecia desanimada, vou fazer uma surpresa a ele. 

-Não, vamos na Penélope. 

-Penélope? 

-Você logo a conhecerá. -Sorri maliciosa, faz um tempo que eu não ando na minha Harley. 

Peguei as chaves e segui até a garagem, Sesshoumaru ficou com os olhos vidrados na moto a frente dele em um tom preto, eu fui uma adolescente rebelde, não liguem para o meu gosto peculiar. Todos duvidaram que eu fosse aguentar o peso dessa moto, hoje somos grandes amigas. Apenas não gosto de ir ao trabalho com ela, saia apertada até o joelho não combina com motos. 

-Julia. -O olhar repreensivo do Youkai quando liguei a moto e acionei a garagem com o botão foi hilário! Eu mal posso esperar para ver o desespero dele nessa belezinha. 

Eu sou do mal? SOU! 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Sim, a música é da Barbie! A tia Kalya já citou no cap passado Nego Ney, Marília Mendonça, por que não a Barbie???? Podem tacar ovo em mim, eu deixo! 😂😂😂😂😂😂
BARBIE GENTE BARBIEEE KKKK
Poema soneto de Pablo Neruda ♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...