História Prision Of Lies - Capítulo 3


Escrita por: e Cutie_aegi

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Cavalheiro, Escravo, Guerra, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Principe, Prisioneiro, Rei, Reino, Trono, Vingança, Yoongi
Visualizações 16
Palavras 2.130
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oi bolinhos, olha só, quem é vivo SEMPRE aparece, eu so queria que não fosse o mesmo para certas Hye Gi's, rsrsrs. Brincadeiraaa, eu sou paz e amor. Mas agora aproveitem o capitulo ❤ annyeong
Nós pedimos desculpa pela demora, andamos um pouco ocupadas e não conseguimos escrever.
O capítulo de hoje terá algumas coisas inesperadas então esperamos que vocês gostem 😊

Capítulo 3 - Blood


Fanfic / Fanfiction Prision Of Lies - Capítulo 3 - Blood

Jungkook’s POV

Meu corpo doía de uma forma incrivel, eu simplesmente não conseguia me levantar, o tecido gostoso e quentinho parecia me abraçar com fervor, como se tivesse medo de que eu me levantasse. Meus olhos ardiam tanto que eu os mantinha fechados, minha boca estava seca e meu coração batia dolorasamente, minha cabeça pensava apenas em Yoongi e como o mesmo poderia estar sofrendo, eu sabia muito bem como os guardas eram tão nojentos a ponto de bater nos prisioneiros apenas por sua propria diversão e apenas de pensar na possibilidade de Yoongi estar sendo agredido, eu já sentia meu oxigênio faltar e meu coração bater ainda mais forte e mais dolorsamente, gritando por uma especie de calmante.

– Senhor? – ouvi a voz de Eun me chamar da porta. – Seu pai solicita a sua presença no jantar principe Jeon.

– Eun, sabe muito bem que em minha presença não tem motivo algum para tal formalidade. – disse com um pequeno sorriso nos lábios enquanto me sentava, deixando o cobertor de cor branca escorregar lentamente por meu corpo que tinha apenas uma fina blusa branca de mangas cumpridas. – E eu não irei jantar hoje, eu não quero olhar para meu pai.

– Correm vozes sobre o ocorrido. – Eun suspirou, abaixando a cabeça. – Eu sinto muito por tudo isso Jungkook, mas seu pai apenas estava magoado por...

– Eun! – exclamei, interrompendo a serva a minha frente. – Você acredita mesmo nas vozes que correm pelo castelo? Olha, eu estava sim me encontrando com o soldado Min, mas eu nunca seria capaz de fazer algo que foi dito, nem Yoongi. – disse, olhando profundamente nos olhos azuis de Eun. – Ele é um homem justo.

– Tudo bem Jungkook, mas por favor compareça na cozinha depois, sim? Eu prepararei algo bom para você comer. – Depois disso Eun apenas girou os calcanhares e saiu do meu quarto sem emitir quase que nenhum som.

Me joguei de novo e fechei os olhos sentindo minha cabeça pulsar, meu corpo estava pesado e de repente minha cabeça foi completamente nublada de pensamentos ruins, eu olhava a janela, aquela luz da lua que entrava no meu quarto, sendo usada como iluminção no comodo, me fazia me sentir ainda mais privo de forças e vontade de sair de meus aposentos, mas eu sabia que uma hora ou outra deveria sair dali, enfrentar todos os olhares ruins sobre mim e, de qualquer forma, eu deveria salvar Yoongi daquele inferno sujo e cheio de pessoas nojentas, frias e mesquinhas. Yoongi não merecia isso, não merecia sofrer tanto assim! Eu iria fazer justiça com as minhas proprias mãos, era um promessa, ou eu não me chamavo Jeon Jungkook, futuro rei de GoldenVillage.

[...]

Eu descia lentamente pela escadaria principal do castelo, tinham dois guardas no final da mesma, um em cada lado com suas lanças afiadas em mãos e uma postura perfeita, mas eu pudi perceber o olhar de ambos queimando sobre mim quando passei, eu estava pronto para praticamente correr em direção a cozinha e chorar no colo de Eun, mas ao chegar ao meu destino senti um enorme peso sobre meus ombros, cerrei rapidamente meus punhos e senti meu corpo pulsar em raiva, eu não sabia porque Hye Gi tinha mudado tanto ultimamente, mas ela me tratava tão mal e ouvir ela rir do que me aconteceu hoje de tarde fez com que uma raiva incomum crescesse dentro de meu ser. Eu não queria sentir isso, afinal éramos irmãos, mas eu simplesmente não conseguia sentir sequer um pouco de simpatia ou quaisquer sentimento bom enquanto olhava para Hye Gi.

– Ah, Jungkook. – exclamou minha irmã com um estranho sorriso nos lábios e com um simples movimento dos dedos todos deixaram a parte principal da grande cozinha. – Veio roubar biscoitos como fazia quando pequeno? – disse num tom divertido, ridiculamente divertido.

– Não Hye Gi, eu vim apenas pegar algo para molhar a garganta. – murmurei enquanto caminhava até a grande estante, pegando uma de minhas taças.

– Ah queridinho irmão. – sem nem mesmo perceber meu rosto foi girado para o lado lentamente por longas unhas. – Você chorou muito? – murmurou proxima ao meu rosto, enquanto apertava a minha carne com suas unhas. – Isso é tudo culpa sua, Jeon. – Hye Gi praticamente cuspiu em minha face ao pronunciar aquelas palavras, e sem nem mesmo conseguir me conter, acabei empurrando Hye Gi com certa força, o que a fez bater seu corpo magro na grande mesa. – Agora pretende agredir uma dama, covarde? - disse com seu pior sorriso, enquanto dedilhava seu proprío braço com suas unhas. – Que vergonha para nosso pai, Jungkook. – ao terminar de falar Hye Gi simplesmente arranhou com força a sua pele alva, deixando uma marca avermalhada com alguns pequenos filetes de sangue.

– Você ficou louca irmã! – exclamei, me aproximando automaticamente de seu corpo com um pano em mãos. – Por que você se machucou?

– Eu? – Hye Gi riu nasaldo em se arranhou novamente, me assustando quando de seus lábios foi emetido um pequeno gemido de dor. – Você que esta me machucando Jeon, você esta agredindo a sua pobre irmã, a sua irmã mais nova. – disse com um falso bico nos lábios. – Você não merece o trono Jeon! – exclamou Hye Gi rasgando um pedaço a manga media de seu vestido escuro e cheio de bordados. – Você não merece ser rei Jeon, GoldenVillage merece alguém justo – Hye Gi pegou uma faca que estava sobre e mesa, e estava pronta para se cortar, mas eu agarrei a ponta da mesma, deixando um quase grito de dor ao sentir o metal frio penetrar em minha carne, fazendo o fluxo do sangue começar e logo depois o barulho do metal se chocando no chão pode ser ouvido. – Não um traidor.

– V-você esta ficando louca? – exclamei enquanto limpava minha mão do sangue quente que escorria, sem me importar com que tipo de água era aquela, eu não conseguia diferenciar muito bem nada naquela cozinha. – O que você quer? O trono? – disse, rindo nasaldo. – Hye Gi você é louca! Você nunca terá o trono, você não sabe como governar um reino, você mesquinha e nojenta! - as palavras correram rapidamente de minha boca para fora, enquanto Hye Gi me olhava com os olhos que brilhavam, um brilho ópaco e triste.

– Se você continuar no meu caminho eu farei da sua vida um completo inferno Jeon Jungkook. – e depois de suas duras palavras minha irmã saiu da cozinha, batendo com toda a sua força a porta de madeira, me causando um pequeno espanto com o estrondo.

Caminhei até a porta e abri lentamente a mesma, vendo que Hye Gi caminhava descontroladamente em direção a saida do castelo e como dito de nosso pai desde que Yoongi fura capturado, nenhum de seus filhos poderia nem mesmo beirar a saida do castelo, e por isso agora os guardas da sala corriam em direção a Hye Gi. Suspirei, sentindo minha mão arder, mas ao olhar para frente senti meu corpo mais leve. A minha frente pudi ver os guardas caminharem euforicamente para uma das saidas do castelo, onde tinham alguns homens que pareciam clamar por algo, alguns tinham até mesmo tochas e garfos de fenos em mãos; tudo parecia estar andando ao meu favor e sem ao menos perceber meu corpo ja corria em direção a pequena porta que dava passagem para aquele abismo escuro. Quando cheguei a porta de madeira e ferro meu corpo travou, o medo me consumiu, mas pensar em Yoongi foi a minha arma e fonte de coragem naquele momento, desci as escadas rapidamente e com cuidado para que não fizesse quaisquer barulho, ao chegar no grande corredor senti meus pelos arrepiarem. Os prisioneiros dormiam e algumas celas tinham esqueletos, e o cheiro daquele lugar era quase insuportável, eu nunca tinha visto um lugar tão aterrorizante quanto aquele calabouço.

– Yoongi! – murmurei por alguns segundos, passando de cela em cela com um grande medo de acordar o guarda que estava na entrada do calabouço.

– Jungkook! – ouvi a voz de Yoongi exclamar assustado e corri ao seu encontro com a chave em mãos, nem mesmo disse qualquer coisa, apenas destranquei rapidamente a cela e o puxei para um rápido beijo. – C-como você chegou aqui e como conseguiu a chave?

– Me perdoe Yoongi hyung, eu não queria tivesse chegado a esse ponto. – murmurei abaixando a cabeça. – Meu pai julga muito mal o amor, acredita que seja o maior pecado do mundo. – murmurei para mim mesmo, rindo nasaldo logo depois. – eu estou me odiando por tudo isso.

– Jungkook, não se culpe por coisas sobre as quais você não tem controle. E obrigado por me tirar daqui, se algum dia você precisar de algo me procure. – disse Yoongi, sorrindo como apenas Min Yoongi sabia sorrir. – Eu sempre vou te amar.

– Hyung... – respirei fundo, limpando uma lágrima de meu rosto. – Vá! Você não tem muito tempo, seu cavalo ainda não foi sacrificado, esta no celeiro! Corra! – disse em meio a lágrimas.

– Adeus Jungkook. – disse com um sorriso triste, mas ainda fofo, um sorriso que me tirava o chão.

– Adeus Hyung.

[...]

Eu sentia a adrenalina em meu sangue, meus pulsos estavam quentes demais pela tamanha quantidade de sangue que meu coração bobeava, eu estava preso na pequena janela que encontrará no fim do corredor do calabouço, e eu já podia escutar os rumores no castelo e as vozes que gritavam para que os soldados se juntassem em minha busca. O desespero foi tanto que de alguma forma desconhecida eu consegui sair dali e cai no chão rico de pequenas pedras pontudas, o que fez a queda ser ainda mais dolorosa.

Foram questão de segundos para que eu pudesse levantar e começar a correr em direção a Neblon, que por muita falta de sorte não estava com sua sela, mas eu não tinha tempo, meus segundos eram contados, então apenas montei no cavalo desprovido de qualquer coisa e me coloquei a correr em direção a entrada da floresta, com os guardas em meu encalço. Eu já estava na floresta, muitos galhos passavam por meu rosto causando pequenos cortes e também pequenos rasgos na minha fina blusa branca, eu estava completamente destruido, nada mais poderia dar errado, mas de repente Neblon relinchou muito alto o que me fez puxar sua crina para trás por puro empulso e isso resultou a minha caida no chão.

– Neblon! – eu nem me importei com a dor em minhas costas e a vaga falta de ar e voz, eu gritei com o fio de voz que tinha enquanto tossia. Neblon estava caido e lamuriava de dor, sua pata estava gravemente ferida, ele parecia ter pisado em algo muito cortante pois sua pata jorrava sangue. – Neblon, fique calmo, por favor! – disse enquanto acariciava seus cabelos, numa tentativa falha de acalmar Neblon. – O que eu posso faz... – Fui interrompido pelas vozes dos guardas que se faziam cada vez mais altas, então eu apenas começei a correr sem olhar para trás, mas ainda sim chorava desesperadamente chamando por Neblon quase que de forma inaudivel.

Depois de minutos correndo eu ja não sentia mais meus pés, eu já estava fraco e isso fez com que todas as minhas energias se esvaíssem em questão de minutos, e o pior era que ainda assim eu conseguia escutar os relinchos dos cavalos, mas por sorte não pareciam vir em minha direção, porém ao encontrar um grande buraco no meio da floresta eu simplesmente achei que forjar a minha morte seria a melhor escolha. Tratei de rasgar uma longa parte de minha manga e colocar ns boca do grande buraco, logo depois peguei a pequena faca que estava comigo e a fitei por segundos.

– irmãos cometem as mesmas loucuras. – murmurei lembrando da loucura que Hye Gi estava para cometer na cozinha. – Mas no meu caso ninguém irá me impedir. – e dito isso apenas afundei a ponta da faca no meu braço e desci a mesma lentamente, deixando o sangue escorrer no pedaço de tecido e na borda do buraco enquanto eu sentia as grossas lágrimas escorregarem pelo meu rosto e em mina boca também havia sangue a causa da tamanha froça que eu colocava em meus dentes que prensavam contra a pele fina e sensivel. - Ah! – emiti um grito ao chegar nas costas de minha mão, então subitamente deixei a faca cair no buraco fundo, enquanto eu tenta acalmar a minha respiração.

Tentei caminhar, mas meu corpo aguentou apenas alguns passos, até que eu ouvi vozes desconhecidas e passos, não só de pessoas como de cavalos, porém eu sabia que não era os guardas, não tinha o barulho do metal da armadura se chocando em continuação. Eu corri com as poucas forças que tinha e gritei com um fio de voz “Ajude-me” e depois disso minha visão ficou turva e eu sentia que poderia desmaiar a qualquer momento.

 – Taehyung! Venha aqui irmão! – exclamou uma voz doce e melodiosa. – precisamos ajuda-lo.


Notas Finais


Opaaaa, Taehyung! Eu gostaaaar rsrsrs irmã, olha só, amei! Agora cadê o Jimin? Kkkkk espera que ele ainda vai chegar.
AMEM!
Espero que tenham gostado do capítulo, e se quiserem deixem sua opinião nos comentários ☺
E por último VÃO DAR VIEW EM EPIPHANY
Bom dia, boa tarde e boa noite, annyeong e saranghaeo❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...