História Prisioneiros da sombra - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Universo Alternativo
Visualizações 2
Palavras 1.763
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Ficção, Luta, Magia, Misticismo, Romance e Novela
Avisos: Mutilação, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Capítulo longo para compensar a falta, tem mais vindo por aí logo.

Capítulo 4 - A garota humana


Fanfic / Fanfiction Prisioneiros da sombra - Capítulo 4 - A garota humana


  Terminei de fazer a escada, para podermos subir e descer mais facilmente na base, joguei ela para baixo e fui meditar um pouco, ver se recuperava meus poderes mágicos.
De certa forma, eu me culpo por termos ficados presos nessa ilha, eu menti para Nahlfo, feitiços de teleporte não consomem muita energia, quando se está focado. Eu entrei em desespero aquela hora, deveria ter mantido a calma, poderia ter teleportado para a floresta, depois para a praia, e então estaríamos em casa descansando pacíficamente, enquanto eramos pretigiados por achar uma criança humana... Mas eu estraguei tudo... Comecei a me sentir mal, não conseguia acalmar meus pensamentos para meditar, não saía da minha cabeça o peso da culpa. Estava incomodada, quando ouvi um bocejo, seguido de uns estralos.
 -Ei, ei, ei, pera lá! Você está bem?- Perguntei à menina enquanto ela se levantava. Nahlfo levantou-se devagar e veio mais perto para ver também.
-E-eu... eu...- Sua voz era muito rouca, como se tivesse passado dias gritando incessantemente.
-Eu... acho...-
-Fale logo!- Disse Nahlfo, inquieto. A menina calou-se e encolheu-se.
-Nahlfo! Pare com isso! Tá assustando a pobrezinha.- Eu envolvi ela em meus braços.
-Eu...! Ah! Fale com ela, quando extrair algo útil me fale.- Disse ele se levantando. Eu olhei com uma cara de raiva para ele, mas ele nem se importou, seguiu ao seu canto e deitou-se.
-Não se assuste, Nahlfo só está um pouco estressado com tudo que está acontecendo.-
-Eu... entendo... acho...-
-Agora me fale, qual seu nome?-
-Meu... nome? Bem... o papai me chama de Ushara...-
-Seu... papai?- Apesar de emburrado, Nahlfo apurou as orelhas e começou a olhar.
-Sim... o com orelhas engraçadas... ele se parece com você.- Disse ela puxando minhas orelhas.
-Outra Kitsune? Como ele se parece?- Nahlfo perguntou, interessado. Ela se encolheu um pouco, com medo do Nahlfo, mas eu acariciei ela, e ela começou.
-Bem... o papai se parece muito com você moça, com um rabo felpudo, orelhas engraçadas, só que o papai não usa essa roupa, ele usa uma roupa tipo a sua.- Disse ela apontando para o Nahlfo, que estava com sua armadura pesada, que, apesar de perfurada pelos dentes da besta, era algo um tanto quanto pesado para uma raposa.
-E... onde ele está?- Perguntou Nahlfo.
-Não! Se você achar você vai machucar o papai!- Ela disse correndo para o canto da sala.
-Humana! Essa é uma informação de extrema importância! Você precisa contar para nós!-
-Nãããão!!!-
-Argh... essa... humana!-
-Nahlfo! Calma!- Eu afastei ele.
-Assustar ela não vai adiantar em nada, deixa que eu falo com ela.-
-Ah, não sei como consegue lidar com esses humanos!-
-Ei, ei, deixa comigo.- Ele virou-se e desceu as escadas.
-Ushara.- Ela virou-se levemente.
-Eu preciso que me conte onde seu pai está.-
-Mas... vocês vão machucar o papai?-
-Não! Claro que não. Eu nunca machucaria uma pessoa que cuida de uma criança indefesa.-
-Mas... eu não confio nele.- Disse ela olhando para a escada.
-Olha, vamos combinar o seguinte: você me conta onde seu pai está, e eu não deixo o Nahlfo fazer mau algum ao seu pai, que tal?-
-Você... promete?-
-Prometo!-
-Então... então tá bom, eu confio em você.- Disse ela com um sorriso. Isso fez eu me sentir muito feliz, eu me senti como uma mãe para essa menina.
-Bem... sabe aquela casa que você me encontrou?-
-Sim.-
-É... ele fica naquelas redondezas, hora ou outra ele sai para buscar comida para mim, mas naquele dia, ele não estava muito bem...-
-O que havia de errado?-
-Ele estava... com raiva, eu acho. Ele ficava rodando de um lado ao outro, como se estivesse esperando algo...-
-O que acha de amanhã irmos lá perguntar para ele?-
-Sério? Ia ser o máximo!- Então ela começou a pular e rodopiar, e contar que 2 dias atrás ela era apenas uma menininha desolada, com um rosto que parecia nunca ter sorrido na vida, ver ela tão feliz, por minha causa ainda, com certeza me fez muito bem, podia sentir uma paz, uma calma, e parte das minhas energias arcanas sendo restauradas, nem me importava mais se fosse minha culpa estarmos ali.
-Vamos lá Ushara. Vamos colher frutas e água para a viagem!-
-Vamoooos!!!- E ela veio correndo com duas bolsas e um cantil.
...
  Eu estava péssimo... Koewi disse que ficaria bem em mais ou menos dois dias, mas tudo parecia piorar! Estava com uma dor constante e horrível, não só na mordida, mas pelo corpo todo, minha cabeça parecia que poderia explodir a qualquer momento. Fui me refrescar no lago embaixo da cabana enquanto Koewi falava com aquela humana, era melhor me afastar dali antes que eu surtá-se. Lavei meu rosto e meus machucados, estava enxergando tudo dobrado, não sei se do ferimento da asa ou da mordida no abdômen... Koewi chegou para falar comigo.
-Nahlfo, Ushara me falou onde está o pai dela, estava pensando em coletarmos suprimentos hoje e seguirmos viagem amanhã.-
-O quê?... Não!-
-Por quê?-
-Porque... eu ainda estou ferido.-
-Nahlfo, me fale a verdade, você está sentindo alguma coisa?-
-Não, eu estou ótimo! Eu só pensei que poderíamos esperar curar melhor antes de irmos.-
-Se está tão bem, por que não irmos? Você insistiu em conseguirmos essa informação somente para sabermos disso? Temos que levar essa pobre menininha para o pai dela.-
-Eu estava recolhendo informações para fazer meu relatório quando partirmos, e não me interessa a vida pessoal dessa menina, quando a gente voltar para o reino nos poderemos enviar guardas mais capacitados para isso, pelo menos mais do que eu e você.-
-Relatório, relatório... reino, reino... blá, blá, blá, será que você só sabe fazer as coisas sob as ordens do reino?-
-Eu faço meu papel, nada mais!-
-Esse é o seu problema! Você não se importa com ninguém, apenas em agradar a rainha!-
-E por que isso é ruim? Eu faço tudo de melhor para o reino, é por isso que eu estou em um cargo tão acima do seu, porque eu faço as coisas do jeito certo!-
-E o que você ganhou sendo "certo"? Uma mordida no abdômen, perdeu suas asas...-
-Eu não teria sido mordido se não fosse pela sua indisciplina e sua irresponsabilidade! Não vê o quão inconsequente você foi? Se não fosse por você, poderíamos estar em casa, fazendo nossos afazeres diários, mas, nãão, a grande exploradora Koewi tinha que se desconcentrar, soltar uma magia errônea, quase matar nós dois e a criança, e ainda esgotar toda a sua fonte de magia! Se você fosse mais disciplinada, poderia ter evitado tudo isso!-
-Eu te salvei seu idiota!-
-Me salvou? Você me jogou no meio de uma floresta, em um lugar completamente desconhecido, cheio de bestas e criaturas junto com uma criança humana, quanta responsabilidade! Você nunca fez nada além de me meter em confusão enquanto faz tudo da pior maneira e carrega essa lança inútil! Não é a toa que você  foi uma decepção para seus pais!!!-
  Quando eu terminei de falar essa frase, calei-me na hora, ela estava chorando muito, ela veio para cima de mim, me deu um tapa muito forte, e saiu correndo.
-Pera! Koewi! Eu... não quis dizer isso!-
  Ela adentrou a mata e foi embora, a humana largou suas coisas e foi correndo atrás dela.
-Espera!-
  Eu fui correr, mas no primeiro passo me senti empalado, caí no chão de dor. O que foi que eu fiz? Por que eu disse aquilo? Eu sou um imbecil!
...
  Estava correndo atrás da moça com orelhas engraçadas, eu estava esperando ela, quando vi ela correndo, chorando, para o meio da mata. Não pensei duas vezes e corri atrás dela. Aposto que aquele malvadão assustou ela! Corri por uns 2 minutos, quando vi ela sentada em uma pedra, chorando e soluçando.
-Moça!- Ela olhou para mim, com o rosto escuro e encharcado de lágrimas.
  Fui até ela.
-Moça...- Ela me empurrou para longe e virou-se, eu cheguei perto dela, e abracei ela.
-Não chora, você não pode chorar!-
-Se você soubesse *soluço*... Ushara.-
-Não importa o que aquele malvadão disse para você!-
-Mas ele só me falou a verdade!*respiro* Eu sou uma decepção para todo mundo!- Ela começou a chorar mais ainda.
-Não é verdade! Você não é uma decepção para mim! Você foi a melhor pessoa que eu já conheci! E você não precisa da aprovação dos outros para ser essa pessoa linda que você é.-
  Nessa hora, ela me puxou, e me abraçou com muita força, ela cessou um pouco o choro, respirou, e disse:
-Obrigado Ushara, você foi a melhor coisa que me aconteceu desde que eu me perdi nessa selva.- 
  Ela então secou os olhos, me pegou no colo, e seguimos de volta para casa. Chegando lá, o malvadão tava sentado, de costas, com as mãos na testa. Ele olhou para trás com o seu rosto molhado, se levantou rápido, e disse:
-Koewi! Koewi, me desculpa, eu... não quis dizer aquilo de você! Você só me ajudou desde que nos perdemos, e eu não estaria sendo nada mais que um hipócrita falando que você errou, eu estava tão estressado, e... me perdoe, não tenho palavras para me redimir com você, mas por favor, me perdoe...- Ele virou seu rosto para baixo.
-Eu... Nahlfo... eu te perdoo Nahlfo. Eu acho que nós dois estamos muito estressados desde que nos perdemos, mas se ficarmos brigando, ficaremos aqui para sempre...-
-Tem alguma coisa que eu possa fazer para me desculpar? Qualquer coisa?-
  Nessa hora ela me soltou no chão, chegou perto dele, e lhe deu um abraço.
-Obrigado por me perdoar Koewi.-
-Eu sei que você não queria dizer aquilo, seu rabugento...-
  Eles ficaram ali mais uns segundos, então a moça voltou pra perto de mim, o moço olhou para mim e disse:
-Acho que agora temos que nos preparar para uma viagem, certo?-
  Eu fiquei muito feliz, e fui correndo pegar minhas bolsas denovo, a moça... Koewi... apenas riu baixinho, e fomos coletar frutas.
...
-Atracamos na ilha! Preparar esquadrão de reconhecimento!-
  Vários guerreiros armadurados saíram dos três barcos atracado, e começaram a analisar o solo.
-Passaram por aqui, mas há resquícios de algum teleporte.- Disse um dos Brigandes.
-Vamos acampar aqui e preparar feitiços de rastreamento, vamos achar o Primeiro Imediato e aquela exploradora.- Disse o Sênior
-Sim senhor!- O brigande fez uma contingência, e seguiu berrando as ordens aos outros.
Estamos chegando... Nahlfo...
 


Notas Finais


Raças:

Kitsunes = meio raposas, vastas habilidades mágicas, vivem no continente de Kfoxine, geralmente mulheres.
Dragonitas = meio dragões, guerreiros temidos, vivem no continente de Dra'Kra, geralmente homens.
Tanukis = meio urso, guerreiros resistentes, vivem no continente de Pandrária, dormem por 6 meses a cada 3 anos.
Leopards = meio leopardos, assassinos rápidos e silenciosos, vivem no continente de Leonis, não usam espadas, só extensões de suas garras.
Licantropos = meio lobo, causadores de inúmeras guerras, vivem no continente de Voragem, são grandes cruzados.
Elfos = bem... elfos, usam espadas imbuídas com magia, vivem no continente de Alfheim, são grandes arquitetos.
Humanos = bem... humanos, usavam espadas e dispositivos que disparavam dardos, viviam no continente de Villis, eram os únicos que sabiam forjar todos os metais e usar a Humena (nome dado à pólvora), foram extintos há 253 anos, seu fim marcou o início da 4° era.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...