1. Spirit Fanfics >
  2. Prisioneiros (Villain Deku - DekuTodoBaku) >
  3. Encontro; Trabalho

História Prisioneiros (Villain Deku - DekuTodoBaku) - Capítulo 3


Escrita por: Lucy_Lied

Notas do Autor


⚠️Esse Cap se passa no dia anterior ao último, confuso? Talvez mas espero que entendam, por que a autora aqui é BURRA e esqueceu completamente do "encontro" do Izu.⚠️

☆Capítulo narrado pelo Midoriya☆

Tá curtinho, escrevi com pressa.

Boa Leitura♡

Capítulo 3 - Encontro; Trabalho


Tomei um banho e me arrumei tranquilamente, esse lugar foi totalmente planejado para que não houvesse como escapar, e aqueles dois não ganhariam em uma luta contra mim sem suas individualidades.

- Meninos, tô saindo! - Gritei enquanto fechava e trancava a porta novamente.

Nenhum herói ou policial sabe quem eu sou, então posso andar tranquilamente pelas ruas da cidade, é extremamente satisfatório saber que há uma pessoa tão perigosa como eu, que pode matar qualquer um a qualquer momento, e nenhum policial ou herói sabe e não podem fazer nada.

Com certeza já estariam investigando sobre os vários sumiços de adolescentes do Colégio Aldera. Por enquanto vou começar só com isso, quero ter minha vingança primeiro, depois disso, irei me preocupar com o All Might.

Me afastando da aglomeração das pessoas, caminhei calmamente até uma parte um pouco mais longe da cidade, entrando em um prédio abandonado caindo aos pedaços.

Subi as escadas alguns andares e entrei na sala específica que meu amiguinho mandou, não demorou para o encontrar me esperando com as mãos no bolso e uma cara entediada.

- Olá querido! - Pulei em seus braços em abraço, e ele apenas ficou parado.

- Esse seu jeito infantil é estranho. - Falou a voz rouca do garoto. E que voz!

- Preciso ser assim, de acordo com minhas pesquisas, as pessoas sentem mais medo quando o culpado tem aparência e atitudes infantis, e também eu gosto de falar e ser assim.

- Sinceramente, você não está errado, ver você agindo como uma criancinha é engraçado e fofo.

- Mas voltando ao assunto principal... Já está com tudo pronto?

- Sim, em breve eu vou conseguir, e eles já gostam de mim, então não vai difícil pra confiarem em você também, além de eu já ser um "conhecido".

- Shinsou, você é o melhor traidor... Junto do Kami claro! Obrigado por fazer isso por mim. - Mostrei um sorriso fofo.

- De nada, Kaminari disse que não pôde vir hoje pois disse que está com dificuldade em algumas matérias, mas semana que vem você deve vir aqui no mesmo horário pra ele dar o relatório e as  informações novas.

- Vou vir.

- Como estão os garotos?

- Eles estão bem, não vão conseguir destruir aquelas pulseiras e não me venceriam em uma luta. Mas que tal sairmos daqui e irmos tomar um sorvete?

- Vamos, hoje está quente mesmo.

O puxei pela mão e descemos as escadas quebradas, aqui não tem medo não! Se morrer, morreu!

Andamos até uma sorveteria e compramos os sorvetes, ele optou por um milkshake de chocomenta e ficamos andando pela praça, até que...

- Shinsou? Que surpresa vê-lo aqui! - O garoto ruivo, acompanhado dos amigos se surpreendeu ao ver o arroxeado.

- Ah, oi. - Ele forçou um sorriso mínimo.

- Quem é esse ao seu lado? - Kaminari perguntou fingindo surpresa, alguém dá um prêmio pra esse garoto, ele atua tão bem!

- Esse é um amigo meu, nos conhecemos a bastante tempo. - Ah com certeza, 3 anos e meio é bastante tempo!

- E nunca nos contou sobre ele?! - A rosada disse indignada.

Ashido Mina, pelas minhas pesquisas, ela tem 18 anos, faz aniversário no dia 30 de julho, 1,59 de altura, seu tipo sanguíneo é AB e sua individualidade é Ácido.

- Nunca perguntaram. - Ele deu de ombros.

- Então esses são seus amigos da U.A? - Fingi uma animação, meus olhos brilhavam em "empolgação"

- São sim, ele é fanático pela U.A e essas coisas, não liguem não. - Ele explicou aos "amigos".

- Ele é bem fofinho né? - A rosada parecia bem empolgada ao me conhecer, ótimo, talvez seja mais fácil assim.

- "Fofinho" só a cara, isso aqui é um demônio que me arrasta pra fora de casa.

- Tá fazendo certo! Shinsou quase nunca sai de casa! - Kaminari repreendeu o amigo.

- Qual o nome dele? - O falso ruivo perguntou.

Kirishima Eijiro, 18 anos, aniversário dia 16 de outubro, 1,70 de altura, tipo sanguíneo O, sua individualidade é o Endurecimento.

- Me chamem de Mizaki.

Eu definitivamente sou a pior pessoa pra escolher nomes. Como pode? Um vilão tão bom como eu, ser horrível para escolher um nome falso? Eu sou um desastre mesmo.

- Mizaki, esses são Kirishima, Mina, Sero e Kaminari. - O arroxeado apontou para cada um. - Aliás, o Bakugou não está com vocês?

- Ele foi com Todoroki de novo, pareciam estar com pressa. - Eijirou respondeu.

- Ainda acho que eles estão com alguma coisa. - A rosada disse dando um sorriso malicioso.

- O Bakugou e o Todoroki tendo algo? Eles literalmente são a pior dupla para trabalhar em equipe possível, e isso não é de agora não, desde sempre a bombinha odeia ele.

- Bakugou não foi o que venceu o festival desportivo a dois anos? - Eu estou adorando falar dele enquanto os dois provavelmente estão desesperados tentando achar uma escapatória.

- Ainda tem gente que lembra disso? Nossa. - Denki é realmente um ótimo ator!

- Como esquecer? Foi um dos festivais mais acirrados de todos!

- Eu achei assustador quando o Bakugou precisou ser acorrentado no pódio para não matar o Todoroki. - Sero disse ao se lembrar da cena assustadora e levemente cômica para o público.

Confesso que aquela foi a parte que eu mais detestei em todo o festival, eles realmente se acham heróis depois de acorrentar um aluno que claramente parecia desesperado? Estão vendo? É por isso e mais algumas coisas que eu odeio os heróis.

Vê-lo naquele estado, acorrentado, desesperado e gritando até me fez lembrar de alguns momentos dos quais eu nunca quero me esquecer.

- Sinto pena do Todoroki até hoje. - Kaminari disse rindo tentando desviar do assunto e provavelmente de um surto que eu iria ter.

Começamos a caminhar e a conversar até que eu recebi uma notificação no celular e li imediatamente, só recebo mensagens em emergências.

- Pessoal, eu e o Shinsou temos que ir, aliás Shinsou, quero que me chame da próxima vez que sair com eles, seus amigos parecem ser legais. - Tentei falar o mais rápido possível, me despedi do pessoal e saí arrastando Hitoshi pelas ruas até minha "casa".

Digitei todas as senhas no painel e a enorme porta se abriu, puxei Shinsou para dentro e fui á procura dos garotos.

- Meninos? - Chamei por eles mas fiquei sem resposta por um tempo, até que os dois apareceram, Shoto aparentemente estava na cozinha e Bakugou na sala.

- O que foi agora?! - O loiro exclamou irritado.

- Eu acho melhor você melhorar seu jeito de falar comigo mocinho! - Fiz um biquinho e me aproximei segurando seu rosto o fazendo encarar meus olhos verdes - Enfim, não vim aqui para dar sermão. - Soltei seu rosto - Eu e meu amiguinho aqui temos algo de extrema urgência para fazer, então pode ser que eu volte apenas pela manhã, mas vou tentar voltar rápido para ver meu lindos bebês! - Afaguei seus cabelos e abri espaço que que possam ver Hitoshi.

- Shinsou?! - O bicolor não parecia acreditar.

- Eu mesmo, o quê? - Encarou o semblante perplexo dos dois garotos - Acharam que aquilo que falei no festival era verdade? Que eu me comovi com as palavras daqueles "heróis"? Todos do curso de heróis são ingênuos assim?

Os três ficaram se encarando enquanto eu voltava do quarto vestindo um terno preto.

- Vamos, Toshi! - Disse subindo as mangas do terno e ajeitando as luvas pretas. - Tchau meninos. - Deu um sorriso e joguei um beijinho para eles fechando a porta.

- Fala sério, o que ele quer com a gente?! - O arroxeado fechou a cara começando a andar.

- Não sei, mas se nos chamaram eles estão com alguma problema.

Depois de uma longa caminhada finalmente chegamos ao bar, péssimo lugar para escolher para ser um "covil".

- Não sei se sabem, mas eu tenho dois filhotes para cuidar, então  realmente espero que seja uma emergência! - Abri a porta com tudo assustando os outros no local.

- Ah, já chegaram. - Falou se levantando e ficando de frente para nós.

- Não, não, estamos lá fora ainda. - Me segurei para não rir do comentário de Hitoshi.

- Engraçado você né, mas não estamos aqui para brigar, como anda na U.A?

- Tudo tranquilo, em menos de um mês já vou conseguir convencê-los a aceitar o Izuku.

- Agilize, não temos tanto tempo. - O arroxeado revirou os olhos e assentiu - E os garotos?

- Não vai ser fácil convencer eles, os dois são muito empenhados a serem heróis.

- Por quê não fazemos uma lavagem cerebral neles? Assim vao nos obedecer! Shinsou! - A loira que estava polindo uma de suas facas chamou a atenção dele.

- Minha individualidade não funciona assim! Você sabe disso. - Respondeu sem interesse.

- Isso não é problema, podemos fazer uma de qualquer jeito! - Shigaraki disse se aproximando.

- Para de birra! Eu vou conseguir trazer eles pro nosso lado!

- Não é birra! Só estou apressado.

- Foi por isso que não conseguiu raptar Katsuki devidamente da última vez, agora precisa de mim.

- Ou, ou, ou, chega, não vamos discutir aqui. - O homem de pele queimada entrou no meio evitando nossa possível briga.

- Mas eu estou falando a verdade, Shigaraki, com todo o respeito, mas você é burro hein?! Quis raptar um estudante sem o mínimo e conhecimento sobre ele, só achou ele interessante. Tem que entender que para realizar algo você precisa planejar tudo, e foi isso que eu consegui. - Falei mostrando um sorriso orgulhoso.

- Por que nos chamaram? - Hitoshi perguntou

- Tenho um trabalho pra vocês. - Ele foi até o balcão.

- E qual seria? - Perguntei desinteressado.

- Esse cara descobriu sobre nosso plano para resgatar o All For One - Ele pegou cuidadosamente uma foto do homem com um endereço escrito em baixo e nos entregou - Quero que dêem um jeito nele.

- Como quer a morte? - Perguntei encarando o rosto do homem.

- Torturem ele, eu quero uma morte lenta e dolorida.

- Individualidade? - Shinsou perguntou desviando o olhar entre Shigaraki e  foto do homem até então desconhecido por nós.

- Nada muito interessante, ele apenas manipula plástico.

- Ok. - Guardei a foto em um bolso interno do colete preto e me virei para a porta - Até amanhã de manhã ele não estará mais aqui. - Dei um sorriso e saí com Shinsou pela porta.

- Sabe onde é? - Perguntei a ele apontando para o endereço abaixo da foto.

- Sei, é um pouco longe então vamos no meu carro.

Seguimos até a casa dele e fiquei esperando do lado de fora da garagem, ela abriu e eu entrei no carro colocando o cinto de segurança.

Ignorando os semáforos e em uma velocidade considerada ilegal, chegamos bem rápido na casa.

- Vamos começar.

Entramos pela porta dos fundos sem fazer barulho e encontramos o homem assistindo TV na sala.

Shinsou chegou com cuidado por trás e pressionou um pano em seu nariz e boca, não demorou para o homem desmaiar.

Shinsou o colocou sobre seu ombro e pegou o celular mandando um mensagem.

- Kaminari disse que está indo pra lá, vamos, esse cara é pesado. - Seguimos até o carro novamente e Shinsou o amarrou com os cintos de segurança no banco de trás.

Depois de um tempo dirigindo fora da cidade, chegamos ao galpão abandonado e vimos o carro de Kaminari estacionado logo á frente.





Notas Finais


Demorei né? Eu sei. Motivos? Minha namorada veio passar uns dias comigo e ela não gosta que eu dê mais atenção para as fanfics do que pra ela, então desculpem se eu demorei de mais pra postar. Não fiquem com raiva dela.

No próximo capítulo terá a tortura, algumas pérolas do Todoroki e do Bakugou pra descontrair e o plano da 3-A. (Atual 1-A.)

Foi isso, até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...