História Prison Novel - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias One Direction
Personagens Liam Payne
Tags Criminal, Larry Stylinson, One Direction, Ziam Mayne
Visualizações 75
Palavras 5.663
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Estou de volta!! Olha aí mais um capítulo.
E o título já é bem sugestivo. O que vocês acham que vai acontecer? Estão ansiosas por mais Ziam? Eu também!! 😂😊
Boa leitura!! ❇💥

Capítulo 18 - Homossexuality isn't a problem


Fanfic / Fanfiction Prison Novel - Capítulo 18 - Homossexuality isn't a problem

Liam grunhiu ao baixo, ao perceber que não conseguiria dormir mais. Poderia aproveitar mais um pouco, porém, seu relógio biológico resolveu aguentar mais cedo e fazer-lhe acordar antes do comum. Resmungando e insatisfeito, ele desceu da beliche e lavou o rosto; se preparou para o dia - que resumia-se em fazer nada dentro daquele cubículo em que vivia. A única coisa que lhe tirou o tédio algumas vezes foi a leitura, porém, já tinha terminado seu livro.
      Quando virou para trás, Zayn também já tinha acordado e estava sentado na cama, coçando os olhos e bocejando ainda. Liam sabia que ele era dorminhoco, e impressionava-se com isso. Às vezes, desejava ter o sono tão pesado quanto o de Malik.
       -Bom dia, Bela Adormecida. - disse, bem humorado. Zayn encarou-o, os olhos ainda meio fechados por causa da sonolência. A cena era fofa e divertida ao mesmo tempo.
        -Ahm... Bom dia. -Malik disse de volta, baixo, passando a mão pelos seus cabelos. Aliás, precisava cortá-los, mas não sabia como conseguir isso. Ele levantou e fez o mesmo que Liam, lavou o rosto e isso ajudava-lhe muito a acordar de fato. Ajeitou as madeixas negras da melhor maneira que pôde e voltou para sua cama. Liam observava o lado externo, escorado perto das grades, com os braços cruzados.
        -Você tem alguma dificuldade pra dormir? Digo, você tem bronquite e o tempo mudou.. sente algum incômodo ao respirar? - Payne perguntou, olhando para o colega. Zayn negou, descontraído, e agachou-se para pegar algo embaixo de sua cama.
        -Não. Felizmente, estou conseguindo dormir bem. Talvez possa acontecer algum dia, como ontem.
        -É melhor nem pensar nisso. Dormindo você não pode fazer nada. - Liam disse.
        -É, eu sei. Mas não tem muitas chances de isso acontecer enquanto eu estiver dormindo. Enfim... - Zayn balançou a cabeça, como se para afastar aqueles pensamentos negativos para longe. - Pode me ajudar com isso aqui de novo, por favor? - sentou-se em sua cama, segurando sua caixinha branca de remédios e papéis do hospital.
       Liam olhou para ele confuso, porém acenou em resposta quando entendeu o que Malik queria. Andou até a cama, acomodou-se próximo a ele e pegou o remédio juntamente com o objeto pontiagudo e metálico que ele segurava. Zayn, ainda um pouquinho sonolento, encostou-se na parede de sua cama e estendeu o braço, pronto para receber o medicamento.
      Lembrando do que fez há dois dias atrás, molhou um pedaço de algodão com álcool e limpou a parte do braço do moreno, onde aplicaria o objeto. Encheu a ampola com o líquido amarelo - tudo feito na mais calma e tranquilidade possível- para que não estragasse tudo e não deixasse o tatuado mais nervoso também. Segurou o braço dele e injetou a agulha na pele morena dele, fazendo-o soltar um murmúrio quase inaudível em insatisfação. Definitivamente, Zayn odiava agulhas e isso fez Payne rir.
        -É só uma agulha, Zayn. Você não vai morrer.  -falou, rindo do outro e limpando outra vez a região da pele dele e passou o dedão, quando terminou.
        -Eu odeio isso. - Malik disse, baixinho. Sua atenção foi meio desviada quando Liam fez aquele suave carinho no seu braço. Não entendia aquela mudança a mudança repentina no comportamento dele. Depois da conversa que tiveram, Liam mudou as ações e passou a ser mais simpático, educado e até mesmo gentil.
        -Eu também odeio estar preso mas a vida é injusta. -Liam falou, com uma pontada de raiva na voz.
        -Viver é difícil. E... Há quanto tempo você está aqui?- Payne ficou desconfortável com o questionamento e fez uma careta. Falar do passado, especialmente sobre sua vida no crime tudo relacionado a isso deixava-lhe mal e não era fácil. -Ah, me - me desculpa... eu não queria ser invasivo. Não precisa responder. - Zayn desculpou-se, atrapalhado por ter perguntado algo tão... íntimo.
        -Sem problemas. - Liam respondeu, tentando parecer confortável. - Só, não quero falar disso, ok? É um assunto muito... complicado.
        -Eu entendo. Me desculpe, de novo. - Payne acenou, como se não ligasse, e levantou-se. Malik já sabia que ele gostava de esperar pela abertura da cela próximo das grades; era uma mania dele e achava isso engraçado, já que as grades não desapareceriam de repente.
        -Você está sabendo? - disse, aleatório.
        -Do que? - Zayn aproximou-se, ficando frente dele, encostado na parede oposta da que Liam estava. Ambos observavam os outros presos também já posicionados em frente as grades, ansiosos pelo horário de saída, quando poderiam sentir-se mais livres.
        -Ontem, o Niall disse que teria uma surpresa para nós, hoje. Mas ele não soube dizer o que é.
        -Surpresa? - Malik ficou confuso. - Desde quando eles dão surpresa para presidiários, criminosos como nós? - disse, irritado e sarcástico. - Duvido que o governo gaste dinheiro com a ralé da sociedade, ou seja, nós.
        -Nossa, mas que raiva, hein? - Liam comentou, com um sobrancelha arqueada. - É dever do governo cuidar dos presos. Faz parte da reinserção na sociedade, algo assim. Por isso, nós fomos para biblioteca. É uma reeducação social, para que nós mudemos de vida, quando sairmos daqui.
        -Besteira. Quando eu sair daqui já vou estar velho e só vou querer encher a cara. - Zayn disse, taciturno.
        -Você também pode encher a cara aqui. - Payne falou, sugestivo, fazendo Zayn encarar-lhe com atenção e os olhos brilhando em curiosidade.
        -Como assim?
        -Há modos de conseguir bebidas aqui, Malik. E eu conheço a maioria deles. - Liam aproximou-se dele, com um ar misterioso e um sorrisinho prepotente no rosto. Zayn quis avançar e beijá-lo, embora não pudesse.
        -Então você podia arranjar uma para mim, huh? -Zayn disse, entrando na onda. Por que isso lembrava um jogo de sedução para o moreno? Liam parecia um predador prestes a dar o bote, e felizmente, poderia ser Zayn. Mas, na realidade, ele só gostava de joguinhos, brincar com as outras pessoas.
        -E por que eu faria isso? - o canto direito de sua boca inlicnou para cima, num sorriso perigoso.
        -Eu ainda posso abrir o bico, Liam. E você não gostaria disso. - Malik não se retraiu -se, e ergueu o rosto.
        -Seu chantagista de merda. - Liam resmungou, voltando para onde estava. Seu rosto transformou-se numa carranca e isso fez Zayn rir. - Tudo isso por causa de álcool? Me poupe, Zayn!
        -Prioridades, Liam. - Payne fez cara de tédio. -E eu posso arrumar meus meios de descobrir. Mas acho que você não gostaria de ter um espião no seu próprio bando, não é? Seria ruim para os negócios.
        -Cala a boca! - O castanho exclamou. - Eu vou ver o que consigo. E não reclame se eu aparecer com uma pinga barata da Colômbia.
        -Qualquer coisa com álcool 'tá bom. - o tatuado deu de ombros.
        -Mas você pode tomar isso? Não vai complicar o seu estado de saúde? Eu não pretendo ser julgado por ter te matado também.
        -Não, pode ficar tranquilo. Meu problema é nos pulmões, não no fígado. - respondeu. A fala "... te matado também." ficou rondando a sua mente. Então Liam já tinha matado outra pessoa? Ele nem deve ter notado que deixou isso escapar.
        -Se você diz. Mesmo assim, é bom tomar cuidado. Se o médico disse que sua saúde é mais frágil que a dos outros, o cuidado tem que ser maior.
        -Tá, mamãe. Eu já entendi. - zoou, cansado daquele papo de cuidados e blá blá.
        -É sério, Zayn. - Payne falou, firme .- Você tem que se cuidar. Ontem eu quase morri tendo que te acudir. Imagine o quanto sua família sofrerá se acontecer algo pior.
       -Eu estou ciente disso, não precisa me encher o saco. - o moreno irritou-se. Liam ficou calado, já que responder não adiantaria em nada e Zayn era teimoso.
       Não demorou para a cela se abrir e os dois saíram em direção ao refeitório, acompanhando todos os detentos, na fila que se formava. Liam ficou atrás de Zayn mas logo Dylan e Niall apareceram.
        -Bom dia, gente! - O'brien disse, sorrindo. Zayn ignorou, pois já estava acostumado com a felcidiade dele, por outro lado, Liam encarou-o com uma expressão pouco amigável.
        -Você transou para estar feliz desse jeito? - Niall riu do modo como Liam ficaram incomodado.
        -Ah, quem me dera, Payno. - Dylan disse, sonhando alto, com as mãos no peito. Liam não gostou do "Payno" mas achou melhor fingir que nem ouvira. - Mas isso vai demorar, para minha angústia.
        -Sorte sua que não está sozinho. Estamos todos doidos por sexo. - Niall disse fazendo-os rirem. Os detentos ao redor, que conseguiam ouvir a conversa, olharam-nos estranhos. - Porém, não vou com a cara desses caras senão, até mudava de ideia. -o irlandês sussurrou, olhando aos lados. Zayn engasgou, atônito com a declaração do loiro. Liam tinha os olhos arregalados, em choque.
        -Você 'tá zoando né? - Dylan disse, duvidoso. Niall caiu na gargalhada, deixando seu rosto, ora claro, num tom avermelhado.
        -Claro que sim, idiota! - Dylan soltou um "Ufa" de alívio. - Nada contra, mas prefiro uma mulher. Aliás, eu deveria ter arrumado uma namorada porque aí poderia receber visitas privadas. Mas e você, Liam? - O'brien e Horan encararam-no. Liam piscou uma, duas, três vezes e mexeu a cabeça, voltando do choque que teve. Niall estava brincando! Meu Deus!
        -Eu o que? - franziu o cenho, cruzando os braços. Zayn escutava tudo sem se intrometer; estando na frente dos três na fila.
        -Oras, diga aí se você não está com abstinência de sexo, também.
        -Que papo é esse, Niall? Eu não vou falar da minha intimidade com você. Paciência! - Payne respondeu, na defensiva, e passou eles para ficar de novo atrás de Zayn.
        -Somos amigos. Pode falar sem vergonha, Payne.
        -Deixa para lá, Niall. Ele tem vergonha. - O'brien disse, mas algo na voz dele dizia que ele só estava provocando. Por isso, e por outros motivos, Malik decidiu ficar fora de tudo. -Ou talvez ele não queira falar do caso dele aqui dentro. - Zayn tensinou no lugar, suas mãos esfriaram por causa do nervosismo e isso piorava porque a respiração funda de Liam atingia a parte traseira de sua cabeça, deixando-lhe mais perdido. Claramente, ambos ficaram nervosos, porém não podiam demonstrar isso porque Niall e Dylan desconfiaram mais ainda.
        -Não tenho caso nenhum aqui dentro, Dylan. Cuida da sua vida que é melhor. -Payne respondeu, seco e com entonação. O'brien e Niall se entreolharam, cúmplices. Era o típico olhado de duas amigas que sabem o que uma terceira está fazendo mas não querem falar nada.
       
        -Não dê bola para aqueles dois. - Zayn disse, baixinho, enquanto eles andavam em direção a uma mesa vazia. Dylan e Niall estavam atrás, pegando suas refeições ainda mas depois se juntariam a eles e Malik aproveitou o momento para aconselhar o maior, que parecia querer soltar fogo pelas ventas.
        -Eles sabem de alguma coisa, Zayn! Estão desconfiados, cheios de truques. Eu não vou aguentar isso. - Liam respondeu e sua voz baixa fazia-o soar mais assustador do que já é.
        -É só ignorar. Eles vão acabar cansando e desistindo de tentar arrancar algo de nós. - os dois sentaram-se, um de frente para o outro.
        -Seu amigo é muito irritante. Como suporta aquele palhaço ambulante?
        -Costume. - Zayn respondeu e deu um gole no suco de limão. - Eles estão vindo, mantenha a calma.
        -Calma? Eu vou é...
        -Esperar para ver o que é.- Zayn interrompeu-o, antes que Liam dissesse uma besteira e Horan e Dylan ouvissem. Payne olhou-o confuso, mas então viu os dois rapazes sentando e calou-se.
        -Ver o que? - O'brien inquiriu, sentando ao seu lado. Niall sentou&se ao lado de Liam, do outro lado da mesa.
        -Ver a tal surpresa que vai ter. 'Tô ansioso. - Malik disse, comendo um pedaço de seu bolo. Dylan o fitou por mais uns segundos, não acreditando, mas resolveu deixar para lá e começou a comer também.
        -O Liam te contou? - Niall falou e viu o moreno concordar. -Bom, eu não sei se é verdade. Só repassei o que eu ouvi então não fique tão animado. - aconselhou, cauteloso.
        -Ah, preciso me sentir feliz um pouco. - o moreno disse, divertido e sorriu. Liam riu, ao contrário dos outros, que ficaram sérios. Niall e Dylan pareciam dois espiões tentando coletar o máximo de pistas que pudessem, e cada ato de Payne e Zayn eram analisados com atenção redobrada. Malik estava ciente disso, mas Payne parecia não se lembrar do que o moreno lhe dissera.
        -Se eu tivesse seu talento artístico já estaria feliz o bastante.
        -Talento artístico? - o irlandês ficou interessado.
        -É que o Zayn faz uns desenhos bem maneiros. Mas ele é muito humilde e diz que não são nada. - Dylan respondeu por ele, ignorando a timidez do amigo. Mas isso não passou despercebido para Liam e achou isso fofo. O moreno riu, sem graça, e abaixou a cabeça.
        -Você pode me mostrar esses desenhos, Zayn? - Niall pediu, interessado. Malik apenas assentiu, fingindo estar muito ocupado com sua comida, mas não queria aquela atenção toda. - Você é sortudo, hein Liam! - o loiro comentou, divertido. - Vive com um artista nato! Vê se aprende alguma coisa, pelo menos.
        -Ah, não. Isso não é minha área. Prefiro os dele. - Liam respondeu, lançando um sorrisinho para o moreno, que meneou a cabeça.
        -Hmm, não sabia que você apreciava arte. - Niall alfinetou. - Pelo jeito, o Zayn te fez mudar de ideia.
        -O quê? - Liam virou-se para ele, exausto das provocações dele. - Para... Só para com isso. - revirou os olhos. - Vamos deixar o Zayn e os desenhos dele em paz, porque senão ele vai cavar um buraco para se enfiar, de tanta vergonha.
        -Eu não estou vergonha! - Malik tentou protestar, mas era em vão. Como odiava ser timido.
        -Ah, Zayn, você está vermelho de vergonha. Sou seu amigo, não pode me enganar. - Dylan acrescentou.
        -Vocês são chatos. - o tatuado bufou, desistindo. Pegou a cartela do seus comprimidos que pegara antes de sair e retirou um, tomando-o logo, com um pouco do suco. - E eu já comi. - pegou sua bandeja e saiu. Os outros três assentiram, terminado de se alimentarem. Dylan prestou atenção no amigo quando ele saiu, mas invés de ir em direção às celas ele seguiu para um outro corredor, acompanhado de um agente.
        -Onde o Zayn está indo? - perguntou para os outros. Liam olhou para trás e viu-o passando pelo corredor contrário ao das celas.
        -Ele está indo na enfermaria.
        -Por que? Ele está doente? Se machucou? - O'brien disse, atônito e preocupado. Liam fez pouco caso do chilique dele, mas Niall lhe cutucou por debaixo da mesa, em reprovação.
        -Ontem ele acabou vomitando por causa de um remédio que ele tomou. Eu disse que seria melhor para ele, ir na enfermaria ver o que aconteceu.
        -Zayn vomitou? Mas eu achei que ele estivesse bem.
        -Ele está, mas foi verificar. Só um médico pode afirmar isso com certeza. - Niall disse, por Liam, já que ele não estava para muita conversa. - Depois você conversa com ele melhor. Não precisa ficar preocupado.
- o loiro era ótimo em tranquilizar as outras pessoas e assim, Dylan respirou fundo, assentindo.

         Liam voltou para sua cela pensando em como a desconfiança compartilhada de Niall e Dylan podia arruinar o plano dele e de Zayn de que ninguém soubesse o que houve entre eles.
        As grades se fecharam; o barulho de metal sempre lhe dava arrepios e isso lhe fazia lembrar que ainda tinha uma longa jornada até sair da prisão, contudo, isso iria mudar em breve, quando colocasse seu plano de fuga em ação, juntamente com Niall. O irlandês era o principal objetivo dessa sua artimanha, porque ele merecia uma vida melhor e digna, acima de tudo. E por isso, Liam arriscaria tudo para poder dar isso ao amigo.
       Quase caiu no sono, mas a bagunça de seus pensamentos não lhe davam a paz necessária para isto. E depois de um tempo - mais de meia hora, praticamente, Zayn apareceu. As grades foram abertas somente para serem fechadas novamente, assim que o moreno entrou. Payne logo notou que ele tinha um algodão pregado no braço.
        -O que é isso aí? - perguntou, apontando para o pontinho branco no antebraço dele. Zayn aproximou- se
e encostou-se na parede.
        -O médico tirou um pouco de sangue meu, para fazer mais alguns exames. Mas o vômito não foi grave, só uma reação do meu corpo ao remédio. Não é incomum acontecer.
        -Ah, fico menos mal. E isso significa que das próximas vezes que for tomar de novo não vai passar mal? - Liam desceu da beliche, e parou a sua frente, vendo o moreno balançar a cabeça em afirmação.
         -Talvez sim. Se continuar assim, eu tenho que voltar para a enfermaria e o médico vai me examinar de novo. É tudo uma chatisse.
         -Não é chatisse, Zayn. É sua saúde e você precisar cuidar disso. - Liam repreendeu, mas o moreno não deu atenção e foi para sua cama.
       -Não é você quem está doente, então fica calado, Liam. - o moreno disse, deitando-se. - Pega minha bombinha para mim, por favor. - pediu, afável. Ele é bipolar?  Liam pensou e fez o que ele pediu-lhe. Entregou a bombinha para o moreno e ele a usou, numa única inalação, inspirando fundo, embora o gás não fosse muito agradável ao paladar, e Liam a guardou de novo, na caixinha de remédios. - Obrigado.
        -De nada. - disse, baixo, observando as costas do moreno. A calça dele escorria pouco para baixo, deixando sua cueca branca à mostra, assim como o início de suas costas. E na nuca, era visível um pedaço da tatuagem que ele tinha ali. Aliás, Zayn tinha tatuagem para todos os lados e Liam adorava isso. Amava tatuagens, embora as suas fossem poucas, mas isso era porque não se identificava com muita coisa ao ponto de querer marcar na pele. Pelo contrário, Zayn tinha até um tigre no braço! Era algo normal, no entanto, certamente tinha um significado pessoal para ele. E Liam simplesmente queria saber mais sobre isso mas não tinha coragem de perguntar. Sentia vergonha e aquilo parecia muito sentimental.
         -Ah, pode pegar o livro de volta porque eu não vou precisar dele mais. - ouviu o moreno dizer, e além disso, ele tinha virado de frente.
         -Não? Mas e se você esquecer algum detalhe? - Liam receou.
         -Confio muito em mim mesmo ao ponto de ter certeza que isso não vai acontecer. Relaxa. Vai ficar bom.
         -Eu sei disso, você é muito talentoso. -o moreno supriu um sorriso, mas Liam pôde ver o brilho de felicidade nos olhos dele e isso lhe deixou satisfeito -   Porém, você pode esquecer... Sei lá, se confundir. - gesticulou com as mãos mas Malik negou, decidido.
         -Vamos fazer assim; se eu te surpreender você vai me ficar me devendo uma e eu posso te pedir qualquer coisa  depois. Já se eu falhar, você pode me pedir qualquer coisa e eu fico te devendo uma. O que acha? 
         -É um bom acordo. Não vou perder nada mesmo. - Payne aceitou, sem pensar.
         -E eu posso ganhar algo. - Zayn murmurou pra si mesmo, dando as costas para o maior. Queria terminar o desenho mas a vontade de dormir venceu. Ele já tinha em mente o que pediria a Liam, caso vencesse. E, sem querer soar arrogante, mas seu talento era forte demais.
      

        -O que você acha? - Niall falou, enquanto eles andavam em direção ao refeitório, de novo, naquele dia. Já era de tarde, mais de 2 pm quando as grades de todas as celas foram abertas e os presos avisados para irem ao refeitório, em ordem e sem fazer barulho, com a vigilância por perto dos agentes e mais outros policiais.
        -Não faço a mínima ideia. Só espero que preste. - Dylan respondeu, tentando ver por cima das várias cabeças à sua frente, se tinha alguma coisa lá na frente.
        -Deve ser importante, já que chamaram todos.
        -Concordo. Será que é palestra? Eu, sinceramente, já 'tô cansado disso. - Niall falou, entediado. Se fosse ter que assistir a um palestrante, seria capaz de jogar seu sapato na cara de quem fosse.
         -Hey, caras. O que 'tá acontecendo? - Liam parou ao lado deles, assim como Zayn. Dylan virou-se e viu o moreno bem atrás de si, também perdido naquele mar de detentos.
         -Ninguém sabe. - Niall respondeu. - Estamos todos curiosos.
         -Ainn, eu quero dormir. -Malik resmungou, manhoso.
         -Você já dormiu demais, não acha? -Payne disse, olhando- o incrédulo. Não compreendia como um indivíduo dormia tanto e ainda queria mais e mais. Na verdade, se Zayn pudesse, ele passaria a vida na cama. Respondendo ao seu questionamento, Malik apenas negou. Dylan bufou, e passou o braço pelos ombros dele.
         -Dorme aí, Bela Adormecida. - disse, contra sua vontade, mas Malik era seu amigo e fazer um sacrifício para ele, uma vez, não lhe faria mal. O moreno aproveitou a oportunidade e deitou a cabeça no ombro dele, agradecendo internamente aos céus por poder descansar os olhos. Vendo essa cena, Liam teve uma sensação confusa, que não sabia descrever o que extremamente. Zayn parecia tão confortável quase dormindo no ombro de Dylan, e aquele rosto singelo estava tão próximo de O'brien que ele poderia fazer qualquer coisa mas só existia uma amizade ali, nada a mais. Depois, ele viu os lábios do moreno se mexendo; ele dizia alguma coisa para o amigo, e esse soltou uma risada.
        -Ai, essa merda vai demorar ainda? - Payne estressou-se, e tentou enxergar a frente, embora fosse inútil. - Eu não vou ficar em pé, aqui, pelo resto da vida. -disse para os agentes penitenciários que passavam poderem ouví-lo. Entretanto, conforme o treinamento deles, nada foi dito nem houve uma reposta física. Eram robôs segurando armas e programados para agir quando fosse necessário. Liam odiava isso.
        -Calma, Payno. - Dylan disse e mais uma vez o apelido que recebera não lhe agradou. Porém, não iria perder o fim de sua paciência com ele.
        Finalmente, após mais alguns minutos de espera e nervosismo, a fila começou a andar novamente. Zayn soltou murmúrios de reprovação, pois não queria andar.  Eles adentraram no refeitório; contudo, estava mudado. O local estava escuro, e havia um telão lá na frente, assim como várias cadeiras ficavam enfileiradas horizontalmente, uma ao lado da outra. Perto do telão, uma mulher, num traje formal, observava tudo com atenção. Ela era morena, tanto no cabelo, quanto da pele, tinha os cabelos encaracolados e usava um batom vermelho, o qual realçava ainda mais sua negritude, mas deixava-a séria e elegante. Usava calças formais pretas, uma blusa verde claro e uma jaqueta branca por cima. Era ela muito atraente e tinha uma presença forte e empoderadora. Vários presos comentaram a respeito dela, e Dylam ouviu alguns dizeres machista e ofensivos e revirous olhos. Homens eram tão estúpidos!
       Os quatro não disseram nada, sobretudo Zayn, que ainda apoiava-se no ombro de Dylan, sonolento. Liam não gostou disso, no seu intimo algo lhe dizia que aquilo não era o certo, seja lá por qual motivo.
        - Pessoal, sentem-se, por favor. -a mulher disse, alta e segura. Os presos 'obedeceram-na' e todos se acomodaram na cadeiras. Liam, Niall, Dylan e Zayn sentaram juntos, lado a lado.
         -O que está acontecendo? -Malik murmurou, coçando os olhos, assim que se sentou.
         -Shh, a mulher vai falar. É melhor ficar calado. - Niall disse, colocando a mão na boca para abafar o som.
          Após mais uns minutos, quando todos estavam devidamente sentados e calados, principalmente, a mulher avançou no pequeno palco na frente de todos e começou a falar.
         -Boa tarde. - sua voz ecoou por todo o local, e ela tinha o queixo erguido. - Vocês devem estar se perguntando porque estão aqui e eu vou explicar tudo, com calma. Nós - ela apontou para outras três pessoas atrás dela, próximas ao telão. - trabalhamos para o governo. Estamos aqui, desenvolvendo o projeto de reintegração social e reeducação da população carcerária americana. A biblioteca foi só um começo, mas decidimos aprimorar isso. - ela andava de um lado para o outro; um andar firme. - Hoje, vocês vão assistir um filme. Foi difícil escolher qual, mas esperamos que nossa escolha tenha sido a melhor. É um filme com uma bagagem histórica grande, com filosofia, moral e ética. Além de mostrar também, parte do trabalho de um país em uma época de guerra. Tem relação com um assunto muito discutido atualmente e importante: a homossexualidade. E tendo uma mínima noção de como vocês são, eu digo que aqueles que não quiserem assistir podem se retirar. - ela olhou para todos, desafiadora.
      Ninguém ousou falar nada, mas a maioria, impressionou-se com a força de liderança dela e coragem. Ela ficou calada, esperando a atitude vinda deles. Finalmente, mais de 10 detentos, 17 ao todo, mas ela contou por alto, se levantaram e saíram, acompanhados de agentes penitenciários.
       -Bom, já que os coleguinhas de vocês não estão presentes, eu vou continuar. O ator do filme é bem reconhecido, especialmente por este trabalho que vocês vão conhecer agora a pouco. Depois, nós vamos falar sobre a história e quero ouvir vocês. - ela afastou-se, desceu do palco, indo em direção a uma mesa entre os presos e ligou um aparelho. Então, as luzes restantes se apagaram e o filme começou a rodar. Se chamava O jogo da imitação.

       Durante o decorrer do filme, Zayn ficou bem emocionado com certas cenas, e abalado com o fato do personagem principal ser homossexual. Ele era muito inteligente, sábio, e mesmo assim teve um fim cruel porque gostava de homens. Na cena em que ficou sabendo sobre a morte de seu melhor amigo, os olhos do moreno encheram-se de lágrimas e queria fazer alguma coisa. Além disso, o garoto fora a primeira paixão de Alan - o protagonista- e isso deixou tudo pior.
        Depois de mais de duas horas, o telão se apagou; o filme acabara. Zayn respirou fundo; parecia que hm caminhão tinha passado por cima de si. Odiava ser sentimental e sensível. Dylan notou isso e passou a mão pelo seu ombro, lhe confortando, em silêncio, pois nada do que dissesse funcionaria. Liam estava muito abalado, especialmente porque "o caso" dele com Zayn veio em sua mente, deixando-lhe mais atordoado.
        O refeitório voltou a ser iluminado, enquanto os créditos passavam pelo telão, mas ninguém prestava mais atenção. Helen posicionou-se de novo smp frente ao palco, e os outras pessoas a acompanharam, um homem e uma outra mulher.
        -Bom, gente, foi isso. - ela disse, cruzando os braços. - Eu entendo que a parte emocional do filme é forte e mexe com a gente, e alguns de vocês se emocionaram, mas precisamos falar sobre ele, de todo modo. Por isso, eu quero saber; vocês acham que o final foi justo? - ela perguntou, em alto e bom som. Os detentos ficaram calados. - Vocês acham certo o que aconteceu? Podem falar gente, não precisam ter vergonha. - Ela disse, mais simpática dessa vez. Ela andou de um lado para o outro, esperando por alguém mas ninguém quis se pronunciar. - Bom, se é assim, okay. Eu falo, então! - ela sorriu, animada. - A liberdade hoje em dia é algo difícil de se ter, especialmente quando você é diferente dos outros. Mas por que as pessoas fazem isso? Por que um homem não pode simplesmente gostar de outro? E uma mulher gostar de outra? Ah, pode falar. - ela apontou para o fundo, e em resposta todos viraram-se para ver quem tinha sido corajoso àquele ponto.
        -Porque...hm.. as pessoas tem dificulades em aceitar as diferenças. Então, é melhor não deixar que essas diferenças se mostrem. - David, o antigo colega de cela de Zayn falou, deixando-lhes urpreso por ter falado aquilo, mas no fundo, estava feliz pelas palavras dele. E logo lembrou-se de uma conversa que teve com ele sobre o certo ou errado. Foi com esse conselho que criou coragem para beijar Liam outra vez.
        -Muito bem. Obrigado... ?
        -David.
        -Ah, sim. Muito obrigada, David. Talvez você tenha encorajado seus colegas a falarem também. Vamos ver. Então isso não é uma questão de certo ou errado, mas sim de educação humana. Por que os humanos não aceitam certas coisas? Alan, no filme, era um matemático brilhante, e sem as contribuições dele, não existiria os computadores de hoje em dia. E mesmo assim, ele foi julgado e obrigado a se sujeitar a um tratamento humilhante só para poder continuar o trabalho. Porém, me digam vocês! Ele não poderia continuar trabalhando mesmo sendo gay? Isso atrapalharia a inteligência dele?
         -Não. - um detento disse, alto para que pudesse ser ouvido. Ele era ruivo, tinha sardinhas no rosto e os olhos verdes. Zayn o via no dia a dia, porém não sabia quem era. - Ele ia trabalhar como sempre, mesmo sendo gay. Antes de todos saberem, ele já era reconhecido, e valorizado. As coisas só começaram a desmoronar quando o segredo veio à tona. Isso só mostra que as pessoas te dão valor se você estiver dentro do padrão da sociedade.
        -Parabéns! Obrigada pelo comentário. Alguém mais quer falar? - silêncio.
        -Não adianta falarmos disso, ele já morreu. Nós não podemos mudar a história. - um outro detento disse.
         -Você tem certeza? E se fosse você naquele tempo, vivendo tudo aquilo? Como se sentiria? - ele não respondeu. - Ao contrário do que o colega de vocês disse, nós podemos, sim, mudar a história. Não aquela que já passou, porque essa não tem volta, mas o futuro das gerações que virão. Precisamos mudar para que nenhuma outra pessoa tenha que viver o sofrimento que o Alan teve. Ele se suicidou, porque gostava de homens! Isso é sério e precisamos mudar esse cenário. Não podemos matar mais homens só porque eles preferem outro maldito pênis. - eles riram. - Alguém? - silêncio. -Enfim, é só isso, por hoje. Espero que o filme tenha realmente lhes feito pensarem sobre o assunto, e sobre seus princípios. Deixo o resto com vocês. Nos vemos na próxima.
        Os presos levantaram-se e foram saindo aos poucos, sob a vigilância dos agentes muito perspicazes.
        Niall foi o primeiro a se mexer, seguido de Dylan, mas Liam e Zayn estavam paralisados; muito abalados. Zayn, diferentemente do acastanhado, tinha os olhos vermelhos e ainda um tiquinho molhados. Payne era mais uma estátua, impactado com as novas informações e sensações. E eles tinham uma história por trás disso, portanto, o efeito era maior.
        -Hey, Zayn. Vamos. -O'brien disse, cutucando o braço do amigo. Malik olhou-o, e assentiu, erguendo-se logo. - Você está bem?
         -Sim. - respondeu em tom baixo. Dylan quis perguntar mais, entretanto não ousou.
         -Liam! - Niall disse, alto o suficiente para que ele despertasse. Payne inclinou a cabeça para encarar o irlandês e já sabendo o que ele pediria, se levantou.
        Os quatro seguiram os agentes que já aguardavam por eles, do lado de fora do refeitório. Eles foram levados até o local das celas e em seguida, cada um seguiu para sua. Mas antes de separarem por defitinivo, Dylan disse a Zayn:
         -Fica bem, ok? Dorme, se isso for te fazer bem. -afagou os cabelos negros dele, sorrindo fraco. Malik concordou e foi atrás de Liam.
         Zayn desabou em sua cama, sem falar nada. Liam não queria dormir, então permaneceu em pé, perto das grades, de onde podia ver o lado externo, pelo menos um pouco. Contudo, o silêncio tenso foi quebrado por um ruído baixo e familiar. Fungados? Liam franziu o cenho e virou para trás. Zayn sentava, agora, e ssfava cabisbaixo, com uma mão fechada em punho por cima da boca. Embora, tentasse esconder, Liam sabia que ele estava chorando. Ficou parado, olhando-o, sem saber o que fazer. Como já se sabe, emocionalmente falando, era um desastre e nessas situações ficava mais perdido do que a vítima.
       -Zayn? - chamou-o, incerto e não obteve resposta. Apertou os lábios, e respirou fundo, cedendo. Não acredito que vou fazer isso. sua consciência dizia. Aproximou-se do colega, devagar, e sentou ao lado dele com a sutileza que tinha. - Hey, Zayn. - falou, baixinho e suave. - Por que está chorando? O que aconteceu? - o moreno apenas meneou a cabeça, em silêncio. -Fala comigo, por favor. - ele negou, várias vezes. Liam suspirou; ia ser difícil.
       Ficou um tempo fitando a parede, enquanto Zayn ainda chorava, baixo, afinal não tinha o que fazer. Sentia-se impotente. Então, embora tivesse dúvidas, colocou uma mão no ombro dele e começou a descer, passá-la por toda as costas, numa tentativa de confortá-lo. Isso trouxe um paz ao moreno, mas ele ainda sentia-se deprimido. O filme foi como um tapa na sua cara, devido a vários fatores e não sabia lidar com isso.
        -E-eu... - o moreno começou, num murmúrio abafado, porém o bastante para fazer Liam olhá-lo atento. - O filme mexeu comigo. E e-eu não quero....não quero terminar daquele jeito, Liam. Não posso suportar isso. - Payne ficou confuso. Por que Zayn teria um fim igual o do filme? Para isso, ele teria que ser... Oh!
       Os olhos do castanho se arregalaram instantaneamente e afastou, no automático, sua mão de Malik. Isso intensificou a dor de Zayn, porque ele sabia que ali, Liam tinha juntado os pontos e compreendido. Isso significava que ele sentia-se mal, assim como qualquer outro homem, estando perto de um homossexual. Afinal, Zayn adimitira isso, não é? No mínimo, foi isso que deixou parecer.
        -Não que-quero isso. - o moreno sussurrou para si mesmo. Liam estava perdido, assustado e por causa disso levantou-se, querendo distância. Ele escutava o choro de Zayn, enquanto ficava observando o exterior, sentando de frente para as grades. Queria ajudar, e conhecia a necessidade de tranquilizar o colega, entretanto não tinha condições para fazer isso então só escutou, como se nada estivesse acontecendo.


Notas Finais


E foi isso, garotas. O que pensam, agora? Me digam! Tadinho do Zee, ele sofre demais, não é? E o Liam foi muito idiota no final, eu sei, mas eu precisava disso como um gancho para o próximo capitulo, que vai estar BOMBÁSTICO! Surpresa e emoções fortes as esperam.
E o Niall e Dylan cada dia mais suspeitando doa Ziam. shuashuashua. Eles podem trabalhar pro FBI, se continuarem assim.
E gostaram do meu discurso LGBT? Kkkdkdk Queria ter escrito mais porém ia ficar cansativo e muito grande.
Obs; ASSITEM O FILME QUE EU COLOQUEI NA FIC. O filme é muito foda, manas. E a temática da homossexualidade é muito bem trabalhada. Sem contar que o Benedict é um excelente ator e fez o papel grandiosamente.
Malikisses 😗💛💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...