História Prison Novel - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias One Direction
Personagens Liam Payne
Tags Criminal, Larry Stylinson, One Direction, Ziam Mayne
Visualizações 83
Palavras 6.153
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


FINALMENTE O CAPÍTULO FICOU PRONTO!!
E que capítulo grande ,viu? Eu demorei a escrever mas caprichei ;).
Espero que gostem.
As coisas estão começando a esquentar...

Capítulo 9 - Estrange Visions


Fanfic / Fanfiction Prison Novel - Capítulo 9 - Estrange Visions

                         NARRADORA POV'S 
    -Eu não acredito nisso! 
    -Calma,Lou. Ficar assim não vai adiantar em nada. 
    -Mas o Zayn foi condenado,Harry! Eu também não posso ficar aqui sem fazer nada. Ele precisa de ajuda. Eu não vou deixá-lo naquela prisão horrorosa sozinho. -Louis dizia,andando pela sala,com a mão esquerda na cintura. Harry estava sentado no sofá, olhando-o preocupado. Vira como o namorado ficara no tribunal e entendia que o melhor seria que o deixasse jogar tudo pra fora. Descontar sua raiva e indignação ou então ele ficaria pior ainda. 
    -Eu sei que ele precisa de ajuda,mas nós não podemos fazer nada. Nada legalmente. 
    -Precisamos tirá-lo de lá! -Louis disse,parando de andar e virando-se para Harry. Os olhos bem abertos e uma expressão eufórica no rosto. 
    -Baby... -Harry começou, num tom amável. Não sabia como fazer o outro entender a situação racionalmente. Deveria escolher bem as palavras ou o de olhos azuis se magoaria. - apesar de Zayn ser seu melhor amigo,irmão,não podemos ajudá-lo. Ele foi,julgado e condenado. É a lei. Eu sei que ele não merecia,apesar de tudo que ele fez. Mas as pessoas não entendem. Se ele cometeu um crime ele deve responder por isso. É a América. É assim que as coisas funcionam. -ele explicou, no tom mais manso e cuidadoso que pôde. 
   Louis encarou Harry. Passou um tempo relevante em silêncio, pensando em tudo que Harry dissera. Os dois ficaram se olhando por uns minutos. Harry não queria que Louis sofresse e ficasse mal e Louis não queria parecer o namorado teimoso e mimado que fora no início do namoro deles. Ele sabia que Harry estava certo. Sabia que não tinha poder nenhum pra libertar o amigo ou melhorar a situação dele. Ele já tinha recebido o tratamento adequado. A justiça fora feita. Era nisso que deveria acreditar,no que acreditava. Todos acreditam na justiça e revindicam-na. Civilizações antigas e grandiosas lutaram e sofreram pra conquistarem a  democracia,a república. Você passa a vida toda julgando aqueles que perturbam a paz, que praticam a violência e tiram vidas,porém você não sabe o que essas pessoas pensam,o que elas viveram,pelo o que elas passam. Você só sabe quando presencia,quando é parente de um desses "infelizes".  
    E Zayn era seu amigo. 
    Irmão. 
    Eles se conheciam há anos. Louis sabia porquê Zayn fazia o que fazia. Como era vida dele,a família. Você não abandona a família, não dá as costas à ela. Entretando, quando você não pode ajudar,você para e aceita a situação como é. Você não desiste,só para de insistir. Só pensando assim Louis sentiria-se melhor. Ele não abandonaria o amigo,nunca. Mas aceitou a realidade. 
    Suspirou bem fundo e sôfrego antes de sentar-se ao lado do mais alto e deitar sua cabeça no ombro dele. Harry fez carinho nos cabelos dele. 
    -Eu vou visitá-lo toda quinzena. Ele deve estar muito mal,Haz. -lamentou,com dor. - Ele não parece mas é muito emocional. Vai sentir minha falta,do Daniel,sua,da família. Ele vai ficar péssimo. E não quero nem imaginar no que pode acontecer com um Malik depressivo e furioso. 
    -Não tem psicólogos nesses lugares? -Louis assentiu. -Ele poderia conversar com um,então. Desabafar ou conversar. 
     -Não. Zayn não faria isso nunca. Ele mal se abria comigo,imagina com um estranho?! Muito pouco provável. E ele não gosta de falar sobre questões sentimentais. Ele me falava porque eu sabia como pressioná-lo. Duvido que um psicólogo cheio de pacientes e pago pelo governo saberia lidar com ele. -Louis afundou-se mais ainda no sofá, frustrado. Harry deu um beijo na sua testa. 
    -Ele vai ficar bem.- Styles disse,pra consolar o namorado.- Acredite nisso. Zayn sabe se virar e você vai visitá-lo. E quando for faça-o te contar tudo. Seja o amigo que ele precisa. Vocês vão continuar irmãos,mas só vão se ver a cada 15 dias. -o mais baixo deu um suspiro,concordando.  Se aconchegou no peito de Harry,que continuou o cafuné nos seus cabelos. 
    -Eu espero. 
    -Eu também. 


     Liam examinava o mapa dos esgostos na sua cela com muita atenção e determinação. Ele acreditava que um dos diversos caminhos subterrâneos poderia levá-lo direto ao lado de fora daqjele lugar. Só precisava testar seus palpites. Ele só poderia fazê-lo durante a noite, infelizmente. Aí sim teria o tempo necessário pra fazer o que deveria e não correr o risco de ser descoberto. O único problema era seu colega de cela. Mesmo que saísse quando ele estivesse num sono muito profundo tinha o risco dele acordar e notar a sua ausência. Liam estava indeciso. Ele poderia arriscar e descobrir finalmente um jeito de fugir ou então permanecer com a inquietante dúvida pertubando-lhe os pensamentos. Se pudesse pelo menos contar com alguém.... Tinha Niall,mas não queria dar falsas esperanças ao amigo. Até pensou em contar-lhe tudo antes,mas depois de refletir melhor,percebeu que seria muito pior alimentar  esperanças com nada sólido pra se basear. Ainda. Era o que esperava. Quando chegasse a noite iria atrás de respostas e se tudo desse certo no dia seguinte o loiro teria um motivo pra acordar de bom humor.  
    Quando o sinal bateu ele escondeu o mapa no livro e colocou-o onde estava. O seu colega de cela reapareceu, quase no mesmo instante. Ele olhou para o corredor exatamente ao ponto de ver Malik passar,em direção a cela dele. Ele não olhou pra Liam ou pra nenhum outro.
   Liam tinha feito questão de ignorá-lo totalmente pelos dias seguidos, após o segundo beijo deles. E aquilo fora há vários dias. E Malik não dava sinais que se importava ou que achasse aquilo ruim. Nem olhava na cara de Payne,não lhe procurou mais pelos cigarros ou para perguntar sobre o "manual de comportamento prisional" ao qual Liam lhe falara. E isso deixou Liam realmente intrigado. Mas por quê? Não havia razões pra que se preocupasse com o novato idiota e inclinado a valentão. 
   Payne pensara sobre o beijo deles. Sobre o que Zayn lhe disse e em muitas outras coisas. Sua mente estava cheia e ele precisava dormir. Deitou-se na cama,assim como seu colega tinha feito assim que chegara. Para todo os presos,dormir era o que mais poderiam fazer. Quando você não se dá bem com seu companheiro de cela ou não tem assuntos pra conversar o melhor a se fazer é dormir. E Liam era ótimo nisso,também. 
    Mas o seu sono não fora normal como nos outros dias. Fora silencioso,cuidadoso  mas surpreendente. A razão? Acho que você já tem uma suspeita. E se acha que é um moreno de olhos âmbar e tatuagens, está correto. 
   Liam abriu os olhos com urgência. Como quando você sai de um lugar muito escuro. É um alívio mas ainda assim um desespero. Ele não estava ofegante nem assustado. Na verdade estava confuso. Visões de Zayn invadiram seus pensamentos,de repente,com a mesma velocidade e audácia de um relâmpago. Ele sem camisa,deitado,de costas pra ele em frente a um espelho,ele fumando e passando a mão pelo cabelo. E tinham um vulto de outra pessoa junto. Viu a silhueta da pessoa,também de costas. Eram relances de situações na qual Zayn esteve presente ou ainda fosse estar. Ele não sabia. Nunca acreditou em previsões. Mas e se estivesse acontecendo isso com ele? Ele vendo coisas? Não. Isso era insano. Provavelmente eram só cenas de acontecimentos passados. Mas e a relação de Zayn com isso? Por que era justamente ele quem estava nessas visões? E Liam teve que admitir que Zayn estava....bem nessas visões. 
   Ele balançou a cabeça com força. Não queria pensar nessas coisas,ainda mais sabendo do que disse ao moreno depois daquele beijo ridículo no banheiro. Nada aconteceu e não se repetiria. Era só um maldito e estúpido beijo. Não significou nada. Sem importância. 
   Ao olhar na cama de cima viu que o outro homem  continuava dormindo,num estágio de sono mais profundo do que o mar e muito provável acordaria só no outro dia. Ainda não era noite,porém faltava poucas horas. Então Liam poderia finalmente agir. Ele levantou-se e sentou-se no chão,com as mãos sobre a cabeça e os pensamentos borbulhando. 

    Quando finalmente a noite chegou,Liam já estava prestes a arrancar o coração de alguém fora de tanta raiva e ansiedade. Não fora fácil ficar esperando 4 horas inteiras pra que tivesse certeza de que se passasse pro outro lado da parede não teria problemas quando retornasse. Não tinha nada o que fazer a não ser ficar escutando a conversa dos presos das outras celas que infelizmente não sabiam conversar como pessoas civilizadas e só gritavam. A maioria só ria e falavam besteiras. 
    Os corredores estavam escuros,a não ser pela única luz que ficava acesa na sala dos guardas. Liam olhou um última vez para o lado de fora, por trás das grades e com destreza e sem fazer barulho pegou o mapa e uma pequena lanterna que guardava. Desparafusou a pia da parede e empurrou pra trás,deixando a passagem livre. E sem pensar mais deixou as incertezas de lado e atravessou. Uma vez que se viu sobre as plataformas de ferro do sistema de  encanamento do presídio,respirou aliviado. Puxou a pia pra parede e então deu uma olhada no mapa. Era azul e cheio de linhas que se entrecuzavam e sobrepunham umas às outras. Quem não soubesse o que era, veria-o como o mapa de um labirinto.  
    Ligou a lanterna e apontou pra frente. Todo o corredor se iluminou e Liam caminhou. Seguindo o mapa,a entrada para o esgoto que o levaria ao lado de fora ficava na parte sul do setor em que estava. Ele deveria seguir por aquelas estruturas férreas até chegar lá. Essaa estruturas ficavam em volta de canos,no alto pra que se algo acontecesse um técnico especializado pudesse subir ali e consertar. E felizmente as estruturas eram fortes o suficiente pra aguentar o peso de um indivíduo adulto,homem.
    Ele virou a esquerda,outra vez e então viu uma abertura nas ferragens que podia ser facilmente manipulada. Parecia mais uma janela,só que horizontal. Era semelhante àquelas janelinhas de tubos de ventilação dos filmes: quadrada e de lata. Essa era um quadrado amarelo com barras de ferro cruzadas. Parecia uma malha ou àquelas toalhas de mesa cheias de quadradinhos.
   Liam iluminou-a e após colocar a lanterna na boca usou as duas mãos pra erguer a estrutura,abrindo-a. Então,ele passou por ela,segurou nas estruturas de ferro das bordas e pulou no chão. Caiu agachado,com os olhos bem abertos enquanto olhava ao redor,procurando sinais de policiais ou câmeras. Por sorte, não tinha nada. Estava tudo escuro e silencioso,calmo demais. Estranho e intrigante. Mas afinal,ele não tinha tempo pra essas trivialidades. 
   Não perdeu mais tempo e olhando o mapa novamente começou a procurar pela passagem de esgoto tão superestimada. Depois de minutos iluminando o local inteiro e vários xingamentos ele conseguiu encontrar. Um retângulo de ferrono chão,com o logo da empresa responsável pelo sistema de água e encanamento da cidade. Liam já o vira antes,em casas. O retângulo parecia estar trancado ou com algum tipo de proteção,e por isso Liam foi mais cuidadoso ainda ao tentar abri-lo. 
   Se tudo desse certo aquele seria seu caminho para a liberdade. 
    Liam hesitou antes de descer pela passagem,de novo. Os esgotos tinham muitos caminhos e podiam levá-lo a diversos lugares. E Liam não podia perder tempo. Não tinha o luxo de errar o caminho e começar tudo de novo. Precisava achar o caminho até o lado de fora, tão rápido quanto pudesse,mas se entrasse naquele buraco podia passar muitas horas lá embaixo,correndo o risco de seu colega de cela acordar ou algo na prisão acontecer. 
   Ele devia pensar. Pensar. Analisar. A única chance de sair da prisão era essa e ele sabia. Deveria aproveitá-la? Ele podia voltar outra dia,mas por quê? Se já estava ali o mínimo era que fosse até o final. Niall merecia uma vida melhor. Liberdade. Uma casa de verdade. Uma universidade de música. Era seu melhor amigo. E não deveria sofrer por erros passados seus. Uma vez na vida,Liam devia se sacrificar por outra pessoa. E essa pessoa não poderia ser ninguém mais além de Niall. Já podia até imaginar e ver o sorriso no rosto do irlandês quando contasse-lhe que tinham uma chance de saírem daquele inferno. E esse "quando" podia ser no dia seguinte,no café da manhã. 
    Liam foi. O tempo não estava a seu favor mas tinha que tentar. 
    O ambiente nos subterrâneos não era muito agradável,como é de se esperar. O cheiro era insuportável e nauseante. Liam queria vomitar. A iluminação também era nula. Se não fosse por sua pequena lanterna,Liam ficaria completamente no escuro. E aí assim,suas chances de achar uma saída seriam inexistentes. Havia água no chão. Uma água escura e esverdeada. Ele não queria nem imaginas o porquê. Tentou não prestar muita atenção a esses detalhes e conseguiu. Com a lanterna na boca e o mapa estendido na altura dos olhos,Liam andou pelos túneis escuros e assustadores do esgoto, seguindo as instruções do mapa. Ele mostrava o caminho que daria do lado de fora. Só deveria segui-lo. 
   Em um dos corredores fedidos e nojentos Liam até encontrou ratos e baratas,mas fez o que pode pra enxontá-los com os pés e um pedaço de madeira que achara minutos antes. 
    A jornada em busca da saída parece ter durado 1 hora e alguns minutos. Porém,valeu o esforço. No final,Liam deu de cara com uma escada de ferro que levava a outra passagem. Ele subiu as escadas e empurrou a tampa de metal enferrujado e marrom pra cima,com toda força que pôde. A tampa fez barulhos de metal e ferro sendo arrastados e então começou a se mexer. Quando estava aberta Liam inclinou levemente a cabeça pra fora e viu grama e verde pra pra todo lado. Havia árvores do lado de fora da prisão,no lado leste,pelo que parecia. 
    E então Liam sorriu. 


        -Niall!! 
     -Ah,bom dia,Liam. O que foi? -o loiro perguntou,com as sombracelhas franzidas. Liam parecia desperado e ansioso. Ele sentou-se a sua frente, abaixando a cabeça de imediato e indicando pra que Niall fizesse o mesmo. 
      -Eu tenho uma ótima notícia pra você. -disse. Niall franziu o cenho,curioso. 
        -Que notícia? 
     -Nós vamos fugir daqui. -Liam disse com uma animação controlada e proposital na voz. Como na primeira vez que um adolescente sai pra uma festa às escondidas e confessa o que vai fazer a um amigo. Primeiramente Niall ficou confuso,como se não entendesse o que Liam dissera. Então,suas pupilas aumentaram e o espanto tomou conta de seu rosto. 
       -O quê? Fugir? Você tá louco? -as palavras saíram de sua boca tão rápidas e urgentes que o loiro nem percebeu a altura com que tinha as pronunciado. Liam praguejou de insatisfação,espremendo os olhos enquanto levanta-se e ia sentar-se ao lado do amigo. 
      -Fala baixo!- ele disse,aproximando-se dele. Porém não podia chamar a atenção dos outros e então teve que sentar-se perto o bastante pra que só Niall o escutasse mas não tanto ao ponto de deixar claro que estava confiando a ele um segredo. Os outros perceberiam isso e Liam não era burro. Não até esse ponto. E em relação a esse assunto era necessária a maior discrição possível. 
     -Ah, desculpa. -Niall disse,automaticamente. -Não, não... Pera aí... -ele agitou as mãos- você disse fugir? Que história é essa? 
      -Se você parar com esse showzinho seu de surpresa e espanto talvez eu te conte. -o outro respondeu, revirando os olhos. 
          -Tá,fala. 
     -Eu achei um jeito de a gente fugir daqui. E aparentemente e provavelmente é segura e desconhecida. Quero dizer,acho que ninguém sabe dela. Ou se sabem, não falam. 
     -Que saída,Liam? Há mais de 12 anos nenhum detento conseguiu fugir daqui e do nada você aparece com uma saída. -Niall dizia, cético, desconfiado. Liam fechou a cara. 
     -Tá achando que eu sou mentiroso? -ele disse,com ar de ofendido. 
     -Não foi isso que eu disse. -Horan respondeu,firme. 
     -Mas foi isso que pareceu. 
     -Liam,por que você não para com esse seu drama e continua o que estava falando? -Niall falou,com uma expressão sugestiva e sarcástica no rosto. Payne o ignorou. 
     -Como eu estava falando,eu achei uma saída. É pelos esgotos e eu já verifiquei. Ela dá no lado de fora do presídio,no lado leste. Óbvio que eu preciso de mais informações pra organizar tudo da maneira que dê certo,mas eu me preocupo com isso depois. -ele fez um gesto de enxotar com a mão direita. -O importante é que nós podemos fazer isto, Niall. Podemos ter nossa liberdade de volta. -ele sorriu,empolgado. 
        -E como você achou esse caminho pelos esgotos? 
           -Ah,coisa fútil. Não importa. 
      -Claro que importa. Não vou me meter num negócio desse sem fazer o quê exatamente é,Liam. 
     -Ah okay,depois eu te explico e te mostro tudo. Fica tranquilo. -o irlandês assentiu, voltando a comer. 
      

   Zayn ganhara um caderno e um lápis,pra passar o tempo. E como ele amava desenhar,não achou aquilo ruim. Mas não compreendeu porque recebera tal privilégio. Segundo as palavras do policial era uma forma abrandar a vida deles,dando para aqueles considerados com boa conduta alguma coisa,apropriada e adequada,para se distraírem. E Zayn não concordou totalmente com isso,pelas diversas confusões que arranjara. Porém,os policias não sabiam disso. E aliás,poder desenhar ou escrever alguma coisa não era ruim. 

     Ele voltava pra sua cela,com o lápis e caderno na mão quando acabou trombando em alguém assim que virou o corredor pra direita. Suas coisas caíram e ele soltou uma porção de palavrões. 
     -Ou,olha por onde an... Ah,tinha que ser você. -Liam disse,olhando pra Malik com raiva e nojo. -Tá me seguindo, é? 
     Zayn também fechou a cara e sustentou o olhar dele. 
    -Até parece que eu ia perder meu tempo te seguindo, né Payne? Me poupe. -ele revirou os olhos,se agachando pra pegar os objetos. 
     -Ah, mesmo? -Liam fingiu surpresa- Você não se importou em ir atrás de mim pra me beijar,né ?
     -Não. Eu corro atrás do que quero. -Zayn levantou-se,encarando Liam com confiança. Não deixaria que ele o humilhasse de novo ou fizesse dele o que quisesse só porque era "chefe" por ali. 
    Liam por outro lado,ficou mais surpreso do que o normal. Mas não demonstrou muito. Mas ficou tenso.   
    Malik aproveitou o momento de hesitação do mais alto e se aproximou dele,ao ponto de ficarem centímetros de distância. Se quisesse  beijá-lo -de novo- era só inclinar um pouco mais a cabeça.
     -E como eu queria beijar você,eu fiz. -deu um sorriso presunçoso,dando de ombros. -Isso se chama força de vontade. Ou ousadia de sobra,você decide. -ele piscou antes de continuar seguindo pra cela. 
    Liam estava perplexo demais pra responder ou fazer alguma coisa e ficou estático. Tentou processar o que acabara de acontecer mas seu cérebro parecia ter ficado "off" de repente. Zayn admitindo que queria beijá-lo e ainda por cima sendo corajoso? Pois afinal,não pensou que ele faria alguma coisa parecida. Tinha deixado bem claro que coisas aconteceriam se ele não andasse na linha. E então ele o enfrentava daquele jeito? Não podia deixar isso assim. Mas não ia perder tempo com isto agora,quando tinha assuntos mais importantes para lidar. Como sua saída dali. 


    Zayn seguiu pra cela e assim que chegou precisou inspirar bem fundo pra se sentir melhor. Ele tinha enfrentado Liam e saído ileso. Não era bem uma "briga" ou algo assim,mas ele não caiu no joguinho de provocações dele. Zayn também era mestre em provocações. Aprendeu durante os diversos anos trabalhando no mundo do crime. E não há ambiente melhor do que esse pra provocações. E Zayn amava. Ele provocava os outros homens quando eles tinham contas a acertar, provocava as garotas e provocava raiva em muitos. E por isso,sentiu-se tão bem por ter feito o que fez. 
   Estar a centímetros de distância dele não fora fácil. Foi sufocante ter que controlar-se para não beijá-lo como queria. O que deixaria não Liam feliz. No fim,Liam realmente não tinha gostado dos beijos deles. Nenhum pouco. E fazê-lo aquilo de novo seria péssimo. É como aprender de bicicleta: nas primeiras tentativas você consegue andar mas se machuca demais no processo. E Zayn não queria isso. Foram só beijos,mas é por aí que começa. 
    David ainda não tinha chegado,mas deveria estar,considerando o horário que estava quase acabando. 
     Assim,ele deitou-se na cama de cima de barriga pra baixo e começou a rabiscar algo no pequeno caderno. Finalmente poderia ocupar seu tempo com algo útil,produtivo e prazeroso. 
     David chegou minutos depois e começou a praticar uns exercícios com as mãos e os braços no pequeno espaço restante da cela. Ele tinha começado com aquilo alguns dias atrás mas Zayn não sabia o que era. Não parecia nenhum tipo de luta conhecida. 
       Não se importou.  
     O dia passou tão lento quanto todos os outros. À noite,quando parou de desenhar,Zayn percebeu que havia desenhado muito. 7 ao todo. Mas gastou muito tempo em cada um então era muito,só por uma tarde. Só desenhos aleatórios,como um homem de ferro de corpo inteiro,uma garrafa de vodka com copos ao redor cheios de gelo,um tigre -esse pensou no que tinha tatuado e levou menos tempo- quatro cartas de baralho no típico jeito de "leque" e mais outros. 
    Gostava de desenhar e pra ele era incrivelmente relaxante. Foi como voltar à sua antiga vida. Uma na qual ele sentava no chão do seu estúdio e passava horas desenhando ou pintando. Aquilo sim era viver. Contudo,pensar naquilo só o deixaria pior e tratou de afastar as lembranças pra longe. 
    Por algum motivo lembrou de Dylan e riu. O rapaz até que era legal e podia ajudá-lo,afinal de contas. A ajuda ou companhia dele naquele antro de grosseria e sujeira seria válida e satisfatória. E não demorou a descobrir isso. 
     -Você não fuma? -o moreno perguntou,incrédulo. Dylan fez que não com a cabeça. 
      -Nunca me interessei. Acho melhor ter meus pulmões branquinhos e saudáveis. -Zayn riu. 
      -Também não é como se eu fosse morrer amanhã por causa disso. 
     -É verdade. Mas vai morrer antes do que eu. Prefiro assim. 
      -Se eu te matasse as coisas mudariam. -Malik comentou,distraído,jogando uma pedrinha na grama. Dylan virou-se depressa pra ele,a expressão aflita. 
      -Nunca mais repita isso aqui. -disse,firme,fitando Zayn com dureza,censura. -Você não brinca com a morte aqui dentro. Tem homens aqui que fariam qualquer coisa pra achar um assassino de aluguel ou um "cachorro de despache" próprio. Isso aqui viraria um inferno. 
         -Mas... -ele tentou rebater mas Dylan foi rápido. 
     -É sério,Malik. Se você quiser isso beleza,vai p frente,conte a todos quantos você já matou ou mataria e então uma penca de urubus cairão em cima de você. 
     -Dylan,eu só estava brincando. Eu não vou matar ninguém. 
       -Pode ser. Mas todo cuidado aqui é pouco. Eu tô te avisando pra que você pense antes de fazer qualquer merda. Como as de antes. 
       -Ah,claro. Você tinha que lembrar disso. -Malik disse com resignado. Dylan deu de ombros. 
         -Você só se deu bem por causa do Liam. 
        -Não fala nesse idiota. 
      -Mas é verdade. Ele pode ser um grande babaca mandão e arrogante mas te ajudou. 
      -É,grande ajuda... -o moreno murmurou. O outro estreitou os olhos na direção dele,curioso. Zayn não parecia gostar muito de Liam,isso já sabia,mas algo por trás da voz dele e reações era suspeito. Tinha mais alguma coisa entre ele e Liam. 
        -Ele fez algo com você? -perguntou. Zayn olhou-o sem entender. 
          -Como assim? 
      -Te ameaçou... briga,sei lá. Qualquer coisa que explique porque você não vai com a cara dele. 
      -Ah talvez o fato dele ser um grande babaca  mandão e arrogante explique o suficiente. -disse sarcástico. Dylan revirou os olhos. 
      -Deixa disso. Se você me contar talvez eu possa te ajudar. Eu sei como ele é com os outros e o que ele faz. Estou aqui há anos. Vi muitas coisas. -disse,um relance de amargura na voz que fez Malik franzir o cenho. 
       -Não. -Zayn retrucou,decidido. - Você não pode me ajudar com isso. 
       -Ah,mas então quer dizer que há algo? -Dylan tinha uma expressão divertida mas especulativa. 
      -O que ? -o moreno tentou soar surpreso mas soou mais como assustado e tenso. Pareceu que Dylan sabia o que aconteceu entre os dois e o perguntava sobre isto. Mas não era. -Não é da sua conta. Você não tem nada a ver com isso. -ele levantou enquanto o outro bufava,entediado. 
      -É,Malik,você não me ouve. Tá indo muito bem. Parabéns! -ironizou,vendo o moreno se afastar. Se ele não queria ajuda não podia fazer nada. 


      -Você está me escutando,Liam? -Niall perguntou, fitando-o. Os dois estavam sentado nos bancos de ferro,que imitavam arquibancadas,só que com menos bancos. Estes tinham só 4 fileiras compridas,uma acima da outra. Conversavam sobre trivialidades,até Niall sentir que o amigo não prestava atenção em nada do que ele dizia. Ele tinha o olhar longe,o rosto inclinado pra frente e parecia observar algo...ou alguém. 
     Ele passou a mão na frente do rosto do mais alto,que no mesmo instante pareceu ter acordado de uma hipnose. 
        -O que foi? 
      -Eu tô aqui falando e você não tá me escutando. Parece que tá em outro mundo. O que você tem? 
          -Eu não tenho nada. Tá louco, Niall? 
    -Louco é você que fica aí com essa cara inexpressiva e esse olhar de falcão,parecendo que tá caçando alguma coisa. Ou que tá vigiando alguém. 
      -Meu olhar não é de falcão. E eu não tô vigiando ninguém. -falou. Niall ergueu uma sobrancelha pra ele,duvidando. Olhou pra frente e tentou seguir o olhar do amigo. Procurou pelo pátio todo até encontrar Zayn no outro lado, levantando-se. Ele não parecia contente. 
     -Então por que tá tão interessado em ficar olhando o Malik? Seguindo ele com o olhar,como se ele fosse uma ameaça. -comentou,parte por curiosidade e outra por inquietação. Liam estava escondendo algo. 
      -Talvez ele seja mesmo. 
      -Qual é,Liam! Para de implicar. O cara não fez nada grave. 
      -Não fez?? -o tom que ele usou só serviu para deixar Niall mais desconfiado ainda. Ele franziu o cenho, além de cerrar os olhos pra ele. Liam abaixou a cabeça depressa. -Eu não quero mais problemas pra mim,só isso. Eu fico de olho em quem não confio. E eu não confio nele. -deu de ombros. Niall balançou a cabeça. Mas a dúvida permaneceu. 
      -Talvez as coisas melhorem se você tentar  conhecê-lo. Se ele for realmente problema vai ser melhor você estar por perto. Como diz o ditado "Mantenha os amigos perto,os inimigos mais perto ainda." 
      -Não tem como eu manter o Malik por perto. Nunca! 
         -Tá. Faz o que você quiser. -Horan concordou,com descaso. Tentar aconselhar Liam era tão útil e recompensador quanto falar com uma parede. 
      -Não faz isso. Eu sei que você se preocupa comigo,porém eu e o Malik é uma coisa que não dá certo. 
           -Eu duvido muito. 
      -Ah,cala a boca. Mudando de assunto,eu vou conseguir uma chave de fenda pra você. Então vou poder te mostrar como vamos sair daqui. 
           -E onde você vai arrumar isso? 
      -Eu sou um dos grandes por aqui,Nialler. Eu consigo qualquer coisa. 

                                    ❇❇❇ 

 No outro dia,também no horário livre durante a tarde,Liam apareceu na cela de Niall,afobado e apreensivo. O loiro estava sentado no chão,fazendo um origami. Liam olhou-o estranho,fitando a quase acabada miniatura do que parecia um pato. 

        -Não sabia que você sabia fazer isso. -disse. 
      -Aprendi tem um tempo. O meu colega de cela me ensinou. Não tem muito o que fazer pra passar o tempo, então... 
      -É,realmente. Pode me ensinar depois? -ele sentou na cama,de frente pra Niall. 
       -Claro. 
      Liam assentiu. Deu uma olhadela pra direção do corredor e só ouviu as diversas vozes que vinham lá de fora. Não deviam ter muitos presos no prédio,pois a maioria achava melhor ficar no pátio ou nos bancos. Mesmo assim,não podia correr nenhum risco. 
      Depois de um momento,ele tirou algo da cintura,em baixo da calça azul. Era uma chave de fenda. 
        -Eu cobrei um favor de um policial e consegui isso. É pra você. -entregou-a ao loiro. Niall pegou-a,com cuidado.- Esconda direito. -ele examinou a cela. Não tinham muitas escolhas de esconderijo por ali. -Okay,esconda onde puder. Não deixe que seu colega veja. 
          -E o que vou fazer com isto? 
      -Depois eu te explico. Não temos tempo agora. Falta só uns minutos até o sinal bater. Eu olhei no relógio quando estava conversando com o policial. E lembre-se: esconda. -Liam falou por fim,antes de sair. 
       Niall examinou a ferramenta com muita atenção, tentando pensar no que deveria fazer com aquilo é procurando alguma pista ou informação que pudesse estar escrita nela. Mas não encontrou nada. Era totalmente lisa e fria como qualquer outra ferramenta. O que Liam estava pensando? 
      Escondeu-a dentro da cama de metal. As grades laterais da beliche tinham uma espessura grande e por causa disso alguém tivera a excelente ideia de cortar a do lado da parede numa espécie de pequena gaveta secreta,onde cabia papéis, lápis,cigarros e até uma chave de fenda. 
      Ele poderia esconder o que quisesse ali,desde que coubesse,e ninguém descobriria. 
        -Keylan Houghton. -a voz no auto falante soou alta e mecanizada. 

 Não entendendo o que acontecia Liam deu um pulo da cama,muito surpreso. Viu quando a cela se abriu automaticamente e seu colega também levantava-se e seguia pro corredor. O que será que queriam com ele? Payne não fazia ideia. 

      Assim que o ruivo alto saiu a cela voltou a se fechar. Ainda confuso e surpreso Liam escorou-se nas grades,olhando ao redor. Viu o colega descer as poucos degraus da escada que levava ao piso e seguir com um guarda o acompanhando. 
      Passou-se um longo tempo. Horas. Até que ficou de noite. Keylan não voltou. Liam começou a desconfiar de que nem iria. Nenhum preso era convocado daquele jeito e demorava mais que horas pra retornar. E a esperança de que ele não voltasse mais fez com que Liam dormisse mais tranquilo e com um sorrisinho vencedor no rosto. 
       E de fato Keylan não voltou. Provavelmente fora transferido ou o caralho a quatro. Liam não ligava. Ele só sentia-se mais feliz do que o normal. Um bom humor surpreendente. 
       -Que sorrisinho é esse? -George perguntou. Era um dos diversos companheiros dele. Além dele tinha mais um. Liam,Niall,ele e o outro compartilhavam uma mesa,durante uma refeição em alguns dias. 
      -Satisfação. -Payne respondeu. -Meu colega de sala pelo jeito não vai voltar mais. 
      -O Keylan? -ele concordou. -Sorte sua. Às vezes ter um colega é um saco. Queria ter uma noite de sono boa,pra variar. Sem ronco e pesadelos com demônios. -comentou George,com desagrado. 
      -Pesadelos com demônios? -Niall riu.- Que clichê de série de ficção. 
      -Ficção ou não o incômodo é o mesmo eu já tô querendo matá-lo. 
      -Se estivéssemos em outras circunstâncias eu até te ajudaria mas aqui é impossível. -Liam comentou. Niall ignorou. Às vezes ele esquecia que Liam podia ser muito insensível e mostrar seu lado "assassino". Odiava isso. 
        -Pois é,não dá pra fazer nada neste inferno. 
      -Mas quem disse que não podemos nos divertir? -Liam disse,com um sorriso traiçoeiro. O típico sorriso de quem está prestes a aprontar. 
  -O que você vai fazer,Liam? -Niall perguntou,preocupado. Liam só sorriu mais ainda e George o acompanhou. 
       Payne, de repente,começou a bater na mesa com as duas mãos. Como se quisesse fazer uma batida de alguma música ou algum som,que os outros não reconheciam. O som era metálico,já que a mesa era de metal. 
         Ele bateu de novo. E de novo. E mais uma vez. 
       Os demais começaram a achar aquilo estranho e olharam. Ninguém entendeu. Então George também começou a imitá-lo.  E em seguida Niall,que apesar de não saber pra quê o fez não quis ficar de fora. Os três faziam o mesmo barulho,no mesmo ritmo. Tinha certa sonoridade naquilo. 
       E assim,vários outros começaram a fazer o mesmo e imitar os três. Em pouco tempo todos no refeitório inteiro batiam as mãos nas mesas e os outros riam. Outros tiveram coragem de mudar o ritmo pra formassem uma "música". Era como beat box. No início,você não sabe o que está fazendo mas continua,e aquilo soa como música. 
       Até Dylan se juntou àquela brincadeira. Zayn,ao seu lado,tinha uma expressão muita estranha. Não sabia se ria ou se ficava furioso por Liam ter começado aquela idiotice de criança. Era um dos poucos que não quis participar. 
     O barulho tornou-se alto demais e Dylan teve de gritar ao dizer: 
     -Vai,se anima. Faz também. -ele disse,com uma risada. Zayn negou. 
      -Nem morto. 
      -Sem graçaaa. -Dylan cantarolou. 
      -Eu sou cuidadoso. É diferente. -ele olhou ao redor. O refeitório estava uma zona. Os homens gritando e rindo,o barulho ritmado de fundo. Os conzinheiros tinham desaparecido e os dois guardas que estavam ali não eram muito úteis. -Vão chegar policiais aqui em 3,2,1. 
        Quando os oficiais chegaram,junto com o tenente a baderna ainda continuava. Ninguém se deu conta. 
       O tenente era alto,moreno e com barba. Tinha uns 43 anos e usava um uniforme impecavelmente perfeito nele. Mais seis policiais o acompanhavam,com cacetetes nas mãos. Os sete pararam na entrada e o tenente olhou para todos o cantos,antes de se manifestar. 
    -ORDEM! -ele gritou,no tom mais alto que conseguia. 
      O barulho diminuiu,mas a agitação continuava. Então ele mandou os policiais pra conter os presos e acabar com aquilo. 
      -Isso aqui não é nenhum parque de diversões. -o homem andou entre as mesas,olhando cada um com uma expressão séria e olhar intenso,consistente. -Esse tipo de coisa não é permitida. Não vou tolerar nenhuma violação das regras ou negligência. Isso é inaceitável e inadmissível. Não vou permitir que perturbem o bom funcionamento deste presídio. Se quiserem diversão talvez eu deva levar todos vocês para as solitárias. Garanto que lá vocês vão encontrar diversão suficiente pelo resto da vida. -disse, sarcástico,porém ninguém disse nada.
     O barulho já tinha acabado. Todos permaneciam calados e olhando para o tenente,atentos. Exceto Liam,que achou melhor voltar a comer. Por isso nem notou quando o tenente parou atrás dele, furioso. 
     -Talvez eu devesse mandar você pra solitária, Payne. 
     Só assim Liam levantou-se e virou-se de frente para o tenente. Não parecia ter medo ou estar assustado. E ele realmente estava bem tranquilo. Lidar com o tenente era coisa que já tivera que aprender a fazer há muitos anos. 
      Os dois se encararam. Liam despreocupado e o tenente inexpressivo. Não deu pra ler nada na expressão dele que revelasse alguma coisa. Não sentia nada. Total indiferença e conformidade. 
         -Foi você quem começou essa bagunça,não foi? 
      -Talvez. -Payne passou o dedo na sombracelha. -Isso aqui estava muito calmo,entende? Aí... -deu de ombros,com a cabeça de lado. O tenente riu,sem humor. Um riso curto e seco. Os outros continuavam calados. 
      -Você é muito cretino,Payne. -ele disse. 
      -Estou acostumado. 
   -Pois então,acostume-se com o bom comportamento também. Seja um bom detento e não arranje problemas. Acho que você faria um grande favor a todos nós aqui,não é verdade?-olhou ao redor. Voltou a encarar Liam. -Da próxima vez que você aprontar uma dessas,vai acabar na solitária. E eu não tô brincando. 
       -Entendi,senhor. -Payne disse. O homem mais velho deu um aceno bem sutil em concordância. 
         -Muito bem. Podem voltar para suas celas. E não haverá horário livre hoje. 
             Assim ele saiu,levando os policiais. 
   Liam sentou-se novamente. George ficou calado,assim como Niall. 
      Alguns detentos olharam pra eles insatisfeitos e com raiva. Perder o horário livre era demais. E tudo por causa de Liam,que começou uma brincadeira aparentemente inofensiva. Mas eles não tinham coragem de dizê-lo a verdade ou liberarem sua raiva em cima dele. Apesar de tudo,Liam era um dos únicos ali que tinha contato com pessoas de fora ou tinha acordos com certos tiras e desse jeito conseguia arranjar determinadas coisas. Um horário livre perdido não se comparava ao que Liam podia oferecer. 
     Mas Zayn não tinha medo,pelo contrário,depois disto ficou mais corajoso e incentivado a jogar algumas verdades na cara de Payne. 
      -Onde você tá indo? -Dylan perguntou,o conheço franzido. Zayn fitou-o. 
          -Falar umas coisas ao Payne. 
      -O quê? Você enlouqueceu? Zayn,volta aqui! -ele tentou chamá-lo de volta porém não ajudou. Zayn continuou seguindo na direção da mesa de Payne e só parou ao chegar nela.
      -Parabéns,Liam! -começou,colocando as duas mãos na mesa e inclinando-se pra frente,pra ficar na altura da visão do outro. -Você acabou de provar mais uma vez o quanto você é idiota. Muito obrigado. Pensei que sairia daqui sem ver isso de novo. Mas você foi surpreendente bem. Muito bom! 
      -Cai fora, Malik. -ele respondeu,num tom que deixou claro sua descontentação. Mas Zayn nem deu a mínima. 
      -Ah, qual é,Liam? Aceite meus parabéns e comece a pensar no próximo show. Eu vou amar estar presente, também. 
       -O único próximo show aqui vai ser eu torcendo esse seu pescoço,seu atrevido de merda. -Liam também se ergueu,ficando na mesma posição que Malik. Seu olhar faiscava enquanto o do moreno eram cheios de diversão, sarcasmo e ironia. 
      -Não. Nosso show vai ser um pouco diferente. -sorriu, provocador. Ambos sabiam que ele indiretamente se referia aos beijos deles. - Vou pensar em quando. -e antes que Liam respondesse Zayn já tinha saído. Ele foi direto pra sua cela e voltou a dormir. 
      Liam tinha uma das mãos fechada em punho,sobre a mesa. Niall olhou-o confuso. George estava surpreso demais pra falar algo. 
      -Que porra tá acontecendo com você e o Malik,Liam? -Niall perguntou,com exasperação. Liam soltou uns murmúrios de raiva,olhou Niall,George e então se levantou. 


Notas Finais


Que foi isso hein?
Comentem o que acharam!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...