História Prison Of Love - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber, Shawn Mendes
Personagens Justin Bieber
Tags Adúltero, Drama, Incesto, Justin Bieber, Possessão, Revelações Fortes, Romance, Suspense, Violencia
Visualizações 110
Palavras 2.846
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Por Favor, não, reparem o nome da Rebecca na capa.
LEIAM AS NOTAS FINAIS.

Capítulo 18 - I Love You, Okay?


Fanfic / Fanfiction Prison Of Love - Capítulo 18 - I Love You, Okay?

Pov's Justin Bieber
—Thomas separe as duas!—Gritei para que Thomas soltasse Monica de Lucy. Confesso que eu estou gostando dessa luta. Thomas tira Monica de cima de Lucy e a coloca para fora de casa.
—Não, Bieber! Não deixe que ele me leve!—Monica gritava.
—E por que não?—A perguntei com a pose de superiosidade.
—Por que....Eu te amo, Ok?—Ela parecia ter mentido. Mas que desculpa tosca. Thomas nem a deu ouvidos a colocou para fora de casa. Lucy se levantou e foi para um quarto de hospede.  Mandei uma das escravas me dar banho e me colocar para dormir, aliás, amanhã será um longo dia.
11 horas depois...
Pov's Daniella Martins
Peguei minha bandeja com meu almoço e sentei-me com Jones, Nick, Shay, Merlyn e uma mulher ruiva. Elas estavam rindo de algo e quando me viram pararam na hora. Sentei-me ao lado de Shay. 
—Para, mãe, isso é ridículo.—Uma das detentas grita com a outra. Parecia que eram mãe e filha. A garota que aparentava vinte e um anos e a mãe que parecia ter quarenta e dois. 
—Mas isso é bom para o bebê.—Ela tentou explicar. Fiquei observando tanto aquela cena que nem respondi o "bom dia" de Jones. Peguei o pedaço de cenoura que está no meu prato e joguei naquelas detentas "mãe e filha". Comecei a ri sozinha.
—Está preparada? Daqui a meia-hora vamos receber visita.—Merlyn disse empolgada.—Acho que Liam vai vir me visitar.
—Liam? Sério?—Nick fecha os olhos e a reprova.
—Quem é Liam?—Perguntei a Merlyn dando uma pequena mordida em meu filé de frango, que tinha umas partes que ainda estavam congeladas.
—Meu noivo. Assim que eu sair daqui vamos nos casar.—Ela dizia com um sorriso largo, sua felicidade é enorme.
—Sabia que tem como você sair daqui, Martins?—Nick diz para mim. Todas da mesa olham para mim com um ar de curiosidade. Confesso que além eu ter ficado surpresa a curiosidade também bateu.
—Como?—Perguntei.
—Você provando a delegada que foi tudo uma armação.—Nick disse como se fosse obvio.—Ou você planeja um plano, tipo, com provas. 
Uma idéia brilhante me consumiu. Mas vou esperar o horário de visita chegar, preciso contar isso a Bieber. 
—Boa idéia, Nick, valeu.—Eu disse agradecida.
—Está me devendo uma.
—Martins?—Um policial me chama. Olho em sua direção e levanto a mão, indicando que eu sou a "Martins".—Visita para você.
Sai correndo de meu lugar indo em direção a policial. Eu fiquei tão feliz que Bieber veio me visitar, bom pelo menos ele se importa comigo, certo?
Nos dirigimos até a sala de visitantes, mas eu estava errada, não era Justin que vinha me visitar, aliás não só o Justin como Ethan também. Os dois parecem estar conversando. Andei até a mesa que eles estão rindo e quando me viram, um sorriso exagerado de Ethan se forma.
Pov's Ethan Sherwood
Sai do meu carro e dei de cara com Justin saindo de sua limousine. Fiquei o observando, esperando ele entrar. Thomas, infelizmente, me viu e chamou a atenção de Justin.
—O que faz aqui, Sherwood?—Justin me pergunta com seu famosos tom de superiosidade. Merda, mil vezes merda, por que ele tinha que me vê?
—O mesmo que você, Bieber.—Respondi no mesmo tom que ele.—Não vai entrar? Eu, você e a Daniella tem muito que conversar.
Bieber ficou calado, seu olhar preocupante. Entramos juntos até a entrada. Mas um cara que estava na janelinha do lado da porta chama nossa atenção.
—Posso ajudar?—Um policial me pergunta.
—Somos visitantes.—Respondi.
—Nomes?—O policial pegou uma ficha.
—Ethan Peter Raul Sherwood, Justin Drew Bieber. Se não se importa, senhor. Esse cara aqui.—Apontei para Thomas.—Ele é um segurança do cadeira de rodas aqui.—Foi mais forte que eu zoar Bieber.
—Identidades, por favor.—Thomas pegou a dele e de Bieber. Peguei a minha com um pouco de dificuldade, meu nome já ficou sujo muitas vezes por muita pouca coisa. Entreguei as três para o policial e ele liberou nossa entrada, mas nos deixou em uma sala de visitantes. Thomas se despediu de Justin e foi esperar do lado de fora.
—Bieber, você sabia que a Daniella namorava?—Perguntei para ele. Justin parece está surpreso.
—Eu a vi sofrendo nas mãos do namorado. Ela não seria burra para continuar com ele.—Justin disse revirando os olhos. —Mas como ela é sonsa e totalmente apaixonada por aquele otário deve continuar com ele.
—Que bom que pensa assim, por que o ex dela me mandou te avisar para você ficar longe dela, senão irar se ver com ele.—Menti.
—O sonho dele me tocar, não é?—Justin deu um sorriso de lado.—Dou dois murros no meio da fuça assim ó.—Ele mexeu a boca e fez caretas tão estranhas que me fazia rir. —Está rindo de mim?
—Não.—Eu disse tentando controlar os risos, Bieber acabou rindo também. Daniella vinha acompanhada de um policial. Sorri em vê-la.
—Lembre-se um abraço agora e um na hora de embora.—O policial a lembrou e saiu. Abracei ela e Justin me olhou feio. Por pura inocência, ok nem tanta assim, peguei no bumbum de Daniella e o apertei. Justin me fuzilou com os olhos, me fazendo rir.  Beijei a bochecha de Daniella e ela mordeu a minha. 
Daniella abraçou Justin e depositou um beijo em seus lábios. Ok, confesso que fiquei com uma pontada de ciúmes por ela não ter feito o mesmo comigo. Ela se sentou na cadeira em minha frente.
—Fico feliz que vieram me visitar.—Daniella disse com seu sorriso lindo.—E que não estão brigando.
—Olha só, Daniella, eu vim conversar com você.—Eu disse tentando dizer logo, mas algo me proibia, dizendo que é errado.
Pov's Daniella Martins
Sem dá muita chance para Ethan dizer o que quer conversar comigo, o calei rapidamente botando minha māo sobre seus lábios.
—Tenho algo importante para dizer.—Eu disse animada. Hoje sairei da prisão.—Vou sair daqui o mais rápido possível.
—Ah é? E como?—Justin disse se intrometendo. Eu e Ethan o fuzilou com os olhos por ter sido mal educado.—Ok, não está mais aqui quem falou.
—Se eu provar que eu sou inocente para a delegada vou ser solta. Estou planejando o que fazer.—Eu disse com cautela para ninguém ouvir. Sussurrei tão baixo que nem eu conseguir ouvir, mas felizmente, Ethan ouviu.
—Eu irei te ajudar.—Ele disse. Sinto sua mão sobre a minha, ele me deu um sorriso meigo e me puxou para um beijo. Justin nos olhava com pura raiva. Ele saiu de perto de nós e foi para a saída. Sai de perto de Ethan e fui até ele.
—Bieber, não fica assim.—Tentei o consolar. Justin virou sua cadeira de rodas para minha frente e percebi que seu rosto está vermelho como tomate pela sua tamanha raiva.
—Não ficar assim? Por que deixou ele te beijar? Você é minha, só eu posso te tocar, não aquele babaca.—Justin disse. Revirei os olhos, as vezes me sinto um brinquedo de uma criança mimada que não quer que ninguém a toque.
—Bieber, pare de me tratar como se eu fosse um objeto. Eu me pertenço, você não manda em mim.
—Mas é claro que mando.—Ele empinou o nariz, achando que é superior a mim. Bieber parece uma criança de cinco anos que não aceita nada e todos.
—Não me lembro de ter assinado o contrato de ser sua submissa.—Cruzei os braços. Justin ficou me fitando por um tempo e logo decidiu falar algo.
—Nos vemos amanhã. —Bieber disse por fim.—Agora me abrace.— Ele disse com seu tom autoritário de sempre, revirei os olhos e o abracei. Céus, como eu sentia falta disso. Falta de abraçar Bieber, sentir sua respiração no meu ouvido  e sentir seu maravilhoso perfume em minhas narinas. É bom sentir o calor do corpo de Justin. Talvez eu gostasse dele mais do que deveria.
Voltei a minha mesa e sentei-me na frente de Ethan.
—O que tem em mente?—Ethan me pergunta ao me vê. Esqueci completamente o que eu disse e fiquei calada, tentando lembrar o que diabos eu disse.—Sobre seu "plano" para sair daqui.
—Assim.—Sorri envergonhada.—Quero provar que eu não cometi um erro. 
—Isso eu sei, Daniella.—Ele disse.—Quero saber como você vai fazer isso.
—Você sabe que em bairro de rico tem câmeras pelas ruas, não é?—Eu disse, Ethan parece entender aonde eu quis chegar.—E se eles virem que eu não estava com nenhuma sacola preta ou qualquer coisa do tipo, vão saber que eu fui presa por um crime que não cometi. E sobre as ligações de Sam, posso mandar rackear meu celular e vê que não fiz nenhuma ligação.
—Que garota inteligente, meu Deus.—Ethan me elogiou. Sorri agradecida e logo aquele maldito sinal começou a tocar, o que significa que o horário de visita acabou. O que é uma pena, eu gostaria de conversar mais com Ethan.—Bom, eu te ajudo. Nos vemos amanhã.
Ele me puxou para um abraço forte. Caramba, Ethan tem fortes braços, como nunca notei? O abracei de volta e ficamos assim por um tempo. 
—Chega de abraço.—Um policial veio e nos empurrou um para longe do outro.—O abraço deve ter no máximo três segundos. 
Ethan me deu "tchau" e saiu. Voltei a minha cela e deitei-me a minha cama. Anotei tudo o que aconteceu até agora em meu diário. Sai da cela e fui procurar a delegada em sua sala. 
—Sra. Valerie?—A chamei. 
—Sim?—Ela respondeu.—O que você quer detenta?
—Vim provar minha inocência.—Eu disse confiante. A delegada me olhou como se eu fosse louca.
—E como?
—Quero que verifique as câmeras do bairro....—Eu disse o nome do bairro e rua onde aconteceu esse falso furto. E ainda dei o endereço de Pattie.—Agora pede para prefeito as filmagens da rua e confere se eu realmente roubei alguém. Você tem o dia e a hora que Pattie e as destemunhas  disseram que eu a furtei. E se quer rackear meu celular para vê se fiz qualquer tipo de ligação pode ir a minha casas e pegar meu celular. E a agressão? Bom, um arranhão no braço não é nada. Pattie escravisa mulheres em sua casa.
A mulher ficou em silêncio por alguns longos minutos. Joguei tudo no ar, mas tudo o que mais queria era obrigar essa vagabunda me soltar.
—Irei resolver isso, detenta.—Ela me enxotou de sua sala. Duvido muito que ela faça isso.— Prometo que até quarta irei dá minha resposta.
Pov's Justin Bieber
Eu adorava o jeito que ela me fazia sentir. Lembro-me deste o início, quando cruzou meu olhar com dela.  Os olhos dela são meus faróis e eliminam meu sorriso. Céus, como posso amar ela antes mim mesmo? Como posso ser tão apaixonado por essa mulher? Por que não tenho a maldita vontade de dizer isso para ela? Por que o medo de ela me rejeitar é maior?
—Sr.Bieber?—Thomas me chamou me tirando dos meus pensamentos sobre Monica.
—O que?—Perguntei sendo grosseiro.
—Lucy está ligando. Devo ou não atender?
—O que? Claro que não.
Tudo bem, sei que foi ruim de minha parte fazer Lucy esperar. Mas tenho que sair com a Daniella hoje. Espero que a resposta foi sim.
—Conversei com a secretária.—Thomas disse.—Dois dias no máximo e com policias a vigiando a cada passo. Sem dizer que tem regras, uma delas é ter pelo menos 15 centímetros de distância. 
—Caralho, mas que merda.—Reclamei. Eu sei que ela está na prisão e é uma detenta, mas mesmo assim precisa das porras dos policiais na nossa cola?
—Sr. Bieber, tente passar um bom tempo com ela, aproveite cada segundo.
—Não me diga o que fazer.—Virei o rosto. 
Pov's Ethan Sherwood
—Mas que merda, Ethan, deixe eu ir.—Samantha gritava me seguindo naquele pequeno corredor. Entrei em meu quarto e terminei de colocar minha gravata.—Você está me ouvido?
—Sim, Samantha, eu estou.—Eu disse revirando os olhos.—E você não vai, lá não é lugar para crianças.
—Eu não sou criança.—Ela bateu o pé no chão. 
—Você tem apenas dezoito anos, maninha, Só vai ser adulta mesmo depois dos vinte e um anos.
—Daniella tem a mesma idade que eu e mesmo assim estar lá.—Era só o que faltava, pensei.
Saí do meu quarto e fui ao banheiro arrumar meu cabelo. Hoje pretendo vê Daniella de novo, como prometi a ela. Meu pai é amante da delgada daquele instituição, o que vai ser fácil pedir a ela para eu ficar mais tempo com a Daniella. De acordo com meu pai, a delegada me deu trinta minutos com a Dani. Preparei algumas coisas para fazermos, comprei alguns jogos e peguei o baralho. Comprei também flores e chocolates, imagino que a comida da prisão não seja algo tão bom.
Desci as escadas totalmente pronto. Despedi de minha mãe e fui a garagem. Samantha está sentada na garupa de minha moto  e com o capacete na cabeça. Olhei para minha irmã com toda raiva que me consumia. Se eu digo "não" é não. E eu odeio teimosia. Tirei Samantha a força da garupa e a joguei contra a parede.
—Fique longe do meu caminho, maninha.—Fui sarcástico. Subi em minha moto e coloquei meu capacete.
Pov's Samantha Sherwood.
Por que Ethan tinha que ser assim? Céus, por que meu irmão é tão parecido com meu pai? Eu apenas queria ir para me certificar se Dani não ia se machucar. Ethan é um completo psicopata e não tem compaixão pelas mulheres.  E isso que aconteceu comigo agora me lembrou algo do passado. Bem no passado.
Flasback On
—Quem era o desgraçado que você estava conversando no telefone?—Papai gritava com a mamãe. Eu estou debaixo da pia ouvindo tudo, se papai me vê aqui ele me mata.
—Ninguém, Jonh.—Minha mãe disse. Papai foi para cima dela e a apertou pelos braços.
—Eu odeio quando mentem para mim.—Seu olhar psicótico deu medo até em mim.—Eu vou lá na puta que pariu e descobrir quem é esse filho da puta que você está ficando. É o Rank, não é? Vou lá agora.
Papai foi até o seu carro, um simples dodge V8 laranja. Mamãe correu para sua direção e não o deixou entrar no carro. 
—Deixe eu ir com você.—Ela suplicava. Ela com certeza queria ir para explicar ao Rank o que está acontecendo, pois eles são grandes amigos de infância e não queria que essa amizade acabasse por causa de um ciúmes do seu marido.
—Você sabe muito bem que Rank mora em um gueto. Lá não é lugar para você.—Papai respondeu. —Vou te dá cinco segundos para você sair da minha frente.
Minha mãe não saiu em momento algum de frente da porta do carro. Meu pai se irritou e a jogou contra a parede forte.  Minha mãe chorou horrores e meu pai entrou em seu carro, pronto para dar partida, mas acabou dando uma última olhada para minha mãe.
—Fique longe do meu caminho.—Dizendo isso ele deu partida. Ethan logo surgiu nas escadas e foi a cozinha beber leite. Eu tenho quase certeza que essa história vai se repetir, pensei.
Flasback off
Pov's Daniella Martins.
Lavei o banheiro com um certo nojo. As mulheres daqui são um pouco—Totalmente—porcas. Sorte que Gloria, uma detenta surda e muda, me ajudou.  Depois disso tive que ajudar na cozinha. Lavei os pratos e varri o chão. E agora estou cansada e morta em cima daquela dura cama.
—Martins?—Uma policial me chamou.  A olhei rapidamente.—Recolha suas coisas, agora você irar a ir ao dormitório. E ele é o número vinte e nove, sua colega está lá te aguardando.
Depois de uma vida e meia, finalmente vou para um dos dormitórios. Eu não aguentava mais ficar nessa cela. Espero que os dormitórios seja bem melhor que aqui. Bom é melhor eu não criar tantas expectativas. Suspirei forte e juntei minhas coisas.
Despedi das mulheres que eu dividia cela e segui a policial até os dormitórios. Não era tão ruim assim. Parecia quartos de orfanatos, com as camas alinhadas e um guarda-roupa do lado. Mas aqui tem tipo uns murinhos, de mais ou menos um metro e quarenta e dois centímetros, para separar a cada duas camas de cada.
—Ei, acorda.—A policial cutucou uma detenta que está deitada em uma das camas. A detenta acordou e virou o rosto para a a policial. Nem acreditei quando a vi, isso não é possível.
—A-Anne?—Perguntei incrédula. Ela me olhou com um sorriso maldoso, do tipo "eu voltei".
 

Pov's Autora

Ok, Vou falar aqui, eu queria muito pedir a vocês que comentassem. Os comentários caíram MUITO depois do capítulo 10. E eu preciso de motivação para continuar a escrever, por que são pouquíssimos comentários e eu fico triste por isso.  Não estou exigindo, só estou pedindo um favor.

​Continuou ou não?


Notas Finais


Os dias mudaram! Agora TODO sábado (Sem falta) terá capítulo novo. "Por que?" Por que no domingo agora ficou difícil para mim, como podem vê, eu demoro para postar e ás vezes nem posto no capítulo no domingo (como estou fazendo hoje) então, me desculpem por isso.
Beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...